Tratamento do Alcoolismo: Uma Proposta Ambulatorial

  • View
    216

  • Download
    3

Embed Size (px)

Text of Tratamento do Alcoolismo: Uma Proposta Ambulatorial

  • ORGANIZAO DE SERVIO PARA ALCOOLISMO: UMA PROPOSTA

    AMBULATORIAL

    Figlie, N.B. *; Pillon, S.C. ** ; Castro, L.A. *** & Laranjeira, R.****

    *Psicloga Mestre em Sade Mental da UNIAD ** Enfermeira Mestre em Gastroenterologia da UNIAD - UNIFESP *** Mdico Ps Graduando da Psiquiatra da UNIAD - UNIFESP **** Mdico Psiquiatra e Coordenador da UNIAD UNIFESP UNIAD (Unidade de Pesquisa em lcool e Drogas) / UNIFESP (Universidade Federal de So Paulo) Rua Botucatu, 394 Vila / Clementino So Paulo SP CEP: 04032-061 Tel.: 0xx11 576-4341 Fax: 0xx11 575-1708 E-Mail: neliana@uol.com.br Resumo Este artigo visa apresentar um modelo de organizao de servio ambulatorial para

    dependentes de lcool, desde a chegada no tratamento at o processo de desligamento do

    mesmo. A linha cognitiva serve como princpio norteador nas diferentes fases do

    tratamento, que engloba: desintoxicao de lcool, acompanhamento individual, avaliao

    psiquitrica, psicoterapia grupal para dependentes de lcool, terapia de grupo para

    dependentes de lcool com problemas fsicos, terapia de grupo para mulheres, grupo de

    orientao familiar.

    Esta proposta de tratamento foi desenvolvida na UNIAD (Unidade de Pesquisa em

    lcool e Drogas), ambulatrio de um servio pblico da UNIFESP (Universidade Federal

    de So Paulo), ligado ao Depto. de Psiquiatria. Trata-se de um programa de reabilitao

    desenvolvida por uma equipe multidisciplinar, sendo a populao atendida: pacientes com

    dependncia de lcool com grau de severidade leve, moderada e grave. So discutidas

    algumas concluses desta proposta de tratamento, bem como o fluxograma do paciente no

    servio.

    Palavras-Chaves: Dependncia do lcool; tratamento; reabilitao; ambulatrio; servio.

    1

    mailto:neliana@uol.com.br

  • AN ORGANISATION SERVICE TO ALCOHOL DEPENDENCE: AN

    OUTPATIENT PROPOSAL

    Abstract

    This article is to show a model of outpatient attendance organisation for alcohol

    dependents from the beginning of the treatment until the end. The main guiding points in

    the different phases of the treatment include: detoxification service, individual attention,

    psychiatric evaluation, group therapy for alcoholics, group therapy for alcoholics with

    physical problems, group therapy for women and groups giving orientation to the family.

    This treatment proposal was developed by UNIAD (Unit of Research in Alcohol

    and Drugs), clinic of health public service of UNIFESP (Federal University of So Paulo),

    linked to Department of Psychiatry. It concerns here a rehabilitation program developed by

    a team of specialists from several disciplines, whereby patients of the population who are

    alcohol dependent are attended in accordance with their degree of patient with dependence

    of alcohol with degree of severity: light, moderate and severe. Some conclusions of this

    treatment proposal will be discussed, as well as the organisation of the service and a

    flowchart of patients in this program.

    Key-Words: Alcohol dependence; treatment; rehabilitation; outpatient; service.

    2

  • 1) Introduo

    O U.S. Department of Health and Human Services define o tratamento do

    alcoolismo como: (...) uma gama de servios que incluem a avaliao diagnstica,

    aconselhamentos, cuidados mdicos, psiquitricos e psicolgicos e servios sociais para os

    pacientes com esses problemas. As atividades de tratamento envolvem intervenes aps o

    desenvolvimento e manifestao do abuso do lcool e alcoolismo com objetivo de deter o

    progresso ou prevenir doenas clnicas. O tratamento tem basicamente dois elementos, (1) o

    procedimento teraputico, isto , uma srie de procedimentos e atividades, e (2) o processo

    teraputico, ou seja, o meio ambiente e o contexto interpessoal em que o procedimento

    deva ser implementado para obter sucesso. O tratamento uma combinao de

    procedimentos e processos que interagem de forma complexa. Neste sentido, ao pensar na

    dependncia com um grau da severidade ao longo de um continuum, o tratamento e a

    interveno fazem parte de um continuum de cuidados. A seqncia e a diversidade de

    cuidados necessrios numa comunidade depende da demanda da populao e da capacidade

    dos profissionais envolvidos em identificar formas criativas de atender essa demanda (9,13).

    No Brasil, o lcool responsvel por mais de 90% das internaes hospitalares por

    dependncia, alm de aparecer em cerca de 70% dos laudos cadavricos das mortes

    violentas (8). Estima-se que 15% da populao brasileira dependente do lcool (1), sendo

    uma das drogas que mais danos traz a sociedade, principalmente por ser uma droga de fcil

    acesso e baixo custo. Infelizmente no existem dados disponveis sobre o custo social do

    lcool no Estado de So Paulo, mas nos ltimos anos, os EUA tm produzido estudos que

    avaliam este custo (lcool e drogas) em torno de US$ 100 bilhes, em tratamento

    psiquitrico, mdico, acidentes, perdas de anos de vida, perda de produtividade, desgaste

    familiar, entre outros (22).

    3

  • Neste sentido, o tratamento do alcoolismo tem sido visto como fator desafiador na

    organizao de servios. Este artigo se prope a discutir um modelo de organizao de

    servio ambulatorial para dependentes de lcool.

    2) A equipe multidisciplinar

    A Unidade de Pesquisa em lcool e Drogas uma instituio que tem como

    objetivo principal a prestao de assistncia em carter social (reabilitao) ao alcoolista e

    funciona como um centro de pesquisa, ensino e treinamento que visa promover e manter a

    sade. Trata-se de um servio efetuado em hospital universitrio, ligado ao Departamento

    de Psiquiatria da Universidade Federal de So Paulo/Escola Paulista de Medicina. O corpo

    clnico conta com 1 psiquiatra coordenador, 2 psiclogas, 2 enfermeiras e 1 psiquiatra

    assistente e 1 secretria e aproximadamente 10 profissionais atuam em carter de trabalho

    voluntrio (estgio no remunerado), ps-graduao ou especializao em dependncia

    qumica, visando atividades de treinamento e pesquisa.

    3) Proposta de Tratamento Ambulatorial

    O fluxograma do paciente no servio mostrado em maiores detalhes na Figura 1. Em

    seguida sero detalhados os procedimentos pertinentes a cada etapa do tratamento:

    3.1) Populao: Estudos realizados nesta unidade (6,7,25), levantaram alguns dados scio

    demogrficos da populao atendida: a maioria pertencia ao sexo masculino; escolaridade

    predominante de ensino fundamental; casados; com atividade de trabalho e dependncia de

    lcool grave.

    3.2) Agendamento: as secretrias so treinadas para o agendamento do dia e horrio das

    consultas, que so realizadas na maioria das vezes por telefone ou pessoalmente. A data da

    4

  • consulta no ultrapassa 7 dias de prazo, pois foi observado no decorrer do servio que o

    ndice de faltas s consultas era elevado quando marcadas aps este perodo.

    3.3) Avaliao Inicial: realizada em dia, horrio e local estipulado por qualquer

    profissional da equipe dependendo da disponibilidade de horrios. Com durao mdia de

    30-40 minutos e aborda dados demogrficos, padro de consumo alcolico atual e de pico,

    sintomas de abstinncia ao lcool, Alcohol Dependence Data Questionnaire (SADD)

    para verificar o grau de dependncia alcolica em leve, moderada e grave, problemas

    associados (fsicos, psiquitricos e sociais), consumo de drogas, tabagismo, tratamentos

    anteriores e expectativas do paciente com relao ao tratamento, sendo finalizada com os

    possveis encaminhamentos para: Desintoxicao de lcool, Acompanhamento Individual,

    Avaliao Psiquitrica, Grupo de Alcoolistas, Grupo de Alcoolistas com Problemas Fsicos,

    Grupo de Mulheres, Grupo de Orientao Familiar. Quando se tratava de diagnstico

    primrio de dependncia de drogas, o paciente era encaminhado para o ambulatrio

    especfico para tratamento de drogas.

    3.4) Desintoxicao ambulatorial realizada por enfermeiras:

    O processo de desintoxicao alcolica ambulatorial uma proposta de tratamento

    para controlar de forma segura os sintomas da sndrome de abstinncia do lcool,

    destinado a controlar ambas complicaes fsicas e psicolgicas que podem ocorrer

    temporariamente aps um perodo de uso contnuo de bebida alcolica (29), alm de

    promover a abertura de novas perspectivas no campo do profissional de enfermagem (25).

    Este processo inclue 2 fases: a primeira a eliminao da substncia do corpo e a

    segunda, a recuperao do equilbrio das funes vitais (padro de sono e repouso, presso

    arterial, alimentao, etc.). Trata-se de uma eliminao sistemtica da substncia txica,

    bem como seus efeitos, com monitorizao cuidadosa, devido aos resultados que muitas

    5

  • vezes podem ser negativos quando a pessoa apresenta sintomas de abstinncia, mas no

    sabe identificar esses sintomas e procura assistncia de sade por outros motivos.

    Os objetivos imediatos da desintoxicao so: prevenir com segurana os sintomas

    da sndrome de abstinncia; atender as necessidades humanas bsicas (conforto, dignidade,

    auto estima, cuidados bsicos de sade, apoio, confidencialidade, educao e outros); apoio

    no processo de mudana de comportamento, segundo o modelo de Di Clemente e

    Prochaska (2,18,19); preparar o paciente para tratamento posterior desintoxicao. Os

    princpios determinantes no processo so: 1- A desintoxicao utilizada isoladamente no

    um tratamento adequado para a dependncia do lcool; 2- Quando necessrio usar

    medica