Tipo Cespe 260 questões

Embed Size (px)

Text of Tipo Cespe 260 questões

Prof. GUSTAVO BICALHO FERREIRA

Administrao Financeira e Oramentria

Exerccios ITipo CESPE

www.orcamento.org

www.estudaqui.com.br 1

Prof. GUSTAVO BICALHO FERREIRA

Prof. Gustavo Bicalho Ferreira 1 - Pelo Princpio da legalidade, as leis oramentrias (PPA, LDO e LOA) so encaminhadas pelo Poder Executivo, bem como pelos Poderes Legislativo e Judicirio, no que se referem s suas propostas oramentrias, para discusso e aprovao pelo Poder Legislativo. 2 - Pelo Princpio da anualidade/periodicidade, o oramento deve ter vigncia limitada a um exerccio financeiro, que de acordo com a Lei 4.320/64, coincide com o ano civil. 3 - Pelo Princpio da unidade/totalidade, o oramento deve ser uno, ou seja, deve haver somente um oramento para um exerccio financeiro, com todas as receitas e despesas, mesmo apesar da existncia dos oramentos fiscal, da seguridade social e de investimento. 4 - Pelo Princpio da universalidade, o oramento deve conter todas as receitas e despesas referentes aos Poderes da Unio, seus fundos, rgos e entidades da administrao direta e indireta, com exceo das receitas e despesas vinculadas seguridade social. 5 - Pelo Princpio da exclusividade/pureza, a lei oramentria no poder conter matria estranha previso das receitas e fixao das despesas. Exceo se d para as autorizaes de crditos suplementares e operaes de crdito, inclusive ARO. 6 - Pelo Princpio da especificao/especializao/discriminao, vedada as autorizaes de despesas globais, com exceo aos programas especiais de trabalho e tambm quanto reserva de contingncia. 7 - O Princpio da publicidade zela pela garantia da transparncia e total acesso a qualquer interessado s informaes necessrias ao exerccio da fiscalizao sobre a utilizao dos recursos arrecadados dos contribuintes. 8 - O Princpio do equilbrio visa assegurar que as despesas no sero superiores previso das receitas. 9 - O Princpio do oramento bruto estabelece que todas as receitas e despesas devem constar do oramento em seus valores brutos, sem qualquer tipo de deduo. E 10 - O Princpio da no-afetao (no-vinculao) das receitas dispe que nenhuma receita de impostos, sem exceo, poder ser reservada ou comprometida para atender a certos e determinados. 11 O Princpio da programao dispe que o oramento deve ter o contedo e a forma de programao. 12 - O Princpio da clareza dispe que o oramento deve ser expresso de forma clara, ordenada e completa, embora diga respeito ao carter formal, tem grande importncia para tornar o oramento um instrumento eficiente de governo e administrao. 13 - O processo de elaborao do oramento pblico no Brasil obedece a um ciclo integrado ao planejamento de aes.

www.orcamento.org

www.estudaqui.com.br 2

Prof. GUSTAVO BICALHO FERREIRA

14 O ciclo oramentrio pode ser dividido nas seguintes fases: elaborao, apreciao legislativa, execuo e acompanhamento, controle e avaliao, quando ento se inicia o ciclo seguinte. 15 O ciclo oramentrio um processo limitado ao exerccio financeiro, por meio do qual se elabora, aprova, executa, controla e avalia a programao de gastos do setor pblico nos aspectos fsico e financeiro. 16 O plano plurianual uma lei de iniciativa do Poder Executivo que estabelece, de forma regionalizada, as diretrizes, objetivos e metas da administrao pblica federal para as despesas de capital e outras delas decorrentes e para as relativas aos programas de durao continuada. 17 As despesas de manuteno so exemplos de despesas que ocorrem em decorrncia das despesas de capital. 18 caracterstica dos programas de durao continuado a durao superior a um exerccio financeiro. 19 As metas so a quantificao, fsica ou financeira, dos objetivos. 20 O prazo de encaminhamento do projeto do PPA pelo Executivo, para discusso e aprovao no Congresso Nacional, deve ser feito at oito meses e meio antes do encerramento do primeiro exerccio financeiro do mandato presidencial e devolvido para sano presidencial at o encerramento da sesso legislativa. 21 De acordo com a CF/88, nenhum investimento cuja execuo ultrapasse dois exerccios financeiros poder ser iniciado sem prvia incluso no plano plurianual, ou sem lei que autorize a incluso, sob pena de crime de responsabilidade. 22 A no-coincidncia entre a vigncia do PPA e do mandato do chefe do Poder Executivo ocorre para que no haja descontinuidade de programas governamentais na transio de um governo a outro. 23 O programa o instrumento de organizao da atuao governamental que articula um conjunto de aes que concorrem para a concretizao de um objetivo comum preestabelecido, mensurado por indicadores institudos no plano, visando a soluo de um problema ou o atendimento de determinada necessidade ou demanda da sociedade. 24 So tipos de programas: os finalsticos e os de apoio s polticas pblicas e reas especiais. 25 O projeto o mdulo comum integrador entre o plano e o oramento. 26 O oramento-programa um instrumento de planejamento da ao do governo, por meio da identificao dos seus programas de trabalho, projetos e atividades, alm do estabelecimento de objetivos e metas a serem implementados, bem como a previso dos custos relacionados. O programa o mdulo comum integrador entre o plano e o oramento. (TRT 10 Regio 2004 Analista Judicirio Administrativa CESPE) 27 No Congresso Nacional, a constitucionalidade das matrias de natureza oramentria, tais como o projeto de lei de plano plurianual e o projeto de LOA, deliberada pela Comisso de Constituio e Justia do Senado Federal.

www.orcamento.org

www.estudaqui.com.br 3

Prof. GUSTAVO BICALHO FERREIRA

(STJ 2004 - Analista Judicirio Administrativa CESPE) A Lei de Diretrizes Oramentrias (LDO) deve incluir 28 as metas e prioridades da administrao pblica federal, com as despesas de capital para o exerccio subseqente. 29 os limites para elaborao das propostas oramentrias de cada poder. 30 a poltica de aplicao das agncias financeiras oficiais de fomento. 31 as normas relativas ao controle de custos e avaliao dos resultados dos programas financiados com recursos dos oramentos. Em matria oramentria, as vedaes constitucionalmente definidas incluem o(a) 32 incio de programas no-includos como prioridade na LDO. 33 realizao de operaes de crdito que excedam o montante das despesas de capital, ressalvadas as autorizadas mediante crditos suplementares ou especiais com finalidade precisa, aprovados pelo Poder Legislativo por maioria absoluta. 34 abertura de crdito adicional sem prvia autorizao legislativa e sem indicao dos recursos correspondentes. 35 transposio, o remanejamento ou a transferncia de recursos de uma categoria de programao para outra ou de um rgo para outro, sem prvia autorizao legislativa. 36 utilizao, sem autorizao legislativa especfica, de recursos dos oramentos fiscais e de investimentos das estatais para suprir necessidade ou cobrir dficit de empresas, fundaes e fundos. 37 instituio de fundos de qualquer natureza, sem prvia autorizao legislativa. 38 transferncia voluntria de recursos e a concesso de emprstimos, inclusive por antecipao de receita, pelos governos federal e estaduais e suas instituies financeiras, para pagamento de despesas com pessoal ativo, inativo e pensionista, dos estados, do Distrito Federal e dos municpios. (TRE/AL 2004 - Analista Judicirio Contabilidade CESPE) O Poder Executivo de um municpio abriu crdito para atender a uma necessidade urgente que no estava prevista em sua lei oramentria. Com base nessa situao, julgue os itens a seguir. 39 Esse crdito classificado como suplementar. 40 desnecessria a indicao de recursos disponveis para a abertura desse crdito. 41 A abertura do crdito mencionado deve ocorrer por meio de medida provisria.

www.orcamento.org

www.estudaqui.com.br 4

Prof. GUSTAVO BICALHO FERREIRACom relao ao Plano Plurianual (PPA), julgue os itens a seguir. 42 A Constituio Federal determina que a lei que instituir o PPA deve estabelecer objetivos e metas da administrao pblica, de forma regionalizada, para as despesas de capital e as delas decorrentes. 43 Um PPA dever ter incio no segundo ano de mandato de um presidente e vigncia at o final do primeiro exerccio financeiro do mandato presidencial subseqente. No que se refere lei oramentria, julgue os itens seguintes. 44 Entre as funes dos oramentos fiscais e de seguridade social, inclui-se a de reduzir desigualdades inter-regionais. 45 Na elaborao do projeto de lei oramentria devem ser observadas as orientaes da Lei de Diretrizes Oramentrias relativas quele exerccio. 46 O projeto de lei oramentria da Unio deve ser apreciado pelas duas casas do Congresso Nacional, na forma do regimento comum. A respeito do processo oramentrio, julgue os itens a seguir. 47 Considere que, durante a fase de discusso e aprovao no Poder Legislativo, foi submetida a votao uma emenda modificando o projeto de lei oramentria. Nessa situao, a emenda poder ser aprovada desde que indique a anulao de qualquer despesa. 48 Um processo oramentrio desenvolve-se integralmente dentro de um exerccio financeiro. Com relao s despesas pblicas, julgue os itens seguintes. 49 O aumento do capital de entidade ou empresa que vise a objetivos comerciais ou financeiros classificado como investimento. 50 As dotaes destinadas pelo governo s empresas pblicas para cobrir diferenas entre os preos de mercado e os preos de revenda de gneros alimentcios so consideradas subvenes sociais. (TRE/RS 2003 - Analista Judicirio Administrativa CESPE) A administrao financeira e oramentria brasileira regida por uma srie de normas legais e infralegais, embasadas a partir da prpria Constituio Federal, que criam uma srie de institutos e estabelecem conceitos e procedimentos. Acerca desse tema, julgue os itens a seguir. 51 O cdigo de classificao de fontes de recursos composto por dois dgitos, sendo que o primeiro indica o grupo de fontes de recursos, e o segundo, a especificao das fontes de recursos. O indicador de grupo de font