TÉCNICAS CONSTRUTIVAS-ESTRUTURAS METÁLICAS

  • View
    2.790

  • Download
    8

Embed Size (px)

Text of TÉCNICAS CONSTRUTIVAS-ESTRUTURAS METÁLICAS

Estruturas MetlicasAline B. Da Silva Luisa H.Curiel Mariana N. Cavalheiro Paula L. Albano Tais A. A.Wassall

TCNICAS CONSTRUTIVAS

Histria do ao

A fabricao do ferro teve inicio na Anatlia, cerca de 2000 a.C., tendo sido a idade do ferro, plenamente estabelecida por volta de 1000 a.C.. Neste perodo, a tecnologia da fabricao do ferro espalhou-se pelo mundo. Os minrios de ferro eram encontrados em abundancia na natureza, assim como o carvo. Atualmente a maior quantidade de matria-prima para produo de ao a sucata, proveniente dos resduos de fabricao industrial. importante ressaltar, que qualquer ao origina-se de uma jazida natural de minrio de ferro.

Processo produtivo de fabricao do ao: -preparao do minrio e do carvo (mistura em alto forno); -reduo do minrio de ferro; -refino (refinado e ligado, descarbonatando -se e transformado em ao, em fornos de v rios tipos); -conformao mecnica.

Definio do ao: o ao uma liga-metlica composta de ferro com quantidades pequenas de carbono, mangans e silcio, denominados de aos-carbonos. Os aos cujas ligas se compe de outros elementos so chamados de aos-ligas.

Definio estrutura metlica: a estrutura-metlica baseia-se na unio de elementos metlicos de sees transversais conhecidas, de forma a gerar um conjunto de determinada geometria possibilitando seu uso estrutural de forma otimizada, utilizando tcnicas industriais avanadas.

2

Montagem

Projeto Fabricao Transporte Montagem Testes

Ao idealizar um projeto, o projetista deve levar em conta que todas essas operaes esto ligadas entre si, e tentar harmoniz-las ao mximo, com as operaes de oficina realizadas em srie, e sua montagem facilitada, de modo que no haja desperdcio, de mo de obra, nem tampouco de custo. Processo de montagem: Definio do ciclo de montagem: Escolha do mtodo (determinao das seqncias das operaes e os tempos correspondentes a cada uma delas). De acordo com o mtodo definido, apontar a mo de obra mais qualificada para cada operao. Evitar recortes e furos ao projetar a obra, bem como a variao do dimetro das aberturas (a variedade das formas das peas metlicas deve ser a menor possvel). Erros nessas reas provocam trabalho adicional, atraso na montagem, e acrscimo de custo realizao da obra. O custo da montagem supera em 50% o da fabricao. Para o planejamento de uma estrutura deve-se considerar se ela mdia, leve ou pesada: Estruturas leves: de montagem prpria, desnecessidade de equipamentos sofisticados para elevao e transporte. Estruturas mdias: Permitem transporte por caminhes comuns, e na montagem os equipamentos mecnicos possuem capacidade modesta. Estruturas pesadas: Necessitam de equipamentos mecnicos pesados. Seus elementos estruturais precisam de adaptaes especiais.

3

Cuidados especiais na montagem das estruturas.

Descarga e armazenamento das peas, seguindo um agrupamento por tipo e seqncia de montagem. Prever a necessidade de estacionamento da estrutura, distncias necessrias, contraventos provisrios etc. Prever reas de pr-montagem dos materiais. Prever iluminao para o caso de trabalhos noturnos.

Inspeo de montagem: Verificar se o montador obedeceu aos critrios mnimos de tolerncia (antes, durante e aps a execuo da obra) Principais itens a serem inspecionados: Execues de correes de furaes, cortes adicionais na estrutura, desbastamentos que no prejudiquem a integridade e a segurana da obra. Verificar se os espaos livres das placas de base das colunas esto devidamente preenchidos com argamassa. Verificar a existncia de ferrugens, rebarbas ou pinturas nas reas de contato dos parafusos de alta resistncia. Controle dirio das ferramentas de torque sua calibrao.

4

Tipos d p fis

As estruturas das modernas constru es de ao empregam formas padroni adas que recebem o nome de perfis. Os mais comumente empregados nas constru es so os seguintes:

C nton i s, de fundamental import ncia na construo metlica. Sua principal aplicao na unio de peas, em tesouras, trelias, vigas, esquadrias, etc. Tem forma de ngulo reto e podem ser de abas iguais ou abas desiguais.

Vi s U , esse tipo de perfil muito empregado nos projetos de escadas, plataformas, teras, longarinas, colunas, etc.

transversais. Consta de duas abas e uma alma. Pela sua forma, so de grande valia

Vi s

, recebem esse nome pela forma que apresentam suas se es

5

para suportar esforos de flexo, suas principais aplica es so em plataformas,mono vias, pontes, pisos, em edifcios de andares mltiplos com suportes das lajes.

Ch p s, podem ser grossas ou finas. Podem ser galvani adas, com estrias na sua parte superior para pisos (chapa xadre ), ou onduladas para coberturas e fechamentos.

retangulares. O uso de tubos podem ser em coberturas espacia em residncias e em is, projetos civis de grande porte, como edifcios de mltiplos andares, pontes, passarelas ou shopping centers.

Tubul

s, possuem, na maioria das ve es, se es circulares, quadradas e

6

Dispositivos de unio (Ligaes)So classificadas em ligaes permanentes ou desmontveis. As ligaes permanentes so executadas com rebites e solda, as removveis, com parafusos e pinos. As mais utilizadas so as ligaes soldadas e aparafusadas, pois os rebites esto em desuso e os pinos so restritos a casos especiais.

- Soldagem Os Processos de Soldagem mais usuais so: Arco eltrico Por resistncia Solda a arco eltrico

y y y

A solda um tipo de unio por coalescncia do material, obtida por fuso das partes adjacentes Nos tipos mais empregados na indstria da construo, a fuso do ao provocada pelo calor produzido por um arco voltaico entre um eletrodo tubular e o ao a soldar, havendo deposio do material do eletrodo. No processo de soldagem por fuso, as peas a serem ligadas so aquecidas at seu ponto de fuso, fazendo -se a unio das mesmas diretamente ou acrescentando-se um material adequado ao preenchimento do espao existente entre elas. A soldagem amplamente usada na juno de materiais, permitindo a execuo de unies com geometrias complicadas e garantia da perfeita continuidade das peas. Cuidado especial deve ser tomado com construes em que as ligaes dos elementos estruturais na montagem so feitas atravs de solda, pois isto gera problemas

7

insolveis, como: falta de prumos, falta de alinhamento e falta de garantia na qualidade da prpria solda. Podemos afirmar, sem exagero, que tal procedimento de montagem evidncia a "inexistncia" de um profissional competente atuando na obra.

Vantagens Economia de material Ligaes mais rgidas Facilidade para corrigir ou efetuar modificaes Quantidade menor de peas Melhor acabamento

Desvantagens Energia eltrica suficiente Maior tempo de montagem (fabricao) Dificuldade na desmontagem Controle de qualidade Falta de profissionais qualificados

8

- Parafusos As ligaes parafusadas so largamente utilizadas na montagem final, j em obra, quando a estrutura est prxima de sua consolidao final. Por se tratar de uma ligao com maior grau de flexibilidade, existe a necessidade de cuidados especiais na sua execuo para que o estado in lo co da estrutura se aproxime ao mximo das previses de projeto. As dimenses dos parafusos so expressas em polegadas. Os parafusos apresentam cabea sextavada e classificam-se em: y Parafusos comuns: so utilizados em estruturas leves e peas de menor importncia estrutural. y Parafusos usinados: apresentam custo elevado e so empregados em estruturas sujeitas a cargas dinmicas, como vigas de rolamento e pontes ferrovirias. y Parafusos de alta resistncia: so utilizados em ligaes que transmitem cargas estticas e dinmicas. Resistem aos esforos de cisalhamento transmitidos por atrito.

Vantagens Rapidez nas ligaes Economia em relao energia empregada Exigncia de qualificao inferior do operrio se comparada solda Maior suporte fadiga Fcil inspeo

Desvantagens Necessitam da previso anterior de material (parafusos e porcas) Fabricao com medidas exatas Mais suscetveis a erros de detalhamento e problemas de corroso

9

10

Steel Frame

O sistema construtivo em STEEL FRAME formado por perfis metlicos em ao galvanizado, com qualidade assegurada atravs de rigoroso processo de industrializao. Os perfis metlicos, interligados atravs de parafusos especiais autobrocantes, formam os painis (paredes) que compem um conjunto autoportante preparado para receber todos os esforos solicitados pela edificao. As obras realizadas a partir do STEEL FRAME apresentam leveza, uniformidade e durabilidade. Os perfis substituem com qualidade, eficincia e durabilidade as vigas e pilares de concreto e alvenaria estrutural. O sistema construtivo STEEL FRAME, introduzido no Brasil pela CONSTRUTORA SEQUENCIA, a soluo ideal para town houses, grandes unid ades residncias isoladas, hotis, restaurantes e outras edificaes de porte. O STEEL FRAME utiliza tecnologia avanada, qualidade e segurana para concluir uma obra de alto padro em apenas 100 dias a partir de um terreno preparado.

11

Este moderno processo industrial de origem norte-americana envolve um sistema com rigoroso cronograma de montagem e mo-de-obra especializada treinada nos Estados Unidos. Por sua versatilidade, permite variaes na arquitetura, a escolha da cobertura (tipo shingle, metlica ou convencional), utilizao de diferentes acabamentos externos (siding, tijolo aparente, argamassa, etc.) e a incluso de opcionais como ar condicionado central ou spleet, automao dos controles, entre outros. A alta confiabilidade dos projetos em STEEL FR AME atribuda extrema resistncia dos perfis em ao galvanizado. Alm de aceitar a aplicao de grandes esforos, o ao galvanizado reciclvel e no polui o meio ambiente.

Sustentabilidade Atualmente todos os envolvidos na construo civil, esto cada vez mais preocupados com o impacto do seu tr