of 122/122
TRADE-OFFS DE CUSTOS LOGÍSTICOS ALEXANDRA MANUELA NOVAIS ALMEIDA DOS SANTOS MARTINS novembro de 2018

TRADE-OFFS DE CUSTOS LOGÍSTICOS - ipp.pt...profissionais logísticos acerca dos trade -offs logísticos e o impacto no desempenho económico financeiro da organização, bem como

  • View
    4

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of TRADE-OFFS DE CUSTOS LOGÍSTICOS - ipp.pt...profissionais logísticos acerca dos trade -offs...

ALEXANDRA MANUELA NOVAIS ALMEIDA DOS SANTOS MARTINS novembro de 2018
TRADE-OFFS DE CUSTOS LOGÍSTICOS
2018
Departamento de Engenharia Mecânica
TRADE-OFFS DE CUSTOS LOGÍSTICOS
1160008
Dissertação apresentada ao Instituto Superior de Engenharia do Porto para
cumprimento dos requisitos necessários à obtenção do grau de Mestre em Engenharia
e Gestão Industrial, realizada sob a orientação da Professora Doutora Maria Teresa
Ribeiro Pereira
Departamento de Engenharia Mecânica
JÚRI
Presidente
Orientador
Professora Adjunta, Instituto Superior de Engenharia
Arguente
Professora Adjunta, Escola Superior de Hotelaria e Turismo
Trade-offs de Custos Logísticos Alexandra Martins
AGRADECIMENTOS
Ao meu querido marido, que faleceu no decorrer desta epopeia. A ti, que sempre foste
a minha inspiração e o meu pilar de apoio, devo esta dissertação. Juntos ofuscamos o
brilho do Sol e os Deuses zangaram-se…. Fiquei cá eu, e o meu grau de mestre vai
continuar a provar que se podem contrariar os Deuses, é preciso é ter força de vontade.
À minha orientadora, Maria Teresa Pereira, ser humano maravilhoso, que, além de me
dar todo o apoio científico, provou que a inteligência pode viver de mão dada com bons
sentimentos. Obrigada por toda a ajuda, quer científica, quer moral e, também, pela
paciência e compreensão.
Aos meus “companheiros de combate” Diogo Martins, Liliana Carneiro e Nuno Barbosa
que não permitiram que eu abandonasse o barco.
“The last but not the least” à minha família: mãe, pai e filhote. Para vocês as minhas
desculpas pelas ausências, especialmente a ti meu filho, nesta altura tão delicada da
vida. O meu profundo obrigada pela compreensão.
Trade-offs de Custos Logísticos Alexandra Martins
RESUMO IX
PALAVRAS CHAVE
portuguesas, análise de fatores
RESUMO
A maioria dos mercados é hoje mais competitiva, em termos de preço, do que há uma
década. Com a contínua pressão descendente sobre os preços, as empresas têm de
melhorar o seu desempenho para conseguirem manter-se no mercado. Deste modo,
tendo a generalidade das empresas já empreendido programas de redução de custos
nos processos produtivos, aparecem os processos logísticos, como oportunidade, de
importância considerável, para a maximização de lucros. Note-se que se trata de um
aumento do lucro, pelo acréscimo do valor, e não de uma mera redução de custos, pois
na área logística ainda há espaço não só para a redução de custos, mas também para o
aumento do nível de serviço prestado aos clientes, para um determinado nível de custos.
É aqui que os trade-offs de custos logísticos aparecem, entendendo-se por trade-off
logístico uma troca compensatória, ou seja, um aumento de custo é compensado por
uma diminuição de outro, ou compensado por um aumento do nível de serviço ao
cliente que aumente o desempenho, numa cifra que supere o aumento de custo.
Neste contexto, a presente dissertação tem como objetivo analisar o conhecimento dos
profissionais logísticos acerca dos trade-offs logísticos e o impacto no desempenho
económico financeiro da organização, bem como, quais os trade-offs de custos logísticos
que são analisados e avaliados, e de que forma isso é feito nas empresas. Para atingir
estes propósitos, o presente trabalho explorou o conceito de trade-off, das
componentes do custo logístico e explorou os estudos na área já realizados. Com estes
alicerces teóricos, adaptou ao contexto português o questionário realizado por Amaral
(2012, 2014) por forma a ser possível uma comparabilidade, além da mensuração dos
objetivos. O questionário foi aplicado a profissionais de 100 empresas do setor logístico e às “500 maiores e melhores” empresas portuguesas de 2016, segundo a revista Exame. Da pesquisa, respondida por 58 empresas, usando a análise fatorial exploratória com recurso ao método das componentes principais, evidencia-se que, embora os profissionais logísticos portugueses tenham uma vasta experiência, preparação académica e ocupem cargos hierárquicos elevados, continuam a realizar cortes de custos isolados, não considerando os trade-offs existentes, incorrendo em perdas no seu desempenho. Este facto verifica-se independentemente da dimensão da empresa, ou de ter um departamento dedicado à logística, ou de terceirizar atividades logísticas.
RESUMO X
ABSTRACT XI
KEYWORDS
analysis
ABSTRACT
Most markets are now more price competitive than they were a decade ago. With
continued downward pressure on prices, companies have to improve their performance
in order to stay in the market. Thus, since most companies have already undertaken
programs to reduce costs in production processes, logistical processes appear as an
opportunity of considerable importance for maximizing profits. It should be noted that
this is an increase in profit, because of the increase in value, and not a mere reduction of
costs, because in the logistics area there is still space not only for reducing costs but also
for increasing the level of service provided to customers, for a certain level of cost. It is
here that the trade-offs of logistic costs appear, being understood by logistic trade-off a
compensatory exchange, that is, one increase of cost is compensated by a decrease of
another, or compensated by an increase of the level of customer service which will
improve the performance, at a figure that exceeds the cost increase.
In this context, the objective of this dissertation is to analyse the knowledge of logistics
professionals about the logistic trade-offs and the impact on the economic and financial
performance of the organization, as well as which trade-offs of logistics costs are
analysed and evaluated, and in what way is done in companies. In order to achieve these
goals, the present work explored the concept of trade-off, the logistical cost elements
and explored the studies already performed in the area. With these theoretical
foundations, the questionnaire carried out by Amaral (2012, 2014) was adapted to the
Portuguese context in order to be possible for comparability, besides the measurement
of the objectives.
The survey was applied to professionals from 100 companies in the logistics sector and
the "500 largest and best" Portuguese companies in 2016, according to Exame
magazine. From the research, answered by 58 companies, exploratory factorial analysis
was performed using the principal components method, it is evident that, although
Portuguese logistics professionals have extensive experience, academic preparation and
high hierarchical positions, they continue to carry out isolated cost cuts not considering
the existing trade-offs, incurring in losses in their performance. This is true regardless of
the size of the company, or if it has a department dedicated to logistics, or if practices
outsourcing of the logistic activities.
ABSTRACT XII
LISTA DE SÍMBOLOS E ABREVIATURAS
Lista de Abreviaturas
AF Análise de fatores
KW Kruskal-Wallis
MW Mann-Whitney
PIB Produto interno bruto
GLOSSÁRIO DE TERMOS XV
GLOSSÁRIO DE TERMOS
variáveis originais e geralmente, em menor número, e que
representa as comunalidades de um processo aleatório
Custo de
Custo total Soma de todos os custos incorridos num determinado
processo
Logística Ciência que estuda como prover recursos e informação para
a execução de todas as atividades de uma organização
Logística inversa
Conjunto de ações que visa recolher bens ou informação do
ponto de consumo até ao ponto de origem, ponto de
recondicionamento, ou de tratamento ambiental
Nível de serviço ao
pré-estabelecidas (normalmente expressas em
Outsourcing Técnica de terceirização de serviços
Pesquisa boleana Técnica de pesquisa que utiliza os operadores “E”, “OU” ou
“NÃO”
Procurement Aprovisionamento
pinos, para segurar ou armazenar coisas
Resultado
económico-financeiro
interessadas
a forma da distribuição subjacente aos dados
Trade-off
Troca compensatória, em que um aumento de uma ou mais
variáveis logísticas é acompanhado pela diminuição de uma
ou mais variáveis
ÍNDICE DE FIGURAS XVII
ÍNDICE DE FIGURAS
FIGURA 1 - DIAGRAMA LÓGICO DE UM PROBLEMA CONFLITUANTE (JACKSON, STOLTMAN, & TAYLOR,
1994) 33
FIGURA 2 – LUCRO, RECEITA E CUSTOS EM FUNÇÃO DO NÚMERO DE ARMAZÉNS UTILIZADOS –
ADAPTADO DE BALLOU, 1998 36
FIGURA 3 - CUSTOS E ATIVIDADES LOGÍSTICAS – ADAPTADO DE LAMBERT, 1998 37
FIGURA 4 - MÉTODO DE CONDUÇÃO DE UM ESTUDO DE MAPEAMENTO SISTEMÁTICO (SILVA, 2009) 42
FIGURA 5 - HISTOGRAMA DA FREQUÊNCIA ABSOLUTA DAS EMPRESAS POR DIVISÃO DO CÓDIGO CAE 53
FIGURA 6 - EXPERIÊNCIA DO PROFISSIONAL RESPONDENTE NA ÁREA LOGÍSTICA EM ANOS 55
FIGURA 7 - TIPOLOGIA DE FORMAÇÃO ACADÉMICA 55
FIGURA 8 - ÁREA DO CURSO DE FORMAÇÃO ACADÉMICA 56
FIGURA 9 - CARGO OCUPADO NA EMPRESA PELO PARTICIPANTE NO INQUÉRITO 56
FIGURA 10 - DIMENSÃO DA EMPRESA EM TERMOS DE COLABORADORES 57
FIGURA 11 - VOLUME DE NEGÓCIOS ANUAL (MILHARES DE EUROS) 58
FIGURA 12 - MAIOR POSICIONAMENTO HIERÁRQUICO RESPONSÁVEL PELA GESTÃO LOGÍSTICA E/OU
CADEIA DE ABASTECIMENTO 58
FIGURA 13 - NÚMERO DE COLABORADORES NA ÁREA DE GESTÃO LOGÍSTICA E/OU CADEIA DE
ABASTECIMENTO 59
FIGURA 14 - ATIVIDADES DESENVOLVIDAS PELA EMPRESA NO ÂMBITO DA GESTÃO LOGÍSTICA 60
FIGURA 15 - ATIVIDADES LOGÍSTICAS DESENVOLVIDAS PELAS EMPRESAS (COMPARAÇÃO COM AMARAL
2012 E FELLOUS 2009) 60
FIGURA 16 - ATIVIDADES LOGÍSTICAS TERCEIRIZADAS PELAS EMPRESAS 61
FIGURA 17 - "SCREE PLOT" OU GRÁFICO EM "ESCARPA" DOS VALORES PRÓPRIOS (EIGENVALUES) DAS
COMPONENTES 69
FIGURA 18 - GRÁFICO DAS RESPOSTAS AGRUPADAS POR COMPONENTES NO ESPAÇO RODADO. 71
FIGURA 19 - VALOR DO TESTE DE HOMOGENEIDADE DA VARIÂNCIA PARA O FATOR 1 E DA ANOVA A UM
FATOR PARA O FATOR 1 VERSUS CATEGORIAS DA EXPERIÊNCIA LOGÍSTICA. 73
FIGURA 20 - VALOR DO TESTE DE KRUSKAL-WALLIS PARA O FATOR 2 VERSUS CATEGORIAS DA
EXPERIÊNCIA LOGÍSTICA. 74
FIGURA 21 - VALOR DO TESTE DE HOMOGENEIDADE DA VARIÂNCIA PARA O FATOR 3 E DA ANOVA A UM
FATOR PARA O FATOR 3 VERSUS CATEGORIAS DA EXPERIÊNCIA LOGÍSTICA. 74
FIGURA 22 - VALOR DO TESTE DE HOMOGENEIDADE DA VARIÂNCIA PARA O FATOR 1 E DA ANOVA A UM
FATOR PARA O FATOR 1 VERSUS CATEGORIAS DO GRAU DE FORMAÇÃO ACADÉMICA. 75
FIGURA 23 - VALOR DO TESTE DE KRUSKAL-WALLIS PARA O FATOR 2 VERSUS CATEGORIAS DO GRAU DE
FORMAÇÃO ACADÉMICA. 75
FIGURA 24 - VALOR DO TESTE DE HOMOGENEIDADE DA VARIÂNCIA PARA O FATOR 3 E DA ANOVA A UM
FATOR PARA O FATOR 3 VERSUS CATEGORIAS DO GRAU DE FORMAÇÃO ACADÉMICA. 76
FIGURA 25 - VALOR DO TESTE DE HOMOGENEIDADE DA VARIÂNCIA PARA O FATOR 1 E DA ANOVA A UM
FATOR PARA O FATOR 1 VERSUS CATEGORIAS DO CURSO DE FORMAÇÃO ACADÉMICA. 77
ÍNDICE DE FIGURAS XVIII
Trade-offs de Custos Logísticos Alexandra Martins
FIGURA 26 - VALOR DO TESTE DE KRUSKAL-WALLIS PARA O FATOR 2 VERSUS CATEGORIAS DO CURSO DE
FORMAÇÃO ACADÉMICA. 77
FIGURA 27 - VALOR DO TESTE DE HOMOGENEIDADE DA VARIÂNCIA PARA O FATOR 3 E DA ANOVA A UM
FATOR PARA O FATOR 3 VERSUS CATEGORIAS DO CURSO DE FORMAÇÃO ACADÉMICA. 78
FIGURA 28 - VALOR DO TESTE DE HOMOGENEIDADE DA VARIÂNCIA PARA O FATOR 1 E DA ANOVA A UM
FATOR PARA O FATOR 1 VERSUS CATEGORIAS DO POSICIONAMENTO HIERÁRQUICO DO MAIOR
RESPONSÁVEL LOGÍSTICO. 79
FIGURA 29 - VALOR DO TESTE DE KRUSKAL-WALLIS PARA O FATOR 2 VERSUS CATEGORIAS DO MAIOR
POSICIONAMENTO HIERÁRQUICO DO RESPONSÁVEL LOGÍSTICO. 79
FIGURA 30 - VALOR DO TESTE DE HOMOGENEIDADE DA VARIÂNCIA PARA O FATOR 3 E DA ANOVA A UM
FATOR PARA O FATOR 3 VERSUS CATEGORIAS DO POSICIONAMENTO HIERÁRQUICO DO MAIOR
RESPONSÁVEL LOGÍSTICO. 80
FIGURA 31 - VALOR DO TESTE DE HOMOGENEIDADE DA VARIÂNCIA PARA O FATOR 1 E DO TESTE T-
STUDENT, PARA AMOSTRAS INDEPENDENTES, PARA O FATOR 1 VERSUS DIMENSÃO DA EMPRESA
EM FUNÇÃO DO NÚMERO DE TRABALHADORES. 81
FIGURA 32 - VALOR DO TESTE DE MANN-WHITNEY PARA O FATOR 2 VERSUS DIMENSÃO DA EMPRESA
EM FUNÇÃO DO NÚMERO DE TRABALHADORES. 81
FIGURA 33 - VALOR DO TESTE DE HOMOGENEIDADE DA VARIÂNCIA PARA O FATOR 3 E DO TESTE T-
STUDENT, PARA AMOSTRAS INDEPENDENTES, PARA O FATOR 3 VERSUS DIMENSÃO DA EMPRESA
EM FUNÇÃO DO NÚMERO DE TRABALHADORES. 81
FIGURA 34 - VALOR DO TESTE DE HOMOGENEIDADE DA VARIÂNCIA PARA O FATOR 1 E DO TESTE T-
STUDENT, PARA AMOSTRAS INDEPENDENTES, PARA O FATOR 1 VERSUS DIMENSÃO DA EMPRESA
EM FUNÇÃO DO VOLUME DE NEGÓCIOS ANUAL. 82
FIGURA 35 - VALOR DO TESTE DE MANN-WHITNEY PARA O FATOR 2 VERSUS DIMENSÃO DA EMPRESA
EM FUNÇÃO DO VOLUME DE NEGÓCIOS ANUAL. 82
FIGURA 36 - VALOR DO TESTE DE HOMOGENEIDADE DA VARIÂNCIA PARA O FATOR 3 E DO TESTE T-
STUDENT, PARA AMOSTRAS INDEPENDENTES, PARA O FATOR 3 VERSUS DIMENSÃO DA EMPRESA
EM FUNÇÃO DO VOLUME DE NEGÓCIOS ANUAL. 82
FIGURA 37 - VALOR DO TESTE DE MANN-WHITNEY PARA O FATOR 3 VERSUS DIMENSÃO DA EMPRESA
EM FUNÇÃO DO VOLUME DE NEGÓCIOS ANUAL. 83
FIGURA 38 - VALOR DO TESTE DE HOMOGENEIDADE DA VARIÂNCIA PARA O FATOR 1 E DO TESTE T-
STUDENT, PARA AMOSTRAS INDEPENDENTES, PARA O FATOR 1 EM FUNÇÃO DA EMPRESA
POSSUIR OU NÃO UMA ÁREA ESPECÍFICA DE LOGÍSTICA. 83
FIGURA 39 - VALOR DO TESTE DE MANN-WHITNEY PARA O FATOR 2 EM FUNÇÃO DA EMPRESA POSSUIR
OU NÃO UMA ÁREA ESPECÍFICA RESPONSÁVEL PELA LOGÍSTICA. 84
FIGURA 40 - VALOR DO TESTE DE HOMOGENEIDADE DA VARIÂNCIA PARA O FATOR 3 E DO TESTE T-
STUDENT, PARA AMOSTRAS INDEPENDENTES, PARA O FATOR 3 EM FUNÇÃO DA EMPRESA
POSSUIR OU NÃO UMA ÁREA ESPECÍFICA DE LOGÍSTICA. 84
FIGURA 41 - VALOR DO TESTE DE HOMOGENEIDADE DA VARIÂNCIA PARA O FATOR 1 E DO TESTE ONE
WAY ANOVA, PARA O FATOR 1 EM FUNÇÃO DO NÚMERO DE COLABORADORES AFETOS À ÁREA
LOGÍSTICA. 85
FIGURA 42 - VALOR DO TESTE DE KRUSKAL-WALLIS PARA O FATOR 2 EM FUNÇÃO DO NÚMERO DE
COLABORADORES DA EMPRESA NA ÁREA LOGÍSTICA. 85
ÍNDICE DE FIGURAS XIX
Trade-offs de Custos Logísticos Alexandra Martins
FIGURA 43 - VALOR DO TESTE DE HOMOGENEIDADE DA VARIÂNCIA PARA O FATOR 3 E DO TESTE ONE
WAY ANOVA, PARA O FATOR 3 EM FUNÇÃO DO NÚMERO DE COLABORADORES AFETOS À ÁREA
LOGÍSTICA. 86
FIGURA 44 - VALOR DO TESTE DE HOMOGENEIDADE DA VARIÂNCIA PARA O FATOR 1 E DO TESTE T-
STUDENT, PARA AMOSTRAS INDEPENDENTES, PARA O FATOR 1 EM FUNÇÃO DAS EMPRESAS
REALIZAREM OUTSOURCING DAS ATIVIDADES LOGÍSTICAS. 87
FIGURA 45 - VALOR DO TESTE DE MANN-WHITNEY PARA O FATOR 2 EM FUNÇÃO DAS EMPRESAS
REALIZAREM OUTSOURCING DAS ATIVIDADES LOGÍSTICAS. 87
FIGURA 46 - VALOR DO TESTE DE HOMOGENEIDADE DA VARIÂNCIA PARA O FATOR 3 E DO TESTE T-
STUDENT, PARA AMOSTRAS INDEPENDENTES, PARA O FATOR 3 EM FUNÇÃO DAS EMPRESAS
REALIZAREM OUTSOURCING DAS ATIVIDADES LOGÍSTICAS. 88
FIGURA 47 - VALOR DO TESTE DE MANN-WHITNEY PARA O FATOR 3 EM FUNÇÃO DAS EMPRESAS
REALIZAREM OUTSOURCING DAS ATIVIDADES LOGÍSTICAS. 88
ÍNDICE DE TABELAS XXI
ÍNDICE DE TABELAS
TABELA 1 – MAPEAMENTO SISTEMÁTICO DE TRADE-OFFS DE CUSTOS LOGÍSTICOS 43
TABELA 2 - QUADRO RESUMO DE ESTUDOS DE REFERÊNCIA SOBRE TRADE-OFFS DE CUSTOS LOGÍSTICOS
(ADAPTADO DE AMARAL 2012) 45
TABELA 3 – LEITURAS PARA O VALOR DE ALFA DE CRONBACH VARIANDO DE 0 A 1 – ADAPTADO DE
MARÔCO, 2011 50
TABELA 4 – CÓDIGO DE DIVISÃO E RESPETIVA DESIGNAÇÃO DOS CAE APRESENTADOS PELAS EMPRESAS
ANALISADAS 54
TABELA 5 - FREQUÊNCIA ABSOLUTA DAS RESPOSTAS AO BLOCO 4 DO INQUÉRITO 62
TABELA 6 - FREQUÊNCIA ABSOLUTA DAS RESPOSTAS COM ESCALA DE LIKERT DO BLOCO 5 DO
INQUÉRITO 63
TABELA 7 - TRADE-OFFS CONSIDERADOS RELEVANTES PARA A ORGANIZAÇÃO, OU SEJA, OS QUE SÃO
ANALISADOS COM MAIOR FREQUÊNCIA E APRESENTAM MAIOR IMPACTO NO DESEMPENHO
ECONÓMICO-FINANCEIRO 65
TABELA 8 - VALORES DE KMO E RESPETIVAS RECOMENDAÇÕES QUANTO À ADEQUAÇÃO DA UTILIZAÇÃO
DA ANÁLISE FATORIAL (ADAPTADO DE MARÔCO, 2011) 67
TABELA 9 - KMO E TESTE DE BARTLETT'S 67
TABELA 10 - VALORES PRÓPRIOS E VARIÂNCIA EXPLICADA PELOS COMPONENTES PRINCIPAIS 68
TABELA 11 – MATRIZ RODADA DAS VARIÂNCIAS DAS QUESTÕES DE CADA COMPONENTE 70
TABELA 12 - TESTES DE NORMALIDADE 72
TABELA 13 - QUADRO RESUMO DOS RESULTADOS OBTIDOS NOS TESTES DE HIPÓTESES 89
ÍNDICE XXIII
ÍNDICE
1.2 METODOLOGIA 28
2 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 33
2.2.2 CUSTO DE INVENTÁRIO 38
2.2.3 CUSTO DE TRANSPORTE 39
2.2.4 CUSTO DE APROVISIONAMENTO 39
2.2.5 CUSTO DE ARMAZENAGEM 40
2.2.6 CUSTO DE PROCESSAMENTO DE PEDIDOS E DE INFORMAÇÃO 41
2.3 OS TRADE-OFFS DE CUSTOS LOGÍSTICOS NA LITERATURA 42
2.4 ESTUDOS DE REFERÊNCIA SOBRE TRADE-OFFS DE CUSTOS LOGÍSTICOS 44
3 QUESTIONÁRIO E RESULTADOS 49
3.1 METODOLOGIA DE INVESTIGAÇÃO 49
3.2 QUESTÕES DO INQUÉRITO 50
3.3 ANÁLISE ESTATÍSTICA 52
4 CONCLUSÕES 93
5 BIBLIOGRAFIA E OUTRAS FONTES DE INFORMAÇÃO 101
6 ANEXOS 111
6.3 ANEXO 3 - QUESTIONÁRIO 115
25
INTRODUÇÃO
1.2 METODOLOGIA
1 INTRODUÇÃO
A tendência pode não ser universal, mas não há dúvida de que a maioria dos mercados
é hoje mais competitiva em termos de preço do que há uma década. Os preços
continuam a cair em muitos países (Christopher, 2016).
Embora, de acordo com o mesmo autor, parte desta deflação de preços possa ser
explicada como resultado da redução normal de custos através de efeitos de
aprendizagem e experiência, a queda rápida do preço de muitos produtos tem outras
causas. Primeiro, há novos concorrentes globais que entraram no mercado apoiados por
bases de produção de baixo custo. A ascensão da China como grande produtora de
produtos de consumo de qualidade é uma prova disso. Em segundo lugar, a remoção de
barreiras ao comércio e a desregulamentação de muitos mercados aceleraram essa
tendência, permitindo que novos participantes rapidamente ganhassem terreno. Um
resultado disso tem sido o excesso de capacidade em muitos setores.
Martin Christopher aponta ainda uma outra causa da deflação de preços: a Internet, que
torna a comparação de preços muito mais fácil. A Internet permitiu que leilões e trocas
fossem estabelecidos a todos os níveis na indústria, que, também, tenderam a reduzir
os preços. Além disso, há evidências de que clientes e consumidores são, atualmente,
mais conscientes do valor. Marcas e fornecedores, que já conseguiram obter um prémio
de preço por causa da sua suposta superioridade, não podem continuar a fazê-lo, pois o
mercado reconhece que ofertas igualmente atraentes estão disponíveis a preços
significativamente mais baixos.
Segundo o mesmo autor, devido à contínua pressão descendente sobre os preços, é
evidente que, para manter a lucratividade, as empresas precisam de encontrar uma
maneira de reduzir os custos para compensar a queda no preço. O desafio para o
negócio é encontrar novas oportunidades de redução de custos quando, muito
provavelmente, a empresa já passou por muitos programas anteriores de redução de
custos. Pode-se argumentar que a última oportunidade remanescente de alguma
importância para uma grande redução de custos reside mais na logística do que nas
próprias operações internas da empresa (Christopher, 2016).
Assim, sendo a logística uma área crucial na construção da cadeia de valor, tem de ser
analisada minuciosamente, já que possui implicações em toda ela. No entanto, não o
devemos fazer com leviandade pois podemos perder a noção de uma visão mais ampla,
que é a organização no seu todo. Devido a este objetivo final, a consecução da missão a
que a organização se propõe, não se deve fixar em metas parciais ou segmentadas,
como a diminuição de um custo isolado, pois em conjunto com a dinâmica institucional
pode levar a um aumento global de custos. Dentro desta temática aparecem os
trade-offs logísticos, onde a ênfase não é o custo isolado, mas o aumento da
rentabilidade da organização.
Trade-offs de Custos Logísticos Alexandra Martins>
1.1 ÂMBITO E OBJETIVO DA DISSERTAÇÃO
Apesar da importância comprovada do setor logístico, em 2009, o presidente do
conselho geral da Associação Portuguesa de Logística (APLOG) alertou que a noção da
organização logística como componente estratégica para o negócio era ainda muito
incipiente, embora já representasse a nível europeu 14 % do produto interno bruto (PIB)
e sublinhou, ainda, que “é uma função transversal às empresas e constitui um dos três
grandes processos de criação de valor numa empresa, sendo válida em todos os setores
de atividade, desde a macro à micrologística” onde “qualquer melhoria nos processos
logísticos pode originar poupanças relevantes” (Agência Lusa, 2009).
A modernização da logística em Portugal iniciou-se mais tarde do que no resto da
Europa, não existindo ainda a profundidade necessária quanto à interligação de
operadores, modos e canais de informação ao longo da cadeia de abastecimento e
distribuição, seja nacional ou internacional. O setor em Portugal é, desta forma, algo
deficitário tendo em consideração o crescimento da procura existente em serviços
logísticos comparando com outros países comunitários (ENEI, 2014).
Apesar de ser um agente crucial nas diferentes cadeias de valor – sem ela os bens não
se movimentam – o setor da logística é ainda uma área “invisível” e, por isso, relegada
para segundo plano, pois muitas empresas ainda defendem que o que não se pode
medir não se pode melhorar (GS1 Portugal, 2016). Segundo a APLOG, num estudo
desenvolvido pela Logística Moderna de 2013 (refletindo o posicionamento de 38
empresas presentes em Portugal, ligadas à indústria transformadora e ao comércio por
grosso e ao retalho, nomeadamente, do setor alimentar, automóvel e produtos
farmacêuticos), 59 % das empresas tem custos logísticos inferiores a 10 % face à receita
operacional líquida - destas 28 % possuem um departamento de logística e/ou cadeia
de abastecimento; 14 % das empresas possuem custos entre 30 e 40 %; acima dos 40 %,
encontram-se 4 % das empresas inquiridas, as quais não possuem nenhum dos dois
departamentos.
Pelo acima exposto, torna-se evidente que existe uma relação entre custos logísticos e
desempenho financeiro, pelo que se pode considerar ser uma área de estudo relevante
para o tecido empresarial português. Assim sendo, o objetivo desta dissertação passa
por analisar o conhecimento e a avaliação dos trade-offs de custos logísticos por parte
das empresas, bem como o seu impacto no seu desempenho financeiro.
1.2 METODOLOGIA
A metodologia utilizada, para a realização da dissertação, foi iniciada por uma revisão
da literatura na área, para perceção do trabalho já realizado, averiguação das
metodologias adequadas para a construção do conhecimento em logística e pesquisa de
ferramentas para aquisição e tratamento de dados estatísticos.
INTRODUÇÃO 29
Trade-offs de Custos Logísticos Alexandra Martins>
A informação constante na revisão bibliográfica deste trabalho foi consultada em
revistas, livros científicos e artigos publicados. Assim, a metodologia escolhida para a
recolha de dados foi o inquérito, pois consiste numa investigação metódica baseada em
questões e recolha de testemunhos, os quais são essenciais para averiguar o
conhecimento e a avaliação dos trade-offs de custos logísticos, já que não existem
técnicas de avaliação direta.
O inquérito, depois de validado por profissionais de reconhecido mérito na área, foi
enviado, por correio eletrónico, desde meados de junho até a meados de setembro do
ano de 2018, para 600 empresas de vários setores, sendo 100 delas do setor logístico e
as restantes as “500 Maiores e Melhores Empresas Portuguesas em 2016”, segundo a
revista Exame, na sua edição especial de 2017.
Obtiveram-se 58 respostas, cujo tratamento estatístico de dados foi realizado utilizando
a ferramenta SPSS, versão 22, da IBM. O tratamento estatístico realizado foi descritivo
e exploratório, tendo-se no exploratório feito a análise de fatores e de componentes
principais, teste de Mann-Whitney e de Kruskal-Wallis.
1.3 ORGANIZAÇÃO DA DISSERTAÇÃO
Esta dissertação está dividida em quatro capítulos. No capítulo atual é apresentado todo
o trabalho desenvolvido, no qual se insere o âmbito e objetivo da dissertação, a
metodologia proposta para a sua realização, por forma a alcançar o objetivo proposto,
e a respetiva organização.
O capítulo 2 sustenta a base deste estudo científico - a revisão bibliográfica. Assim,
apresenta-se a noção de trade-offs e respetivas implicações conceptuais; a noção de
custos logísticos e respetiva sistematização implícita; um mapeamento sistemático do
tema dos trade-offs na literatura atual indentada na base de dados da
sciencedirect.com; e uma breve apresentação dos estudos relevantes sobre trade-offs.
No capítulo 3 é desenvolvida a metodologia utilizada neste trabalho, onde é
desenvolvido o inquérito enviado às empresas portuguesas e o tratamento de dados das
respostas fornecidas pelas empresas colaborantes do questionário.
As conclusões relativas ao desenvolvimento deste trabalho, os constrangimentos
sentidos e as propostas para trabalho futuro constam no capítulo 4.
INTRODUÇÃO 30
31
REVISÃO BIBLIOGRÁFICA
2.1 TRADE-OFFS
2.2.2 CUSTO DE INVENTÁRIO
2.2.3 CUSTO DE TRANSPORTE
2.2.4 CUSTO DE APROVISIONAMENTO
2.2.5 CUSTO DE ARMAZENAGEM
2.3 OS TRADE-OFFS DE CUSTOS LOGÍSTICOS NA LITERATURA
2.4 ESTUDOS DE REFERÊNCIA SOBRE TRADE-OFFS DE CUSTOS LOGÍSTICOS
REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 33
2 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA
Para planear uma estrutura de logística eficiente é necessário estar ciente da interação
entre os diferentes custos de distribuição, especificamente sobre como eles variam com
respeito às diferentes alternativas do caso (número, tamanho, tipo, localização, entre
outros), o como interagem entre si, gerando um custo total (Rushton, Alan; Oxley, John;
Croucher, 2002), e qual o nível de serviço ao cliente resultante (pois este tem um efeito
direto no retorno obtido).
2.1 TRADE-OFFS
O conceito de trade-off em logística deve ser entendido como uma troca compensatória,
em que um aumento de uma ou várias variáveis logísticas é acompanhado pela
diminuição de uma ou mais variáveis, ou seja, os trade-offs ocorrem quando as
atividades são incompatíveis de modo que algo mais de uma coisa necessite menos de
outra (Chase & Jacobs, 2014). Assim, defendem os mesmos autores, a lógica subjacente
é que uma operação não se pode destacar simultaneamente em todas as duas
dimensões competitivas, e que uma estratégia não é sustentável a menos que haja
compromissos com outras posições. Estamos então perante um problema conflituante,
como se pode ver esquematizado na figura 1.
Figura 1 - Diagrama Lógico de um problema conflituante (Jackson, Stoltman, & Taylor, 1994)
Um exemplo do primeiro tipo de problema conflituante é a centralização da
armazenagem versus descentralização dos armazéns, pois a primeira aumenta os custos
de transporte e a segunda aumenta os custos de inventário (Agarwal, 2013). Do segundo
pode-se apontar o espaço ocupado num armazém por um sortido de produtos que
possui uma procura variável, pois ao ter-se um espaço limitado de armazenagem tem
REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 34
Trade-offs de Custos Logísticos Alexandra Martins
de se fazer escolhas sobre as diferentes quantidades a encomendar de cada produto, de
modo a incorrer-se no menor custo de rutura (Chen & Chen, 2005).
O entendimento do que é um trade-off implica a noção de custo total. Esta noção foi
conceptualizada pela primeira vez por Lewis, Culliton e Steele, em 1956, num esforço
de explicar as condições em que o transporte aéreo de alto custo poderia ser justificado
com a diminuição de outros custos (sharma, 1998). Simplisticamente, o custo total de
uma operação é a soma de todos os custos incorridos nessa operação. No entanto, esta
noção, aparentemente simples, torna-se complexa devido à dificuldade de listar todos
os custos envolvidos e, também, em muitos casos, à dificuldade em mensurá-los. Assim
existem várias teorias de como o fazer, tais como: a teoria da troca social, proposta por
Hofer em 2009; a economia do custo de transação proposta por Tate em 2011; a teoria
de rede, proposta por Autry e Griffis em 2008; a teoria da agência, proposta por
Rungtusanatham e Rabinovich em 2007, etc. (Waller & Fawcett, 2012).
A complexidade da determinação do custo total implica, então, o elenco de todos os
custos envolvidos, seja direta ou indiretamente, o que muitas vezes é dispendioso, quer
em termos dos recursos consumidos, quer em termos de tempo. Neste cenário, o
modelo deve ser construído a partir do conhecimento fornecido por especialistas
qualificados e pelos respetivos julgamentos de valor baseados no conhecimento
especializado (Blecic, Cecchini, & Trunfio, 2005). Os mesmos autores referem, ainda,
que para além dos problemas mencionados, as ações a encetar têm por base eventos
futuros, com um grau de complexidade elevado devido às múltiplas interações e
diferentes probabilidades envolvidas. Deste modo, torna-se necessário construir um
modelo, ou seja, uma abstração do mundo real, em termos de variáveis interativas. Estas
incluem, pelo menos, variáveis de decisão (ou seja, ações), que estão sob o controle do
tomador de decisão, bem como variáveis objetivas que resultam de fatores externos.
Assim, aquando da análise dos fatores onde se podem realizar trocas compensatórias,
isto é, realizar trade-offs, os quais vão afetar o custo total, há que ter em consideração
não só os fatores internos mas, também, os externos. Rushton e Oxley no seu livro The
Handbook of Logistics and Distribution Management identificaram quatro níveis de
trade-off (Rushton, Alan; Oxley, John; Croucher, 2002):
• Dentro dos componentes da distribuição: trade-offs que ocorrem dentro de cada
função. Um exemplo será a decisão de usar locais de armazenamento aleatórios
comparativamente a locais de armazenamento fixos no armazém. O primeiro
permite uma melhor utilização do espaço em armazém, mas dificulta o picking;
a segunda facilita o picking mas não permite uma maximização do espaço
disponível em armazém.
• Entre os componentes da distribuição: estes trade-offs são os que ocorrem entre
os diferentes elementos da distribuição. Uma empresa pode aumentar os seus
custos de embalagem, mas obter poupanças superiores através de melhorias na
armazenagem e manuseamento (por exemplo permitir a formação de pilhas em
vez de requerer a existência de racks).
REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 35
Trade-offs de Custos Logísticos Alexandra Martins
• Entre as funções da empresa: existem áreas que interagem entre elas. Um
exemplo de trade-off é entre a otimização da duração das séries de produção e
os custos de armazenamento associados. Séries longas de produção geram
custos de produção unitários mais baixos, mas implicam mais produto a ser
armazenado e por um maior período de tempo.
• Entre a companhia e as organizações externas: onde um trade-off pode ser
benéfico para duas companhias que estão associadas entre si. Por exemplo, se o
sortido de produtos a ser entregue puder ser feito no armazém do grossista,
pode permitir que seja entregue diretamente às lojas do retalhista através do
sistema de distribuição do retalhista, o pode levar a economias mútuas para as
duas empresas: o grossista diminui os custos de transporte e o retalhista diminui
os seus custos de manuseamento.
Além dos mencionados anteriormente por Rushton e Oxley, que têm como fronteira a
envolvente transacional, pode-se ainda considerar os trade-offs entre a empresa e a
envolvente contextual. Para tal, a empresa tem de efetuar uma análise PESTAL (política,
económica, social, tecnológica, ambiental e legal). Embora possa parecer um pouco
árido, temos, como exemplo de aplicação prática, a política de descentralização da
cadeia Pingo Doce que melhorou o seu trade-off devido às políticas de incentivo de
criação de empresas no interior, além da diminuição ou isenção de impostos, como por
exemplo o IMI (imposto municipal sobre imóveis), serem apenas parcialmente
compensados pelo aumento nos custos de transporte (Dias, 2009).
Um conceito de suma importância na temática dos trade-offs é o nível de serviço
prestado ao cliente. Usualmente é expresso em percentagem e exprime a utilidade
gerada em termos de tempo e lugar, entre fornecedor e cliente, aquando da
transferência de produtos e/ou serviços (Marchesini & Alcântara, 2012). As mesmas
autoras defendem que esta utilidade depende de entregar o produto certo, na
quantidade certa, dentro do tempo requerido, na qualidade acordada, para o cliente
certo, no local especificado e a um custo aceitável.
A importância do nível de serviço advém de este estar diretamente relacionado com a
geração de receitas (Ballou, 2004). Assim, o que realmente se pretende atingir com a
gestão da cadeia de abastecimento e respetivos trade-offs é a maximização do lucro, ou
seja, a maximização da diferença entre as receitas e o custo total como se demonstra na
figura 2.
O lucro máximo, assinalado a vermelho a cheio na figura 2, pode não coincidir com o
custo total mínimo. No caso apresentado por Ballou, em 1998 no seu livro Bussiness
Logistics Management: planning, organizing, and controlling the supply chain, podemos
observar o trade-off entre os custos de transporte e os custos de inventário, em função
do número de armazéns utilizados (efeito da centralização versus descentralização dos
centros de distribuição). No mesmo gráfico o autor demonstra as respetivas receitas
geradas em cada ponto, onde se pode constatar que o lucro máximo é conseguido com
um número de armazéns superior ao número de armazéns que deve ser utilizado para
se conseguir o custo total mínimo.
REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 36
Trade-offs de Custos Logísticos Alexandra Martins
Figura 2 – Lucro, receita e custos em função do número de armazéns utilizados – adaptado de Ballou, 1998
Em suma, pode-se concluir que na gestão de um sistema logístico há que ter em
consideração não só os trade-offs que conduzem ao custo total mínimo, mas, também,
o trade-off existente entre estes e o nível de serviço prestado ao cliente, pois este
influencia diretamente a receita gerada e, deste modo, influencia o lucro máximo que o
sistema pode atingir.
2.2 CUSTOS LOGÍSTICOS
Os custos logísticos variam de empresa para empresa, pois mesmo que as empresas se
dediquem à produção e/ou distribuição do mesmo produto, com um output análogo,
uma pode fazê-lo de uma forma automatizada (e ser por isso uma empresa de “capital
intensivo”) e outra pode recorrer a mais mão-de-obra (sendo por isso de “mão-de-obra
intensiva”) (Lin, Collins, & Su, 2001). A mesma fonte menciona que os principais recursos
consumidos em atividades logísticas dizem respeito a salários e respetivos encargos,
materiais consumíveis e serviços contratados, imobilização de capital, equipamentos e
instalações (podendo ser estes dois últimos pertencentes à própria empresa ou
subcontratados a terceiros).
Numa tentativa de sistematização, Lambert (Lambert, 1998) agrupou os custos
logísticos em seis categorias principais, todas interligadas e interdependentes,
desdobrando-as em catorze atividades logísticas, as quais considerou mais usuais,
esquematizando-se esta sistematização na figura 3.
2.2.1 CUSTO DO SERVIÇO AO CLIENTE
A primeira categoria concerne aos serviços prestados ao cliente e, como não poderia
deixar de ser, começa com o nível de serviço prestado ao cliente. Como foi dito na secção
anterior, este nível de serviço tem um efeito direto nas receitas e, portanto, poder-se-ia
pensar que não faz sentido considerá-lo como um custo. No entanto, para mantermos
um determinado serviço ao cliente temos de incorrer em custos. Note-se, porém, como
REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 37
Trade-offs de Custos Logísticos Alexandra Martins
também já foi referido na seção anterior, estas medições dos custos incorridos devem
levar em linha de conta não o custo total, mas sim a maximização do lucro.
Ainda nesta categoria são considerados os serviços de suporte. Saba et al, em 2015,
tentaram sistematizar, quer as prestações de serviços ao cliente, quer as respetivas
transações de bens. Na opinião destes autores, as prestações de serviços podem-se
subdividir em acolhimento, informação e serviços pós-venda, enquanto as transações
Custo do Serviço ao Cliente • Nível de serviço prestado ao
cliente
• Transporte de bens
• Embalagem
de trânsito de bens
armazenagem
• Comunicações logísticas
Figura 3 - Custos e atividades logísticas – adaptado de Lambert, 1998
REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 38
Trade-offs de Custos Logísticos Alexandra Martins
de bens dividem-se nas operações antes da transação, na transação em si e nas
atividades após a transação.
Na prestação de serviços o acolhimento versa, sobretudo, a interação e criação de uma
relação por parte do provedor, com tempestividade, segurança e confiança na relação
fornecedor-cliente, se possível recíproca (Quadros, 2011). Estabelecidas as primeiras
impressões, há que então prestar informações fidedignas e úteis para aquele cliente em
específico. À posteriori há que estar disponível para qualquer serviço pós-venda, pelo
menos para escutar o cliente e muitas vezes tentar compensá-lo de qualquer transtorno.
No que concerne às pré transações, estas podem ser políticas da empresa de apoio ao
cliente e respetivas estruturas (como, por exemplo, serviços de consultadoria sobre
legislação de segurança exigida pela comunidade europeia). As transações
compreendem o ciclo do pedido, que depende da disponibilidade em stock, da
flexibilidade do sistema em cumprir o prazo acordado, e pode compreender, também,
a faturação e o pagamento., bem como do sistema de informações sobre o estado dos
pedidos. O pós-transações abrange a disponibilidade de sobressalentes, a
rastreabilidade, as atividades de cumprimento de garantias e de recolha de bens
devolvidos, bem como o atendimento ao consumidor (Arbache, Santos, Montenegro, &
Sales, 2015).
2.2.2 CUSTO DE INVENTÁRIO
A segunda categoria diz respeito ao custo de inventário. O inventário tem impacto
financeiro, não só porque influencia o nível de serviço ao cliente através da sua
disponibilidade, mas, também, porque envolve uma imobilização de capital, que surge
como um custo através do custo de oportunidade. O inventário acarreta, também,
outros custos como, nomeadamente, o de obsolescência, roubo, seguros, espaço
ocupado em armazém e condições de conservação e sistemas de informação. Note-se
que o manuseio, desde o processo de entrada, armazenagem e processo de saída, foi
incluído na parte de aprovisionamento por opção dos autores da categorização seguida
(Lambert, Douglas M.; Stock, 1998).
Nesta categoria temos ainda a embalagem. Esta é, ao mesmo, tempo valiosa enquanto
ferramenta de marketing, enquanto forma de proteção e pode, ainda, trazer
funcionalidade para o armazenamento, de uma perspetiva logística.
Na perspetiva do marketing, a embalagem pode trazer associada uma imagem de marca,
que transmite segurança e status ao cliente, além de poder transmitir informação e
dever ser esteticamente agradável para poder atrair a atenção do consumidor.
Logisticamente, a embalagem fornece proteção durante o armazenamento e o
transporte. A embalagem pode facilitar o movimento e o armazenamento, pois sendo
adequadamente projetada pode conseguir-se uma maior adequação, quer à
configuração do armazém, quer ao equipamento de manuseio dessas embalagens,
REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 39
Trade-offs de Custos Logísticos Alexandra Martins
podendo, por exemplo, permitir a paletização de produtos de diversas formas, como,
por exemplo, a paletização de brinquedos (Esmaeilbeigi, Eshragh, Garcia-Flores, &
Heydar, 2017).
A logística inversa é cada vez mais importante, especialmente na Europa, onde as
políticas e legislações ambientais de redução e reciclagem são cada vez mais exigentes.
Assim, além de ter de lidar com clientes que apenas mudaram de ideias e devolveram o
produto, com o retorno de produtos defeituosos, tem, ainda, de lidar com a eliminação
e/ou reciclagem de produtos e embalagens que terminaram a sua vida útil, por forma a
cumprirem a regulamentação em vigor (Esmaeilbeigi et al., 2017).
2.2.3 CUSTO DE TRANSPORTE
O transporte é uma atividade logística chave que consiste na deslocalização de materiais
e mercadorias do ponto de origem ao ponto de consumo. O transporte envolve a seleção
do modo (hidroviário, ferroviário, rodoviário, aéreo e pipeline) e o roteamento
(garantindo a conformidade com os regulamentos dos países envolvidos). É,
frequentemente, o maior custo entre as atividades de logística (Lambert, Douglas M.;
Stock, 1998). Além dos custos intrínsecos ao operador (que dependem do modal
utilizado, do roteamento e da quantidade), acrescem muitos outros, que variam de caso
para caso, como os tributários, os de risco - como seguros, custos administrativos de
trânsito de bens – salários e encargos de trabalhadores adstritos a esta atividade,
desalfandegamento, ferramentas de procurement de transitários, etc.
2.2.4 CUSTO DE APROVISIONAMENTO
O custo de aprovisionamento nesta categoria exclui o custo de posse de inventário, pois
este foi incluído, segundo a categorização proposta por Lambert em 1998, na gestão de
inventário. Muitos autores, devido ao manuseamento se realizar quer para as entradas,
quer para as saídas, consideram-no na gestão de inventário como um custo de posse.
O manuseio de inventários abrange praticamente todos os aspetos de todos os
movimentos de matérias-primas, trabalhos em curso ou produtos acabados dentro de
um centro de distribuição, fábrica ou armazém. Assim devem-se adaptar os
equipamentos ao tipo de inventário a armazenar, minimizar as distâncias percorridas e
os estrangulamentos, já que estamos a incorrer em custos que não adicionam valor para
o cliente.
O custo de procurement num contexto de aprovisionamento inclui atividades como
seleção de fornecedores, negociação de preços, termos e quantidades e avaliação de
qualidade de fornecedores. Além destes, acrescem geralmente os custos de lançamento
da encomenda, os quais não dependem do lote a encomendar ou produzir, como o custo
REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 40
Trade-offs de Custos Logísticos Alexandra Martins
de processar a ordem de encomenda através do departamento de compras e de
contabilidade (Ballou, 2004).
2.2.5 CUSTO DE ARMAZENAGEM
Um armazém é um espaço físico onde se depositam bens com o propósito de: facilitar a
coordenação entre a produção e a procura do cliente, introduzindo os produtos em
espera por um determinado período de tempo; acumular e consolidar produtos de
vários produtores para distribuição de sortidos combinados; fornecer entregas no
mesmo dia na produção para clientes importantes e para lhe incorporar valor em
atividades de personalização de produtos de suporte, como embalagem, rotulagem,
acabamentos finais, etc. (Song & Cheung, 2013).
Nesta categoria incluem-se os custos dos armazéns e armazenagem, sendo que na
armazenagem não vão ser tidos em contas os custos de manuseamento, pois estes já
foram incluídos nos custos de gestão de inventários. Assim, as atividades de
armazenagem consideradas relacionam-se ao layout, design, propriedade, automação,
treinamento de funcionários e questões relacionadas.
O layout depende da combinação do comprimento, largura e altura de modo a
minimizar as distâncias percorridas, eliminar os congestionamentos e adequar os
equipamentos ao tipo de bens manuseados (Ballou, 2004). Quanto à propriedade estes
podem ser próprios ou arrendados. Existem poupanças, quer num caso, quer no outro,
pelo que a decisão terá de passar por averiguar qual traz menos custos. Ainda segundo
Ballou existem vantagens em deter um armazém próprio quando estiver ocupado a
maior parte de tempo, se as operações necessitarem de pessoal especializado, se puder
ser reconvertido, ou se existirem vantagens fiscais.
Existem duas categorias de sistemas de armazenagem, denominados sistemas de
armazenagem mecanizados (armazéns convencionais) e sistemas de armazenamento
automatizado (sistemas automatizados de armazenamento e recuperação).
Tradicionalmente, as instalações de armazém convencionais são menos dispendiosas e
fáceis de construir em comparação com instalações de armazém automatizadas. Hoje,
os sistemas convencionais de armazenagem são caracterizados por tecnologia de
veículo guiado automatizado (AGV) com empilhadoras automatizadas geridas e dirigidas
por um sistema de gestão de armazenagem (Song & Cheung, 2013).
Determinar a localização dos armazéns ou dos centros de distribuição da empresa é uma
decisão estratégica que afeta não apenas os custos de transporte de matérias-primas e
produtos acabados, mas, também, os níveis de serviço ao cliente e a velocidade de
resposta. Questões a serem consideradas incluem a localização de clientes,
fornecedores, serviços de transporte, disponibilidade e salários de funcionários
qualificados, cooperação governamental, e assim por diante (Lambert, Douglas M.;
Stock, 1998).
2.2.6 CUSTO DE PROCESSAMENTO DE PEDIDOS E DE INFORMAÇÃO
O processamento de pedidos envolve todos os sistemas e departamentos que uma
organização possui para obter os pedidos dos clientes, verificar o status dos pedidos
e comunicar aos clientes sobre o processamento de pedidos e, de facto, satisfazendo
o pedido e tornando-o disponível para o cliente. Parte do processamento do pedido
inclui a verificação do status do inventário, crédito do cliente, faturação e contas a
receber e a pagar. Assim, o processamento de pedidos é uma área ampla, altamente
automatizada. Como o ciclo de processamento de pedidos é uma área chave da
interface do cliente com a organização, pode ter um grande impacto na perceção da
qualidade do serviço ao cliente e, portanto, na sua satisfação. Cada vez mais, as
organizações estão, hoje, a transformar-se, utilizando métodos avançados de
processamento de pedidos, como o intercâmbio eletrónico de dados e a transferência
eletrónica de fundos para acelerar o processo e melhorar a precisão e a eficiência
(Lambert, Douglas M.; Stock, 1998).
Previsão é, por definição, uma sequência de etapas realizadas, sejam implícitas ou
não, para prognosticar um valor futuro. Existem muitos tipos de previsões da procura.
O marketing prevê a procura dos clientes com base em promoções, preços,
concorrência e assim por diante. A fabricação prevê os requisitos de produção com
base nas previsões da procura de vendas do mercado e nos níveis atuais de inventário.
A logística geralmente envolve-se na previsão em termos de quanto deve ser trazido
dos seus fornecedores (através da compra) e quanto do produto final deve ser
transportado, ou mantido, em cada mercado que a organização atende. Em algumas
organizações a logística pode mesmo planear a produção. Assim, a logística precisa
estar ligada à previsão e planeamento do marketing e da produção. Um sistema de
previsão da procura possui, usualmente, quatro etapas operacionais e que incluem a
definição do problema, ou seja, qual a variável a ser prevista, a obtenção padrão da
procura (histórico da procura) e os dados contextuais, a escolha do método de previsão,
a implementação do método selecionado e a monitorização das previsões. O
crescimento ou o declínio das taxas da procura, a sazonalidade e as flutuações gerais
causadas por diversos fatores resultam nos padrões da procura. Essa pode ser irregular
e por isso mais difícil de prever (Nogueira & Nascimento, 2017).
A previsão é uma questão complexa, com muitas interações entre as diversas
atividades e as variáveis de previsão e, por isso, com um complexo apurar de custos,
pois estão muitas pessoas envolvidas e, na maioria das vezes, a acumular com outras
funções, o que dificulta a destrinça dos custos a imputar a cada tarefa.
As comunicações proporcionam um papel de apoio às atividades humanas para
melhorar a eficiência e eficácia organizacional (ou pessoal). Portanto, as
comunicações ajudam a executar atividades de forma mais rápida, apoiam processos
de tomada de decisão autónomos e possibilitam operações distributivas para alcançar
uma maior eficiência logística (Pokharel, 2005).
REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 42
Trade-offs de Custos Logísticos Alexandra Martins
A comunicação deve ocorrer entre: a organização e os seus fornecedores e clientes;
as principais funções dentro da organização, como a logística, o planeamento, a
contabilidade, o marketing e a produção; e os vários membros da cadeia de
fornecimento, tais como intermediários e clientes secundários ou fornecedores que
podem não estar diretamente vinculados à empresa (Lambert, Douglas M.; Stock,
1998).
A comunicação é fundamental para o funcionamento eficiente de qualquer sistema,
podendo mesmo ser uma fonte chave de vantagem competitiva. No entanto, tal como
a previsão, envolve muitas pessoas e muitas atividades, sendo extremamente difícil
apurar com exatidão quais os custos a imputar a cada produto e quanto imputar, pois,
por exemplo, uma encomenda a um fornecedor pode envolver muitos bens e põe-se
a questão de quanto imputar a cada um, por quantidade, por preço de custo, por
preço de venda, por utilidade…. Acresce, ainda, que muitas vezes não existe nenhum
critério que seja mais válido que outro.
2.3 OS TRADE-OFFS DE CUSTOS LOGÍSTICOS NA LITERATURA
Com o intuito de averiguar se o tema dos trade-offs de custos logísticos despoleta o
interesse de investigadores e estudiosos foi realizado um mapeamento sistemático.
A metodologia utilizada foi a proposta por Peterson et al, em 2008 (Petersen, Feldt,
Mujtaba, & Mattsson, 2008) e está esquematizada na figura abaixo.
Figura 4 - Método de condução de um estudo de mapeamento sistemático (Silva, 2009)
Seguindo este método a questão colocada foi: “Será que existem muitos textos
científicos publicados, sejam artigos ou livros, sobre trade-offs de custos logísticos?”
Os textos científicos que foram alvo desta pesquisa foram livros, artigos de revisão e
artigos de pesquisa indentados na base de dados da sciencedirect.com.
As línguas de pesquisa foram o português e o inglês, pois os artigos visados eram aqueles
que estavam escritos nestas duas línguas.
A pesquisa foi boleana utilizando o operador lógico “AND” ou “E” e as palavras chave
utilizadas foram “trade-off” com “logistic” e “trade-off” com “logística”.
REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 43
Trade-offs de Custos Logísticos Alexandra Martins
Os critérios de seleção para a inclusão nos artigos relevantes foram: 1. Os artigos escritos em português e em inglês; 2. Os artigos com as palavras-chave da expressão de pesquisa no resumo, nas
palavras-chave ou no título; 3. Os artigos publicados nos últimos 10 anos (2008-2017).
Os critérios de seleção para a exclusão nos artigos relevantes foram: 1. Artigos que não descrevam pesquisas nos seus resumos referentes aos trade-offs
existentes entre custos logísticos; 2. Artigos repetidos ou com conteúdos similares, optando-se pelo estudo mais
recente.
Os resultados obtidos através da pesquisa pelas palavras chave na base de dados
referida foram 104: 1 capítulo de livro, 1 artigo de revisão e 102 artigos de pesquisa, em
85 publicações diferentes (ver anexo 1).
Posteriormente foram lidos os resumos de cada um dos resultados obtidos. Assim, dos
104, apenas 30 foram considerados ser referentes aos trade-offs existentes entre custos
logísticos. Note-se que estes 30 apenas são artigos de pesquisa, em 23 publicações
diferentes (ver anexo 2).
Publicações encontradas apenas
trade-offs existentes entre custos
2017 14 6
2016 22 4
2015 17 4
2014 6 1
2013 13 4
2012 8 2
2011 3 2
2010 6 2
2009 9 1
2008 6 4
Total 104 30
Através da observação da tabela anterior pode-se constatar que esta temática tem tido
um aumento de publicações nos últimos anos, apesar de em 2008 termos 4 publicações.
No entanto se considerarmos que a pesquisa inicial cobria 85 publicações diferentes, tal
ainda despoleta um interesse incipiente no universo de investigadores e estudiosos.
REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 44
2.4 ESTUDOS DE REFERÊNCIA SOBRE TRADE-OFFS DE CUSTOS LOGÍSTICOS
Apesar de ser um tema de especial relevância, pois como nos diz Christopher a logística
é última oportunidade remanescente de alguma importância para uma grande redução
de custos (Christopher, 2016), ainda existem poucos estudos que relcionem os
trade-offs entre as variáveis logísticas (Amaral, 2012). Considerou-se, por isso, relevante
fazer uma súmula histórica sobre os estudos de referência que conduziram à noção de
trade-offs e sobre aqueles que se preocuparam com analisar o seu conhecimento no
terreno, bem como são aplicados e avaliados. Um resumo destes estudos pode ser
observado na tabela 2.
O estudo elaborado Lewis e Culliton (1956) e Steele (1956) pretende relacionar o custo
de transporte (no caso a mudança para um meio de transporte aéreo) com os custos de
outras atividades logísticas, como a manutenção de inventários, a armazenagem e a
embalagem. Estes autores apresentam várias razões para se dever optar pelo transporte
aéreo, mas chegam à conclusão que as razões que devem levar a esta opção não podem
ter apenas em conta as variáveis intrínsecas do transporte aéreo - a escolha tem de ter
em linha de conta todas as variáveis afetadas pela mudança. Aparece, assim, o conceito
de custo total, trazendo subjacente o conceito de trade-off (embora este termo nunca
seja referido), pois os autores referem que se deve optar pelo transporte aéreo quando
este acréscimo de custo trouxer um benefício extra (Lewis & Culliton, 1956; Steele,
1956).
Assimilado o conceito de custo total instava conseguir tirar partido dele, melhorando o
desempenho financeiro. Assim, Le Kashman e Stolle, em 1965, propuseram uma
metodologia para a análise do custo total: identificar as atividades em que os custos
variam devido a decisões do foro logístico; valoração da variação no lucro que cada
decisão logística trará; e tomada de decisão. No entanto, tanto a identificação como a
valoração são complexas, consumindo muito tempo e recursos, como já foi exposto
anteriormente. Daí que o resultado obtido fique aquém do esperado (Le Kashman &
Stolle, 1965).
Em 1970, Baumol e Vinod, propuseram um modelo matemático que incluía o conceito
de trade-offs, por forma a minimizar os custos incorridos em função do tamanho do lote
e tipo de transporte utilizado. Saliente-se que a maioria dos modelos, ao ignorar o tipo
de transporte utilizado, não considera o trade-off existente nos diversos transportes, ou
seja, as vantagens e desvantagens económico-financeiras trazidas pela utilização de uns
e de outros (Baumol & Vinod, 1970).
Em 1976, Perreault Jr. E Russ, adicionaram a noção de serviço ao cliente à análise do
desempenho logístico, provando o seu ponto de vista através de casos reais realizados
com a colaboração de profissionais da área comercial. Deste modo, concluíram que um
nível de serviço prestado abaixo do desejado pelo cliente pode levar à perda de vendas,
enquanto um nível de serviço mais elevado pode reter o cliente e fidelizá-lo, ou, até,
permitir cobrar um valor mais alto pelo serviço prestado (Perreault Jr. & Russ, 1976).
REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 45
Trade-offs de Custos Logísticos Alexandra Martins
Numa sequência de estudos, começando em 1979, Lambert defende que a logística
integrada pode trazer melhorias ao desempenho económico e financeiro das empresas,
ainda mais se incorporar o conceito de trade-off. Assim, concluíram que ter em
consideração o custo total (conjuntamente com a análise dos trade-offs) leva a
economias de custo e/ou aumento de proveitos (financeiros e/ou económicos) (Lambert
& Armitage, 1979b; Lambert & Armitage, 1980; Lambert & Quinn, 1981).
Em 1991, Miller, analisando a escolha entre o modal aéreo e o marítimo, criou uma
metologia, aplicada a um caso teórico, onde demonstrou a importância da análise dos
trade-offs no desempenho económico-financeiro. Os resultados finais espelham o
impacto nos lucros de cada uma das escolhas, produzindo diferentes custos totais que
não podem ser explicados apenas pela análise do custo de transporte (Miller, 1991).
Tabela 2 - Quadro resumo de estudos de referência sobre trade-offs de custos logísticos (adaptado de Amaral 2012)
Estudo Originalidade/Contribuição
Traz o conceito de custo total
Le Kashman e Stolle (1965) Apresenta uma metodologia de análise do custo total
Baumol e Vinod (1970) Propõe um modelo baseado nos trade-offs de custos
Perreault Jr. e Russ (1976) Propõem que o nível de serviço ao cliente seja
incorporado nos modelos de análise dos trade-offs de
custos
melhorias ao desempenho económico e financeiro
das empresas, e necessariamente, integra os trade-
offs de toda a cadeia logística
Miller (1991) Propõe uma metodologia, baseada em análise de
trade-offs, com vista a avaliar os impactos
económicos e financeiros
Fellous (2009) Realiza uma pesquisa para constatar em que extensão
são aplicados os conceitos logísticos nas empresas
brasileiras, nomeadamente, os trade-offs logísticos
Amaral (2012) Realiza uma pesquisa onde relaciona conhecimento
de trade-offs e a sua implementação, avaliando o
impacto financeiro, nas empresas brasileiras
REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 46
Trade-offs de Custos Logísticos Alexandra Martins
Fellous, em 2009 realiza uma pesquisa, baseando-se num inquérito onde tem “por
objetivo verificar em que extensão são aplicados, em empresas brasileiras, conceitos
tratados na literatura sobre logística integrada e gestão da cadeia de abastecimento, e
se são utilizados instrumentos específicos de avaliação económico-financeira e de
custos no ambiente da logística e da gestão da cadeia de abastecimento”,
nomeadamente os trade-offs de custos logísticos. Fellous conclui que “o conceito de
logística integrada está razoavelmente assimilado pelos profissionais, embora não tenha
sido verificada utilização extensiva de instrumentos de análise de custo total”, pois “há
carência quanto à utilização de ferramentas específicas de análise e gestão de custos
dos processos logísticos” (Fellous, 2009).
Amaral, em 2012, efetua um estudo, identificando previamente os trade-offs de custos
logísticos existentes entre as atividades mais comuns, no qual verifica se os profissionais
logísticos “têm conhecimento dos trade-offs de custos logísticos e avaliam os trade-offs
de custos logísticos, ao desenharem e implementarem a suas soluções”. Esta autora
conclui que “os profissionais logísticos sabem que os trade-offs de custos existem, mas
não têm clara a perceção que o custo total é determinado por esses trade-offs e que a
redução individual dos custos pode aumentá-lo e não diminuí-lo” (Amaral, 2012).
Neste contexto, e devido à importância dos custos logísticos na atualidade e
especialmente para Portugal, sendo um país periférico da União Europeia, existe a
necessidade de averiguar a assimilação do conceito de trade-off logístico nas empresas
portuguesas.
47
DESENVOLVIMENTO
DESENVOLVIMENTO 49
3 QUESTIONÁRIO E RESULTADOS
Existem dois posicionamentos epistemológicos no que concerne à realização de
pesquisa científica: o Positivismo e o Interpretacionismo (Oliveira, 2015).
O Positivismo trabalha com os métodos quantitativos, adotando uma orientação que
aceita o comportamento humano como sendo resultado de forças, fatores, estruturas
internas e externas que atuam sobre as pessoas, gerando determinados resultados. De
acordo com os positivistas, essas forças ou fatores podem ser estudados não somente
pelo método experimental, mas também por levantamentos amostrais ou outras
práticas de contagem. Para esses estudiosos, a operacionalização e quantificação dessas
variáveis são extremamente profícuas, provendo a oportunidade para procedimentos
estatísticos (Oliveira, 2015).
Segundo o mesmo autor, o outro posicionamento metodológico, o Interpretacionismo,
defende o estudo do homem levando em conta que o ser humano não é passivo, mas
que interpreta e interrelaciona-se com o mundo em que vive continuamente. Esse ponto
de vista encaminha os estudos por métodos qualitativos pois afirmam que o homem é
diferente dos objetos, e por isso, o seu estudo necessita de uma metodologia que
considere essas diferenças. Nesse posicionamento teórico, a vida humana é vista como
uma atividade interativa e interpretativa, realizada pelo contato das pessoas. Os
procedimentos metodológicos, então, são do tipo etnográfico como, por exemplo:
observação participante, entrevista, história de vida, dentre outros.
3.1 METODOLOGIA DE INVESTIGAÇÃO
Na elaboração desta dissertação foi adotada uma estratégia de vertente positivista pois
considerou-se que a análise estatística seria uma mais valia na perceção dos trade-offs
pelo tecido empresarial português, já que, como pode ser observado no próprio
inquérito, a maioria do público alvo logístico tem formação em ciências, não fosse a
logística, ela própria, uma ciência aplicada. Também, segundo Selltiz et al. (2005) o
inquérito é uma técnica adequada para obter informações sobre o que as pessoas
sabem, acreditam, esperam, sentem ou desejam, pretendem fazer ou fizeram (Selltiz et
al., 2005). Para tal, foi efetuada uma revisão de literatura (baseada em estudos de custos
logísticos, trade-offs de custos logísticos e no desempenho económico-financeiro), para
criar uma sólida base teórica conceptual.
Posteriormente, realizou-se um inquérito dirigido aos profissionais logísticos
portugueses que exerçam funções em empresas na área da logística ou da cadeia de
abastecimento, ou nas “500 Maiores e Melhores Empresas Portuguesas em 2016”,
segundo a revista Exame, na sua edição especial de 2017. A validação do instrumento
de pesquisa foi realizada em maio de 2018, por um profissional experiente na área de
logística (que ocupa o cargo de gerente de exportação numa empresa portuguesa) e por
dois Professores Doutores do Instituto Superior de Engenharia do Porto com experiência
em logística.
DESENVOLVIMENTO 50
Trade-offs de Custos Logísticos Alexandra Martins
Assim, desde a segunda quinzena de junho até à primeira quinzena de setembro de
2018, foi enviado o inquérito, por correio eletrónico, a 600 empresas portuguesas nas
condições atrás descritas, sendo obtidas 58 respostas. As respostas foram tratadas
estatisticamente através de uma análise descritiva e exploratória por inferência
estatística utilizando o software SPSS, versão 22, da IBM. A análise descritiva teve como
objetivo caraterizar as empresas da amostra e avaliar a tendência das respostas no que
concerne ao conhecimento e avaliação dos possíveis trade-offs de custos logísticos e
respetiva análise e avaliação. A análise exploratória versou, principalmente, verificar se
havia relação entre: a experiência; a preparação académica; a autonomia no grau de
tomada de decisão (constatado através do posicionamento hierárquico); a dimensão; a
centralização (avaliada pela empresa possuir uma específica de gestão logística); e a
prática de outsourcing versus o conhecimento das empesas acerca dos trade-offs de
custos logísticos, bem como, a análise e avaliação feita pelas empresas dos possíveis
trade-offs de custos logísticos
A fiabilidade geral, ou seja, a consistência interna do inquérito, das perguntas com escala
de Likert (bloco 4 e 5 com a exceção da pergunta 27), foi encontrada através do
coeficiente alfa de Cronbach. O valor obtido foi de 0,894, o que é considerado bom (ver
tabela 3) e sugere que as "medidas estavam livres de erro aleatório e, portanto, os
coeficientes de confiabilidade estimam a quantidade de variância sistemática" (Churchill
& Iacobucci, 2006).
Tabela 3 – Leituras para o valor de Alfa de Cronbach variando de 0 a 1 – adaptado de Marôco, 2011
Valor Leitura da Consistência
Inferior a 0,6 Inadmissível
3.2 QUESTÕES DO INQUÉRITO
O inquérito foi elaborado, com as necessárias adaptações ditadas pelo contexto e pela
revisão de literatura, tendo como base o de Amaral, realizado no Brasil (Amaral, 2012;
Ventura Amaral & Guerreiro, 2014).
Este é composto por 27 perguntas, divididas em 5 grandes blocos, cada um com um
conjunto de perguntas. O primeiro bloco diz respeito ao conhecimento do profissional
logístico respondente e à empresa onde exerce a sua atividade; o segundo concerne a
estrutura da área logística; o terceiro indaga as áreas logísticas em regime de
outsourcing; o quarto bloco indaga o conhecimento dos profissionais sobre trade-offs
de custos logísticos; o quinto e último inquere sobre a análise e avaliação dos trade-offs
DESENVOLVIMENTO 51
Trade-offs de Custos Logísticos Alexandra Martins
existentes. Estes dois últimos blocos (com a exceção da questão 27) utilizam uma escala
de Likert. O questionário encontra-se no anexo 6.3.
Seguidamente enuncia-se a razão pela qual as questões foram efetuadas e os autores
que originaram a sua formulação (o inquérito pode ser consultado no anexo 6.3):
A pergunta 1 é sobre o CAE principal da empresa, a 2 averigua qual o ramo no caso de
ser uma empresa alimentar, a pergunta 7 respeita à dimensão da empresa em número
de trabalhadores e a 11 é sobre quais destes estão afetos à área da gestão logística e/ou
cadeia de abastecimento. Estas perguntas foram formuladas de modo a caraterizar a
empresa onde o profissional logístico exerce a sua atividade (Souza, 2011).
A questão 3 averigua o tempo de experiência em logística do profissional, a questão 4 o
grau de formação académica e a questão 5 qual o curso de formação, por forma a
percecionar o domínio potencial acerca de trade-offs de custos logísticos (Myers,
Griffith, Daugherty, & Lusch, 2004; Slone, Mentzer, & Dittmann, 2007) .
A pergunta 6 questiona qual o cargo ocupado na empresa pelo profissional e a pergunta
10 averigua qual o maior posicionamento hierárquico responsável pela gestão logística
e/ou cadeia de abastecimento, de modo a identificar a posição hierárquica do
profissional respondente e o grau de responsabilidade na tomada de decisão logística
(Guerreiro, Bio, & Mendel, 2011).
A questão 8 tenta avaliar a representatividade da empresa no tecido empresarial
português indagando do volume de negócios anual (Guerreiro et al., 2011).
A pergunta 9 averigua se a empresa possui uma área específica responsável pela gestão
logística e/ou cadeia de abastecimento por forma a identificar o nível de formalização
da área de logística da empresa onde o profissional atua (Chow, Heaver, & Henriksson,
1995).
A questão 12 pede para selecionar, dentre um conjunto, quais as que a empresa
desenvolve no âmbito da gestão logística de modo a caracterizar o âmbito e a extensão
da área de logística da organização (Londe & Zinszer, 1976; Chow et al., 1995; Ballou,
2004; Guerreiro et al., 2011).
A pergunta 13 indaga se existe outsourcing logístico, ou seja, as atividades logísticas que
não são de responsabilidade da própria empresa, enquanto a 14 pede para dizer quais.
A pergunta 13 e 14 permitem identificar o nível de centralização das atividades logísticas
da empresa (Lieb & Randall, 1996; Quélin & Duhamel, 2003).
O bloco 4 (questão 15 à 20) versa sobre o planeamento de custos na gestão logística, e
respetiva repercussão na criação de valor para a empresa, através da perceção do
conhecimento dos profissionais logísticos acerca das trocas compensatórias, entre os
custos das atividades logísticas, e o do seu impacto no desempenho económico
financeiro da organização (Lambert & Armitage, 1979; Christopher & Ryals, 1999;
Walters, 1999; Shi & Yu, 2013).
DESENVOLVIMENTO 52
Trade-offs de Custos Logísticos Alexandra Martins
O bloco 5 (questão 21 à 27) visa perceber se existe, por parte da empresa, análise,
simulação e otimização de trade-offs de custos logísticos, através da forma como são
avaliados, bem como de que forma isso é feito na organização. Este bloco, na sua
pergunta 27, tem com objetivo identificar quais os trade-offs considerados relevantes,
ou seja, os que são analisados com maior frequência e apresentam maior impacto no
desempenho económico-financeiro (Christopher, 1987)(Russell & Cooper, 1992)(Faria,
Robles, & Bio, 2004).
3.3 ANÁLISE ESTATÍSTICA
Para dar resposta ao objetivo desta dissertação, analisar o conhecimento dos
profissionais logísticos acerca dos trade-offs logísticos e o impacto no desempenho
económico financeiro da organização, bem como, quais os trade-offs de custos logísticos
que são analisados e avaliados, foram definidas as seguintes hipóteses:
H1: Há diferença da perceção dos trade-offs de custos logísticos devida à experiência
dos profissionais em logística.
H2: Há diferença da perceção dos trade-offs de custos logísticos devida à preparação
académica, quer seja quanto ao grau de formação, quer seja quanto ao curso de
formação de base.
H3: Há diferença da perceção dos trade-offs de custos logísticos devida ao
posicionamento hierárquico ocupado pelo mais alto responsável logístico.
H4: Há diferença da perceção dos trade-offs de custos logísticos causada pela dimensão
da empresa, quer seja em termos de número de trabalhadores, quer seja em termos de
volume de negócios.
H5: Há diferença da perceção dos trade-offs de custos logísticos devida à empresa
possuir uma área dedicada à gestão dos processos logísticos.
H6: Há diferença da perceção dos trade-offs de custos logísticos causada pela dimensão
da área logística da empresa, isto é, o número de colaboradores afetos à logística afeta
a perceção dos trade-offs.
H7: Há diferença da perceção dos trade-offs de custos logísticos quanto à prática de
outsourcing no que versa à logística.
A análise estatística realizada foi de âmbito descritivo e exploratório, utilizando esta
inferência estatística, tendo sido os dados tratados no SPSS, versão 22, da IBM.
Na análise descritiva foram observadas as modas e calculada a dispersão dos dados
através da amplitude interquartil. Na análise exploratória foi feita a análise de fatores
utilizando componentes principais, além de testes de Mann-Whitney e Kruskal-Wallis.
DESENVOLVIMENTO 53
3.3.1 ANÁLISE DESCRITIVA DE RESULTADOS
Com o objetivo de caraterizar as empresas da amostra e avaliar a tendência das
respostas no que concerne ao conhecimento e avaliação dos possíveis trade-offs de
custos logísticos e respetiva análise e avaliação, fez-se um tratamento estatístico
descritivo. Nas questões que dizem respeito à caracterização das empresas foram
analisadas as frequências absolutas e/ou relativas. Para uma melhor visualização das
variáveis, os resultados são apresentados graficamente (Marôco, 2011).
Na questão que concerne ao desenvolvimento de atividades logísticas pelas empresas
foi realizado um estudo comparativo com estudos anteriores. Nas questões com escala
Likert foi analisada a moda e a dispersão, esta última com recurso à amplitude
interquartil. Quando se obteve uma dispersão superior a três quintos (3/5)