RESUMO EXECUTIVO Ações Realizadas para o Enfrentamento ?· Resumo Executivo Ações realizadas para…

  • Published on
    12-Nov-2018

  • View
    213

  • Download
    0

Embed Size (px)

Transcript

  • Atualizao em 23 de dezembro de 2016.

    MINISTRIO DA SADE SECRETARIA DE VIGILNCIA EM SADE

    DEPARTAMENTO DE VIGILNCIA DAS DOENAS TRANSMISSVEIS CENTRO DE OPERAES DE EMERGNCIA EM SADE PBLICA

    RESUMO EXECUTIVO

    Aes Realizadas para o Enfrentamento da

    Emergncia em Sade Pblica Relacionada

    Microcefalia

    2016

  • Atualizao em 23 de dezembro de 2016.

    MINISTRIO DA SADE SECRETARIA DE VIGILNCIA EM SADE

    CENTRO DE OPERAES DE EMERGNCIA EM SADE PBLICA (COES OPERACIONAL)

    Resumo Executivo

    Aes realizadas para Enfrentamento da Emergncia em Sade Pblica

    Relacionada Microcefalia

    O aumento significativo do nmero de casos registrados de dengue, Chikungunya, em especial de

    Zika vrus observados no perodo de abril de 2015 a 2016, e as srias complicaes que essas epidemias vm

    causando populao, especialmente associada alterao do padro de ocorrncia de casos de

    microcefalia, levou o Governo Federal a decretar estado de Emergncia em Sade Pblica de Importncia

    Nacional (ESPIN). Em fevereiro de 2016, o surgimento de novos casos de zika em outros pases, territrios e

    regies levou a OMS a declarar Emergncia de Sade Pblica de Importncia Internacional (ESPII).

    Com a declarao do estado de Emergncia em Sade Pblica (ESPIN), foi institudo o Centro de

    Operaes de Emergncias em Sade Pblica (COES) como mecanismo de gesto, para atuar de forma

    coordenada, o desenvolvimento das aes frente as necessidades surgidas nas trs esferas de gesto.

    O estado de ESPIN motivou a intensificao das aes de combate ao mosquito Aedes aegypti nos

    estados e municpios, e adoo de medidas, pelo Governo Federal, sendo institudo o Plano Nacional de

    Enfrentamento Microcefalia (PNEM) atualmente chamado de Plano Nacional de Enfrentamento ao Aedes

    e suas Consequncias. Este Plano tem por objetivo delinear e nortear a execuo das aes de forma

    transversal e integrada entre mltiplos rgos governamentais responsveis pela sua execuo. O PNEM

    constitudo por trs eixos especficos e outras aes, sendo o Eixo I - Aes de Mobilizao e combate ao

    vetor, Eixo II - Cuidado, Eixo III Desenvolvimento Tecnolgico, Educao e Pesquisa, e as outras Aes que

    englobam atividades especificas relacionadas ao aperfeioamento dos centros de comando, de comunicao

    e de Sistemas de Informao em sade.

    Cada Eixo do PNEM est constitudo por Aes, Sub-Aes e Atividades com denominaes definidas

    que caracterizam o grau de execuo do Plano, sendo estabelecidas as seguintes denominaes: concluda,

    em andamento, cancelada, substituda e excluda.

    Execuo do Plano

    O Plano Nacional um instrumento de interface entre todas as reas, Secretarias e Ministrios

    relacionados com a execuo de atividades institudas para o enfrentamento do Aedes e suas consequncias.

    Ele permite monitorar e avaliar de forma sistemtica os Eixos segundo aes, sub-aes e atividades do Plano,

    com vistas reduo do impacto dessas epidemias e, evitar a ocorrncia de casos e bitos de microcefalia

    por Zika vrus e doenas correlatas.

  • Atualizao em 23 de dezembro de 2016.

    Todas as informaes recebidas dos pontos focais (semanal e atualmente quinzenal) institudos

    para acompanhamento da execuo das aes do PNEM em suas respectivas reas de atuao, so

    consolidadas no COES que tem como finalidade dar visibilidade para os pontos crticos e, viabilizar meios

    para sua resoluo. Desta forma, janeiro a dezembro de 2016 foram monitoradas 24 aes (Uma ao

    cancelada), 127 sub-aes e 714 atividades, o que possibilitou ter visibilidade do processo de execuo do

    Plano, conforme representado nos grficos abaixo.

    Grfico 1. Situao do Plano Nacional de Enfrentamento do Aedes e Suas Consequncias,

    Segundo realizao das Aes nos Eixos - Jan a Dez. 2016.

    Do total de 24 Aes que constituem os trs Eixos destaca-se que 25% foram concludas

    63% esto em andamento, 8% atrasadas, 4%, canceladas (Grfico (2).

    0

    2

    4

    6

    8

    10

    EIXO I EIXO II EIXO III OUTRAS AES

    Situao do Plano Segundo Eixo e Outras Aes

    Concluda Em Andamento Atrasada No Iniciada

    Substituida Cancelada Atividade contnua

    Fonte: SVS/SAS/SE/SCTIE/SGTES/SGEP

  • Atualizao em 23 de dezembro de 2016.

    Grfico 2. Situao do Plano Nacional de Enfrentamento Aedes e Suas Consequncias, Segundo Execuo das Aes - Jan a Dez. 2016.

    Fonte: SVS/SAS/SE/SCTIE/SGTES/SGEP

    Quanto as Sub-Aes, do total de 127 que constituem os trs Eixos, destaca-se que 40%

    foram concludas, 37% esto em andamento, 7% atrasadas, 6% no iniciadas, 4% canceladas e, 6%

    Atividades contnuas (Grfico 3).

    Grfico 3. Situao do Plano Nacional de Enfrentamento Aedes e Suas Consequncias, Segundo Execuo das Sub-Aes - Jan a Dez. 2016.

    Fonte: SVS/SAS/SE/SCTIE/SGTES/SGEP

    25%

    63%

    8%

    0%0%4%

    0%

    Situao do Plano Segundo - Aes

    Concluda Em Andamento Atrasada No Iniciada Substituida Cancelada Atividade contnua

    40%

    37%

    7%

    6% 0%4%6%

    Situao do Plano Segundo - Sub-aes

    Concluda Em Andamento Atrasada No Iniciada Substituida Cancelada Atividade contnua

  • Atualizao em 23 de dezembro de 2016.

    Com relao as Atividades, do total de 714 que compem os trs Eixos, destaca-se que 74%

    foram concludas, 15% em andamento, 4% atrasadas, 2% no iniciadas, 2% canceladas e 3% aes

    contnuas (Grfico 4).

    Grfico 4. Situao do Plano Nacional de Enfrentamento Aedes e Suas Consequncias, Segundo Execuo das Atividades - Jan a Dez. 2016.

    Fonte: SVS/SAS/SE/SCTIE/SGTES/SGEP

    AES REALIZADAS

    EIXO 1 - AES DE MOBILIZAO E COMBATE AO VETOR

    Implantao da Sala Nacional de Coordenao e Controle (SNCC) para o enfretamento da Dengue, do

    Vrus Chikungunya e do Zika Vrus, a partir do Decreto de 8.612, de 21 de dezembro de 2015 e Portaria

    MS n 62, de 12 de janeiro de 2016;

    Implantao das Salas Estaduais (SECC) e Municipais(SMCC) de Coordenao e Controle da mobilizao

    para o enfrentamento do mosquito nas 27 unidades Federativas e no final do sexto ciclo, j eram 1.769

    SMCC em todo Pas, 1 Sala Binacional, 1 Sala Inter federativa. Criao do Grupo Executivo Interministerial de Emergncias em Sade Pblica de Importncia Nacional

    e Internacional (GEI-ESPII) convocado em 04/12/2015, conforme regulamenta o Decreto de 6 de

    dezembro de 2010, para apresenta o Plano Nacional de Enfrentamento ao Aedes e suas consequncias.

    Publicao da Portaria n 2.121, de 18 de dezembro de 2015, que Altera o Anexo I da Portaria n

    2.488/GM/MS, de 21 de outubro de 2011, para reforar as aes voltadas ao controle e reduo dos

    riscos em sade pelas Equipes de Ateno Bsica, redefinindo as atribuies da ESF, especificamente

    as dos Agentes Comunitrios de Sade (ACS).

    74%

    15%

    4%

    2%0% 2%

    3%

    Situao do Plano Segundo - Atividades

    Concluda Em Andamento Atrasada No Iniciada Substituida Cancelada Atividade contnua

    http://legislacao.planalto.gov.br/legisla/legislacao.nsf/Viw_Identificacao/dsn%2006-12-4-2010?OpenDocumenthttp://legislacao.planalto.gov.br/legisla/legislacao.nsf/Viw_Identificacao/dsn%2006-12-4-2010?OpenDocument

  • Atualizao em 23 de dezembro de 2016.

    Adotada Medida Provisria N 712, de 29 de Janeiro de 2016, que dispe sobre a adoo de medidas

    de vigilncia em sade quando verificada situao de iminente perigo sade pblica pela presena do

    mosquito transmissor do Vrus da Dengue, do Vrus Chikungunya e do Zika Vrus.

    Publicao da Portaria n 2.162, de 23 de dezembro de 2015, que Autoriza repasse no Piso Varivel

    de Vigilncia em Sade (PVVS) do Componente de Vigilncia em Sade de recurso financeiro para

    implementao de aes contingenciais de vigilncia, preveno e controle de epidemias mediante

    situao de emergncia.

    Intensificao das aes de combate ao mosquito, consiste na antecipao do prazo para realizao

    de quatro ciclos de visitas para o primeiro semestre de 2016, ao invs das seis visitas anuais usualmente

    praticadas pelos agentes de combate a endemias institudas pela Coordenao Geral do Programa

    Nacional de Controle da Dengue. Esta ao tem por objetivo de identificar e eliminar focos, realizar

    tratamento mecnico ou qumico de possveis criadouros e orientar a populao sobre as formas de

    combate ao mosquito.

    Publicao da Lei 13.301, de 27 de junho de 2016, que dispe sobre a adoo de medidas de

    vigilncia em sade quando verificada situao de iminente perigo sade pblica pela presena do

    mosquito transmissor do vrus da dengue, do vrus Chikungunya e do vrus da zika; altera a Lei no

    6.437, de 20 de agosto de 1977; e regulamenta o ingresso forado em imveis pblicos e particulares,

    no caso de situao de abandono, ausncia ou recusa de pessoa que possa permitir o acesso de

    agente pblico, regularmente designado e identificado, quando se mostre essencial para a conteno

    das doenas.

    Ciclos de visitas a imveis urbanos: At o momento foram concludos Seis ciclos de visitas, e o stimo

    ciclo est em andamento com finalizao prevista para 30/12/2016, destes, quatro foram realizados

    no 1 semestre de 2016, conforme programao instituda pela SNCC. Do total de 67.097.881 imveis

    previstos para acompanhamento, em todo Brasil, at 12/12/2016 j foram realizadas 286.470.375

    visitas e trabalhados 240.943.456 imveis.

    No primeiro ciclo (com perodo de execuo de dezembro de 2015 a 29 de fevereiro de 2016) foram

    realizadas visitas 58.671.408 imveis no Brasil, representando 87% do total de 67.097.881 existentes,

    conforme dados do Cadastro Nacional de Endereos para Fins Estatsticos (CNEFE) do Instituto

    Brasileiro de Geografia e Estatstica (IBGE, 2015). No segundo ciclo, com perodo de execuo menor

    em comparao ao ciclo anterior, foram visitados 39.645.289 (59%) imveis at 31 de maro de 2016.

    No terceiro, foram realizadas 33.155.481 (49%), quarto ciclo 57.065.256 (85%), quinto ciclo

    52.337.903 (78%), sexto ciclo 45.595.038 (67%) de visitas dos imveis previstos (Quadro 1).

    Do universo de imveis trabalhados do Primeiro ao Quarto ciclo, observa-se uma reduo no

    percentual de imveis com foco, ou seja, aqueles identificados pelo agente que realizou a inspeo dos

    criadouros de larva de mosquito sendo na ordem de 3,62%, 3,24%, 2.55% e 2,15% respectivamente.

    Do quarto Ciclo para o Quinto ciclo observou-se um ligeiro aumento 2,15% para 2,23%, seguido de

    reduo para 1,81% no Sexto ciclo.

    Infere-se que os trabalhos realizados pelas Salas Estaduais e Municipais em conjunto com a Sala

    Nacional apresentam um resultado positivo das aes de enfrentamento ao Aedes aegypti, com

    alcance de 4.909 (88,13%) dos 5.570 municpios brasileiros com registro de acesso no SIM-PR. No

    Brasil, durante o Sexto ciclo, os agentes encontraram 7.164.918 imveis fechados e com recusa do

    acesso, deste total 1.212.390 (14,47%) imveis foram recuperados. Quando comparado os dados do

    Primeiro em relao ao Sexto ciclo de visitas, observou-se uma reduo no percentual de imveis

  • Atualizao em 23 de dezembro de 2016.

    fechados e recusados: 9.717.739 (16,56%) para 7.164.918 (15,72%) (dados atualizados em

    12/12/2016).

    Quadro 1. Visitas realizadas, imveis trabalhados, fechados e recusados por ciclo, Jan- Out 2016.

    * Percentual calculado considerando-se o total de 67.097.881 imveis urbanos, conforme o Cadastro Nacional de Endereos para fins Estatsticos CNEFE 2015 do IBGE. ** Consideram-se trabalhados os imveis em que houve a inspeo e verificao da presena de possveis criadouros, o tratamento mecnico ou qumico para a remoo e preveno de focos do mosquito e/ou a orientao e esclarecimentos aos moradores. Fonte: SIM-PR, 12/12/2016. Dados parciais sujeitos a alteraes.

    Realizao de 270 blocos de videoconferncia com todas as UF para o monitoramento das aes

    realizadas durante o ano 2016.

    Institudo, a partir da publicao da Lei 13.301, de 27 de junho de 2016, o Programa Nacional de Apoio

    ao Combate s Doenas Transmitidas pelo Aedes - PRONAEDES, tem como objetivo o financiamento

    de projetos de combate proliferao do mosquito transmissor do vrus da dengue, do vrus

    Chikungunya e do vrus da zika, compete ao Ministrio da Sade regulamentar os Critrios e

    procedimentos para aprovao de projetos do Pronaedes: priorizao das reas de maior incidncia

    das doenas causadas pelo vrus da dengue, do vrus Chikungunya e do vrus da zika; reduo das

    desigualdades regionais; priorizao dos Municpios com menor montante de recursos prprios

    disponveis para vigilncia em sade e priorizao da preveno doena. Em funo dos critrios

    estabelecidos, esta Ao est em anlise, com possibilidades de adequao.

    Em consonncia com as diretrizes institudas pelo Programa Nacional de Controle da Dengue a SNCC

    definiu como meta reduzir o ndice de infestao por Aedes aegypti em menos que 1% nos municpios

    brasileiros, no final de junho de 2016, para diminuir o nmero de casos de doenas transmitidas pelo

    mosquito. A partir do SIM-PR possvel verificar que ao final do 1 ciclo, 1.608 municpios (29%)

    apresentavam foco menor ou igual a 1%. Analisando este indicador at 12 de setembro 2016, verificou-

  • Atualizao em 23 de dezembro de 2016.

    se que 3.194 municpios que representa 57,3% dos municpios do Pas, alcanaram a meta prevista pela

    Sala Nacional.

    Entre os meses de maro e abril de 2016, foi realizado o Levantamento Rpido de ndices para Aedes aegypti LIRAa em 1.647 municpios brasileiros. Sua realizao em mbito nacional serve como instrumento para nortear medidas de aes de controle, alm de ser importante ferramenta para obteno de apoio e adeso da populao e de setores externos ao setor sade. De acordo com os limiares de risco de transmisso de dengue propostos pelo Programa Nacional de Controle da Dengue

    (PNCD) para os ndices de Infestao Predial (IIP) obtidos mediante o LIRAa, 782 municpios encontraram-se em situao satisfatria (0,9% IIP), 578 municpios encontraram-se em situao de alerta (1,0% IIP 3,9%) e 287 municpios em situao de risco (4,0% IIP).

    Entre os meses de outubro e novembro de 2016, foi realizado um novo LIRAa em 2.282 municpios,

    onde foi observado aumento de 27,3% em relao ao mesmo perodo de 2015. Do total de municipios

    que participaram 1.429 esto em situao satisfatria, com ndice de Infestao Predial (IIP <

    1,0), 656 em situao de alerta (1,0 IIP 3,9) e 197 (4,0 IIP) em situao de risco.

    Na Regio Norte 178 municpios participaram do LIRAa onde foi observado uma reduo do IIP de

    4,8% em relao a novembro de 2015. Do total de municipios que participaram do LIRAa na regio

    Norte, 89 apresentaram situao satisfatria, 65 em situao de alerta e 24 em situao de risco. As

    capitais Macap (AP) Palmas (TO) encontram-se em situao satisfatrias. Rio Branco (AC), Boa Vista

    (RR) e Belm (PA) situao de alerta. Manaus (AM) e Porto Velho (RO) sem informao. Os depsitos

    de lixo (42,2%) so os criadouros predominantes do mosquito.

    Na Regio Nordeste 656 municpios participaram do LIRAa onde foi observado um aumento do IIP de

    21,3% em relao a novembro de 2015. Do total de municipios que participaram do LIRAa na regio

    Nordeste, 293 esto em situao satisfatria, 345 em situao de alerta e 158 em situao de risco. As

    capitais Fortaleza (CE), So Lus (MA), Joo Pessoa (PB) e Teresina (PI) apresentaram situao

    satisfatrias. Aracaj (SE) e Salvador (BA) em situao de alerta e, Macei (AL), Recife (PE) e Natal (RN)

    sem informao. Os depsitos de gua (76%) so os criadouros predominantes do mosquito.

    Na Regio Sudeste 602 municpios participaram do LIRAa onde foi observado um aumento do IIP de

    5,1% em relao a novembro de 2015. Do total de municipios que participaram do LIRAa na regio

    Sudeste, 464 esto em situao satisfatria, 129 em situao de alerta e 9 em situao de risco. As

    capitais Belo Horizonte (MG), Rio de Janeiro (RJ), So Paulo (SP), apresentaram situao satisfatrias e

    Vitria (ES) em situao de alerta. Os depsitos domiciliares (41%) so os criadouros predominantes

    do mosquito.

    Na Regio Sul 492 municpios participaram do LIRAa onde foi observado um aumento do IIP de 547,4%

    em relao a novembro de 2015. Do total de municipios que participaram do LIRAa na regio Sul, 415

    esto em situao satisfatria, 74 em situao de alerta e 3 em situao de risco. A capital Florianpolis

    (SC) apresentou situao satisfatrias e Curitiba (PR), Porto Alegre (RS) sem informao. Os depsitos

    domiciliares (36,4%) so os criadouros predominantes do mosquito. Estas informaes so referente

    apenas ao Estado de Santa Catarina.

    Na Regio Centro Oeste 214 municpios participaram do LIRAa onde foi observado uma reduo do IIP

    de 28,7% em relao a novembro de 2015. Do total de municipios que participaram do LIRAa na regio

    Centro-Oeste 168 esto em situao satisfatria, 43 em situao de alerta e 3 em situao de risco.

    As capitais Braslia (DF) e Campo Grande (MS) apresentaram situao satisfatrias, Goinia (GO) em

    situao de alerta e Cuiab (MT) em situao de risco. Os depsitos domiciliares (36,4%) so os

    criadouros predominantes do mosquito. Estas informaes so referente apenas ao Estado de Santa

    Catarina. Os depsitos de lixo (35,9%) so os criadouros predominantes do mosquito.

  • Atualizao em 23 de dezembro de 2016.

    Na execuo do Plano Nacional estava previsto a aquisio e distribuio de veculo, destinados aos

    estados e municpios de veculos para aplicao de inseticidas e larvicidas. At junho/2016, foi efetivada

    a distribuio 650 pulverizadores costais motorizados para as Secretarias Estaduais de Sade. Tambm

    foram adquiridos 150 veculos para transporte e superviso de agentes de combate s endemias (ACE).

    A distribuio dos equipamentos e veculos aos municpios foi discutida no mbito das CIB e efetivada

    por meio das deliberaes de rotina e segundo emisso de termo de doao SAA/SE.

    Aquisio de 1.650.000 litros de adulticida Malathion EW e 135.000 quilos de larvicida Pyriproxyfen

    utilizados para o controle vetorial.

    Por meio de Oficio-circular s/n encaminhado para Secretrios e Prefeitos foi feito o termo de doao

    que oficializa a transferncia da concesso do bem ao Donatrio, ficando o mesmo comprometido com

    a retirada do veculo no Ncleo Estadual e o transporte at seu destino, alm do emplacamento e da

    transferncia da titularidade do bem. At o dia 08 de dezembro foram entregues 108 veculos, para

    22 estados. Quanto aos 650 pulverizadores costais todos foram entregues aos estados segundo os

    seguintes lotes de distribuio: Primeiro lote: DF, Paran, RS, SC, AC, AP, RR, RO, AM, TO, PA, AL, MT,

    MS, SE e RJ (313 equipamentos); Segundo lote: BA, PI, RN, MG, PE, CE, MA, PB, ES, GO e SP (337

    equipamentos).

    Finalizao do processo licitatrio para aquisio de ve

Recommended

View more >