Resumo de Sintaxe

  • Published on
    12-Jun-2015

  • View
    8.433

  • Download
    6

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Resumo sintaxe

Transcript

<p>Resumo de Sintaxe SINTAXE Frase, Orao e Perodo</p> <p>Frase todo e qualquer enunciado, do mais simples ao mais complexo, com sentido completo. A frase pode ser:</p> <p>1. nominal - a que no possui verbo:Socorro! Que linda noite de vero! 2. verbal - a que possui verbo: Ajudem-no! A noite est linda!</p> <p>Orao o enunciado organizado em torno de um verbo. A principal caracterstica da orao no o sentido completo (ainda que possa ter), mas sim o verbo: Ele estuda muito.(Uma orao) Ele quer que sejamos felizes.(Duas oraes)</p> <p>Perodo todo e qualquer enunciado de sentido completo, terminado por pausa grfica forte e possuindo pelo menos uma orao. O perodo pode ser: 1. simples - o que s possui uma orao: Sentamos o perfume das flores. 2. composto - o que possui mais de uma orao: Alguns cantavam e outros danavam. Quando ela chegou, no nos disse se tivera xito. O perodo pode ser composto: a. por coordenao - quando as oraes so independentes:</p> <p>O diretor chegou, deu algumas ordens, saiu em seguida. Choveu, porm continua quente. b) por subordinao - quando as oraes esto subordinadas a uma principal: Chame aquele menino que est brincando. No sabemos se ele vir.</p> <p>TERMOS DA ORAO Sujeito o ser (pessoa, animal ou coisa) sobre o qual se faz uma declarao: Ele est escrevendo cartas. Ncleo do Sujeito O ncleo do sujeito a palavra qual est ligada a declarao contida no predicado: Aquela casa branca foi vendida.</p> <p>Classificao do Sujeito 1. SIMPLES - o que possui apenas um ncleo: Minha irm foi ao mercado. Vocs conhecem meu pai?</p> <p>2. DESINENCIAL, OCULTO ou ELPTICO - o que determinado pela desinnciaverbal: s um bom amigo. (= Tu). Iremos praia. ( = Ns).</p> <p>3. COMPOSTO - o que possui mais de um ncleo:Pedro e Paulo chegaram agora. O livro, o caderno, a caneta e a rgua esto naquela gaveta. 4. INDETERMINADO - o que no de pode ou no se quer determinar. O verbo pode estar: a) na 3 pessoa do plural - equivalente a eles, sem informao a respeito da pessoa: Quebraram a vidraa.</p> <p>Observao - na frase "Ela e o irmo saram cedo; s voltaro noite", embora o verbo da segunda orao esteja na 3 pessoa do plural e o sujeito no esteja expresso, sabemos qual o sujeito, pois o pronome eles nos remete a Ela e o irmo, sujeito da 1 orao; trata-se apenas de um sujeito desinencial.</p> <p>b. na 3 pessoa do singular (intransitivo, transitivo indireto ou de ligao) com opronome SE , que ser ndice de indeterminao do sujeito: Vive-se bem aqui. Precisa-se de operrios.. Observao - se o verbo for transitivo direto voz passiva, tem sujeito (simples ou composto) e preciso fazer concordncia: . 5. ORAO SEM SUJEITO ou INEXISTENTE - quando a orao uma simples anunciao de um fenmeno, a informao da ocorrncia ou existncia de algo ou apenas a indicao de tempo, quantidade ou distncia. Nesse caso, a estruturao expressiva centra-se em verbo considerado impessoal. Desta forma, nas situaes abaixo os verbos so considerados impessoais e, por conseguinte, a orao no tem sujeito: a) verbos que indicam fenmenos da natureza: Anoiteceu.. Observao: caso o verbo indicador de fenmeno meteorolgico seja empregado conotativamente, a orao passar a ter sujeito normalmente. A cidade anoitecia aos poucos (sujeito: a cidade).</p> <p>b. verbo haver quando sinnimo de existir ou acontecer, ou ainda indicandotempo: Havia pessoas no jardim.. Ele partiu h dois anos. Observao - o verbo existir no impessoal: Existe um lustre na sala. / Existem lustres na sala.</p> <p>c. ser indicando hora, data, quantidade ou distncia (nico caso de orao sem sujeitoem que o verbo pode ficar na 3 pessoa do plural): uma hora. / So duas horas. primeiro de outubro. / So vinte de dezembro. Daqui at l um quilmetro. / So muitos quilmetros.</p> <p>d. ser, estar, ficar, continuar, fazer, ir, passar, etc. indicando fenmeno da naturezaou tempo decorrido: primavera. Estava to quente!. Fez frio. / Fez dois anos que ele partiu. Vai para cinco anos que nos conhecemos. J passa de um ano que trabalho l.</p> <p>e. verbos chegar e bastar seguidos da preposio de indicando ordem ou comando:Chega de tanta conversa.. Basta de reclamaes. Observao - na locuo verbal o auxiliar assume a flexo do verbo principal; sendo impessoal, a locuo ser impessoal, pois a pessoalidade ou impessoalidade determinada por ele: Existem tantas pessoas bondosas! / Devem existir tantas pessoas bondosas! (Verbo pessoal) H muitos meninos na praa. / Deve haver muitos meninos na praa. (Verbo impessoal)</p> <p>PREDICADO a declarao que se faz sobre o ser: Alguns garotos gostam de nadar. Observao - nas oraes com sujeito desinencial, indeterminado ou inexistente (orao sem sujeito), a orao formada apenas pelo predicado: Estou cansado. Gritaram l fora. Havia fila diante do cinema. Predicao Verbal Quanto predicao o verbo pode ser: intransitivo, transitivo ou de ligao. 1. INTRANSITIVO intransitivo o verbo que tem sentido completo, no precisando, portanto, de complemento verbal (objeto). So intransitivos: chorar dormir</p> <p>entrar voar, etc. Ex.: O beb dormiu.</p> <p>2. TRANSITIVO transitivo o verbo que no tem sentido completo e por isso precisa de um complemento verbal (objeto). O verbo transitivo divide-se em direto, indireto e direto e indireto: a. direto - o verbo que se liga a seu complemento (objeto direto) sem o auxlio de preposio. So transitivos diretos: abrir amar comprar ver, etc. Ex.: O menino contava as balas. b)indireto - o verbo que se liga a seu complemento (objeto indireto) com o auxlio de preposio. So transitivos indiretos: acreditar concordar confiar crer precisar, etc. Ex.: Cremos em Deus. c) direto e indireto - o verbo que precisa de dois complementos, um sem preposio (objeto direto) e o outro com preposio (objeto indireto). So transitivos diretos e indiretos: atear contar (= narrar) dar preferir, etc. Ex.: Conte uma histria s crianas.</p> <p>3. DE LIGAO o verbo cuja funo apenas ligar o sujeito a um estado, qualidade ou atributo. claro que haver sempre, na orao um nome que representar o estado, a qualidade, ou o atributo. Esse termo chama-se predicativo. Exs.: Ela feliz. Ela generosa. Ela minha irm. So verbos de ligao: andar continuar estar ficar parecer permanecer ser tornar-se Lembre-se de que o verbo s de ligao se estiver acompanhado de predicativo (estado, qualidade ou atributo), caso contrrio no ter a funo de ligar o sujeito ao predicativo. Ser ento classificado como intransitivo: Ela continua contente (de ligao). Ela continua na escola (intransitivo).</p> <p>Classificao do Predicado O predicado pode ser verbal, nominal ou verbo-nominal:</p> <p>1. verbal - aquele que tem como ncleo um verbo (intransitivo ou transitivo):Maria brincava no parque no parque. (Intransitivo) Vocs j comeram o bolo? (Transitivo direto) Acredito em voc. (Transitivo indireto) Entregue o embrulho a teu tio. (Transitivo direto e indireto)</p> <p>2. nominal - aquele que tem verbo de ligao e cujo ncleo um nome, que sechama predicativo: Elas so enfermeiras. 3. verbo-nominal - aquele que tem dois ncleos: um verbo (intransitivo ou transitivo) e um nome (predicativo): Ele chegou febril. Compramos a casa felizes. Preciso de voc otimista. Os pais emprestaram o carro a Pedro preocupados o carro a Pedro preocupados.</p> <p>PREDICATIVO Predicativo o termo que indica estado, qualidade ou atributo:</p> <p>Ele viajou resfriado. Ele tornou-se culto. Ele vendedor.</p> <p>Classificao do Predicativo</p> <p>1. predicativo do sujeito - o que se refere ao sujeito:Minha prima est satisfeita.(Minha prima sujeito).</p> <p>2. predicativo do objeto - o que se refere ao objeto (direto ou indireto):Encontrei minha prima satisfeita. (Minha prima objeto direto). Gosto de minha prima satisfeita. (Minha prima objeto indireto).</p> <p>COMPLEMENTOS DO VERBO Os complementos do verbo so dois: objeto direto e objeto indireto.</p> <p>I.</p> <p>OBJETO DIRETO - o complemento de verbo transitivo direto e um dos complementos do verbo transitivo direto e indireto; normalmente est ligado ao verbo sem preposio.</p> <p>Ele quer uma xcara de ch. (Transitivo direto)</p> <p>Entreguei o presente a Joo. (Transitivo direto e indireto) O objeto direto pode ser: pleonstico, cognato ou preposicionado. 1. OBJETO DIRETO PLEONSTICO Por motivos puramente estilsticos, como, por exemplo, para chamar a ateno sobre o prprio objeto direto, pode esse termo aparecer repetido na orao. No exigncia verbal, apenas uma forma enftica que pode ser retirada da orao sem qualquer nus para o entendimento. A esse pleonasmo dado o nome de objeto direto pleonstico, justamente por ser a repetio do objeto direto normal. Nesse caso, uma das formas sempre um pronome tono. Estas belas flores, comprei-as ontem. Os livros, leio-os saboreando como fruta madura.</p> <p>2. OBJETO DIRETO COGNATO (ou INTERNO) Pode o verbo intransitivo ser usado transitivamente (sempre transitivo direto, jamais indireto). A mudana de predicao s possvel se usarmos como objeto direto complemento representado por substantivo do mesmo radical do verbo (termo cognato) ou substantivo que pertena ao mesmo grupo de idias do verbo e comum que tal complemento venha acompanhado de expresso qualificadora. "E rir meu riso e derramar meu pranto." As crianas dormiam um sono tranqilo.</p> <p>3. OBJETO DIRETO PREPOSICIONADO No raro encontrar o objeto direto precedido de preposio. Nesses casos, a preposio no exigncia do verbo, mas necessidade estrutural do prprio termo ncleo do objeto direto. H casos em que o emprego do objeto direto preposicionado facultativo e outros em que obrigatrio. Casos em que facultativo: a) com pronomes de tratamento: Estimo a Vossa Senhoria.</p> <p>b. quando o objeto direto precede o verbo:Aos meninos no convidou. c) quando o objeto direto nome prprio de pessoa:</p> <p>Censuraram a Paulo.</p> <p>d. quando o objeto direto composto, sendo o primeiro ncleo um pronome tono:Respeita-me e a meus amigos.</p> <p>e. quando h idia de comparao:Olhou-te como a um inimigo.</p> <p>f. quando h idia de partitivo:Beba do leite.</p> <p>g. quando se quer enfatizar o objeto direto:Ele sacou da arma.</p> <p>h. com pronomes indefinidos:Elogiamos a todos. i) com o pronome QUEM se ele no possuir antecedente: A quem encontraremos na festa?</p> <p>j. com numerais:Sempre trataste aos dois com o mesmo carinho.</p> <p>Casos em que obrigatrio: a) com o nome Deus com o nome Deus: Louvamos a Deus. b) quando houver ambigidade de sentido quando houver ambigidade de sentido: "A me ao prprio filho no conhea." (Cames) c) quando os pronomes pessoais mim, ti, si, ns, vs, ele(s), ela(s) exercem funo de objeto direto: Ele chamou a ti.</p> <p>II. OBJETO INDIRETO - o complemento de verbo transitivo indireto ou um dos complementos do verbo transitivo direto e indireto; representa o ser ou coisa a que se destina a ao, ou em cujo proveito ou prejuzo a ao se realiza. Quando no representado por pronome tono, vir obrigatoriamente regido de preposio exigida pelo verbo.</p> <p>Confie neles. Entregue este bilhete a Maria. O objeto indireto pode ser pleonstico. OBJETO INDIRETO PLEONSTICO Por uma questo de estilo ou quando se quiser realar o objeto indireto, costuma-se repetir esse termo. Nesse caso, uma das formas necessariamente um pronome pessoal tono. Ao termo que repete o objeto indireto d-se o nome de objeto indireto pleonstico. A ele, dei-lhe todo o meu amor. Ofereci-lhes, a Jos e Joo, nossa ajuda. Termos da Orao</p> <p>COMPLEMENTO NOMINAL o termo que completa o sentido de um nome incompleto do mesmo modo como o objeto completa o verbo. Vem sempre acompanhado de preposio. O nome completado pelo complemento nominal um adjetivo, advrbio ou substantivo e sempre abstrato. 1. completando substantivos: As crianas tm necessidade de proteo. Foi realizada a venda da casa? 2. completando adjetivos: Isso benfico ao pas. Esto todos preocupados com voc. 3. completando advrbios: Ele mora perto de Pedro. Sempre pensamos favoravelmente aos jovens.</p> <p>AGENTE DA PASSIVA o termo que, na voz passiva analtica (com auxiliar), designa o ser que realiza a ao verbal da qual o sujeito o paciente. O agente da passiva vem sempre precedido de preposio:</p> <p>Este quadro foi pintado por Renoir. Ela estimada de todos. O motor movido a gs.</p> <p>Observaes:</p> <p>1. Nem sempre o agente da passiva est expresso:A janela foi consertada ontem. 2. O agente da voz passiva sinttica jamais est expresso: Vende-se um barco.</p> <p>Termos da Orao ADJUNTO ADNOMINAL o termo de valor adjetivo que gira em torno de um ncleo substantivo ou substantivado de um outro termo da orao. O adjunto adnominal pode pertencer:</p> <p>1. ao sujeito:Aquele livro meu.</p> <p>2. ao predicativo:Ela tua amiga?</p> <p>3. ao objeto direto:Traga o jornal. 4. ao objeto indireto: Gosto de sorvete de morango. 5. ao complemento nominal: Ele tem adorao por esta moa. 6. ao agente da passiva: A revista ser lida por vrios alunos. 7. ao aposto: Aquele Pedrinho, filho de Maria. 8. ao vocativo:</p> <p>Meu Deus, ajuda-nos.</p> <p>Observaes: a) Muitas vezes h mais de um adjunto adnominal em torno do mesmo ncleo: A menina morena Marta. Vendi meu carro branco. b) Os pronomes tonos, quando exercem funo de adjunto adnominal, tm valor de possessivos: Corrigiu-nos os defeitos ( = Corrigiu nossos defeitos). Tocou-te o rosto ( = Tocou teu rosto). c. O adjunto adnominal confunde-se freqentemente com o complemento nominal, porm devemos nos lembrar de que este ltimo completa nomes abstratos: Tenho uma caixa de jias. (Adjunto adnominal) Tenho pavor de fantasmas. Definio de Regncia</p> <p>Regncia em sentido amplo Dentro da estrutura frasal, as palavras so interdependentes, isto , umas dependem de outras. Podemos assim dizer que a frase uma seqncia de termos subordinantes e subordinados (termos que completam, modificam, esto na dependncia de subordinantes).</p> <p>o predicado subordinado em relao ao sujeito, que subordinante:</p> <p>os complementos verbais so subordinados ao verbo, que subordinante:</p> <p>os complementos nominais so subordinados em relao ao nome, que subordinante:</p> <p>os adjuntos so subordinados ao nome ou ao verbo:</p> <p>Regncia, em sentido amplo, sinnimo de subordinao. Regncia em sentido estrito Trata das relaes de dependncia entre:</p> <p>O verbo e seus complementos. Neste caso, diz-se que a regncia verbal. Exemplo:</p> <p>Nos dois primeiros exemplos, a relao de dependncia entre os verbos e os complementos feita diretamente, isto , sem auxlio de preposies. Nos dois outros exemplos, com o auxlio de preposies.</p> <p>O nome e seus complementos. Neste caso, diz-se que a regncia nominal.</p> <p>As preposies desempenham papel relevante no captulo da regncia. O uso correto das preposies um indicador seguro do conhecimento da lngua.</p> <p>Casos de Regncia So apresentados a seguir casos de regncia em que se verifica divergncia entre o que preceitua o ensino</p> <p>tradicional e a realidade lingstica atual. A abordagem que se faz desses casos diverge consideravelmente da realizada pela maioria dos manuais de cultura idiomtica, que privilegiam apenas as regncias primrias, originrias, no registrando, por isso, as fortes tendncias evolutivas nesta rea. D-se ateno, nesta apresentao, s inovaes sintticas observadas na realidade lingstica atual, tendo como base as pesquisas de...</p>