Teoria Geral dos Contratos Mercantis Direito Empresarial II Renata Oliveira

  • View
    116

  • Download
    6

Embed Size (px)

Text of Teoria Geral dos Contratos Mercantis Direito Empresarial II Renata Oliveira

  • Slide 1
  • Teoria Geral dos Contratos Mercantis Direito Empresarial II Renata Oliveira
  • Slide 2
  • Introduo Contrato uma espcie de acordo entre duas ou mais pessoas, cuja finalidade adquirir, resguardar, transferir, modificar ou extinguir uma relao jurdica patrimonial. ato jurdico que, se realizado em conformidade com as normas legais, poder ser entendido como lei entre as partes.
  • Slide 3
  • Introduo Empresrio celebra diversos contratos cotidianamente; Exemplos: - Contrato de Financiamento; - Contrato de Leasing; - Contrato de compra e venda; - Contrato de trabalho; - Contrato de concesso de franquias, etc.
  • Slide 4
  • Introduo Contratos entre particulares: - Direito do Trabalho; - Cvel; - Direito do Consumidor.
  • Slide 5
  • Introduo Contratos entre empresrios: - Direito Civil: Autonomia da vontade, contratos celebrados entre empresrios iguais. - Direito do Consumidor: Contratos entre empresrios, em que um deles consumidor (destinatrio final) ou se encontra em situao anloga de consumidor (vulnerabilidade econmica, social ou cultural).
  • Slide 6
  • Introduo Distino Contratos Empresariais Contratos ESTRITAMENTE Empresariais -Entre Empresrios; -No regidos por legislao especial. Engloba: -Contratos de trabalho; -Contratos regidos pelo CDC; -Contratos com a Adm Pblica.
  • Slide 7
  • Introduo Critrio para delimitar quais normas regero o contrato: De acordo com o objeto e a condio dos contratantes.
  • Slide 8
  • Evoluo do Direito Contratual 1 Fase: Liberal Prevalncia da autonomia da vontade 2 Fase: Neoliberal Direito Positivo: Estado intervm na autonomia 3 Fase: Reliberalizante Igualdade/Desigualdade
  • Slide 9
  • Princpios Gerais dos Contratos a) Autonomia da vontade; b) Consensualismo; c) Relatividade; d) Fora obrigatria; e) Boa-f. ( Classificao de Andr Luiz Ramos )
  • Slide 10
  • Princpio da Autonomia da vontade Art. 421,CC: A liberdade de contratar ser exercida em razo e nos limites da funo social do contrato. Liberdade para: a) Escolher com quem vai contratar; b) Delimitar o objeto do contrato; c) Fixar o contedo da relao.
  • Slide 11
  • Princpio da Autonomia da vontade Liberdade de contratar: Faculdade de realizar ou no um contrato; + Liberdade contratual: Permisso para que as partes estabeleam o contedo do contrato.
  • Slide 12
  • Princpio da Autonomia da vontade Autonomia da vontade a referncia ao reconhecimento, pela ordem positiva, da validade e eficcia dos acordos realizados pelos prprios sujeitos de direito (COELHO, 2010, p. 8)
  • Slide 13
  • Princpio da Autonomia da vontade Limites: a) Funo Social; b) Preceitos de Ordem Pblica; c) Bons Costumes; d) Equilbrio contratual (Dirigismo contratual).
  • Slide 14
  • Princpio do Consensualismo Para a constituio do contrato, basta o acordo de vontade das partes. Nem todos os contratos so consensuais.
  • Slide 15
  • Princpio da Relatividade A relao contratual produz efeitos somente entre as partes contratantes; O contrato tange somente o objeto constante nele, no atingindo outro bem estranho a este.
  • Slide 16
  • Princpio da Relatividade Exceo: Teoria da aparncia: - Possibilidade de uma relao contratual acarretar deveres para uma terceira pessoa; - Um contratante de boa-f engana-se perante uma situao aparente; - Ex: Representante comercial desvia das orientaes do representado.
  • Slide 17
  • Princpio da Fora obrigatria Direitos e deveres valem como lei entre as partes; Clusula Pacta sunt servada.
  • Slide 18
  • Princpio da Fora obrigatria Exceo: Teoria da impreviso: Clusula rebus sic stantibus: As obrigaes contratuais podem ser revistas ser houver uma alterao significativa e imprevisvel nas condies econmicas.
  • Slide 19
  • Princpio da boa-f Art. 422, CC: Os contratantes so obrigados a guardar, assim na concluso do contrato, como em sua execuo, os princpios de probidade e boa-f. No se deve fazer prevalecer, sobre a real inteno das partes, apenas o que est eventualmente escrito no acordo firmado.
  • Slide 20
  • Outros Princpios: Fazzio Jr. acrescenta: a) Princpio da interpretao mais favorvel ao aderente: Art. 423. Quando houver no contrato de adeso clusulas ambguas ou contraditrias, dever-se- adotar a interpretao mais favorvel ao aderente.
  • Slide 21
  • Outros Princpios: Fazzio Jr. acrescenta: b) Princpio da nulidade de renncia antecipada Art. 424. Nos contratos de adeso, so nulas as clusulas que estipulem a renncia antecipada do aderente a direito resultante da natureza do negcio.
  • Slide 22
  • Exceo do contrato no cumprido Uma parte contratante no pode exigir o cumprimento da obrigao da outra parte se no cumpriu tambm a sua obrigao respectiva.
  • Slide 23
  • Classificao dos contratos Segundo Fbio Ulha: a) Bilateral ou unilateral; b) Consensuais, reais ou solenes; c) Comutativos ou aleatrios; d) Tpicos ou atpicos.
  • Slide 24
  • Classificao dos contratos a) Bilateral ou unilateral: - Quanto formao: Bilateral - Quanto s obrigaes: Bilaterais (ambos contratantes se obrigam) ou Unilaterais (apenas um se obriga)
  • Slide 25
  • Classificao dos contratos b) Quanto aos pressupostos do contrato: I) Consensuais: Formados exclusivamente pela manifestao da vontade (Ex: compra e venda); II) Reais: Vontade + Coisa (Ex: Mtuo) III) Solenes: Instrumento solene previsto em lei.
  • Slide 26
  • Classificao dos contratos c) Quanto a antecipao da execuo: I) Comutativos: Pode antecipar como ser a execuo do contrato (Ex: Compra e Venda) II) Aleatrios: No possvel a antecipao (Exs: Jogo ou aposta)
  • Slide 27
  • Classificao dos contratos d) Quanto s obrigaes previstas em lei: I) Tpicos: Os direitos e deveres dos contratantes so disciplinados em lei. (Ex: Compra e Venda) II) Atpicos: No h disciplina nesse sentido especfica (Ex: distribuio-intermediao).
  • Slide 28
  • Extino do contrato Cumprimento da obrigao,; No-cumprimento da obrigao: o Uma das partes quebrou a bilateralidade existente preliminarmente, o Impossibilidade do cumprimento (casos fortuitos e fora maior).
  • Slide 29
  • Livre concorrncia Constituio Federal: Art. 170. A ordem econmica, fundada na valorizao do trabalho humano e na livre iniciativa, tem por fim assegurar a todos existncia digna, conforme os ditames da justia social (...) Ordem econmica: Neoliberal Princpios: Liberdade de iniciativa e competio.
  • Slide 30
  • Livre concorrncia Os contratos entre empresrio no devem servir de meios para praticar infraes contra a ordem econmica ou praticar concorrncia desleal. Nesse caso: Contrato = Nulo, Ineficaz ou Gerar dever de indenizao.