trabalho direito

  • View
    212

  • Download
    0

Embed Size (px)

DESCRIPTION

trabalho de direito administrativo para curso de contabilidade

Transcript

Trabalho Acadmico

PAGE

SISTEMA DE ENSINO PRESENCIAL CONECTADO

CINCIAS cONTBEIS

MANUELA SANTOS SAMPAIO

DIREITO CIVIL

CONTRATOS

SANTA LUZIA - MG

2008

MANUELA SANTOS SAMPAIO

DIREITO CIVIL

CONTRATOS

Trabalho apresentado ao Curso Cincias Contbeis da UNOPAR - Universidade Norte do Paran, para a disciplina de Introduo ao Direito Pblico e Privado.

Orientadora: Professora Rita de Cssia Resquetti Tarifa Espolador

SANTA LUZIA - MG

2008

sumrio

31 INTRODUO

2 CONTRATO 42.1 ELEMENTOS E REQUISITOS CONTRATUAIS42.2. PRINCIPIOLOGIA DO CONTRATO62.2.1 PRINCIPIO DA BOA F OBJETIVA62.2.2 PRINCIPIO DA AUTONOMIA DA VONTADE62.2.3 PRINCIPIO DA FORA OBRIGATRIA62.2.4 PRINCIPIO DA RELATIVIDADE DOS EFEITOS CONTRATUAIS ....................7

2.2.5 PRINCIPIO DO CONSENSUALISMO.................................................................7

2.2.6 PRINCIPIO DA FUNAO SOCIAL DO CONTRATO .........................................7

2.2.7 PRINCIPIO DA EQUIVALENCIA MATERIAL .....................................................8

3. CLASSIFICAO DOS CONTRATOS................................................................. .8

i) CONTRATOS PRELIMINARES E DEFINITIVOS.....................................................8

ii) CONTRATOS TPICOS, ATPICOS E MISTOS...................................................... 9iii) CONTRATOS POR TEMPO DETERMINADO E INDETERMINADO..................... 9iv) CONTRATOS UNILATERAIS, BILATERAIS E PLURILATERAIS....................... 10

v) CONTRATOS GRATUITOS E ONEROSOS ........................................................ 10

vi) CONTRATOS REAIS E CONSENSUAIS .............................................................10

vii) CONTRATOS SOLENES E NO SOLENES...................................................... 11

viii) CONTRATOS PRINCIPAIS E ACESSORIOS ....................................................11

ix) CONTRATOS PESSOAIS E IMPESSOAIS .........................................................11

x) CONTRATOS PARITRIOS E DE ADESO ........................................................12

xi) CONTRATOS CIVIS E COMERCIAIS ..................................................................12

xii) CONTRATOS COMUTATIVOS E ALEATRIOS ................................................12

xiii) CONTRATOS DE EXECUO INSTANTANEA, DIFERIDA OU DE TRATO SUCESSIVO.............................................................................................................. 13

xiv) CONTRATOS INDIVIDUAIS E COLETIVOS ......................................................13

4. EFEITOS DO CONTRATO ...................................................................................145. CONTRATOS EM ESPCIE .................................................................................14

5.1 COMPROMISSO DE COMPRA E VENDA ......................................................15

196 CONCLUSO

7. CONTRATO DE COMPRA E VENDA DE EQUIPAMENTO DE INFORMTICA A PRAZO .....................................................................................................................20REFERNCIAS23

1 INTRODUO

Contrato a maior fonte de obrigao de que se trata o Direito Civil, sendo um acordo de vontades, expresso em palavras verbais ou escritas, produzindo efeitos obrigacionais de dar, fazer ou no fazer.

Muitas pessoas fazem acordos constantemente sem se preocuparem com as exigncias legais. No todo acordo que precisa ser feito atravs de um contrato, mas acontece que se alguns destes acordos no so cumpridos por uma das partes, a falta de instrumento, ou seja, a parte escrita e legal pode causar problemas pessoa prejudicada.

O contrato tem por finalidade gerar obrigaes entre as partes acordantes: obrigao de fazer, obrigao de no fazer ou obrigao de dar. E o no cumprimento por uma das partes, sujeita o inadimplente reparao das perdas e danos, por isso o contrato fundamenta-se na presuno de que os contratantes estejam agindo com lealdade, confiana e colaborao.

2. CONTRATO

Contrato um negcio jurdico por meio do qual, as partes, limitadas pelos princpios da funo social e da boa f, autodisciplinam os interesses patrimoniais que pretendem atingir, segundo a autonomia das suas prprias vontades criando um dever jurdico de dar, fazer ou no fazer.Contrato um negcio jurdico bilateral cujos efeitos consistem em constituir, modificar ou extinguir uma relao jurdica de natureza patrimonial. (GARCEZ NETO, Martinho, Temas Atuais de Direito Civil, ed.. Rio de Janeiro). Disponvel em

Os contratos so formados pelo acordo de vontades, comunicada de forma expressa ou de forma tcita. Esta vontade conhecida como oferta e aceitao.

Todo contrato tem uma funo social que unir o interesse individual com o interesse social atingindo o equilbrio do contrato, uma vez que o contrato no interessa somente as partes contratantes, mas tambm sociedade, mesmo que de forma indireta.2.1 ELEMENTOS E REQUISITOS CONTRATUAIS

Os requisitos bsicos de um contrato so analisados em trs atos:

a) Existncia um contrato no surge do nada, primeiro necessrio que haja uma manifestao de vontade, que tem a presena de um agente que a pessoa do contrato, em conseqncia um objeto de contrato que consiste na prestao obrigacional estabelecida. Por fim esta manifestao de vontade do agente para realizar o objeto precisa de uma forma para existir que pode ser verbal ou escrita.

b) Validade - de acordo com o artigo 104 do Cdigo Civil, a validade do negcio jurdico requer:

I- Agente capaz,

II- Objeto lcito, possvel, determinado ou determinvel,

III- Forma prescrita ou no defesa em lei.

A pessoa capaz aquela que pode exercer pessoalmente seus direitos e responder por suas obrigaes. Mas o incapaz pode adquirir direito e celebrar contratos, desde que devidamente representado.

O objeto do contrato corresponde a uma prestao lcita, ou seja, no h proibio legal para o objeto e no traga desabono a nenhuma das partes contratantes. O objeto deve ser possvel, material e juridicamente, devendo existir ou podendo vir a existir no mundo fsico. O contrato precisa ter valor econmico para se resolver em perdas e danos se no for cumprida por ambas as partes. a lei que torna obrigatrio o cumprimento do contrato e que tambm obriga aquele que se vinculou a manter sua promessa, procurando desse modo, assegurar as relaes assim estabelecidas.

A forma do contrato e livre, ele representa a autonomia da vontade, a estipulao do que melhor convier, desde que a outra parte no seja prejudicada. A legitimidade o interesse para agir em contratos previstos em lei, ou seja, vontade tm como limite os termos da legislao, os princpios da moral e ordem pblica.

c) Eficcia estando o contrato existente e vlido, de se esperar que ele produza efeito imediato, mas h ocasies que no acontece pois podem ser limitados por elementos acidentais da declarao, que vem a ser o termo , a condio e encargos.Diz o artigo 166 do Cdigo Civil :

nulo o negcio jurdico quando:

I - celebrado por pessoa absolutamente incapaz;

II - for ilcito, impossvel ou indeterminvel o seu objeto;

III - o motivo determinante, comum a ambas as partes, for ilcito;

IV - no revestir a forma prescrita em lei;

V - for preterida alguma solenidade que a lei considere essencial para a sua validade;

VI - tiver por objetivo fraudar lei imperativa;

VII - a lei taxativamente o declarar nulo, ou proibir-lhe a prtica, sem cominar sano.

(Cdigo Civil 2002. )2.2 PRINCIPIOLOGIA DO CONTRATO

Os contratos so observados desde os acontecimentos que o antecedem at a execuo da obrigao proposta, ento devemos observar a importncia dos principais princpios que regem o contrato, so eles:

2.2.1 PRINCIPIO DA BOA F OBJETIVAOs contratantes so obrigados a guardar, assim na concluso do contrato, como em sua execuo, os princpios de probidade e boa-f.(Artigo 422 Cdigo Civil 2002. )Este princpio obriga os contratantes a agirem com honestidade, lealdade, respeito na formao e execuo do contrato, para que alcancem o objetivo proposto.

2.2.2 PRINCPIO DA AUTONOMIA DA VONTADE

Neste principio se fundamenta a liberdade de contratar, consiste no poder de estipular livremente, como melhor lhes convier, mediante acordo de vontades e a disciplina de seus interesses, contratar ou no, com quem contratar, qual o contedo e os limites fixados na obrigao que se deseja assumir e a forma dada expresso da sua vontade, a no ser que o Cdigo Civil estabelea formas prprias.

Mas nem sempre ocorre do contrato apresentar vontades livres e iguais, h ocasies onde s despropores so tamanhas, que afrontam o ideal de justia. Neste caso o Estado tem de intervir no contrato, impondo restries ao principio da autonomia privada em benefcio dos interesses coletivos, seja por questes de ordem publica, seja com a adoo de uma interveno judicial.

2.2.3 PRINCPIO DA FORA OBRIGATRIA (PACTA SUNT SERVANDA)O contrato um acordo de vontades, constitudo atravs do consentimento das partes, usando de boa f uns com os outros, portanto deve ser cumprido. A finalidade deste princpio est na segurana que d aos contratos, tendo em vista a sua concretizao. No havendo o cumprimento do acordo por uma das partes poder a parte prejudicada exigir o cumprimento forado, atravs do Juiz, ou pedir uma indenizao por perdas e danos.

2.2.4 PRINCPIO DA RELATIVIDADE DOS EFEITOS CONTRATUAIS

O contrato relativo apenas s partes contratantes, no interessam a terceiros, exceto em caso de dvidas de herana, convenes coletivas (sindicatos, associaes).

2.2.5 PRINCPIO DO CONSENSUALISMO

Nas declaraes de vonta