Same Material

  • View
    224

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of Same Material

  • 8/3/2019 Same Material

    1/29

    SISTEMA DE ARQUIVOS MDICOS E ESTATTICOS: Um estudo descritivo como

    referncia bsica implantao e a operacionalizao1.

    PAULA REGINA CAMPAGNOLLI2.

    RESUMO

    O presente artigo tem como objetivo, analisar os procedimentos que foram adotados naimplantao dos SAMEs, atravs da pesquisas de campo e anlise de interpretao,observao participativa, descritiva e bibliografia especializada para setor. Descrevendo deforma didtica a sistematizao dos procedimentos, para a implantao e operacionalizao

    de um SAME, na administrao hospitalar. Nessa pesquisa d-se nfase ao trabalho nohospital, dentro do setor SAME (Servio de arquivo mdico e Estatstico) procurandomostrar suas atribuies, sua importncia, aplicando tcnicas de OSM (Organizao,Sistemas e Mtodos) e propor uma reengenharia no setor e mtodos no desenvolvimentoda atividade.

    PALAVRAS CHAVES: SAME. Arquivos. Estatsticas. Sistemas de Informao.

    INTRODUO

    O ser humano, com o desenvolvimento e evoluo da escrita e da vida social,

    passou a compreender melhor a importncia da informao e conseqentemente, o valor

    dos documentos. Desse modo, comeou a guardar as documentaes relacionadas s

    atividades do dia-a-dia de diversos suportes como: poltica, religio, sociedade, economia,

    entre outras. Sugiram ento os arquivos, que tinham como objetivo primordial a conservao

    e o armazenamento dos documentos com o intuito atestar a legalidade e a pesquisa de

    informaes.

    Em 1943 os arquivos mdicos no Brasil eram separados da estatstica e a partir

    desse ano reformulou-se a estatstica hospitalar. Com isso criou-se a centralizao

    desses setores e registro geral e num nico rgo nasceu o Servio de Arquivos

    Mdicos e Estatstica (SAME), tornando-se a memria do hospital para muitos pulso

    do hospital. A partir desses trabalhos muitas instituies passaram a usar esses

    1 Artigo Cientfico apresentado como requisito avaliativo de concluso do Curso de Administrao de Empresas

    rural e Urbana da Faculdade Interamericana de Porto Velho-UNIRON sob a orientao do Professor Me. SrgioRodrigues Alves.

    2Graduanda do Curso de Administrao de Empresas Rural e Urbana. 8 Perodo Noturno.

  • 8/3/2019 Same Material

    2/29

    2

    servios, obtendo assim excelentes resultados, permitindo avaliar o padro da qualidade

    hospitalar.

    Em 1987, nos Estados Unidos, o Hospital geral de Massachussets, comeou aarquivar dados clnicos, tornando-se o primeiro hospital a organizar um Servio de

    Arquivo Mdico Estatstico.

    No Brasil, o primeiro hospital a implantar o servio foi Hospital das Clnicas da

    Universidade de So Paulo, em 1943, pela Dr.. Loudes de Freitas Carvalho.

    O principal motivo em ter um arquivo, atender administrao nas vrias

    atividades de acordo com as necessidades de pesquisa tcnica, administrativa e

    financeira, estando aptos ao atendimento, s consultas internas e externas de maneira

    rpida e precisa.

    Independente do tipo de arquivo que se deseja trabalhar e da organizao, deve-

    se primeiro conhecer a empresa, verificar as necessidades, a hierarquia e identificar os

    setores existentes, com o objetivo de determinar os tipos de documentos e seu fluxo na

    organizao.

    Qualquer organizao pblica ou privada, com mais de dois anos de existncia,

    convive com o dilema do que fazer com a documentao acumulada no decorrer de

    suas funes.

    1 TEMA

    Sistemas de arquivos mdicos e estatsticos.

    2 DELIMITAAO DO TEMA

    Um estudo descritivo como referncia implantao e operacionalizao.

    3 PROBLEMTICA

    Aps breve reviso de literatura, observou-se modesta existncia de material

    bibliogrfico e/ou similares sobre o tema supra delimitado.

  • 8/3/2019 Same Material

    3/29

    3

    Ocorrem recorrentes indagaes sobre a realidade operacional da instituio,

    que dentre outras, ser a base principal para coleta de dados deste estudo.

    Destacando-se:

    O POP - Procedimento Operacional Padro - o correto?

    H alguma referncia ou roteiro a seguir?

    Cabe salientar que, num levantamento preliminar informal feito por esta

    acadmica, pde-se perceber que as perguntas-problemas apresentadas acima so

    comuns a outras instituies. Contudo, respond-las coube propriamente pesquisacujos resultados so expostos neste artigo.

    4 HIPTESES

    Supe-se que as implantaes de SAME - Servio de Arquivos Mdicos

    Estatsticos, nos Hospitais de Porto Velho RO, no foram norteadas por instrumentos

    e competncias como PDSI - Plano Diretor de Sistema de Informao, como tambm

    ferramentas de OSM - Organizao de Sistemas e Mtodos, ensejando os

    questionamentos que foram apresentadas na problemtica.

    5 OBJETIVOS

    5.1. Geral

    Analisar os procedimentos que foram adotados na implantao dos

    SAMEs, em Porto Velho, bem como sua rotina operacional atual.

    5.2. Especfico

    Aplicar tcnicas de OSM e propor uma reengenharia no setor (ou no

    hospital onde fez-se a observao participativa?). Tal reengenharia ser norteada

    por instrumento como PDSI.

    Descrever de forma didtica a sistematizao dos procedimentos para

    implantao e operacionalizao de um SAME, objetivando servir como modesta

  • 8/3/2019 Same Material

    4/29

    4

    referncia a acadmicos e profissionais da rea, ou seja, gerar material

    bibliogrfico.

    6 JUSTIFICATIVA

    O presente estudo justifica pesquisas que venham expor sobre os sistemas de

    arquivos mdicos e estatsticos, visto que, por mais que as organizaes tenham

    seguido as regras da ANS - Agncia Nacional de Sade, h ainda uma preocupao

    sobre pronturios do paciente.

    Da a necessidade de ser feita uma reengenharia em busca de constante

    atualizao e novas tecnologias para a implantao do pronturio eletrnico. Desse

    modo, haveria um banco de dados em prontido da instituio e/ou de quem necessitar

    das informaes do mesmo, como por exemplo, o atendimento solicitao de cpias

    de pronturios ficaria mais fcil e acessvel, com mais segurana e rapidez,

    principalmente, na elaborao das estatsticas.

    7 METODOLOGIA

    Caractersticas e moldes que nortearam a pesquisa:

    Delineamento da Pesquisa:

    Descritiva;

    Terico-emprico.

    Coleta de dados:

    Observao direta e participativa no Hospital 9 de Julho - Porto Velho

    RO (vide autorizao da instituio no apndice);

    Aplicao de Entrevistas em Hospitais de Porto Velho RO (conforme

    critrios de seleo).

    Instrumento de coleta de dados nas entrevistas:

    Formulrio (vide apndice)

    Critrio de Seleo de Instituies:

  • 8/3/2019 Same Material

    5/29

    5

    Hospitais pblicos ou privados na rea urbana da cidade de Porto Velho,

    constantes no Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Sade,

    excetuando-se maternidades e servios de pronto atendimento. Incluiu-se

    ainda: Hospital da guarnio que no conta no cadastro CNS, pois umainstituio militar.

    Critrio de Seleo dos Entrevistados:

    Em ordem de prioridade de contato: administrador; responsvel pelo

    SAME; responsvel pela Informtica do hospital. Quando no houve

    possibilidade de aplicar a entrevista a algum dos descritos anteriormente,

    consideramos como critrio de excluso.

    Anlise e interpretao dos dados:

    OObbttiiddooss eemm oobbsseerrvvaaoo ddiirreettaa ee ppaarrttiicciippaattiivvaa::

    Adotou-se o mtodo comparativo com a bibliografia especializada para

    SAME, e, por conseguinte, descritivo para que possa servir como

    referncia no apenas crtica, mas tambm didtica.

    OObbttiiddooss eemm eennttrreevviissttaass::

    QQuueesstteess aabbeerrttaass- o mtodo foi a Anlise do Discurso.

    QQuueesstteess ffeecchhaaddaass- usou-se o mtodo quantitativo simples.

    8 REFERENCIAL TERICO

    A partir da II Guerra Mundial, com o avano da cincia e tecnologia, a produo

    dos documentos cresceu em nveis muito elevados que superam em muito a capacidade

    de controle e organizao das empresas que se viram foradas a desenvolver trabalhose buscar solues para a gesto destes acervos acumulados.

    Sero abordadas a seguir, algumas definies sobre termos de documentaes

    deparadas no dia-a-dia e que so fundamentais para a organizao, no focado

    somente em sistemas, mas tambm nos processos bsicos que sero definidos para

    que possibilite qualquer implantao gradativa de tcnicas de arquivos.

    8.1 Plano diretor de sistemas de informao

  • 8/3/2019 Same Material

    6/29

    6

    O plano diretor de Sistemas de Informao representado por um conjunto de

    decises, para determinado perodo futuro, coordenado com o planejamento geral da

    empresa. (BIO, 1985, p.142)

    O mesmo autor acima citado, apresenta algumas respostas que obteve em um

    seminrio sobre sistemas realizado em So Paulo :

    Sistema de informao representado pelo conjunto de relatrios,normalmente produzido por um departamento de informtica, que (comeste outro nome) administra os recursos de processamento de dadoscapazes de receber os dados das vrias reas da empresa etransform-los em informaes teis para a gerncia.Processo pelo qual as informaes percorrem a estrutura formal.

    (Idem: 24)

    Atualmente, toda empresa necessita de dados gerenciais e operacionais para

    administrar seus negcios. Para a elaborao de uma empresa, necessrio fazer um

    plano de negcios. No caso da implantao de um sistema dentro da empresa,

    importante ter um plano diretor para haver um direcionamento, verificar a viabilidade,

    custos, normas e metodologias a serem analisados no momento em que estiver

    desenvolvendo o plano para a melhoria dos Sistemas de

Search related