Seminário Sociologia e Extensão Rural

Embed Size (px)

DESCRIPTION

otimo material

Text of Seminário Sociologia e Extensão Rural

  • UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE ESCOLA AGRCOLA DE JUNDIA

    UNIDADE ACADMICA ESPECIALIZADA EM CINCIAS AGRRIAS

    CURSO DE AGRONOMIA DISCIPLINA: SOCIOLOGIA E EXTENSO RURAL

    DISCIPLINA: SOCIOLOGIA E EXTENSO RURAL

    ALUNOS: Aldifran Rafael de Macdo Erivan Isdio Ferreira Francisco Valdeizio da S. Pacheco PROFESSORA: Dra. Damiana C. de Medeiros

    MACABA, 2015

  • DA ESCRAVIDO IMIGRAO:

    A TRANSIO DO TRABALHO ESCRAVO PARA O TRABALHO LIVRE ASSALARIADO NO BRASIL

    Cleyton Rodrigues dos Santos

    Graduado em Cincias Econmicas Faculdades Integradas Antnio Eufrsio de Toledo Presidente Prudente/SP.

  • OBJETIVO

    IMPORTNCIA

    FUNO

    COMPONENTES

    ESCOLHA DOS LEOS

    GRAXAS

    Analisar o processo de desenvolvimento da economia agrria brasileira, e principalmente, o processo transitrio do trabalho escravo para o trabalho assalariado.

    Impacto na sociedade e economia nacional.

    Relaes econmicas e sociais.

  • UNIDADES

    IMPORTNCIA

    FUNO

    COMPONENTES

    ESCOLHA DOS LEOS

    GRAXAS

    1) Anlise das bases da economia agrria;

    2) Da economia cafeeira;

    3) Do processo migratrio para o trabalho na

    lavoura cafeeira;

    4) Da transio do trabalho escravo para o

    trabalho livre.

  • UMA SNTESE DA ECONOMIA AGRRIA BRASILEIRA

    1.1 A formao da economia agrria brasileira

    Portugal, como todo o resto do continente Europeu, era produto direto do mercantilismo;

    modelo de desenvolvimento no Brasil que voltava no tempo, nos moldes da velha sociedade que sucumbia na metrpole.

  • O regime definido no Brasil-Colnia significou um recuo de centenas de anos em relao a ponto de partida da metrpole.

    Nasce, assim, uma sociedade burguesa que se concretiza no Novo Mundo com fortes traos feudais.

  • 1.2 A escravido no Brasil-Colnia: algumas explicaes

    Trabalho escravo:

    Principal alternativa para o aproveitamento das novas terras americanas;

    Atraso no o desenvolvimento do trabalho.

  • Mo-de-obra escrava indgena (dificultada)

    Trfico de escravos negros africanos

  • Modelo produtivo adotado no Brasil- Colnia

    produo da grande propriedade fundiria: a plantation.

    grande explorao agrcola monocultora

    Escravido.

    Suporte da economia brasileira

  • A economia brasileira a partir da segunda metade do sculo XIX passa por bruscas transformaes.

    Ao final do sculo XVIII e incio do sculo XIX, a caracterstica dominante foi a estagnao e a decadncia.

  • As novas tcnicas da revoluo industrial chegavam ao Brasil sob a forma de bens e servios, no afetando o sistema produtivo.

  • A partir da primeira metade do sculo XIX o pas enfrenta fortes crises econmicas. Com a concorrncia das Antilhas e fatores cclicos, o Brasil perde mercado no comrcio mundial do acar, o mesmo acontece com o algodo, que sofre com a concorrncia norte-americana.

    Gestao da economia cafeeira

    Surge no Brasil uma nova sociedade burguesa

  • Foram principalmente os fatores exgenos que aceleram a decadncia do regime escravista no Brasil.

    O capitalismo mundial impe mudanas.

  • 1807 - parlamento ingls extingue o trfico negreiro para as suas colnias, e logo mais algum tempo, o cativeiro.

    Depois da independncia do Brasil - As presses inglesas sobre o governo brasileiro para a extino do trfico, intensificam-se.

    1826 Governo brasileiro foi obrigado a assinar um acordo comprometendo-se a extinguir o trfico dentro de trs anos.

  • Essa deciso desagrada burguesia agrria nacional dominante

    a lei de 7 de novembro de 1831 que extingue o trfico no foi cumprida.

    Nunca os brasileiros importaram tantos escravos quanto depois dessa lei: cerca de meio milho at 1850.

  • As presses inglesas no cessam:

    1845 - O parlamento ingls aprova o Bill Aberdeen, que legitimava o apresamento de navios negreiros e atribuindo-lhes total poder de jurisdio sobre eles.

    Soluo: Converter em lei o projeto elaborado por Eusbio de Queiroz, que extinguia definitivamente o trfico de negros para o Brasil (De 04 de setembro de 1850).

  • Os principais produtos brasileiros (acar e algodo) perdem espao no mercado mundial.

    Surge por volta de 1830 um novo produto:

    O caf.

  • A escravido no cessa totalmente:

    A rpida expanso da economia cafeeira;

    Gera uma crescente demanda por mo-de-obra;

    Ocasionando um deslocamento da populao escrava do Nordeste para o Sul/Sudeste do pas.

  • As reservas de escravos do Nordeste estavam escasseando;

    Com isso elevam-se os preos;

    Os lucros no conseguiam acompanhar o mesmo ritmo inflacionrio.

  • Os preos dos escravos elevam-se, triplicando aps o ano de 1850;

    O sustento e a utilizao do sistema havia se tornado antieconmico;

    Chegava ao fim aps quase quatro sculos o sistema de regime escravocrata no Brasil.

  • Entra a economia e a sociedade brasileira, mesmo que tardiamente, no sistema de

    trabalho assalariado.

  • A CULTURA CAFEEIRA NO

    BRASIL

  • O CENRIO ECONMICO MUNDIAL

    acar e algodo, decadncia da minerao

    Novo Produto ( Caf)

    Revoluo Industrial

    Frana e Inglaterra

    Dependncia da Metrpole

  • A CULTURA CAFEEIRA NO BRASIL

    Aumento Na exportao

  • Somente a partir de 1830 que o Brasil toma o caf

    como principal produto para a exportao, As

    exportaes deslancham a partir de 1840

  • A CULTURA CAFEEIRA NO BRASIL

    Caf Principal Produto

  • A CULTURA CAFEEIRA NO BRASIL

    No decnio de 1880-89 o caf brasileiro responde por

    mais de 55% da produo mundial.

  • A POLTICA E OS TRIBUTOS NA

    ECONOMIA CAFEEIRA

    A ligao dos latifndios cafeeiros ao poder

    imperial

    Emprstimos( Inglaterra)

    Aumento da produo de caf

  • A CRISE DA ECONOMIA CAFEEIRA

    Superproduo

    Crise internacional

    desequilbrio entre a oferta e a procura no mercado mundial de caf

  • A CRISE DA ECONOMIA CAFEEIRA

    1929

    20,9 milhes de sacas e a exportao de 14,1 milhes.

    28.941.000 de sacas e o total das exportaes foi de 14.281.000

  • A CRISE DA ECONOMIA CAFEEIRA

    Assim, pode-se concluir que

    a economia cafeeira foi fundamental para a retomada do crescimento do pas como

    economia perifrica;

    benefcios concedidos aos produtores ao longo do tempo favoreceram a monocultura em

    detrimento de outros setores da economia;

    a superproteo da cafeicultura brasileira e a crise econmica de 1929 levaram a economia

    brasileira a uma crise sem precedentes.

  • A INSERO DO TRABALHO IMIGRANTE NA ECONOMIA AGRARIA

    Processo transitrio do trabalho escravo para o trabalho imigrante

    Resistencia da sociedade

    Presses externas

    Perodo de grande perturbao politica

    Diviso de regies

    Vale do Paraba

    Oeste Campineiro

  • CORRENTES IMIGRATRIAS

    1824 defesa territorial no RS

    1850 produo de ch no PR

    1871 - No sudeste So Paulo para a Cultura do Caf

    Demais regies foi insignificante

  • J existia trabalho livre no Brasil?

    O perodo ureo 1891-1897

    O custo deste movimento superou a cifra de 37 milhes de dlares

  • Tabela 01- Imigrantes ingressantes em So Paulo 1887 1897

    Fonte: Santos, ?.

  • IMIGRANTES SUBSTITUINDO ESCRAVOS

    1880 contratos de servios estrangeiros

    Reativamento da politica de povoamento das provncias

    Distribuio de lotes

    Sistema de parceria

    Locao de remunerao dos trabalhadores

    ( endividamento dos emigrantes)

  • O processo imigratrio no veio para mudar o sistema brasileiro , mas apenas para manter o velho sistema de explorao.

  • O trabalho em parceria foi o elo de ligao entre o trabalho escravista e o trabalho assalariado

    Este sistema no foi utilizado em nenhuma outra sociedade

    Injeo de capital estrangeiro no Brasil

  • CONCLUSO

    O sistema econmico no houve mudanas, apenas mudou a forma de ser executado.

    O Brasil de hoje ainda carrega o Brasil de ontem.

    SANTOS, ?.