RESUMO EXECUTIVO Ações Realizadas para o Enfrentamento ?· Resumo Executivo Ações realizadas para…

  • Published on
    12-Nov-2018

  • View
    212

  • Download
    0

Transcript

  • Atualizao em 23 de dezembro de 2016.

    MINISTRIO DA SADE SECRETARIA DE VIGILNCIA EM SADE

    DEPARTAMENTO DE VIGILNCIA DAS DOENAS TRANSMISSVEIS CENTRO DE OPERAES DE EMERGNCIA EM SADE PBLICA

    RESUMO EXECUTIVO

    Aes Realizadas para o Enfrentamento da

    Emergncia em Sade Pblica Relacionada

    Microcefalia

    2016

  • Atualizao em 23 de dezembro de 2016.

    MINISTRIO DA SADE SECRETARIA DE VIGILNCIA EM SADE

    CENTRO DE OPERAES DE EMERGNCIA EM SADE PBLICA (COES OPERACIONAL)

    Resumo Executivo

    Aes realizadas para Enfrentamento da Emergncia em Sade Pblica

    Relacionada Microcefalia

    O aumento significativo do nmero de casos registrados de dengue, Chikungunya, em especial de

    Zika vrus observados no perodo de abril de 2015 a 2016, e as srias complicaes que essas epidemias vm

    causando populao, especialmente associada alterao do padro de ocorrncia de casos de

    microcefalia, levou o Governo Federal a decretar estado de Emergncia em Sade Pblica de Importncia

    Nacional (ESPIN). Em fevereiro de 2016, o surgimento de novos casos de zika em outros pases, territrios e

    regies levou a OMS a declarar Emergncia de Sade Pblica de Importncia Internacional (ESPII).

    Com a declarao do estado de Emergncia em Sade Pblica (ESPIN), foi institudo o Centro de

    Operaes de Emergncias em Sade Pblica (COES) como mecanismo de gesto, para atuar de forma

    coordenada, o desenvolvimento das aes frente as necessidades surgidas nas trs esferas de gesto.

    O estado de ESPIN motivou a intensificao das aes de combate ao mosquito Aedes aegypti nos

    estados e municpios, e adoo de medidas, pelo Governo Federal, sendo institudo o Plano Nacional de

    Enfrentamento Microcefalia (PNEM) atualmente chamado de Plano Nacional de Enfrentamento ao Aedes

    e suas Consequncias. Este Plano tem por objetivo delinear e nortear a execuo das aes de forma

    transversal e integrada entre mltiplos rgos governamentais responsveis pela sua execuo. O PNEM

    constitudo por trs eixos especficos e outras aes, sendo o Eixo I - Aes de Mobilizao e combate ao

    vetor, Eixo II - Cuidado, Eixo III Desenvolvimento Tecnolgico, Educao e Pesquisa, e as outras Aes que

    englobam atividades especificas relacionadas ao aperfeioamento dos centros de comando, de comunicao

    e de Sistemas de Informao em sade.

    Cada Eixo do PNEM est constitudo por Aes, Sub-Aes e Atividades com denominaes definidas

    que caracterizam o grau de execuo do Plano, sendo estabelecidas as seguintes denominaes: concluda,

    em andamento, cancelada, substituda e excluda.

    Execuo do Plano

    O Plano Nacional um instrumento de interface entre todas as reas, Secretarias e Ministrios

    relacionados com a execuo de atividades institudas para o enfrentamento do Aedes e suas consequncias.

    Ele permite monitorar e avaliar de forma sistemtica os Eixos segundo aes, sub-aes e atividades do Plano,

    com vistas reduo do impacto dessas epidemias e, evitar a ocorrncia de casos e bitos de microcefalia

    por Zika vrus e doenas correlatas.

  • Atualizao em 23 de dezembro de 2016.

    Todas as informaes recebidas dos pontos focais (semanal e atualmente quinzenal) institudos

    para acompanhamento da execuo das aes do PNEM em suas respectivas reas de atuao, so

    consolidadas no COES que tem como finalidade dar visibilidade para os pontos crticos e, viabilizar meios

    para sua resoluo. Desta forma, janeiro a dezembro de 2016 foram monitoradas 24 aes (Uma ao

    cancelada), 127 sub-aes e 714 atividades, o que possibilitou ter visibilidade do processo de execuo do

    Plano, conforme representado nos grficos abaixo.

    Grfico 1. Situao do Plano Nacional de Enfrentamento do Aedes e Suas Consequncias,

    Segundo realizao das Aes nos Eixos - Jan a Dez. 2016.

    Do total de 24 Aes que constituem os trs Eixos destaca-se que 25% foram concludas

    63% esto em andamento, 8% atrasadas, 4%, canceladas (Grfico (2).

    0

    2

    4

    6

    8

    10

    EIXO I EIXO II EIXO III OUTRAS AES

    Situao do Plano Segundo Eixo e Outras Aes

    Concluda Em Andamento Atrasada No Iniciada

    Substituida Cancelada Atividade contnua

    Fonte: SVS/SAS/SE/SCTIE/SGTES/SGEP

  • Atualizao em 23 de dezembro de 2016.

    Grfico 2. Situao do Plano Nacional de Enfrentamento Aedes e Suas Consequncias, Segundo Execuo das Aes - Jan a Dez. 2016.

    Fonte: SVS/SAS/SE/SCTIE/SGTES/SGEP

    Quanto as Sub-Aes, do total de 127 que constituem os trs Eixos, destaca-se que 40%

    foram concludas, 37% esto em andamento, 7% atrasadas, 6% no iniciadas, 4% canceladas e, 6%

    Atividades contnuas (Grfico 3).

    Grfico 3. Situao do Plano Nacional de Enfrentamento Aedes e Suas Consequncias, Segundo Execuo das Sub-Aes - Jan a Dez. 2016.

    Fonte: SVS/SAS/SE/SCTIE/SGTES/SGEP

    25%

    63%

    8%

    0%0%4%

    0%

    Situao do Plano Segundo - Aes

    Concluda Em Andamento Atrasada No Iniciada Substituida Cancelada Atividade contnua

    40%

    37%

    7%

    6% 0%4%6%

    Situao do Plano Segundo - Sub-aes

    Concluda Em Andamento Atrasada No Iniciada Substituida Cancelada Atividade contnua

  • Atualizao em 23 de dezembro de 2016.

    Com relao as Atividades, do total de 714 que compem os trs Eixos, destaca-se que 74%

    foram concludas, 15% em andamento, 4% atrasadas, 2% no iniciadas, 2% canceladas e 3% aes

    contnuas (Grfico 4).

    Grfico 4. Situao do Plano Nacional de Enfrentamento Aedes e Suas Consequncias, Segundo Execuo das Atividades - Jan a Dez. 2016.

    Fonte: SVS/SAS/SE/SCTIE/SGTES/SGEP

    AES REALIZADAS

    EIXO 1 - AES DE MOBILIZAO E COMBATE AO VETOR

    Implantao da Sala Nacional de Coordenao e Controle (SNCC) para o enfretamento da Dengue, do

    Vrus Chikungunya e do Zika Vrus, a partir do Decreto de 8.612, de 21 de dezembro de 2015 e Portaria

    MS n 62, de 12 de janeiro de 2016;

    Implantao das Salas Estaduais (SECC) e Municipais(SMCC) de Coordenao e Controle da mobilizao

    para o enfrentamento do mosquito nas 27 unidades Federativas e no final do sexto ciclo, j eram 1.769

    SMCC em todo Pas, 1 Sala Binacional, 1 Sala Inter federativa. Criao do Grupo Executivo Interministerial de Emergncias em Sade Pblica de Importncia Nacional

    e Internacional (GEI-ESPII) convocado em 04/12/2015, conforme regulamenta o Decreto de 6 de

    dezembro de 2010, para apresenta o Plano Nacional de Enfrentamento ao Aedes e suas consequncias.

    Publicao da Portaria n 2.121, de 18 de dezembro de 2015, que Altera o Anexo I da Portaria n

    2.488/GM/MS, de 21 de outubro de 2011, para reforar as aes voltadas ao controle e reduo dos

    riscos em sade pelas Equipes de Ateno Bsica, redefinindo as atribuies da ESF, especificamente

    as dos Agentes Comunitrios de Sade (ACS).

    74%

    15%

    4%

    2%0% 2%

    3%

    Situao do Plano Segundo - Atividades

    Concluda Em Andamento Atrasada No Iniciada Substituida Cancelada Atividade contnua

    http://legislacao.planalto.gov.br/legisla/legislacao.nsf/Viw_Identificacao/dsn%2006-12-4-2010?OpenDocumenthttp://legislacao.planalto.gov.br/legisla/legislacao.nsf/Viw_Identificacao/dsn%2006-12-4-2010?OpenDocument

  • Atualizao em 23 de dezembro de 2016.

    Adotada Medida Provisria N 712, de 29 de Janeiro de 2016, que dispe sobre a adoo de medidas

    de vigilncia em sade quando verificada situao de iminente perigo sade pblica pela presena do

    mosquito transmissor do Vrus da Dengue, do Vrus Chikungunya e do Zika Vrus.

    Publicao da Portaria n 2.162, de 23 de dezembro de 2015, que Autoriza repasse no Piso Varivel

    de Vigilncia em Sade (PVVS) do Componente de Vigilncia em Sade de recurso financeiro para

    implementao de aes contingenciais de vigilncia, preveno e controle de epidemias mediante

    situao de emergncia.

    Intensificao das aes de combate ao mosquito, consiste na antecipao do prazo para realizao

    de quatro ciclos de visitas para o primeiro semestre de 2016, ao invs das seis visitas anuais usualmente

    praticadas pelos agentes de combate a endemias institudas pela Coordenao Geral do Programa

    Nacional de Controle da Dengue. Esta ao tem por objetivo de identificar e eliminar focos, realizar

    tratamento mecnico ou qumico de possveis criadouros e orientar a populao sobre as formas de

    combate ao mosquito.

    Publicao da Lei 13.301, de 27 de junho de 2016, que dispe sobre a adoo de medidas de

    vigilncia em sade quando verificada situao de iminente perigo sade pblica pela presena do

    mosquito transmissor do vrus da dengue, do vrus Chikungunya e do vrus da zika; altera a Lei no

    6.437, de 20 de agosto de 1977; e regulamenta o ingresso forado em imveis pblicos e particulares,

    no caso de situao de abandono, ausncia ou recusa de pessoa que possa permitir o acesso de

    agente pblico, regularmente designado e identificado, quando se mostre essencial para a conteno

    das doenas.

    Ciclos de visitas a imveis urbanos: At o momento foram concludos Seis ciclos de visitas, e o stimo

    ciclo est em andamento com finalizao prevista para 30/12/2016, destes, quatro foram realizados

    no 1 semestre de 2016, conforme programao instituda pela SNCC. Do total de 67.097.881 imveis

    previstos para acompanhamento, em todo Brasil, at 12/12/2016 j foram realizadas 286.470.375

    visitas e trabalhados 240.943.456 imveis.

    No primeiro ciclo (com perodo de execuo de dezembro de 2015 a 29 de fevereiro de 2016) foram

    realizadas visitas 58.671.408 imveis no Brasil, representando 87% do total de 67.097.881 existentes,

    conforme dados do Cadastro Nacional de Endereos para Fins Estatsticos (CNEFE) do Instituto

    Brasileiro de Geografia e Estatstica (IBGE, 2015). No segundo ciclo, com perodo de execuo menor

    em comparao ao ciclo anterior, foram visitados 39.645.289 (59%) imveis at 31 de maro de 2016.

    No terceiro, foram realizadas 33.155.481 (49%), quarto ciclo 57.065.256 (85%), quinto ciclo

    52.337.903 (78%), sexto ciclo 45.595.038 (67%) de visitas dos imveis previstos (Quadro 1).

    Do universo de imveis trabalhados do Primeiro ao Quarto ciclo, observa-se uma reduo no

    percentual de imveis com foco, ou seja, aqueles identificados pelo agente que realizou a inspeo dos

    criadouros de larva de mosquito sendo na ordem de 3,62%, 3,24%, 2.55% e 2,15% respectivamente.

    Do quarto Ciclo para o Quinto ciclo observou-se um ligeiro aumento 2,15% para 2,23%, seguido de

    reduo para 1,81% no Sexto ciclo.

    Infere-se que os trabalhos realizados pelas Salas Estaduais e Municipais em conjunto com a Sala

    Nacional apresentam um resultado positivo das aes de enfrentamento ao Aedes aegypti, com

    alcance de 4.909 (88,13%) dos 5.570 municpios brasileiros com registro de acesso no SIM-PR. No

    Brasil, durante o Sexto ciclo, os agentes encontraram 7.164.918 imveis fechados e com recusa do

    acesso, deste total 1.212.390 (14,47%) imveis foram recuperados. Quando comparado os dados do

    Primeiro em relao ao Sexto ciclo de visitas, observou-se uma reduo no percentual de imveis

  • Atualizao em 23 de dezembro de 2016.

    fechados e recusados: 9.717.739 (16,56%) para 7.164.918 (15,72%) (dados atualizados em

    12/12/2016).

    Quadro 1. Visitas realizadas, imveis trabalhados, fechados e recusados por ciclo, Jan- Out 2016.

    * Percentual calculado considerando-se o total de 67.097.881 imveis urbanos, conforme o Cadastro Nacional de Endereos para fins Estatsticos CNEFE 2015 do IBGE. ** Consideram-se trabalhados os imveis em que houve a inspeo e verificao da presena de possveis criadouros, o tratamento mecnico ou qumico para a remoo e preveno de focos do mosquito e/ou a orientao e esclarecimentos aos moradores. Fonte: SIM-PR, 12/12/2016. Dados parciais sujeitos a alteraes.

    Realizao de 270 blocos de videoconferncia com todas as UF para o monitoramento das aes

    realizadas durante o ano 2016.

    Institudo, a partir da publicao da Lei 13.301, de 27 de junho de 2016, o Programa Nacional de Apoio

    ao Combate s Doenas Transmitidas pelo Aedes - PRONAEDES, tem como objetivo o financiamento

    de projetos de combate proliferao do mosquito transmissor do vrus da dengue, do vrus

    Chikungunya e do vrus da zika, compete ao Ministrio da Sade regulamentar os Critrios e

    procedimentos para aprovao de projetos do Pronaedes: priorizao das reas de maior incidncia

    das doenas causadas pelo vrus da dengue, do vrus Chikungunya e do vrus da zika; reduo das

    desigualdades regionais; priorizao dos Municpios com menor montante de recursos prprios

    disponveis para vigilncia em sade e priorizao da preveno doena. Em funo dos critrios

    estabelecidos, esta Ao est em anlise, com possibilidades de adequao.

    Em consonncia com as diretrizes institudas pelo Programa Nacional de Controle da Dengue a SNCC

    definiu como meta reduzir o ndice de infestao por Aedes aegypti em menos que 1% nos municpios

    brasileiros, no final de junho de 2016, para diminuir o nmero de casos de doenas transmitidas pelo

    mosquito. A partir do SIM-PR possvel verificar que ao final do 1 ciclo, 1.608 municpios (29%)

    apresentavam foco menor ou igual a 1%. Analisando este indicador at 12 de setembro 2016, verificou-

  • Atualizao em 23 de dezembro de 2016.

    se que 3.194 municpios que representa 57,3% dos municpios do Pas, alcanaram a meta prevista pela

    Sala Nacional.

    Entre os meses de maro e abril de 2016, foi realizado o Levantamento Rpido de ndices para Aedes aegypti LIRAa em 1.647 municpios brasileiros. Sua realizao em mbito nacional serve como instrumento para nortear medidas de aes de controle, alm de ser importante ferramenta para obteno de apoio e adeso da populao e de setores externos ao setor sade. De acordo com os limiares de risco de transmisso de dengue propostos pelo Programa Nacional de Controle da Dengue

    (PNCD) para os ndices de Infestao Predial (IIP) obtidos mediante o LIRAa, 782 municpios encontraram-se em situao satisfatria (0,9% IIP), 578 municpios encontraram-se em situao de alerta (1,0% IIP 3,9%) e 287 municpios em situao de risco (4,0% IIP).

    Entre os meses de outubro e novembro de 2016, foi realizado um novo LIRAa em 2.282 municpios,

    onde foi observado aumento de 27,3% em relao ao mesmo perodo de 2015. Do total de municipios

    que participaram 1.429 esto em situao satisfatria, com ndice de Infestao Predial (IIP <

    1,0), 656 em situao de alerta (1,0 IIP 3,9) e 197 (4,0 IIP) em situao de risco.

    Na Regio Norte 178 municpios participaram do LIRAa onde foi observado uma reduo do IIP de

    4,8% em relao a novembro de 2015. Do total de municipios que participaram do LIRAa na regio

    Norte, 89 apresentaram situao satisfatria, 65 em situao de alerta e 24 em situao de risco. As

    capitais Macap (AP) Palmas (TO) encontram-se em situao satisfatrias. Rio Branco (AC), Boa Vista

    (RR) e Belm (PA) situao de alerta. Manaus (AM) e Porto Velho (RO) sem informao. Os depsitos

    de lixo (42,2%) so os criadouros predominantes do mosquito.

    Na Regio Nordeste 656 municpios participaram do LIRAa onde foi observado um aumento do IIP de

    21,3% em relao a novembro de 2015. Do total de municipios que participaram do LIRAa na regio

    Nordeste, 293 esto em situao satisfatria, 345 em situao de alerta e 158 em situao de risco. As

    capitais Fortaleza (CE), So Lus (MA), Joo Pessoa (PB) e Teresina (PI) apresentaram situao

    satisfatrias. Aracaj (SE) e Salvador (BA) em situao de alerta e, Macei (AL), Recife (PE) e Natal (RN)

    sem informao. Os depsitos de gua (76%) so os criadouros predominantes do mosquito.

    Na Regio Sudeste 602 municpios participaram do LIRAa onde foi observado um aumento do IIP de

    5,1% em relao a novembro de 2015. Do total de municipios que participaram do LIRAa na regio

    Sudeste, 464 esto em situao satisfatria, 129 em situao de alerta e 9 em situao de risco. As

    capitais Belo Horizonte (MG), Rio de Janeiro (RJ), So Paulo (SP), apresentaram situao satisfatrias e

    Vitria (ES) em situao de alerta. Os depsitos domiciliares (41%) so os criadouros predominantes

    do mosquito.

    Na Regio Sul 492 municpios participaram do LIRAa onde foi observado um aumento do IIP de 547,4%

    em relao a novembro de 2015. Do total de municipios que participaram do LIRAa na regio Sul, 415

    esto em situao satisfatria, 74 em situao de alerta e 3 em situao de risco. A capital Florianpolis

    (SC) apresentou situao satisfatrias e Curitiba (PR), Porto Alegre (RS) sem informao. Os depsitos

    domiciliares (36,4%) so os criadouros predominantes do mosquito. Estas informaes so referente

    apenas ao Estado de Santa Catarina.

    Na Regio Centro Oeste 214 municpios participaram do LIRAa onde foi observado uma reduo do IIP

    de 28,7% em relao a novembro de 2015. Do total de municipios que participaram do LIRAa na regio

    Centro-Oeste 168 esto em situao satisfatria, 43 em situao de alerta e 3 em situao de risco.

    As capitais Braslia (DF) e Campo Grande (MS) apresentaram situao satisfatrias, Goinia (GO) em

    situao de alerta e Cuiab (MT) em situao de risco. Os depsitos domiciliares (36,4%) so os

    criadouros predominantes do mosquito. Estas informaes so referente apenas ao Estado de Santa

    Catarina. Os depsitos de lixo (35,9%) so os criadouros predominantes do mosquito.

  • Atualizao em 23 de dezembro de 2016.

    Na execuo do Plano Nacional estava previsto a aquisio e distribuio de veculo, destinados aos

    estados e municpios de veculos para aplicao de inseticidas e larvicidas. At junho/2016, foi efetivada

    a distribuio 650 pulverizadores costais motorizados para as Secretarias Estaduais de Sade. Tambm

    foram adquiridos 150 veculos para transporte e superviso de agentes de combate s endemias (ACE).

    A distribuio dos equipamentos e veculos aos municpios foi discutida no mbito das CIB e efetivada

    por meio das deliberaes de rotina e segundo emisso de termo de doao SAA/SE.

    Aquisio de 1.650.000 litros de adulticida Malathion EW e 135.000 quilos de larvicida Pyriproxyfen

    utilizados para o controle vetorial.

    Por meio de Oficio-circular s/n encaminhado para Secretrios e Prefeitos foi feito o termo de doao

    que oficializa a transferncia da concesso do bem ao Donatrio, ficando o mesmo comprometido com

    a retirada do veculo no Ncleo Estadual e o transporte at seu destino, alm do emplacamento e da

    transferncia da titularidade do bem. At o dia 08 de dezembro foram entregues 108 veculos, para

    22 estados. Quanto aos 650 pulverizadores costais todos foram entregues aos estados segundo os

    seguintes lotes de distribuio: Primeiro lote: DF, Paran, RS, SC, AC, AP, RR, RO, AM, TO, PA, AL, MT,

    MS, SE e RJ (313 equipamentos); Segundo lote: BA, PI, RN, MG, PE, CE, MA, PB, ES, GO e SP (337

    equipamentos).

    Finalizao do processo licitatrio para aquisio de veculo pick up Mitsubishi cabine dupla, Ata de

    Registro de Preo 09/2016, de 02/05/2016, e concludo e homologado outro processo licitatrio

    referente a aquisio de nebulizador pesado UBV (Prego 031/2016) destinados s SES.

    Publicao em junho de 2016 da Diretriz SNCC n 3 de Saneamento Bsico que orienta os Estados e

    Municpios nas aes relativas ao saneamento bsico, mais especificamente, ao abastecimento e

    armazenamento de gua e eliminao de resduos slidos com alto potencial de serem criadouros do

    mosquito Aedes aegypti.

    Realizao da oficina Intensificao de Combate ao Mosquito: Lies Aprendidas e Desafios nos

    dias 24 e 25/08/2016 com objetivo de avaliar os resultado e impacto das aes de intensificao

    de combate ao Aedes aegypti, com foco nos aspectos positivos, negativos e desafios.

    A Lei n 13.281/2016 alterao do Cdigo de Trnsito Brasileiro, que entrou em vigor em 31 de outubro

    de 2016 possibilitando o leilo de veculos com restrio judicial aps 60 dias da notificao e como

    material ferroso, quando retido h mais de um ano.

    Aes em parceria com o Ministrio da Educao:

    Pacto da Educao Brasileira contra o Zika - mobilizadas 188.673 escolas de educao bsica, 63

    universidades federais e 40 institutos federais e Centros Federais de Educao Tecnolgica, alm de

    diversas entidades do setor educacional;

    Programa Sade na Escola - Apoio de 32 mil equipes de Ateno Bsica aos estudantes da rede pblica

    em mais de 78 mil escolas em 4.787 municpios brasileiros;

    A Semana de Mobilizao da Famlia e Comunidade na Escola pelo combate ao Aedes aegypti (04 a 09

    de abril) monitoradas as atividades nos 223 municpios elencados como nvel 1 de ateno pela SNCC

    no combate ao Aedes aegypti e suas consequncias naquele momento.

    Entidades e organizaes parceiras: Ministrio do Meio Ambiente; Ministrio das Cidades; Ministrio

    dos Transportes; FUNASA; Associao Brasileira das Empresas Estaduais de Saneamento (AESBE);

    Associao Nacional dos Servios Municipais de Saneamento (ASSEMAE); Associao Brasileira de

    Distribuidores de Energia Eltrica (ABRADEE); Associao Nacional da Indstria de Pneumticos

    (ANIP/Reciclanip); Banco do Brasil; Caixa Econmica Federal.

  • Atualizao em 23 de dezembro de 2016.

    Est previsto pela SNCC juntamente com o Ministrio da Defesa, a participao de 10 mil militares das

    trs foras nas atividades para este final de ano e primeiro semestre de 2017. A execuo da ao est

    relacionada a situao epidemiolgica vigente nos municpios.

    Grfico 5: Situao Epidemiolgica da Dengue, Brasil, SE 49

    Fonte: Sinan online, dados atualizados em 12/12/2016

    Comunicao

    No perodo de novembro de 2015 a junho de 2016, foram realizadas 4 campanhas de massa com

    veiculao nacional na televiso, tambm foram realizadas uma campanha de massa produzida

    pelo MEC para alunos e professores de fevereiro e abril de 2016, e uma campanha com veiculao

    na TV com elaborao e distribuio de materiais para escolas.

    Quanto a produo grfica foram produzidas pelo Ministrio da Sade e Secretaria de Comunicao

    desde novembro de 2015 mais de 65 milhes de Filipetas, distribudos 11 mil cartazes (Druzio

    Varela/Camila Pitanga), produzidos 202 releases para a imprensa e 6 regionais, desde outubro

    de 2015 at junho de 2016, e demais produes realizadas em parceria com a iniciativa

    privada.

    No que se refere a participao da iniciativa privada, foram produzidos materiais por emissora

    de televiso, sem custos para o MS com 88 inseres de 90 durante todo o ms de abril. Foi

    confeccionado Painel luminoso e exibido na sede do edifcio administrativo de bancos por 15 dias

    no ms de janeiro de 2016.

    A Divulgao da campanha #ZikaZero foi divulgada nas telas de descanso dos caixas eletrnicos.

    de bancos, e no portal do Recursos Humanos em mais de 100.00 funcionrios.

  • Atualizao em 23 de dezembro de 2016.

    Mais de 180 parcerias entre governo, empresas pblicas e privadas foram realizadas para divulgao

    das campanhas desenvolvidas e de informaes sobre o combate ao mosquito, e mobilizao de

    funcionrios.

    De 18 de novembro de 2015 a junho de 2016 foram realizadas 26 coletivas de imprensa, campanhas

    virtuais com 550 mil mensagens enviadas pelo whatsapp para os municpios mais afetados, 1.185

    pelo Twitter do Ministrio da Sade, e 190 matrias publicadas no blog do Ministrio da Sade

    com 179.351 visitas. Neste perodo foram atendidas mais de 450 mil ligaes para telefone fixo

    com mensagens de voz com contedo da campanha nos municpios mais afetados, atendidas 2.400

    demandas recebidas pela imprensa, e produzida de 450 matrias para rdios.

    Elaborao e divulgao de matrias para rdios comunitrias especficas para cada um de 115

    municpios com maior incidncia de dengue em dezembro, conforme levantamento realizado pela

    SNCC.

    Mensagem do Ministro (udio e vdeo) para prefeitos, vereadores, membros dos conselheiros de

    sade, funcionrios do MS, autoridades do GF para Mobilizao e associaes de municpios

    convocando-os para o combate ao Aedes.

    Produo de matrias para distribuio pelo youtube, redes sociais e Boletim da Sade (TV NBR).

    Produo de 78 vdeos. Total de vdeos distribudos: 53 com (1.1477.481 visualizaes).

    Lanamento da homepage especfica e aplicativo (APP - Guardies da Sade) com informaes sobre microcefalia e Zika vrus.

    Lanamento da Campanha Publicitria da Dengue 2016 /2017 programada para ir ao ar em 10 de novembro de 2016, com foco nas consequncias das doenas transmitidas pelo mosquito. O mote da campanha : Um simples mosquito pode marcar uma vida. Um simples gesto pode salvar. A campanha aborda pela 1 vez sobre a transmisso sexual do vrus Zika.

    EIXO 2 CUIDADO

    Publicaes

    Publicao do Protocolo de Ateno Sade e Resposta Ocorrncia de Microcefalia Relacionada

    Infeco pelo Vrus Zika, com o objetivo de orientar os profissionais da ateno sade na

    deteco e atendimento precoce dos casos, desde o pr-natal at o desenvolvimento da criana com

    microcefalia. O Protocolo est disponibilizado para consulta eletrnica desde dezembro de 2015, est

    na terceira verso (atualizada em maro 2016) disponvel em:

    http://portalsaude.saude.gov.br/index.php/publicacao-sas.

    Lanamento da nova edio das Diretrizes de Estimulao Precoce: Crianas de zero a 3 anos com

    Atraso no Desenvolvimento Neuropsicomotor Decorrente de Alteraes Congnitas. um

    instrumento tcnico visa unificar o conhecimento e a conduta de ateno s crianas com

    microcefalia, para promover a estimulao no menor tempo possvel, entre zero e trs anos.

    Representa a janela de oportunidade para a reduo do nvel de comprometimento causado

    pela malformao. Disponvel em:

    http://portalsaude.saude.gov.br/index.php/publicacao-sas.

    http://portalsaude.saude.gov.br/index.php/publicacao-sashttp://portalsaude.saude.gov.br/index.php/publicacao-sas

  • Atualizao em 23 de dezembro de 2016.

    Lanamento do Guia A Estimulao Precoce na Ateno Bsica: Guia para abordagem do

    desenvolvimento neuropsicomotor pelas equipes de Ateno Bsica, Sade da Famlia e Ncleo

    de Apoio Sade da Famlia (NASF), no contexto da sndrome congnita por Zika. Foram

    Impressos 68.825 exemplares distribudos aos Estados e Municpios.

    Lanamento da Cartilha para famlias: O cuidado s crianas com microcefalia: orientaes para

    as famlias e cuidadores.

    Lanamento preliminar do Protocolo Integrado Protocolo integrado de vigilncia e ateno sade

    no mbito da Emergncia de Sade Pblica de Importncia Internacional (ESPII) - Monitoramento

    das alteraes no crescimento e desenvolvimento a partir da gestao at a primeira infncia,

    relacionadas infeco pelo vrus zika e outras etiologias. Disponvel em:

    http://portalsaude.saude.gov.br/images/pdf/2016/dezembro/12/orientacoes-integradas-

    vigilancia-atencao.pdf.

    Caderneta da Gestante

    Do total de 3.245.115 unidades da Caderneta da Gestante impressas foi finalizada a entrega de

    3.244.617 unidades para todas as SES.

    Ampliao da oferta testes rpidos de gravidez para Mulheres em Idade Frtil MIF

    Publicao de Portaria n. 323, em 07 de Maro de 2016, que autoriza o repasse de recursos, em

    parcela nica, para municpios, referente aos Testes Rpidos de Gravidez do Componente Pr-Natal

    da Rede Cegonha.

    Ampliar a cobertura para os exames de tomografia

    Estes exames j esto contemplados na Tabela de Procedimentos, Medicamentos e OPM do SUS. Os recursos para realizao dos procedimentos esto no teto financeiro do gestor. Em caso de caso um excedente no total de exames estabelecidos, um recurso financeiro adicional ser repassado.

    Estratgia de Ao Rpida

    Com base na necessidade de localizar as crianas portadoras de microcefalia e/ou alterao do SNC

    e organizar os servios de atendimento a essas crianas na rede de sade pblica foi desenvolvida a

    Estratgia de Ao Rpida (EAR) para garantia o acesso e confirmao do diagnstico de todas as

    crianas, bem como o encaminhamento para as redes SUS e SUAS. Esta estratgia visa apoiar inclusive

    estados e municpios para:

    Busca-ativa das crianas suspeitas para identificao e localizao.

    Melhorar o Acesso aos servios de diagnsticos, com transporte e hospedagem quando

    necessrio.

    Estabelecer articulao entre a Sade e a Assistncia Social, para viabilizar esse atendimento e o

    acesso aos servios socioassistenciais.

    Oferta de servios especializados para confirmao diagnstica, avaliaes complementares

  • Atualizao em 23 de dezembro de 2016.

    e emisso de laudo mdico circunstanciado (concesso do Benefcio de Prestao Continuada

    BPC).

    Organizao do acesso na rede SUS aos exames de imagem e avaliaes Peditrica,

    oftalmolgica, auditiva e neurolgica.

    Implementao de Centros Confirmadores de Microcefalia nos Hospitais Universitrios

    Federais (HUF) da Rede EBSERH/MEC para confirmar ou descartar os casos suspeitos de

    Microcefalia em um nico dia de atendimento.

    Maio/2016: iniciou com 9 hospitais universitrios da Rede EBSERH do Nordeste (AL, BA, PB, PE,

    RN e SE)

    At Dezembro/2016: ampliao para todas as regies do Pas com implementao de HUF

    como Centros Confirmadores.

    Segundo dados da planilha de acompanhamento da EAR, de 15 de maro a 31 de outubro de 2016

    foi possvel esclarecer 6.695 casos, sendo 2.327 (37,78%) confirmados microcefalia, 4.368 (70,93%)

    descartados e 2.990 (48,55%) continuam em investigao.

    Foram identificados 71 municpios com mais de 4 casos confirmados, o que compreende 1.137 casos. Os estado de PE (16), BA (8), RN (6) e PB (6), MA (5), SE(5) apresentam maior nmero de municipios com este status. Do total de 71 municipios, 17 so capitais a saber: Macei, Macap, Manaus, Salvador, Fortaleza, Braslia, Vitria, So Luis, Cuiab, Joo Pessoa, Recife, Teresina, Rio de Janeiro, Natal, Porto Velho, Boa Vista e Aracaj. Fonte: SVS/MS. Dados de 31/10/2016).

    Organizao da Rede de Atendimento

    A organizao da rede de atendimento tem por objetivo ampliar o acesso estimulao precoce a

    100% das crianas com microcefalia e qualificar a Rede de Cuidado Pessoa com Deficincia Viver

    Sem Limite. Sendo assim, foram desenvolvidas as seguintes aes:

    Apoio aos Estados e municpios na organizao de fluxos regulatrios para agendamento de exames

    (regulao tomografia), ECO transfontanela e CER para insero na Estimulao Precoce. Criao do procedimento de Estimulao Precoce na Ateno Bsica para registro no sistema de

    informao, a partir da publicao da Portaria n. 355, de 08 de abril de 2016, que inclui o

    procedimento de estimulao precoce para desenvolvimento neuropsicomotor para atendimento na

    Ateno Bsica na Tabela de Procedimentos, Medicamentos, rteses, Prteses e Materiais Especiais

    do SUS.

    Fortalecimento dos servios especializados de reabilitao como referncia para o atendimento e o

    apoio/matriciamento das equipes de Ateno Bsica e NASF (51 CER qualificados desde dez/15 e 19

    CER habilitados foram habilitados desde novembro de 2015).

    Habilitao de 62 novas equipes de NASF a partir da publicao da Portaria n 1.171, de 16 de

    junho de 2016, que credencia 44 municpios a receberem incentivos referentes aos Ncleos de

    Apoio Sade da Famlia (NASF).

    Implantao do Sistema de Registro de Atendimento s Crianas com Microcefalia SIRAM a partir

    da publicao da Portaria n. 779, de 20 de abril de 2016. Sistema disponibilizado e profissional de

    sade capacitado para o registro das informaes de atendimento dos casos de microcefalia

  • Atualizao em 23 de dezembro de 2016.

    realizado em: MA, PI, SE, AL, PB, RN, CE, AC, RR, AM, a ser realizado em PE e BA. A Equipe do 136

    foi capacitada para ofertar suporte de sistema.

    Desde a instituio da Estratgia de Ao Rpida j foram atendidas 3.525 crianas pela Ateno

    Especializada, sendo 3.319 crianas na puericultura, 1.554 crianas em estimulao precoce, 792

    famlias atendidas pela assistncia social. Fonte: SAS/MS Estratgia de Ao Rpida.

    Encerrada 31 de outubro de 2016 a prorrogao da Portaria INTERMINISTERIAL N. 405, de 15 de maro de 2016. Que institui, no mbito do Sistema nico de Sade (SUS) e do Sistema nico de Assistncia Social (SUAS), a Estratgia de Ao Rpida (EAR) para o Fortalecimento da Ateno Sade e da Proteo Social de Crianas com Microcefalia.

    Fortalecimento da capacidade de diagnstico laboratorial para a infeco pelo vrus Zika.

    Com o objetivo de estruturar a rede de laboratrios de sade pblica para realizao do diagnstico

    do Vrus Zika, o Ministrio da Sade, por intermdio da Coordenao Geral de Laboratrios de Sade

    Pblica CGLAB/DEVIT/SVS, estabeleceu as seguintes metas: estruturar 100% da rede de

    laboratrios; adquirir e distribuir 2 milhes de exames; e capacitar os profissionais para realizao

    do diagnstico molecular.

    Das metas pactuadas foram concludas as seguintes aes: aquisio (via licitao) de 500 mil testes

    de Biologia Molecular, via Instituto Evandro Chagas - IEC/PA. A distribuio foi realizada em duas

    etapas sendo que a primeira ocorreu em Fevereiro/16 com distribuio de 250 mil testes para

    abastecer 18 Lacen (AM, BA, CE, DF, ES, GO, MS, MG, PA, PE, PI, PR, RJ, RN, RS, RO, SE) e 05

    Laboratrios de Referncia (IEC/PA, Fiocruz/RJ, Fiocruz/PR, Fiocruz/PE e IAL/SP). Os outros 250

    mil testes foram distribudos em Abril/16 para abastecer 20 Lacen (AL, AM, AP, BA, CE, ES, GO, MG,

    MS, PA, PE, PI, PR, RJ, RO, RR, RS, SC, TO) e 04 Laboratrios de Referncia: IEC/PA, Fiocruz/RJ,

    Fiocruz/PR, e IAL/SP.

    Aquisio de 500 mil testes de Biologia Molecular (via licitao) encontra-se em fase final de

    execuo via Departamento de Logstica DLOG/MS com previso para iniciar as entregas em

    01/10/16. Manuteno da rotina.

    Quanto implantao da tcnica de Biologia Molecular para realizao do diagnstico de Zika 85 %

    (24) Lacens dispem de insumos e apresentam tcnicos capacitados e realizando o exame (AL, AM,

    AP, AC, BA, CE, DF, ES, GO, MS, MG, PA, PE, PI, PR, RJ, RN, RR, RS, RO, SE, SP, SC e TO), contando

    ainda com os 05 Laboratrios de Referncia Nacional e Regionais na execuo do diagnostico,

    IEC/PA, Fiocruz/RJ, Fiocruz/PR, Fiocruz/PE e IAL/SP.

    Ampliao e qualificao do diagnstico

    Aquisio (via licitao) e Distribuio de 320 mil testes de Biologia Molecular, via Instituto Evandro

    Chagas - IEC/PA para Dengue. Aquisio (via OPAS) de 480 mil testes de Sorologia ELISA IgM e 115

    mil testes de Sorologia ELISA NS1 para Dengue.

    Aquisio (via licitao) de 276 mil testes de Biologia Molecular, via Instituto Evandro Chagas -

    IEC/PA para Chikungunya. A distribuio iniciou em Maio de 2016 e at o momento foram

    distribudos 132 mil testes para 21 Lacen (AM, AP, AL, CE, DF, ES, GO, MS, PA, PE, PI, PR, RJ, RN, RS,

    RO, RR, SC, SE, TO) e 04 Laboratrios de Referncia (IEC/PA, Fiocruz/RJ, Fiocruz/PR e IAL/SP).

    Aquisio (via OPAS) de 144 mil testes de Sorologia ELISA IgM e 259 mil testes de Sorologia ELISA

    IgG para Chikungunya enviada todos os Lacen.

  • Atualizao em 23 de dezembro de 2016.

    Pesquisas de novas tecnologias laboratoriais para o diagnstico da infeco por vrus Zika em desenvolvimento.

    Finalizao do desenvolvimento do painel de Biologia Molecular de Zika Vrus e Chikungunya

    utilizado na realizao do RT-PCR pela UFRJ aguardando a validao pelos Lacens escolhidos

    aleatoriamente para validar o painel, a saber: SE, SP, BA, AM e DF.

    O desenvolvimento do referido painel visa atender aos requisitos de gesto de qualidade na

    realizao do diagnstico laboratorial dessas doenas por RT-PCR, tendo como pblico-alvo os

    Laboratrios Centrais de Sade Pblica LACEN. Este projeto foi unificado com o projeto do

    PEPSCAN.

    Estudo por PEPSCAN das regies imunodominantes da protena prM, E e C do Zika vrus pela UFRJ,

    que visa desenvolver um teste para a deteco de anticorpos especficos contra peptdeos

    sintticos derivados da protena do envelope do ZIKV e que no apresente reatividade cruzada

    com outros arbovrus.

    Estudo da Expresso temporal dos genes do Zika vrus das linhagens africana e brasileira e

    mapeamento da expresso gnica em sistemas permissivos, semi-permissivos e no permissivos

    pela Universidade de So Paulo.

    Estudo da Infeco Vertical pelo vrus ZIKA e as repercusses na rea materno-infantil pela

    Faculdade de Medicina de Jundia/SP.

    Desenvolvimento de metodologia para avaliao continua da qualidade dos Kits Sorolgicos para

    o diagnstico de Chikungunya e Zika pelo INCQS. Esta Confeco Contnua de Painel Sorolgico ir

    garantir a qualidade do teste sorolgico para Chikungunya e Zika inseridos na rede.

    Previso de adquirir 3,5 milhes de teste rpido (imunocromatogrfico) via Departamento de

    Logstica DLOG/MS para 2017.

    EIXO 3 - DESENVOLVIMENTO TECNOLGICO EDUCAO E PESQUISA

    Visando dar celeridade ao processo de capacitao de profissionais frente as respostas ocorrncia

    de microcefalia relacionada infeco pelo vrus Zika, a Secretaria de Gesto do Trabalho e da Educao na

    Sade - SGTES publicou a Portaria n 3, de 11 de janeiro de 2016, que dispe sobre a criao de Centros

    Colaboradores para ajudar na qualificao de profissionais no plano de resposta ocorrncia de microcefalia

    relacionada infeco pelo vrus Zika. Esta medida possibilitar, por exemplo, que uma universidade com

    experincia em um determinado procedimento possa compartilhar a experincia e qualificar outros

    profissionais de sade.

  • Atualizao em 23 de dezembro de 2016.

    Em atendimento as necessidades identificadas foram desenvolvidos os seguintes cursos, conforme Quadro 2.

    Quadro 2. Cursos realizados para os profissionais de sade e controle vetorial

    Oferta educacional Matriculados

    1. Atualizao no Combate Vetorial ao Aedes aegypti 29.483

    2. Estimulao Precoce 13.990

    3. Manejo Clnico Chikungunya 35.182

    4. Manejo Clnico da Dengue 34.444

    5. Zika Abordagem Clnica na Ateno Bsica 43.251

    6. Qualificao em triagem ocular neonatal 961

    7. A importncia do brincar e da participao familiar para o desenvolvimento infantil

    1.876

    TOTAL 159.187

    Fonte: SGTES Atualizado em setembro de 2016

    Elaborao de material videogrfico informativo e outras aes de Tele-Educao desenvolvidas pela SGTES

    Teleconsultoria: ofertada por meio de plataformas web, em 23 unidades da federao, e pelo

    servio telefnico 0800 644 6543 (profissionais) 0800 645 0038 (ACS, ACE, militares e populao)

    para todo pas;

    Teleconsultorias respondidas: foram respondidas 13.804 nos Temas Dengue, Zika, Chikungunya,

    microcefalia e combate vetorial, de novembro/2015 a agosto de 2016. Atualizado em setembro

    2016.

    Os Ncleos de Telessade dos estados AM, SC, MA, MT, MS, MG, SE, PE, RS, RJ, CE, GO, ES, RN,

    BA, TO esto realizando atividades de tele-educao para os profissionais e gestores de sade; 18.002 participaes na Tele-educao realizadas nos Temas Dengue, Zika, Chikungunya,

    microcefalia e combate vetorial de 01 de novembro de 2015 a setembro de 2016.

    Fonte: SGTES atualizado em Set. 2016.

    Estratgias desenvolvidas pelos Ncleos de Telessade, em parceria com Secretarias Estaduais e

    Ministrio da Sade, de combate ao Aedes Aegypti, por meio de aplicativos mobile;

    Desenvolvimento de metodologia para realizao de Telediagnstico para USG transfontanela -

    reduzindo reas de vazio assistencial. Foram avaliadas 314 crianas: 181 meninas e 133 meninos,

    de 97 Municpios paraibanos (43% do Estado). A avaliao clnica foi considerada dentro dos

    limites da normalidade em torno de 80%. A conduta foi liberar em 70% dos casos, e nos demais

    novos exames foram solicitados ou foi indicado o encaminhamento para ambulatrio

    especializado;

  • Atualizao em 23 de dezembro de 2016.

    Desenvolvimento de aes educacionais voltados para sensibilizao e capacitao de servidores

    pblicos federais: Lanamento: maro/2016;

    Mdulo educacional autoinstrucional (EAD): Orientaes Gerais, Preveno e Combate: Dengue,

    Chikungunya e Zika "Lanamento: a definir 500 profissionais de sade matriculados no mdulo;

    Criao e manuteno do Grupo de Interesse Especial (SIG) sobre Zika, Dengue e Chikungunya;

    Criao da Comunidade de Prticas: "Conversando sobre o Aedes

    Criao de uma rede de formao denominada "Centros Colaboradores (Portaria SGTES/MS n

    03, de 11 de janeiro de 2016); http://centroscolaboradores.saude.gov.br.

    Seminrios virtuais com profissionais de sade com 5.542 participaes em 09 Ncleos Virtuais;

    Publicao da Portaria n 1.046 de 20/05/2016, que trata da criao da Rede Nacional de

    especialistas em Zika e doenas correlatas (RENEZIKA), com o intuito de subsidiar o Ministrio da

    Sade com informaes de pesquisa relacionadas ao vrus Zika e doenas correlatas no mbito da

    vigilncia, preveno, controle, mobilizao social, ateno sade e ao desenvolvimento

    cientfico e tecnolgico.

    Ministrios da Educao e Cincia, Tecnologia, Inovao e Comunicaes, lanou em 02/06/2016

    a Chamada pblica MCTI-CNPq/ MEC-CAPES/ MS-Decit N 14/2016 Preveno e Combate ao

    vrus Zika - Linhas de pesquisa, que tem por objetivo selecionar propostas para apoio financeiro a

    projetos que visem contribuir significativamente para o desenvolvimento cientfico, tecnolgico e

    de inovao do Pas. 530 projetos submetidos. Publicao dos resultados: final de outubro.

    Contratao das propostas: novembro. Seminrio Marco Zero: final de novembro. Previso de

    contratar aprox. 69 propostas.

    Realizao do Seminrio Marco Zero Chamada Pblica MCTI-CNPq/ MEC-CAPES/ MS-Decit N

    14/2016 Preveno e Combate ao vrus Zika realizado em Braslia de 30 de novembro a 02 de

    dezembro de 2016, com o objetivo de discutir a necessidade de ajustes metodolgicos

    recomendados durante o julgamento das propostas e outros aspectos de execuo dos projetos,

    conforme necessidade do Sistema nico de Sade.

    Lanado o mdulo "A importncia do Brincar e da Participao Familiar para o Desenvolvimento

    Infantil" na plataforma do AVASUS cujo pblico-alvo so profissionais de sade e populao em

    geral.

    Elaborado material videogrfico pela NUCOM orientador para as famlias com base na a cartilha O Cuidado s Crianas em Desenvolvimento: orientaes para famlias e cuidadores (disponvel em:

    https://www.youtube.com/watch?v=rQDZQ9CgsE&list=PL_rQTI99G4P_o5xhQ4szI9ehUUuQGmmIg&index=6).

    Pesquisas e inovaes tecnolgicas para investigao do Zika vrus

    Desde a declarao da ESPIN, o Ministrio da Sade, no intuito de subsidiar suas aes vem

    investindo em novas tecnologias que contribuam para a investigao do vrus Zika. Segue uma

    sntese das pesquisas em andamento acompanhadas pelo Ministrio da Sade (Quadro 3).

    http://centroscolaboradores.saude.gov.br/http://centroscolaboradores.saude.gov.br/https://www.youtube.com/watch?v=rQDZQ9CgsE&list=PL_rQTI99G4P_o5xhQ4szI9ehUUuQGmmIg&index=6https://www.youtube.com/watch?v=rQDZQ9CgsE&list=PL_rQTI99G4P_o5xhQ4szI9ehUUuQGmmIg&index=6

  • Atualizao em 23 de dezembro de 2016.

    Quadro 3. Pesquisas e inovaes tecnolgicas para investigao do Zika vrus

    Ttulo do Projeto de Pesquisa/Ao

    Entidades Modalidade de

    fomento Responsvel Andamento da pesquisa

    Valor total da pesquisa

    Infeces causadas pelo

    vrus Zika: investigao

    sobre a doena aguda,

    complicaes e

    alternativas de

    preveno

    USP- Ribeiro Preto

    Contratao Direta

    CGLAB/SVS/CGDEP

    Projeto inserido no

    site do FNS em 02/09;

    solicitados pareceres

    de ad hoc externos,

    recebidos em 06/09.

    - Aps ajustes no

    projeto pelo

    Proponente, a

    CGLAB/SVS inseriu

    pareceres de mrito e

    econmico

    recomendando a

    contratao em

    (03/10).

    Prximos passos:

    - Aguardando

    resoluo de

    problema no sistema

    para o FNS subir a

    Proposta p/o SICONV

    p/ aprovao do

    Secretrio.

    480.000,00

    Persistncia do vrus

    Zika nos fludos

    corporais de pacientes

    com infeco pelo vrus

    Zika

    Fundao

    de

    Medicina

    Tropical-

    AM

    Contratao Direta

    DDAHV/SVS/CGDEP

    Projeto inserido no

    site do FNS em 02/09;

    solicitados pareceres

    de ad hoc externos,

    recebidos em 07/09.

    - Aps ajustes no

    projeto pelo

    Proponente, o

    DDAHV/SVS inseriu

    Pareceres de mrito e

    econmico

    recomendando a

    contratao em

    (21/09).

    Sndrome de Zika Congnita: Estudo clnico Epidemiolgico a partir de Coortes populacionais

    em servios de sade

    UPE/MERG Contratao

    Direta CGVR/SVS/CGDEP

    Aguardar o FNS subir a proposta para o SICONV p/ aprovao do Secretrio e

    posterior publicao e empenho

    1.946.693,94

    Casos de Sndrome de Guillain-Barr possivelmente associados

    a infeces por arbovrus no Brasil: Estudo de caso-controle

    no estado da Bahia.

    CDC/SVS No se aplica CGDEP/SVS

    Investigao de campo (18/01 a 04/02/2016) . Elaborao de relatrio

    preliminar com resultados parciais do trabalho de

    campo.

    No h repasse de recursos

    financeiros entre as instituies

    parceiras

  • Atualizao em 23 de dezembro de 2016.

    As amostras esto sendo analisadas nos

    laboratrios do Arboviral Diseases Branch do CDC,

    em Fort Collins , EUA.

    Casos de Microcefalia possivelmente associados

    infeco por arbovrus no Brasil: Estudo de caso-controle no

    estado da Paraba

    CDC/SVS No se aplica CGDEP/SVS

    Investigao de campo (15/02 a 23/03/2016) . Elaborao de relatrio

    preliminar com resultados parciais do trabalho de

    campo. As amostras esto sendo

    analisadas nos laboratrios do Arboviral Diseases Branch do CDC,

    em Fort Collins , EUA.

    No h repasse de recursos

    financeiros entre as instituies

    parceiras

    Realizar estudo de sries de casos p/ caracterizao dos casos de microcefalia: Estudo de Caso-

    controle para identificao de fatores associados microcefalia

    no estado de Pernambuco

    Fiocruz-PE Contratao

    Direta CGDEP/SVS

    Enviado relatrio da fase 1 do estudo de caso-

    controle. Divulgao dos resultados do estudo de

    caso-controle pela revista The Lancet Infections

    Disease

    3.543.967,00

    Fonte: CGDEP/CGPNCD/SCTIE/CGLAB

    Aes desenvolvidas pela ANVISA

    Cosmticos

    RDC 19/2013: regulamenta os produtos cosmticos repelentes de inseto

    Priorizao da anlise de repelentes (registro, ps registro)

    Nota tcnica contendo reviso bibliogrfica sobre toxicidade em grvidas dos ativos

    registrados como repelentes recomendao de uso em grvidas pelo MS

    Saneantes

    RDC 34/2010: regulamenta os produtos saneantes desinfetantes

    Priorizao da anlise dos inseticidas e repelentes ambientais: o prazo entre a petio e

    publicao da deciso em torno de 30 dias

    Nota tcnica contendo reviso bibliogrfica sobre toxicidade em grvidas dos ativos

    registrados como inseticidas domissanitrios e repelentes ambientais

    Recomendao de uso em grvidas pelo MS

  • Atualizao em 23 de dezembro de 2016.

    Aes desenvolvidas pela FIOCRUZ

  • Atualizao em 23 de dezembro de 2016.

    CONSIDERAES

    Aps um ano em que foi instituda a ESPIN e a criao do Plano Nacional de Enfrentamento

    Microcefalia (PNEM), vale ressaltar o grande empenho de todos os envolvidos no sentido de identificar,

    mapear, elaborar e trabalhar cada necessidade surgida para o enfrentamento dos casos de Microcefalia e

    combate ao vetor. Isto mobilizou e continua mobilizando todos os componentes dos trs Eixos do PNEM: Eixo

    I - Aes de Mobilizao e combate ao vetor, Eixo II - Cuidado, Eixo III Desenvolvimento Tecnolgico, Educao

    e Pesquisa, e as outras Aes, no sentido de reduzir a ocorrncia de casos e minimizar os danos decorrentes

    das doenas transmitidas pelo Aedes aegypti.

    Entretanto, apesar de todo esforo empreendido, algumas aes no tiveram o desfecho esperado

    dentro do que foi planejamento, seja porque esbarraram em aspectos referentes s fontes de recursos para

    sua execuo, ou por questes tcnico-operacionais, que demandavam estruturao, recursos humanos, e

    organizao da rede de servios, para o atendimento as necessidades identificadas frente ao evento novo,

    inviabilizando o resultado no tempo esperado para aquela Ao, ou Sub-Ao.

    Em 2016, do total de 24 aes institudas no PNEM somente 25% das Aes (6/24) foram concludas,

    mas h de se levar em considerao, todo o desdobramento para a execuo dessas Aes e o avano na

    concluso das Sub-Aes (40%) e Atividades (74%), o significativo percentual de Aes (63%), Sub-Aes

    (37%) e Atividades (15%) com status Em Andamento e as atividades continuada, que fazem parte da rotina

    dos servio. Vale destacar o baixo percentual de Aes, Sub-Aes e Atividades com Status Atrasada, o que

    de uma forma geral permite inferir que o resultando alcanado contribuiu para o fortalecendo da sade

    pblica em especial da vigilncia e da assistncia dos casos de doenas produzidas pelo Aedes e suas

    consequncias, com destaque a produo e uso das ferramentas da tecnologia em sade, que podem ser

    aplicada em benefcio da populao.

    Neste perodo de intensa Atividade (74% concludas) e criao de vrias frentes de trabalho,

    identificou-se a necessidade de fortalecer as aes do COES Operacional, especialmente no sentido do

    retorno das informaes oriundas das reunies Inter setoriais, ou solicitadas pelos gestores proporcionando

    maior fidedignidade das informaes produzidas pelos COES-Microcefalia, possibilitando monitorar, avaliar e

    subsidiar os gestores com as informaes necessrias.

    Diante do desafio de estruturar em to pouco tempo todo um conjunto de aes complexas e

    distintas, que devem conversar entre si e convergir para o objetivo principal do Plano, este documento tem

    por propsito apresentar o andamento das Aes, Sub-Aes e Atividades do PNEM em seus respectivos

    eixos, dar visibilidade ao produto dessa consolidao de forma que isto possa auxiliar os gestores e tcnicos

  • Atualizao em 23 de dezembro de 2016.

    na identificao os pontos crticos existentes para realizao dos servios e buscar formas de solucionar os

    problemas detectados, assim como fortalecer as Secretarias e reas tcnicas dos Ministrios e secretarias

    envolvidas, visando o benefcio da populao por meio da realizao de um trabalho transversal e integrado.

    Braslia, 23 de Dezembro de 2016.

    Sala de Gesto Operacional do Centro de Operaes de Emergncia em Sade - Coes

    Departamento de Vigilncia de Doenas Transmissveis (DEVIT)

    Secretaria de Vigilncia em Sade

    Ministrio da Sade

Recommended

View more >