Click here to load reader

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO SECEX-MS FISCALIZAÇÃO DE OBRAS PÚBLICAS

  • View
    102

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO SECEX-MS FISCALIZAÇÃO DE OBRAS PÚBLICAS

  • Slide 1
  • TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIO SECEX-MS FISCALIZAO DE OBRAS PBLICAS
  • Slide 2
  • Instrumentos de polticas pblicas Investimentos de alto monta Gerao considervel de empregos Elevadas expectativas por parte da sociedade Riscos significativos de ordem administrativa e ambiental Dificuldade de controle tempestivo e eficaz Discrepncia entre documentos e execues ASPECTOS RELEVANTES
  • Slide 3
  • I.Evoluo do controle II.Conseqncias decorrentes das aes de controle III.Falhas freqentemente detectadas e como evit-las IV.Questes ambientais PROPOSTA DE ABORDAGEM DO TEMA
  • Slide 4
  • FISCALIZAO DE OBRAS PBLICAS HISTRICO 1995 - Comisso Temporria do Senado Federal Obras inacabadas ( 2.214 obras - R$ 15 bilhes) 1996 - Auditoria em obras prioritrias 1997 a 2005 - Dispositivos de controle nas LDOs
  • Slide 5
  • Fiscalizao de Obras Pblicas Recursos (em bilhes de Reais) Obras fiscalizadas (Principais do OGU) Evoluo no TCU
  • Slide 6
  • INSTRUMENTOS DE FISCALIZAO (Regimento Interno do TCU) LEVANTAMENTO AUDITORIA INSPEO ACOMPANHAMENTO MONITORAMENTO
  • Slide 7
  • FISCALIZAES SISTEMATIZADAS FISCOBRAS Dispositivos das LDOs Execuo fsico-financeira - Indcios de irregularidades graves CMPOF do CN Anexo Especfico da LOA Decretos Legislativos
  • Slide 8
  • CRITRIOS DE SELEO (art. 98, 2, da Lei n 10.934/2004 - LDO/2005) Valor Liquidado no Exerccio Anterior Valor Fixado para o Exerccio Regionalizao do Gasto Histrico de Irregularidades Pendentes Tomadas de Contas Especiais, Denncias ou Representaes Em 2005 o TCU fiscalizar mais de 400 obras, cerca de R$ 20 bilhes
  • Slide 9
  • CONSTATAES DO CONTROLE Sem Ressalva Falhas e Impropriedades Outras Irregularidades Indcios de Irregularidades Graves
  • Slide 10
  • INDCIO DE IRREGULARIDADE GRAVE Torna recomendvel Comisso Mista do Congresso Nacional a paralisao cautelar da obra ou servio. Materialmente relevante e com potencialidade de: Causar significativos prejuzos ao errio ou a terceiros; Ensejar nulidade do procedimento licitatrio ou do contrato. (art. 97, 2, da Lei n 10.934/2004 - LDO/2005)
  • Slide 11
  • RESULTADOS DAS AES DE CONTROLE (Lei N. 10.934/04, Art. 98, 5 ) Durante 2005 o TCU remeter ao Congresso Nacional, em 15 dias aps a constatao, informaes referentes a indcios de irregularidades graves identificados em procedimentos fiscalizatrios. CORREO das falhas ou irregularidades; BLOQUEIO das obras e servios com indcios de irregularidades graves.
  • Slide 12
  • RESULTADOS DAS AES DE CONTROLE Celeridade na adoo de medidas corretivas Conscientizao para o adequado gerenciamento Exerccio tempestivo do controle externo
  • Slide 13
  • SEQNCIA DE PROCEDIMENTOS PREFEITURAS Programa de Necessidades (ordem de grandeza) ; Escolha do Local/Terreno (Plano Diretor do Municpio) ; Estudo de Viabilidade/Custo-benefcio; Estudo Preliminar ou Anteprojeto; PROJETO BSICO; Projeto Executivo; Licitao; Contrato; Fiscalizao da Obra; Recebimento da Obra.
  • Slide 14
  • IRREGULARIDADES GRAVES EM OBRAS Projeto Bsico Licitao Execuo Contratual
  • Slide 15
  • PROJETO BSICO (art. 6, IX da Lei n 8.666/1993).. Conjunto de elementos necessrios e suficientes para caracterizar e definir a obra ou servio, elaborado com base em estudos tcnicos preliminares, que assegurem: a viabilidade tcnica; adequado tratamento do impacto ambiental; avaliao do custo, mtodos e prazos.
  • Slide 16
  • EFEITOS DAS DEFICINCIAS DO PROJETO BSICO Dificuldades no planejamento e na execuo da obra; Alteraes tcnicas e at a inviabilizao do objeto licitado; Utilizao de materiais inadequados ou mal especificados; Edio de aditivos; Falta de preos de referncia; Possibilidade de sobrepreo; Falta de efetividade ou alto custo/benefcio do empreendimento. Exemplos: Detalhamento tcnico insuficiente; Previso oramentria irreal; Falta de Licena Ambiental Prvia (Acrdo 516/2003 - PL).
  • Slide 17
  • LICITAO Sobrepreo; Fracionamento da despesa (Acrdo n. 79/2000 - PL); No-parcelamento do objeto (Acrdo n. 180/2001 - PL); Adjudicao de objeto de Convite com menos de trs propostas vlidas (Deciso n. 1102/2001 - PL); Inexigncia de regularidade fiscal (Deciso 705/1994 - PL); Inexistncia de critrios de aceitabilidade de preos unitrios (Deciso n. 1090/2001 - PL); Restrio da competitividade (Acrdo n. 640/2001 - PL); Dispensa/inexigibilidade indevidas (Deciso n. 347/1994).
  • Slide 18
  • EXECUO CONTRATUAL Superfaturamento; Acrscimo de valor contratual acima do limite de 25% ou 50% (Deciso n. 877/2000 - PL); Deficincias da Fiscalizao (Deciso n. 1375/2002 - PL); Pagamento de servio no executado (Deciso n. 1375/2002 - PL); Execuo de servio no licitado (Deciso 860/1999 - PL); Aplicao de material inferior ao previsto (Deciso 863/1999 - PL); Reajustamento de preo irregular (Deciso 485/2000 - PL); Deficincias no licenciamento ambiental (Acrdo 1.074/2003 - PL); Ausncia ou falhas nos recebimentos da obra.
  • Slide 19
  • SUGESTES DE CONTROLE Elaborar adequadamente o projeto bsico; Atentar para o que dispe a legislao aplicvel; Observar as exigncias dos rgos concedentes; Instituir e reavaliar os mecanismos de controle; Dotar a administrao de pessoal qualificado; Acompanhar e adotar a jurisprudncia dos TCs.
  • Slide 20
  • ASPECTOS AMBIENTAIS Constituio Federal de 1988 Art. 225 Todos tm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial sadia qualidade de vida, impondo-se ao poder pblico e coletivi- dade o dever de defend-lo e preserv-lo para as presentes e futuras geraes. 1 - Para assegurar a efetividade desse direito, incumbe ao poder pblico: IV - exigir, na forma da lei, para instalao de obra ou atividade potencialmente causadora de significativa degradao do meio ambiente, estudo prvio de impacto ambiental, a que se dar publicidade; ( Lei n. 6.938/81, Resoluo Conama 237/97).
  • Slide 21
  • FATORES CRTICOS DE SUCESSO Foco alm da questo documental dos licenciamentos; Parcerias com rgos ambientais locais; Conscientizao de meio ambiente como patrimnio pblico; Incluso de questes ambientais em processos de fiscalizaes.
  • Slide 22
  • Slide 23
  • Slide 24
  • PERSPECTIVAS DA FISCALIZAO DE OBRAS PBLICAS Contnua e crescente capacitao e cooperao entre agentes de controle interno e externo; Fortalecimento da Responsabilidade Social; Conscientizao de Desenvolvimento Sustentvel; Incremento da Efetividade, em conjunto com a legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficincia.
  • Slide 25
  • TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIO Secretaria de Controle Externo no Estado de Mato Grosso do Sul SECEX-MS Rua da Paz, 780 Bairro Jardim dos Estados Campo Grande-MS Telefone: 382.7552 Fax: 321.3489 e.mail: [email protected]

Search related