Click here to load reader

SACOLAS PLSTICAS

  • View
    227

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of SACOLAS PLSTICAS

  • 50

    SACOLAS PLSTICAS: CONSUMO INCONSCIENTE

    Herminio Henriques Pvoa Neto

    Engenheiro de Produo/UCAM/RJ [email protected] Shayane Azevedo Rangel

    Engenheira de Produo/UCAM/RJ Memorina Aparecida Correa Sobrinha

    Engenheira de Produo/UCAM/RJ [email protected] Andria Boechat Delatorre

    Doutoranda em Produo Vegetal/ Laboratrio de Tecnologia de Alimentos/UENF/RJ [email protected] Cristiane de Jesus Aguiar

    Mestranda em Produo Vegetal/Laboratrio de Tecnologia de Alimentos/UENF/RJ [email protected] Priscila Maria Rodrigues

    Mestranda em Produo Vegetal/Laboratrio de Tecnologia de Alimentos/UENF/RJ [email protected] RESUMO O crescente acmulo de lixo no biodegradvel, aliado dificuldade de reciclagem da maioria das embalagens sintticas disponveis na atualidade, tem lanado um desafio comunidade cientfica mundial no sentido de incrementar as propriedades das embalagens atuais e/ou de desenvolver materiais biodegradveis com caractersticas que permitam a sua utilizao em embalagens. Produtos fabricados a partir de plsticos vm sendo largamente utilizados desde meados dos anos 50 do sculo passado. O nmero de aplicaes para esses produtos continuou a crescer enquanto a cincia desenvolvia resinas e blendas de resinas que aprimoravam suas propriedades, assim como as tecnologias para o processo dessas resinas em produtos e o seu uso. Porm, nos ltimos anos, vrios pases em todo o mundo tm reconhecido a necessidade de se reduzir quantidade de materiais plsticos desperdiados e descartados, alm de incentivarem a reciclagem, que apesar de depender, em grande parte da coleta e seleo do produto, so alguns poucos municpios brasileiros que possuem algum tipo de coleta seletiva, mas no atingem a totalidade de reciclveis. Neste contexto, o interesse na utilizao de produtos que tenham origem vegetal e a produo de materiais, principalmente plsticos com carter biodegradvel tem se intensificado como poltica em diversos setores da sociedade. Sendo assim, a contribuio da populao se torna fundamental, pois a partir dela o consumo ser reduzido e a coleta seletiva poder ser bem sucedida. Desta forma, o primeiro passo para o desenvolvimento desses hbitos, est na educao ambiental: conscientizao e mobilizao da sociedade quanto a importncia de se preservar o meio ambiente. Palavras-chave: sacolas plsticas, meio ambiente, conscientizao, coleta e reciclagem. ABSTRACT

    The growing accumulation of non-biodegradable waste, together with the difficulty of recycling of most currently available synthetic packaging, has launched a challenge to the global scientific community in order to enhance the properties of the current packaging and / or the development of biodegradable materials with characteristics that allow its use in packaging. Products made from plastics have been widely used since the mid-50th century past. The number of applications for these products continued to grow as the science

  • 51

    developed resins and resin blends that have improved their properties, as well as the technologies to process these resins and their use in products. But in recent years, several countries around the world have recognized the need to reduce the amount of wasted plastics and discarded, and encourage recycling, which although depend largely on the collection and product selection, and although most of the municipalities have some form of selective collection, do not reach all recyclables. In this context, the interest in using products with plant and production of materials, especially plastics with biodegradable nature has intensified as a policy in various sectors of society. Thus, the contribution of the population is fundamental because it is from the selective collection can be successful. So, the first step in the development of these habits is the awareness and mobilization of society and the importance of preserving the environment. Keywords: Plastic bags, environment, awareness, recovery and recycling. 1. INTRODUO

    Antigamente diversos objetos eram utilizados para acondicionar e transportar produtos. Alguns desses objetos eram: cestos, samburs, nforas, caixas, potes, barris, bas, garrafas, tambores e, tambm, bolsas e sacolas; tais objetos passaram a ser chamados de embalagens (CAVALCANTE, CHAGAS, 2006, apud ALMEIDA et al.,2008).

    Segundo FABRO et al., (2007 apud ALMEIDA et al., 2008), no Brasil, como no resto do mundo, o comrcio foi considerado o grande responsvel pelo desenvolvimento das embalagens. Isto ocorreu desde a poca em que o sistema de compra era rudimentar, ou seja, os produtos, at mesmo os perecveis eram vendidos a varejo aps terem sido pesados no balco. A partir da Segunda Guerra Mundial, a revoluo na indstria de embalagens deu-se com a expanso do varejo. Houve nas grandes cidades a instalao de supermercados que trouxeram consigo a inovao na produo de embalagens, que deviam ser utilizadas para transportar os produtos dos lugares onde eram colhidos ou fabricados, para os grandes centros de distribuio ao consumidor. Desde ento, as embalagens passaram a no ter somente a funo de acondicionar a mercadoria, mas tambm proteg-la em seu transporte e facilitar a distribuio e venda.

    Os pases desenvolvidos viveram durante as dcadas de 50 e 60 do sculo XX, um crescimento acentuado no setor de embalagens, e este, atualmente considerado um dos setores mais importantes no mundo, sendo visto para a sociedade como um setor estratgico. Vrios fatores tm sido alterados com a industrializao e o desenvolvimento de embalagens, como por exemplo, o aumento da segurana alimentar, a reduo na perda de alimentos(XXXXXX ), o aproveitamento de subprodutos industriais, e a facilidade de acesso a alimentos industrializados pela populao mais distante (GARCIA, 2005, apud ALVES, 2007).

    Neste perodo a maioria dos materiais polimricos usados em grande quantidade eram durveis e inertes ao de micro-organismos, apresentando assim longos tempos de biodegradao. Segundo ARVANITOYANNIS et al. (1998a apud ALVES, 2007), com a nova viso e nfase atual, os problemas de poluio ambiental em conjunto com os problemas relacionados aterros, resduo slido e as exigncias na legislao nacional, levaram a necessidade do aumento do uso dos polmeros biodegradveis. Assim, do ponto de vista ambiental so requeridos de um polmero biodegradvel vida til pr-determinada, onde no ocorram mudanas nas suas propriedades e, aps esse perodo necessrio um estgio de fragmentao acelerada e finalmente assimilao dos produtos fragmentados pelo ecossistema.

    Atualmente, o consumo de sacolas plsticas tem crescido a cada dia, justamente pela sua grande oferta aos clientes com o objetivo de acondicionar os produtos vendidos. As sacolas utilizadas pela maioria dos consumidores so muito finas e inviabilizam sua reciclagem, e a sua forma inadequada de descarte tem sido apontado como responsvel at mesmo por inundaes e alagamentos, como foi o caso de Bangladesh em 1988 e 1998, quando ocorreu o entupimento de sistemas de drenagem e de escoamento de guas. Como o plstico fabricado a partir de resina derivada do petrleo, e entram em sua composio metais pesados, ele prejudicial ao lenol fretico e causa severos danos ao meio ambiente (ALMEIDA et al., 2008).

  • 52

    Neste contexto, importante avaliar as possibilidades de mudana de hbitos, com alternativas capazes de minimizar os danos causados ao meio ambiente. A educao ambiental , visivelmente, um fator essencial para tal mudana, pois atravs dela seremos capazes de atingir um nvel de responsabilidade maior com o planeta, e dispor-nos a colaborar com hbitos ecologicamente corretos.

    2. REVISO

    A quantidade e a qualidade do lixo produzido pelo ser humano, no apresentavam grandes problemas at a dcada de 60 do sculo XX. Entre os materiais mais utilizados principalmente na embalagem de slidos estavam o papelo e o papel, e para embalar lquidos eram utilizados vidros e latas. Os aterros sanitrios eram o lugar onde essas embalagens podiam ser descartadas, e at hoje, ainda so utilizados para esse fim. Nesses aterros, camadas alternadas de terra e lixo sofrem compactao mecnica (DOCSTOC, 2010).

    As embalagens de vidro eram aproveitadas por muito tempo, por isso podiam ser consideradas retornveis. Algumas pessoas percorriam as ruas comprando materiais que podiam ser reutilizados, e entre esses materiais estavam as latas que por serem mais comuns eram separados no lixo domstico e vendidas a essas pessoas. Ferros-velhos eram utilizados para armazenar as latas que depois eram recicladas em processos de fundio. O recolhimento e a reciclagem do papelo e o papel eram feitos de forma parecida, porm, eram biodegradados rapidamente no ambiente, quando descartados nos aterros. Isso ocorria devido a esses materiais serem compostos por celulose. A decomposio desses materiais ocorria e ainda ocorrem de duas formas: decomposio bacteriolgica e hidrlise. Na decomposio bacteriolgica as bactrias termoflicas podem decompor uma massa de celulose em at quatro semanas, quando em condies apropriadas, j na hidrlise, podem ser produzidas molculas menores como sacarose e glicose, quando a gua reage com a celulose (DOCSTOC, 2010).

    Com o surgimento dos plsticos, houve modificaes no descarte do lixo, devido s caractersticas desse material. Os plsticos so materiais adquiridos a baixo custo, e como os metais e o vidro, so praticamente inertes e impermeveis, eles so considerados tambm, rgidos e flexveis o bastante para resistirem a impactos e no serem destrudos com facilidade. Dessa forma, a reciclagem considerada a soluo mais apropriada que permite a transformao do lixo plstico em novos objetos. No entanto, existe um fator que limita este processo: a seleo. O tipo de coleta que feito atualmente exige uma separao manual do lixo, o que torna a reciclagem mais onerosa. Uma das formas de tentar resolver isso fazer com que todo tipo de coleta seja seletiva, para tornar o processo mais econmico, visto que grande a quantidade de plsticos recolhidos a baixo custo, e que por no estarem em contato com outros componentes do lixo, no estariam contaminados, logo, no necessitariam ser lavados. Outro problema a ser considerado o tipo do polmero, s vezes somente 1% reciclvel, essa porcentagem depender de cada tipo (DOCSTOC, 2010). Dentre os polmeros mais reciclados aps o uso, esto s embalagens de PET, de PVC, de PP e de PE, engradados de PEAD e filmes de PE, PP, PVC e PET (KISHIMOTO et al., 2001).

    Apesar da dificuldade para o reconhecimento desses polmeros, a reduo do consumo de embalagens plsticas e a separao do lixo pela populao, juntamente com a coleta seletiva, j seria o passo inicial de mudana pela populao, visto que o maior problema da coleta seletiva est na dificuldade que a sociedade encontra em dar o primeiro passo, e comear em sua casa, atitudes/hbitos diferentes que possam ajudar a melhorar o planeta.

    Apesar dos dados alarmantes e da permanente insistncia da mdia em divulgar que necessitamos de mudanas em nossos hbitos, a sociedade parece que no v que o passo mais importante tem que ser dado por ela, pois a comunidade cientfica mundial apresenta um desafio no sentido de aprimorar as propriedades das embalagens atuais e at mesmo desenvolver materiais biodegradveis com caractersticas que possam ser utilizados em embalagens (MONTERREY & SOBRAL 1999). Agora cabe a populao buscar reduzir o crescente acmulo de lixo no biodegradvel no meio ambiente.

    A partir de meados dos anos 50 do sculo XX, os produtos desenvolvidos com plsticos tm sido utilizados cada vez mais. As aplicaes relacionadas a esses produtos continuaram a ter um volume crescente e enquanto isso, foram desenvolvidas pela cincia, resinas e blendas de resinas que incrementavam suas propriedades, e tambm criadas tecnologias para o processo destas em produtos e a sua utilizao (DOTY, 2005).

  • 53

    Os plsticos se tornam atrativos para diversos usos, at mesmo para embalagens, devido a algumas de suas caractersticas gerais como sua resistncia e fora, baixo peso, durabilidade e longa vida, resistncia maioria dos agentes qumicos, excelente barreira contra gases e lquidos e principalmente baixo custo. Essas caractersticas fazem com que o plstico seja escolhido como material para diversas aplicaes, porm, resultam em problemas para o meio ambiente ao final de sua vida til, especialmente quando os plsticos so de uso nico em produtos como sacolas e outras embalagens. Esses materiais persistem no ambiente por causa da sua inrcia e so descartados com facilidade devido a sua caracterstica de baixo custo (DOTY, 2005).

    Diversos pases do mundo tm reconhecido nos ltimos anos, que se deve diminuir a quantidade de materiais plsticos descartados e desperdiados, e at mesmo, a necessidade de incentivar a reciclagem, que em grande parte, dependente da seleo e coleta do produto. A maioria dos municpios do Brasil j possui alguma espcie de coleta seletiva, no entanto, no alcanam toda a quantidade desses materiais reciclveis. Diante disso, tem crescido a cada dia o interesse em utilizar produtos obtidos de origem vegetal e a produo de materiais que tenham caractersticas biodegradveis, especialmente plsticos, tem sido visto por vrios setores da sociedade como uma poltica a ser intensificada (RZ, 2003).

    2.1 Plsticos Convencionais

    O uso de plsticos vem se acentuando cada vez mais na sociedade contempornea. O excesso de produtos plsticos no mundo tem trazido srios problemas ambientais. Os gases que so produzidos durante a incinerao e a falta de biodegradabilidade de grande parte dos plsticos so considerados dificuldades para o problema do resduo plstico. Este fator se torna uma barreira para que a indstria do plstico alcance sucesso na fabricao de seus produtos com propriedades especficas que facilitem a sua degradao no meio ambiente (LIMA, 2001).

    Os plsticos so considerados indispensveis na vida do ser humano. Todos os dias os utilizamos das mais variadas formas e em diferentes aplicaes, tais como: embalagens, materiais de construo, automveis, utenslios domsticos, produtos de consumo entre outros primordiais no mundo atual. A Figura 1 mostra alguns valores percentuais de acordo com a utilizao destes materiais em algumas atividades.

    Figura 1: Porcentual de utilizao dos plsticos em diversas atividades.

    Os plsticos so materiais formados pela unio de grandes cadeias moleculares chamadas polmeros, que, por sua vez, so formados por molculas menores, chamadas monmeros e so produzidos atravs de um processo qumico chamado polimerizao, que proporciona a unio qumica de monmeros para formar polmeros (SIMPLAST, 2010).

    Tais polmeros podem ser de origem natural ou sinttica. Os de origem natural so comuns em animais e plantas, tais como madeira, chifre de boi, cabelos, chifre de boi, entre outros, so comuns em plantas e animais. J os de origem sinttica so adquiridos atravs de reaes qumicas pelo homem. Os

  • 54

    polmeros se classificam como termoplsticos, ou seja, aqueles que permitem ser remoldados aps o resfriamento, pois no sofrem alteraes em sua composio qumica enquanto so aquecidos; e termofxos, que no so mecanicamente reciclveis, pois uma vez moldados no permitem ser fundidos e remoldados novamente. O plstico tem como sua principal matria-prima o petrleo, que formado atravs de uma mistura complexa de compostos (BOSCO, 2010).

    Os plsticos convencionais tm a capacidade de permanecer no meio ambiente por um perodo de 100 a 500 anos, fato que os caracterizam como grandes agressores a natureza e a vida. A presena imprpria desses plsticos no solo, no permite a permeabilizao do ar e da gua, prejudicando-o pela falta de degradao dos componentes e causando a reduo de vida e de substncias naturais o que os torna infrteis, alm disso, prejudicam o lenol fretico, como j dito anteriormente (SEGURANA, 2009).

    2.1.1 Tipos de Plsticos

    So produzidos a cada ano uma grande quantidade de diferentes tipos de plsticos. Parece que o mundo inteiro embrulhado em plstico. Quase tudo que comemos e bebemos so acondicionados neles. Entre todos os setores consumidores de plsticos no mundo, a indstria de embalagem o setor que mais os consome. Portanto, importante frisar que existem diversos tipos de plsticos com variadas caractersticas, como mostra a Tabela 1.

    Tabela 1: Alguns tipos de plsticos com suas principais caractersticas e alguns produtos fabricados a partir deles (Fonte: PLASTIVIDA, 2001; CEMPRE, 1998).

  • 55

    Os plsticos apresentam como principais caractersticas a resistncia ao calor, gua e ao ar e tambm a radiaes (MANZANO, 2009). Existem alguns tipos de plsticos que so encontrados com maior frequncia no lixo urbano, pois suas aplicaes so muito teis. A figura 2 mostra as porcentagens de alguns tipos de plsticos mais encontrados no lixo urbano.

    Figura 2: Composio mdia das resinas dos resduos plsticos rgidos separados em programas de coleta seletiva (Fonte: CEMPRE, 1998).

    De acordo com a figura 2, podemos perceber que o tipo de plstico mais encontrado no lixo urbano em programas de coleta seletiva PEAD/PEBD. O PEBD o material utilizado para a fabricao das sacolas plsticas que so fornecidas pelo supermercado, isso mostra que elas esto ocupando a maior parte do lixo que tem causado problemas ambientais de poluio no mundo.

    2.1.2 Sacolas Plsticas

    O Brasil definitivamente o paraso das sacolas. Todos os supermercados, farmcias e boa parte do comrcio varejista embalam em sacos plsticos tudo o que passa pela caixa registradora. No importa o tamanho do produto que se tenha mo, aguarde e sua vez porque ele ser embalado num saquinho plstico. O mais grave que isso j foi incorporado na nossa rotina como algo normal, como se o destino de cada produto comprado fosse mesmo um saco plstico. Nossa dependncia tamanha, que quando ele no est disponvel, costumamos reagir com reclamaes indignadas (TIGREIRO, 2003).

    Num artigo na National Geographic, dados de 2001 indicam um consumo mundial entre 500 bilhes e um trilho de bolsas plsticas por ano (ESTOCOLMO, 2010). Elas podem levar at mil anos para se desintegrar e so uma sria ameaa ao meio Ambiente. Um artigo da Reuter que foi publicado em 2008 d um balano dos Pases que j controlam ou probem o uso das sacolas plsticas (ESTOCOLMO, 2010):

    Rwanda e Eritria proibiram o uso das sacolas, assim como Somaliland, uma regio autnoma da Somlia;

    Africa do Sul, Uganda e Kenya tm regras para um mnimo de grossura do produto. Etipia, Gana, Lesoto e Tanzania tm medidas similares;

    Coles Bay na Tasmnia se tornou a Primeira cidade livre de sacolas da Austrlia j em abril de 2003, dezenas de outras a seguiram. Em janeiro de 2008, o Ministro do meio ambiente anunciou aos supermercados que eles deveriam banir as sacolas plsticas at o final do ano;

    O primeiro grande pas a banir as sacolas foi Bangladesh, em 2002. O pas culpou os milhes de sacolas jogadas pelo entupimento de canais e contribuio para as enchentes que deixaram a maior parte do pas submerso em 1988;

  • 56

    Em 2007, o Buto proibiu as sacolas plsticas, propagandas nas ruas e tabaco como parte da sua poltica de Gross National Happiness;

    Em maio de 2007, a cidade de Modbury, na Inglaterra, se tornou a primeira livre de sacolas plsticas, vendendo sacolas reutilizveis ou biodegradveis. Londres planeja um banimento das sacolas ultrafinas em 2009 e taxamentos das outras;

    Em 2005, legisladores franceses votaram o banimento das sacolas no biodegradveis para 2010. A Crsega, j baniu as sacolas das grandes lojas em 1999;

    O estado de Maharashtra, na ndia, baniu a produo, venda e uso de sacolas plsticas em Agosto de 2005, depois que elas entupiram os canais durante as chuvas de monses. Outros estados baniram as sacolas ultrafinas para diminuir a poluio e a morte de vacas, sagradas no pas, que as consumiam;

    A Irlanda comeou a cobrar pelas sacolas em 2002. A cobrana viu uma diminuio de 90% no seu consumo, que tem aumentado gradativamente;

    Um banimento parcial foi estabelecido em Taiwan, em 2003, nas lojas de departamento e supermercados. A maioria das lojas cobra T$1 (US$0.03) por sacola;

    Nos EUA, So Francisco foi a primeira cidade a proibir o uso de sacolas nos grandes supermercados. Em So Francisco, a proibio poupa o estado de 180 milhes de novas sacolas, anualmente e economiza cerca de um milho de gales de petrleo que seriam usados em sua produo, todos os anos;

    Em Janeiro de 2008, o Prefeito da cidade de Nova Iorque assinou lei que exige que grandes lojas tenham programas de reciclagem e disponibilize bolsas reciclveis.

    Esses dados nos mostram que j existem medidas ou hbitos de mudanas de comportamentos em alguns pases. Esses trabalhos que tem sido desenvolvido so muito importantes, pois contribuem reduzindo o consumo e descarte inadequado de sacolas plsticas. No entanto, ainda no o suficiente diante da gravidade do problema ambiental que elas representam para o planeta. necessrio que todos os pases tenham conscincia e assumam a sua parcela de responsabilidade, buscando alternativas que possam contribuir para a preservao do meio ambiente.

    2.2 Leis ambientais brasileiras

    A pesquisa de processos e produtos inovadores que sejam ambientalmente corretos tem sido fruto das novas leis ambientais, e tambm da conscientizao da sociedade moderna a respeito da preservao do meio ambiente. A abordagem atual do desenvolvimento desses novos materiais tem se atentado ao seu ciclo de vida, isto , leva em considerao todos os impactos causados por eles, desde a matria prima utilizada at o descarte, ou seja, o destino final do produto. Apesar de serem fabricados poucos produtos levando em considerao o seu destino final (descarte ou reciclagem e descarte), os plsticos que possuem descartabilidade rpida vm sendo os produtos freqentemente criticados a respeito deste aspecto. Os referidos materiais demonstram impacto ambiental, considerando que embalagens de rpida descartabilidade esto assumindo grande proporo do lixo urbano (RIPA, 2010).

    Com o objetivo de ajudar a solucionar o problema do lixo plstico tem se desenvolvido o uso de bioplsticos, que so formados por materiais naturais orgnicos e de forma geral so capazes de se degradar no perodo de compostagem, pois so biodegradveis. Obtidos de fontes vegetais renovveis, os bioplsticos demonstram um preo menor, se comparados aos plsticos biodegradveis sintticos (RIPA, 2010).

    Levando em considerao os impactos negativos gerados ao meio ambiente pelo descarte incorreto das sacolas plsticas, est vigorando desde 15 de julho de 2009 a Lei Estadual (RJ) n 5502, que determina que a coleta e substituio de sacos plsticos ou sacolas que so compostos por polipropilenos, polietilenos e outros materiais similares, devem ser promovidos pelos estabelecimentos comerciais localizados no Estado do Rio de Janeiro, j que so utilizados por eles para acondicionar as mercadorias e produtos e tambm na entrega destes aos clientes. Espera-se que essa medida sirva para colocar estas sacolas disposio do ciclo

  • 57

    de reciclagem fluminense e contribuir para preservao do Meio Ambiente na regio (JUSBRASIL, 2009).

    importante ressaltar que a lei Estadual (RJ) n 5502/09, aplicada somente s sacolas e sacos que os estabelecimentos oferecem para embalar e pesar produtos perecveis ou no, desta forma, no so aplicadas s embalagens originais das mercadorias. A lei obriga que sejam oferecidas aos clientes pelos estabelecimentos comerciais, uma das trs alternativas para reduzir o uso das sacolas plsticas em grandes quantidades, so elas: disponibilizar e fornecer sacolas mais resistentes, que permitam ser reutilizadas; dar descontos de R$ 0,03 para cada cinco itens que forem vendidos sem a utilizao das sacolas plsticas ou trocar 50 sacolas plsticas limpas e em bom estado por um quilo de arroz ou de alimentos equivalentes da cesta bsica (JUSBRASIL, 2009).

    J existem tambm, projetos e leis que focam a questo ambiental das embalagens plsticas, no sendo necessariamente leis a respeito de sacolas plsticas, como a de n 3369, de 07 de janeiro de 2000 do Estado do Rio de Janeiro que estabeleceu normas a respeito da destinao final de garrafas plsticas (JUSBRASIL, 2009). Os principais itens so:

    Todas as empresas que utilizam garrafas e embalagens plsticas na comercializao de seus produtos so responsveis pela destinao final ambientalmente adequada das mesmas; As empresas estabelecero e mantero, em conjunto, procedimentos para a recompra das garrafas plsticas aps o uso do produto pelos consumidores dentre outras (JUSBRASIL, 2009).

    Outra o projeto de Lei Federal n 3.750/97 do deputado Fernando Gabeira que cria o depsito/retorno de garrafas e embalagens plsticas no valor de 5% do valor do produto vendido na embalagem (CAMARA, 2010).

    O depsito que feito sobre o produto recolhido pelo produtor e devolvido por este ao consumidor, sendo o governo responsvel apenas pela regulamentao e monitoramento da lei (MOTTA, 1998).

    Assim, pode-se perceber que j existem algumas medidas legais que favorecem ao meio ambiente, quanto aos produtos e as prticas que os prejudicam. No entanto, ainda faltam muita ateno e atitude do governo, e especialmente a conscientizao da sociedade para minimizar os problemas ambientais.

    2.3 Plsticos Biodegradveis

    Ainda muito dependente de tecnologia e informao, mas com grandes oportunidades de inovao, os plsticos biodegradveis so uma importante rea de conhecimento. Estes materiais podem representar um fator competitivo para diversos setores que dependem deles ou esto ligados de alguma forma, isso ocorre devido as exigncias crescentes para o alcance da sustentabilidade. Diante dessa nova configurao, se torna cada vez mais importante conhecer e dominar os mtodos de aplicao, e oportunidades oferecidas por estes materiais na indstria, tendo em vista os novos materiais e processamentos j existentes ou que ainda esto em desenvolvimento. Alm disso, as empresas podem tornar o desenvolvimento de novos produtos com utilizao de plsticos biodegradveis, uma grande estratgia, pois eles podem atrair inovaes tecnolgicas muito benficas para as mesmas (RIPA, 2010).

    Os plsticos biodegradveis constituem uma famlia de plsticos que se degradam sob a ao de organismos vivos e tambm por meio de reaes abiticas tais como fotodegradao, oxidao e hidrlise, que podem alterar o plstico devido a fatores ambientais (SCRIBD, 2010). A diferena dos plsticos de origem de petrleo est no tempo de degradao. O tempo para degradar vai depender do que foi adicionado resina considerada biodegradvel, mas a ordem de grandeza de meses (6 a 12 meses) contra 40 a 50 anos ou at 200 anos no caso de PET.

    As propriedades qumicas e fsicas dos plsticos biodegradveis tem caractersticas semelhantes s dos plsticos convencionais, a principal diferena est no tempo de degradao deles, que podem ser de 12 a 18 meses. O que facilita essa tarefa o fato de que muitos microorganismos, como fungos e bactrias que se encontram no solo, liberam algumas enzimas com capacidade de se decompor com o plstico biodegradvel, o que no ocorre com o plstico convencional. O plstico biodegradvel formado atravs de um processo

  • 58

    simples. Primeiramente feito o cultivo dessa bactria em um reator, fornecendo a ela fontes de sais minerais e carbono. Logo aps seu crescimento, o fornecimento de sais minerais interrompido mantendo-se, porm, o de carbono. Devido a falta de sais minerais, a bactria fica impossibilitada de continuar crescendo e com isso o consumo de carbono desviado na forma de grnulos internos, que formam o polister ou plstico biodegradvel. Aps esta etapa, ele extrado e empregado na produo de diversos utenslios como sacos plsticos, frascos de xampus, entre outros (RAMALHO, 2009).

    Geralmente esses plsticos se derivam de produtos vegetais e animais, entre eles esto a chitina, o amido, a celulose, etc., que existem em abundncia na natureza. Com o uso contnuo destes materiais, possvel reduzir o uso de resinas de fontes que no se renovam como o carvo, o gs natural e o petrleo. A decomposio dos plsticos biodegradveis acontece pela atividade dos microorganismos quando estes entram em contato com o solo, com a luz solar, com a umidade e o ar, diferentemente da decomposio das resinas de origem petroqumica que continuam sem alteraes por muito tempo (ABICOM, 2010).

    Existem alguns exemplos de plsticos biodegradveis que podemos citar que so: o poli hidrxi butirato (PHB), o poli hidrxi butirato-co-valerato (PHBV), o poli cido ltico (PLA), o poli cido gliclico, a policaprolactama (PCL), o politereftlato-co-adipato de butileno, os amidos termoplsticos (TPS), os filmes de zenas (protenas do milho), e a misturas entre estes materiais, as chamadas blendas. Entre todos estes, o PHB um considerado como um dos mais promissores, pois ele produzido por uma variedade de organismos, que basicamente tem a funo de ser substncia de reserva para vrios organismos, especialmente as bactrias de solo (RIPA, 2010).

    2.3.1 Aplicao Industrial

    Uma das principais reas em que os polmeros biodegradveis esto sendo aplicados e tem apresentado um vasto potencial, o agronegcio brasileiro. Alguns exemplos de aplicao desses polmeros so: filmes comestveis utilizados no consumo final de alimentos e at mesmo para cobri-los, em tubetes biodegradveis que tem utilidade na formao de mudas, entre outros (RIPA, 2010).

    A vida til das verduras, frutas e diversas hortalias est relacionada as condies externas a que elas so expostas, o que as torna dependentes deste fator determinante. Diante disso, as embalagens biodegradveis so muito teis e acabam sendo muito utilizadas, justamente na busca de conservao desses produtos aps a sua colheita. Como so consideradas novas alternativas, os pesquisadores brasileiros vm se interessando no desenvolvimento dessas novas embalagens, sendo assim, apesar das embalagens plsticas sintticas garantirem a proteo desejada para vrios tipos de produtos, as novas alternativas vem ganhando espao, visto que os plsticos sintticos prejudicam o meio ambiente (LEMOS, 2006).

    As embalagens biodegradveis so feitas a base de produtos como gelatina, amido, pectina, celuloses e outras mais, porm tem mostrado resultados variados, com isso, a viabilidade do uso desses materiais para revestir frutas, verduras e hortalias ainda dependem de estudos detalhados (LEMOS, 2006).

    De acordo com um estudo realizado por GUEDES (2007), a utilizao de biofilme de fcula de mandioca na ps-colheita de manga e tambm no cultivo de rosas armazenadas em condies ambientes, apresentaram bons resultados pois foi eficiente em retardar o amadurecimento dos frutos.

    RIPA (2010), afirma que a diferena no preo entre os plsticos biodegradveis e os plsticos tradicionais a principal desvantagem da utilizao das embalagens ecolgicas. A sugesto desses pesquisadores, que necessrio encontrar aplicaes que permitam o consumo de grandes quantidades desses materiais para resultar na reduo de seu preo, pois isso ir permitir que os plsticos biodegradveis tenham capacidade de competir economicamente no mercado, e ocorra uma mudana do panorama.

    No mundo, j esto sendo estudadas e desenvolvidas nos centros de pesquisas acadmicas e aplicadas, inmeras novas alternativas. Tendo em vista todas as vantagens que os plsticos biodegradveis proporcionam ao meio ambiente, alm dos benefcios ecolgicos, tcnicos e econmicos, fica claro que no o fator de custos que impede a aceitao e a demanda pelo uso desses materiais, e sim fatores como conscincia ecolgica, vontade pblica e legislativa (ABICOM, 2010).

  • 59

    2.3.2 Sacolas e Embalagens Retornveis

    Hoje no Brasil, so consumidos aproximadamente 33 milhes de sacolas plsticas a cada dia. Este nmero corresponde a 12 bilhes de sacolas por ano (ECOLOGICPACK, 2010). Geralmente, estes resduos so descartados sem critrio, ou seja, so despejados em aterros e lixes sem nenhum tipo de tratamento ou reciclagem. Devido a essas embalagens terem um baixo valor agregado e tambm serem muito leves, a separao individual e a reciclagem delas se torna invivel economicamente. Com isso pode-se compreender o quo importante descobrir alternativas inovadoras que sejam capazes de tomar o lugar das embalagens plsticas convencionais.

    Com o intuito de reduzir ao mximo possvel o consumo de sacolas plsticas, as eco-bags, ou seja, as sacolas retornveis esto ganhando espao no mercado. Estas sacolas esto sendo introduzidas no mercado de diversas formas e componentes h algum tempo. Quando os consumidores fazem uso dessas embalagens possvel reduzir bastante a quantidade de sacolas plsticas distribudas nos estabelecimentos comerciais e com isso tambm possvel diminuir a sua quantidade destas descartadas de forma inadequada no meio ambiente.

    Outro tipo de sacola alternativa a sacola oxibiodegradvel. Este um produto que foi desenvolvido a partir dos anos 90 por gigantes da petroqumica, como por exemplo, a Dow Chemical. Neste plstico, entra em sua composio um aditivo especial chamado D2W, este se decompe sob a ao do sol, do oxignio ou da umidade, num tempo que est entre poucos meses at cinco anos. Atualmente, este plstico j se encontra pesquisado internacionalmente e tambm nacionalmente e est demonstrando que sua decomposio em contato com o meio ambiente, ou seja, em aterros sanitrios e lixes, ocorre em aproximadamente 18 meses. Quando este plstico entra em contato com o ar, se desmancha em milhes de partculas que depois disso, sero consumidas pelos microorganismos que esto presentes no solo de lixes e no ar (FUNVERDE.COM).

    Ainda existe em desenvolvimento, outro material que tem o objetivo de ser usado em embalagens, so as embalagens de amido. Elas so feitas base de amido de mandioca e tem grande possibilidade de substituir as embalagens de poliestireno expandido (conhecido como isopor), devido a sua similaridade. A nova embalagem que biodegradvel foi desenvolvida por engenheiros da Empresa de Materiais Biodegradveis (EMB) de Botucatu SP (ROSSI et al., 2009).

    Aglomerado de bagao de mandioca o material utilizado para fabricar essas novas embalagens. obtido atravs deste invento um material termoplstico biodegradvel derivado do bagao de mandioca aglutinado com fcula de desta, so fabricados a partir desta substncia, embalagens biodegradveis atxicas que podem ser introduzidas rao de animais aps serem utilizadas (ROSSI et al., 2009). O processo consiste basicamente em se aglomerar bagao de mandioca aglutinada com uma pasta de fcula de mandioca em seu estado nativo, pr-gelatinizada ou no; na presena de um solvente a referida mistura submetida a uma fonte de calor que promove uma expanso associada a uma aglutinao entre as partculas do bagao de mandioca. O resultado da pesquisa com o amido de mandioca proporcionou a criao de trs produtos: as bandejas biodegradveis mostradas na figura 3, os tubetes de plantio orgnico que podem ser visualizados na figura 4, e o filme de amido solvel. As bandejas servem para acondicionar lanches, frios, verduras etc. Os tubetes substituem os tubos plsticos usados no plantio.

    Figura 3: Embalagens de aglomerado de mandioca.

  • 60

    Figura 4: Tubetes feitos com amido de milho para plantio de mudas de plantas.

    Um exemplo de empresa com produtos de grande aceitao popular e que investe nas alternativas ecolgicas a empresa de cosmtica Natura. Uma das idias que esto em prtica a venda do produto em refis e novas embalagens que utilizam plstico reciclado de PET, como mostra a Figura 5.

    Figura 5: Ilustrao de refis e embalagens fabricadas com plstico reciclado.

    No ramo alimentcio, podemos citar: a Spaipa, fabricante e distribuidora de produtos da Coca-Cola para o Paran e parte do interior de So Paulo e pela FEMSA, responsvel pelo engarrafamento e distribuio no restante de So Paulo e em Minas Gerais, est trocando as garrafas PET comum, pelo PET reutilizvel (Ref PET). Para isso, essas empresas aconselham os consumidores a comprarem as garrafas PET retornveis, pois apesar de pagarem pela nova embalagem, nas outras compras o consumidor ganha desconto por possuir as embalagens PET reutilizvel. Por essa atitude o consumidor ganha 15% de desconto. O segredo da Ref PET (que surgiu antes do Pet descartvel) est nas sete camadas que formam o plstico. Toda vez que volta fbrica a garrafa passa por um processo que elimina a camada interna e a externa, que so substitudas por outras, de "Pet virgem". As cinco camadas internas vo e voltam. Mas a que fica em contato com o lquido e com o exterior sempre renovada, diz Paulo Macedo, diretor de relaes externas da FEMSA. Para garantir que Pets mal utilizados no sejam usados no processo, a Spaipa comprou um equipamento chamado "sniffer" (ou cheirador), que detecta odores estranhos (lcool, produtos qumicos) e faz o descarte.

    Outro exemplo na mudana de atitude vem da marca de refrigerante H2OH, que utiliza menos plstico para sua confeco. Em uma parceria com a AMBEV, a PEPSI desenvolveu uma tecnologia que faz uma mudana no tamanho do gargalo e tampas de suas embalagens e de todas as garrafas PET de 600 mL de produtos PEPSI e AMBEV. Com isso a empresa economiza cerca de 300 toneladas de matrias-primas no primeiro ano (ROSSI et al., 2009).

    2.4 Reciclagem de Polmeros

    A falta de compatibilidade de natureza qumica de determinadas resinas que fazem parte da composio dos diferentes plsticos, representam uma dificuldade quando o assunto a reciclagem de embalagens plsticas (FORLIN & FARIA, 2002).

  • 61

    A reciclagem de embalagens plsticas est fortemente relacionada com a viabilidade econmica que necessria para implementar algumas rotas de reciclagem. O grande desafio das entidades de pesquisa, da sociedade e das empresas que fabricam as embalagens, tornar compatveis os problemas ambientais consequentes do descarte inadequado ps-consumo, e a funo intrnseca do sistema de embalagem, compatibilizando as vantagens do uso de embalagens plsticas e a sua reciclagem racional (FORLIN & FARIA, 2002).

    Quando o assunto reciclagem no segmento de embalagens plsticas, pode-se afirmar que existem basicamente duas fontes reciclveis destes materiais, so elas: o descarte ps-consumo e a fonte industrial. Alm disso, so gerados resduos durante o processo de produo industrial que so conseqentes de procedimentos aplicados na linha de produo, na laminao/converso. A principal caracterstica desses resduos a grande uniformidade dos materiais, ou das partes que so descartadas. Geralmente esse grupo de materiais formado por aparas de acabamento e materiais descartados por no estarem de acordo com as especificaes de qualidade, de projeto, entre outros mais. No entanto, de acordo com o ponto de vista empresarial, os resduos que apresentam maior valor agregado de reciclagem so os originrios da indstria, justamente por sua natureza homognea, seu grande volume e principalmente por no terem nenhuma contaminao, como o caso das embalagens de alimentos descartadas ps-consumo (FORLIN & FARIA, 2002).

    Na reciclagem, os polmeros podem ser classificados em quatro categorias: primria, secundria, terciria e quaternria. A reciclagem primria baseia-se na converso dos resduos polimricos industriais atravs de mtodos de processamento padronizados em produtos que possuem caractersticas similares as dos produtos originais fabricados com polmeros ainda virgens; como exemplo, temos as aparas que so introduzidas novamente no processo de fabricao. Na reciclagem secundria a converso dos resduos polimricos, feita com os plsticos provenientes dos resduos slidos urbanos, atravs de um processo ou uma combinao deles, em produtos que tenham um menor grau de exigncia do que os que so produzidos com polmeros virgens, por exemplo, a reciclagem de embalagens de PP com a finalidade de produzir sacos de lixo. J a categoria de reciclagem terciria corresponde a um processo tecnolgico que resulta em insumos qumicos ou combustveis derivados de resduos polimricos. Por outro lado, a recuperao de energia de resduos polimricos atravs de incinerao controlada, um processo tecnolgico e podemos classific-lo na categoria de reciclagem quaternria (FORLIN & FARIA, 2002).

    A reciclagem primria e a secundria so conhecidas como reciclagem mecnica ou fsica, o que diferencia uma da outra que na primria utiliza-se polmero ps-industrial e na secundria, ps-consumo. A reciclagem terciria tambm chamada de qumica e a quaternria de energtica (APINAC & De PAOLI, 2005).

    Na busca por reduo de custos de produo, as indstrias que produzem embalagens tem se esforado fazendo o reaproveitamento na prpria linha de produo, tentando minimizar os volumes descartveis, ou buscando de alguma forma aperfeioar e otimizar o projeto de embalagem. Com isso tambm visam atender as normas da ISO 14000, atingindo seus requisitos de qualificao. Ao venderem esses materiais diretamente para as empresas de reciclagem, auferem retorno financeiro, alm de contriburem para a reduo dos impactos causados ao meio ambiente (FORLIN & FARIA, 2002).

    A reciclagem de embalagens ps-consumo pode ser caracterizada por um baixo valor de reciclabilidade, elevado impacto sanitrio-ambiental, heterogeneidade dos materiais e, alm disso, um grande nvel de contaminao, que pode ter origem orgnica e inorgnica. De acordo com os pesquisadores, o sucesso a ser alcanado na reciclagem de embalagens descartadas ps-consumo ou mesmo as embalagens retornveis tem relao direta com fatores polticos ou socioeconmicos da populao e fatores culturais da sociedade. Deve existir a implementao de empresas recicladoras, a existncia de programas de coleta seletiva para a sociedade, de reciclagem ou integrao com as empresas recicladoras, reduo de tributao ou at mesmo iseno fiscal para comercializao de produtos reciclados (algo que deve ser feito pelas prefeituras e demais rgos), desenvolvimento de tecnologia e equipamentos compatveis para rotas de reciclagem econmicas e tecnicamente viveis, entre outras alternativas (FORLIN; FARIA, 2002).

  • 62

    2.5 Coleta Seletiva e Sustentabilidade Urbana

    No Brasil, a partir de 1990, destacam-se as primeiras iniciativas organizadas de coleta seletiva, onde havia estabelecimentos de parcerias das administraes dos municpios com catadores organizados em associaes e cooperativas para o gerenciamento e execuo dos programas. Tais parcerias tornaram-se um modelo de poltica pblica de resduos slidos gerando renda apoiada por entidades e, alm disso, a participao da sociedade. Porm, segundo pesquisas (IBGE, 2001; CEMPRE, 2006), os municpios que realizam programas de coleta seletiva, correspondem a menos de 10%. Isso ocorre devido a algumas dificuldades que os programas enfrentam na parceria com catadores organizados, que so de ordem organizacional, tcnica e econmica (RIBEIRO & BESEN, 2007).

    Reduzir os milhes de toneladas de lixo que produzimos diariamente um dos maiores desafios do sculo XXI. A presena excessiva de resduos slidos causa impacto no ambiente, afeta a sustentabilidade urbana, e a sua reduo est diretamente ligada s mudanas no padro de produo, assim como o consumo dos produtos pela sociedade. Porm, a quantidade de recursos naturais do planeta no suficiente para a produo dos bens de consumo. Assim, a utilizao sustentvel de recursos e produtos naturais uma meta a ser atingida em longo prazo. (AGENDA 21, 1997; CONSUMERS INTERNATIONAL, 1998 apud RIBEIRO & BESEN, 2007).

    A maneira de vida urbana apresenta uma variedade cada vez maior de produtos e resduos que necessitam de diferenciados tratamentos aps sua utilizao e um destino ambientalmente seguro, por isso, exigem um sistema de coleta (OPS, 2005 apud RIBEIRO & BESEN, 2007).

    A coleta seletiva basicamente a separao de materiais reciclveis em empresas, residncias, comrcio, unidades de sade e outras fontes geradoras. Tais materiais so: vidros, metais, papis, plsticos, dentre outros. importante frisar que 30% da composio do lixo domiciliar brasileiro so representados por esses materiais, que em sua maioria de composio orgnica (IBGE, 2001 apud RIBEIRO & BESEN, 2007).

    A coleta seletiva cumpre um papel estratgico na gesto integrada de resduos slidos, pois promove educao ambiental, reduzindo desperdcio; incentiva e estimula o hbito da separao do lixo na fonte geradora; promove a educao ambiental voltada para a reduo do consumo e do desperdcio; gera trabalho e renda, melhorando a qualidade da matria orgnica para a compostagem (RIBEIRO & BESEN, 2007).

    Segundo Waite (1995 apud RIBEIRO & BESEN, 2007), a coleta seletiva apresenta muitas vantagens ambientais, onde as principais so: a economia dos recursos naturais renovveis e no renovveis e a reduo do uso de matria-prima virgem; a economia de energia no reprocessamento de materiais se comparada com a extrao e produo a partir de matrias-primas virgens e da valorizao das matrias-primas secundrias, e a reduo da disposio de lixo nos aterros sanitrios e dos impactos ambientais decorrentes. Alm disso, a coleta seletiva vem incorporando gradativamente um perfil de incluso social e contribui de forma muito significativa para a sustentabilidade urbana (SINGER, 2002 apud RIBEIRO & BESEN, 2007).

    O Brasil tem hoje uma Poltica Nacional de Resduos Slidos instituda pela Lei Federal 12.305, de 2 de agosto de 2010, e regulamentada pelo Decreto Federal 7.404, de 23 de dezembro de 2010. Considerada uma vitria do Movimento Nacional dos Catadores de Materiais Reciclveis, o projeto tramitou por 20 anos no Congresso Nacional. Com isso, A partir do segundo semestre de 2012 os brasileiros podero ter regras fixas e determinadas pelo governo federal para o descarte adequado de produtos como eletroeletrnicos, remdios, embalagens, resduos e embalagens de leos lubrificantes e lmpadas fluorescentes de vapor de sdio e mercrio e de luz mista. Sendo assim, Pela lei, os governos municipais e estaduais tm dois anos de prazo para a elaborao de um plano de resduos slidos (CALDAS, 2011). A lei da Poltica Nacional de Resduos Slidos trata tambm da Logstica Reversa. A legislao determina um conjunto de aes, procedimentos e meios destinados a facilitar a coleta e o retorno dos resduos slidos aos seus geradores para que sejam tratados ou reaproveitados em novos produtos, em seu ciclo ou em outros ciclos produtivos, visando sempre a menor ou no gerao de rejeitos. Na verdade, o retorno dos resduos (agrotxicos, pilhas e baterias, pneus, leos lubrificantes, sacolas plsticas, entre outros) ps-venda e ps-consumo.

  • 63

    Isso porque hoje, o Brasil produz cerca de 180 mil toneladas de lixo por dia, das quais 40% so despejadas em aterros a cu aberto. O destino adequado do lixo um grave problema que afeta a maioria das cidades, sendo que apenas 994 dos 5.564 municpios adotam programas de coleta seletiva. No municpio de Campos dos Goytacazes/RJ a coleta seletiva existe, porm seus resultados no so significativos o suficiente para reduzir o descarte inadequado do lixo no meio ambiente. Nem todos os bairros da cidade participam da coleta seletiva, ou seja, no h uma divulgao adequada e com isso a comunidade, por falta de informao, continua sem incentivo e tambm sem alternativas para descartar seu lixo adequadamente, permanecendo assim, com seus antigos hbitos de descarte. No entando, em algumas regies do Pas est coleta realisada de maneira eficaz. Segundo dados do IBGE, a localidade que apresentou o maior nmero de municpios que realizavam coleta seletiva em 2008 a regio Sul, com 454 cidades, seguida de perto pela regio Sudeste (408 municpios); Nordeste (80 municpios) e Centro-Oeste (31 municpios). Em ltimo lugar ficou a regio Norte, com 21 municpios que realizavam coleta seletiva.

    2.6 Conscientizao Ambiental

    BUTZKE et. al., (2001 apud BERTOLINE & POSSAMAI, 2005) afirma que conscientizao ambiental compreende-se como mudana ou alterao de comportamento relacionada ao meio ambiente, da sociedade e dos indivduos em atividades da vida. primeiramente uma questo de educao.

    Segundo DIAS (1994 apud BERTOLINE & POSSAMAI, 2005), o indivduo que possui conscincia ecolgica busca utilizar de forma sustentada os recursos naturais, em outras palavras, consome o que se pode produzir, buscando no prejudicar o meio ambiente para as geraes futuras.

    Ainda de acordo com BUTZKE et. al., (2001 apud BERTOLINE & POSSAMAI, 2005), considera-se que a conscincia ambiental um conjunto de conceitos que as pessoas adquirem quando percebem informaes no ambiente. Diante dessa afirmao, correto dizer que as respostas ao meio ambiente e o comportamento ambiental so influenciados pelos conceitos observados e adquiridos nele.

    De acordo com GARCIA et. al., (2003 apud BERTOLINE & POSSAMAI, 2005), o fator determinante para que a sociedade se sensibilize e assuma um comportamento ecolgico adquirindo produtos ecologicamente corretos a conscientizao. No entanto, a cada dia os problemas ambientais se tornam mais srios, e a populao ainda no est consciente que isso se deve ao comportamento displicente do ser humano. Normalmente as pessoas no esto preocupadas com fatores simples que contribuem para essa situao, como jogar sacos plsticos no lixo, utilizar gua corrente para lavar caladas, lavar a loua com a torneira aberta, entre outras atividades. possvel minimizar alguns dos problemas enfrentados hoje pela populao, com uma mudana nesses pequenos hbitos.

    DIAS (1994 apud BERTOLINE & POSSAMAI, 2005) ainda afirma que no simplesmente vestir roupas que contenham mensagens, para ser considerado um indivduo consciente ecologicamente, mas sim reconhecer a parte de responsabilidade nos problemas ambientais que cabe a cada um e desejar encontrar solues para isso. A conscientizao ambiental tem o poder de mudar o comportamento das pessoas, e isso pode gerar timos resultados ao meio ambiente.

    Sendo assim, para mudarmos o pensamento das pessoas e torn-las consumidores conscientes ecologicamente precisamos primeiro saber e entender o que um produto ecologicamente correto.

    Tal produto todo aquele que, artesanal, manufaturado ou industrializado, de uso pessoal, alimentar, residencial, comercial, agrcola e industrial, seja no poluente, to txico e completamente benfico ao meio ambiente e sade das pessoas, contribuindo para o desenvolvimento econmico e socialmente sustentvel (ARAJO, 2003 apud BERTOLINE & POSSAMAI, 2005, p. 19).

    WALDMAN & SCHNEIDER (2000 apud BERTOLINE & POSSAMAI, 2005) dizem que podem ser considerados como produtos ecolgicos, aqueles que no causam impacto ao meio ambiente, que geram pouca ou nenhuma poluio ou tem origem de processos de reciclagem.

    No entanto, para RAPOSO (2003 apud BERTOLINE & POSSAMAI, 2005), a atitude a questo que caracteriza o consumidor ecologicamente correto. Este consumidor procura em suas compras dar

  • 64

    preferncia a produtos que no contaminam ou contaminam menos o meio ambiente, e apia as empresas que investem na preservao do mesmo.

    J para CALZADA (1998 apud BERTOLINE & POSSAMAI, 2005) o consumidor ecologicamente correto est sempre bem informado e ambientalmente conscientizado. Ele sabe exatamente o que quer. Quando vai fazer suas compras, ele se atenta na escolha dos produtos, procurando selos de certificao nos rtulos, se interessa em conhecer a origem dos produtos, de que forma foi produzido e as garantais que ele oferece. Procura sempre evitar alimentao industrializada e questiona quando produtos orgnicos no possuem embalagens biodegradveis.

    Diante dos conceitos dos autores, percebe-se que o fator fundamental para a mudana de atitudes do indivduo em relao aos problemas ambientais a conscincia. Portanto, de extrema importncia investir em programas de reciclagem e coleta seletiva, e principalmente incentivar a sociedade a contribuir para o sucesso deles, e conseqentemente minimizar os danos ao meio ambiente. importante que as pessoas compreendam que os mais beneficiados com essa mudana de hbito, so eles mesmos.

    2.7 Sustentabilidade

    O desenvolvimento sustentvel pode ser considerado como um modelo econmico, social, poltico, cultural e ambiental equilibrado, que tem o objetivo de suprir as necessidades das geraes do mundo atual de forma que as geraes futuras, no sejam prejudicadas na capacidade de suprir as suas necessidades. Diante dessa afirmao, o desenvolvimento sustentvel busca configurar a populao e suas atividades, de tal forma que ela, ou seus membros com suas economias possam satisfazer as suas necessidades expressando no presente o seu maior potencial, e buscando junto com isso preservar os ecossistemas naturais e a biodiversidade, agindo e planejando da forma correta para atingir pr-eficincia na manuteno desses ideais (JACOBI, 2003).

    Segundo Pedro JACOBI (2003), o problema relacionado a sustentabilidade neste novo sculo, tem assumido um papel central na reflexo sobre as dimenses deste, e em todas as alternativas configuradas sobre este assunto. Os impactos gerados pelos seres humanos ao meio ambiente tm gerado conseqncias mais complexas a cada dia, tanto em termos qualitativos quanto em quantitativos, isso o que revela o quadro socio-ambiental que caracteriza as sociedades de tempos em tempos.

    Quanto ao desenvolvimento sustentvel, podemos dizer que mesmo sendo altamente desejvel, ele um objetivo a ser atingido no longo prazo, pois seu alcance dependente em grande parte das mudanas introduzidas nas formas como produzimos atualmente e tambm na forma de consumo de bens. Diante disso, podemos afirmar que a busca por condies favorveis, ou seja, condies sustentveis para o meio ambiente uma responsabilidade de consumidores e tambm de produtores (MANZINI & VEZZOLI, 2002 apud DIAS & MOURA, 2007). Quando o objetivo a sustentabilidade, torna-se difcil separar a atividade de consumo da atividade de produo (RIBEMBOIM, 1999 apud DIAS & MOURA, 2007).

    Existem diversos obstculos atualmente que impedem o avano para uma sociedade sustentvel, visto que existe um grau de conscincia restrito da populao em relao ao modelo de desenvolvimento que tem sido utilizado. Pode-se ento afirmar que as agilidades ecologicamente predatrias so provocadas por causas bsicas, que so atribudas ao sistema de informao e comunicao, aos valores que a sociedade adota e as instituies sociais. Isso deixa claro que existe a necessidade de estimular a sociedade a ter uma participao mais ativa no debate dos seus destinos, e estabelecer com isso, um conjunto de problemas, objetivos e solues com uma viso social. Dessa forma, a mudana no acesso informao e transformaes institucionais o caminho que se deve percorrer, pois eles geram acessibilidade e transparncia na gesto (JACOBI, 2003).

    necessrio fortalecer a importncia de assegurar padres ambientais corretos e adequados, medida que se podem observar dificuldades de se manter a qualidade de vida nas cidades e regies. Tambm de grande importncia estimular a conscincia ambiental crescente da populao, orientada para o desenvolvimento sustentvel e focada no exerccio da cidadania, na reformulao de valores ticos e morais, individuais e coletivos (JACOBI, 2003).

  • 65

    3. CONSIDERAES FINAIS

    O maior desafio incentivar o consumo consciente destes produtos, pois a sociedade consumista. Sendo assim, necessrio mudar este quadro de insustentabilidade existente no planeta, e para isso evitar o uso desnecessrio de sacolas plsticas se torna fundamental. Em todas as suas dimenses o consumo sustentvel uma meta mundial, a ser alcanada e que pode comear com pequenas mudanas de hbitos, como o uso de sacolas retornveis. Essa mudana de atitude no cotidiano pode significar muito, pois a quantidade do uso de sacolas demonstra a magnitude do impacto negativo acumulado pela populao humana ao longo dos anos.

    4. ANEXO

    4.1. Dica de substituio

    O saquinho de jornal tem inspirao no origami e cabe perfeitamente nos lixinhos convencionais, ele mantm a lixeira limpa, facilita na hora de retirar o lixo e faclimo de fazer s leva 20 segundos para mont-lo.

    Aprendendo a fazer

    1) Tudo no origami comea com um quadrado, ento faa uma dobra para marcar, no sentido vertical, a metade da pgina da direita e dobre a beirada dessa pgina para dentro at a marca. Voc ter dobrado uma aba equivalente a um quarto da pgina da direita, e assim ter um quadrado.

    2) Dobre a ponta inferior direita sobre a ponta superior esquerda, formando um tringulo, e mantenha sua base para baixo.

  • 66

    3) Dobre a ponta inferior direita do tringulo at a lateral esquerda.

    4) Vire a dobradura de barriga para baixo, escondendo a aba que voc acabou de dobrar.

    5) Para fazer a boca do saquinho, pegue uma parte da ponta de cima do jornal e enfie para dentro da aba que voc dobrou por ltimo, fazendo-a desaparecer l dentro.

    6) Sobrar a ponta de cima que deve ser enfiada dentro da aba do outro lado, ento vire a dobradura para o outro lado e repita a operao.

  • 67

    7) Se tudo deu certo, essa a cara final da dobradura:

    8) Abrindo a parte de cima, eis o saquinho!

    9) s encaixar dentro do seu cestinho e parar pra sempre de jogar mais plstico no lixo!

    10 ) Pronto!

    Uma alternativa criativa que voc pode fazer em casa e contribuir com a preservao do meio ambiente.

  • 68

    5. REFERNCIAS

    ABICOM. Plsticos Biodegradveis - O que so? Disponvel em: . Acesso em: 18 set. 2010.

    CALDAS, A. L. Apenas 8% dos municpios fazem a coleta seletiva de lixo Agncia Brasil. 2011. http://agenciabrasil.ebc.com.br/noticia/2011-05-08/apenas-8-dos-municipios-fazem-coleta-seletiva-de-lixo

    AGENDA 21. Conferncia das Naes Unidas sobre meio ambiente e desenvolvimento. So Paulo: Secretaria de Estado do Meio Ambiente, 1997.

    ALMEIDA, S. R.; Vianna, N. H.; Lisboa, T. C.; Bacha, M. L.. Meio Ambiente e Sacolas Plsticas: a atitude do cliente do varejo na cidade de So Paulo. In: SEGET, Dom Bosco. Vol. 1, p. 1-15, 2008. Disponvel em: . Acesso em: 15 out. 2010.

    ALVES, M. S. Obteno e Caracterizao de Biofilmes de Gelatina: Obteno e Caracterizao de Biofilmes de Gelatina. Piracicaba: Unimep. p.1-7. 2007. Disponvel em: . Acesso em: 15 out. 2010.

    BERTOLINI, G. R. F.; POSSAMAI, O. Proposta de Instrumento de Mensurao do Grau de Conscincia Ambiental, do Consumo Ecolgico e dos Critrios de Compra dos Consumidores. Cincia & Tecnologia, So Paulo, vol. 13, n. 25/26, p.17-25, 01 jan. 2005.

    BOSCO, Jair. Reuso do Plstico Para Preservao do Solo. Disponvel em:. Acesso em: 13 dez. 2010.

    CAMARA. Comisso Especial da Poltica Nacional de Resduos: Destinada a apreciar e proferir parecer ao Projeto de Lei n 203, de 1991, e apensados. Disponvel em: . Acesso em: 21 out. 2010.

    CEMPRE Compromisso Empresarial para a Reciclagem. Reciclagem e Negcios Plstico

    Granulado. CEMPRE, So Paulo, 1998.

    DIAS, S. L. F. G.; MOURA, C. Consumo Sustentvel: muito alm do consumo verde. In: ENANPAD, 31, 2007, Rio De Janeiro. ENCONTRO DA ANPAD. Rio De Janeiro: Anpad,. p. 01 - 12. 2007.

    DOCSTOC. Polmeros: o problema da poluio e do lixo. Disponvel em: . Acesso em: 03 mar. 2010.

    DOTY, L. F. Uma Breve Viso Geral sobre Plsticos. Oxo-biodegradable Plastics Institute, Canad, p.01-11, 15 jan. 2005. Disponvel em: . Acesso em: 13 mar. 2010.

    ECOLOGICPACK. Nossa Empresa e Nossa Poltica. Disponvel em: . Acesso em: 18 set. 2010.

    ESTOCOLMO, Sndrome De. Sacolas Plsticas Banidas na China... e o Brasil? Disponvel em: . Acesso em: 19 set. 2010.

    FORLIN, F. J.; FARIA, J. A. F. Consideraes Sobre a Reciclagem de Embalagens Plsticas. Polimros: CINCIA E TECNOLOGIA, Campinas, vol. 12, n. 1, p.01-10, 01 dez. 2002.

    FUNVERDE. O plstico oxi-biodegradvel pode amenizar o problema da poluio plstica em Bambu? MG e tambm no planeta. Disponvel em: . Acesso em: 15 set. 2010.

  • 69

    GUEDES, P. A. Utilizao de Biofilme comestvel na conservao ps-colheita de manga, cv. rosa. 2007. 69f. Dissertao (Mestrado em Agronomia) Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, Vitria da Conquista, 2007.

    IBGE INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATSTICA. Pesquisa Nacional de Saneamento Bsico 2001. Rio de Janeiro, 2001.

    IBGE- INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATSTICA. 17,8% das cidades fazem coleta seletiva do lixo- 2010. Rio de Janeiro, 2010.

    JACOBI, P. Educao Ambiental Cidadania e Sustentabilidade. Cadernos de Pesquisa, So Paulo, n.118, p.189-205, 01 mar. 2003.

    JUSBRASIL. Lei n 5502, de 15 de julho de 2009 do Rio de Janeiro. Disponvel em: . Acesso em: 21 out. 2010.

    KISHIMOTO, A; OKA, T.; YOSHIDA, K.; NAKANISHI, J. Cost effectiveness of reducing dioxin emissions from municipal solid waste incinerators in Japan. Environ. Science and Technology. 35, 2861. 2001.

    LEMOS, O. L. Utilizao de Biofilmes Comestveis na Conservao Ps-colheita do Pimento. 2006. 99 f. Dissertao (Mestrado em Agronmia) - Universidade Estadual do Sudoeste Da Bahia, Vitria da Conquista, 2006. Disponvel em: . Acesso em: 21 out. 2010.

    LIMA, . M. F. Estudo da Cadeia Produtiva do Polietileno Tereftalato (pet): na regio metropolitana de salvador como subsdio para anlise do ciclo de vida. 2001. 94f. Monografia (Curso de Especializao em Gerenciamento e Tecnologias Ambientais na Indstria), Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2001. Disponvel em: . Acesso em: 01 out. 2010.

    MANZANO, A. B. Distribuio, taxa de entrada, composio qumica e identificao de fontes de grnulos plsticos na Enseada de Santos, SP, Brasil. 2009. 124f. Dissertao (Mestrado em Cincias, rea de Oceanografia Biolgica) - Universidade de So Paulo Instituto Oceanogrfico, So Paulo, 2009.

    MONTERREY, E. S.; SOBRAL, P. J. A. Caracterizao de propriedades mecnicas e ticas de biofilmes a base de protenas miofibrilares de tilpia do nilo usando uma metodologia de superfcie-resposta. Cincia e Tecnologia de Alimentos, Campinas, vol. 19, n. 2, May 1999 . Disponvel em . Acessado em 15 de Outubro de 2010.

    MOTTA, S. R.; SAYAGO, D. E. Propostas de instrumentos econmicos ambientais para a reduo de lixo urbano e reaproveitamento de sucatas no Brasil. IPEA Rio de Janeiro, 1998.

    RAMALHO, M. Plsticos Biodegradveis Proveniente da Cana-de-aucar. 2009. 45 f. Dissertao (1) - Curso de Tecnologia de Produo com nfase em Plsticos, Faculdade de Tecnologia da Zona Leste, So Paulo, 2009. Disponvel em: . Acesso em: 03 out. 2010.

    RIBEIRO, H.; BESEN, G. R. Panorama da Coleta Seletiva no Brasil: desafios e perspectivas a partir de trs estudos de caso. Interfacehs: Revista de Gesto Integrada em Sade do Trabalho e Meio Ambiente, So Paulo, vol. 2, n.4, p.01-18, 01 ago. 2007. Disponvel em: ttp://www.interfacehs.sp.senac.br/br/artigos.asp?ed=4&cod_artigo=65>. Acesso em: 15 maio 2011.

    RIPA. Plsticos Biodegradveis. Disponvel em: . Acesso em: 11 out. 2010.

    RZ, Alessandra Luzia Da. O futuro dos plsticos: biodegradveis e fotodegradveis. So Carlos: Usp, Polmeros: Cincia e Tecnologia, vol. 13, n. 4, 2003. Disponvel em: .

  • 70

    Acesso em: 26 set. 2010.

    SCRIBD. BIOPOLMEROS. Disponvel em: . Acesso em: 03 out. 2010.

    SEGURANA, Frum De. Plsticos biodegradveis. Disponvel em: < http://www.forumdaseguranca.com/forum/viewtopic.php?p=16991&sid=ac03a366d2d1e6b755b714b056379632>. Acesso em: 21 out. 2010.

    SIMPLAST. PLSTICO: O QUE PLSTICO? Disponvel em: . Acesso em: 06 abr. 2010.

    SPINAC, M. A. S.; DE PAOLI, M. A. A tecnologia da reciclagem de polmeros. Qumica Nova, vol.28, n.1, pp. 65-72, So Paulo Jan./Feb. 2005.

    TIGREIRO, A. A farra dos sacos plsticos. Disponvel em: . Acesso em: 18 out. 2010.

    ________________. Municpios brasileiros devem se adequar s novas leis para a prtica da coleta seletiva. http://www.soartigos.com/artigo/10814/Municipios-brasileiros-devem-se-adequar-as-novas-leis-para-a pratica-da-coleta-seletiva/.