Thomas Hobbes - Do Corpo

  • View
    576

  • Download
    2

Embed Size (px)

Text of Thomas Hobbes - Do Corpo

Thomas Hobbes

DoCLCULO

CORPO

PARTE I

OU LGICA

Edio em latim e portugus

Traduo e notas Maria Isabel Limongi Vivianne de Castilho Moreira

Coleo Multilngues de Filosofia Unicamp Srie A

H-tJtt~

I

SUMRIO

Nota

prviaH

.HHHHHHH"

HHHHHH....

HHHHH..... H

713

Ao

leitor

I II IIIIV V VI

Da

filosofia

.HHH.HHHHH .... HHHHHH.H .....

17 37 67 93

Dos

vocbulos'HH'

Da

proposio

H

Do

silogismo

H HH' HHHHH" HHHHHH.... HHHHH.... HHH

Do

erro,

da

falsidade

e das

capciosidades

HHHHHH", HHHHHH"H

II3

Do

mtodo

. HHHHHH'".HHHHH.H

HHHHHH

HHHH.H

HHH

H HHHHH

H.

131

NOTA

PRVIA

A histria das publicaes do De Corpore foi reconstituda por Karl Schuhmann e Martine Pcharman na introduo sua primeira edio crtica, publicada por Schuhmann em 1999, em Paris, pela Vrin. A primeira edio, que Hobbes provavelmente terminou de escrever em 1653, aps seu retorno a Londres, findo o seu perodo de exlio na Frana, data de 1655, e sua histria, cheia de percalos, s o comeo de uma longa e tortuosa histria, da qual brota uma srie de dificuldades para o estabelecimento do texto. A primeira edio comeou a ser impressa em 1654, em Londres, por Andrew Crooke, mas sua impresso foi logo interrompida, em funo das crticas dos matemticos de Oxford, notadamente Ward e Wallis, ao captulo XX da obra, ao qual eles tiveram acesso maios cadernos saram do prelo, antes mesmo do trmino da impresso da obra em sua totalidade. Tamanha ansiedade para ler e criticar uma obra ainda em processo de impresso se explica, de um lado, pelo contedo desse captulo em particular, em que Hobbes prope uma soluo para o problema da quadratura do crculo, o que, segundo as suspeitas bem fundadas das autoridades de Oxford, parecia e de fato se mostrou ser uma pretenso desmesurada para os conhecimentos matemticos do nosso autor; e, de outro, por uma certa implicncia para com o autor do Leviathan, que, desde a sua publicao em 1651, em funo de suas teses controversas em meio a uma Inglaterra politicamente conturbada, trouxera uma certa m fama para Hobbes, m7

Do

CORPO - CLCULO OU LGICA

fama que Ward e Wallis se empenharam em intensificar, no que se pode entender como um projeto poltico de difamao de Hobbes. Em funo dessas crticas, Hobbes suspendeu a impresso do De Corpore, a qual foi retomada em I655, com uma nova verso dos captulos XVI e XX. Tendo, porm, logo percebido que sua nova soluo para o problema espinhoso de que se propusera a tratar tampouco era satisfatria, Hobbes acrescentou verso j impressa uma nota em que se declara sabedor disso, tendo, no entanto, preferido deix-ia daquele modo para no tardar ainda mais a impresso da obra. Seus crticos no perdoaram essa hesitao. Ainda em I655, Wallis publica o seu Elenchus Geometriae Hobbianae e, no ano seguinte, sai a Exercitatio Epistolica de Ward, obras em que a matemtica do De Corpore duramente atacada, por vezes de modo ofensivo para com seu autor. Sua reputao estava em questo e Hobbes no podia deixar seus crticos sem resposta. A oportunidade da rplica veio com a publicao, em I656, da traduo inglesa do De Corpore, prevista desde o momento da publicao do texto latino. Tal traduo foi publicada acompanhada do texto Six lessons to the professors o/ Mathematicks o/ the institution o/ Sir Henry Savi/e, in the university o/Oxford, no qual Hobbes rebate as crticas de Wallis e Ward. A traduo annima. Um aviso ao leitor indica que ela foi revista por Hobbes. Mas evidente que Hobbes no apenas a reviu (tendo, contudo, deixado passar alguns erros e falhas de traduo), como por vezes interveio diretamente no texto, modificando-o em funo das crticas que recebera, como declara em Sixlessons. Assim, o captulo XVIII e o malfadado captulo XX encontram-se quase inteiramente modificados em relao edio latina. Restam dvidas, porm, sobre o grau de participao de Hobbes no texto ingls, e, para alm dos captulos citados, em que passagens precisamente ela se deu. No obstante, certo que o Concerning Body faz parte da histria da escritura/ edio do De Corpore e deve ser levado em conta pelos estudiosos da obra. Da por que Schuhmann tenha acrescentado sua edio crtica uma srie de apndices em que o texto ingls reproduzido, sempre que este lhe pareceu expressar melhor as intenes de Hobbes no que diz respeito a uma verso definitiva da obra, j que nenhuma das edies conhecidas, publicadas durante a vida de Hobbes, pode aspirar sem reservas a esse ttulo.8

NOTA PRVIA

Que Hobbes sonhasse com uma nova edio latina do De Corpore incorporando as modificaes introduzidas pela verso inglesa, o que fica claro com a publicao em 1660, em Londres, tambm por Crooke, da obra Examinatio et emendatio, na qual Hobbes sai mais uma vez em defesa do De Corpore, criticando a Opera Mathematica de Wallis. Uma lista de correes ao De Corpore, tomadas, segundo uma declarao de Hobbes, da edio inglesa, acrescentada ao final do livro, ainda que, nessa lista, as modificaes introduzidas pelo texto em ingls em relao ao original latino no sejam observadas de modo regular. A esperada segunda edio do texto latino s saiu, porm, em 1668, por iniciativa de Sorbiere, fiel amigo de Hobbes, que conseguiu a publicao em Amsterdam da sua Opera Philosophica, quae latine scripsit, na qual, pela primeira vez, Hobbes conseguiu reunir os elementos do seu sistema, publicando conjuntamente e em ordem o De Corpore, o De Homine e o De Cive, alm de outros textos, incluindo uma verso latina do Leviathan. Essa edio do De Corpore tomou por base a edio de 1655, nem sempre respeitando as melhoras introduzidas pela verso inglesa e indicadas em Six lessons, nem as correes indicadas na errata que acompanhou a edio de 1655. Algumas correes gramaticais e de impresso foram introduzi das, provavelmente por parte de revisores e no pela mo de Hobbes. Mas certo que Hobbes tomou parte nessa edio, tendo em vista que ela incorpora algumas modificaes da edio inglesa e as correes propostas na Ementatio, alm de trazer uma terceira verso dos captulos XX e XXVI.IO, sem precedentes nas edies anteriores. Essas trs edies - a do texto latino em 1655, a do texto ingls em 1656 e a da nova verso latina em 1668 - completam o conjunto das edies do De Corpore ocorridas durante a vida de Hobbes, que contaram com a participao do autor. A estas, acrescenta-se um conjunto bastante modesto de edies pstumas: (1) as edies, publicadas em 1839, em Londres, das verses latina e inglesa, por parte de Molesworth, que reuniu e publicou o que na poca se conhecia das obras completas de Hobbes em latim e em ingls, reimpressas em 1962 e 1966; (2) a j citada edio crtica de Schuhmann do texto latino, de 1999; e (3) algumas tradues modernas do texto latino feitas a partir da edio de Molesworth, para o ingls (apenas da parte I), para o espanhol e para o italiano. A presente traduo para o portugus da parte I do De Corpore toma por base, por razes que dizem respeito maior facilidade de reproduo9

Do

CORPO - CLCULO

ou

LGICA

do texto latino, a edio de Molesworth, que consta no primeiro volume da Opera philosophica quae latine scripsit, publicada em Londres em 1839 e reimpressa em Aalen, em 1962 e 1966. Essa edio, por sua vez, se fez a partir da edio de 1668, a qual Molesworth corrigiu em seus erros gramaticais e tipogrficos, unifarmizou e modernizou a ortografia. A edio. de 1668 sem dvida, levando em conta as peripcias da publicao da De Corpore narradas acima, aquela da qual se deve partir, sendo tambm aquela adotada por Schuhmann como o texto de base de sua edio crtica. diferena de Malesworth, contudo, Schuhmann no adota a edio de 1668 sem ressalvas, na medida em que ela ignora, provavelmente em funo da idade avanada de Hobbes, algumas mudanas significativas da edio. inglesa e da errata da edio de 1655. Alm disso, Schuhmann levau em conta manuscritos cantenda verses mais antigas da De Corpore, ainda no. descabertas na poca da edio. de Moleswarth, aas quais se refere na seu aparato crtico. No que diz respeito aas captulas aqui traduzidas, para as fins da traduo., a adaa da edio de Maleswarth na lugar da edio. de Schuhmann, sempre consultada, no. traz prejuzo.. Tais captulas remantam s verses mais antigas da De Corpore, datadas de 16381r639 (de acardo cam as manuscritos acima citados), e apenas a captulo. VI se afasta significativamente delas, tenda sido. reescrito em 1653, em funo. de alteraes, na mamenta da escritura da verso. final da texto., na ordem de expasia das matrias, qual se faz referncia nesse captulo.. Alm disso., esses captulas faram paupados do. processa de sucessivas escrituras narrada acima. Eles campem, assim, uma parte mais estvel da abra. Ainda assim, dada que no. se pade ignarar a impartncia da trabalha de Schuhmann, indicaram-se nas natas de traduo. as diferenas da sua edio. em relao. de Maleswarth, sempre que relevantes traduo. Esta traduo. no teria sado no. fassem o trabalho, o incentiva e a insistncia de Jas Oscar de Almeida Marques, que, ciente da necessidade de disparmas de uma traduo do De Corpore, tomau a iniciativa de preparar uma traduo. da parte I a partir do texto ingls, por ele publicada nas Cadernos de Traduo da Unicamp, lananda-me a partir da a desafia de traduzir as captulas carrespandentes a partir do latim. Foi assim que convidei minha calega Vivianne de Castilha Mareira para me ajudar nessa tarefa que, sozinha, no. paderia levar a cabo. O resultada este que aqui se apresenta. Teria sido desejvel, sem dvida, traduzirIa

NOTA PRVIA

o De Corpore inteiro. Mas sabamos que esse projeto nos levaria a adiar, talvez para sempre, a disponibilizao do trabalho j feito, o