of 52/52
CARLOS APARECIDO ARAUJO EDSON ANTONIO DOS SANTOS MONOTRILHO JARDIM ÂNGELA - SANTO AMARO: Estudo da tecnologia empregada e demanda de passageiros São Paulo 2011

Tcc para imprimir

  • View
    662

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of Tcc para imprimir

  • 1. CARLOS APARECIDO ARAUJO EDSON ANTONIO DOS SANTOS MONOTRILHO JARDIM NGELA - SANTO AMARO: Estudo da tecnologia empregada e demanda de passageiros So Paulo 2011

2. CARLOS APARECIDO ARAUJO EDSON ANTONIO DOS SANTOS MONOTRILHO JARDIM NGELA - SANTO AMARO: Estudo da tecnologia empregada e demanda de passageiros TCC - Trabalho de Concluso de Curso apresentado Faculdade de Tecnologia da Zona Sul Fatec-SP, como exigncia parcial para a obteno do ttulo de Tecnlogo em LOGSTICA E TRANSPORTES Orientador: Prof. Me Alex Macedo de Araujo So Paulo 2011 3. BANCA EXAMINADORA Professor Orientador Prof._______________________________________ Professor Argidor Prof. _______________________________________ Prof. Argidor Prof. _______________________________________ 4. Dedicamos este trabalho aos nossos pais, sempre presentes em nossas vidas e tambm a todos aqueles que contriburam diretamente ou indiretamente para a realizao desse Trabalho Acadmico. 5. 2 AGRADECIMENTOS Agradecemos aos nossos familiares, esposas, filhos, pais e irmos que entenderam nossas ausncias em muitos momentos e que mesmo assim continuaram nos apoiando para que essa empreitada fosse concluda com sucesso. Ao Professor Mestre e orientador Alex Macedo de Araujo pela pacincia, apoio e encorajamento contnuos para que a pesquisa desse trabalho fosse realizada com xito, aos demais professores dessa Instituio de Ensino que com seus conhecimentos e ensinamentos transmitidos, a Diretoria e a Coordenao do Curso de Logstica e Transportes pelo apoio Institucional e pelas facilidades oferecidas. 6. 3 RESUMO Esse trabalho busca levantar as informaes sobre a tecnologia hoje implantada nos monotrilhos em todo o mundo, e avaliar se essa seria uma soluo para a regio do Jardim ngela no que diz respeito ao transporte de passageiros em massa. Faz comparativos entre modos diferentes de transporte de passageiros em massa, como o Metr, o BRT, o VLT os nibus e o Monotrilho. Busca trazer informaes sobre os monotrilhos j instalados em outras cidades no mundo. Faz levantamento da oferta atual de nibus que trafegam pela estrada do M Boi Mirim e Av. Guarapiranga, para poder ter um panorama geral do que j h como oferta na regio e a demanda futura que necessitar. Alm de buscar opinies de especialistas na rea, que avaliam as melhores solues para o problema de transportes na regio. PALAVRAS-CHAVE: Monotrilho Tecnologia - Bombardier - Hitachi - Scomi 7. 4 ABSTRACT This work seeks to elicit information about the technology deployed in today monorails around the world, and assess whether this would be a solution to the region of Jardim Angela regarding the carriage of passengers by weight. Makes comparisons between different modes of passenger transport in bulk, like Metro, BRT, buses and the tram Monorail. Seeks to bring about the monorail already installed in other cities in the world. Makes lifting the current supply bus that travels the road of M 'Boi Mirim and Guarapiranga Avenue, to have an overview of what is already offered in the region and how future demand will need. Besides seeking the opinions of specialists, who evaluate the best solutions to the problem of transport in the region. KEI WORDS: Monorail - Technology - Bombardier - Hitachi Scomi. 8. 5 SUMRIO 1. INTRODUO ............................................................................11 2. TECNOLOGIAS DO MONOTRILHO...........................................14 2.1. PRINCIPAIS EMPRESAS FABRICANTES ............................19 2.1.1. BOMBARDIER - Bombardier Transportation ....................19 2.1.2. SCOMI - Scomi Engineering Bhd Group...........................20 2.1.3. HITACHI - Hitachi, Ltd. Global Sales ................................21 2.2. CARACTERSTICAS DOS VAGES .....................................24 2.3. COMPARATIVO ENTRE MONOTRILHO E METR..............29 3. MONOTRILHOS PELO MUNDO.................................................31 3.1. O PROJETO............................................................................35 3.1.1. Demanda futura .................................................................37 3.1.2. Oferta atual ........................................................................37 4. PESQUISA DE CAMPO OFERTA ATUAL DA REGIO..........38 5. CONCLUSO..............................................................................47 REFERNCIAS BIBLIOGRFICAS .................................................49 9. 6 LISTA DE FIGURAS Figura 01: Detalhes de como os carros so presos as vigas de rolamento, 14 Figura 02: Monotrilho da cidade alem de Wuppertal de 1901, 15 Figura 03: Monotrilhos sobre vigas e com trao lateral com pneus, 16 Figura 04: Exemplo de alguns tipos de monotrilho, 17 Figura 05: Esboo dos vages produzidos pela Bombardier e pela Hitachi, 17 Figura 06: Composio de Monotrilho da Bombardier, 20 Figura 07: Composio de Monotrilho da Scomi, 20 Figura 08: Composio de Monotrilho da Hitachi, 21 Figura 09: Disposio de vages acessveis da Bombardier, 25 Figura 10: Disposio de vages da Scomi, 25 Figura 11: Disposio de vages da Hitachi, 25 Figura 12: Monotrilho em Las Vegas, 31 Figura 13: Monotrilho na Arbia Saudita, 32 Figura 14: Monotrilho de Palm Jumeirah Dubai, 33 Figura 15: Monotilho de Las Vegas, 33 Figura 16: Trajeto Monotrilho Jardim ngela Santo Amaro, 35 10. 7 Figura 17: nibus Padron piso Baixo Central, 39 Figura 18: nibus Articulado Piso Baixo, 40 Figura 19: Biarticulado Pdium B12M e Biarticulado B9 SALF, 40 11. 8 LISTA DE TABELAS Tabela 01: Comparao entre os sistemas de transporte, 18 Tabela 02: Caractersticas Tcnicas do Monotrilho, 22 Tabela 03: Prs e Contras dos Principais Fornecedores de Monotrilhos, 23 Tabela 04: Capacidades mximas com densidade de 8 passageiros/m , 26 Tabela 05: Capacidades mximas com densidade de 6 passageiros/m , 27 Tabela 06: Capacidade total de passageiros por carro e por trem, 28 Tabela 07: Dimenses dos vages, 28 Tabela 08: Comparativo entre Metr e Monotrilho, 30 Tabela 09: Monotrilho no Mundo, 34 Tabela 10 : Demanda Prevista, 37 Tabela 11: Pesquisa de Campo Oferta total de nibus em 23.03.2011, 41 Tabela 12: Pesquisa de Campo Oferta lugares nos nibus em 23.03.2011, 42 Tabela 13: Pesquisa de Campo Oferta de lugares nos nibus em, 43 Tabela 14: Pesquisa de Campo Oferta total de nibus em 29.03.2011, 44 Tabela 15: Pesquisa de Campo Oferta lugares nos nibus em 29.03.2011, 45 12. 9 Tabela 16: Pesquisa de Campo Oferta de lugares nos nibus, 46 13. 10 LISTA DE GRFICOS Grfico 01: Comparao da capacidade dos diferentes tipos de sistema, 29 Grfico 02: Pesquisa de Campo Oferta de nibus em 23.03.2011, 42 Grfico 03: Pesquisa de Campo, Oferta de lugares em nibus em 23.03.2011, 43 Grfico 04: Pesquisa de Campo Oferta de nibus em 29.03.2011, 45 Grfico 05: Pesquisa de Campo, Oferta de lugares em nibus em 29.03.2011, 46 14. 11 1. INTRODUO Este trabalho busca fazer uma avaliao do Projeto de implantao e da tecnologia a ser utilizada no MONOTRILHO JARDIM NGELA - SANTO AMARO, apresentado pela Secretaria Municipal de Transportes e pela SPTrans S/A., que a empresa responsvel pelo gerenciamento do transporte pblico da cidade de So Paulo. O projeto est baseado em uma nova tecnologia a ser instalada, para buscar atender a demanda de passageiros dessa regio. E por se tratar de uma inovadora modalidade de transporte de massa, aguou todo o nosso interesse, pois dentre as disciplinas do Curso de Tecnologia em Logstica e Transportes, temos vrias ligadas ao assunto, tais como: PROJETOS EM LOGISTICA E TRANSPORTE, TECNOLOGIA DOS TRANSPORTES, TRFEGO E TRNSITO, ASPECTOS AMBIENTAIS DOS TRANSPORTES e TRANSPORTE DE PASSAGEIROS. Por isso, buscamos avaliar em quais cidades ao redor do mundo j foram implantados projetos semelhantes aos apresentados, e quais os resultados prticos trouxeram a populao que se utiliza dele, e se os resultados foram aqueles a que se propunham. Iremos fazer uma anlise da demanda atual e futura, para podermos ter uma idia melhor se esse projeto realmente poder ser o melhor no que diz respeito satisfao dos moradores quanto necessidade de transporte pblico. Impacto da Implantao do Monotrilho que ligar no extremo sul da cidade de So Paulo os bairros do Jardim ngela ao bairro de Santo Amaro no que diz respeito capacidade de transporte de passageiros por hora e por sentido em horrios de pico, para se obter uma resposta sobre a viabilidade desse Projeto, se ou no adequado s necessidades da regio. 15. 12 Por se tratar de um assunto sobre uma tecnologia j conhecida em muitas cidades pelo mundo e at mesmo no Brasil como na cidade de Poos de Caldas, mas para transporte de baixa capacidade e principalmente em cidades com o vis turstico. E que especificamente nesse Projeto, est sendo colocado como uma soluo inovadora para o transporte de mdia a alta capacidade de transporte de passageiros. Propusemo-nos ento, a avali-lo para podermos responder a seguinte questo: Essa tecnologia conseguir atender as necessidades dos moradores dessa regio que necessitam do transporte pblico? Para isso, estudamos vrios monotrilhos pelo mundo, no que diz respeito s suas reais capacidades de transporte de passageiros, sua velocidade mdia desenvolvida, as suas vantagens e desvantagens em relao a outros modais de transporte, como os nibus, o metr, as ferrovias, a sua extenso e o seu valor de implantao e principalmente das empresas que fornecem essa tecnologia j em outros pases e que participam da Concorrncia Pblica para tambm fornecerem essa tecnologia para implantao do Monotrilho na regio do Jardim ngela. Ento dividimos esse trabalho em alguns captulos, para podermos ter uma viso mais objetiva quanto aos vrios aspectos que so levados em conta para a instalao de um projeto dessa magnitude como esse, No primeiro Captulo abordamos as trs empresas que apresentaram proposta na Concorrncia Pblica elaborada pela SPTrans, que foram, a canadense Bombardier, a Scomi uma empresa da Malsia e japonesa Hitachi.Dentro dos aspectos levantados, esto as caractersticas dos vages de cada uma delas, disposio dos assentos, capacidade de passageiros por vages, velocidade mxima atingida e velocidade mdia em operao, grau de elevao de rampa que se pode superar com cada composio, configurao de cada composio (quantidade de vages), altura dos postes que iro fazer a sustentao das vigas, os Prs e os Contras de cada uma delas, o Head-way (intervalos entre as composies). Em seguida fizemos um comparativo entre o Monotrilho e o Metr no que diz respeito ao custo mdio de implantao, capacidade mxima de transporte de passageiros por hora e por sentido, a 16. 13 previso de custos com desapropriaes, a interferncia de cada um deles no trnsito durante a construo, as informaes de alguns projetos j em operao pelo mundo. Fizemos um levantamento do Projeto elaborado pela SPTrans que leva em conta a demanda atual e futura da regio, para se poder ter uma melhor anlise da infra-estrutura que hoje j encontra-se em operao e a real necessidade dessa regio. E por fim elaboramos uma pesquisa de campo que mostrou a oferta de micro-nibus, nibus Padron, Articulados e Bi-articulados que passam por essa regio no horrio de maior movimento, que o pico da manh, entre as 06h00min e as 09h00min da manh. Depois da anlise de vrios aspectos em relao a tecnologia dos monotrilhos, pudemos ter uma concluso, que foi tecnicamente baseada nica e exclusivamente em fatos e informaes, e no sob a ptica poltica, que acabam por influenciar a grande maioria dos projetos no s na cidade So Paulo, mas invariavelmente em quase todas as cidades e estados brasileiros. 17. 14 2. TECNOLOGIAS DO MONOTRILHO A definio dos monotrilhos que so trens que circulam diretamente apoiados em um trilho exclusivo de superfcie elevada, e so os nicos em que a largura do trilho menor que a largura do trem. Eles tm a trao feita sobre pneus o que faz com que hoje eles possam vencer rampas de 6 a 10 %, os trens de roda-trilho possuem uma capacidade para superar rampas limitadas em 3%, e por isso recomendado para regies com relevo de difcil acesso e com elevada densidade populacional. (OLIVEIRA, 2009). Figura 1: Detalhes de como os carros so presos as vigas de rolamento no sistema monotrilho do tipo Alweg (o mais comum no mundo). Cada composio possui um sistema independente de rodas de propulso auxiliar lateral de rodas e trava (abraadoras) que estabilizam os carros da composio na viga de rolamento e evitam o descarrilhamento em um sistema similar a usado em montanhas russas de parques de diverso. Com pequenas variaes entre si esse o sistema tpico dos 3 principais fornecedores. Fonte: Bombardier Transportation apud OLIVEIRA: 2009 p 32. 18. 15 No comeo do sculo XX foi inaugurado um dos primeiros monotrilhos no mundo em atividade at hoje, ele suspenso e fica na cidade alem de Wuppertal, ele tem uma composio com dois vages e tem a capacidade de transportar at 79 passageiros por vago. Desde meados do sculo XX pesquisas aprimoram esta tecnologia, em 1960 foi construda uma linha experimental na localidade de Chteauneuf-sur- Loire, na Frana, com 1100 m de extenso, para um monotrilho suspenso em pneus, constitudo por apenas um carro de 16,9 m de comprimento, por 2,96 m de altura e 2,90 m de largura, capaz de desenvolver a velocidade mxima de 100 km/h, tendo capacidade para transportar 125 passageiros. Este sistema era capaz de vencer rampas de 10% de inclinao e curvas de 30 m de raio. (WUPPERTAL, 2010). Figura 2: Monotrilho da cidade alem de Wuppertal de 1901 Fonte: Wuppertal, 2010. O motivo para as novas investidas nessa tecnologia que o processo de produo dos monotrilhos melhorou muito a partir dos anos 80. Os trens aumentaram de tamanho, de potncia, ganharam em tecnologia e a capacidade de passageiros foi multiplicada, aproximando-os do metr. Hoje uma composio do monotrilho com oito vages pode chegar a ter uma capacidade de at 1500 19. 16 passageiros por viagem com uma densidade de at oito passageiros por m , o metr chega em alguns horrios a ter uma densidade de at 10 passageiros por m. De uma capacidade de 10 mil a 15 mil passageiros//hora/sentido h 20 ou 30 anos, um monotrilho suspenso ou apoiado pode chegar a transportar at 60 mil passageiro/hora/sentido, conforme especificaes de uma das empresas especializadas, a Bombardier - e um metr fica entre 40 mil a 90 mil passageiros/hora. O custo e o tempo de construo do monotrilho, em compensao, so a metade de um metr. Podem ser implantado at trs vezes mais rpido que metr - o que significa, por exemplo, que a implantao do trecho Jardim ngela Santo Amaro pode ficar pronto em tempo para a Copa do Mundo no Brasil de 2014, quando a RMSP ter aproximadamente 21 milhes de habitantes. (SPTRANS, 2010). Figura 3: Monotrilhos sobre vigas e com trao lateral com pneus Fonte: Bombardier Transportation apud OLIVEIRA: 2009 p 32. Entre as principais vantagens do monotrilho podemos mencionar: 1) um sistema de transportes de passageiros de rpida implantao,a metade do tempo do metr; 2) mais atraente que os corredores de nibus; 3) Mais confortvel que os nibus; 4) Menor custo nas desapropriaes; 5) Sem a necessidade de construo de grandes pontes e/ou viadutos; 6) Menor impacto visual do que o metr; 7)Menos prejudicial aos veculos durante as obras, j que sua implantao interfere menos nas vias. (GARCIA, 2008). 20. 17 J entre as principais desvantagens podemos elencar: 1)Comboio que circula em linha suspensa, pode descarrilar, com o risco adicional de cair de uma altura de vrios metros do cho; 2) Em caso de pane e/ou acidente fora dos pontos ou estaes mais difcil fazer a retirada dos passageiros, principalmente se estiver cheio pela altura em que se encontra; 3) Risco de veculos se chocarem aos pilares construdos entre as vias, podendo a sua estrutura vir a ser abalada. (GARCIA, 2008) Figura 4: Exemplo de alguns tipos de monotrilho. A - do tipo Stadle Beam (viga em concreto pr moldado), B Suspenso Invertido e C Levitao Magntica. Fonte: Scomi Rail Co apud OLIVEIRA: 2009 p 6. Figura 5: Esboo dos vages produzidos pela Bombardier e pela Hitachi. Fonte: So Paulo: 2010. 21. 18 CARACTERSTICA BRT (Bus Rapid Transit) VLT (Veculo Leve Sobre Trilhos) MONOTRILHO METRO Custo mdio de implantao (US$/km) 15-40 20-50 40-70 80-120 Capacidade mxima tpica de transporte (mil passageiros /hora) 10-30 10-40 15-50 25-80 Capacidade mnima tpica de transporte (mil passageiros /hora) 2.000 2.000 3.000 10.000 Velocidade mdia (km/h) 25 a 60 25 a 40 40 a 60 40 a 90 Rudo (db) 70 a 90 (elevado) 60 a 80 60 a 80 75 a 100 Conforto Menor conforto (sofre com interferncias de freadas e semforos) Conforto mdio (sofre com interferncias de semforos e trnsito) Maior conforto (para somente em estaes, menor tempo de trajeto, passageiros podem apreciar a paisagem) Maior conforto (para somente em estaes, menor tempo de trajeto) Interferncia no trnsito Alta Alta Mnima (se elevado) Mnimo (se subterrneo) Custo previsto em desapropriao Elevado Elevado Baixo Mdio Interferncia durante a construo Elevada Elevada Mdia Baixa Capacidade de atrair usurios do transporte individual Baixa Mdia Alta Alta Tabela 1: Comparao entre os sistemas de transporte Fonte: Oliveira: 2009 p 11. 22. 19 2.1. PRINCIPAIS EMPRESAS FABRICANTES 2.1.1. BOMBARDIER - Bombardier Transportation A maior e a mais rentvel operao da empresa Canadense Bombardier no mundo no a produo de avies e sim a de trens de passageiros. Conforme dados da prpria empresa nesse ramo de produo de trens de passageiros ela est frente de empresas como a Alstom e a Siemens, com um faturamento de US$ 10 bilhes, o faturamento com avies ficou em torno de US$ 9,4 bilhes no ano de 2009. No Brasil ela ainda tem uma atuao pequena no ramo ferrovirio, com alguns contratos para reformas de trens urbanos com o Governo do Estado de So Paulo. (GARCIA, 2008) Mas ela est buscando a penetrao no mercado brasileiro atravs dos de uma velha, mas repaginada tecnologia do Monotrilho, que est em franca expanso pelo mundo afora. O motivo dessa expanso como diz Chris Antonopoulos, vice-presidente de vendas da Bombardier Transportation: [...] de que esse produto teria melhorado muito a partir dos anos 80, como o aumento alm do tamanho da potncia e dos tamanhos dos trens, tambm a tecnologia e da capacidade de transporte de passageiros foram muito ampliadas, chegando a se ter hoje uma capacidade de transporte de passageiros de at 50.000 passageiros por/h/s, chegando prximo capacidade do metr que de 40.000 a 90.000 por/h/s, mas com a vantagem de ter o custo e tempo de implantao diminudo pela metade. A Bombardier est no Brasil desde 2001, instalada na cidade de Hortolndia, interior de So Paulo onde tem contratos para reforma de trens com a CPTM e tambm com o METR. 23. 20 Figura 6: Composio de Monotrilho da Bombardier Fonte: Bombardier, 2010 2.1.2. SCOMI - Scomi Engineering Bhd Group uma empresa da Malsia, lder no fornecimento de sistemas de trnsito urbano no mundo, tambm uma das empresas que fabrica monotrilhos, em 2008 fechou um contrato com a ndia para a instalao de monotrilho na cidade de Mumbai para transportar 300 mil passageiros por dia em trens com 04 vages e com capacidade para transportar at seiscentos passageiros por composio, com previso de entrega para esse ano de 2011. Figura 7: Composio de Monotrilho da Scomi Fonte: Scomi, 2010 24. 21 2.1.3. HITACHI - Hitachi, Ltd. Global Sales Empresa japonesa com vrias divises atua tambm na construo de trens urbanos, e j fechou contratos para instalao de monotrilhos em vrias cidades japonesas como, por exemplo, a ligao da cidade de Tquio ao aeroporto de Haneda. A Hitachi tem projetos de monotrilhos e conforme tabelas de capacidade de transporte de passageiros da prpria empresa ela pode fornecer trens com 2, 4, 6 ou oito vages e a capacidade de cada composio variam de acordo com a quantidade vages e intervalos entre os trens, tendo uma composio com dois vages e intervalos de 8 minutos 8.100 passageiros por/h/s e chega a ter capacidade de at 64.800 passageiros por/h/s com uma composio de oito vages e intervalos de 2 minutos. (HITACHI, 2010). Figura 8: Composio de Monotrilho da Hitachi Fonte: Hitachi, 2010. 25. 22 Caracterstica Bombardier Hitachi Scomi Capacidade por carro 224 a 350 98 a 440 (Small type to large type) 139 Velocidade mxima (km/h) 80 80 90 Menor raio de curva (m) 45 65 a 100 (Small type to large type) 50 Gradiente de elevao 6,5% 6% 6% Configuraes Monocarro at 6 carros na composio Monocarro at 9 carros na composio Monocarro at 4 carros na composio Largura dos postes de apoio (m) 0,8 a 1,2 0,8 a 1,5 0,8 a 1,0 Altura tpica da via elevada (m) 6 a 8 6 a 12 6 a 10 Tabela 2: Caractersticas Tcnicas do Monotrilho Fonte: OLIVEIRA: 2009 p 25. 26. 23 EMPRESAS PRS CONTRAS Bombardier -Grande experincia na rea de transportes. - Possui sistema de monotrilho mais utilizado no mundo (Walt Disney World Monorail aproximadamente 200.000/dia. - Design dos carros mais modernos. -Deve ser o vencedor da maioria das concorrncias pblicas nos EUA. - Pouca experincia no transporte pblico urbano de massa (nica experincia em Las Vegas). Hitachi - Maior experincia com o sistema monotrilho entre os fabricantes. - Possui a maioria dos sistemas instalados na sia para transporte de passageiros (Tquio, Shoan, Chiba, Osaka entre outros). - Possui o sistema mais flexvel do ponto de vista da capacidade, iniciando em 30.000 passageiros/dia (small type) at 300.000 passageiros/dia (large type). - Seu monotrilhos operam no Japo desde 1957 sem acidentes fatais. - Provvel vencedor da concorrncia em So Paulo. - Sistema construtivo mais robusto e com vigas de maior impacto sobre a paisagem da cidade. Scomi - Boa experincia na rea de transporte. - Competidor entrante na rea e com preos competitivos. - Venceu a concorrncia para fornecer o monotrilho de Mumbai/ndia o maior projeto de monotrilho para transporte pblico - Menor experincia no sistema de monotrilho frente os dois fornecedores anteriores, possuindo apenas uma linha operando na Malasia (Kuala Lumpur) Tabela 3: Prs e Contras dos Principais Fornecedores de Monotrilhos Fonte: Adaptado de OLIVEIRA: 2009 p 20. 27. 24 2.2. CARACTERSTICAS DOS VAGES As caractersticas dos vages se assemelham muito com os vages das composies dos metrs, que so as de bancos para passageiros, bem encostados parede e vos livres no meio dos vages, o que acaba por dar mais espao para o transporte de passageiros em p. Essas composies podem ser de 04, 06 ou at de 08 vages e cada vago tem em mdia a capacidade para transportar at 190 passageiros com uma densidade de at oito passageiros por metro , que o padro adotado pelo metr, mas que na prtica do dia a dia, essa densidade chega at a 11 ou passageiros por metro em horrios de pico. (SPTRANS, 2010). Conforme as tabelas a seguir, podemos verificar qual ser a real capacidade de transporte de passageiros por hora e por sentido, dependendo das combinaes entre as quantidades de vages em cada composio do monotrilho e dos intervalos de freqncia entre essas composies. Como por exemplo, se tivermos como no projeto inicial apresentado pela So Paulo Transportes S/A. (SPTRANS) um intervalo entre as composies de 90 segundos, composies de oito vages e densidade de oito passageiros por metro , em horrios de pico na parte da manh e da tarde, chegaremos a ter um total de passageiros transportados por hora e por sentido acima 60.000 por hora. E se nos horrios de entre picos tivermos composies com quatro vages, intervalos de 3 minutos e por se tratar de um horrio com uma demanda normalmente menor uma densidade de at seis passageiros por m, chegaremos a ter um total de passageiros transportados por hora e por sentido de at 12.000 passageiros. (SPTRANS, 2010). 28. 25 Figura 9: Disposio de vages acessveis da Bombardier Fonte: SPTrans, 2010. Figura 10: Disposio de vages da Scomi Fonte: SPTrans, 2010. Figura 11: Disposio de vages da Hitachi Fonte: SPTrans, 2010. 29. 26 Descrio Unidade 4 carros 6 carros 8 carros Densidade ocupao em p Passag. / m 8 8 8 Capacidade do trem Passageiros 756 1.158 1.512 Oferta de lugares Passag./hora 30.240 46.320 60.480 Frequncia horria Trens/hora 40 40 40 Distncia total (ida e volta) Km 22,86 22,86 22,86 Velocidade mdia Km/hora 27,9 27,9 27,9 Tempo de viagem (ida/volta) Minutos 49,12 49,12 49,12 Intervalo dos trens (headway) Segundos 90 90 90 Frota operacional Trens 33 33 33 Frota de reserva Trens 3 3 3 Frota necessria (op+ reserva) Carros 144 216 288 Tabela 4: Capacidades mximas com densidade de 8 passageiros/m Fonte: SPTrans, 2010. Como podemos observar na tabela acima de capacidade com densidade para oito passageiros por metro quadrado acima, onde para quatro carros, sua capacidade pode chegar a at setecentos e cinqenta e seis por viagem e quase trinta mil e duzentos e cinqenta passageiros por horas e seis passageiros por metro quadrado, aumentando para seis carros teremos uma capacidade de um pouco mais de mil e cem passageiros por viagem, chegando a transportar quarenta e seis mil e trezentos e vinte passageiros por hora e por ltimo utilizando oitos carros podendo a transportar at aproximadamente mil e quinhentos passageiros por viagem e quase sessenta mil e quinhentos passageiros por dia. Nesta tabela pode-se observar tambm que para transportar este contingente necessrio trinta e trs trens por hora e percorrendo uma distancia de quase vente e trs km/hora a uma velocidade de quase vinte e oito km/hora ,gastando quase cinqenta minutos para o percurso citado ida volta e ainda tendo uma reserva de trs trens para esta operao. 30. 27 Descrio Unidade 4 carros 6 carros 8 carros Densidade de ocupao em p passageiros /m 6 6 6 Capacidade do trem Passageiros 598 916 1.196 Oferta de lugares passageiros/hora 23.920 36.640 47.480 Frequncia horria trens/hora 40 40 40 Distncia total (ida e volta) Km 22,86 22,86 22,86 Velocidade mdia km/hora 27,9 27,9 27,9 Tempo de viagem (ida e volta) Minutos 49,12 49,12 49,12 Intervalo dos trens (headway) Segundos 90 90 90 Frota operacional trens 33 33 33 Frota de reserva Trens 3 3 3 Frota necessria (op+ reserva) Carros 144 216 288 Tabela 5: Capacidades mximas com densidade de 6 passageiros/m Fonte: SPTrans, 2010. Como se pode observar na tabela de capacidade com densidade para seis passageiros por metro quadrado acima, onde para quatro carros, sua capacidade pode chegar a quase 600 por viagem e vinte e trs mil novecentos e vinte passageiros por horas, aumentando para seis carros teremos uma capacidade de um pouco mais de novecentos passageiros por viagem, chegando a transportar trinta e seis mil e seiscentos e quarenta passageiros por hora e por ultimo utilizando oitos carros podendo a transportar quase mil e duzentos passageiros por viagem e quase quarenta e sete mil e quinhentos passageiros por dia. Nesta tabela pode-se observar tambm que para transportar este contingente necessrio trinta e trs trens por hora e percorrendo uma distancia de quase vente e trs km/hora a uma velocidade de quase vinte e oito km/hora ,gastando quase cinqenta minutos para o percurso citado ida /volta e ainda tendo uma reserva de trs trens para esta operao. 31. 28 Densidade Cabeceira Intermedirio 4 carros 6 carros 8 carros 6 passageiros 140 159 617 935 1.253 8 passageiros 177 201 780 1.182 1.584 Tabela 6: Capacidade total de passageiros por carro e por trem Fonte: SPTrans, 2010. A tabela acima mostra a capacidade de mnima que cada composio dever ter levando em considerao que cada composio ter uma cabeceira que o primeiro vago, que por se tratar de ser o vago onde ser utilizada uma cabine de controle, por esse motivo a composio poder ter uma capacidade de passageiros de acordo com a densidade de passageiros por metro quadrado e a quantidade vages que ela ter. Vejamos por exemplo uma composio com a densidade de oito passageiros por metro quadrado e com 6 vages, ento ela poder ter uma capacidade total de 1.182 passageiros, que seriam 177 passageiros no primeiro vago, mais cinco vages com a capacidade de 201 passageiros cada, teremos um total de 1005 nos vages intermedirios. Chegando a um total de 1.182 passageiros. Dimenso Comprimento (m) Largura (m) Altura (m) Trem de 8 carros 122,00 3,00 5,00 Trem de 6 carros 91,00 3,00 5,30 Trem de 4 carros 61,00 3,00 5,30 Carga por eixo 11 toneladas Tabela 7: Dimenses dos vages Fonte: SPTrans, 2010. J a tabela acima mostra o comprimento total que cada composio dever ter, dependendo, da quantidade vages que possuir, como por exemplo, a composio com oito vages dever ter um comprimento mximo de 122 metros. 32. 29 2.3. COMPARATIVO ENTRE MONOTRILHO E METR Conforme a tabela abaixo elaborada pela CBTU (Companhia Brasileira de Trens Urbanos) algumas comparaes so feitas entre o Monotrilho ainda em projeto e o Metr j implantado em algumas regies, como por exemplo, o custo mdio de implantao por quilmetro. O Monotrilho tem um custo mdio de 40 a 70 milhes de dlares, enquanto o custo mdio do Metr de 80 a 120 milhes de dlares. J a capacidade de transporte de passageiros por hora e por sentido do monotrilho de 15 a 50 mil passageiros, enquanto que a capacidade do Metr 25 a 80 mil passageiros. A velocidade mdia do Monotrilho 30 a 80 km/h, enquanto que a do Metr de 40 a 90 km/h. No que diz respeito ao conforto tanto o Monotrilho como o Metr oferecem um maior conforto aos passageiros em relao aos nibus na Cidade de So Paulo. Comparao da capacidade dos diferentes tipos de Sistema 0 5000 10000 15000 20000 25000 30000 35000 40000 45000 50000 0 10 20 30 40 50 60 70 Velocidade Mdia da Viagem em km/h PassageirosporDireoporHora (pphpd) nibus Bonde ART e Monotrilho de alta capacidade Metr VLT Monotrilho convencional LRT, Grau Separado Grfico 1: Comparao da capacidade dos diferentes tipos de sistema . Fonte: GARCIA, 2008, p 8. 33. 30 Itens de Comparao Monotrilho Metr Custo mdio de Implantao (US$ / km) 40 a 70 80 a 170 Capacidade mxima de transporte (mil pass. p/h/s) 15 a 50 25 a 80 Velocidade mdia (km/h) 30 a 80 40 a 90 Rudo (decibis) 60 a 80 75 a 100 Conforto Maior conforto Maior conforto Previso de custo de desapropriao Baixo Alto Interferncia durante a construo Mdia Alta Capacidade de atrair usurios de transporte Individual Alta Alta Relao de emisso de carbono (p/ passageiros Transportado) Baixa Baixa Tabela 8: Comparativo entre Metr e Monotrilho Fonte: CBTU, 2010 34. 31 3. MONOTRILHOS PELO MUNDO H vrios exemplos de monotrilhos j em operao pelo mundo, muitos para atender a demandas de cidades tursticas como foi o caso da cidade de Wuppertal na Alemanha, onde em 1901 foi construdo o primeiro monotrilho que se tem conhecimento, mesmo sendo suspenso como a maioria dos monotrilhos no mundo ele se diferencia por seus vages correrem abaixo dos trilhos, pendurado, ele tem as rodas na parte superior do vago e essas correm abraadas ao trilho, porm no se tem notcias da capacidade de transporte de passageiros que ele possui, mas por se tratar de uma composio com dois vages e de uma cidade turstica, d para se ter uma idia de que ele no foi projetado para altas demandas de passageiros. No Brasil tambm tivemos na cidade turstica de Poos de Caldas em Minas Gerais a implantao de um monotrilho no ano de 1990 com 6 km de extenso, 11 estaes e uma capacidade de 80 passageiros por viagem que foi desativado no ano de 2003, o que evidencia que tambm no foi projetado para altas demandas de passageiros. (WIKIPEDIA, 2010). Figura 12: Monotrilho em Las Vegas Fonte: Garcia, 2008, p. 21. 35. 32 As maiores e mais reconhecidas empresas que constroem monotrilhos, garantem ter tecnologia disponvel para poder atender s necessidades das grandes cidades em volta do mundo, como o caso do Projeto do Monotrilho para o Jardim ngela e regio da Estrada do M Boi Mirim. Figura 13: Monotrilho na Arbia Saudita Fonte: Garcia, 2008, p. 22. Como projeto mais atualizado e moderno temos o monotrilho Palm Jumeirah em Dubai, que foi inaugurado em maio de 2009, e que tem no projeto uma capacidade mxima de 6.000 passageiros/ h/s e extenso de 5.400 metros. Em nenhum projeto elaborado pelo mundo existe capacidade dos monotrilhos como a prevista para o Brasil, a canadense Bombardier fechou um contrato com a Arbia Saudita para um monotrilho com capacidade de 20.000 passageiros /h/s, o projeto brasileiro ser pioneiro, e como todo projeto pioneiro, leva consigo a desconfiana. (GARCIA, 2008). 36. 33 Figura 14: Monotrilho de Palm Jumeirah Dubai em trilho de concreto armado e trao sobre pneus - Hitachi. Fonte: Monorail Society apud Oliveira, 2009, p. 5 Hoje no existe no mundo monotrilho operando com capacidade superior a 10 mil passageiros por hora/sentido. Entendemos que essa soluo seja equivocada, por exemplo, com relao ao potencial da capacidade que esse transporte pode oferecer para a populao. Acreditamos que existam alternativas muito mais adequadas e superiores ao monotrilho. Infelizmente, o monotrilho falhou no cumprimento de sua promessa. Em vez de iniciar uma nova era de transporte pblico rpido e limpo, sua histria tem sido a de corredores limitados, que se mostram financeiramente insustentveis. Na tabela abaixo podemos ver algumas cidades que optaram pelo monotrilho, mesmo no sendo projetos de grandes demandas de transportes. Figura 15: Monotrilho de Las Vegas. Fonte: Bombardier Transportation apud OLIVEIRA, 2009, p. 7. 37. 34 Local Inaugurao Extenso Estaes Velocidade Tokio, Japo 17/09/64 17,8 km 10 80 km/h Kanagawa, Japo 03/03/70 6,6 km 8 75 km/h Chiba, Japo 28/03/88 15,2 km 15 75 km/h Chongging,China 18/06/05 19,2 km 18 80 km/h Wuppertal, Alemanha 01/03/01 13,3 km 20 60 km/h Dortmound, Alemanha 02/05/84 3 km 5 50 km/h Dusseldorf, Alemanha 20/02/07 2,5 km 4 50 km/h Sidney, Austrlia 01/08/88 3,6 km 8 33 km/h Flrida, EUA 01/10/71 23,6 km 6 40 km/h Dubai 09/05/09 5,4 km 6 70 km/h Tabela 09: Monotrilho no Mundo Fonte: Monorail Society 2010 38. 35 3.1. O PROJETO Pelo projeto proposto pela So Paulo Transportes SPTrans S/A., o monotrilho Jardim ngela Santo Amaro, prev atender uma capacidade de at 40.000 passageiros/h/s com composies de at 6 carros e para 60.000 passageiros/h/s com composies de at 8 carros, para um intervalo das composies de 90 segundos, s que hoje no se consegue esse tempo de intervalo (head-way) no metr que tem composies com no mximo 6 carros e intervalos que so em mdia de 101 segundos em horrio de pico na linha 3 - Vermelha, conforme matria institucional no site da empresa. Figura 16: Trajeto Monotrilho Jardim ngela Santo Amaro Fonte: SPTrans 2010 39. 36 Conforme o professor da Escola Politcnica da Universidade de So Paulo (Poli-USP) Jaime Waisman seis o limite aceitvel, mas preciso investir em tecnologia e no aumento da rede. A distribuio da demanda por novos ramais deve melhorar esses ndices de ocupao." Levando em considerao ento que os intervalos do monotrilho em horrio de pico fossem iguais aos do Metr, teramos um total de 35 viagens p/h/s e com seis carros na composio e uma densidade de seis passageiros por m , teramos ento um total de passageiros transportados de 32.060 passageiros p/h/s. O que j seria um ganho significativo, j que o corredor de nibus do M Boi Mirim hoje tem uma capacidade de transporte de aproximadamente 27.000 passageiros com mdia de 300 nibus p/h/s e uma capacidade mdia de 90 passageiros por nibus. Mas que poderia ainda ter um ganho muito maior se tivermos as mesmas 35 viagens p/h/s e com 8 carros na composio e uma densidade de 8 passageiros por metro , o que daria um total de 52.920 passageiros p/h/s. O intervalo entre trens (head-way) do Metr nos horrios de pico, das 7 s 8 horas, e das 17 s 18 horas, um dos menores do mundo. Na Linha 3-Vermelha ele de apenas 101 segundos; na Linha 1-Azul, 109 segundos; e na Linha 2 - Verde de 150 segundos. A Linha 5-Lils opera com um intervalo entre trens de 381 segundos. Apenas dois metrs do mundo (de Moscou e de Paris) programam intervalos entre trens inferiores a 101 segundos (METR, 2011) Fica a dvida se o projeto realmente conseguir atender as necessidades da regio, justamente por no termos em nenhum outro pas, um monotrilho j instalado que consiga atender as expectativas que o projeto nos mostra, e muitos especialistas em transportes duvidam que as empresas consigam atender a qualquer capacidade que ultrapasse os 30.000 passageiros p/h/s. 40. 37 3.1.1. Demanda futura O projeto que a SPTrans apresentou para implantao do monotrilho do trecho entre o Jardim ngela e Santo Amaro leva em conta uma demanda atual de aproximadamente 40.000 passageiros p/h/s, e at 2045 estima-se atravs de estudo de crescimento demogrfico da regio, uma demanda de 60.000 passageiros p/h/s. Demanda Futura para o Projeto 2010 40.000 passageiros 2045 60.000 passageiros Tabela 10: Demanda Prevista Fonte: SPTrans 2010 3.1.2. Oferta atual Atualmente na regio temos os nibus que andam pelo Corredor Exclusivo de nibus M Boi Mirim / Guarapiranga, segregado da via em que os autos particulares e caminhes rodam e utilizado pelas empresas do sistema estrutural: VIP (Viao Itaim Paulista), Viao Campo Belo, Viao Transkuba e Viao Gatusa. Temos ainda os micro-nibus e os nibus que andam pela Estrada do M Boi Mirim e Av. Guarapiranga pela pista normal onde rodam os veculos particulares e os caminhes que so os do chamado sistema local, linhas essas que so operadas pela cooperativa Cooper Pam ligadas ao consrcio Autho-Pam. 41. 38 4. PESQUISA DE CAMPO OFERTA ATUAL DA REGIO Por meio de pesquisa de campo que fez a contagem de todos os nibus e micro-nibus que circularam nos dias 23/03/2001 e 29/03/2011, pode-se verificar a oferta atual de lugares que so disponibilizados a populao dessa regio pelos nibus e micro-nibus que passaram nos horrios de maior movimento durante o dia, o chamado horrio de pico, que compreende entre as 06h00min e as 09h00min da manh. A pesquisa realizada nos dias 23.03.2011 (quarta-feira) e no dia 29.03.2011(tera-feira) teve por objetivo a contagem dos nibus e lotaes que passaram pela Av. Guarapiranga x Av. Guido Caloi, onde fica o final corredor M Boi Mirim / Guarapiranga no perodo das 06h00min as 09h00min. Foram utilizadas duas pessoas, uma que anotava a quantidade de Micro- nibus e nibus que passaram fora da faixa exclusiva de nibus, que seria o virio normal, onde trafegam os veculos do chamado sistema local, que so os permissionrios das Cooperativas; e outra que anotava a quantidade de nibus padro, nibus articulado e nibus bi-articulado que so os veculos do chamado sistema estrutural, que so as concessionrias, empresas de nibus que trafegam pela regio. Com esses dados em mos, foi feita uma tabela que mostra a quantidade de cada tipo de veculo e multiplicado pela sua capacidade de passageiros. Essa capacidade de passageiros est de acordo com as informaes fornecidas pela Secretaria Municipal de Transportes que em seu stio na internet respeitando a densidade de at seis passageiros por metro quadrado, que o padro utilizado internacionalmente para transportes coletivos. Na realidade essa densidade bem maior tanto nos nibus como nos micro-nibus nos horrios de pico, chegando-se at a densidade de 10 passageiros por metro quadrado. 42. 39 Ento foram feitas duas tabelas com a capacidade de oferta de passageiros que podem se utilizar dessa faixa exclusiva de nibus, que seria a primeira com capacidade de 190 passageiros por nibus bi-articulado, 120 passageiros por nibus articulado, 83 passageiros por nibus padro e 40 passageiros por micro-nibus, o que nos mostra que no dia 23.03.2011 houve uma oferta total de at 19.876 passageiros na faixa das 06h00min as 06h59min, de at 20.989 passageiros na faixa das 07h00min as 07h59min e de at 29.910 passageiros na faixa das 08h00min as 08h59min. E no dia 29.03.2011 foi uma oferta total de at 20.645 passageiros na faixa das 06h00min s 06h59min, de at 25.198 passageiros na faixa das 07h00min as 07h59min e de at 26.600 passageiros na faixa das 08h00min as 08h59min. Isso levando em conta a densidade de at 06 passageiros por metro quadrado. Figura 17: nibus Padron piso Baixo Central Fonte: Marcelo Pitanga Saragoa Maio/2011 43. 40 Figura 18: nibus Articulado Piso Baixo Fonte: Rodney Caetano da Silva Maio/2011 Se levarmos em conta a densidade de at 10 passageiros por metro quadrado, no dia 23.03.2011 teramos uma oferta de at 27.670 passageiros na faixa das 06h00min as 06h59min, de at 28.910 passageiros na faixa das 07h00min as 07h59min e de at 41.370 na faixa das 08h00min as 08h59min. J no dia 29.03.2011 teramos uma oferta de at 28.840 passageiros na faixa das 06h00min as 06h59min, de at 34.220 na faixa das 07h00min as 07h59min e de at 37.150 passageiros na faixa das 08h00min s 08h59min horas. Conforme mostram as planilhas e os grficos que seguem: Figura 19: Biarticulado Pdium B12M e Biarticulado B9 SALF Fonte1: Marcelo Pitanga Saragoa Maro/2011 44. 41 Pesquisa de fluxo em corredor exclusivo de nibus por tecnologia Data 23/03/2011 Sentido: B/C Corredor: MBOI MIRIM / GUARAPIRANGA Local: AV. GUARAPIRANGA X AV. GUIDO CALOI Tempo: BOM Dia semana: QUARTA-FEIRA Faixa Horria Bi-articulado Articulado Padron TOTAL 6:00 s 6:59 17 62 72 151 7:00 s 7:59 17 70 90 177 8:00 s 8:59 33 84 115 232 TOTAL 560 PERCENTUAL Faixa Horria Bi-articulado Articulado Padron Total 6:00 s 6:59 11,26% 41,06% 47,68% 100,00% 7:00 s 7:59 9,60% 39,55% 50,85% 100,00% 8:00 s 8:59 14,22% 36,21% 49,57% 100,00% Pesquisa de fluxo na Av. Guarapiranga na modalidade local Data 23/03/2011 Sentido: B/C Corredor: MBOI MIRIM / GUARAPIRANGA Local: AV. GUARAPIRANGA X AV. GUIDO CALOI Tempo: BOM Dia semana: QUARTA-FEIRA Faixa Horria Micro-nibus Padron TOTAL 6:00 s 6:59 60 10 70 7:00 s 7:59 41 3 44 8:00 s 8:59 90 5 95 Total 209 PERCENTUAL Faixa Horria Micro-nibus Padron Total 6:00 s 6:59 85,71% 14,29% 33,49% 7:00 s 7:59 93,18% 6,82% 21,05% 8:00 s 8:59 94,74% 5,26% 45,45% Total 100,00% Tabela 11 : Pesquisa de Campo Oferta total de nibus em 23.03.2011 Fonte: Elaborada pelos autores 45. 42 Grfico 2: Pesquisa de Campo Oferta de nibus em 23.03.2011 Fonte: Elaborada pelos autores OFERTA TOTAL DE BIARTICULADO Densidade de 6 p/m Densidade de 8 p/m Densidade de 10 p/m 3230 3570 3910 6:00 s 6:59 3230 3570 3910 7:00 s 7:59 6270 6930 7590 8:00 s 8:59 OFERTA TOTAL POR DE ARTICULADO 7440 9300 10540 6:00 s 6:59 8400 10500 11900 7:00 s 7:59 10080 12600 14280 8:00 s 8:59 OFERTA TOTAL DE PADRON 5976 6840 7920 6:00 s 6:59 7470 8550 9900 7:00 s 7:59 9545 10925 12650 8:00 s 8:59 Tabela 12: Pesquisa de Campo Oferta lugares nos nibus em 23.03.2011 Fonte: Elaborada pelos autores 46. 43 Tabela 13: Pesquisa de Campo Oferta Total de lugares nos nibus em 23.03.2011 Fonte: Elaborada pelos autores Grfico 03: Pesquisa de Campo Oferta Total de lugares nos nibus em 23.03.2011 Fonte: Elaborada pelos autores OFERTA TOTAL POR FAIXA HORRIA 23.03.2011 Faixa Horria Densidade de 6 p/m Densidade de 8 p/m Densidade de 10 p/m 6:00 s 6:59 19876 24260 27670 7:00 s 7:59 20989 25365 28910 8:00 s 8:59 29910 36330 41370 47. 44 Pesquisa de fluxo em corredor exclusivo de nibus por tecnologia Data 29/03/2011 Sentido: B/C Corredor: MBOI MIRIM / GUARAPIRANGA Local: AV. GUARAPIRANGA X AV. GUIDO CALOI Tempo: BOM Dia semana: TERA-FEIRA Faixa Horria Bi-articulado Articulado Padron TOTAL 6:00 s 6:59 18 70 70 158 7:00 s 7:59 27 77 111 215 8:00 s 8:59 25 74 105 204 TOTAL 577 PERCENTUAL Faixa Horria Bi-articulado Articulado Padron Total 6:00 s 6:59 11,39% 44,30% 44,30% 100,00% 7:00 s 7:59 12,56% 35,81% 51,63% 100,00% 8:00 s 8:59 12,25% 36,27% 51,47% 100,00% Pesquisa de fluxo na Av. Guarapiranga na modalidade local Data 29/03/2011 Sentido: B/C Corredor: MBOI MIRIM / GUARAPIRANGA Local: AV. GUARAPIRANGA X AV. GUIDO CALOI Tempo: BOM Dia semana: TERA-FEIRA Faixa Horria Micro-nibus Padron TOTAL 6:00 s 6:59 65 5 70 7:00 s 7:59 34 3 37 8:00 s 8:59 96 5 101 Total 209 PERCENTUAL Faixa Horria Micro-nibus Padron Total 6:00 s 6:59 92,86% 7,14% 33,49% 7:00 s 7:59 91,89% 8,11% 21,05% 8:00 s 8:59 95,05% 4,95% 45,45% Total 100,00% Tabela 14: Pesquisa de Campo Oferta total de nibus em 29.03.2011 Fonte: Elaborada pelos autores 48. 45 Grfico 04: Pesquisa de Campo Oferta de nibus em 29.03.2011 Fonte: Elaborada pelos autores OFERTA TOTAL DE BIARTICULADO Densidade de 6 p/m Densidade de 8 p/m Densidade de 10 p/m 3420 3780 4140 6:00 s 6:59 5130 5670 6210 7:00 s 7:59 4750 5250 5750 8:00 s 8:59 OFERTA TOTAL POR DE ARTICULADO 8400 10500 11900 6:00 s 6:59 9240 11550 13090 7:00 s 7:59 8880 11100 12580 8:00 s 8:59 OFERTA TOTAL DE PADRON 5810 6650 7700 6:00 s 6:59 9213 10545 12210 7:00 s 7:59 8715 9975 11550 8:00 s 8:59 Tabela 15: Pesquisa de Campo Oferta lugares nos nibus em 29.03.2011 Fonte: Elaborada pelos autores 49. 46 OFERTA TOTAL POR FAIXA HORRIA 29.03.2011 Faixa Horria Densidade de 6 p/m Densidade de 8 p/m Densidade de 10 p/m 6:00 s 6:59 20645 23255 28840 7:00 s 7:59 25198 30090 34220 8:00 s 8:59 26600 32560 37150 Tabela 16: Pesquisa de Campo Oferta Total de lugares nos nibus em 23.03.2011 Fonte: Elaborada pelos autores Grfico 05: Pesquisa de Campo Oferta Total de lugares nos nibus em 29.03.2011 Fonte: Elaborada pelos autores 50. 47 5. CONCLUSO Este Trabalho de Concluso de Curso buscou fazer uma avaliao do Projeto de implantao e da tecnologia a ser utilizada no MONOTRILHO JARDIM NGELA - SANTO AMARO apresentado pela Secretaria Municipal de Transportes e pela SPTrans que a empresa responsvel pelo gerenciamento do transporte pblico da cidade de So Paulo. O Monotrilho de uma forma geral no Brasil e por que no dizer no mundo, ainda uma tecnologia que no foi testada para transportes de passageiros em massa, em regies perifricas que tem uma grande demanda, e que precisam de um transporte digno e confivel para seus deslocamentos seja para trabalho, estudo ou lazer. At o momento no temos no mundo ainda essa tecnologia j implantada para uma capacidade que consta nesse projeto como sendo de at 40.000 passageiros por hora por sentido, e com a perspectiva de se chegar at os 60.000 passageiros por hora por sentido em futuro de acordo com o aumento da demanda da regio do Jardim ngela e com composies que chegariam a ter at oito vages. Como j pudemos observar anteriormente nesse trabalho o preo de implantao de cada quilmetro de monotrilho o equivalente a pelo menos metade do preo da implantao do metr, e com um tempo de implantao das obras que seriam tambm de menos da metade do tempo da implantao do metr. Porm se formos analisar de outra forma, hoje necessitaramos de aproximadamente R$ 1,3 bilhes para a implantao do trecho de pelo menos 11 (onze) quilmetros de monotrilho para fazermos a ligao do bairro do Jardim ngela at o bairro de Santo Amaro passando pela Estrada do M Boi Mirim. 51. 48 Agora caso fosse feita uma ampliao da linha Lils do Metr que fizesse a ligao do Metr Capo Redondo at o Bairro do Jardim ngela onde temos uma distncia em linha reta de aproximadamente 4 (quatro) quilmetros, teramos a necessidade de aproximadamente um valor de R$ 1,156 bilhes para podermos ter a implantao do Metr que conseguiria fazer a ligao direta com o Metr de Santo Amaro e futuramente, j que j est em execuo a ligao da estao Largo 13 de Maio at a estao Santa Cruz do Metr. Ento podemos verificar que com um investimento inferior em aproximadamente R$ 146 milhes, a Secretaria Municipal de Transportes poderia ter a implantao de uma tecnologia j testada e aprovada que a do Metr e que a populao da regio do M Boi Mirim j deu vrias demonstraes de ser o desejo de grande parte dos usurios, atravs de manifestaes pblicas e abaixo assinados que foram entregues s autoridades municipais na audincia pblica que foi feita na Cmara Municipal da Cidade de So Paulo no dia 02 de setembro de 2010 em que estivemos presentes quando foi aberta a discusso para dos Projetos do Monotrilho tanto para a regio do M Boi Mirim como tambm para a regio dos bairros do Morumbi, Vila Prudente e Cidade Tiradentes, que acabou sendo apenas explanado o projeto da regio do M Boi Mirim pelo Sr. LAURINDO MARTINS JUNQUEIRA FILHO coordenador do Projeto de Monotrilho do Jardim ngela ao Bairro de Santo Amaro, da So Paulo Transportes S/A. e no se abriu o espao para perguntas da populao por falta de tempo disponvel, isso acabou gerando indignao a todos os presentes e no se pde ter respostas s dvidas em torno do projeto. 52. 49 REFERNCIAS BIBLIOGRFICAS SPTRANS - So Paulo - Monotrilho Jardim ngela/ Santo Amaro Um novo sistema de mdia capacidade em So Paulo. Superintendncia de Planejamento de Transporte DT/SPT, Novembro 2009, 238p. GARCIA, Francisco. Os desafios da mobilidade nas cidades brasileiras: tecnologias de ponta para novos projetos ferrovirios. Apresentao para 15 Reunio intermediria dos Comits Tcnicos da ALAMYS. So Paulo: Junho/2008. OLIVEIRA, Uarlem Jos de Faria Proposta de Implantao de Sistema de Transporte de Passageiros do Tipo Monotrilho na Regio Metropolitana de Vitria. Esprito Santo: IFES - Instituto Federal do Esprito Santo, 2009. VASCONCELLOS, Eduardo. O que trnsito. Editora: Brasiliense, 1992. VASCONCELOS, Eduardo. Transporte urbano,espao e equidade: anlise das polticas pblicas. So Paulo: Annablume, 2002. http://www.intelog.net/site/default.asp?TroncoID=907492&SecaoID=508074&Subs ecaoID=483908&Template=../artigosnoticias/user_exibir.asp&ID=638201&Titulo= Bombardier%20busca%20mais%20monotrilhos (acesso em 28/03/2011) http://www.arq.ufsc.br/arq5661/trabalhos_2006-1/metros/outras_tecs.htm (acesso em 28/03/2011) http://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/transportes/noticias/?p=12298 (acesso dia 06/10/2010 as 19:40 horas) http://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/transportes/noticias/?p=16569 (acesso dia 10/10/2010 as 15:00 horas) http://www.estadao.com.br/estadaodehoje/20100923/not_imp613866,0.php (acesso dia 13/10/2010 as 19:25 horas) http://www.metro.sp.gov.br/aplicacoes/news/tenoticiasview.asp?id=6565H474K9& categoria=6527H4&idioma=PO&secao=DADOS%20GERAIS (acesso dia 14/10/2010 as 18:00 horas) http://pt.wikipedia.org/wiki/Monocarril (acesso em 29/09/2010 as 20:00 horas) http://www.slideshare.net/chicomacena/comparativo-metr-x-monotrilho (acesso em 05/10/2010 as 20:30 horas) http://www.metro.sp.gov.br/aplicacoes/news/tenoticiasview.asp?id=65658103C2& categoria=6561F2&idioma=PO (acesso em 30/10/2010 as 15:40 horas) http://gazetaonline.globo.com/_midias/pdf/265819-4be40d8105684.pdf (acesso em 02/11/2010 as 21:00 horas)