Click here to load reader

Teoria sócio historica

  • View
    243

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of Teoria sócio historica

  • 1. TEORIA SCIOINTERACIONISTA / SCIO-HISTRICA Lev Vygotsky

2. No linear No determinado somente pelos processos de maturao biolgica ou gentica O meio fator de mxima importncia (cultura, sociedade, prticas e interaes) Nascemos mergulhados na cultura" 3. As abordagens consideram para o desenvolvimento graus diferentes da influncia da maturao biolgica e da aprendizagem com o meio O contexto cultural o palco das transformaes e evolues do beb humano ao idoso Atravs da interao social aprendemos e nos desenvolvemos ampliamos nossas ferramentas de atuao neste contexto cultural complexo durante todo o ciclo vital. 4. Nasceu em 1896 na Bielo-Rssia (depois de 1917 foi incorporada Unio Sovitica) Nasceu no mesmo ano de Piaget Morreu em 1934 aos 37 anos Nasceu em uma famlia abastada e culta Formou-se em Direito Trabalhou nas reas de Psicologia, Pedagogia, Filosofia, Literatura e Deficincia Mental Trabalho com Luria, Leontiev e Sakarov 5. O primeiro terico a sugerir os mecanismos pelos quais a cultura torna-se parte da natureza de cada pessoa Insistiu que as funes psicolgicas so produto da atividade cerebral Explicou a transformao dos processos psicolgicos elementares em processos complexos dentro da histria 6. Enfatizou o processo histrico-social e o papel da linguagem no desenvolvimento do indivduo O sujeito interativo, adquire conhecimento a partir das relaes intra e interpessoais e de troca com o meio Denominou de processo de MEDIAO Um dos primeiros a considerar a criana como ela prpria e no um adulto em miniatura 7. Buscou a sntese do homem como ser biolgico, histrico e social nfase na dimenso scio-histrica e na interao do homem com seu o outro no espao social A abordagem sciointeracionista buscou caracterizar os aspectos tipicamente humanos do comportamento e Elaborou hipteses de como as caractersticas humanas se formam ao longo da histria do indivduo 8. Livros que escreveu: A Formao Social da Mente Psicologia e Pedagogia Linguagem Desenvolvimento e Aprendizagem A Construo do Pensamento e Linguagem(obra completa) Teoria e Mtodo em Psicologia Psicologia Pedaggica 9. Sua obra permaneceu desconhecida no ocidente por motivos polticos Somente em 1962 seu livro Pensamento e Linguagem foi publicado nos EUA A edio brasileira foi feita a partir desta edio apenas uma complilao que corresponde 1/3 de sua obra. 10. Teoria Scio-Histrica 11. Para Vigotsky : Plano gentico, ou seja, o mundo psquico no est pronto quando o indivduo nasce Mas tambm no recebido como um pacote pronto do meio ambiente Assim como Piaget um autor interacionista considerando o que acompanha o indivduo e o que vem do ambiente. 12. Plano gentico postulado: 4 entradas do desenvolvimento, que juntas caracterizam o funcionamento psicolgico do indivduo 1. Filognse 2. Ontognese 3. Sociognse 4. Micrognese 13. Filognse a histria de uma espcie, e esta histria define limites e possibilidades desta espcie Caractersticas do corpo, plasticidade etc... (ex: somos bpedes, viso binocular, movimento em pina) Somos capazes de fazer algumas coisas e outras no Tambm definiriam as caractersticas psicolgicas 14. Ontognese Desenvolvimento do ser, de um indivduo de cada espcie Que tem um caminho de desenvolvimento por pertencer aquela espcie Determinado por um ritmo, um percurso de desenvolvimento (ex: o ser humano primeiro fica deitado, depois engatinha, depois anda etc...) Ligado ao da filognese Pertinncia do homem uma determinada espcie 15. Sciognese Histria cultural do meio que o indivduo est envolvido Forma de funcionamento cultural que interfere no funcionamento psicolgico A cultura que seria um alargador das potencialidades humanas Cada cultura organiza o desenvolvimento de jeito diferente (ex: adolescncia X puberdade) 16. Micrognese Cada fenmeno psicolgico tem a sua prpria histria (espao e tempo) Micro: foco bem definido (ex: saber e no saber amarrar o sapato aconteceu algo e entre este algo um tempo determinado se passou, ento o como a criana aprendeu a amarrar o sapato seria a micrognese deste aprendizado) Assim considera-se a micro histria do fenmeno 17. Porta aberta para o NO DETERMINISMO Filognese , Ontognse e Sociognse determinismo A micrognese: cada pequeno fenmeno tem a sua histria, e as histrias para um mesmo fenmeno em indivduos diferentes, so diferentes Singularidade e Heteirogeneidade 18. Inveno e uso dos signos para a soluo de um dado problema psicolgico (ex: lembrar, relatar, escolher etc...) Anloga inveno de instrumentos/ ferramentas, mas no campo psicolgico Faz a intermediao (interposta) entre uma coisa e outra feita atravs de signos e instrumentos 19. Instrumentos Intermedirios Instrumento como interposto: nos relacionamos com o mundo atravs de ferramentas (ex: telefone, carro, tecnologia etc...) Mediao concreta sobre o mundo e o mundo 20. Signos Formas posteriores de mediao Faz mediao de natureza semitica Faz uma interposio entre o sujeito e o objeto de conhecimento De forma no concreta, e sim simblica 21. Signos Primeira forma: Um grupo ou uma sociedade compartilham da mesma representao Informao de natureza simblica que fica interposta entre a inteno de fazer algo e a prpria ao Mas ainda concreto Est marcado no mundo, de natureza simblica e no age diretamente no mundo e sim em um plano simblico Ex: placa de banheiro (feminino e masculino), trocar o anel de mo para se lembrar de fazer algo. 22. Outro plano dos Signos Totalmente simblico As coisas so postas dentro do sistema psicolgico e funcionam como mediadores semiticos ou simblicos dentro do sistema psicolgico Surge algo muito humano , a Representao Mental 23. Representao Mental Ex: nos relacionamos com um livro mas no s fisicamente, pois quando vemos o livro somos remetidos uma coisa de natureza simblica que est no psiquismo que so o conceito de livro, a idia de livro, a palavra livro , a imagem de livro A forma de estar dentro de ns a travs da representao, no a coisa em si 24. Representao Mental Exs: Vela - 1 vez que se coloca o dedo (no mediado, relao direta) Prxima experincia: vejo a vela, tiro o dedo, pois a experincia com a vela est sendo mediada pela lembrana da dor (mediada pela experincia anterior) Obedincia realizao de uma ao mediada pela informao da me Escola interao mediada pela experincia dos outros; no comeos tudo do zero. 25. Na ausncia de sistemas de signos, lingusticos ou no, s possvel o tipo de comunicao mais primitiva (ex: latido ou grito do ganso assustado) Os signos so construdos culturalmente O indivduo desenvolve a capacidade de representao simblica inserido em uma cultura E a cultura oferece material para ele desenvolver o simblico 26. A Lngua (foco de ateno de Vygotsky a fala e no linguagem) Principal instrumento de representao simblica que o ser humano dispem Teria 2 funes: - Comunicao: objetivo de comunicao e troca, existente tambm nos animais (linguagem gestual e sonora) - Pensamento generalizante: a lngua encaixa com o pensamento, e aparece mais tarde, existindo uma relao forte entre os dois. 27. - Pensamento generalizante - Seu uso implica em uma compreenso generalizada do mundo No ato de nomear existe o ato de classificao (ex: chamar de carro classe de todos os carros e ao mesmo tempo distino do que no carro) Uma palavra pode classificar o mundo em duas grandes categorias Temos um sistema simblico articulado e organizado por regras ( a LNGUA) , o que nos possibilita generalizar, abstrair e classificar Os animais no tem este sistema organizado. 28. Significado da palavra : amlgama entre o pensamento e a lngua (no se pode dizer que s um fenmeno da fala ou do pensamento) O significado de cada palavra uma generalizao ou um conceito Generalizaes e conceitos so atos de pensamento, ASSIM SIGNIFICADO= FENMENO DO PENSAMENTO 29. Para Vigotsky LINGUAGEM E PENSAMENTO: Ligao muito forte Muito tipicamente humana Muito importante para a definio do que o funcionamento psicolgico humano 30. Esta relao desenvolvida (no nasce com o sujeito) na filognese (histria da espcie) e na ontognese (histria do indivduo) Na filognse existe linguagem e pensamento separados primrdios do pensamento Ex: Uso da vara para alcanar algo por um chimpanz Inserida em situao prtica e no tem componente simblico 31. Pensamento e linguagem separados: Inserida em um campo perceptual imediato e age ativamente sobre o ambiente, para solucionar um problema (inteligncia prtica) mas no tem componente simblico Apenas plano concreto Exs: o Vara fora do campo visual do chimpanz no busca solucionar o problema; o Bebs comunicao com fins de intercmbio social (choro, gestual, expresses faciais) ca prlingustica, inteligncia prtica como os chimpanzs 32. Ca age de forma inteligente no ambiente, resolve problemas e usa instrumentos, mas sem mediao simblica Existe linguagem com o objetivo de comunicao e existe primrdio de pensamento (inteligncia prtica) Em um determinado momento as potencialidade se unem (linguagem e pensamento) e no se separam mais Iro representar uma parte substancial do desenvolvimento humano 33. Na histria da espcie isto aconteceu em um determinado momento do desenvolvimento da espcie significa o ingresso da espcie humana na espcie humana Atravs de milhares de anos o homem passa a ser capaz de se comunicar atravs da linguagem como um sistema articulado e a inteligncia passa a ser abstrata (de natureza simblica) 34. Passa a funcionar no plano simblico Passa a circular em momentos e espaos fora do espao e momentos presentes Passa a ser capaz de imaginar, recuperar e criar coisas que esto no passado ou esto no futuro 35. Movimento contnuo entre o vai e vem do pensamento e da palavra e vice-versa Pensamento no expresso somente em palavras, atravs delas que passa a existir 36. Nos apropriamos da lngua ao longo do desenvolvimento, que est fo