TESTE DE PRÉ-SELEÇÃO – PRIMEIRA ETAPA - CESPE / ?· UnB / CESPE – IRBr Teste de Pré-Seleção…

  • View
    212

  • Download
    0

Embed Size (px)

Transcript

  • UnB / CESPE IRBr Teste de Pr-Seleo Primeira Etapa Caderno PAPA

    Admisso Carreira de Diplomata 1

    TESTE DE PR-SELEO PRIMEIRA ETAPA

    Texto para as questes de 1 a 4

    H algo que une tcnicos e humanistas. Ambos se1

    crem marcados por um fator distintivo, inerente a seus

    crebros: o dom da inteligncia, que os apartaria do

    trabalhador manual ou mecnico. Gramsci percebe nessa4

    crena um rano ideolgico da diviso do trabalho:

    Em qualquer trabalho fsico, at no mais mecnico e

    degradado, existe um mnimo de qualificao tcnica, um7

    mnimo de atividade intelectual criadora.

    Todos os homens so intelectuais, pode-se dizer, mas

    nem todos os homens tm na sociedade a funo de10

    intelectuais. No se pode separar o Homo faber do Homo

    sapiens.

    O que distingue, portanto, a figura pblica do homem13

    da palavra a rede peculiar de funes que os intelectuais

    costumam desempenhar no complexo das relaes sociais.

    medida que o tcnico se quer cada vez mais tcnico,16

    restringindo-se a mero rgo do sistema, e medida que o

    humanista deixado avulso do contexto, um e outro se iro

    fechando em suas pseudototalidades. O seu conhecimento19

    poltico decair. E o sistema, contentando-se com alguns

    profissionais mais mo, alijar dos centros de deciso a

    maior parte dos intelectuais.22

    Um Gramsci puramente historicista talvez no pudesse

    dizer mais nada. Os fatos tm a sua razo, os intelectuais so

    o que so, e ponto-final. Mas Gramsci foi um pensador25

    revolucionrio. Por isso, via uma possibilidade de projeto no

    intelectual moderno, que sucederia, nesse caso, o apstolo e

    o reformador de outrora.28

    Alfredo Bosi. Cu, inferno: ensaios de crtica literria e

    ideolgica. So Paulo: tica, 1988, p. 242-3 (com adaptaes).

    QUESTO 1

    Com base no texto acima, julgue (C ou E) os itens seguintes.

    Segundo Gramsci, quanto mais complexa for a relao

    social, mais tnue ser a distino entre Homo faber e

    Homo sapiens.

    De acordo com o Gramsci historicista, as funes

    desempenhadas pelos intelectuais na sociedade

    distinguem-nos dos trabalhadores manuais tanto quanto

    o dom da inteligncia.

    Na atividade intelectual, a competncia poltica mais

    relevante que a competncia tcnica do profissional.

    A especializao pode comprometer a competncia

    poltica tanto dos intelectuais quanto dos tcnicos.

    QUESTO 2

    Em cada um dos itens abaixo apresentada, em relao a trechosdo texto, uma alternativa de colocao pronominal. Com base naprescrio gramatical, julgue (C ou E) cada proposta apresentada.

    Ambos se crem marcados (R.1-2) / Ambos crem-semarcados

    que os apartaria (R.3) / que apart-los-ia

    No se pode separar (R.11) / No pode-se separar

    um e outro se iro fechando (R.18-19) / um e outro

    iro-se fechando

    QUESTO 3

    Acerca de aspectos gramaticais e estilsticos do texto, julgue(C ou E) os itens que se seguem.

    O emprego de acento grfico na forma verbal crem(R.2) atende mesma regra que determina a acentuaogrfica das seguintes formas verbais flexionadas noplural: tm, vem, vm e dem.

    A insero do fragmento que imediatamente antes daexpresso inerente a seus crebros (R.2-3), apesar deatender a preceito gramatical, no resultaria emestrutura mais adequada estilisticamente que a original,se considerado o contexto do perodo.

    A forma verbal apartaria (R.3) est flexionada nofuturo do pretrito porque denota uma ao que compeuma hiptese, uma suposio.

    O perodo Todos os (...) de intelectuais (R.9-11)poderia, sem que se alterasse seu sentido original, sercorretamente reescrito da seguinte forma: Pode-se dizerque, apesar de no exercer sempre, na sociedade, afuno de intelectual, todo o ser humano intelectual.

    QUESTO 4

    Assinale a opo em que a relao lgica estabelecida no perodotraduz, de forma coerente, idia apresentada no texto.

    A Porquanto tcnicos e intelectuais creiam serem marcadospor um fator distintivo, h algo que os discrimina.

    B proporo que o trabalho manual se torna menos mecnico,mais degradado ele se torna.

    C Quando tcnicos e intelectuais se isolam, hcomprometimento de seu conhecimento poltico.

    D O sistema estabelecido afasta de tal forma parte dosintelectuais da tomada de deciso, que se restringe a recrutarsomente tcnicos mais disponveis.

    E Embora fosse um historicista, Gramsci admitiu a possibilidadede projeto no intelectual moderno, que superaria a prevalnciado tcnico na sociedade.

  • UnB / CESPE IRBr Teste de Pr-Seleo Primeira Etapa Caderno PAPA

    Admisso Carreira de Diplomata 2

    QUESTO 5

    Entre as opes a seguir, que formam em seu conjunto um texto,

    assinale a que no apresenta erro de pontuao.

    A Segundo Gramsci, as vrias cincias humanas fundadas no

    sculo XIX, como a sociologia e a psicologia seriam filosofia

    de no-filsofos, misturas de observao emprica e

    racionalizaes burguesas; logo, ideologia fatalista com ares

    de neutralidade. O intelectual que as professa no teria via de

    regra, condies mentais para viver o nexo entre vontade e

    estrutura.

    B Ora, tanto os tcnicos, quanto os humanistas postam-se aqum

    dessa relao, pois, nos plos isolados da estrutura ou do

    sujeito, que recai a nfase da sua vida mental. Mas, como

    possvel propor a relao vontade-estrutura? Gramsci antecipa

    a tendncia atual de acentuar o carter, prprio da poltica em

    face da economia.

    C Paradoxalmente, esse modo de pensar Gramsci o recebeu do

    seu maior adversrio, Benedetto Croce que sustentou a

    distino da esfera tico-prtica, dando-lhe, como princpio

    formal a vontade. Para Croce, a vontade seria um grau

    consciente do nvel econmico.

    D Para Gramsci, a vontade , no s a condio de existncia da

    poltica mas, um movimento para edificar o homem livre, no

    se forma sem a conscincia das necessidades materiais do

    homem oprimido. Essa conscincia das necessidades o

    aguilho que faz o militante comunista, Antonio Gramsci,

    opor-se ao pensador liberal, Benedetto Croce.

    E O intelectual que ignora o tecido de vnculo e violncia com

    que se amarram as classes sociais no poder atingir o limiar

    da conscincia da necessidade, que , por sua vez, condio

    para que se produza uma vontade de agir sobre as estruturas.

    preciso que ele se encaminhe para uma teoria rigorosa, sem

    a qual os seus mpetos de demolir estruturas podero ser

    truncados pela tecnologia mope ou diludos pelo humanismo

    retrico.

    Trechos adaptados de Alfredo Bosi. Op. cit., p. 243-4.

    Texto para as questes de 6 a 8

    Frente tradio hindu que h 2.500 anos divide a1sociedade indiana em mais de 2.000 castas, os 60 anos dosideais liberais de Gandhi e os 10 anos da legalizao docasamento entre castas revelam-se impotentes para4transformar a organizao hierrquica da sociedade. Emconfronto direto com o costume milenar, o governo da ndiaoferece uma recompensa de R$ 2.400 para homens e mulheres7de diferentes grupos sociais que formalizem sua unio.

    O dinheiro equivale ao dobro da renda per capitaanual do pas. O governo justifica que a medida um passo10para a reacomodao das desigualdades. Para grande parte dasociedade, um passo no escuro.

    O governo que j enfrenta protesto contra cotas em13universidades v-se, agora, diante de um desafio maior.O esquema est sob ataque de todos os lados. Osconservadores alegam que a medida gatilho para o caos16social. Os liberais sustentam que poucos vo receber a ofertaporque o dinheiro vai desaparecer no bolso de autoridadescorruptas.19

    Indianos de castas mais baixas dizem que rejeitariama recompensa, pois perderiam o acesso preferencial suniversidades, garantido pelas j controversas cotas. Hoje, o22governo oferece 22,5% das vagas aos intocveis, os ltimosna hierarquia hindu, mas pretende aument-las para 50%.

    Sei que esta no a nica maneira de pr um fim 25discriminao, mas preciso comear de algum lugar,defende a ministra da Justia Social. Para a sociloga RadhikaChopra, a oferta uma forma de sinalizar que esses28casamentos no devem ser condenados. Com a medida, ogoverno apia os indivduos que transgrediram barreirassociais e mostra que podem funcionar como exemplos,31acrescenta a sociloga.

    Jornal do Brasil, 17/12/2006 (com adaptaes).

    QUESTO 6

    No que se refere a funes da linguagem, predomina, no texto,a funo

    A ftica, visto que o autor do texto busca, de forma sutil,convencer os leitores dos benefcios do projeto que visaincentivar o casamento entre pessoas pertencentes a castasdiferentes.

    B referencial, dado que a nfase recai nas informaes a respeitode determinado assunto.

    C emotiva, dado que so as falas das autoridades entrevistadasque direcionam a forma como as informaes soapresentadas.

    D conativa, visto que as opinies expressas esto devidamentereferenciadas, no havendo, portanto, perda de objetividadena transmisso das informaes.

    E metalingstica, haja vista o foco em aspectos intertextuais,como demonstram as diversas vozes que acompanham ainformao divulgada.

  • UnB / CESPE IRBr Teste de Pr-Seleo Primeira Etapa Caderno PAPA

    Admisso Carreira de Diplomata 3

    QUESTO 7

    Com base no texto, assinale a opo correta.

    A Na ndia, a recompensa estabelecida para casamentos entre

    pessoas pertencentes a castas diferentes abonada pelos

    intelectuais hindus, especialmente pelos socilogos.

    B Algumas pessoas indianas de castas mais baixas no se casam

    com as de castas mais altas para no perderem direito de

    acesso automtico universidade.

    C O tema principal que se depreende da notcia veiculada a

    dificuldade de superao de valores sociais em soc