Sistema de Produção de Mudas MPB - Pré Brotadas

Embed Size (px)

DESCRIPTION

A Reportagem de Capa desta edição mostra a tecnologia desenvolvida pelo Centro de Cana IAC – Instituto Agronômico, que possibilita mudanças na forma de produção de mudas de cana-de-açúcar, denominado MPB (Mudas Pré Brotadas). Esta nova tecnologia foi abordada durante a 7ª reunião do Grupo Fitotécnico de Cana IAC, onde é realizada a troca de informações para contribuir com o crescimento do setor sucroenergético.

Text of Sistema de Produção de Mudas MPB - Pré Brotadas

  • Revista Canavieiros - Novembro 2012

    1

  • Revista Canavieiros - Novembro de 2012

    2

  • Revista Canavieiros - Novembro 2012

    3Editorial

    A falta de uma definio do que o pas quer do etanol dentro da ma-triz energtica, deixa o setor su-croenergtico cada vez mais longe de se tornar um setor atrativo para a realizao de investimentos.

    Esta a opinio do diretor comercial do Banco do Ita BBA S/A, Alexandre Figliolino, que concedeu entrevista ex-clusiva Canavieiros. Durante a conver-sa, Figliolino falou sobre crise financei-ra, novos investimentos e expectativas do mercado financeiro para o setor.

    O presidente da CSMIA (Cmara Setorial de Mquinas e Implementos Agrcolas) da Abimaq (Associao Bra-sileira da Indstria de Mquinas e Equi-pamentos), Celso Casale, tambm foi entrevistado este ms. Casale abordou questes sobre o atual cenrio do setor de mquinas e equipamentos, polticas pblicas, insegurana, alm de informa-es sobre o Programa Mais Alimentos para 2013. Confira!

    A Reportagem de Capa desta edio mostra a tecnologia desenvolvida pelo Centro de Cana IAC Instituto Agron-mico, que possibilita mudanas na forma de produo de mudas de cana-de-acar, denominado MPB (Mudas Pr Brotadas). Esta nova tecnologia foi abordada duran-te a 7 reunio do Grupo Fitotcnico de Cana IAC, onde realizada a troca de informaes para contribuir com o cresci-mento do setor sucroenergtico.

    Na coluna Caipirinha, o professor Marcos Fava Neves fala sobre as boas

    notcias do agronegcio, referindo-se ao crescimento das exportaes, que teve um aumento de 11,8% em relao ao ano passado.

    A seco Ponto de Vista assinada pelo diretor adjunto da Canaoeste, Jos Mario Paro, que faz uma retrospectiva dos fatos mais importantes relacionados a cultura da cana-de-acar ocorridos durante este ano. O consultor tributaris-ta, Jos Oswaldo Bozzo, tambm assina esta coluna e discorre sobre a capacidade que o Brasil tem para aplicar produtos e subprodutos da cana-de-acar.

    Em Notcias Copercana, o leitor en-contrar a reinaugurao das lojas de Ferragens e Magazine em Sertozinho, realizada no dia 13 de novembro. A nova estrutura oferece modernidade e conforto aos cooperados e clientes da cooperativa. E as novidades no pa-ram por a. No dia 22 de novembro, a Copercana tambm inaugurou o Auto Center, um espao que oferece toda manuteno necessria para os vecu-los. A nova instalao fica anexa ao posto de combustvel da cooperativa em Sertozinho.

    J em Notcias Canaoeste o leitor po-der conferir o I Encontro de Gerentes do Sistema Copercana, Canaoeste e Si-coob Cocred, realizado em Sertozinho no dia 21 de novembro. O encontro reu-niu colaboradores e contou com a parti-cipao de especialistas renomados.

    Ainda em Notcias Canaoeste est a realizao do Dia de Campo para pro-

    Falta polticas pblicas

    Boa leitura!Conselho Editorial

    RC

    dutores em parceria com a John Deere e Colorado para apresentar e demonstrar a enfardadora cilndrica 568.

    Em Assuntos Legais, o advogado da Canaoeste, Juliano Bortoloti, fala sobre a instalao de Juizados Especiais Itine-rantes nas reas rurais dos Estados e no Distrito Federal que dever ser realizada at abril de 2013. Ele tambm escreve orientaes gerais ao produtor rural so-bre o Novo Cdigo Florestal.

    No Destaque desta edio, o leitor ir encontrar a sesso solene realizada para cooperativas pela Cmara Municipal de Ribeiro Preto em parceria com a Ocesp (Organizao das Cooperativas do Es-tado de So Paulo), em homenagem ao Ano Internacional das Cooperativas.

    O gerente de Planejamento, Controle e Topografia da Canaoeste, Thiago de An-drade Silva, traz o acompanhamento da safra 2012/2013 da segunda quinzena de outubro, em comparao com os obtidos na safra 2011/2012 no mesmo perodo.

    No artigo Tcnico, o agrnomo da Canaoeste, Danilo Fonseca Mazoni, discorre sobre a importncia dos Mapas de Classificao dos Solos e Ambientes de Produo.

    Alm disso, confira tambm as Infor-maes Setoriais do ms de outubro e os Prognsticos Climticos para os meses de dezembro e janeiro divulgadas pelo consultor agronmico da Canaoeste, Oswaldo Alonso. O leitor ainda encon-trar dicas de leitura e portugus.

    Expediente:Conselho editoRial:Antonio Eduardo TonieloAugusto Csar Strini PaixoClvis Aparecido VanzellaManoel Carlos de Azevedo OrtolanManoel Srgio SicchieriOscar Bisson

    editoRa:Carla Rossini - MTb 39.788

    PRojeto gRfiCo e diagRamao: Rafael H. Mermejo

    equiPe de Redao e fotos:Carla Rodrigues, Fernanda Clariano, Murilo Sicchieri e Rafael H. Mermejo

    ComeRCial e PubliCidade:Marlia F. Palaveri(16) 3946-3311 - Ramal: 2008atendimento@revistacanavieiros.com.br

    imPResso: So Francisco Grfica

    tiRagem desta edio: 21.500 exemplares

    issn: 1982-1530

    A Revista Canavieiros distribuda gratuitamente aos cooperados, associados e fornecedores do

    Sistema Copercana, Canaoeste e Sicoob Cocred. As matrias assinadas e informes publicitrios

    so de responsabilidade de seus autores. A reproduo parcial desta revista autorizada,

    desde que citada a fonte.

    endeReo da Redao:A/C Revista Canavieiros

    Rua Augusto Zanini, 1591 Sertozinho SP - CEP:- 14.170-550Fone: (16) 3946 3300 - (ramal 2190)

    redacao@revistacanavieiros.com.br

    www.revistacanavieiros.com.br www.twitter.com/canavieiros

    www.facebook.com/RevistaCanavieiros

    Revista Canavieiros - Novembro de 2012

  • Revista Canavieiros - Novembro de 2012

    4

    - Copercana, Canaoeste e Sicoob Cocred realizam I Encontro de Gerentes- Canaoeste realiza Dia de Campo para produtores- Efeitos do trabalho do grupo teraputico dentro da gesto atual Canaoeste

    22 - Notcias Canaoeste

    Ano VII - Edio 77 - Novembro de 2012 - Circulao: Mensal

    ndice:

    E mais:

    Capa - 24Sistema de Produo de Mu-

    das MPB - Mudas Pr BrotadasCentro de Cana IAC Instituto

    Agronmico - desenvolve tecno-logia que possibilita mudanas na forma de produo de mudas de cana-de-acar

    20 - Notcias Copercana- Copercana reinaugura lojas de Ferragens e Magazine em Sertozinho- Auto Center Copercana inaugurado em Sertozinho

    38 - Notcias Sicoob Cocred- Balancete Mensal

    Coluna Caipirinha: .................pgina 08

    Ponto de VistaJos Osvaldo Bozzo.................pgina 11

    Assuntos Legais.................pgina 30

    Informaes Setoriais.................pgina 40

    Artigo Tcnico I.................pgina 42

    Artigo Tcnico II.................pgina 46

    Cultura.................pgina 48

    Destaque.................pgina 49

    Classificados.................pgina 50

    05 - EntrevistaAlexandre Figliolinodiretor comercial do Banco Ita BBAUma viso do mercado financeiro

    Celso Casalepresidente da CSMIAA baixa competitividade do produto

    brasileiro decorre de uma elevada carga tributria e de uma defasagem cambial

    10 - Ponto de vistaJos Mrio ParoDiretor da CanaoesteDa cana de acar: retrospectiva

    36 - Ano Internacional das CooperativasErrata: Na edio de n 76 - pgina 37 - referente ao msde outubro de 2012, houve um erro

    na legenda da foto publicada na matria - Usinas so homenageadas no programa Energia do Bem do Hospital de Cncer de Barretos. - O nome do diretor do Hospital de Cncer de Barretos, Henrique Duarte Prata, foi divulgado incorretamente. A legenda com o nome correto : Aps as homenagens, Henrique Prata acompanhou as autoridades em visita ao Hospital.

  • Revista Canavieiros - Novembro 2012

    5Entrevista

    Alexandre FigliolinoUma viso do mercado financeiro

    Fernanda Clariano

    Enquanto no houver uma definio clara do que o Pas quer do etanol como participao dele na matriz energtica, no vamos che-gar a lugar algum. Foi com essa afirmao que o diretor comercial do Banco Ita BBA S/A, Alexandre Figliolino, deu incio a entrevista feita com exclusividade Canavieiros, onde falou sobre crise financei-ra, novos investimentos e expectativas do mercado financeiro para o setor sucroenergtico. Confira a entrevista!

    Revista Canavieiros: O que pre-ciso para que ocorra a recuperao das usinas que esto em dificuldades financeiras?

    Alexandre Figliolino: Enquanto no houver uma definio clara do que o pas quer do etanol como participao dele na matriz energtica, no vamos chegar a lugar algum. A realidade de hoje que os custos de produo esto muito acima dos preos de mercado e a situao ago-ra est mais agravada ainda, parece que o consumidor de alguma forma se en-cheu do etanol, tanto que os preos vm se retraindo e o consumo no tem volta-do como os modelos tericos indicariam que teria que voltar . Estamos em uma situao crtica em relao a isso. Nos ltimos trs anos, a situao s no ficou mais grave porque o acar pagou a con-

    ta de tudo, graas a sua rentabilidade nas usinas, ento conseguiram apresentar re-sultados razoveis e com isso enfrentar todo esse pico de renovao de canavial. Mas daqui para frente, no se espera que no ano que vem o acar v ajudar mui-to, porque os preos do mercado interna-cional depois de trs anos de produo acima da demanda, esto em nveis mais baixos. Est certo que o cmbio vem aju-dando, est num nvel acima de dois e isso positivo, mas com o etanol dando prejuzo e o acar empatando, a tendn-cia que a condio financeira das usi-nas piore o que no positivo. por isso que est passando da hora de se tomar algum tipo de definio.

    Revista Canavieiros: Como sero os novos investimentos no setor, sero

    em greenfields ou brownfields e quan-do eles viro?

    Alexandre Figliolino: Nessa atual situao, o governo tem de certa forma ajudado com programas com taxa de juro favorecida e isso sem dvida muito po-sitivo. Mas o que ns estamos vendo, so investimentos na rea agrcola que so absolutamente bvias, s no investe na rea agrcola quem vai abandonar a ati-vidade. Ento esses investimentos que esto sendo feitos, so por acrscimo