of 20/20

Revista março 2012

  • View
    221

  • Download
    3

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Revista março 2012

Text of Revista março 2012

  • Di

    st

    ri

    bu

    i

    o

    Gr

    at

    ui

    ta

    . V

    en

    da

    Pr

    oi

    bi

    da

    Perptuo Socorrow w w . p e r p e t u o s o c o r r o . o r g . b r

    R e d e n t o r i s t a s

    ( r e v i s t a )

    A n o X V | n 1 4 5 | C u r i t i b a , m a r o d e 2 0 1 2

    QUARESMA Para viver nos dias de hoje

  • Pe. Primo Aparecido

    Hiplito CSsR

    Reitor do Santurio

    [email protected]

    A Revista Perptuo Socorro uma publicao do

    Santurio de Nossa Senhora do Perptuo Socorro,

    sob a coordenao da Assessoria de Comunicao

    Expediente

    Reitor: Pe. Primo Hiplito

    Conselho Editorial: Padre Primo Hiplito,

    Padre Gelson Mikuszka, Padre Loureno

    Kearns, Padre Roque Sutil, Padre Rodrigo

    Augusto, Irmo Adilson Schamne, Padre

    Alexandre de Castro, Giovani Ferreira e Ana

    Paula Rodrigues Ferreira.

    Jornalista responsvel: Ana Paula

    Rodrigues - MTB 4198/17/38

    Proj. grfico e diagramao: Amanda Mafioletti

    Identidade Design/[email protected]

    Impresso: Nova Grfica

    Essa produo conta com a participao

    da Pastoral da Comunicao.

    Fotos: Assessoria de Comunicao do

    Santurio e colaboradores

    Contato e sugestes:

    [email protected]

    41 3253 2031

    www.perpetuosocorro.org.br

    Perptuo Socorro( r e v i s t a )

    ( e d i t o r i a l )( n d i c e )

    O estudo, a leitura da Bblia, o aprofun-

    damento nos documentos e cartas da Igreja

    nos levam a uma viagem sem volta pela i-

    mensido do amor de Deus. Sem volta porque

    nunca mais seremos os mesmos. O amor tudo

    transforma, tudo vence. No existe problema

    capaz de vencer o amor. Deus amor. E

    transformados, podemos ser discpulos de

    Cristo no mundo, fazendo nascer, aonde

    estivermos, o Reino de Deus.

    Pensando nisso, o Santurio est promo-

    vendo uma noite de formao por ms para

    todos os que quiserem participar. a Escola

    do Discipulado Cristo. Este pode ser o pri-

    meiro passo para uma vivncia mais autnti-

    ca de nossa f, nossa religio e, como conse-

    quncia, uma vida mais feliz. Este pode ser o

    incio de uma nova amizade com Jesus. Os

    encontros acontecem toda segunda segunda-

    feira de cada ms s 19h30, no Centro Comu-

    nitrio Santo Afonso. A cada encontro um

    novo tema.

    Quero lembrar que temos 22 horrios de

    missas, Novenas e a Orao da Via Sacra.

    Participe! Sigamos em frente, aproveitando

    cada minuto desta quaresma para fazer e

    viver o bem. E que o amor do Cristo Redentor

    esteja sempre presente em sua vida!

    ( e s p a o d o l e i t o r )

    Conhecer para amar

    HISTRIA

    Quando os redentoristas vieram para Curi-

    tiba, ficaram morando no Hospital de Clni-

    cas. Junto com eles veio o quadro milagroso de

    Nossa Senhora do Perptuo Socorro. Foi con-

    versado com o proprietrio da Capela da Gl-

    ria, senhor Joo Leo Jnior, que autorizou o

    a permanncia do quadro no local. E todas as

    quartas-feiras os padres redentoristas reza-

    vam as novenas. Eu e a Irm Tereza Silva,

    sendo ambas funcionrias do Hospital, fica-

    mos responsveis pela limpeza da Capela. Le-

    vvamos flores para a Capela. Limpvamos,

    encervamos os bancos. Recebamos dos do-

    nativos e entregvamos aos padres redento-

    ristas. Uma devota agradecida.

    Jlia Maria Nolli, Curitiba/PR

    CATEQUISTA

    Ol! Ganhei de um conhecido quando visita-

    va a cidade de Curitiba um exemplar da RPS.

    Fiquei encantado com seu contedo. Sou cate-

    quista em Braslia, tenho 19 anos e achei a

    Revista de grande valia para meus estudos.

    Obrigado pela ateno.

    Henrique Cavalheiro, Braslia/DF

    DROGAS

    Ol! Gostaria muito que os senhores abor-

    dassem na prxima edio sobre adolescentes

    e as drogas, como a Igreja pode ajudar? Fazer

    campanhas de oraes com jovens, apegar-se

    mais a Deus e assim no deixar tempo para as

    coisas fteis da vida? Isso vale para todas as

    idades. O que fazer para deixar Jesus feliz e

    entrar em comunho com ele? Obrigada.

    Simone Godoy, Barreirinha/Curitiba

    AMOR

    Eu tenho muita devoo minha Me do

    Perptuo Socorro. Ela sempre est comigo!

    Maria Jos Silva Brito Holanda, Sum/PB

    * * * * *

    Este espao feito com a sua

    participao caro leitor. Mande sua

    carta ou e-mail para ns, com

    comentrios, crticas ou sugestes de

    assuntos para a Revista.

    E-mail: [email protected]

    Endereo: Caixa Postal 20.013

    Cep 80.062-980 Curitiba/PR

    Ningum ama o desconhecido. Como en-

    tre um casal ou entre amigos, quanto

    mais o tempo passa e o conhecimento se apro-

    funda, mais cresce o amor ou a possibilidade

    de amar. Muitos casais que tiveram a graa

    de descobrir o caminho para o verdadeiro e

    slido amor, podem at prever pensamentos

    ou reaes um do outro.

    Por isso mesmo, caro leitor e devoto, pre-

    cisamos conhecer mais sobre a nossa f, sobre

    o que professamos na Igreja Catlica. Conhe-

    cer por exemplo que nosso maior compromis-

    so o amor: Agora, pois, permanecem a f, a

    esperana e o amor, estes trs, mas o maior

    destes o amor (I Cor 13,13). Se no conhe-

    cemos nossa f e nosso Deus, no podemos a-

    mar. Se no convivemos com Deus, se no fa-

    lamos com Ele, como poderemos am-lo? E se

    no O convidamos para entrar em nossa vida,

    como Ele poder nos ajudar?

    03 . O leitor sugere

    04 . Notas & Registros

    05 . Vida missionria

    06 . Congresso Redentorista

    07 . Opinio

    08 . Famlia do devoto perptuo

    09 . Inaugurao Chcara

    10 . Especial - Quaresma

    11 . FamliaConhecendo melhor a nossa Me...

    12 . FormaoDica de Sade

    13 . Santo do ms

    14 . PerpetleoComo vai o seu portugus?

    15 . Igreja em foco

    16 . Centro Redentorista de Ao Social

    17 . Papo com o psiclogo

    18 . Folhinha

    Dzimo

  • ( o l e i t o r s u g e r e )

    Piercings: convm ou no us-los?

    ( r e v i s t a ) P e r p t u o S o c o r r o | m a r . 2 0 1 2 | 0 3

    Modismo, rebeldia ou um simples

    adorno sem segundas intenes

    , geralmente, o que se diz sobre

    piercings. Seja qual for o motivo ou inten-

    o, cresce o nmero de adeptos a esses

    objetos em todo o mundo. So adolescentes,

    homens, mulheres, jovens, idosos, idosas.

    No h uma idade ou classe especfica.

    Muitos aderem a isso. No uma questo

    de condenar ou relativizar, mas de pensar

    sobre o que realmente est acontecendo Pe. Gelson Luiz Mikuszka, C.Ss.R

    Missionrio Redentorista

    com as pessoas que usam esse tipo de

    objeto.

    O piercing, essa indumentria para o

    corpo, surgiu na ndia h bastante tempo.

    Sua funo, na cultura indiana, adornar o

    corpo, buscando uma diferenciao de cas-

    tas. O piercing da ala do nariz, por exem-

    plo, se reservava s castas mais altas. Para

    os esquims do Alasca, o piercing no lbio e

    na lngua significavam o momento da tran-

    sio para o mundo adulto, onde a criana

    tinha se tornado caador. Na poca dos fa-

    ras, o piercing no umbigo era exclusivo da

    famlia real. Os antigos Maias praticavam

    a arte da perfurao, furando os lbios, o

    nariz e as orelhas. Assim tambm, muitas

    tribos indgenas utilizam esse tipo de pr-

    tica, devido sua cultura.

    Em nossa cultura, muitos estudiosos

    dizem que usar piercing pode significar o

    desejo de traduzir alguma coisa que a pes-

    soa no sabe expressar em palavras. Pode

    ser um sentimento ou desejo oculto. Entre-

    tanto, essa tambm pode ser uma atitude

    sem segundas intenes, ditada apenas pe-

    lo modismo ou por um desejo esttico. co-

    mo escolher um corte de cabelo, ou decidir

    usar roupas de determinado estilo. Para a

    maioria das pessoas no h um significado

    expresso nesses atos.

    Espiritualmente, os piercing india-

    nos so dedicados a deuses e/ou dolos re-

    gionais e territoriais. Portanto, algo cul-

    tural, no simplesmente de adorno. No

    Brasil, pode ser um modo de expressar sua

    pertena a um grupo determinado, mas

    no algo tipicamente cultural. Mesmo

    que muitos neguem, a pessoa que pe um

    piercing no corpo se expe a riscos de conta-

    minao por bactrias que causam in-

    feces, embora as tcnicas de aplicao te-

    nham melhorado a qualidade. No entanto,

    podem surgir reaes alrgicas e cicatrizes

    indesejveis. Alm disso, as marcas dos

    piercings podem deixar no corpo cica-

    trizes e somente sero corrigidas com ci-

    rurgia.

    Se o piercing um modo de comunicar

    alguma coisa ou se, culturalmente, este

    no nos diz muita coisa, porque ento us-

    lo? Nossa beleza, nossa pessoa precisa di-

    zer mais do que um simples adorno. Vamos

    valorizar o que somos e a beleza nica que

    temos. Vamos conversar mais entre ns.

    Trocar ideias, rezar juntos, debater livros,

    falar de poesia, de msica, dos nossos gos-

    tos e desgostos. Deus nos deu um corpo, um

    jeito de ser e um valor. Faamos isso ser

    importante e aparecer no mundo. Se assim

    o for, adornos e outros elementos no sero

    necessrios para expressar isto ou aquilo

    que guardamos em ns, pois tudo ser ex-

    presso em nossa comunicao verbal e di-

    ria. No um adorno que ir expressar o

    nosso mistrio, mas sim o que comunica-

    mos pelas nossas atitudes e palavras.

    Ligue (41) 3253 [email protected]

    Nossa Senhora do Perptuo Socorro | Missionrios Redentoristas

    Novenas do Perptuo Socorro

    Quer o nome de sua empresa conhecido como apoiador e parceiro desta obra?

    Anuncie na Revista Perptuo SocorroRevista Perptuo

    Socorro Notcia que alimenta

    a alma!

  • ( n o t a s & r e g i s t r o s )

    Venha rezar no SanturioGrupo de Orao Fonte de Misericrdia - RCC: segunda-feira, aps

    a Santa Missa das 19h30.

    Mil Ave-Marias: toda tera, s 13 horas

    Hora Santa das Famlias: toda terceira sexta-feira do ms, s 15 horas

    Missa pelas Almas: segunda-feira s 19h30

    Tero dos Homens: tera-feira s 19 horas

    Missa pelas Famlias: tera-feira s 19h30

    Missa do Santssimo: quinta-feira s 9, 15 e19h30

    Missa da Misericrdia: sexta-feira s 19h30

    Missa do meio-dia com bno da sade: todos os dias

    Ofcio da Imaculada: todo primeiro sbado do ms s 11h30

    Apostolado da Orao: Primeira sexta-feira de cada ms, Hora Santa s 15

    horas, seguida de Missa do Sagrado Corao de Jesus, s 16 horas.

    Legio de Maria: toda tera s 15 horas.

    Via Sacra: todas as sextas-feiras no perodo da Quaresma, s 18h30

    Viglia ao Santssimo Sacramento: toda a primeira sexta-feira do ms,

    aps a Santa Missa das 19h30

    Quanto mais se conhece, mais se ama:

    Conhea o site do Santurio Nossa Senhora do Perptuo Socorro,

    visite: www.perpetuosocorro.org.br ,

    oua a rdio: http://www.perpetuosocorro.org.br/radio_perpetuo_socorro/,

    assista a TV Web: http://www.fusionweb.com.br/tvperpetuo

    0 4 | ( r e v i s t a ) P e r p t u o S o c o r r o | m a r . 2 0 1 2

    ESCOLA DA F

    Conforme deciso na Assembleia das Pastorais, o

    Santurio realiza a Escola do Discipulado Cristo, uma

    formao sobre a catequese e os direcionamentos da

    ao pastoral da Igreja Catlica. Sero encontros

    mensais, sempre na segunda segunda-feira de cada

    ms, s 19h30, no Centro Comunitrio Santo Afonso.

    Toda a comunidade est convidada a participar. No

    necessrio fazer inscrio. Ser trabalhado um tema

    diferente a cada encontro. Informaes: (41) 3264-4848.

    MissesEst acontecendo nos setores

    missionrios do Santurio os Grupos de

    Orao das Misses Redentoristas.

    Paroquiano, participe e viva sua

    espiritualidade em comunidade. Mais

    informaes no telefone (41) 3264-4848.

    Adeus a Dom

    LadislauA Igreja despediu-se de Dom

    Ladislau Biernaski, falecido no dia

    13 de fevereiro, aos 74 anos.

    Primeiro bispo da Diocese de So

    Jos dos Pinhais, onde trabalhava

    desde 2007, Dom Ladislau atuou

    por 25 anos como bispo auxiliar da

    Arquidiocese de Curitiba. Ele

    estava internado para tratar de

    um cncer abdominal no Hospital

    Erasto Gaertner, mas no resistiu.

    Divulgue o evento de sua Pastoral

    Agentes de pastoral

    Ajude-nos a divulgar as atividades realizadas pelo Santurio e suas

    pastorais, encaminhando os eventos da sua pastoral, contendo o dia,

    hora, local e um relato breve do que se trata, para o email:

    [email protected], diretamente na Secretaria Pastoral ou

    pelo telefone: (41) 3264-4848.

    A Secretaria Pastoral, que fica no Centro Comunitrio Santo Afonso,

    pede aos integrantes de pastoral que atualizem seus endereos de e-

    mail, que pode ser feito diretamente no Centro Comunitrio, pelo

    email: [email protected], ou via telefone: (41) 3264-4848.

    Esto se iniciando novas turmas da

    Oficina de Orao e Vida no Santurio.

    Os encontros sero realizados s

    segundas-feiras, das 14h30 s 16h30 e

    teras-feiras, das 19h30 s 21h30. No

    necessria a inscrio antecipada.

    OFICINAS DE ORAO E VIDA

    Catequese para AdultosEsto abertas as inscries para

    Catequese de adultos, com incio em

    abril. As aulas acontecem aos sbados

    tarde. Informaes na Secretaria do

    Centro Comunitrio Santo Afonso ou

    pelo telefone (41) 3264-4848.

    Via SacraDurante a Quaresma

    acontece a orao da Via

    Sacra todas as sextas-

    feiras, s 18h30, no

    Santurio. Venha

    participar conosco!

    Casais JovensEsto abertas as inscries para 4

    Encontro de Casais Jovens a ser

    realizado nos dias 13, 14 e 15 de abril.

    Podero se inscrever casais com at

    10 anos de matrimnio. Informaes

    na secretaria do Santurio.

    Uno do

    EnfermosSer celebrada uma

    Missa e Uno dos

    Enfermos no dia 24 de

    maro s 14h30, no

    Santurio. Participe!

    Este Sacramento de

    cura e pode ser recebido

    mais de uma vez pelos

    doentes, idosos, pessoas

    que iro passar por

    cirurgias ou gestantes e

    parturientes.

    CoroinhasPrxima

    formao para

    pais e coroinhas

    ser no dia 17 de

    maro, s 15h30

    no Santurio.

    Pais e padrinhos

    de BatismoO Encontro para pais e

    padrinhos de Batismo ser

    no dia 23 de maro.

    Inscries de 12 de maro

    no CCSA.

    Curso de NoivosO prximo Encontro para

    Noivos ser dia 27 de maio.

    Inscries a partir de 14 de

    maio no CCSA.

    Casamento ComunitrioO Santurio realiza no dia 23 de junho,

    s 9 horas, o Casamento Comunitrio.

    Inscries e mais informaes na

    Secretaria, ou atravs do telefone (41)

    3253-2031.

  • ( v i d a m i s s i o n r i a )

    ( r e v i s t a ) P e r p t u o S o c o r r o | | 0 5m a r . 2 0 1 2

    Misso: razo de ser da Igreja

    Toda famlia sempre nasce de uma experincia fundante

    de amor. assim, deste de a origem da eternidade.

    Cremos que a criao inteira resulta do amor da

    famlia Trinitria, portanto carregamos em nossa gentica o

    trao do amor criador de Deus. As famlias religiosas que

    existem no corao da Me Igreja tambm nasceram de uma

    experincia profunda de amor.

    Atento s necessidades de seus filhos, Deus ouve nossa

    aflio, conhece nosso sofrimento e desce para nos libertar (Ex,

    3,8-9). Podemos nos perguntar: como Deus, hoje, pode vir at

    mim? Ele envia pessoas em seu nome. Envia missionrios cuja

    misso nos recordar que somos propriedade de Deus e que

    Ele, como Pai, se inclina a cada dia para nos acompanhar na

    jornada da vida!. Saiba que se voc anuncia isto com sua vida,

    voc j um missionrio e, a misso no uma tarefa opcional,

    mas parte integrante da identidade crist de todo batizado.

    (DA 10) A misso a razo de ser da Igreja! (DA 373).

    A Congregao das Irms Beneditinas da Divina Providn-

    cia acredita que a busca de Deus o compromisso mais impor-

    tante de uma consagrada, de um cristo. Mas, onde est Deus?

    Onde est o Senhor para que possamos ir busc-lo? (Jo 20,13).

    Jesus nos pede que olhemos ao nosso redor: ele est entre ns,

    dentro de ns... Ampliando nosso olhar contemplamos um pas

    distante, cujo povo est sedento de vida plena. E l vamos ns,

    em misso. A rvore frondosa da Congregao estendeu seus

    braos e vai anunciar ao povo do Moambique que Deus

    Providncia, que quem confia sua vida a ele jamais

    abandonado.

    Beneditinas da divina

    providncia enviam missionrias

    para o Moambique

    Ir. Maria Jos B. dos Santos

    Beneditina da Divina Providncia

    Nas extremidades as Irms Plcida Bet e Maria Erondina

    Debona, que iro trabalhar no Moambique e ao centro

    Irm Maria Gilcia da Silva, que ir atuar na ndia, durante

    a Missa de envio missionrio celebrada no Santurio

    As Irms, mesmo com seus limites, esto dispostas a ser o

    prolongamento da Divina Providncia, acolhendo, assistindo e

    educando os pequeninos do Reino. Porque vamos para este

    pas? Alguns dados: somente 18% das mulheres e 52% dos

    homens sabem ler e escrever, 17% da populao urbana tem

    acesso a gua potvel, 4,6% tem acesso ao saneamento bsico

    na rea rural; 43% da populao subsiste no estado pobreza

    absoluta; em 1995 uma criana tinha uma esperana de vida de

    46,4 anos. A lngua oficial o portugus, embora declarado

    como lngua materna de apenas 5% da populao.

    Somos a famlia de Deus! Ao testemunharmos nossa f rea-

    lizamos o sonho de Jesus que vida em plenitude para todos:

    seja no Brasil, seja em Moambique! Rezemos uns pelos outros!

    Acesse

    Padre Antonio Carlos de Melo - Promotor Vocacional Redentorista no PR - (43) 3338-1499 Padre Donizete Arajo - Promotor Vocacional Redentorista no MS - (67) 3325-0206

    [email protected] Rua Ubaldino do Amaral, 135 . Alto da Glria . Curitiba/PR . CEP: 80.060-195 ou

    Caixa Postal 4820 . CEP 82.960-980 Curitiba/PR

    www.redentoristas.org.br e saiba mais sobre nossos missionrios

    www.rederocio.com.br O site da Padroeira do Paran

    www.perpetuosocorro.org.br e clique no link da Rdio Perptuo Socorro.

    Acompanhe a nossa programao

  • ( c o n g r e s s o r e d e n t o r i s t a )

    0 6 | ( r e v i s t a ) P e r p t u o S o c o r r o | m a r . 2 0 1 2

    Uma Igreja mais missionria

    I Congresso Redentorista

    discute novos rumos para

    a ao evangelizadora e

    missionria

    Em fevereiro Campo Grande foi sede

    do I Congresso Missionrio Reden-

    torista da Provncia de MS/PR, com

    o tema: Perspectivas scio-religiosas para

    a misso redentorista no PR e MS, luz das

    DGAE (Diretrizes Gerais da Ao Evangeli-

    zadora da Igreja do Brasil). Durante trs

    dias, aproximadamente duzentas pessoas,

    entre leigos, religiosos e seminaristas re-

    presentantes das dez parquias, santu-

    rios, comunidades e casas de formao da

    provncia, refletiram sobre os novos rumos

    da misso redentorista.

    Padre Agenor Martins, coordenador do

    secretariado de evangelizao da provncia,

    ressalta que a partir do Congresso inicia-se

    um trabalho de renovao das diretrizes de

    ao evangelizadora da provncia, ou seja,

    como os missionrios (vigrios, procos e ir-

    mos) devem conduzir a ao pastoral em

    cada comunidade (parquia).

    A professora Doutora Slvia Regina Al-

    ves Fernandes, da Universidade Federal do

    Rio de Janeiro (UFRJ), que conduziu as re-

    flexes do Congresso, apresentou um pano-

    rama scio-religioso do Brasil, apontando

    as tendncias e os desafios atuais da Igreja

    Catlica, especialmente nos estados do Pa-

    ran e Mato Grosso do Sul. Entre outros as-

    pectos, destacou o perfil religioso da popu-

    lao dos municpios onde os redentoristas

    Congressistas

    participam de

    dinmica

    atuam no servio

    missionrio.

    Alm do sem-

    pre verificado au-

    mento no cresci-

    mento dos evang-

    licos em relao aos

    catlicos, o estudo

    da doutora consta-

    ta a existncia de

    catolicismos, ou

    seja, que entre

    aqueles que se declaram catlicos en-

    contram-se pessoas que vivem a mesma re-

    ligio de diferentes formas. Alguns mais fi-

    is, outros preferem chegar quando preci-

    sam, mas buscar tambm outras crenas,

    criando a mobilidade religiosa. No perfil

    tambm foi identificada uma tendncia pa-

    ra o distanciamento da instituio, onde a

    pessoa faz sua prpria religio, ou a vive

    da maneira que lhe convm, quando pode.

    A pesquisadora constatou, com base no

    crescimento de novas religies pentecostais

    e do movimento carismtico catlico a pre-

    sena mais forte um discurso pessoal e me-

    nos global, que estaria atingindo e respon-

    dendo mais aos anseios do homem e da mu-

    lher atual. Silvia tambm destacou que e-

    xiste menor circulao religiosa entre os ca-

    tlicos que fizeram a experincia de CEBs

    O CENRIO

    (Comunidades Eclesiais de Base) e com ba-

    se nisso, destacou a importncia de experi-

    ncias de Deus em pequenos grupos de par-

    tilha e orao, que so as CEBs.

    Padre Gelson Luiz Mikuszka, missio-

    nrio redentorista, durante a apresenta-

    o do documento conclusivo do Congresso,

    destacou a importncia do agir mission-

    rio, de sair da Igreja e lev-la at as pes-

    soas, atuando como discpulos mission-

    rios, como forma de cumprir a misso da I-

    greja. Destacou ainda que preciso saber

    renovar sem perder os valores e as riquezas

    que a Igreja j possui, estando sempre a-

    bertos ao do Esprito Santo e s luzes

    dos documentos e diretrizes atuais da Igre-

    ja, que direcionam a ao missionria.

    Entre os tpicos ainda destacados pelo

    documento conclusivo do Congresso esto:

    que a misso no pode ficar apenas para o

    clero, mas precisa da participao de todos;

    que as respostas vo aparecendo no percur-

    so da caminhada, no existem respostas

    imediatas; que a evangelizao precisa co-

    mear na famlia e que so necessrias pes-

    soas preparadas e dispostas para essa mis-

    so; que a misso no implantar a Igreja,

    nem trazer pessoas para a Igreja, mas im-

    plantar o Reino de Deus, por isso a Igreja

    precisa ser sinal do Reino de Deus.

    RENOVAR A PARTIR DO QUE J

    CONSTRUMOS

  • ( r e v i s t a ) P e r p t u o S o c o r r o | m a r . 2 0 1 2 | 0 7

    ( o p i n i o )

    A situao preocupante no Brasil. H uma televiso de

    altssimo nvel tcnico e baixssimo nvel de

    programao. Sem nenhum controle tico por parte da

    sociedade, os chamados canais abertos fazem a cabea dos

    brasileiros e, com preciso satnica, vo destruindo tudo que

    encontram pela frente: a sacralidade da famlia, a fidelidade

    conjugal, o respeito e venerao dos filhos para com os pais, o

    sentido de tradio (isto , saber valorizar e acolher os valores

    e as experincias das geraes passadas), as virtudes, a

    castidade, a indissolubilidade do matrimnio, o respeito pela

    religio, o temor amoroso para com Deus.

    Na telinha, tudo permitido. Tudo bonitinho, tudo

    novidade, tudo relativo! Na telinha, a vida pra gente

    bonita, sarada, corpo legal A vida sucesso, romance com

    final feliz, amor livre, aberto desimpedido, vida que cada

    um faz e constri como bem quer e entende! a telinha

    destruindo valores e criando iluso.

    E quando se questiona a qualidade da programao e se

    pede alguma forma de controle sobre os meios de

    comunicao, as respostas so prontinhas: (1) assiste quem

    quer e quem gosta, (2) a programao espelho da vida real,

    (3) controlar e informao antidemocrtico e ditatorial, etc.

    Tais desculpas esfarrapadas vo envenenando, destruindo,

    invertendo valores, fazendo da futilidade e do paganismo a

    A televiso brasileira

    Adaptado do texto de Dom Henrique Soares

    Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Aracaj/SE

    marca registrada da comunicao brasileira.

    Um triste e ltimo exemplo de tudo isso o atual programa

    da Globo, o Big Brother, so essas pessoas absolutamente

    medocres e vulgares que so indicadas como modelos para os

    nossos jovens!

    At quando a televiso vai assim? At quando ficaremos

    calados? Pior ainda: at quando os pais deixaro correr solta a

    programao televisiva em suas casas sem conversarem sobre

    o problema com seus filhos e sem exercerem uma sbia e

    equilibrada censura? Isso mesmo: censura! Os pais devem ter

    a responsabilidade de saber a que programas de TV seus filhos

    assistem, que sites da internet seus filhos visitam e, assim,

    orientar, conversar, analisar com eles o contedo de toda essa

    parafernlia de comunicao e, se preciso, censurar este ou

    aquele programa. Censura com amor, censura com explicao

    dos motivos, no mal, bem! Ningum feliz na vida fazendo

    tudo que quer, ningum amadurece se no conhece limites,

    ningum verdadeiramente humano se no edifica a vida

    sobre valores slidos e ningum ter valores slidos se no

    aprende desde cedo a escolher, selecionar, buscar o que belo

    e bom, evitando o que polui o corao, mancha a conscincia e

    deturpa a razo!

    No se trata de ser moralista, mas de chamar a ateno

    para uma realidade muito grave.

  • 0 8 | ( r e v i s t a ) P e r p t u o S o c o r r o | m a r . 2 0 1 2

    Envie a resposta para [email protected]

    Inclua tambm o endereo completo e telefone, para que voc

    possa receber a lembrana

    CORPUS CHRISTI

    CONFISSO

    IMAGENS

    Ol! Gostaria de ver na revista uma reportagem sobre Corpus Christi. O real significado da data e

    por que comemorado em junho. Desde j agradeo.Agda Cristini Mattiuzzi, Boa Vista/Curitiba

    Gostaria de saber o real valor da confisso. Tenho dvidas e incertezas e quero compreender melhor.Jaqueline, Xaxim/Curitiba

    Estou comeando a ler a Bblia e tem uma passagem que diz que no devemos adorar outras

    imagens, a no ser Deus. Como a Igreja Catlica explica isto? Muito obrigada.Simone Godoy, Barreirinha/Curitiba

    VOC QUEM FAZCaro leitor e devoto! Contribua, enviando sugestes de temas ou perguntas de seu

    interesse! E ganhe uma linda lembrana do Santurio, em sua casa!

    Responda a pergunta:

    Qual tema voc quer ler na

    Revista Perptuo Socorro?

    PROMOO

    Seja um evangelizador junto conosco! Torne-se um Devoto Perptuo!

    Ligue: 41 3363 [email protected]

    Missionrios RedentoristasNcleo da Famlia do Devoto Perptuo

    Caro amigo devoto! A nossa Famlia do Devoto Perptuo est em festa, pois

    neste ms de maro tivemos uma grande vitria, a aquisio da Chcara

    de Acolhida a Dependentes Qumicos Perptuo Socorro (veja mais deta-

    lhes na pgina 9). Graas ao seu apoio, suas oraes e sua parceria, esse sonho tor-

    nou-se uma realidade. A Chcara ir acolher 60 pessoas por perodo de tratamen-

    to, devolvendo-lhes a dignidade, a esperana e a alegria atravs do trabalho, disci-

    plina e orao.

    Obrigado por sonhar conosco! Obrigado por apostar na misso redentorista,

    evangelizando de modo sempre novo. Obrigado por ser um missionrio junto

    conosco!

    Continue rezando e firme na caminhada, na certeza de que Deus olha seus

    passos e suas escolhas e, principalmente, nunca, jamais te abandonar! Pois Ele

    te ama, demais! Deus abenoe!

    Famlia do Devoto e a Chcara de Acolhida a

    dependentes qumicos

    DevotoFamlia do

    Perptuo

    Senhores Missionrios Redentoristas e queridos

    devotos: Venho hoje dar meu testemunho e agradecer

    publicamente por uma grande graa recebida. Em dois

    de fevereiro de 2011 vim a este Santurio para a missa

    do meio-dia. Quando o padre pediu para pensarmos

    nos familiares e na sade deles veio minha mente

    rezar pelo meu neto mais velho, pelo irmo dele, por

    minha filha, enfim para pessoas da famlia que

    moram em So Paulo. Por volta das 15 horas do

    mesmo dia, meu neto estava dirigindo no Rodoanel

    para entrar na BR-116, sentido Embu das Artes,

    quando o trnsito parou. O carro da frente parou, meu

    neto tambm, mas o motorista do caminho que vinha

    atrs estava distrado e no conseguiu parar. Bateu no

    carro, que teve perda total, mas meu neto no sofreu

    um arranho. A batida foi to feia que quando ele saiu

    do carro muitas pessoas chegavam para ajudar e nem

    imaginavam que era ele que estava dirigindo. At lhe

    perguntaram se o motorista estava morto l dentro.

    Com certeza esse foi um milagre! E por isso eu

    agradeo muito a Nossa Senhora do Perptuo Socorro,

    a Jesus e a Deus Pai Todo Poderoso!

    Uma av e devota eternamente agradecida

    ( c a r t a d e a g r a d e c i m e n t o )

    Um milagre na Missa do meio-dia

  • ( r e v i s t a ) P e r p t u o S o c o r r o | | 0 9m a r . 2 0 1 2

    Igreja investe

    na recuperao de dependentes qumicos

    O Santurio Nossa Senhora do

    Perptuo Socorro e a Provncia

    Redentorista de MS/PR inaugu-

    raram em maro, com a Celebrao da San-

    ta Missa, a Chcara de Acolhida para De-

    pendentes Qumicos Perptuo Socorro.

    Em vista do grande problema que ho-

    je a dependncia qumica, a Chcara nas-

    ceu da vontade dos Missionrios Redento-

    ristas de acolher essas pessoas, por acredi-

    tarem que a criatura humana amada por

    Deus e vontade Dele que ela seja tratada

    em seu todo, corpo e esprito. Conhecendo o

    ( i n a u g u r a o c h c a r a )

    Missionrios redentoristas do fundam

    chcara de acolhida a pessoas com a

    doena em Quatro Barras

    amor de Deus, ganham fora e alegria para

    retomar a prpria vida, tornando-se tam-

    bm um discpulo de Jesus e contribuindo

    na construo do Reino de Deus.

    No por acaso, a Chcara inicia seus

    trabalhos em 2012, ano em que a Campa-

    nha da Fraternidade tem como lema: Fra-

    ternidade e Sade Pblica, e tema: Que a

    sade se difunda sobre a Terra (Eclo 38,8).

    A Igreja prope que a reflexo se volte s

    carncias da populao brasileira no que se

    refere sua sade, ao atendimento e s po-

    lticas pblicas desta rea. Tambm prope

    a cada cristo uma reflexo pessoal sobre a

    forma como se trata os enfermos, a carida-

    de, a ateno, a misericrdia e auxlio afeti-

    vo e material que vem sendo dado a estas

    pessoas.

    A Igreja entende que este assunto me-

    rece a ateno de todos e das autoridades,

    buscando todos juntos solues para as in-

    justias deste setor.

    A Chcara Perptuo Socorro uma res-

    posta da comunidade do Santurio, coorde-

    nada pelos Missionrios Redentoristas, pa-

    ra um problema especfico dentro da sade

    da populao brasileira que a dependn-

    cia qumica. A Chcara tambm fruto da

    Famlia do Devoto Perptuo. Graas a cada

    devoto que colabora neste projeto, foi poss-

    vel a aquisio do espao.

    A RECUPERAO

    LOCALIZAO

    A acolhida e recuperao dos depen-

    dentes qumicos na Chcara est funda-

    mentada no trip: orao, trabalho e disci-

    plina. A entrada e permanncia da pessoa

    acolhida precisa ser voluntria, com o com-

    promisso pessoal e luta pela recuperao.

    Os acolhidos so constantemente ampara-

    dos por profissionais e religiosos, o que pos-

    sibilita o acesso cura pela serenidade,

    paz, disciplina e amor de Deus, redesco-

    brindo potenciais, capacidades e o quanto

    pode ser felizes.

    A Chcara fica na Estrada Velha da

    Graciosa, s/n. Aps o portal da Serra da

    Graciosa, pegar a primeira sada direita,

    percorrer trs quilmetros, chegando

    Ponte do Rio Taquari. A entrada da Chca-

    ra est logo aps a ponte, ao lado direito.

    A vida por um fioSERVIO: Chcara de Acolhida a Dependentes

    Qumicos Perptuo Socorro. Santurio Nossa

    Senhora do Perptuo Socorro/Missionrios

    Redentoristas. Telefone: (41) 3253-2031. Centro

    Redentorista de Ao Social. Telefone (41) 3352-

    6216. www.perpetuosocorro.org.br.

  • ( e s p e c i a l )

    1 0 | ( r e v i s t a ) P e r p t u o S o c o r r o | m a r . 2 0 1 2

    Quaresma,como viv-la nos dias atuais?

    Permanecer no

    estado de silncio

    interior para que

    Jesus fale aos

    nossos coraes

    um hbito que

    estamos perdendo

    A primeira imagem que nos

    vem em mente quando

    falamos em Quaresma o

    da penitncia ou absti-

    nncia de algo durante tal tempo

    litrgico. Contudo, faz-se necessrio

    saber mais o que vem a ser a

    Quaresma em nossas vidas. Ela tem o

    sentido de preparao, ou por assim

    dizer, de espera, da vitria de Jesus

    sobre a morte, isto , a Pscoa.

    Com isso em mente, participar

    desse tempo litrgico obriga-nos a

    observar dois pontos: a converso e o

    perdo. As passagens a seguir

    expressam o chamado converso.

    Por exemplo: rasgai os vossos

    coraes e no as vossas roupas (Jl 2,

    12); ou ainda, quando na imposio

    das cinzas: convertei-vos e credes no

    evangelho; ainda: quando voc

    rezar, entre em teu quarto, feche a

    porta, e reze ao seu Pai ocultamente

    (Mt 6, 6). Sobre o perdo, temos:

    mesmo quando esto jejuando, vocs

    s cuidam dos prprios interesses (Is

    58,3); mais: o jejum que eu quero

    este: ... repartir a comida com quem

    passa fome ... no se fechar sua

    prpria gente. Se voc fizer isto, a sua

    luz brilhar como a aurora (Is 58, 6-

    8). No entanto, todas essas citaes s

    tm sentido se a pessoa estiver sob a

    ao do Esprito Santo.

    Parece-nos que com a submisso

    dos valores humanos aos do lucro, do

    ter sobre o ser, do desaparecimento

    gradativo daquele indivduo

    obediente, sempre a escutar e atender

    o que o Senhor diz nas Sagradas

    Escrituras, est mais difcil.

    Permanecer no estado de silncio

    interior para que Jesus fale aos nossos

    coraes um hbito que estamos

    perdendo. Temos de perceber que a

    pequenez das coisas, a majestade do

    Senhor, e que a Palavra cresce junto

    com a pessoa que reza.

    O costume de ler a Bblia com os

    olhos da f nos auxilia muito, para que

    possamos compreender a fora da

    Quaresma. Nas Sagradas Escrituras

    lemos: profetizou [Caifs] que Jesus

    ia morrer pela nao. E no s pela

    nao, mas para reunir juntos aos

    filhos de Deus os que estavam

    dispersos (Jo 11, 51-52).

    Celebrar dignamente a Quaresma

    , portanto, estar unido a Jesus que,

    quando foi imolado por nossos

    pecados, doa-nos por amor a vida

    plena. morrendo que se vive. Assim,

    com a Quaresma, queremos morrer

    para que sejamos frutferos, ou seja,

    livres em Cristo.

    Cassio Mestres

    Postulante Redentorista

  • ( e s p e c i a l )

    ( r e v i s t a ) P e r p t u o S o c o r r o | m a r . 2 0 1 2 | 1 1

    uaresma perodo de recolhimento,

    reflexo e preparo interior para Qcomemorar a Pscoa. Como um casulo se

    mantm fechado at o momento certo de se abrir ao

    mundo, assim o cristo, que se recolhe na

    quaresma para a transformao interior.

    VIVER A QUARESMA EM FAMLIA

    C ONH E C E NDO M E L H OR A NOSSA M E . . .

    Esse ttulo de Maria lembra-nos um artigo de nossa f crist, onde Maria foi concebida sem pecado.

    O pecado se refere ao pecado original. Mas, graas a encarnao, paixo e ressurreio de Cristo,

    Maria recebeu um privilgio de no ter esse pecado. O dogma da Imaculada Conceio, declarado em 8

    de dezembro de 1854, proclama: declaramos, pronunciamos e definimos a doutrina que sustenta que a

    beatssima Virgem Maria, no primeiro instante de sua concepo, por singular graa e privilgio de

    Deus onipotente, em vista dos mritos de Jesus Cristo, Salvador do gnero humano, foi preservada

    imune de toda mancha de pecado original, essa doutrina foi revelada por Deus e, portanto, deve ser

    slida e constantemente crida por todos os fiis. Mas, talvez esse ttulo de Maria possa nos levar a

    pensar que devido a esse privilgio ela nunca sofreu tentao ou nunca precisou rezar para continuar

    sendo Imaculada. Assim como ns, ela foi tentada a desconfiar do amor de Deus. Jesus tambm foi

    tentado no deserto. Maria foi uma mulher de orao, que diariamente pedia pela graa da perseverana

    em sua santidade. Ela foi humilde e precisou da orao de intercesso. Maria Imaculada, rogai por ns!

    Me Imaculada

    Pe. Loureno Kearns, C.Ss.R

    Missionrio Redentorista

    Ana Rocha

    Servio de Animao Vocacional

    Jesus nos convida diariamente a viver a

    quaresma em famlia e como famlia. um perodo

    em que as famlias so convidadas a viverem o

    jejum, a caridade e a orao. Partindo desse

    princpio vivemos a converso. Em tempos mais

    remotos a quaresma era tempo de silncio e se dizia

    com isso que era tempo de deixar Cristo falar, pois

    no silncio que ouvimos a voz de Deus, que penetra

    em nosso corao, nos transforma e causa a

    converso.

    Converso no uma atitude momentnea e

    temporria, mas sim mudana de atitudes,

    transformao absoluta do ser, que acontece de

    maneira gradativa, na caminhada. Famlia que

    vive bem a quaresma, viver bem todos os tempos.

    Que Maria, a Me do Perptuo Socorro, interceda

    por ns, para que Deus nos capacite a viver a

    converso diria. Ningum vai ao Pai, seno por

    mim (Jo 14,6-7).

  • 1 2 | ( r e v i s t a ) P e r p t u o S o c o r r o | m a r . 2 0 1 2

    ( f o r m a o )

    Entendendo a Missa (parte III):

    Nossa disposio

    para a Santa Missa

    N a edio anterior falamos de alguns conselhos para aprovei-tar melhor a Santa Missa. Hoje, vamos falar da nossa dis-posio para participar da Missa. Geralmente a gente houve por a

    a seguinte frase: S vou missa quando tenho vontade. Imagine

    se nossa vida fosse movida pura simplesmente pelos nossos dese-

    jos pessoais. Certamente nunca faramos coisas proveitosas. Mui-

    tas pessoas no iriam trabalhar, nem estudar, nem fariam espor-

    tes e tantos outros. Para que nossa vida tenha um sentido preciso

    deixar-se mover por convices profundas, que exigem esforo e

    suor. A Missa um encontro da comunidade. uma festa, no um

    encontro de devoo individual marcado pela minha vontade ou

    no de participar. Frases como: vou quando quero; vou quando

    tenho tempo; vou quando tenho necessidade so frases indi-

    vidualistas.

    Como cristo, sou parte de uma comunidade e se no participo

    dela, a minha presena faz falta. A comunidade fica incompleta.

    Imagine uma empresa onde seus membros ou funcionrios s apa-

    recem quando tm vontade. Seria uma empresa falida de modo r-

    pido e certeiro.

    H pessoas que dizem constantemente: sou cristo no-

    praticante. Ora, ou cristo ou no . Esse negcio de no-

    praticante uma justificativa para dizer que no nada. Ser um

    discpulo de Jesus exige compromisso e seriedade. Nos primeiros

    sculos da Igreja, discpulos de Jesus morriam por transgredir a

    ordem do imperador, que proibia participar da Eucaristia. Hoje,

    tem gente que no d a mnima para a Eucaristia e se diz cristo.

    Dizer que s participo da Missa quando tenho vontade como

    arrancar uma pgina do Evangelho e jogar fora. entender o

    mundo somente a partir dos nossos gostos, desejos e vontades pes-

    soais. achar que o mundo precisa estar ao nosso servio e olhar

    somente para nosso prprio umbigo.

    O cristianismo nasce de uma comunidade que cr no ressusci-

    tado. A ressurreio se renova a cada Missa. Ali acontece o encon-

    tro e os conselhos do ressuscitado para com seu discpulo. Neste

    mundo ns cristos somos constantemente atacados pela tenta-

    o. Cada vez que deixo de ir Missa, mostro que a tentao me

    venceu. Participar da Missa por sentir-se chamado a estar na co-

    munidade e conviver com ela vencer a tentao da preguia e do

    comodismo. buscar os conselhos e as luzes que Jesus tem para

    me oferecer. Pense nisso!

    Pe. Gelson Luiz Mikuszka, C.Ss.R

    Missionrio Redentorista

    Dez passos para uma alimentao saudvel para pessoas idosas

    Sheila Brotto

    Nutricionista - CRN 8 Regio: 3514

    Dica de

    sadeFaa pelo menos trs refeies (caf da ma

    nh, almoo e jantar) e dois lanches saudveis por

    dia. No pule as refeies!

    Inclua diariamente seis pores do grupo

    dos cereais (arroz, milho, trigo, pes e massas), tu

    brculos como a batata, razes como mandioca/ma

    caxeira/aipim, nas refeies.

    Coma diariamente pelo menos trs pores

    de legumes e verduras como parte das refeies e

    trs pores ou mais de frutas nas sobremesas e

    lanches.

    Coma feijo com arroz todos os dias ou, pelo

    menos, cinco vezes por semana.

    Consuma diariamente trs pores de leite

    e derivados e uma poro de carnes, aves, peixes ou

    ovos. Retirar a gordura aparente das carnes e a pele

    1 passo:

    2 passo:

    3 passo:

    4 passo:

    5 passo:

    -

    -

    -

    das aves antes da preparao torna esses alimentos

    mais saudveis!

    Consuma, no mximo, uma poro por dia

    de leos vegetais, azeite, manteiga ou margarina.

    Evite refrigerantes e sucos industrializa

    tao. Coma-os, no mximo, duas vezes por semana.

    Diminua a quantidade de sal na comida e

    retire o saleiro da mesa.

    Beba pelo menos de seis a oito copos de

    gua por dia. D preferncia ao consumo de gua nos

    in tervalos das refeies.

    Torne sua vida mais saudvel. Pratique

    pelo menos 30 minutos de atividade fsica todos os

    dias e evite as bebidas alcolicas e o fumo.

    6 passo:

    7 passo:

    8 passo:

    9 passo:

    10 passo:

    -

    dos, bolos, biscoitos doces e recheados, sobremesas

    doces e outras guloseimas como regra da alimen-

    -

    Movimente-se!

    IMPORTANTE:

    Descubra um tipo

    de atividade fsica agradvel! O

    prazer tambm fundamental pa

    ra a sade. Caminhe, dance, brin

    que com crianas, faa alguns e

    xerccios leves. Aproveite o espao

    domstico e os espaos pblicos

    prximos a sua casa para movi

    mentar-se. Convide os vizinhos e

    amigos para acompanh-lo.

    As informaes

    disponveis nesta coluna possuem

    apenas carter educativo. S um

    mdico pode diagnosticar doenas.

    Um abrao e at a prxima!

    -

    -

    -

    -

  • ( r e v i s t a ) P e r p t u o S o c o r r o | | 1 3m a r . 2 0 1 2

    So Clemente e a f nos dias atuais

    Pe. Joaquim Parron CSsR

    Missionrio Redentorista

    ( s a n t o d o m s )

    No dia 15 de maro celebramos

    S o C l e m e n t e M a r i a

    Hofbauer (*1751 +1820),

    santo Redentorista conhecido como o

    'Apstolo de Varsvia', na Polnia, e o

    'Patrono de Viena', na ustria. Ainda

    jovem encontrou-se com os Missionrios

    Redentoristas em Roma e sentiu-se o

    chamado para seguir a Vida Religiosa

    Missionria. Na vida Redentorista ele

    percebeu o valor de viver e trabalhar em

    comunidade. Em So Clemente

    encontramos o exemplo de constncia e

    confiana diante dos desafios da vida

    humana, num mundo que s vezes

    despreza a f em Deus.

    So Clemente viveu no final do

    sculo dezoito e incio do sculo

    dezenove, perodo tumultuado da

    histria humana, quando a f foi

    altamente testada por novas invenes.

    Neste tempo o iluminismo estava

    tomando a Europa e ao mesmo tempo

    tentando corroer a f crist. Em muitos

    lugares havia um desprezo pela f

    catlica e crescia o esprito anti-clerical.

    A Igreja era rejeitada em muitas esferas

    pblicas, bem como alguns governantes

    tentavam amordaar a voz da Igreja

    Catlica.

    No se submetendo esta ideologia,

    o missionrio Clemente percebeu nisto

    tudo uma necessidade de enfatizar

    ainda mais o anncio da Boa Nova de

    Jesus, com novas maneiras e sempre

    com maior dinamismo. Embora ele

    vivesse, em vrias vezes, um fracasso

    aparente, ele confiou na graa de Deus

    sabendo que Cristo Jesus, o Redentor,

    q u e m c o n d u z i a s e u t r a b a l h o

    missionrio. Assim, ele estabeleceu a

    Comunidade Redentorista em vrias

    regies da Europa.

    Hoje percebemos tambm um

    questionamento constante f catlica

    e ao trabalho de evangelizao da

    Igreja. Vivemos num mundo altamente

    influenciado pela tecnologia, que por

    um lado seduz as pessoas e por outro

    lado tenta desprezar a f crist. E este

    o contexto que voc e eu somos

    Anunciar o

    Evangelho de modo

    sempre novo

    chamados a anunciar o Evangelho de

    modo sempre novo, como fazia o

    Redentorista So Clemente. Somos

    chamados a evangelizar onde vivemos e

    onde trabalhos, pois ali Deus precisa ser

    anunciado com todo afinco e amor.

    Os desafios no eram motivos para o

    desnimo em So Clemente, mas ao

    contrrio, eram momentos para

    aprofundar ainda mais sua f e sua

    labuta na evangelizao e na formao

    de comunidades, ou seja, ele "estava

    pronto para dar testemunho da

    esperana que existia em seu corao

    (Cf. I Pd 3,15). Diante da perseguio da

    polcia e dos anti-clericais, Clemente

    arriscava a sua vida chamando jovens

    para vida missionria.

    Que So Clemente nos ajude a viver

    a f no nosso cotidiano e anunciar a Boa

    Nova de Jesus de maneira nova e

    constante! Vamos cultivar a nossa f em

    nosso dia-a-dia e tambm ajudar as

    outras pessoas a fazerem a experincia

    da f em Cristo Jesus!

  • a) Este trabalho foi feito nas coxas, veja s o resultado!

    Origem: as primeiras telhas feitas no Brasil eram moldadas nas

    coxas dos escravos. Como eles variavam de tamanhos e porte fsico, as

    telhas ficavam desiguais.

    Significado: de qualquer jeito.

    b) Na ltima festa do pastel havia gente a dar com o pau!

    Origem: aves migratrias do Nordeste que vinham em grandes

    bandos, eram ento abatidas com pauladas.

    Significado: muito/ muita.

    Elisabet M. M. BonafiniProfessora Portugus/Ingls

    Especialista em Lngua Inglesa e Psicomotricidade

    Guardai tua lngua do mal,

    e teus lbios das palavras

    enganosas. (Sl.33,14)

    Portuguso seu

    Como vai

    1 4 | ( r e v i s t a ) P e r p t u o S o c o r r o | m a r . 2 0 1 2

    Perpetleoleo reciclado,

    planeta preservado

    Ana RochaNcleo Perpetleo

    Perpetleo contribui na recuperao de dependentes qumicos

    Provrbios dos velhos tempos (ouvidos at hoje):

    origem e significado

    S

    leo

    leo

    abemos que a

    dependncia qumica

    tem afetado muitas de

    nossas famlias. O ndice de

    pessoas que sofrem deste mal

    tem aumentado e a

    recuperao muitas vezes

    lenta, pois o prprio doente tem

    que querer essa bno para a

    sua vida.

    Tendo em vista esses

    problemas, o projeto

    est sendo mais

    uma fonte para o sustento para

    a Chcara de Acolhida a

    dependentes qumicos Perptuo

    Socorro, inaugurada em

    fevereiro pelos missionrios

    redentoristas. Os dois projetos

    esto realizando uma troca,

    partilhando trabalho e

    resultados. Os internos da

    chcara auxiliam no trabalho

    do Projeto como

    laborterapia, e parte da renda

    se volta recuperao da

    dependncia qumica.

    Hoje temos vrios postos de

    coleta espalhados pela cidade e

    bairros onde as pessoas

    depositam o leo de cozinha

    usado. Confira:

    Perpet

    Perpet

    contribua!

    leo no solo: contaminao.

    leo no Perpetleo: salvao!

    Participe,

    Devota cria posto

    de coleta em sua

    prpria residnciaCondomnio

    residencial no

    Cristo Rei

    Posto de coleta na Cmara

    Municipal de Curitiba, sob

    o apoio do vereador

    Pastelaria Pastel

    da Hora, em Pinhais

    La food, fbrica de

    salgadinhos, no CIC

    Pastelaria Kipastelo,

    em Pinhais

    Restaurante em Pinhais

  • ( r e v i s t a ) P e r p t u o S o c o r r o | m a r . 2 0 1 2 | 1 5

    ( i g r e j a e m f o c o )

    YOUCAT, voce conhece?VENDO O ANSEIO DE MUITOS JOVENS EM

    CONHECER E SE APROFUNDAR NA

    DOUTRINA DA IGREJA SURGIU O DESEJO

    DE TRADUZIR O TRADICIONAL CATECISMO

    PARA A LINGUAGEM DOS JOVENS

    nome YOUCAT pode at parecer estranho,

    mas trata-se do CATECISMO JOVEM DA

    IGREJA CATLICA. Em 1992, o Papa Joo

    Paulo I I , a tendendo a d iversos

    questionamentos dos fiis do mundo inteiro, Oque precisavam de orientaes acerca de muitos

    assuntos relacionados nossa religio, aprovou o

    CATECISMO DA IGREJA CATLICA, obra

    universal de referncia, exposio da f e da doutrina

    da Igreja Catlica. Toda obra baseada,

    testemunhada e iluminada pela Sagrada Escritura,

    pela Tradio Apostlica e pelo Magistrio da Igreja.

    Porm, vendo o anseio de muitos jovens em

    conhecer e se aprofundar na doutrina da Igreja, e a

    diversidade de dvidas trazidas pela sociedade

    moderna, surgiu o desejo de traduzir o tradicional

    Catecismo da Igreja Catlica na linguagem dos

    jovens. Assim surgiu o YOUCAT, abreviatura de

    Youth Cathecism, trazendo as respostas para estes

    questionamentos, atravs de uma linguagem

    simples, objetiva e didtica, de forma mais

    contempornea, com uma apresentao dinmica,

    animada, com imagens e textos na forma de

    perguntas e respostas.

    Sob a orientao do arcebispo de Viena, jovens,

    padres, telogos e leigos se reuniram e colocaram-se

    disposio para estudar o Catecismo da Igreja, a fim

    de que dele pudessem extrair e confeccionar o

    YOUCAT, de forma condizente com a realidade

    jovem da Igreja.

    BRUNO COLODEL

    MISSIONRIO VOLUNTRIO NO SANTURIO

    Aps revisado pela Congregao para Doutrina

    da F e o Conselho Pontifcio, os primeiros

    exemplares foram dados de presente pelo Papa Bento

    XVI aos milhares de jovens que se reuniram para

    celebrar Cristo na Jornada Mundial da Juventude

    em Madrid, na Espanha.

    um livro fascinante que traz muitas novidades

    aos jovens que buscam estuda-lo com afinco, como

    aconselha o Papa Bento XVI: estudai o catecismo

    com paixo e perseverana!. Finaliza o Papa:

    Tendes de saber em que credes. (...) Sim, tendes de

    estar enraizados na f ainda mais profundamente

    que a gerao dos vossos pais, para enfrentar os

    desafios e as tentaes deste tempo com fora e

    determinao.

    Nossa Igreja to atual e moderna que deu de

    presente para todos ns este grande instrumento,

    dom de Deus, que nos ensina e nos edifica na f. Neste

    caminho, podemos conhecer ainda mais Jesus Cristo

    em Verdade e Vida, atravs dos ensinamentos da

    Igreja, que no nos deixa sem respostas para os

    diversos questionamentos que o mundo nos coloca.

    mais uma riqueza de nossa Igreja.

    v

  • 1 6 | ( r e v i s t a ) P e r p t u o S o c o r r o | m a r . 2 0 1 2

    ( c e n t r o r e d e n t o r i s t a d e a o s o c i a l )

    Centro Redentorista de Ao Social

    Rua Amncio Moro, 135 . Telefone: (41) 3352-6216

    e-mail: [email protected] . blog: www.crasnsps.blogspot.com

    Centro Comunitrio Santo Afonso

    Ruas Ubaldino do Amaral, 204 . Telefone: (41) 3363-7427

    http://missoesredentoristascuritiba.blogspot.com

    twitter.com/crasnsps/

    www.facebook.com - procure por CRAS Centro Redentorista.

    ( (( (

    O

    A OBRA DE DEUS S ACONTECE COM A PARTICIPAO DE TODOS!

    Centro Redentorista de Ao Social reinicia o ano com quatro tipos

    de terapias, oito servios e seis cursos, alm da doao de alimentos

    e artigos de primeira necessidade, que atinge instituies

    parceiras e famlias diretamente. Tudo gratuito e voltado a famlias com

    baixa renda. O trabalho acontece graas ao voluntria de diversos

    devotos de Nossa Senhora, que colocam seu conhecimento profissional e

    parte de seu tempo disposio dos irmos necessitados. Tambm graas

    generosidade de cada devoto que aqui doa alimentos, roupas, sapatos, artigos

    para casa, mveis, material escolar e contribuem atravs do dzimo e das

    ofertas no Santurio, que esta obra social torna-se possvel e beneficia a

    tantas pessoas. Muito obrigado pela sua generosidade e continue conosco!

    Se voc deseja desenvolver um projeto de voluntariado em favor do irmo,

    junte-se a ns! Procure a secretaria do Centro Redentorista para mais

    informaes!

    Precisamos de voc!

    Missionrios Redentoristas

    ATENO! O CENTRO REDENTORISTA RETORNOU COM SEUS SERVIOS GRATUITOS A PARTIR DESTE MS DE MARO.

    VEJA AS ATIVIDADES DE 2012!

    REFORO ESCOLAR

    Para crianas que esto

    matriculadas no Ensino

    Fundamental e suas famlias.

    CAMPANHA MATERIAL ESCOLAR

    O Projeto Crianas da Padroeira

    necessita de alguns materiais para o

    desenvolvimento das atividades de

    avaliao, so eles: lpis, borracha,

    caneta azul, apontador, papel A4, lpis

    de cor, giz de cera, massa de modelar,

    rgua, jogos de tabuleiro (ldicos),

    revistas usadas, cartolina, tesoura sem

    ponta, cola, durex, clipes, elstico.

    ASSISTENTE SOCIAL

    Atendimento: segunda-feira tarde das

    14 s 17 horas, tera-feira e sexta-feira

    pela manh, das 9 s 11h30. O

    atendimento voltado para orientao

    em questes que envolvam situaes de

    risco familiar, pessoal e comunitrio.

    NUTRICIONISTA

    Quarta-feira pela manh.

    Agendar horrio

    pessoalmente ou pelo

    telefone: 41 3352-6216.

    ATENDIMENTO FITOTERPICO

    E AURICOLOTERAPIA

    Sexta-feira pela tarde.

    Agendar horrio pessoalmente ou

    pelo telefone.

    ALCOLICOS

    ANNIMOS

    Terapia em andamento,

    s quartas-feiras, a partir

    das 19h45.

    ATENDIMENTO PSICOLGICO

    Gratuito. Triagem todas as

    quintas-feiras. Informaes na

    Secretaria do Centro.

    E AINDA:

    Informtica bsica, Ingls,

    Orientao Jurdica, Fonoaudiologia,

    Terapia em grupo para casais, Escola

    de Pais, Crianas da Padroeira,

    Artesanato, Tric.

    PRECISA-SE DE VOLUNTRIOS

    Precisa-se de professores

    voluntrios para o curso de

    Informtica Bsica. Procure o

    Centro Redentorista para mais

    informaes.

    VOLUNTRIOS

    Gostaria de ser voluntrio?

    Venha at o Centro Redentorista

    de Ao Social e informe-se

    sobre as reas que temos

    disponibilidade para atuao.

  • ( r e v i s t a ) P e r p t u o S o c o r r o | | 1 7m a r . 2 0 1 2

    s c o o p i l gPapo com o psiclo

    go

    Sempre tive problema com a obesidade, mas agora com 112

    quilos, estou pensando em cirurgia de reduo do estma-

    go. J no aguento mais fazer dietas sem resultados. Meu

    plano de sade exige que eu avalie tambm com psiclogos.

    Por que preciso desta opinio?

    Isadora, Curitiba

    Atualmente a obesidade vista como um problema de sade

    pblica bem preocupante, devido ao seu aumento significativo e

    suas consequncias. um fenmeno multifatorial, com componen-

    tes genticos, comportamentais, psicolgicos, metablicos e end-

    crinos, que reduz a qualidade de vida e a auto-estima. A classifica-

    o da obesidade est diretamente ligada ao IMC (ndice de Massa

    Corporal) que assim se apresenta: normal com um ndice de 19 a 2 2 2

    24,9kg/m , sobrepeso de 25 a 35kg/m , obesas entre 30 e 40kg/m 2

    e acima de 40kg/m so considerados com obesida mrbida, ter-

    mo em desuso, mas que requer procedimentos e abordagens efici-

    entes para a reduo do peso.-

    A cirurgia recomendada depois que o paciente j tentou v

    rias dietas por tempo razovel e no obteve resultados satisfatrios 2 2

    e apresenta o IMC acima de 40kg/m . Com IMC acima de 35kg/m

    que venha com comorbidades como diabetes, hipertenso arterial,

    apnia do sono, dificuldades respiratrias ou cardiovasculares,

    tambm pode-se pensar em cirurgia, desde que comprovadas por

    especialistas que acompanhem o paciente e a sua evoluo.

    Uma avaliao psicolgica necessria para esclarecer ques-

    tes pr e ps-operatrias, pois a cirurgia apenas o incio de uma

    nova fase da vida. Do paciente ser exigido empenho e determina-

    o para o sucesso do procedimento, pois muitas vezes a expecta-

    tiva fantasiosa. Deixar de ser obesa no traz garantias de felici-

    dade plena. Precisa-se tambm trabalhar com a imagem corporal,

    antes e depois da cirurgia para se evitar uma crise de identidade

    diante de um corpo novo e desconhecido.

    Enfim, antes de tomar uma deciso definitiva sobre a real

    necessidade de cirurgia, procure seu mdico e esclarea todas as

    suas dvidas. Provavelmente ele tenha uma equipe multidiscipli-

    nar, com nutricionistas e psiclogos de confiana, que podero dar

    orientaes tcnicas e cientficas para diminuio, aceitao ou

    soluo do seu problema. Grande beijo!

    Leitor se voc tem alguma questo ou dvida em relao rea da psicologia, escreva-nos atravs do e-mail:

    [email protected]

    Marineide Coelho Martins de SouzaPsicloga Clnica, voluntria no Centro Redentorista de Ao Social

    CIRURGIA BARITRICA

    Grupos de msica do Santurio iniciaram neste

    ms de maro um Curso de Voz Cantada com a

    professora Ziza Fernandes. Sero dez meses de

    trabalho, que poder ter seu resultado, ou parte dele,

    apreciado num show de encerramento que acontece em

    dezembro deste ano. Sessenta pessoas participam do

    curso, oferecido pelo Santurio. Muito obrigado caro

    devoto e dizimista! A sua generosidade faz esta obra

    acontecer!

    Ateno para a agenda das Peregrinaes

    com o cone de Nossa Senhora do Perptuo

    Socorro:

    24/03 Comunidade Catlica SHALOM do Prado Velho -

    Curitiba/PR

    15/04 Guaratuba/PR

    01/05 Tijucas do Sul/PR

    06/05 Comunidade Felipe Schmidt - Canoinhas/SC

    13/05 CAMPO COMPRIDO CURITIBA/PR

    03/06 Telemaco Borba/PR

    21/07 Blumenau/SC

    EM FEVEREIRO

    O ms de fevereiro no

    santurio foi

    movimentado, cheio

    celebraes, mas tambm de

    despedidas. Confira!

    Retiro de Carnaval do

    Santurio. Trs dias de

    alegria e orao!

    Celebrao dos 25 anos

    de vida consagrada do

    Irmo Hlio, Missionrio

    Redentorista

    Missa de envio de Padre Roque

    Sutil Gabriel (23/03), que deixou

    a misso de vice-reitor do

    Santurio para assumir a

    Parquia Nossa Senhora do

    Perptuo Socorro, em Londrina.

    Obrigado por toda dedicao e

    amor Pe. Roque! Que Deus te

    ilumine neste novo projeto!

    Peregrinao

    Curso de Voz Cantada

  • HORRIOS DO SANTURIO NOSSA

    SENHORA DO PERPTUO SOCORRO

    Novenas

    Quarta-feira: 6h, 7h, 8h, 9h, 10h,

    11h, 12h, 13h, 14h, 15h, 16h, 17h,

    18h, 19h, 20h, 21h, 22h.

    Missas

    Domingo: 8h30, 10h30, 12h e19h

    Segunda-feira: 12h e 19h30 (Missa

    das Almas)

    Tera-feira: 7h, 12h e 19h30

    Quarta-feira: 7h, 12h e 21h

    Quinta-feira: 9h, 12h, 15h e 19h30

    Sexta-feira: 7h, 12h e 19h30

    Sbado: 7h, 12h e 19h30

    Missas do Santssimo

    Todas as quintas-feiras s 9h, 15h e

    19h30

    Missas da Misericrdia

    Todas as sextas-feiras s 19h30

    Bno da Sade

    Nas missas das 12h e nas novenas

    de quarta

    Confisses

    Das 6h s 22h nas quartas-feiras

    Nos demais dias, meia hora antes

    das missas, ou marcar hora na

    secretaria.

    Batizados

    Todo primeiro e terceiro sbado do

    ms s 10h

    Santurio Nossa Senhora do Perptuo

    Socorro

    Praa Portugal, s/n - Alto da Glria -

    80030-170 - Cx Postal 20013 -

    Curitiba/PR

    Fone/Fax: 41 3253 2031

    [email protected]

    www.perpetuosocorro.org.br

    Expediente da Secretaria:

    Segunda, tera, quinta e sexta das 8h

    s 18h

    Quarta-feira das 7h s 21h

    Sbado das 8h s 12h

    Campanha do Devoto Perptuo

    Fone: 41 3363 7427

    [email protected]

    CCSA - Centro Comunitrio Santo Afonso

    Rua Ubaldino do Amaral, 204 - Alto da

    Glria - 80060-190 - Curitiba/PR

    Fone: 41 3264 4848

    Expediente:

    De segunda a quinta das 8h s 12h e

    das 13h s 18h

    Sexta das 8h s 12h e das 13h s 17h

    Sbado no h expediente

    Centro Redentorista de Ao Social

    Rua Amncio Moro, 135 - Alto da

    Glria - 80.030-220 - Curitiba/PR

    Fone: 41 3352 6216

    [email protected]

    www.crasnsps.blogspot.com

    1 8 | ( r e v i s t a ) P e r p t u o S o c o r r o | m a r . 2 0 1 2

    T LEGEN IZAT LEGEN IZA

    ( folhinha )

    ( d z i m o )

    Pastoral do Dzimo

    medida que tomamos conscincia de que

    somos Igreja, de que professamos a mesma

    f em Jesus Cristo e que queremos permanecer

    unidos a Jesus pelo amor fraterno, vamos nos

    sentindo responsveis uns pelos outros.

    Esta corresponsabilidade nos torna cada

    vez mais irmos, mais comungantes da von-

    tade do Esprito Santo. Ao reconhecermos esta

    condio de unidade, devemos reconhecer

    tambm que o dzimo est intimamente ligado

    a este compromisso, e que por ele expressamos

    concretamente nossa preocupao com o ir-

    mo mais necessitado da comunidade.

    Contribuir com o irmo necessitado cons-

    tatar a presena de Jesus nele, amar Jesus

    naquele carece mais. Devolver o dzimo como

    expresso de comunho fraterna significa crer

    que tudo estamos recebendo de Deus. na co-

    munidade que encontramos Deus e o vivemos.

    Ningum vai ao Pai a no ser por mim e

    ningum vem mim a no ser atravs do seu

    irmo (Jo 14,6-7). Quando vivemos em comu-

    nidade, sentindo-nos responsveis por ela, e

    manifestamos isso com a nossa contribuio

    significativa, sendo membros efetivos do corpo

    de Cristo. Devolvendo o dzimo, estamos per-

    mitindo que o corpo de Cristo seja cada vez

    mais participado (I Cor.12,12-21).

    Nossas felicitaes a todos

    dos dizimistas aniversa-

    riantes do ms de maro.

    Que esta quaresma seja

    um momento de aproxi-

    mao com Jesus e entre a

    famlia! Deus abenoe!

    Expresso forte de comunidade

    A CRIANA PERGUNTOU ME:

    - O QUE GENTILEZA?

    - TRATAR O OUTRO EXATAMENTE COMO VOC GOSTARIA

    DE SER TRATADO DISSE A ME.

    RESPONDEU BEM. MAIS DO QUE UMA DEFINIO, ESSE UM

    MANDAMENTO DEIXADO A NS POR JESUS: AMAI AO

    PRXIMO COMO A TI MESMO.

    NO DICIONRIO, A PALAVRA GENTILEZA TEM O SEGUINTE

    SIGNIFICADO: DELICADEZA, AMABILIDADE, CORTESIA, GRAA,

    ELEGNCIA, GALANTERIA, GARBO.

    A VERDADE QUE PEQUENOS ATOS DE GENTILEZA EM

    NOSSO DIA PODEM NOS FAZER MUITO MAIS FELIZ, COMO

    COMPORTAR-SE DE MANEIRA EDUCADA NA FILA DO LANCHE,

    AJUDAR ALGUM QUE PRECISA, TRATAR BEM OS IDOSOS,

    AJUDANDO-OS, ENSINAR O COLEGA UMA

    MATRIA QUE ELE NO ENTENDEU, DAR

    A VEZ A QUEM PRECISA, CEDER O

    LUGAR, DIZER PALAVRAS DE CARINHO

    PARA A MAME E O PAPAI, OUVIR,

    MESMO QUE NO ESTEJA TO

    INTERESSADO, APENAS PARA QUE

    ALGUM SEJA OUVIDO.

    TUDO ISSO SER GENTIL E TUDO

    ISSO TE FAR MAIS FELIZ.

    PALAVRAS GENTIS PODEM SER

    CURTAS E FCEIS DE FALAR,

    MAS OS SEUS ECOS SO

    EFETIVAMENTE INFINITOS.,

    DISSE MADRE TERESA DE

    CALCUT.

    SEJA GENTIL, VIVA A SUA F!

  • ( r e v i s t a ) P e r p t u o S o c o r r o | | 1 9m a r . 2 0 1 2

  • www.jmjcuritiba.com

    SANTA MISSA

    SHOWS

    PEAS DE TEATRO

    APRESENTAES DE DANA

    Santurio N. S do Perptuo Socorro

    P. Portiugal s/n - Alto da Glria - Curitiba

    JORNADADIOCESANA DA

    JUVENTUDE

    1 de Abril - 13h30

    2012

    Agradecimento a todos os que

    colaboram com o Santurio e a

    Famlia do Devoto Perptuo

    Nossos agradecimentos a todos os

    que colaboram com o Santurio e que so

    parte da Famlia do Devoto Perptuo!

    Graas sua generosidade temos

    hoje um espao para o tratamento de

    dependentes qumicos.

    Sua f e parceria fez esse sonho

    de Deus, se tornar realidade!

    Deus abenoe!

    Missionrios Redentoristas

    CHCARA DE ACOLHIDA

    A DEPENDENTES QUMICOS

    PERPTUO SOCORRO

    A vida por um fio