Click here to load reader

Sacolas Plásticas - Plástico biodegradável

  • View
    1.345

  • Download
    7

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Apresentação sobre sacolas plásticas biodegradáveis

Text of Sacolas Plásticas - Plástico biodegradável

Plsticos BiodegradveisSacolas Bio-Degradveis

Proteo Ambiental Univerdade Federal de Minas Gerais

ComponentesFilipe Lage Garcia 2010017263 Bruno Silvano Costa 2010017107 Saint-Clair Luiz de Oliveira Neto 2010017778

Tipos de SacolasSacola Plstica ComumFeitas de polietileno de baixa densidade, polietileno linear, polietileno de alta densidade ou de polipropileno, polmeros de plstico no biodegradvel, com espessura varivel entre 18 e 30 micrmetros. Anualmente, circulam em todo o mundo entre 500 a 1000 bilhes destes objetos. Sua degradao pode demorar at 100 anos. Possui um custo de cerca de R$ 0,03 por unidade.

Tipos de SacolasSacola Compostvel Biodegradvel (Compostvel) fabricada com a adio de material vegetal como, por exemplo, o amido de milho. O seu tempo de degradao de 3 meses. Possui um custo de cerca de R$ 0,19 por unidade.

Sacola Oxi-biodegradvel adicionado o aditivo D2W matria prima da sacola que acelera a degradao do plstico, em ambientes propcios, para 18 meses. Possui um custo de cerca de R$ 0,10 por unidade.

Reduo de Impactos Totais Facilita a decomposio de matria orgnica presente nos aterros sanitrios Evita a impermeabilizao e o mal acomodamento dos lixos nos aterros sanitrios Evita o sufocamento de animais em rios e oceanos Evita emisso de poluentes durante a produo Evita entupimento de bueiros

ReciclagemAs sacolas plsticas comuns podem at ser recicladas, mas na pratica isso no ocorre, pois preciso que o material esteja limpo e por serem utilizadas para armazenar lixo isso dificilmente ocorre. Outra opo para o tratamento dessas embalagens seria a queima do plstico mas esse processo tambm invivel por emitir gases cancergenos. No possvel diferenciar o plstico convencional do biodegradvel, por isso este ltimo deve ser sinalizado com cores especiais para ser separado do processo de reciclagem.

AdesoBelo HorizonteA capital Belo Horizonte teve a iniciativa de adotar a campanha "sacola plstica nunca mais". A capital proibiu a distribuio de sacolas comuns, oxibiodegradveis e oxidegradveis, permitindo apenas a venda das sacolas reutilizveis (ecobags) e a venda de sacolas biodegradveis. So Paulo deve ser a prxima capital a aderir ao projeto, porm apenas no ano de 2012.

Medidas adotadas em outras cidades Dublin, Irlanda: primeiro pais a tomar medidas sobre a produo descontrolada de sacolas de plsticos ao introduzir o PlasTax em 2002, um imposto que cobra 0,15 ao consumidor por cada saco distribudo. Roma, Itlia: a Itlia era responsvel por 25% do consumo de sacolas plsticas da Europa, e para reduzir isso foi proibido o uso dessas embalagens a partir de 1 de janeiro de 2011. Lisboa, Portugal: em 15 de dezembro de 2010, foi aprovado um projeto de lei para aplicar um "sistema de desconto mnimo" no valor de pelo menos 1% a partir de 5 de compras a quem prescinda totalmente dos sacos de plstico fornecidos gratuitamente pelas superfcies comerciais

Processo de fabricaoSacola plstica convencional: produzida com uma resina apartir da nafta, que um derivado do petrleo

Sacola plstica oxidegradvel: semelhante convencional,porm em sua fabricao adiciona-se um aditivo que acelera sua decomposio.

Sacola plstica biodegradvel: produzida a partir de materiaisfacilmente degradveis, como o amido.

Impactos em aterros sanitriosBelo HorizonteO uso de sacolas biodegradveis ainda no causou grande diferena na quantidade de lixo produzido, houve reduo de 60 toneladas mensais devido as sacolas no utilizadas em frente produo mensal de 90 mil toneladas de lixo produzido. Mas espera-se que com o tempo, possa-se perceber um maior impacto nos aterros.

Campanhas relacionadas

Campanhas relacionadas

Pesquisas de outros materiais biodegradveisTijolo BiodegradvelDesenvolvido na UFMG por Antnio Ferreira vila, do Departamento de Engenharia Mecnica, o objetivo do projeto desenvolver um material biodegradvel capaz de substituir os tijolos convencionais na construo de fossas. O principais componentes desse novo tipo de tijolo so bioplstico feito com amido (substncia presente em plantas como milho e mandioca) e fibras vegetais, facilmente obtidas em sobras de plantaes diversas. Esses blocos tem o formato lego para facilitar as construes. (UFMG)

ConclusoH controvrsias quanto s leis que proibem a distribuio de sacolas plsticas convencionais. Inicialmente parece ser uma boa ideia e que trar grandes benefcios quanto poluio que essas sacolas causam ao meio ambiente. Porm, h tambm questes polmicas, como o custo das novas sacolas que repassado ao consumidor (o consumidor j pagava pelas sacolas convencionais - preo embutido nos produtos); o consumidor ter que comprar sacos de lixo em substituio das sacolas convencionais para eliminar o lixo domstico, que ainda poluiro o ambiente; as empresas produtoras de sacos plsticos (transformadores plsticos) tero grandes prejuzos e provavelmente desemprego ser gerado.

Bibliografia http://www.toptargetblogs.com/ www.wikipedia.com http://www.recyclelife.net/ http://www.abief.com.br/

Search related