Servi§os T©cnicos

  • View
    216

  • Download
    1

Embed Size (px)

Text of Servi§os T©cnicos

  • MANUAL DE OBRAS DE SANEAMENTO

    SERVIOS TCNICOS

    MDULO

    2

    REVISO

    2

    ESPECIFICAES

    MOS PGINA

    1/45

    SUMRIO OBJETIVO........................................................................................................ 2 CONSIDERAES GERAIS............................................................................ 2 CONSIDERAES ESPECFICAS.................................................................. 2

    0201 PROJETO COMPLEMENTAR.............................................. 2 0202 TOPOGRAFIA - SERVIOS ................................................ 2 0203 TOPOGRAFIA - ESTADIA DA EQUIPE.............................. 13 0204 TOPOGRAFIA -TRANSPORTE DA EQUIPE....................... 13 0205 SONDAGEM A PERCUSSO............................................... 13 0206 SONDAGEM MISTA............................................................. 20 0207 SONDAGEM A TRADO........................................................ 25 0208 CONTROLE TECNOLGICO............................................... 27 0209 CADASTRO DE OBRA.......................................................... 29

    RELAO DE DOCUMENTOS PADRONIZADOS......................................... 33 ANEXOS........................................................................................................... 34 REGULAMENTAO DE PREOS................................................................ 39

  • MANUAL DE OBRAS DE SANEAMENTO

    SERVIOS TCNICOS

    MDULO

    2

    REVISO

    2

    ESPECIFICAES

    MOS PGINA

    2/45

    OBJETIVO Este mdulo tem por finalidade definir os parmetros bsicos para execuo de projetos complementares, servios topogrficos, sondagens e controle tecnolgico. CONSIDERAES GERAIS Servios gerais so aqueles que se caracterizam como complementao e/ou apoio para implantao de uma obra. Sero executados sempre que forem previstos em projeto ou definidos pela fiscalizao, quando identificada sua necessidade. CONSIDERAES ESPECFICAS 0201 PROJETO COMPLEMENTAR So projetos que complementam o projeto bsico de uma obra. So executados aps o projeto bsico e definem os detalhes executivos de instalaes eltricas, hidrulicas, telefnicas, servios geotcnicos, estruturais, arquitetnicos, paisagsticos, etc..., devendo ser obedecidas todas as normas da ABNT atinentes a cada assunto. 0202 TOPOGRAFIA - SERVIOS A topografia a arte de representar no papel a configurao duma poro de terreno, com todos os acidentes e objetos que se acham sua superfcie. Os servios devero ser executados e apresentados rigorosamente dentro das exigncias preestabelecidas pela SANEPAR. A contratada a nica responsvel pela preciso das cotas, das distncias, dos azimutes e das coordenadas; pela fidelidade dos detalhes, mapas e desenhos; pela exatido das informaes sobre propriedade, posse, ocupao ou utilizao dos imveis levantados; pela materializao em campo dos dados construtivos quer das unidades localizadas quer das unidades lineares. No caso dos servios de acompanhamento de assentamentos, se as precises preestabelecidas no estejam sendo alcanadas, a SANEPAR poder exigir a troca dos equipamentos por outros de maior preciso, sem nus para a empresa.

    Salvo determinaes contrrias, feitas por escrito pela fiscalizao, as medies lineares tem tolerncia admitida igual a 1:5000. A tolerncia admitida para o fechamento das medies angulares de 20" N , sendo N o nmero de vrtices.

  • MANUAL DE OBRAS DE SANEAMENTO

    SERVIOS TCNICOS

    MDULO

    2

    REVISO

    2

    ESPECIFICAES

    MOS PGINA

    3/45

    Nas medies altimtricas a tolerncia admitida de 10 mm K , sendo K a distncia nivelada em quilmetro. A apresentao dos servios depende da finalidade de cada um e as suas especialidades esto contidas nos itens abaixo. De um modo geral os clculos devem ser apresentados quer sob forma informatizada (disquetes) quer sob a forma de cadernetas e planilhas. Os desenhos podero ser da mesma forma informatizados ou apresentados em papel vegetal. Neste caso devem ser observados as normas da ABNT quanto a tamanho e representao grfica e o papel ser de gramatura 90/95 ml/gr. No caso dos servios relacionados com as OSE - Ordem de Servio para Execuo - ser usado formulrio prprio ou a forma informatizada. Quando da utilizao de referncia de nvel (RN), deve-se usar preferencialmente a rede do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatstica). No caso de impossibilidade disso deve-se partir de um RN implantado, com cota arbitrada bastante diferente da do local, que dever ser materializado por um marco de concreto ou por alguma referncia em edificaes, preferencialmente pblicas, facilmente identificveis. Sempre que as linhas poligonais ou as de nivelamento, confrontarem ou cortarem faixas de domnio de rodovias ou ferrovias, deve ser anotado a denominao da estrada, as cidades interligadas mais prximas, quilometragem e quaisquer outros elementos que possam permitir uma melhor descrio perante o rgo responsvel pela estrada. As materializaes dos pontos significativos sero feitas atravs de marco de concreto e piquetes de madeira. Os marcos sero construdos em concreto, fck 20 MPa trao 1:3:6, com as dimenses 0,10 x 0,10 x 0,50 m, sendo normalmente cravados de modo a que 0,10 m, de sua extenso, permaneam acima do solo. Os piquetes sero de madeira de lei com as dimenses de 0,05 x 0,05 x 0,30 m sendo normalmente cravados de modo a que 0,05 m, de sua extenso, permaneam acima do solo. Sempre ser sinalizada a posio do marco ou piquete com auxlio de uma estaca testemunha, feita de madeira com 0,01 x 0,05 x 0,60 m. Essa estaca dever ser cravada a uma distncia mxima de 0,05 m do ponto sinalizado e de modo a ficar 0,40 m acima do solo. Receber na parte exposta a numerao correspondente ao estaqueamento sinalizado. Tanto os marcos como os piquetes e as estacas testemunhas sero pintadas com tinta a leo amarela, as anotaes e marcaes sero feitas em tinta a leo vermelha. Numa extremidade que a natureza do solo no permita a cravao de piquetes ou marcos, a fiscalizao poder autorizar o uso de tinta para demarcao. Neste caso dever ser usada tinta para demarcao de trfego com base acrlica. 020201 Cadastro de unidade existente

  • MANUAL DE OBRAS DE SANEAMENTO

    SERVIOS TCNICOS

    MDULO

    2

    REVISO

    2

    ESPECIFICAES

    MOS PGINA

    4/45

    Consiste no levantamento planimtrico detalhado de todas as edificaes e objetos contidos na rea, incluindo-se a as tubulaes enterradas. Ser obrigatrio a implantao de um RN em local protegido. A escala do desenho dever ser definida caso a caso. 020202 Cadastro de poo de visita existente Consiste na amarrao planimtrica do poo de visita (PV) em relao ao alinhamento predial meio fio, eixo de rua, margem de crrego, etc., indicando-se a distncia percorrida de PV a PV. Quanto a altimetria, dever constar cota do tampo, do fundo, geratriz superior dos tubos de chegada e de sada, com seus respectivos dimetros, dimetro interno, tipo do material do poo e das tubulaes, sentido do escoamento e outras informaes pertinentes ao poo de visita. Os PVs sero representados por um crculo onde conste o sentido do fluxo, sero numerados e as suas cotas e demais informaes descrita em forma de planilha, fazendo-se a correspondncia com o nmero do PV. 020203 Locao de furo de sondagem O servio consiste em determinar e marcar o posicionamento e a cota do ponto onde ser executada a sondagem geolgica do terreno. A cota dever ser referenciada a um RN temporrio, obtida atravs de um dos vrtices da rea ou da linha. A materializao do ponto ser feita atravs de piquete e estaca testemunha. A apresentao grfica ser atravs de planta da rea ou da linha, em escala a ser determinada pela fiscalizao, com o posicionamento do furo, seu nmero e cota, bem como as distncias entre o ponto e as vrtices de amarrao. 020204 a 020206 Transporte de cota Consiste na transferncia da cota, atravs de nivelamento geomtrico a partir de um RN conhecido at o ponto desejado, utilizando-se o percurso de menor extenso possvel. Dever ser identificado a referncia de nvel de partida, descrevendo sua situao, rgo a que pertence, nmero, cota, etc. O ponto de chegada dever ser materializado com um marco de concreto, colocado em local protegido, descrevendo-se sua localizao e caractersticas. Dever ser desenhado o caminhamento esquemtico, com as distncias entre pontos de mudana de rumo, indicando se os RNs de sada e de chegada. 020207 a 020209 Levantamento planialtimtrico de rea

  • MANUAL DE OBRAS DE SANEAMENTO

    SERVIOS TCNICOS

    MDULO

    2

    REVISO

    2

    ESPECIFICAES

    MOS PGINA

    5/45

    Este servio desenvolvido para se obter a situao planialtimtrica de uma rea necessria ao projeto de uma unidade do sistema. A rea a ser levantada ser indicada em planta ou no local, pela SANEPAR. A contratada dever fazer a demarcao de uma poligonal fechada, o nivelamento de uma malha interna eqidistante 20,00 m, ou menos, o levantamento de todos os ponto notveis internos a rea (talvegues, divisores de gua, audes, edificaes, linhas de energia eltrica, vegetao de porte, cercas, tubulaes, etc.). Dever ser levantado tambm o nome do (s) proprietrio (s), dos confrontantes, transcrio imobiliria, matricula, nome ou nmero de gleba, fazenda, chcara, quadra lote etc.. A contratada deve utilizar do maior discernimento, de modo a que qualquer rea remanescente continue aproveitvel ao proprietrio, bem como no haja conflitos de acesso, com servides etc. Alem dos elementos de clculo ser apresentado um desenho onde conste a poligonal, pontos de inflexo, distncia e azimutes dos segmentos, cotas dos pontos, curvas de nvel de metro em metro. A escala normal de apresentao ser de 1:200 para reas at 1000 m e 1:500 para reas maiores. O