São Paulo, 120 (14) Diário Ofi cial Poder Executivo - Seção ... ?· 16. Ações judiciais eleitorais.…

  • Published on
    20-Nov-2018

  • View
    212

  • Download
    0

Embed Size (px)

Transcript

  • 42 So Paulo, 120 (14) Dirio Ofi cial Poder Executivo - Seo I quinta-feira, 21 de janeiro de 2010

    6. Considera-se sem condies financeiras para suportar a taxa de inscrio o candidato cuja renda seja igual ou inferior a 2 (dois) salrios mnimos.

    7. O candidato gozar da iseno mediante a juntada de documento idneo de comprovao de sua renda, com o reque-rimento de sua inscrio preliminar.

    8. O deferimento da inscrio preliminar poder ser revisto pela Comisso se for verificada a falsidade de qualquer declara-o ou de documento apresentado.

    9. Ser automaticamente eliminado do concurso, em qual-quer fase, o candidato que, na inscrio, tenha utilizado documento material ou ideologicamente falso para a obteno da iseno de taxa ou utilizao de reserva de vaga de pessoa deficiente, sem prejuzo das sanes legalmente cabveis.

    10. Os candidatos que se inscreveram no 86 Concurso de Ingresso na Carreira do Ministrio Pblico 2008 esto dispensados da apresentao dos documentos mencionados nas alneas b e c do item 3, desde que no requerimento da nova inscrio conste expressamente pedido nesse sentido, com indicao do nmero da inscrio anterior (modelo no final).

    11. ATENO: A PRIMEIRA RELAO DOS CANDIDATOS INSCRITOS PRELIMINARMENTE, QUE SER PUBLICADA NO DIRIO OFICIAL DO EXECUTIVO - SEO I, NO DEFINITIVA. SER PUBLICADA DENTRO DE TRINTA DIAS NOVA RELAO, CONTENDO OS NOMES DOS CANDIDATOS HABILITADOS PROVA PREAMBULAR E OS NOMES DAQUELES COM INSCRIO IRREGULAR.

    E, para que chegue ao conhecimento dos interessados, expedido o presente Aviso, que ser publicado pela Imprensa Oficial do Estado.

    MODELO DE REQUERIMENTO PARA INSCRIO PRE-LIMINAR

    Excelentssimo Senhor Presidente da Comisso do 87 Con-curso de Ingresso na Carreira do Ministrio Pblico do Estado de So Paulo

    ............................................................................ (nome completo), .................................... (estado civil), RG n .................................., CPF n .................... , ...................................................... (profisso), filho de ............................................... (nome do pai) e de ......................................... (nome da me), nascido em .... (dia) de .................... (ms) de ......(ano), na cidade de ..............................................., Estado de ............................., resi-dente ........................................................(logradouro), n......., apto. .......................... (bairro), em .........................(cidade), .... (Estado da Federao), CEP ......................., telefone n .........................., com endereo profissional ........................................................... (logradouro), n ......, cj. ...., .......................... (bairro), em .........................(cidade), .... (Estado da Federao), CEP ......................., telefone n .........................., formado pela ............................................................................................................. (nome da faculdade), tendo colado grau em ..... (dia) de ......... (ms) de ..... (ano), vem requerer a Vossa Excelncia inscrio preliminar no 87 Concurso de Ingresso na Carreira do Ministrio Pblico do Estado de So Paulo, seguindo em anexo a documentao exigida.

    Termos em quePede deferimento.So Paulo, ...... de .................. de 2010._________________________________________(ASSINATURA)SOMENTE PARA CANDIDATOS COM INSCRIO ANTE-

    RIORRequer, ainda, que sejam aproveitados os documentos

    apresentados quando de sua inscrio no 86 Concurso de Ingresso na Carreira do Ministrio Pblico 2008 (inscrio n ...................).

    SOMENTE PARA CANDIDATOS COM DEFICINCIADeclaro ser portador de deficincia, cuja natureza e grau de

    incapacidade consistem no seguinte (especificar): ..............................., conforme relatrio mdico detalhado e recente anexo (indicando a espcie e o grau ou nvel de deficincia de que portador, com expressa referncia ao cdigo correspondente da Classificao Internacional de Doenas (CID) e a sua provvel causa de origem bem como seu enquadramento segundo as disposies dos artigos 3 e 4, do Decreto n 3.298/99).

    SOMENTE PARA CANDIDATOS QUE NO DISPEM DE CONDIES FINANCEIRAS PARA SUPORTAR A TAXA DE INSCRIO

    Declaro sob as penas da lei, que no tenho condies de pagar a taxa de inscrio em razo de minha renda no ultrapas-sar o valor correspondente a 2 (dois) salrios mnimos, conforme documento idneo de comprovao anexo.

    REGULAMENTO DO CONCURSO PBLICO DE INGRESSO NA CARREIRA DO MINISTRIO PBLICO DO ESTADO DE SO PAULO

    (Aprovado pelo Ato Normativo n 600-PGJ-CPJ, de 30 de julho de 2009, com a redao dada pelo Ato Normativo n 627-PGJ-CPJ, de 20 de janeiro de 2010)

    CAPTULO IDISPOSIO PREAMBULARArt. 1 - O ingresso na carreira do Ministrio Pblico, que se

    inicia no cargo de Promotor de Justia Substituto, far-se- aps concurso pblico de provas e ttulos, cuja realizao obedecer ao disposto neste Regulamento, com prazo de validade de dois anos, a contar da homologao, prorrogvel uma vez por igual perodo.

    Pargrafo nico - As atribuies e tarefas essenciais do cargo de Promotor de Justia Substituto encontram-se definidas nas Leis Orgnicas Nacional do Ministrio Pblico (Lei n 8.625, de 12/02/1993) e do Ministrio Pblico de So Paulo (Lei Com-plementar n 734, de 26/11/1993), e especificadas no Manual de Atuao Funcional dos Promotores de Justia do Estado de So Paulo (Ato n 168/98-PGJ-CGMP, de 21 de dezembro de 1998).

    CAPTULO IIDOS REQUISITOS DE INGRESSOArt. 2 - So requisitos para o ingresso na carreira:I ser brasileiro;II ter concludo o curso de bacharelado em Direito em

    escola oficial ou reconhecida;III haver exercido por 3 (trs) anos, no mnimo, atividade

    jurdica;IV estar quite com o servio militar;V estar no gozo dos direitos polticos;VI gozar de boa sade, fsica e mental;VII ter boa conduta social e no registrar antecedentes

    criminais incompatveis com o exerccio da funo. 1 - Os requisitos dos incisos I e II deste artigo sero com-

    provados pelos candidatos por ocasio da inscrio preliminar. 2 - Os requisitos dos incisos III, IV, V e VII deste artigo

    sero comprovados pelos candidatos classificados para a prova oral, por ocasio da inscrio definitiva.

    3 - O requisito do inciso VI deste artigo ser comprovado pelos candidatos aprovados no concurso de ingresso, nos termos da Lei Complementar Estadual n 734, de 26 de novembro de 1993, e deste Regulamento.

    4 - Considera-se atividade jurdica, desempenhada exclusivamente aps a obteno do grau de bacharel em Direito:

    I o efetivo exerccio de advocacia, inclusive voluntria, com a participao anual mnima em 5 (cinco) atos privativos de advogado, em causas ou questes distintas;

    II o exerccio de cargo, emprego ou funo, inclusive de magistrio superior, que exija a utilizao preponderante de conhecimentos jurdicos;

    III o exerccio de funo de conciliador em tribunais judiciais, juizados especiais, varas especiais, anexos de juizados especiais ou de varas judiciais, assim como o exerccio de media-o ou de arbitragem na composio de litgios, pelo perodo mnimo de 16 (dezesseis) horas mensais e durante 1 (um) ano.

    IV o exerccio de funo de estagirio prorrogado nos termos do pargrafo nico, do artigo 76, da Lei Complementar

    12.7. Condutas vedadas aos agentes pblicos em campa-nhas eleitorais;

    12.8. Captao irregular de sufrgio;12.8.1. Inqurito civil eleitoral.13. Atos preparatrios votao.14. Processo de votao.15. Apurao eleitoral.15.1. Diplomao;15.2. Recurso contra expedio de diploma;15.3. Realizao de novas eleies e convocao do segun-

    do colocado.16. Aes judiciais eleitorais.16.1. Representaes;16.2. Ao de impugnao de registro de candidatura;16.3. Ao de investigao judicial eleitoral por abuso de

    poder;16.4. Ao por captao irregular de sufrgio;16.5. Ao por captao ou gasto ilcito de recursos para

    fins eleitorais;16.6. Ao de impugnao de mandato eletivo.17. Recursos eleitorais.18. Crimes eleitorais.18.1. Princpios constitucionais aplicveis aos crimes elei-

    torais;18.2. Crimes eleitorais puros ou especficos;18.3. Crimes eleitorais acidentais;18.4. Crimes cometidos no alistamento eleitoral;18.5. Crimes cometidos no alistamento partidrio;18.6. Crimes eleitorais em matria de inelegibilidades;18.7. Crimes eleitorais na propaganda eleitoral;18.8. Corrupo eleitoral;18.9. Coao eleitoral;18.10. Crimes eleitorais na votao;18.11. Crimes eleitorais na apurao;18.12. Crimes eleitorais no funcionamento do servio

    eleitoral;18.13. Crimes eleitorais que podem ser cometidos em qual-

    quer fase do processo eleitoral;18.14. Crimes eleitorais e sanes penais.19. Processo penal eleitoral.19.1. Priso e perodo eleitoral;19.2. Competncia, conexo e continncia em matria

    eleitoral;19.3. Medidas despenalizadoras;19.4. Ao penal eleitoral;19.5. Recursos.XII LNGUA PORTUGUESA:1. Interpretao de textos.2. Ortografia.3. Acentuao, Crase e Pontuao.4. Sintaxe de Concordncia Verbal e Nominal.5. Vcios e Figuras de Linguagem.Art. 2 - Este Ato entra em vigor na data de sua publicao,

    revogadas as disposies em contrrio.So Paulo, 20 de janeiro de 2010Fernando Grella VieiraProcurador-Geral de JustiaPresidente do Colgio de Procuradores de JustiaAvisos de 20/01/2010n 031/2010 PGJ O Procurador-Geral de Justia, no uso de suas atribuies

    legais, AVISA que, nos termos da deciso proferida no Protoco-lado n 9.097/2010, foi determinada a republicao do Edital do 87 Concurso de Ingresso na Carreira do Ministrio Pblico do Estado de So Paulo, a reabertura do prazo de inscries e a manuteno das inscries j efetuadas.

    n 032/2010 PGJ87 CONCURSO DE INGRESSO NA CARREIRA DO MINIST-

    RIO PBLICO 2010O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIA DO ESTADO DE SO

    PAULO, no uso de suas atribuies, AVISA que se achar aber-to, a partir de 22 de janeiro at 22 de fevereiro de 2010, nos termos dos artigos 122 e seguintes da Lei Complementar Estadual n 734, de 26 de novembro de 1993 (Lei Orgnica do Ministrio Pblico de So Paulo), e do regulamento publicado ao final deste aviso, o 87 CONCURSO DE INGRESSO NA CARREIRA DO MINISTRIO PBLICO DO ESTADO DE SO PAULO, para provimento de 75 (setenta e cinco) cargos de Promotor de Justia Substituto, que sero oportunamente espe-cificados (artigo 125 da Lei Complementar Estadual n 734). Dos referidos cargos, 5% (cinco por cento) ficam reservados s pes-soas com deficincia (artigo 123 da Lei Complementar Estadual n 734), observando-se o disposto dos 1 ao 11 do artigo 4 do aludido regulamento.

    1. So requisitos para ingresso na carreira (Lei Complemen-tar Estadual n 734, de 26 de novembro de 1993, art. 122, 3):

    I ser brasileiro;II ter concludo o curso de bacharelado em Direito, em

    escola oficial ou reconhecida;III haver exercido por 3 (trs) anos, no mnimo, atividade

    jurdica;IV estar quite com o servio militar;V estar no gozo dos direitos polticos;VI gozar de boa sade, fsica e mental;VII ter boa conduta social e no registrar antecedentes

    criminais incompatveis com o exerccio da funo.2. As inscries preliminares sero recebidas, de segunda-

    feira a sexta-feira, das 12 (doze) s 16 (dezesseis) horas, de 22 (vinte e dois) de janeiro, sexta-feira, a 22 (vinte e dois) de fevereiro de 2010, segunda-feira, no Edifcio Cam-pos Salles, sede do Ministrio Pblico do Estado de So Paulo, localizado Av. Brigadeiro Lus Antonio, 35, Centro na cidade de So Paulo - SP.

    3. A inscrio preliminar ser feita mediante requerimento (modelo no final), instrudo com os seguintes documentos:

    a) VIA ORIGINAL do comprovante de pagamento da taxa de inscrio, no valor de R$ 220,00 (Duzentos e vinte reais), em nome do Fundo Especial de Despesa para Concurso de Ingresso na Carreira do Ministrio Pblico, criado pelo Decreto Estadual n 25.453, de 1 de julho de 1986, e ratificado pela Lei Estadual n 7001, de 27 de dezembro de 1990, a ser efetuado no Banco Nossa Caixa da seguinte forma:

    a.1.) O depsito NO poder ser efetuado nos caixas auto-mticos, e dever ser em cheque do prprio candidato ou em dinheiro, NO PASSVEL DE RESTITUIO.

    a.2.)Dever conter o nome completo do candidato e o nmero do C.P.F.

    a.3.) Banco NOSSA CAIXA.a.4.) Agncia 0001-9 - Matriza.5.) conta corrente n 13.006.956-4.b) CPIA AUTENTICADA do diploma de bacharel em

    Direito, registrado, ou da certido ou atestado de colao do respectivo grau, com a prova de estarem sendo providenciados a expedio e o registro do diploma correspondente;

    c) CPIA AUTENTICADA da cdula de identidade;d) duas fotos iguais, datadas de at um ano da abertu-

    ra da inscrio, de tamanho 3 X 4 cm.4. Os candidatos com deficincia, para se beneficiarem da

    reserva de que cuida o art. 4, do regulamento, devem juntar obrigatoriamente, ao requerimento de inscrio preliminar (modelo no final) relatrio mdico detalhado, recente, que indi-que a espcie e o grau ou nvel de deficincia de que portador, com expressa referncia ao cdigo correspondente da Classifi-cao Internacional de Doenas (CID) e sua provvel causa de origem bem como seu enquadramento segundo as disposies dos artigos 3 e 4, do Decreto n 3.298/99.

    5. O candidato ser dispensado do pagamento da taxa de inscrio se no dispuser de condies financeiras para suport-la (art. 5 6).

    SUS); Lei n 8.142/90 (Participao da comunidade na gesto do Sistema nico de Sade e transferncias intergovernamentais de recursos financeiros na rea da sade); Lei n 8.742/93 (Sistema nico de Assistncia Social); Lei n 8.842/94 (Poltica Nacional do Idoso); Lei n 10.048/2000 (Prioridade de atendimento); Lei n 10.098/2000 (Promoo da acessibilidade); Lei n 10.216/01 (Direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais); Lei n 10.741/2003 (Estatuto do Idoso).

    2.4. Consumidor. A proteo e defesa do consumidor na Constituio Federal de 1988. Poltica nacional de relaes de consumo. Direitos bsicos do consumidor. Preveno e reparao de danos. Desconsiderao da personalidade jurdica. Prticas comerciais. Proteo contratual. Sanes administrativas. Defesa do consumidor em juzo. Aes coletivas. Sistema Nacional de Defesa do Consumidor.

    2.4.1 Legislao especfica: Lei n 8.078/90, Lei n 7.913/89

    2.5. Infncia e Juventude: Acesso justia. Ministrio Pblico. Proteo Judicial dos Interesses Individuais, Difusos e Coletivos.

    2.5.1 Legislao especfica: Lei n 8.069/90 (Estatuto da Criana e do Adolescente).

    3. Ao civil pblica. Conceito e objeto. Tutela principal e cautelar. Interesse de agir. Legitimao ativa e passiva. Litiscon-srcio e assistncia. Atuao do Ministrio Pblico. Competn-cia. Sentena. Multa diria e liminar. Recursos. Coisa julgada. Execuo e fundo para reconstituio dos bens lesados.

    3.1. Legislao especfica: Lei n 7.347/85, Lei n 8.437/924. Inqurito civil. Natureza. Finalidade. Princpios. Instau-

    rao. Poderes instrutrios. Termo de ajustamento de conduta. Arquivamento e Desarquivamento. Controle. Recomendaes.

    4.1 Legislao especfica: Lei n 7.347/85; Lei Federal n 8.625/93; Lei Complementar Estadual n 734/93; Ato n 484-CPJ, de 5 de outubro de 2006; Resoluo n 23, de 17 setembro de 2007, do Conselho Nacional do Ministrio Pblico.

    IX DIREITOS HUMANOS:1. Direitos Humanos.1.1. Conceito e evoluo histrica: as dimenses dos Direi-

    tos Humanos.1.2. Sistema Internacional de promoo e proteo dos

    Direitos Humanos. Sistema Interamericano.1.3. Tratados e Convenes Internacionais sobre Direitos

    Humanos incorporados pelo ordenamento brasileiro. Conflito com as normas constitucionais.

    1.4. Ministrio Pblico e a defesa dos Direitos Humanos.1.5. Sistema nico de Sade (SUS Lei n 8.080/90).1.6. Sistema nico de Assistncia Social (SUAS Lei n.

    8.742/93).1.7. Direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais

    (Lei n 10.216/01).X DIREITO ADMINISTRATIVO:1. Administrao Pblica. Descentralizao e desconcentra-

    o administrativa.2. Atividade administrativa: polcia administrativa, presta-

    o de servios pblicos, interveno do Estado na ordem eco-nmica e fomento de atividades privadas de interesse pblico.

    3. Regime jurdico administrativo e princpios da Adminis-trao Pblica.

    4. Poderes administrativos.5. Agentes pblicos.6. Ato administrativo.7. Processo administrativo.8. Licitao e contratos administrativos.9. Servios pblicos. Concesso de servio pblico.10. Bens pblicos.11. Interveno do Estado na propriedade.12. Responsabilidade civil do Estado.13. Controle da Administrao Pblica.XI - DIREITO ELEITORAL:1. Direitos Polticos.1.1. Direitos fundamentais e direitos polticos;1.2. Privao dos direitos polticos.2. Direito Eleitoral.2.1. Conceito e fundamentos;2.2. Fontes do Direito Eleitoral;2.3. Princpios de Direito Eleitoral;2.4. Hermenutica eleitoral.3. Poder representativo.3.1. Sufrgio;3.1.1. Natureza;3.1.2. Extenso do sufrgio;3.1.3. Valor do sufrgio;3.1.4. Modo de sufrgio;3.1.5. Formas de sufrgio.4. Organizao eleitoral.4.1. Distribuio territorial;4.2. Sistemas eleitorais.5. Justia Eleitoral.5.1. Caractersticas institucionais;5.2. rgos e composio;5.3. Diversificao funcional das atividades da Justia

    Eleitoral;5.4. Competncias;5.5. Justia Eleitoral e o controle da legalidade das eleies.6. Ministrio Pblico Eleitoral.6.1. Composio;6.2. Atribuies;6.3. Ministrio Pblico Eleitoral e lisura do processo elei-

    toral.7. Capacidade eleitoral.7.1. Requisitos;7.2. Limitaes decorrentes de descumprimento do dever

    eleitoral.8. Alistamento eleitoral.8.1. Ato de alistamento;8.2. Fases do alistamento;8.3. Efeitos do alistamento;8.4. Cancelamento e excluso;8.5. Reviso do eleitorado.9. Elegibilidade.9.1. Registro de candidaturas;9.2. Impugnaes ao registro de candidaturas;9.3. Inelegibilidades;9.3.1. Inelegibilidades constitucionais;9.3.2. Inelegibilidades infraconstitucionais ou legais;9.3.3. Argio judicial de inelegibilidade.10. Partidos polticos.10.1. Sistemas partidrios;10.2. Criao, fuso e extino dos partidos polticos;10.3. rgos partidrios;10.4. Filiao partidria;10.5. Fidelidade partidria;10.6. Financiamento dos partidos polticos, controle de

    arrecadao e prestao de contas.11. Garantias eleitorais.11.1. Liberdade de escolha;11.2. Proteo jurisdicional contra a violncia atentatria

    liberdade de voto;11.3. Conteno ao poder econmico e ao desvio e abuso

    do poder poltico;11.4. Transporte de eleitores das zonas rurais.12. Propaganda eleitoral.12.1. Conceito;12.2. Pesquisas e testes pr-eleitorais;12.3. Propaganda eleitoral em geral;12.4. Propaganda eleitoral na imprensa;12.5. Propaganda eleitoral no rdio e na televiso;12.6. Direito de resposta;

    15. Medidas cautelares. Disposies gerais.15.1. Procedimentos cautelares. Arresto. Seqestro. Busca

    e apreenso. Produo antecipada de provas. Alimentos provi-sionais. Arrolamento de bens. Justificao. Posse provisria dos filhos. Separao de corpos. Regulamentao da guarda e do direito de visita dos filhos menores.

    16. Procedimentos especiais de jurisdio contenciosa. Aes possessrias. Ao de usucapio de terras particulares. Inventrio e partilha. Arrolamento. Embargos de terceiros. Habi-litao. Restaurao de autos. Ao monitria.

    17. Procedimentos especiais de jurisdio voluntria. Dis-posies gerais. Alienaes judiciais. Separao consensual. Testamentos e codicilos. Herana jacente. Bens dos ausentes. Curatela dos interditos. Disposies comuns tutela e curatela. Organizao e fiscalizao das fundaes. Especializao em hipoteca legal.

    18. Alimentos (Lei n. 5.478/68).19. Assistncia judiciria (Lei n. 1.060/50).20. Ao civil de ressarcimento do dano decorrente de

    sentena penal condenatria (ex-delicto).21. Juizados Especiais Cveis (Lei n. 9.099/95).V DIREITO CONSTITUCIONAL:1. Teoria da constituio.1.1. Constitucionalismo. Conceito e classificao das cons-

    tituies.1.2. Poder constituinte: caracter

Recommended

View more >