Steven Pinker Language Aqcuisition

  • View
    2.754

  • Download
    18

Embed Size (px)

Text of Steven Pinker Language Aqcuisition

LEANDRO GORSKI

A LINGUAGEM COMO INSTINTO PARA STEVEN PINKER

CURITIBA 2007

2

PONTIFCIA UNIVERSIDADE CATLICA DO PARAN CENTRO DE TEOLOGIA E CINCIAS HUMANAS PROGRAMA DE PS-GRADUAO: MESTRADO EM FILOSOFIA

A LINGUAGEM COMO INSTINTO PARA STEVEN PINKER

Trabalho apresentado ao programa de Mestrado em Filosofia da Pontifcia Universidade Catlica do Paran, sob orientao do Prof. Dr. Bortolo Valle, como requisito parcial para a obteno do ttulo de Mestre em Filosofia.

CURITIBA 2007

3

Agradecimentos Ao Prof. Bortolo Valle, pela aposta, dedicao e incentivo. Ao Prof. Cleverson Leite Bastos, pela forte gesto de conhecimento. Aos companheiros de montanha, Cleverson, Edmlson, Kleber e Daniel, pelo aprendizado informal e tantas risadas. Ao amigo Felipe (Sadol) Millani, pelas trocas intelectuais. E principalmente a minha esposa Elaine, pela pacincia, compreenso e amor. O meu sincero agradecimento e gratido.

4

Alguns cognitivistas descreveram a linguagem como uma faculdade psicolgica, um rgo mental, um sistema neural ou um mdulo computacional. Mas prefiro o simples e banal termo instinto. Ele transmite a idia de que as pessoas sabem falar mais ou menos da mesma maneira que as aranhas sabem tecer teias. Steven Pinker

5

RESUMOA linguagem se tornou, no sculo XX, a questo central da filosofia, existindo vrios tipos de abordagem, como por exemplo, a Hermenutica, a Fenomenologia, a Filosofia Analtica, o Estruturalismo entre outras. Outro modo de analis-la por meio da relao que se estabelece entre as estruturas biolgicas e a linguagem levada a termo por pesquisas das reas de teorias da mente: neurocincias, gentica comportamental e psicologia evolucionista. Entre vrios autores que trabalham com esta concepo, destaca-se Steven Pinker. Entre as vrias obras produzidas como Tbula Rasa (2004) e Como a Mente Funciona (2004), destaca-se O Instinto de Linguagem (2002), onde o autor defende a tese em favor do desenvolvimento da lngua como adaptao evolutiva, existindo uma vinculao profunda entre aquilo que chamado de mente e o crebro. Para Pinker a linguagem no um artefato cultural que aprendemos da maneira como aprendemos informar as horas ou como o governo funciona. Ao contrrio, nitidamente uma pea da constituio biolgica de nosso crebro. A linguagem uma habilidade complexa e especializada, que se desenvolve na criana sem nenhum esforo consciente ou instruo formal, manifestando-se sem que se perceba sua lgica subjacente, que qualitativamente a mesma em todo o indivduo. Por essas razes, alguns cognitivistas descreveram a linguagem como uma faculdade psicolgica, um rgo mental, um sistema neural ou um mdulo computacional. Pinker prefere utilizar o termo instinto. Ele transmite a idia de que as pessoas sabem falar mais ou menos da mesma maneira que as aranhas sabem tecer teias. As aranhas sabem tecer teias no porque uma aranha genial inventou ou aprendeu o processo. Elas o fazem porque tm crebro de aranha, o que as impele a tecer e lhes d competncia para faz-lo com sucesso. Pensar a linguagem como instinto inverte o senso comum, especialmente como vista pelas cincias humanas e sociais. Para Pinker a linguagem no uma inveno da cultura, assim como tampouco a postura ereta o . O trabalho de Pinker foi profundamente influenciado por Noam Chomsky, um dos primeiros lingistas a revelar a complexidade do sistema e talvez o maior responsvel pela moderna revoluo na cincia cognitiva e na cincia da linguagem. Mas Chomsky um pouco ctico em relao a possibilidade da seleo natural darwiniana poder explicar as origens do rgo da linguagem que ele prope. Pinker afirma que se o olho humano produto da adaptao ou seja, se se trata de algo eficaz, do ponto de vista funcional que se desenvolveu por intermdio da seleo natural , ento a mente humana, em essncia, tambm o . Pinker emprega esse darwinismo na expanso das teorias de Chomsky rumo a um territrio adaptacionista. Fica explcito nesta tese que o autor defende a existncia de um vnculo entre aquilo que chamado de instinto e mente, uma vez que seu trabalho procura refletir sobre o modo de como a mente cria a linguagem. Neste texto procuramos refletir sobre a realidade da linguagem fundada na noo de instinto conforme apresentada por Steven Pinker.

6

ABSTRACTThe language became philosophys main concern in the XX century, existing different types of approach such as, hermeneutics, phenomenology, analytic philosophy, structuralism among others. Another way to study it is by the relation with biological structures, and the researches in the fields of mind theory: neuroscience, behavioral genetics and evolutionist psychology. Among many others authors that work with this conception, one name is detached Steven Pinker. Among his many works, The Blank Slate (2004) and How the Mind Works (2004), detaches The Language Instinct (2002), where the author defends the theory in favor of the development of the language as a evolutional adaptation, exhibiting a profound link between that what is called mind and the brain. To Steven Pinker language is not a cultural artifact which we learn in the way that we learn to tell the hours or how the government works. On the contrary, it is clearly a tool of the biological structure of our brain. The language is a complex and specialized ability, that develops in a child without conscious effort or formal instruction, revealing itself without the knowledge of its internal logic, which is qualitatively the same in every individual. For this reasons, cognovits described language as a psychological tool, a mental organ, a neural system or a computer module. Pinker prefers to use the term instinct. It gives the idea that people know more or less to speak in the same way that spiders know how to produce a web. The spiders know how to make produce a web not because a genius spider invented it or because they learned the process. They do because they have a spider brain, what drives and enable them to produce it. Think about language as an instinct changes the common sense, specially how it is seen in human and social sciences. To Pinker language isnt a cultural invention, as walking stand isnt. Pinkers work was profoundly influenced by Noam Chomsky, one of the first linguistics to reveal the complexity of the system and maybe the biggest responsible for the modern revolution in cognitive science and in language science. But Chomsky is a bit skeptic about the possibility that natural selection can explain the origins of the language organ that he proposes. Pinker affirms that if the human eye is a product of adaptation which means, it is a functional tool, that developed by the means of natural selection -, so the human mind, in essence, also is. Pinker uses this Darwinism expanding Chomskys theory in an adaptationist territory. It is clear in this work that the author defends the existence of a bound between that what is called instincts and mind once his book try to reflects about the way that the mind creates language. In this text we tried to reflect about the reality of the language structured in the notion of instinct as presented by Steven Pinker.

7

SUMRIO

RESUMO_______________________________________________________05 ABSTRACT____________________________________________________ 06 INTRODUO__________________________________________________09

CAPTULO I 1. O NASCIMENTO DAS CINCIAS COGNITIVAS___________________13 1.1. NOAM CHOMSKY_____________________________________ 16 1.2. BIOLOGIA NA BERLINDA______________________________ 21 1.3. O RETORNO DA BIOLOGIA_____________________________ 29 1.4. ARQUITETURA DA MENTE_____________________________31

CAPTULO II 2. CREBRO E LINGUAGEM_____________________________________ 41 2.1. DISTRBIOS DA FALA E COMPREENSO________________42 2.2. A CONTRIBUIO DE MONOD: A LINGUAGEM E A EVOLUO NO HOMEM___________________________________46 2.3. OS PERODOS CRTICOS DE KONRAD LORENZ___________49 2.4. ASPECTOS BIOLGICOS DA LINGUAGEM PARA ERIC H. LENNEBERG______________________________________________50 2.5. SOBRE O CONCEITO DE INSTINTO DE KONRAD LORENZ_ 52

CAPTULO III 3. STEVEN PINKER______________________________________________54 3.1. HISTRICO___________________________________________ 54 3.2. O DESENVOLVIMENTO DA LINGUAGEM EM CRIANAS__ 57 3.3. MEIO INTERNO DE COMPUTAO: MENTALS__________ 62 3.4. DIVERSIDADE LINGSTICA___________________________ 64

8

3.5. FISIOLOGIA DA FALA_________________________________ 66 3.6. DESENVOLVIMENTO DO ASPECTO FISIOLGICO DA FALA____________________________________________________ 67 3.7. LNGUA-ME_________________________________________ 69 3.8. GENES DA GRAMTICA________________________________72 3.9. EVOLUO DA LINGUAGEM E TEORIA EVOLUTIVA_____ 75 3.10. GENEALOGIA DA ESPCIE____________________________ 82 3.11. SINGULARIDADE DA LINGUAGEM_____________________89 3.12. CONTRIBUIO PINKERIANA: MODELOS______________ 90

CONSIDERAES FINAIS_______________________________________ 99

REFERNCIAS BIBLIOGRFICAS_______________________________ 103

BIBLIOGRAFIA DE CONSULTA_________________________________ 104

9

INTRODUO

A presente dissertao busca analisar como o neurolingista canadense Steven Pinker estabelece as bases biolgicas para a linguagem. O autor prope a linguagem como um instinto, o qual produzido pela evoluo, mais precisamente pela seleo natural. Analisando a linguagem a partir desta perspectiva, veremos que a linguagem produzida pela mente, e a mente produzida pelo crebro. A obra que ser utilizada como referncia O instinto da Linguagem de Steven Pinker, produzido originalmente em 1998, e a primeira traduo em 2002. Alm desta obra, sero utilizados outros textos, principalmente da psicologia evolutiva, apoiando a idia do autor sobre o tema. O problema da pesquisa em questo reside em que tal posio defendida pelo autor se