Click here to load reader

Revista de Domingo nº 545

  • View
    222

  • Download
    0

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Revista semanal do jornal de fato

Text of Revista de Domingo nº 545

  • Jornal de Fato | DOMINGO, 30 de dezembro de 2012

    ao leitor

    Edio C&S Assessoria de Comunicao Editor-geral Wil liam Rob son Dia gra ma o Rick Waekmann Projeto Grfico Augusto Paiva Im pres so Gr fi ca De Fa to Re vi so Gilcileno Amorim e Stella Smia Fotos Carlos Costa, Marcos Garcia, Cezar Alves e Gildo Bento In fo gr fi cos Neto Silva

    Re da o, pu bli ci da de e cor res pon dn cia

    Av. Rio Bran co, 2203 Mos so r (RN)Fo nes: (0xx84) 3323-8900/8909Si te: www.de fa to.com/do min goE-mail: re da [email protected] fa to.com

    Do MiN go uma pu bli ca o se ma nal do Jor nal de Fa to. No po de ser ven di da se pa ra da men te.

    A proximidade da chegada de um novo ano sempre atrai a ateno de muitas pessoas para questes msticas. Esta a poca que numerlogos, carto-mantes, e esotricos em geral registram maior procura de clientes querendo saber as previses para o ano que se inicia.

    Neste ano, a procura pelas previses aumentou devido a um detalhe na data, a presena do nmero 13, que as-sociado m sorte.

    Especialistas em numerologia afirmam que apesar das pessoas estarem apreensivas, 2013 ser um ano maravi-lhoso, j que a soma de seus algarismos igual a seis, que representa o amor.

    A revista Domingo tambm conversou com os fotgrafos Carlos Costa e Raul Pereira sobre a exposio fotogrfica com registros da campanha eleitoral da prefeita eleita Clu-dia Regia.

    Esta edio traz ainda histrias de pessoas que aposta-ram na Mega-sena da Virada e vivem a expectativa de co-mear o novo ano com alguns milhes na conta bancria.

    Boa leitura, Nara Andrade

    editorial

    2013!Que venha

    2

    Coo

    rden

    ador

    da

    Com

    perv

    e,

    Egbe

    rto

    Mes

    quit

    a, fa

    la s

    obre

    ex

    pect

    ativ

    as p

    ara

    o PS

    V 2

    013

    En

    tre

    vis

    ta

    Exposio

    Colunista Davi Moura: Salada colorida de lentilha

    Entenda por que o nmero 13 associado m sorte e sua influncia sobre o ano que se inicia

    Rafael Demetrius: Fechando para balano: uma anlise de 2012

    Adoro comer

    Superstio

    Coluna

    p4

    p14

    p6

    p 12

    p8

    Fotgrafos expem registros da campanha eleitoral da prefeita eleita Cludia Regina

  • 3Jornal de Fato | DOMINGO, 30 de dezembro de 2012

    )( Envie sugestes e crticas para oe-mail: [email protected] dor aguda na altura dos rins, gritou pelo vizinho. Me-ses, de cama. Doente sem sa-ber sem diagnstico clnico.

    Homem forte, saudvel, Custdio vivia de pescar sanas. Morava s, num casebre na ponta da rua onde acabava a cidade, olhando para as salinas. A nica mulher que teve na vida, havia anos o deixara, ganhando o mundo. Com um camel.

    De repente, acamado. Sem poder levantar-se sozinho. As pernas, aquela inchao luzidia. Dores na regio renal, a ponta de um punhal. Urinando sangue. Medicina caseira. Chs, garrafadas. Sem resultado.

    Era vspera do Natal, e uma velhinha lhe apareceu trazendo-lhe uma meda-lhinha do Menino-Deus, presa a um cor-do acetinado, um tanto sujo, pusesse aquela medalha ao pescoo, com f, e alcanaria a graa da cura. Deus no desampara ningum disse-lhe.

    Custdio a colocou ao pescoo, cheio de f. Aquela velhinha, que ele no co-nhecia, nem ningum ali da ruazinha de casario de palha de coqueiro, de logo, entre suas dores, teve ele a convicta im-presso de que lhe fora enviada pelo mesmo Menino-Deus.

    Beijava-a, medalha, com a certeza

    O ltimo grito

    JOS NICODEMOS*

    conto

    da cura. As dores sempre aumentando, de

    cada vez mais insuportveis, j, agora, rogava a Deus era que lhe abreviasse a vida.

    Desesperado, chegou um dia a im-plorar ao amigo mais chegado.que o ma-tasse com um tiro de espingarda no co-rao. E abria-lhe o peito da camisa atire! atire!

    Tudo o que era vizinho ali ao redor da rede malcheirosa, mais para pano de cho, fazendo o que podiam por aliviar-lhe as dores. Me matem! me matem!, implorava, os olhos saltados das rbitas

    se afundando. L pras tantas, conseguiu-se a visita

    caridosa de um mdico, o nico e escas-so mdico ali da cidade. Examinou-o, a Custdio, com quanto tinha medicina, mediu-lhe a presso: uma questo de horas...

    No demorou tanto, nem meia hora, e Custdio, estremecendo o casebre com o ltimo grito, de fera ferida, como cos-tume comparar, fechou os olhos para sempre. Antes da missa em honra e gl-ria do Menino-Deus.

    Era vspera do Natal, e uma velhinha lhe apareceu trazendo-lhe uma medalhinha do Menino-Deus, presa a um cordo acetinado, um tanto sujo

  • 4 Jornal de Fato | DOMINGO, 30 de dezembro de 2012

    entrevista

    EGBERTO MESQUITA

    Por Nara AndradePara a Revista Domingo

    Para evitar fraudes, PSV 2013 utilizar detector

    de bluetooth

    Formado pela primeira turma do curso de Biologia da Universida-de do Estado do Rio Grande do Rio Grande do Norte (UERN), Jos Egberto Mesquita Pinto Jnior, hoje com 39 anos, j atua como professor da instituio h 15 anos, lecionando disciplinas no Departamento de Cincias Biolgicas e Sociologia. O cearense, natu-ral de Fortaleza, tambm na Uern atua como coordenador do Processo Seletivo Vocacionado (PSV), promovido pela Comisso Permanente do Vestibular (COMPERVE). Egberto Mesquita fala do perodo de inscrio do PSV 2013 encerrado na ltima quinta-feira, sobre esquema de segu-rana para realizao do processo e traz outras informaes sobre o vestibular que ser realizado nos dias 3 e 4 de maro.

    DOMINGO Essa semana foram encerradas as inscries para o Pro-cesso Seletivo Vocacionado 2013 (PSV 2013) do Estado do Rio Grande do Norte (UERN). Qual o nmero de candidatos inscritos? A procura foi maior que no ano passado?

    EGBERTO MESQUITA O nmero est dentro da expectativa inicial, que era de aproximadamente 25 mil candi-datos. No total, foram 25.850 inscritos,

    dos quais 18.023 so cotistas e 7.827 no cotistas. De acordo com os nmeros, 1.982 candidatos declararam ter conclu-do o Ensino Mdio atravs do EJA (an-tigo supletivo). Com isso mantivemos a mdia de inscries para o ano passado, quando foram contabilizados 24.6649 candidatos inscritos, j que muitas pes-soas que preenchem o formulrio de inscrio acabam no pagando a taxa, por diferentes motivos, e ainda os can-

    didatos que se encaixaram no perfil de iseno no apresentam documentos que comprovem essa condio.

    MUITOS candidatos pediram iseno da taxa de inscrio?

    A ISENO feita a partir do momen-to que o candidato entra na sua ficha de inscrio. Ele no escolhe ser isento, no escolhe ser cotista, o que determina um candidato ser isento uma srie de par-metros que o sistema tem. Por exemplo, a Lei de Iseno determina que para o can-didato ter iseno de 100% ou de 50%, ele precisa ter algumas caractersticas. Quais so essas caractersticas? Ele pre-cisa ter concludo seu primeiro, segundo e terceiro ano do ensino mdio dentro do trinio, que so os trs anos que ante-cedem o vestibular. Se ele terminou em 2010, em 2011 ou est concluindo em 2012, ter direito iseno de 100% da taxa do vestibular. Isso vlido para can-didatos da rede pblica, exclusivamente, do Rio Grande do Norte. Candidatos da rede privada tambm podem ter algum privilgio, se ele for um bolsista, com bolsa maior ou igual a 50%, e tenha con-cludo tambm nesse intervalo de tempo, tambm tem a iseno de 100% do vesti-bular. Uma outra caracterstica o siste-ma de cotas, que diferente da iseno. Eu posso ser um cotista e ser um candi-dato pagante. Quando que isso ocorre? Primeiro, um candidato cotista aquele que terminou o ensino fundamental e o ensino mdio em qualquer escola pblica do estado ou do pas.

    QUAL o procedimento para esses candidatos?

    O PROCESSO de inscrio idntico para todos os candidatos independentes de ser pagantes ou isentos. O candidato acessa a ficha de inscrio no portal da Uern e quando o sistema identifica que o cidado est solicitando algum tipo de benefcio previamente, como cotas, isen-o ou ele tem alguma necessidade es-pecial, esses candidatos precisam com-provar essa condio por meio do envio de documentos. Aqueles que no esto

  • 5Jornal de Fato | DOMINGO, 30 de dezembro de 2012

    entrevista

    pedindo nenhum tipo de benefcio, os chamados candidatos pagantes, no pre-cisam apresentar absolutamente nada, eles s precisam no dia 19 de feverei-ro imprimir o comprovante de inscrio do candidato com o local de realizao da prova. O candidato identificado como isento, cotista ou portador de alguma deficincia, tem que entregar documen-tao exigida para comprovao de sua condio entre os dias 21 e 25 de janeiro. Quem no entregar essa documentao, ainda ter uma oportunidade de realizar o processo, no perodo de 29 a 31 de ja-neiro. Se o candidato imprimir o boleto bancrio, ele sai da condio de benefi-cirio e passa a ser considerado um can-didato pagante. J o candidato que por algum motivo no conseguiu comprovar que era cotista, passar a concorrer a uma vaga entre os no contistas.

    QUAIS os cursos mais procurados

    desta edio?OS MAIS procurados so Medicina,

    Direito e Odontologia. Mas, ainda pre-ciso verificar a concorrncia para esses cursos, que o resultado entre o nmero de vagas e a quantidade de inscritos para cada curso.

    QUANDO sero realizadas as provas?AS PROVAS sero realizadas nos dias

    3 e 4 de maro de 2013. Elas sero apli-cadas em dois dias, um domingo e uma segunda-feira, j para resguardar os candidatos adventistas que no podem realizar atividades durante os sbados. Pensando nisso, a gente tradicionalmen-te vem realizando essas provas no do-mingo e na segunda. Lembrando que o carto de inscrio traz todas as infor-maes necessrias para o candidato, inclusive o horrio que os portes sero abertos, que s 7h15, e o horrio de fechamento, 7h45, e a hora do incio da prova. Para evitar qualquer imprevisto, a gente sempre recomenda aos candida-tos que vo realizar as provas que no dia anterior faam o percurso para calcular o tempo mdio de chegada ao local da prova e qual a rota mais fcil, mesmo sabendo que no dia da prova o trnsito vai estar mais agitado. Saindo tambm com bastante antecedncia do horrio de fechamento dos portes, no mnimo uma hora antes.

    FREQUENTEMENTE, ouvimos not-

    cias sobre pessoas tentando fraudar ves-tibulares, concursos. Qual o esquema de segurana que ser utilizado?

    PRINCIPALMENTE, a gente tem ca-sos de pessoas tentando burlar o sistema de cotas, mas felizmente, a universidade vem tomando medidas muito enrgicas para o combate dessa prtica abusiva e fraudulenta que ns consideramos uma das mais graves. J tomamos a iniciativa de desligar alunos do curso de Medicina que estavam no quarto perodo da facul-dade, por termos detectado essa fraude.

    A pessoa que for pega cometendo essa prtica ser acionada pelo Ministrio P-blico e deve ser processada por falsida-de ideolgica e responder na Justia por esse crime, que inclusive pode dar uma pena de recluso de 3 a 4 anos. Quanto a tentativas de fraude no dia da aplicao das provas, ns temos um sistema de se-gurana e at o momento no tivemos casos de pessoas que tentaram passar colas ou receber colas atravs de qual-quer equipamento eletrnico ou outros tipos de fraude. Alm de utilizarmos apa-relhos detectores de metal, tambm pas-samos nas salas com detector de sinal de bluetooth, j que a maioria desses apare-lhos funcionam atravs dessa tecnologia. Como proibida a utilizao de celular na sala da prova, qualquer pessoa que estiver com o aparelho ligado ser auto-maticamente eliminado do processo. At o momento no tivemos nenhum caso de candidatos utilizando aparelhos durante a prova. J identificamos um candidato com o celular ligado, mas como era an-tes do incio da prova ele estava em seu direito e teve a oportunidade de desligar o aparelho.

    QUANTAS pessoas trabalharo direta e indiretamente no processo seletivo?

    NS temos em torno de 1.500 pesso-as trabalhando nesse processo em todo o estado, entre fiscais e colaboradores. Ns ainda no comeamos a fazer a es-timativa, mas pelo que tivemos no ano passado, quando trabalharam cerca de 1.600 pessoas, ento temos essa mdia.

    QUAL estrutura ser utilizada na re-

    alizao do PSV?NS s teremos acesso a essa infor-

    mao quando finalizarmos a inscrio, quando passar o perodo de entrega de documentos, porque vai ter ainda essa outra etapa de pessoas que podero ajus-tar sua situao, tendo oportunidade de fazer o pagamento. Quando a gente fe-cha, por exemplo, em 24 mil inscries, com certeza temos uma queda j espera-da de 4 mil pessoas que preenchem a fi-cha de inscrio e por algum motivo no pagam a taxa.

    QUANTAS vagas e quantos cursos sero oferecidos?

    NS temos 2.602 vagas que esto distribudas nos nossos seis campi. Aqui no campus central, quase metade dos inscritos, totalizando cerca de 1.040 can-didatos. O restante est distribudo nos cursos que funcionam nos campus de Ass, Patu, Caic, Pau dos Ferros e Natal, alm dos 11 ncleos. Ao todo temos 33 cursos, entre bacharelados e licenciatu-ras. Quando ns contabilizamos a distri-buio, onde a gente tem cursos repeti-dos, d um total de 83 ofertas de cursos disponibilizados para o PSV 2013.

    ESSA edio do vestibular ter algu-ma novidade?

    A NOVIDADE que chama mais aten-o para esse processo a abertura do curso de Cincia e Tecnologia no campus de Natal, que est ofertando 50 vagas. A ideia de abertura desse curso surgiu a partir da anlise da necessidade social. Depois foi feito um projeto pedaggico de curso, no qual o grupo de professo-res monta a proposta pedaggica, com o perfil do aluno, o que vai trabalhar, as disciplinas que deve cursar para ter uma formao bsica naquela modalidade de curso. Ento, j era uma necessidade, e o campus de Natal est tentando montar um perfil mais tcnico e o curso de Cin-cia e Tecnologia est ligado ao curso de Cincias da Computao, reas tecnol-gicas. Na verdade, esse curso foi criado em 2012, mas somente agora tivemos essas vagas liberadas.

    OS CANDIDATOS podero utilizar o resultado do Enem?

    O RESULTADO do Enem, utilizamos como um percentual que gira em torno de 20% combinado aos 80% do processo. Esse resultado ser utilizado da mesma forma das outras edies, desde 2002. Para aqueles candidatos que, por no te-rem informao, s vezes ficam com re-ceio de que o seu Enem possa lhe preju-dicar, a gente deixa a informao, e isso consta no edital, que o valor do Enem combinado com o PSV, s vai ser com-putado, se no momento da produo do resultado ele for mais positivo do que a utilizao do valor do PSV isolado. Caso o valor combinado entre Enem e PSV seja negativo e prejudique o candidato, esse valor desprezado e a pontuao utili-zada ser apenas a do PSV. Quando ns publicamos o resultado, ns disponibili-zamos um boletim individual por candi-dato, atravs do qual ele poder verifi-car o status do seu resultado combinado com a nota do Enem e do resultado do PSV isolado, e qual desses resultados foi utilizado para a definio de sua classifi-cao, para o candidato ficar consciente de que realmente a utilizao do Enem veio a lhe beneficiar ou no.

    QUANDO sero divulgados os gaba-

    ritos e o resultado final?O RESULTADO final do processo est

    previsto para ser divulgado na primeira semana de abril. J os gabaritos deve-ro ser divulgados a partir de duas horas aps a realizao de cada prova, desde que no tenha nenhum tipo de proble-ma em algum local de prova. A gente diz isso porque alguns candidatos fi-cam aperreados quando completa duas horas aps o trmino de sua prova, e o gabarito no foi publicado, s que tem lugares que acontece algum imprevisto e o horrio precisa ser estendido, ento no sai exatamente no horrio que parte dos candidatos est cronometrando. Mas a nossa previso que a partir das 14h o resultado seja publicado a cada dia de realizao de prova.

  • 6Superstio

    Jornal de Fato | DOMINGO, 30 de dezembro de 2012

    Historicamente associado m sorte, muitas pessoas chegam a desenvolver pavor do nmero 13; especialistas falam da influncia desse nmero no ano que est por vir

    envolve o nmero 13

    Entenda a mstica que

    )) Gilson Chveid Oen, criador da engenharia dimensional

    Com a proximidade da virada do ano, aumenta nas pessoas o in-teresse pelas previses astro-lgicas para o ano que se inicia. Neste ano, a ateno ainda maior devido presena do 13 na data, nmero associa-do m sorte.

    A revista DOMINGO conversou com pessoas que estudam a mstica que en-

    volve os nmeros para saber de onde vem o medo em relao ao 13 e qual a sua relao com o ano que est por vir.

    Segundo o especialista em numero-logia cientfica e criador da engenharia dimensional Gilson Chveid Oen, que pos-sui 34 anos de experincia no estudo dos nmeros, o medo do nmero 13 est re-lacionado ao significado dos algarismos

  • 7Jornal de Fato | DOMINGO, 30 de dezembro de 2012

    A engenharia dimensional comeou a ser desenvolvida por gilson Chveid oen, por volta de 1970, que parte de uma ideia central de que os cdigos que denominam todos os objetos, animados ou no, tornam-se manipuladores poderosos de comportamentos e de eventos ligados ao seu existir, introduzindo-os em dimenses de realidade prprias.

    Superstio

    que, somados, formam esse nmero. Se somarmos 4 e 9, 5 e 8, ou 7 e 6,

    encontraremos o nmero 13. O 4 repre-senta construo, o 9 o desconhecido, o 5 transformao, o 8 traz ideia de morte, o 7 a mira do tiro e o 6 repre-senta famlia. A combinao desses n-meros temida por muitas pessoas por poder ser interpretada como algo nega-tivo, explica.

    No entanto, Gilson Chveid afirma que, apesar de o ano ser 2013, o nmero no influenciar negativamente, j que a for-ma correta de analisar o nmero do ano somando os algarismos que o compem. Dessa forma, o nmero de 2013 6.

    O ano de 2013 ser um ano maravi-lhoso, j que o 6 representa o amor. As pessoas no tm motivo para ficar apre-ensivas. Esse ser um ano favorvel famlia, s razes, que vai influenciar a harmonizao na poltica, acender vncu-los de afetividade entre as pessoas. Tam-bm ser um ano bom para a msica e de forte retomada da economia, prev.

    Ainda segundo o engenheiro dimen-

    # O que engenharia dimensional?

    # Curiosidades sobre o nmero 13

    Triscaidecafobia a definio mdica para o pavor desenvolvido por algumas pessoas em relao ao nmero 13.

    Muitos acreditam que at a simples cita-o do 13 poderia trazer m sorte.

    Segundo historiadores, a m fama que envolve o nmero est associada extin-o da ordem do Templo, comandada pelo rei francs Felipe iV e pelo papa Cle-mente V. No dia 13 de outubro de 1307, membros da ordem foram capturados e queimados publicamente.

    Nos contos de fadas das histrias infan-tis, o nmero 13 nunca era dito e era uma grande surpresa abrir a porta que sucedia a porta 12.

    Na era crist, o 13 tambm transgrediu a perfeio do nmero 12: eram 13 mesa, quando Judas traiu Jesus. Da, mais ain-da a averso ao nmero 13.

    Muitos mitos, deidades e heris aparecem na quantidade de 12 (12 profetas, 12 s-bios, as 12 tribos de israel, os 12 signos do zodaco, as 12 horas). o 13, ento, signi-fica a ruptura de tudo isso, a transforma-o (destruio).

    )) Cartomante Francisco Wellington

    sional, 2013 ser um ano de transforma-es, representar a virada da mesa, em que o mal sai do comando, dando espao para o domnio do bem.

    Gilson Chveid diz que hoje em dia prefere ser reconhecido como engenhei-ro dimensional, porque a numerologia est banalizada.

    Hoje, temos muitos numerlogos esotricos que fazem um work shop num final de semana e na segunda-feira co-meam a atender. Essas pessoas fazem anlises superficiais, e o medo que algu-mas pessoas tm pode ser provocado por esse tipo de anlise equivocada. Sempre quando vai ter uma sexta-feira 13, meu telefone no para, as pessoas ficam apre-ensivas, comenta.

    O cartomante Francisco Wellington Lima de Oliveira, 29, tambm afirma que o 13 no deveria ser considerado um n-mero de azar, j que a soma de seus al-garismos 4, que representa a organi-zao, e mesmo que no tar a carta n-mero 13 signifique a morte, ela pode ser interpretada como uma transformao.

    Francisco Wellington tambm afirma que 2013 ser o ano do amor, mas expli-ca que no ser o amor romntico.

    Este ano ser dos orixs Ogum, que no sincretismo So Jorge, e Iemanj, que Nossa Senhora da Conceio. o

    ano do trabalho, da famlia, mas tambm ser um ano de separaes e unies que no sejam slidas. Ser um ano de mui-tas traies amorosas, frisa.

    O cartomante tambm afirma que em 2013 o planeta ser Saturno, o que, se-gundo ele, ter influncia sobre o setor econmico. Ser um ano de vitrias fi-nanceiras, mas que exigiro muito es-foro, vitrias batalhadas, prev.

    Francisco Wellington mdium de nascena e sempre frequentou o Centro Esprita de Umbanda Xang Agoj, que tem como babalorix o pai de santo Neto Almeida, de quem ele filho de santo.

    Apesar de as pessoas de Mossor no serem muito supersticiosas, sempre nes-ta poca do ano a procura aumenta con-sideravelmente. As pessoas sempre querem saber o que estar por vir, e 95% dos clientes so mulheres querendo sa-ber sobre amor, explica.

    Para quem quer garantir bons fluidos para o ano que est chegando, o carto-mante diz que na hora da virada sempre bom usar roupas brancas, utilizar algum objeto que lhe d sorte, como algum amuleto, tomar um banho de mar a fim de renovar as energias para o novo ano, alm de fazer uma orao simples, como o Pai-Nosso, e agradecer pelo ano que est encerrando.

  • 8 Jornal de Fato | DOMINGO, 30 de dezembro de 2012

    Exposio

    No primeiro dia de 2013, os candidatos eleitos para o po-der Executivo e Legislativo municipais tomaro posse nos cargos para os quais se elegeram. Aqui em Mos-sor, a posse acontecer s 17h, em ce-

    rimnia realizada no Teatro Municipal Dix-huit Rosado. Na ocasio, os fotgra-fos que acompanharam a campanha da candidata Cludia Regina, prefeita elei-ta de Mossor, lanaro a exposio fo-togrfica Expresso e Alma.

    Os fotgrafos idealizadores da expo-sio, Carlos Costa e Raul Pereira, expli-cam que a mostra reunir 40 fotografias, sendo vinte de cada profissional, escolhi-das entre um arquivo de mais de trinta mil imagens feitas ao longo da campanha.

    Mostra fotogrfica

    Fotgrafos expem registros da campanha eleitoral da prefeita eleita Cludia Regina

  • 9Jornal de Fato | DOMINGO, 30 de dezembro de 2012

    Exposio

    As fotos sero expostas no rol de entrada do Teatro Municipal Dix-huit Rosado.

    O fotgrafo Carlos Costa, que traba-lha com fotografia desde 1989, diz que comeou fazendo fotos sociais e s depois de alguns anos comeou a trabalhar em jornal como fotojornalista, se especiali-zando na rea poltica.

    Acho que tudo gira em torno da po-ltica e para conseguir boas imagens nessa rea preciso entender os basti-dores, porque um poltico hoje da oposi-o, pode mudar de lado, e a gente tem que estar sempre atento aos detalhes. Com a fotografia de campanha eleitoral acontece a mesma coisa, preciso aten-o, estar sempre focado no candidato, captar suas expresses e das pessoas que esto ao seu redor, explica.

    Carlos Costa conta que acompanhou Cludia Regina desde o lanamento do

    seu nome como candidata a Prefeitura de Mossor. Seu arquivo conta com apro-ximadamente 20 mil fotografias e, ape-sar da grande quantidade de imagens, ele j sabia suas preferidas.

    A maior dificuldade de fotografar campanhas eleitorais quando o candi-dato ruim, no fotognico, no tem muita expresso e tambm no tem in-timidade com o fotgrafo, porque pre-ciso existir esse elo, essa sintonia, co-menta.

    J o fotgrafo Raul Pereira explica que ao longo da campanha buscou captar as expresses da candidata no contato com os eleitores e das pessoas que vinham ao seu encontro.

    O objetivo era fazer fotos que ex-pressassem a emoo no olhar das pes-soas. E mostrar a interao entre a can-didata e seus eleitores, ressalta.

    O carioca Raul Pereira j trabalha co-mo fotgrafo profissional h 19 anos. Atua tanto na rea social, como no seg-mento de fotojornalismo. Seu interesse por fotografia surgiu quando comeou a trabalhar no Jornal do Comrcio, no es-tado de Pernambuco, onde ele comeou a fazer cursos, com o objetivo de se pro-fissionalizar.

    Para Raul Pereira, criatividade in-dispensvel para fazer boas imagens. Segundo o fotgrafo, foi difcil escolher as melhores fotografias, j que tinha muitas preferidas.

    Entre as fotos que escolhi para expor, esto pessoas que encontramos durante as caminhadas, comcios reunies. Acho que elas realmente expressam o senti-mento que tivemos em toda campanha, por isso o nome da exposio ser Expres-so e Alma, frisa.

    )) Raul Pereira, 19 anos de fotojornalismo)) Fotgrafo Raul Pereira diz que fotos expressam alma da campanha

    )) Uma das fotos escolhidas pelo fotgrafo Carlos Costa para a exposio)) Carlos Costa, 23 anos como fotgrafo profissional

  • 10 Jornal de Fato | DOMINGO, 30 de dezembro de 2012

    Mega-Sena da Virada

    Quem nunca sonhou em acordar e encontrar alguns milhes em sua conta bancria? Esse o sonho de muitos mossoroenses que, pa-ra dar uma mozinha para a sorte, apos-taram na Mega-Sena da Virada e vivem a expectativa de iniciar o ano de 2013 milionrios.

    Neste ano, o prmio, que comeou em cerca de R$ 180 milhes, deve ultra-

    passar os R$ 230 milhes. A quantia generosa mexe com o imaginrio dos apostadores, que fazem planos para o dinheiro, prometem presentes inusita-dos a amigos, familiares e at mesmo aos funcionrios das casas lotricas onde fizeram o jogo.

    A gerente Rosimeire Dantas, de uma conhecida casa lotrica em Mossor, afir-ma que as apostas dobram com a proxi-

    midade do sorteio da Mega-Sena da Vi-rada.

    Muita gente nos procura. At mes-mo quem nunca apostou, quando v a quantia do prmio no resiste e faz suas apostas. A maioria das pessoas nunca faz uma nica aposta; sempre compram v-rios bilhetes e, alm de jogar individual-mente, aumentam as chances de vencer participando dos boles que agora so

    para a sorteApostadores vivem a expectativa de comear o ano com alguns milhes na conta bancria

    )) Movimento nas casas lotricas dobra com a procura por apostas para a Mega-sena da Virada

    Mossoroenses do uma mozinha

  • 11Jornal de Fato | DOMINGO, 30 de dezembro de 2012

    Mega-Sena da Virada

    )) Estudante Raphael Linhares aposta pela primeira vez

    )) Apostador Paulo Francisco acredita que um dia a sorte bater a sua porta

    autorizados pela Caixa Econmica Fede-ral, explica.

    Rosimeire Dantas tambm comenta que os funcionrios da lotrica sempre ficam torcendo para o prmio sair para algum de seus apostadores, j que rece-bem vrias promessas de seus clientes, que vo desde quantias em dinheiro at automveis.

    A gerente da casa lotrica lembra que ainda d tempo de fazer apostas, mas aconselha aos interessados a se apressar, j que no dia 31, geralmente, o horrio de atendimento reduzido.

    Alm do valor do prmio, uma das maiores vantagens de apostar na Mega-Sena da Virada o fato de no acumular, ou seja, se ningum acertar as seis deze-nas, o prmio ser distribudo para quem acertar as cinco dezenas, e caso no haja ganhadores da quina, o prmio ser divi-dido para quem acertar a quadra.

    Vale tudo na hora de fazer as apostas, marcar dezenas com datas de anivers-rio de familiares, fazer combinaes de dezenas, escolher as dezenas mais sor-teadas no ltimo ano e at mesmo confiar em nmeros da sorte.

    BOLADA AtRAI tODOs Os PBLICOsO valor do prmio e a possibilidade

    de entrar o ano novo milionrio atraem todos os pblicos jovens, idosos, ricos e pessoas de menor poder aquisitivo.

    Apostando pela primeira vez, o estu-dante do terceiro ano do ensino mdio Raphael Linhares, 18, diz que fez mais de cinco apostas, na tentativa de aumen-tar as chances de ganhar.

    Meu pai sempre joga na Mega-Sena, e desta vez decidi apostar. Se eu ganhar, vou realizar o sonho de morar nos Esta-dos Unidos, investir em estudos para abrir meu prprio negcio, comenta o estudante.

    J, o mestre de obras Paulo Francisco

    Rosa, 60, diz que faz questo de dar uma mozinha para a sorte e acredita que um dia ela chega.

    Quando a sorte chega, melhor que a gente esteja dentro da dana. Eu sem-pre jogo e realmente acredito que um dia chega minha hora, comenta.

    Paulo Francisco conta que j fez a qui-na da Mega-Sena, mas como era um bo-lo, ganhou apenas R$ 850,00. Ele diz que no tem uma estratgia na hora de

    preencher o bilhete; prefere fazer um jogo automtico, conhecido entre os apostadores como surpresinha.

    O apostador diz que faz muitos planos para a bolada milionria. Se eu ganhas-se, iria dar certo para muita gente; eu sempre gosto de ajudar as pessoas e no iria ser diferente. Mas, a primeira coisa que eu faria era comprar uma boa pro-priedade rural; no iria economizar, enfatiza.

    # Dezenas mais sorteadas na Mega-Sena em 2012

    02, 24, 27, 13, 12, 44, 32, 39, 38, 36, 19, 52, 56, 28, 43, 05, 54, 07, 29, 45, 49, 46, 03 e 50

  • 12 Jornal de Fato | DOMINGO, 30 de dezembro de 2012

    RAFAEL DEMETRIUS

    sua carreira

    x

    Caro leitor, praticamente mais um ano terminou. Esto todos aguardando a to esperada virada do ano. Neste momento, nada melhor do que realizar aquele balano mental de fim de temporada. Como acon-tece nas empresas, principalmente as de varejo, nesta vi-rada de ano todos ns tambm fazemos os nossos balanos pessoais. O que precisamos saber que este balano en-volve muitas dimenses da nossa vida: amores, negcios, relacionamentos, oportunidades, decepes, frustraes e, claro, conquistas, incluindo as financeiras e emocionais. Como o prprio nome diz, no balano de fim de ano fazemos uma comparao entre as conquistas, que marcam pontos positivos, e as perdas, que ferem negativamente. Esta sub-trao que nos mostrar se o ano foi bom ou no. Duran-te o Natal e o Rveillon ficamos mais nostlgicos, mais emotivos, por isso, temos que tentar ponderar bem nossas equaes de fim de ano. Para tal, considere que vida um conjunto de sistemas, onde o equilbrio deles que deter-minar nossa produtividade. Considerando a sua vida co-mo reas deste grandioso sistema voc conseguir pontu-ar melhor as suas conquistas e fracassos em cada uma destas reas. Para facilitar o seu balano, relataremos abai-xo, algumas das reas que podem ser usadas quando voc, ao fim deste ano, fechar para balano.

    Esta a rea dos relacionamentos com pai, me, irmos, filhos, cnjuge, etc. um dos sistemas fundamentais para nossa sustentao enquanto ser humano. Quais foram os conflitos que existiram na sua famlia? O que ficou em aberto no seu lar? O que foi conquistado? Quem nasceu? Quem infelizmen-te faleceu? O que poderia ser diferente na sua famlia?

    Esta a rea das suas conquistas e perdas profissionais, est intimamente ligada carreira, incluindo seus relacio-namentos com colegas de trabalho, lideranas e subordina-dos, se for o caso. hora de verificar qual a ascenso de cargo voc teve em 2012. Quais foram s conquistas profis-sionais, as derrotas e suas causas. sempre bom tambm analisar a progresso salarial e os benefcios conquistados.

    Este sistema aborda seu corpo, sade e equilbrio emocio-nal. Envolve tudo que o cerca, e que seja de uso estrita-mente pessoal. Qual resultado voc obteve nesta rea em? Quais foram as suas conquistas amorosas? Existiu alguma doena, ou algo para se preocupar? Pense a respeito.

    a rea das suas contribuies sociais para a sua comuni-dade. a sua atuao enquanto ser humano para fazer uma sociedade, uma cidade melhor, comeando muitas vezes pela sua vizinhana. hora de se questionar se vo-c fez parte de alguma ao social, de preservao am-biental, se neste ano voc preservou o patrimnio pblico ou o depredou. Qual a organizao filosfica ou religiosa em que voc esteve inserido em 2012?

    Esta rea crtica de muitas pessoas. Geralmente o muro das lamentaes para muitos, e o pdio da vitria para poucos. Aqui voc verificar as suas conquistas patrimo-niais, os bens e imveis que voc conseguiu adquirir. importante observar se as suas aes colaboraram para voc investir e multiplicar aquilo que voc possui mate-rialmente. Verifique o seu saldo neste ano, e se for o caso, tente planejar-se melhor.

    Esta a rea do conhecimento e do aprendizado. Diz respeito ao seu desenvolvimento pessoal, geralmente feito atravs da realizao de cursos, palestras, leituras, seminrios, etc. Ge-ralmente quanto mais conquistas nesta rea, mais resultados voc ter no seu sistema financeiro. bom se questionar quais foram os cursos de aperfeioamentos realizados, qual facul-dade foi iniciada ou interrompida e seus motivos.

    Esta ltima rea depende estritamente de todas as demais reas, quanto maior for o seu saldo no seu sistema fsico, mental, familiar, profissional, social, financeiro e de desen-volvimento, maior autonomia e independncia voc ter para tomar as suas decises. Nesta rea voc pode verificar qual o seu nvel de liberdade para fazer escolhas.

    A melhor maneira de encarar os desafios de nossa vida modificando produtivamente, aquilo que ns conhecemos. E para fazer isso, nada melhor que no fim deste ano, no balano final, buscar refletir, pensar e registrar em cada rea citada acima, o que voc conseguiu atingir em 2012. Faa seu balano e contabilize os resultados. Porm, se o resultado no foi o esperado, procure se animar. Geral-mente ainda h muita vida pela frente, e muitas vitrias a conquistar. Estabelea suas METAS, seus objetivos e direcione suas habilidades e comportamentos na direo de sua realizao. O primeiro passo para um ano de resul-tados verificar os erros do ano anterior, incorporar as lies e mudar a atitude para o ano seguinte.

    rea Familiar

    rea Profissional

    rea Mental e Fsica

    rea Social

    rea Financeira

    rea de desenvolvimento

    rea da Autonomia

    Orientao final para o balano

    Fechando para balano: uma

    anlise de 2012

  • Instituto Avante Brasil, para 2012, de mais de 46 mil bitos. Para dar satisfao simblica ao povo brasileiro, o que acaba-mos de fazer? Nova lei penal, mais rigoro-sa que a anterior.

    Sem severa fiscalizao e persistente conscientizao de todos, motoristas e pe-destres, nada se pode esperar de positivo da nova lei. O legislador, diante da sua im-potncia para resolver de fato os problemas nacionais, usa sua potncia legislativa e com isso se tranquiliza dizendo que fez a sua parte. Isso se chama populismo penal legislativo, porque se sabe, de antemo, que a situao no vai se alterar.

    O buraco do trnsito muito mais pro-fundo. Dessas polticas enganosamente repressivas e incuas j estamos todos en-fadados. A Europa descobriu h duas d-

    cadas o caminho correto, com a frmula EEFPP. Vem colhendo excelentes frutos dessa poltica indiscutivelmente acerta-da.

    Ns ignoramos completamente tudo que a frmula sugere (na Europa, mais de 70 medidas concretas foram tomadas) e aprovamos, de tempos em tempos, novas leis penais, sempre mais duras. Pura en-ganao, em termos de preveno da mor-tandade, embora sejam acertadas e neces-srias algumas alteraes legislativas. Continuamos nos iludindo com novas leis, mas nos mantendo indiferentes com tudo aquilo que efetivamente deveria ser feito. Tiririca, ao se candidatar a deputado fede-ral, dizia: Pior que est no fica. O Brasil, no entanto, est conseguindo diariamente ficar pior, e bem pior, em alguns setores.

    13Jornal de Fato | DOMINGO, 30 de dezembro de 2012

    LUIZ FLVIO GOMES *

    Depois que o STJ determinou, em maro deste ano, que o exame de sangue e o bafmetro (etil-metro) eram as nicas provas aceitveis no delito de direo embriagada do art. 306 do CTB, a Cmara dos Deputados apro-vou novo projeto de lei (de autoria de Hu-go Leal) para acabar com a exigncia dos 6 decigramas de lcool por litro de sangue e resolver o problema probatrio, aceitan-do qualquer outro meio permitido em di-reito. O projeto foi para o Senado e acaba de ser aprovado, sem alteraes. A Presi-denta prometeu sancion-lo antes do final do ano. Trata-se de uma nova lei seca. Vai funcionar?

    De acordo com os levantamentos do Instituto Avante Brasil, em 1980 foram registradas 19.927 mortes anuais no trn-sito. Em 1990, passamos para 28.574. Em 1995, 32.750. Desde essa exploso de mortes na dcada de 90, o que ns brasi-leiros estamos fazendo para debelar esse flagelo nacional?

    A Unio Europeia, que de 1996 a 2009 reduziu em 42% o nmero de mortes, des-cobriu o caminho correto e passou a levar a srio a frmula EEFPP: Educao, Enge-nharia (das estradas, das ruas e os carros), Fiscalizao, Primeiros socorros e Puni-o.

    E o Brasil? Ele responde tragdia mor-tfera com novas leis, sempre mais duras e sempre com promessas de que agora vai resolver. Tudo comeou com o Cdigo de Trnsito brasileiro em 1997, quando o Da-tasus registrava 35.620 mortes no trnsi-to. Como j no estava surtindo o efeito desejado, modificou-se o CTB em 2006, quando j contvamos com 36.367 mortes. No tendo funcionado bem, veio a Lei Se-ca de 2008, quando alcanamos o patamar de 38.273 mortes.

    De 2009 para 2010 aconteceu o maior aumento de mortes no trnsito de toda nossa histria: 13,96%. Assim chegamos em 2010 com 42.844 mortes (dados do Datasus). A projeo que fizemos no nosso

    Nova lei seca: ser eficaz? )(

    * Luiz Flvio Gomes 55, doutor em direito penal, fundador da rede de ensino LFG. Foi promotor de justia (de 1980 a 1983), juiz (1983 a 1998) e advogado (1999 a 2001). Estou no professorlfg.com.br.

    artigo

    Envie artigos para esta seo pelo e-mail: [email protected]

  • DAVI MOURA

    14 Jornal de Fato | DOMINGO, 30 de dezembro de 2012

    adoro comer

    A equipe da Quixote Comunicao, praticamente minha famlia, reuniu-se no Restaurante Donaire, no Garbos Hotel e Recepes, no ltimo dia 21. A confraternizao foi real-izada no ambiente da piscina, do lado externo do estabe-lecimento. Apesar da noite quente, nada impediu nossa animao, o amigo secreto e o jantar delicioso. O Garbos um hotel de padro internacional, ento no v achando que vai gastar pouco para jantar. Um dos maiores pontos posi-tivos que vi foi que, apesar do preo mais elevado, os pratos servidos para duas pessoas so verdicos: se apertar, servem at trs pessoas. As variedades so imensas tanto para car-nes quanto para frango, peixe e frutos do mar. Os pratos agradam a todos, pois abarcam desde o fil parmegiana at o camaro na abobrinha. Quem quiser visitar, o hotel fica na Avenida Lauro Monte, pertinho do Hotel Thermas. Contato: (0xx84) 3064-1000.

    - O Ig Comida elegeu alguns dos quitutes que geralmente so consumidos na virada do ano para trazer sorte. Confira a lista elaborada por Sandro Dias, professor de gastronomia, e Raul Lody, escritor e antroplogo:

    - Peixes: simbolizam a purificao por meio de seu habitat, a gua. Alm de serem frteis e se reproduzirem graas a uma infinidade de ovas, os peixes quase nunca andam soz-inhos. Quem os consome espera obter todas essas sortes.

    - Porco: algumas culturas o tratam como animal resistente, parrudo e que busca oportunidades j que "fua" para frente. Por isso, bem-vindo na ceia de ano-novo. O p de porco com lentilhas um prato tradicional de boa sorte.

    - Lentilha e outros gros: trazem a expectativa da fertilidade na maioria das culturas e so a base da alimentao na histria da civilizao. O arroz, o trigo e o feijo alimentam naes por geraes. Para os orientais, o mais simblico deles o arroz, considerado o gro da vida. No caso da lentilha, diz a lenda que ela deve ser o primeiro alimento a ser ingerido na ceia para que no falte dinheiro e sade durante o ano.

    - Rom, uvas e outras frutas: repletas de sementes ou nas-cidas em cachos, elas trazem a ideia de multiplicidade e fartura. A uva nobre em muitas culturas. a fruta que d o vinho de Baco, o deus mitolgico dos excessos, da fartura e das festividades. A rom, por sua vez, carrega a simbologia religiosa.

    - Frutas secas e castanhas: elas sempre estiveram associadas fartura e sorte por serem alimentos resistentes, possveis de ser armazenados durante muitos dias para garantir a alimentao. Ao com-los na virada, espera-se que se tenha um ano de igual doura.

    - Cordeiro: as citaes bblicas comprovam o apelo religioso do cordeiro para os catlicos. um animal considerado puro e, por isso, permitido at mesmo no perodo da Quaresma, em que os fiis no podem comer carne vermelha ou de animais de sangue quente.

    - Louro: de origem greco-romana, o louro smbolo de suc-esso e vitria. Ser laureado significa ser reconhecido. Os atletas gregos que venciam recebiam uma coroa de louros como prmio. Guardar umas folhas de louro na carteira na virada promessa de sucesso e fartura ao longo do ano.

    As pessoas ficam em dvida na hora de montar o cardpio para Rveillon, isso porque a ocasio exige pratos especiais e que combinem com a espiritualidade da data. A ceia pre-cisa estar farta e saborosa, repleta de pratos que combinem com a proposta do Ano Novo e at se enquadrem em algumas simpatias. Para quem est disposto a organizar uma ceia de Ano Novo em casa, vale a pena pesquisar o significado dos alimentos e valorizar as tradies no preparo dos pratos. A decorao da mesa tambm um fator essencial, afinal, a alegoria tornar a refeio mais convidativa e prazerosa. Aposte numa toalha de mesa branca, decore com velas e flores para reforar a proposta de prosperidade do Ano Novo. A culinria permite criar e combinar vrios sabores na hora de preparar a ceia de ano novo, porm necessrio seguir as instrues das receitas para no cometer erros. Caso a festa seja comemorada numa casa de praia, nada de con-sumir pratos muito pesados e gordurosos; d preferncia s saladas e frutas. Para ajudar, o site Mundo das Tribos criou uma saladinha de lentilha, boa para todas as ocasies.

    Confraternizao da Quixote Comunicao

    Comidinhas de Rveillon

    A ceia de ano novo

    1

    3

    2

    Aproveite e acesse o http://blogadorocomer.blogspot.com para conferir esta e outras delcias!

    No sbado dia 22, foi a confraternizao da equipe Adoro Comer no 144 Lounge Bar. E funcionou assim: a gente escolheu previa-mente o cardpio, definiu o nmero de pessoas e quantos pratos teriam. Tivemos duas entradas, o prato principal e a sobremesa. Para iniciar, os conhecidos pasteizinhos com recheio de queijo, carne e arraia e as bruschettas de pomodoro e parma. No jantar, as massas foram feitas em carter especial para a nossa equipe, j que tal cardpio s funciona nos dias de domingo. As escolhas foram as mais variadas: frango e fil parmegiana, frango com bits de bacon e molho branco, camaro com molho branco, ca-maro parmegiana e a sobremesa - brownie com sorvete de creme. Uma delcia! E quem quiser conferir as delcias do bar em Tibau, a partir do dia 28 j estaro de portas abertas na Rua Camur, 132, por trs da Capela de Santa Teresinha, funcio-nando de quarta a sexta, s 18h, e sbados e domingos, s 12h.

    Confraternizao Adoro Comer Comunicao

  • 15Jornal de Fato | DOMINGO, 30 de dezembro de 2012

    adoro comer adoro comer

    INGREDIENTES

    180 gramas de lentilha pimento vermelho picado 1/2 pimento verde picado pimento amarelo picado pimento vermelho picado 1 cebola pequena picada 1 dente de alho picado 150 gramas de nozes picadas sal a gosto azeitonas verdes picadas sem caroo 40ml de vinho branco 3 colheres de sopa de azeite extravirgem pimenta-do-reino a gosto 1 tomate grande picado sem semente

    MODO DE FAZER

    Coloque a lentilha na panela de presso com o alho e o sal, quando ferver desligue o fogo e deixe a panela tampada por 30 minutos ou at a lentilha ficar macia. Reserve; Coloque o azeite em uma frigideira e refogue a cebola e os pimentes, acrescente a pimenta, a azeitona o tomate as nozes e por ltimo o vinho, deixe at que evapore o lcool. Junte todos os ingredientes com a lentilha e sirva morno;

    Dicas: Acrescente lombo de porco cozido e cortado em cubinhos. Se preferir pode adicionar salsa picada depois que a lentilha estiver pronta.

    Salada colorida de lentilha