Click here to load reader

Tribunal de Contas · PDF fileTribunal de Contas Mod. TC 1999.001 ... os planos de actividades, os planos financeiros e os orçamentos da empresa; e) O objecto social da empresa está

  • View
    212

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of Tribunal de Contas · PDF fileTribunal de Contas Mod. TC 1999.001 ... os planos de...

  • Tribunal de Contas

    Mod.

    TC

    1

    99

    9.0

    01

    Transitou em julgado em 25/03/13

    ACRDO N 4 /13 4.MAR-1 S/SS

    Processo n 1888/2012

    I. RELATRIO

    O Municpio do Porto remeteu a este Tribunal, para fiscalizao prvia, o

    contrato para a Gesto de Empreendimentos Mandato - 2013, celebrado, em

    19 de Dezembro de 2012, entre aquela entidade e a Gesto de Obras Pblicas

    da Cmara Municipal do Porto, EEM1, pelo montante de 13.546.338.

    II. DOS FACTOS

    Para alm do referido no nmero anterior, so dados como assentes e relevantes

    para a deciso os seguintes factos:

    a) A Gesto de Obras Pblicas da Cmara Municipal do Porto, EEM era,

    data da celebrao do contrato, e de acordo com os Estatutos juntos aos

    autos, uma empresa municipal, sob a forma de entidade empresarial local;

    b) O seu capital social integralmente detido pelo Municpio do Porto;

    c) Nos termos do artigo 6. dos Estatutos, compete Cmara Municipal do

    Porto a nomeao e exonerao dos membros do conselho de administrao

    da empresa, o qual presidido pelo Presidente da Cmara do Porto ou por

    Vereador do executivo municipal em quem ele delegue essa funo;

    1 Doravante tambm designada como GOP, EEM ou GOP.

  • Tribunal de Contas

    2

    Mod.

    TC

    1

    99

    9.0

    01

    d) De acordo com os artigos 11. e 15. dos mesmos Estatutos, a Cmara Municipal do Porto d directivas e instrues genricas ao conselho de

    administrao da empresa e aprova, entre outros actos, os planos de

    actividades, os planos financeiros e os oramentos da empresa;

    e) O objecto social da empresa est descrito nos referidos estatutos da seguinte forma:

    1. A GOP, EEM, tem como objecto social, por delegao do

    Municpio do Porto, o exerccio da actividade de gesto de obras

    pblicas para a Cmara Municipal do Porto e para outras empresas

    participadas por aquela autarquia.

    2. A gesto de obras pblicas consiste na prtica de todos os actos

    materiais e jurdicos necessrios perfeio das obras cuja gesto lhe

    seja solicitada pela Cmara Municipal do Porto, compreendendo

    qualquer actividade, desde a sua concepo at recepo das

    respectivas obras.

    3. Pelos presentes estatutos, o Presidente e a Cmara Municipal do

    Porto delegam na GOP, EEM, todos os poderes e prerrogativas de

    autoridade administrativa necessrios ao cumprimento do seu objecto

    social.

    4. A GOP, EEM, poder prestar a sua actividade principal a outras

    entidades, pblicas ou privadas, e exercer outras consideradas

    acessrias ou complementares do seu objecto social principal desde

    que, em qualquer dos casos, devidamente autorizada pela Cmara

    Municipal do Porto.

    5. Com o objectivo de aproveitar sinergias entre a GOP, EEM, a

    Cmara Municipal do Porto e outras empresas municipais e de

    prosseguir uma poltica de gesto integrada, nomeadamente no que

    respeita uniformizao de critrios de gesto em diversas reas, a

    GOP, EEM, exercer tambm, em relao s restantes empresas

    municipais criadas ou a criar no mbito da Cmara Municipal do

    Porto e a esta, uma actividade de consultoria em gesto nas reas

    administrativa e financeira, gesto de recursos humanos, informtica,

    qualidade ambiente e segurana e nas restantes da sua especialidade.

    6. As obras a gerir pela GOP, EEM, incluindo aquelas de que resultar

    um patrimnio a gerir por outra empresa municipal, sero indicadas

    pela Cmara Municipal do Porto, no mbito do exerccio dos seus

    poderes de tutela.

  • Tribunal de Contas

    3

    Mod.

    TC

    1

    99

    9.0

    01

    7. As obras promovidas pela GOP,EEM, que devem ser executadas de

    acordo com as disposies legais para o efeito, no carecem de

    licenciamento municipal, nem esto sujeitas a pagamento de taxas ou

    preos, desde que as mesmas resultem do exerccio das suas

    atribuies especficas e o projecto seja aprovado pela Cmara

    Municipal do Porto ou por qualquer outra entidade pblica, quando

    previsto em disposies legais ou regulamentares;

    f) Pelo ofcio n. I/223414/12/CMP, de 20 de Dezembro de 2012, o Municpio do Porto informou este Tribunal de que se encontrava em curso o processo

    de reviso estatutria imposto pelo n. 1 do artigo 70. da Lei n. 50/2012, de

    31 de Agosto;

    g) Em 19 de Dezembro de 2012, foi celebrado entre o Municpio do Porto e a empresa um Contrato-Programa que, alm do mais:

    - Funcionaliza a prossecuo da actividade municipal externalizada na GOP, EEM, com a poltica, os interesses, os propsitos e os

    objectivos do Municpio do Porto;

    - Detalha a forma de identificar posteriormente os empreendimentos a gerir;

    - Fixa os princpios orientadores e as obrigaes a observar da gesto dos empreendimentos bem como os parmetros de qualidade a

    cumprir;

    - Regula alguns aspectos do financiamento das actividades; - Estabelece deveres de informao ao Municpio e procedimentos de

    avaliao por parte deste;

    - Fixa indicadores de eficincia e eficcia da actividade da empresa, por referncia a nveis de acrscimo de custos nas empreitadas, de

    contencioso administrativo, de cumprimento das encomendas e de

    observncia dos prazos contratuais de execuo das obras;

    - No consagra qualquer subsdio explorao da empresa.

    h) Pelo j referido ofcio n. I/223414/12/CMP, de 20 de Dezembro de 2012, o Municpio do Porto informou o Tribunal de Contas de que a GOP

    desenvolve praticamente toda a sua actividade em benefcio exclusivo do

    municpio;

    i) O Relatrio e Contas do exerccio de 20112 e os Instrumentos de Gesto Previsional para o trinio 2013-20153, ambos da GOP, indiciam que a

    2 Disponvel em http://www.cm-porto.pt/users/0/58/RelatorioecontasGOP2011_14c0200f998905de4a826ef46c6476ba.pdf

    http://www.cm-porto.pt/users/0/58/RelatorioecontasGOP2011_14c0200f998905de4a826ef46c6476ba.pdf

  • Tribunal de Contas

    4

    Mod.

    TC

    1

    99

    9.0

    01

    actividade prestada pela empresa a outras entidades tem vindo a diminuir em

    peso relativo, prevendo-se que represente cerca de 2% do total da actividade,

    sendo o restante desenvolvido directamente para o Municpio do Porto;

    j) Em 11 de Dezembro de 2012, a Cmara Municipal do Porto adjudicou GOP o contrato de gesto de empreendimentos ora presente a visto;

    k) A adjudicao foi feita, de acordo com os termos da respectiva proposta, com dispensa da observncia de um procedimento de contratao prvio,

    nos termos admitidos no n. 2 do artigo 5. do Cdigo dos Contratos

    Pblicos, porquanto:

    O Municpio do Porto exerce sobre a GOP, EEM, e sobre a sua actividade, de forma isolada, no apenas uma influncia

    dominante, nos termos do n. 1 do artigo 19. da Lei n. 50/2012, de

    31 de Agosto, mas tambm e inclusive um controlo em tudo anlogo

    aos que exerce sobre os seus prprios servios, em resultado da

    deteno da totalidade do capital social da empresa;

    e dado que a empresa desenvolve praticamente toda a sua actividade em benefcio exclusivo da autarquia;

    l) De acordo com a clusula 1. do contrato ora submetido a fiscalizao prvia, o Municpio do Porto encarrega a GOP, EEM da gesto integrada dos

    empreendimentos identificados no documento que integra o anexo I, o qual

    do seguinte teor:

    3 Juntos aos autos

  • Tribunal de Contas

    5

    Mod.

    TC

    1

    99

    9.0

    01

    m) Para cumprimento do objecto do contrato, e de acordo com a clusula 2. do mesmo, a GOP, EEM, mobilizar os seus recursos internos, humanos e

    materiais, e promover a contratao, adjudicao, gesto e fiscalizao de

    aquisies de bens, servios, locaes e empreitadas necessrias perfeita e

    tempestiva execuo das obras compreendidas nos diferentes

    empreendimentos;

  • Tribunal de Contas

    6

    Mod.

    TC

    1

    99

    9.0

    01

    n) De acordo com a clusula 6. (meios financeiros necessrios ao mandato), o Municpio do Porto habilitar a GOP, EEM, com os meios financeiros

    necessrios concretizao, por esta, dos empreendimentos identificados no

    n. 1 da clusula 1., nos termos do anexo I ao contrato4. A

    comparticipao financeira identificada () ser disponibilizada pelo

    Municpio do Porto GOP, EEM, em parcelas sucessivas, mediante a

    faturao mensal dos trabalhos realizados pela GOP, EEM, suportada em

    autos de medio ou em documentos equivalentes, justificativos da assuno

    de dvida para com terceiros. O Municpio do Porto disponibilizar a

    comparticipao identificada no nmero anterior em prazo suficiente a

    habilitar a GOP, EEM, a cumprir, pontualmente, as obrigaes financeiras

    assumidas para com os seus fornecedores.;

    o) Na clusula 7. (preo) estipula-se que Pela gesto dos empreendimentos, o Municpio do Porto remunerar a GOP, EEM, atravs de encargos de

    gesto integrada, calculados por percentagem do valor dos

    empreendimentos encomendados, neles se contabilizando projeto, reviso de

    projeto, estudos auxiliares, empreitada, fiscalizao, assessorias e eventuais

    estudos, servios e obras complementares. O preo contratual ser

    determinado nos termos previstos no anexo I ao presente contrato, tomando

    como referncia a projeo da execuo fsica e financeira dos c

Search related