Técnicas de Irrigação Para Agricultores de Pequena Escala

  • View
    222

  • Download
    0

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Técnicas de Irrigação Para Agricultores de Pequena Escala

Text of Técnicas de Irrigação Para Agricultores de Pequena Escala

  • Tcnicas de Irrigao para Agricultores de Pequena Escala

    Prticas Fundamentais para implementadores

    de rrc

  • Tcnicas de Irrigao para Agricultores de Pequena Escala: Prticas Fundamentais para Implementadores de RRC

    As designaes empregadas e a apresentao do material neste produto de informao no implicam a expresso de qualquer opinio por parte da Organizao das Naes Unidas para a Agricultura e Alimentao (FAO) sobre a situao jurdica ou estgio de desenvolvimento de qualquer pas, territrio, cidade ou rea ou de suas autoridades, ou sobre a delimitao de suas fronteiras. A meno de companhias especficas ou produtos de fabricantes, patenteados ou no, no implica que sejam endossados ou recomendados pela FAO em preferncia a outros de natureza similar no mencionados.

    As opinies aqui expressadas so dos autores e no representam necessariamente as opinies ou polticas da FAO.

    ISBN 978-92-5-008326-1 (impresso)E-ISBN 978-92-5-008327-8 (PDF)

    FAO, 2014

    A FAO incentiva o uso, reproduo e divulgao do material contido neste produto de informao. Salvo indicao em contrrio, o material pode ser copiado, baixado e impresso para estudo, pesquisa e ensino, ou para uso em produtos e servios no comerciais, desde que se indique a FAO como fonte e detentora dos direitos autorais e no implique o endosso pela FAO das opinies, produtos ou servios dos usurios. Todos os pedidos de traduo e direitos de adaptao, bem como revenda e outros direitos de uso comercial, devem ser feitos atravs de www.fao.org/contact-us/licence-request ou endereados a [email protected]

    Os produtos de informao da FAO esto disponveis no site www.fao.org/publications e podem ser adquiridos atravs de [email protected]

    Autores Martin Smith, Giovanni Muoz e Javier Sanz AlvarezCoordenadores da srie Javier Sanz Alvarez e Erin OBrienFotos FAO/Javier Sanz Alvarez, salvo indicao em contrrioDesenho e composio Handmade Communications, [email protected] Bangula Lingo Centre, [email protected]

  • Tcnicas de Irrigao para Agricultores de Pequena Escala

    Prticas Fundamentais para implementadores

    de rrc

  • Este documento faz parte da srie, Um Guia de Campo para a Reduo do Risco de Calamidades na frica Austral: Prticas Fundamentais para Implementadores de RRC, coordenada pelo Escritrio Sub-regional da FAO para a Reduo/Gesto de Risco de Calamidades para a frica Austral. Esta srie foi produzida com contribuies por parte da COOPI, FAO, OCHA e UNHABITAT, e constituda pelos seguintes documentos tcnicos:

    Tcnicas de Irrigao para Agricultores de Pequena Escala (FAO) Escolas de Campo para Agricultores (FAO) Gesto da Diversidade de Culturas (FAO) Variedades de Sementes Apropriadas para Pequenos Agricultores (FAO) Sistemas Apropriados de Armazenamento de Sementes e Cereais para Pequenos Agricultores (FAO) Hospitais Seguros (COOPI) Tecnologia Mvel para a Sade (COOPI) Sistemas de Gesto de Informaco e Conhecimento (COOPI) Arquitectura para a Reduo de Risco de Calamidades (UN-Habitat) Reduo de Risco de Calamidades para a Segurana Alimentar e Nutricional (FAO) Sistema de Alerta Prvio de Base Comunitria (OCHA e FAO)

    A Ajuda Humanitria e Proteco Civil da Comisso Europeia financia operaes de auxlio a vtimas de calamidades naturais e conitos fora da Unio Europeia. O auxlio direccionado imparcialmente, directamente para as pessoas que dele necessitam, independentemente da sua raa, grupo tnico, religio, gnero, idade, nacionalidade ou afiliao poltica.

    Este documento refere-se a actividades de auxlio humanitrio implementadas com a assistncia financeira da Unio Europeia. As opinies expressas neste documento no devem ser consideradas, de qualquer modo, como reectindo a opinio oficial da Unio Europeia, e a Comisso Europeia no responsvel por qualquer uso que possa ser feito quanto informao nele contida.

  • 01

    Prefcio do ECHO

    A regio da frica Austral e Oceano ndico extremamente vulnervel no que respeita a ciclones, cheias, secas e tempestades tropicais. Estes choques recorrentes relacionados com o clima afectam negativamente os meios de subsistncia e economias altamente sensveis da regio e desgastam a capacidade de recuperao total por parte das comunidades, o que, por sua vez, aumenta ainda mais a fragilidade e vulnerabilidade face a calamidades subsequentes. A natureza e tipo de desastres climticos esto a mudar e a tornar-se mais imprevisveis, aumentando em frequncia, intensidade e magnitude em consequncia da mudana climtica. A vulnerabilidade na regio ainda agravada por factores socioeconmicos negativos prevalecentes tais como a elevada taxa de VIH, a pobreza extrema, a insegurana crescente e o crescimento e tendncias demogrficos (incluindo a migrao intra-regional e a crescente urbanizao).

    A Ajuda humanitria e Proteco civil da Comisso Europeia (ECHO) tem estado envolvido activamente na regio, desde 2009, atravs do programa ECHO de Prontido para Calamidades (DIPECHO), apoiando intervenes multissectoriais para reduo do risco de calamidades nas reas de segurana alimentar e agricultura, infra-estrutura e arquitectura adaptada, informao e gesto de conhecimentos, gua, saneamento e higiene e sade. Este programa opera segundo dois objectivos a saber: Preparao face a Emergncias atravs do desenvolvimento de

    capacidades a nvel local para gesto e estado de preparao sustentveis, no que respeita a perigos relativos a condies atmosfricas, incluindo planos de preparao sazonais, formao,

    stocks e equipamento para socorro de emergncia, bem como Sistemas de Alerta Prvio.

    Habilitao das comunidades atravs de abordagens multissectoriais e a vrios nveis, com a integrao de RRC como componente central e maior segurana alimentar e nutricional como resultado.

    Isto feito em alinhamento com estratgias e quadros nacionais e regionais.

    Para o DIPECHO, uma das principais medidas de sucesso a replicabilidade. Para este efeito, o apoio tcnico atravs de directivas estabelecidas para os implementadores de RRC constitui um resultado bem-vindo das intervenes do DIPECHO na regio. O ECHO tem apoiado parceiros regionais, nomeadamente, COOPI, FAO, UN-Habitat e UN-OCHA, para melhoramento da resilincia das populaes vulnerveis na frica Austral atravs da proviso de financiamento para o teste no terreno e estabelecimento de boas prticas, e para o desenvolvimento de um toolkit para a sua aplicao na frica Austral. A inteno do Escritrio para os Assuntos Humanitrios da Comisso Europeia e dos seus parceiros de concretizar os dois objectivos de forma sustentvel e eficiente, atravs das prticas contidas no actual Toolkit a fim de assegurar uma maior resilincia das populaes mais vulnerveis na regio.

    cees WittebroodChefe da Unidade para a frica Oriental, Ocidental e AustralDirectorado Geral para Ajuda Humanitria e Proteco Civil (ECHO)Comisso Europeia

  • 02

    FAO/Antonello Proto

  • 03

    Prefcio da FAO

    A regio da frica Austral vulnervel a grande diversidade de perigos, em grande parte associados a causas ambientais (como secas, ciclones, cheias) e tambm a doenas humanas e animais, pragas, choques de natureza econmica e, em algumas reas, agitao e insegurana sociopoltica, entre outros. O perfil de risco da regio est em evoluo com o aparecimento de novos factores de proeminncia crescente, incluindo elevadas taxas de crescimento populacional e uma tendncia para maior urbanizao, migrao e mobilidade, para alm de outros factores. As ameaas naturais continuaro a ser progressivamente mais inuenciados pelas tendncias relativas mudana climtica. As calamidades na regio so muitas vezes compsitas e recorrentes, causando impactos dramticos sobre os meios de subsistncia e sobre a economia e meio ambiente dos pases da frica Austral, muitas vezes prejudicando o crescimento e as conquistas arduamente conseguidas em termos de desenvolvimento.

    O aumento da Resilincia dos meios de Subsistncia a Ameaas e Crises constitui um dos objectivos estratgicos da estratgia empresarial da FAO (Objectivo Estratgico 5, ou SO5). A FAO pretende especificamente aumentar a resilincia no que respeita agricultura e segurana alimentar e nutricional, sectores que so dos mais gravemente afectados por ameaas naturais. O impacto de choques e calamidades pode ser mitigado e a recuperao em grande parte facilitada com o estabelecimento de prticas agrcolas adequadas. Assim, o melhoramento da capacidade das comunidades, autoridades

    locais e outros intervenientes fundamental para o desenvolvimento de resilincia

    A FAO, em conjunto com outros parceiros, est a realizar trabalho intensivo na frica Austral no sentido de consolidar a resilincia de comunidades sujeitas a choques o que est a desenvolver uma melhor base de conhecimentos e a documentar boas prticas. Este toolkit (conjunto de ferramentas) pretende disseminar melhores mtodos e tecnologias relativos a aspectos fundamentais da agricultura, tais como variedades apropriadas de sementes, irrigao, sistemas de armazenamento, utilizao da terra e da gua e Escolas de Campo para Agricultores, na esperana de que estes possam ser teis para diferentes intervenientes, no que respeita aos seus esforos para melhoramento da sua resilincia. Uma abordagem multissectorial e parcerias slidas so consideradas fundamentais para o xito do trabalho no sentido da criao de resilincia. Por este motivo, este toolkit inclui igualmente aspectos de boas prticas de resilincia no especificamente agrcolas contribudos por parceiros da FAO (UN-OCHA, UN-HABITAT e COOPI),os quais certamente enriquecem esta coleco.

    mario samajaCoordenador SniorEscritrio Sub-regional da FAO para RRC na frica Austral Joanesburgo

    david PhiriCoordenador Sub-regional Escritrio Sub-regional da FAO para a frica AustralHarare

  • 04

    ndiceAcrnimos e Abreviaturas ...........................................................