Seminário de Sustentação Financeira 05.02.2014 - SP

  • View
    35

  • Download
    0

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Seminário de Sustentação Financeira 05.02.2014 - SP. MÓDULO IN RFB 1.420 DE 19/12/2013. VALTUIR SOARES DA SILVEIRA CRC-RS 46.039. LEGISLAÇÃO. CLT CONSTITUIÇÃO FEDERAL CCB. LEGISLAÇÃO - CLT. - PowerPoint PPT Presentation

Text of Seminário de Sustentação Financeira 05.02.2014 - SP

Slide 1

Seminrio de Sustentao Financeira

05.02.2014 - SP

VALTUIR SOARES DA SILVEIRACRC-RS 46.039MDULO IN RFB 1.420 DE 19/12/2013LEGISLAOCLT

CONSTITUIO FEDERAL

CCB

* A partir do Art. 511 (DL 5.452 de 01 de maio 1.943) Trata da criao, organizao e funcionamento das Entidades Sindicais.

* Aplicao da legislao trabalhista e suas modificaes aos trabalhadores em Entidades Sindicais.

LEGISLAO - CLTART. 150 VI IMUNIDADE (IMUNES OU ISENTAS?) Imunidade uma hiptese de no-incidncia tributria constitucionalmente qualificada, ou seja, prevista na Constituio, limitando os poderes das pessoas polticas de tributar.Iseno uma hiptese de no-incidncia legalmente qualificada. a dispensa do tributo devido, feita por disposio expressa da lei.Simplificando a diferena entre imunidade e iseno consiste no seguinte: a imunidade a dispensa de um tributo por fora da constituio, a iseno a dispensa do tributo por fora de lei ordinria.A imunidade depender de um estudo da Constituio Federal enquanto a iseno depender da legislao ordinria.

LEGISLAO CONST.FEDERAL livre a associao profissional ou sindical, observado o seguinte: I - a lei no poder exigir autorizao do Estado para a fundao de sindicato, ressalvado o registro no rgo competente, vedadas ao Poder Pblico a interferncia e a interveno na organizao sindical; .........ART. 8 LIBERDADE E AUTONOMIA SINDICAL

LEGISLAO CONST.FEDERAL PUBLICAO D.O.U. 11.01.2002, COM VIGNCIA A PARTIR DE JANEIRO 2003:Registros e acostamento de todos os atos legais das Entidades Sindicais (INCLUSIVE LIVROS CONTBEIS) SCIO OU ASSOCIADO? Constituem-se as associaes pela unio de pessoas que se organizem para fins no econmicos

LEGISLAO - CCBTRIBUTRIOIMUNIDADE TRIBUTRIA:MunicpioEstadoUnioOBRIGAO TRIBUTRIARetenes/Recolhimentos

IMUNIDADE TRIBUTRIA MUNICPIO:ISSQN (obriga-se as retenes de terceiros substituto tributrio)IPTU (exceto TCL/Servios)ITBI (sujeito ao parecer da procuradoria)

ATENO:(SFM PROC. IMUNIDADE E ALVAR)

TRIBUTRIO IMUNIDADE TRIBUTRIA ESTADO: IPVA (Exceto taxas)

(SFE PROC.IMUNIDADE E ISENO INSCRIO ESTADUAL)

TRIBUTRIOIMUNIDADE TRIBUTRIA UNIO:

IR S/Aplicaes Nominais Impostos e Contribuies S/Receita (Associados) Legislao quanto a retenes de terceiros

Natureza jurdica 3131 - Entidade SindicalAteno ao recebimento direto GRCS

TRIBUTRIORETENES E RECOLHIMENTOS:

PREVIDENCIRIOIRRF ISSQN

TRIBUTRIOFISCALLEGISLAO: TrabalhistaFazendriaPrevidenciria

CND PREV.SPED CONTBILDIRFDCTFRAISCAGEDGFIPCCPGFN/RFBFISCALDBE-CNPJCERTIFICAO DIGITALCONECTIVIDADE SOCIALE-SOCIALDARFGRCSGPSCRFGRFRGOS ARRECADADORES E FISCALIZADORES

FluxosObjetivos

FISCALART. 1 DA LEI 9.876 DE 26/11/1999:Institui e regulamenta a contribuio de INSS sobre atos cooperados.

EM 1999, ART. 652 DO RIR/99:Institui a reteno de 1,5% do IRRF com recolhimento - cdigo 3280.

ANO 2000:Implementado pela CEF 1 verso eletrnica da GFIP.

FISCAL... meados de 2005, surgem as primeiras notificaes da fiscalizao previdenciria a intermediadores/contratantes de convnios de planos de sade, administrados por Cooperativas de Trabalho...

DARF 3280 x GPS x GFIP x DIRF = IDENTIFICAO DE SONEGAO

FISCALE-SOCIAL, conhecido como EFD/SOCIAL ou SPED FOLHA

INTEGRAO DE INFORMAES rgos arrecadadores e fiscalizadores

ELIMINAO/SUBSTITUIO de declaraes

PREVISO DE IMPLEMENTAO GRADATIVA a partir de 2014

FISCALINSTRUO NORMATIVA RFB N 1.420 DE 19/12/2013:

Art. 1- Fica instituda a Escriturao Contbil Digital (ECD), para fins fiscais e previdencirios, de acordo com o disposto nesta Instruo Normativa.Pargrafo nico. A ECD dever ser transmitida, pelas pessoas jurdicas obrigadas a adot-la, ao Sistema Pblico de Escriturao Digital (Sped), institudo pelo Decreto n6.022, de 22 de janeiro de 2007, e ser considerada vlida aps a confirmao de recebimento do arquivo que a contm e, quando for o caso, aps a autenticao pelos rgos de registro.

FISCALINSTRUO NORMATIVA RFB N 1.420 DE 19/12/2013:

Art. 2- A ECD compreender a verso digital dos seguintes livros:I - livro Dirio e seus auxiliares, se houver;II - livro Razo e seus auxiliares, se houver;III - livro Balancetes Dirios, Balanos e fichas de lanamento comprobatrias dos assentamentos neles transcritos.Pargrafo nico. Os livros contbeis e documentos de que trata o caput devero ser assinados digitalmente, utilizando-se de certificado de segurana mnima tipo A3, emitido por entidade credenciada pela Infraestrutura de Chaves Pblicas Brasileira (ICP-Brasil), a fim de garantir a autoria, a autenticidade, a integridade e a validade jurdica do documento digital.

FISCALINSTRUO NORMATIVA RFB N 1.420 DE 19/12/2013:

Art. 3- Ficam obrigadas a adotar a ECD, nos termos do art. 2do Decreto n6.022, de 2007, em relao aos fatos contbeis ocorridos a partir de 1de janeiro de 2014:I - as pessoas jurdicas sujeitas tributao do Imposto sobre a Renda com base no lucro real;II - as pessoas jurdicas tributadas com base no lucro presumido, que distriburem, a ttulo de lucros, sem incidncia do Imposto sobre a Renda Retido na Fonte (IRRF), parcela dos lucros ou dividendos superior ao valor da base de clculo do Imposto, diminuda de todos os impostos e contribuies a que estiver sujeita; e

FISCALINSTRUO NORMATIVA RFB N 1.420 DE 19/12/2013:

III - as pessoas jurdicas imunes e isentas. 1Fica facultada a entrega da ECD s demais pessoas jurdicas. 2As declaraes relativas a tributos administrados pela Secretaria da Receita Federal do Brasil (RFB) exigidas das pessoas jurdicas que tenham apresentado a ECD, em relao ao mesmo perodo, sero simplificadas, com vistas a eliminar eventuais redundncias de informao.

FISCALINSTRUO NORMATIVA RFB N 1.420 DE 19/12/2013:

Art. 4- A ECD dever ser submetida ao Programa Validador e Assinador (PVA), especificamente desenvolvido para tal fim, a ser disponibilizado na pgina da RFB na Internet, no endereo www.receita.fazenda.gov.br/sped, contendo, no mnimo, as seguintes funcionalidades:I - validao do arquivo digital da escriturao;II - assinatura digital;III - visualizao da escriturao;IV - transmisso para o Sped; eV - consulta situao da escriturao.

FISCALINSTRUO NORMATIVA RFB N 1.420 DE 19/12/2013:

Art. 5 - A ECD ser transmitida anualmente ao Sped at o ltimo dia til do ms de junho do ano seguinte ao ano-calendrio a que se refira a escriturao. 1Nos casos de extino, ciso parcial, ciso total, fuso ou incorporao, a ECD dever ser entregue pelas pessoas jurdicas extintas, cindidas, fusionadas, incorporadas e incorporadoras at o ltimo dia til do ms subsequente ao do evento. 2O prazo para entrega da ECD ser encerrado s 23h59min59s (vinte e trs horas, cinquenta e nove minutos e cinquenta e nove segundos), horrio de Braslia, do dia fixado para entrega da escriturao. 3A obrigatoriedade de entrega da ECD, na forma prevista no 1, no se aplica incorporadora, nos casos em que as pessoas jurdicas, incorporadora e incorporada, estejam sob o mesmo controle societrio desde o ano-calendrio anterior ao do evento. 4Nos casos de extino, ciso parcial, ciso total, fuso ou incorporao, ocorridos de janeiro a maio do ano da entrega da ECD para situaes normais, o prazo de que trata o 1ser at o ltimo dia til do ms de junho do referido ano.

FISCALINSTRUO NORMATIVA RFB N 1.420 DE 19/12/2013:

Art. 6- A apresentao dos livros digitais, nos termos desta Instruo Normativa e em relao aos perodos posteriores a 31 de dezembro de 2007, supre:I - em relao s mesmas informaes, a exigncia contida na Instruo Normativa SRF n86, de 22 de outubro de 2001, e na Instruo Normativa MPS/SRP n12, de 20 de junho de 2006.II - a obrigatoriedade de escriturar o Livro Razo ou fichas utilizados para resumir e totalizar, por conta ou subconta, os lanamentos efetuados no Dirio, prevista no art. 14 da Lei n8.218, de 29 de agosto de 1991.III - a obrigatoriedade de transcrever no Livro Dirio o Balancete ou Balano de Suspenso ou Reduo do Imposto, de que trata o art. 35 da Lei n8.981, de 20 de janeiro de 1995, disciplinada na alnea b do 5do art. 12 da Instruo Normativa SRF n93, de 24 de dezembro de 1997.

FISCALINSTRUO NORMATIVA RFB N 1.420 DE 19/12/2013:

Art. 7- As informaes relativas ECD, disponveis no ambiente nacional do Sped, sero compartilhadas com os rgos e entidades de que tratam os incisos II e III do art. 3do Decreto n6.022, de 2007, no limite de suas respectivas competncias e sem prejuzo da observncia legislao referente aos sigilos comercial, fiscal e bancrio, nas seguintes modalidades de acesso:I - integral, para cpia do arquivo da escriturao;II - parcial, para cpia e consulta base de dados agregados, que consiste na consolidao mensal de informaes de saldos contbeis e nas demonstraes contbeis.Pargrafo nico. Para o acesso previsto no inciso I do caput, o rgo ou a entidade dever ter iniciado procedimento fiscal ou equivalente, junto pessoa jurdica titular da ECD.

FISCALINSTRUO NORMATIVA RFB N 1.420 DE 19/12/2013:

Art. 8- O acesso ao ambiente nacional do Sped fica condicionado a autenticao mediante certificado digital credenciado pela ICP-Brasil, emitido em nome do rgo ou entidade de que trata o art. 7. 1O acesso previsto no caput tambm ser possvel s pessoas jurdicas em relao s informaes por elas transmitidas ao Sped. 2O ambiente nacional do Sped manter o registro dos eventos de acesso, pelo prazo de 6 (seis) anos, contendo, no mnimo:a) identificao do usurio;b) autoridade certificadora emissora do certificado digital;c) nmero de srie do certificado digital;d) data e a hora da operao; ee) tipo da operao realizada, de acordo com o art. 7.

FISCALINSTRUO NORMATIVA RFB N 1.420 DE 19/12/2013: