Trajetória Olhares

  • View
    220

  • Download
    1

Embed Size (px)

Text of Trajetória Olhares

  • trajetrias criativasJOVENS DE 15 A 17 ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL

    Uma proposta metodolgica que promoveautoria, criao, protagonismo e autonomia.

    CADERNO 4 TRAJETRIAOLHARES

  • Centro de Informao e Biblioteca em Educao (CIBEC)

    T766

    Trajetrias criativas : jovens de 15 a 17 anos no ensino fundamental : uma proposta metodolgica que promove autoria, criao, protagonismo e autonomia : caderno 4 : trajetria olhares / [organizadores, Italo Modesto Dutra ... et al.]. -- Braslia : Ministerio da Educao, 2014.

    17 p.: il. ISBN 978-85-7783-174-6 1. Aprendizagem. 2. Individualidade. 3. Atividades

    socioculturais. I. Dutra, Italo Modesto.

    CDU 373.3

    Presidncia da RepblicaMinistrio da Educao / Secretaria de Educao BsicaDiretoria de Currculos e Educao Integral

    OrganizadoresItalo Modesto Dutra; Mnica Baptista Pereira Estrzulas; Roslia Procasko Lacerda; Rosane Nunes Garcia; e Simone Rocha da Conceio.

    AutoresBonatto, Mnica Torres; Conceio, Simone Rocha; Dutra, Italo Modesto; Estrzulas, Mnica Baptista Pereira; Goulart, Lgia Beatriz; Farias, Stela Maris Vaucher; Ferreira, Ivana Ktia de Souza; Figueir, Mirian Raquel Buiz Mion; Fuchs, Ana Carolina Mller; Garcia, Rosane Nunes; Lacerda, Roslia Procasko; Mattos, Eduardo Britto Velho; Mizusaki, Lucas Eishi Pimentel; Pereira, Tatiana Cibele Mendona; Souza, Henry Daniel Lorencena; Taufer, Adauto Locateli; Terra, Lcia Couto; Zalla, Jocelito.

    Participantes do Trajetrias CriativasEquipe [email protected] (2011-2012): Dutra, Italo Modesto (coordenador); Bonatto, Mnica Torres; Conceio, Simone Rocha; Estrzulas, Mnica Baptista Pereira; Goulart, Lgia Beatriz; Farias, Stela Maris Vaucher; Ferreira, Ivana Ktia de Souza; Figueir, Mirian Raquel Buiz Mion; Fuchs, Ana Carolina Mller; Garcia, Rosane Nunes; Lacerda, Roslia Procasko; Mattos, Eduardo Britto Velho; Mizusaki, Lucas Eishi Pimentel; Pereira, Tatiana Cibele Mendona; Souza, Henry Daniel Lorencena; Taufer, Adauto Locateli; Terra, Lcia Couto; Zalla, Jocelito. Equipe [email protected] (2013-2014): Estrzulas, Mnica Baptista Pereira (coordenadora); Conceio, Simone Rocha; Dutra, Italo Modesto; Goulart, Lgia Beatriz; Hermes, Mara; Farias, Stela Maris Vaucher; Ferreira, Ivana Ktia de Souza; Figueir, Mirian Raquel Buiz Mion; Fuchs, Ana Carolina Mller; Garcia, Rosane Nunes; Lacerda, Roslia Procasko; Mattos, Eduardo Britto Velho; Mizusaki, Lucas Eishi Pimentel; Pedroso, Helena; Saenger, Liane; Souza, Henry Daniel Lorencena; Westermann, Lige Deolinda.Escolas: EEEF Brigadeiro Antnio Sampaio (Alvorada); EEEM Campos Verdes (Alvorada); EEEB Prof. Gentil Viegas Cardoso (Alvorada); EEEF Pres. Joo Belchior Marques Goulart (Alvorada); EEEF Jlio Brunelli (Porto Alegre); EEEM Maurcio Sirotsky Sobrinho (Alvorada); EEEF Anto de Faria (Porto Alegre); EEEF Eva Carminatti (Porto Alegre); EEEF Nossa Senhora da Conceio (Porto Alegre); EEEM Prof. Oscar Pereira (Porto Alegre); EEEM Rafaela Remio (Porto Alegre); EEEF Santa Rita de Cssia (Porto Alegre).SEDUCRS: Naia La-Bella

    Projeto grco e DiagramaoSimone Rocha da Conceio

    RevisoSueli Teixeira Mello

  • CADERNO 4 TRAJETRIAOLHARES

    trajetrias criativasJOVENS DE 15 A 17 ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL

    MINISTRIO DA EDUCAOSecretaria de Educao Bsica

    Diretoria de Currculos e Educao Integral

    AUTORIAUniversidade Federal do Rio Grande do Sul

    Laboratrio de Estudos em Educao a Distncia - [email protected]

    Braslia, 2014Ministrio da Educao

    Uma proposta metodolgica que promoveautoria, criao, protagonismo e autonomia.

    1 EDIO

  • Caro professor,

    A TRAJETRIA OLHARES prope a criao de um espao de troca, no

    qual a * a base para os compreenso de diferentes pontos de vista

    processos de aprendizagem.

    Fatos, espaos, objetos, pessoas so descritos, entendidos e

    explicados a partir de diferentes olhares e perspectivas, envolvendo

    um conjunto de relaes que perpassam, principalmente, as

    experincias e as vivncias de cada indivduo.

    Com a globalizao, as distncias se encurtaram, transformando as

    relaes de espao e de tempo. Isso fortemente transversalizado

    pela tecnologia. Os olhares para os diferentes objetos que compem o

    mundo podem depender dos instrumentos usados, das diferentes

    perspectivas ou das referncias pessoais.

    Nesta Trajetria, as propostas de atividades possibilitam o exerccio de

    colocar-se no lugar do outro e levar em conta novos elementos na

    abordagem de uma mesma questo, os quais dependem da

    perspectiva de cada olhar.

    Antes mundo era pequenoPorque Terra era grandeHoje mundo muito grandePorque Terra pequenaDo tamanho da antenaParabolicamar volta do mundo, camar, , mundo d volta, camarAntes longe era distantePerto s quando davaQuando muito ali defronteE o horizonte acabava(...)

    trecho da msica Parabolicamar de Gilberto Gil

    * Ponto de vista o ngulo do qual algo ou algum observado ou considerado; perspectiva (dicionrio eletrnico Houaiss da lngua portuguesa).

    Ponto de vista a maneira de considerar ou de entender um assunto ou uma questo (FERREIRA, Aurlio Buarque de Holanda. Mini Aurlio: o dicionrio da lngua portuguesa. 8 ed. Curitiba: Positivo, 2010. p.598).

    trajetrias criativas | 5

    OOOhhhAAArrreeesssLLLTrajetria

  • 6 | trajetrias criativas

    Preparo: sensibilizao

    Estratgia: texto sobre o astronauta russo Yuri Alekseievitch Gagarin

    Prtica: leitura do texto

    Objetivos: ressaltar a coexistncia de diferentes pontos de vista

    ATIVIDADEDESENCADEADORA

    INICIAOCIENTFICA

    AOINTEGRADORA

    ATIVIDADEDISCIPLINAR

    ATIVIDADEINTERDISCIPLINAR

    SEU PONTO DE VISTA PODE MUDAR O MUNDO

    OLHAR DE PERTO OU OLHAR DE LONGE

    GOLPE DE VISTA

    VER COM AS MOS

    MEU OLHAR X TEU OLHARobservao, ponto de vista, vivncias, experincias, espaos de trocas, relaes, registros, sentimentos, descries, perspectivas, formas.

    VER COM AS MOS: sentidos, descries, sensaes, observao, comparao, espaos de troca, relaes, registros, pontos de vista, vivncias, experincias, perspectivas.

    MUNDO ESTRANHOperspectiva, olhares, ponto de vista, relaes.

    LENDASLINGUAGENS: narrativa oral e textual;

    lngua estrangeira; vocabulrio; interpretao

    CINCIAS HUMANAS: lendas; mitos; contos populares; diversidade cultural e

    lingustica; origem do ser humano; fenmenos naturais; manifestaes

    religiosas; tenses sociais ARTES: encenao e representao teatral; ilustrao; danas; msicas;

    cantigas

    GOLPE DE VISTAARTES: Guiuseppe Arcimboldo; Octavio Ocampo; Erik Johanssen; Escher; Edgar Muller; Gestalt; diferentes x simultneas

    percepes; diferentes interpretaes musicais

    OLHAR DE PERTO OU OLHAR DE LONGEARTES: arte contempornea; land art; fotografia; tecnologia; nanotecnologiaCINCIAS DA NATUREZA: micro e macro viso; instrumentos pticos; construo de microscpios/telescpios caseiros; planetas do sistema solar; organismos unicelulares ou pluricelularesMATEMTICA: unidades de medida; escalas

    O infogrfico possibilita visualizar um exemplo de configurao de atividades que integram uma determinada TC. Sua estrutura espiralada forma-se a partir da proposio de uma atividade desencadeadora e

    de seus desdobramentos na forma de diferentes atividades derivadas, relacionadas ou no entre si.

  • Dependendo do lugar onde estamos, ou do papel que desempenhamos

    num determinado contexto, nossa viso do meio poder nos levar a

    produzir diferentes olhares. A atividade desencadeadora desta

    Trajetria prope justamente que os estudantes possam realizar o

    exerccio de observar o meio a partir de diferentes pontos de vista.

    O que eu vejo o mesmo que o meu colega enxerga? Por que a

    percepo do olhar muda de acordo com o lugar onde estamos?

    Proponha aos estudantes que busquem variadas imagens do planeta

    Terra. Cada um deles desafiado a produzir um relato do que enxerga.

    Por exemplo: cores que predominam, formas, intensidade de luz,

    sombras, continentes, gua...

    trajetrias criativas | 7

    Atividade desencadeadoraSeu ponto de vista pode mudar a viso de mundo

    A atividade desencadeadora pode ser permeada por diversas outras propostas. A equipe de professores tem total liberdade para criar suas propostas, a partir das questes que emergirem no trabalho com o grupo de estudantes. Pode ser interessante uma anlise prvia de toda a trajetria, pois assim ser possvel criarem as suas propostas e escolhas, tendo em vista toda caminhada, mesmo que ao longo do trabalho sejam necessrios ajustes.

    uma dica

    Lembrete!4 etapas de uma atividade desencadeadora1. primeiras ideias - sensibilizao /preparao /planejamento2. execuo da estratgia /observaes e seus registros3. explorao e organizao dos registros 4. elaborao de relaes /compreenso /aprendizagem

    1. primeiras ideias - sensibilizao /preparao /planejamento

    2. execuo da estratgia /observaes e seus registros

  • Ser que ao longo dos tempos os homens sempre viram a Terra do

    mesmo jeito?

    Vejamos um pouco da histria recente...

    O sovitico Yuri Alekseievitch Gagarin foi o primeiro homem a viajar

    pelo espao, em 12 de abril de 1961, a bordo da nave Vostok-1. A

    misso, lanada do Cosmdromo de Baikonur, durou 1 hora e 48

    minutos e consistiu de uma volta em rbita da Terra a 315 km de

    altitude. Ao olhar pela janela da nave, Gagarin constatou fascinado: A

    Terra azul!.

    A partir da leitura, a ideia ouvir contribuies dos estudantes, em

    funo de algumas provocaes:

    O ponto de vista de observao do astronauta Gagarin era

    considerado, at ento, incomum. Onde ficava esse local? O desafio

    desenhar o planeta e localizar onde estava Gagarin. O texto contem

    in