Click here to load reader

UMA ABORDAGEM HISTÓRICA DAS TEORIAS DA ORIGEM E · PDF file 2018. 4. 26. · UMA ABORDAGEM HISTÓRICA DAS TEORIAS DA ORIGEM E EVOLUÇÃO DO UNIVERSO PARA O 8º ANO Shyrleine Aparecida

  • View
    1

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of UMA ABORDAGEM HISTÓRICA DAS TEORIAS DA ORIGEM E · PDF file 2018. 4. 26. ·...

Uma abordagem histórica das Teorias da Origem e Evolução do Universo para o 8º anoEVOLUÇÃO DO UNIVERSO PARA O 8º ANO
Shyrleine Aparecida Pedrota Tinti1
Maria Auxiliadora Milaneze Gutierre2
RESUMO: Neste estudo estão apresentados os resultados da implementação da produção didática com os alunos do 8º ano, atendendo ao disposto nas Diretrizes Curriculares da Educação Básica – Ciências do Estado do Paraná (DCE). A escolha do tema “Origem e Evolução do Universo” justifica- se pela constatação da dificuldade de encontrar subsídios didáticos para trabalhá-lo em sala de aula, bem como a necessidade de oportunizar ao aluno, condições de conhecer a trajetória humana, no tema, e suas aplicações e consequências no cotidiano. O objetivo desta proposta de intervenção didática foi reconhecer as condições que cada povo considerou para que, naquele momento de sua história, considerasse certos pensamentos como certo e abandonassem o que julgavam como errado, contextualizando a trajetória humana desses últimos milênios, sobre a Origem e Evolução do Universo. Foram realizadas revisões bibliográfica em livros, artigos científicos e sites oficiais, afim de selecionar materiais didáticos a serem utilizados na implementação didática, no total de 49 horas aula. Para a implementação pedagógica, no início de cada aula foi lançada uma questão aberta relacionada ao tema em pauta, para se avaliar a percepção prévia dos alunos, e ao final da aula, repetiu-se a mesma questão, após explanação didática do tema. As respostas foram analisadas individualmente, transcritas e transformadas em porcentagens. Notou-se uma forte influência da religião cristã em considerável parcela das respostas obtidas quanto à criação do Universo, e que ocorreram melhoras, na maioria das vezes significativas, nas respostas de muitos alunos em relação ao tema, enquanto que uma parcela de alunos pouco participou e/ou não se sentiu motivada durante as atividades.
PALAVRAS-CHAVE: Construção do saber científico; Nascimento da ciência; Big Bang; Astronomia.
INTODUÇÃO
O ensino de Astronomia, que é a ciência que estuda o universo, o espaço
sideral e os corpos celestes, buscando analisar e explicar sua origem, seu
movimento, sua constituição e seu tamanho, desperta interesses em todos os tipos
de públicos, não só de hoje, mas desde a Antiguidade.
A busca pela compreensão do Universo vem auxiliando o desenvolvimento
humano nas mais diversas áreas. Inicialmente, a astronomia auxiliou a agricultura
pois previa as estações do ano, o tempo das chuvas, das secas e das enchentes,
1 Professora da Rede Pública do Estado do Paraná – PDE 2016. [email protected] 2 Professora Doutora da UEM – Orientador PDE 2016. [email protected]
orientando o plantio e os modos de vida dos povos antigos. Atualmente, o estudo da
Astronomia contribui com pesquisas nas áreas das ciências espaciais, da
meteorologia, das telecomunicações, das geociências e da saúde, permitindo o
desenvolvimento de aparelhos para exames de alta complexidade, cirurgias,
tratamento e diagnóstico de tumores.
A trajetória em busca da resposta “De onde viemos e como tudo começou” é
longa, e ainda não chegou ao fim, mas os estudos a ela relacionados, nas áreas da
Física, a Química, a Biologia, a Geologia, a Matemática, a Meteorologia, entre
outras, trouxeram inúmeros benefícios a toda a humanidade. Entretanto, muitas
vezes, o tema não é tratado com a devida importância no espaço escolar,
acarretando na perda de oportunidades de conhecer a trajetória do conhecimento
científico produzido ao longo do tempo.
Este artigo apresenta o trabalho realizado com os alunos do 8º ano do Ensino
Fundamental, do Colégio Estadual Vila Alta, município de Alto Paraiso, NRE de
Umuarama (PR), com a temática: Teorias da Origem e Evolução do Universo.
Os conteúdos foram selecionados a partir da constatação da dificuldade de
encontrar subsídios teóricos e pedagógicos para trabalhar com o conteúdo em
questão, além de ser assunto que aguça a curiosidade de todas as faixas etárias.
É importante que os alunos tenham oportunidade de conhecer detalhes do
longo e tempestuoso caminho percorrido pelo homem até os dias atuais, sobre as
principais teorias da origem e evolução do Universo: as descobertas, as verdades,
os equívocos, suas contribuições para os avanços tecnológicos que temos
disponíveis e as possibilidades para o futuro. Em tempo, que o aluno perceba que a
ciência, apesar de ter evoluído de forma considerável, ainda não pode sanar todas
as dúvidas e nos dar todas as respostas em relação ao tema em questão.
O estudo da astronomia, mais especificamente o estudo das teorias da
Origem e Evolução do Universo, oportuniza o desenvolvimento de uma ampla visão
do Universo que nos cerca, bem como a compreensão da relação das tecnologias
disponíveis e os avanços do conhecimento sobre a estrutura e organização do
Universo. Oportuniza também a interação com várias disciplinas escolares e
principalmente, oferece oportunidade para que se possa perceber, que a construção
do conhecimento não ocorre de forma imediata e definitiva, mas é resultado de
muita dedicação aos estudos.
No contexto acima, objetivou-se verificar os conhecimentos prévios e pós
intervenção didática dos alunos do 8º ano do ensino fundamental, em relação ao
tema Origem e Evolução do Universo.
FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA
Como surgiu o Universo? Essa é uma das mais antigas questões que o ser
humano tentou, e ainda tenta, encontrar a resposta. A busca por essa resposta
levou ao desenvolvimento da cosmologia: ramo da astronomia que estuda a
estrutura e a evolução do universo em seu todo, preocupando-se tanto com sua
origem quanto com sua evolução.
Alguns autores afirmam que a busca pela resposta da questão “De onde
viemos e como surgiu o Universo”, contribuiu e contribui para o desenvolvimento de
diversas áreas:
A astronomia é considerada uma ciência que desperta o interesse e a curiosidade das pessoas e ainda favorece o desenvolvimento de outras características transversais à Astronomia, tais como: melhoria na capacidade de cálculos matemáticos, comparação e classificação de objetos ou eventos, comunicação, experimentação, exploração, imaginação, mediação, observação, organização, raciocínio lógico, aplicação, avaliação, dedução, descrição, interpretação, manipulação de instrumentos e reconhecimento de pré-conceitos, ou concepções alternativas, o que contribui para todas as outras disciplinas (BATISTA e FUSINATO, 2016, p. 7).
Frederico (2013, p. 32) afirma que desde tempos remotos, o homem buscou
construir ferramentas e objetos que lhe proporcionasse melhores condições para
transformar a natureza e facilitar ações de seu cotidiano. Como exemplo, estão
diversos equipamentos e meios de comunicação atuais: computadores, projetores
de imagem, internet, vídeos, filmes e outros, os quais possibilitam um significado
maior para o ensino e, consequentemente, para a aprendizagem.
Nas escolas da rede pública do estado do Paraná, o tema “Origem e a
Evolução do Universo” é atribuído ao 8° ano do Ensino Fundamental, como
Conteúdo Básico, dentro do Conteúdo Estruturante: Astronomia. Para esse
conteúdo, é expresso nas Expectativas de Aprendizagem, que os alunos
compreendam os modelos científicos que abordam a Origem e a Evolução do
Universo e relacionem as teorias e sua evolução histórica.
De acordo com as DCE, é necessário ao professor de Ciências alguns
entendimentos, como descrito nas Diretrizes Curriculares da Educação Básica do
Estado do Paraná (PARANÁ, 2008, p. 61): conhecer a história da ciência, conhecer
os métodos científicos empregados, conhecer as relações conceituais,
interdisciplinares e contextuais, conhecer os desenvolvimentos científicos recentes e
saber selecionar os conteúdos científicos escolares adequados ao ensino, possibilita
um processo de ensino-aprendizagem mais significativo, diminuindo a lacuna entre a
escola e a vida de cada um.
Ainda de acordo com as Diretrizes Curriculares da Educação Básica
(PARANÁ, 2008, p. 40 e 41), a disciplina de Ciências tem como objeto de estudo o
conhecimento científico que resulta da investigação da Natureza, entendida como o
conjunto de elementos integradores que constitui o Universo em toda a sua
complexidade. Tal conhecimento proporciona ao ser humano uma cultura científica
com repercussões sociais, econômicas, éticas e políticas.
Considerando o proposto no referido documento e a aprendizagem
significativa, o aluno tem direito de compreender que:
A astronomia é uma amostra prática desta interdisciplinaridade e está ligada à evolução tecnológica, por exemplo, o desenvolvimento de antenas, espelhos, telescópios, vem permitindo o monitoramento do espaço e da própria Terra, facilitando a pesquisa nas áreas das ciências espaciais, meteorologia, telecomunicações e geociências, além de colaborar com as correções de alguns problemas oftalmológicos (LUIZ, 2010, p. 2).
Ainda como cita Luiz (2010, p. 2) a astronomia vai além dos corpos celestes,
pois sensores de luz fraca e infravermelha foram desenvolvidos a partir de
pesquisas astronômicas, sendo utilizados para diagnóstico de tumores e na indústria
de semicondutores. Cita ainda que detectores de raios-X, inicialmente usados para
fins astronômicos, atualmente o são nas pesquisas biomédicas e nas ciências dos
materiais, sendo utilizados para reconhecer as estruturas e planos de orientação das
moléculas. A constante utilização de imagens de raios-X permitiu à NASA o registro
de uma patente de um microscópio de raios-X utilizado em neonatologia, cirurgia
geral e diagnose de lesões desportivas.
Batista e Fuzinato (2016, p. 13) ressaltam que o ensino de astronomia pode
ser utilizado como um fio condutor para a ciência, capaz de ampliar, viabilizar e
colaborar para a apresentação e compreensão dos conhecimentos científicos,
possibilitando uma formação crítica e reflexiva para a plena participação do cidadão
na sociedade em que vive.
Essa longa trajetória de reconhecimento das teorias da origem do Universo
teve início na curiosidade e necessidades humanas, considerando o conhecimento
que possuíam:
A Astronomia começou por ser fundamentalmente utilitária e as suas aplicações imediatas destinavam-se a satisfazer as necessidades prementes da humanidade: para a agricultura, base da subsistência, era vital determinar o início das estações do ano, prevendo as épocas mais adequadas para as sementeiras; as cerimônias e rituais religiosos (tal como ainda hoje sucede com a Páscoa) tinham de ser realizados em épocas próprias, que exigiam preparação antecipada (LUIZ, 2010, p. 1).
Pode-se constatar que, em cada época, em cada momento histórico, o
homem tenta elaborar resposta para suas perguntas, de acordo com o que necessita
saber. Gleiser (2014, p. 31) afirma que a religião e a mitologia buscam explicar o
desconhecido com o desconhecível, enquanto a ciência busca explicar o
desconhecido com o conhecível.
Podemos verificar que nesta viagem pela história humana, em relação ao
conhecimento do Universo, pequenas descobertas levaram séculos e séculos para
serem reveladas, mas nos últimos anos, com o advento da tecnologia moderna, a
cada momento podemos constatar algo novo. Muito se conhece sobre nosso
Universo, mas muito ainda há de ser conhecido. Mesmo assim, com todo o aparato
disponível nos dias de hoje, de acordo com Martins:
Há coisas que dependem de medidas [...] e que irão se esclarecendo aos poucos. Mas há coisas que provavelmente escapam a toda investigação científica. A longa história da ciência nos mostra que nossas teorias mudam sempre, que há sempre descobertas inesperadas. Mas isso não desanima os pesquisadores. É exatamente porque falta muito a descobrir que a ciência é tão fascinante (MARTINS, 1997, p. 176 e 177).
METODOLOGIA
A proposta foi implementada na rede pública de Ensino, no Colégio Estadual
Vila Alta - Ensino Fundamental e Médio, no município de Alto Paraíso (PR),
pertencente ao NRE de Umuarama, para os alunos do 8º ano do Ensino
Fundamental, correspondente a uma das etapas do PDE (Programa de
Desenvolvimento Educacional) do Estado do Paraná. Para o desenvolvimento das
atividades foram utilizadas 49 aulas no primeiro semestre de 2017.
Na primeira etapa desse estudo, foram realizadas revisões bibliográfica em
livros, artigos científicos e sites oficiais, afim de selecionar os materiais didáticos a
serem aplicados em sala da aula. Os documentários e recortes de filmes
selecionados foram assistidos pelos alunos, e alguns, atendendo a pedidos, por
mais de uma vez, utilizando a TV Pen drive disponível nas salas de aula, com
destaque para a série Poeira das Estrelas: Parte 01 - “O começo de tudo”, Parte 02 -
“Nascimento da ciência”, Parte 03 - “Uma Nova Astronomia”, Parte 04 - “Assim na
Terra como no Céu”, Parte 5 - “A Expansão do Universo”, Parte 6 - “Big Bang” e
Parte 7 - “O Nascimento das Estrelas”, além do episódio da série Cosmos: “Uma Voz
na Sinfonia Cósmica” - Parte 4, “Astronomia – Big Bang”, “Planeta Tierra Micro y
Macro Cosmos”, “Como Aristarco mediu a distância entre a Terra e a Lua?” e
recortes do filme “1492 A Conquista do Paraíso” e “O Dia do Amigo Amicíssimo”.
As leituras on line foram realizadas no laboratório de informática do Colégio
Estadual Vila Alta, acessando os computadores locais, sendo muito utilizada a
versão on line do livro “As Teorias da Origem e Evolução do Universo”, de Roberto
de Andrade Martins. Na ausência da internet, os textos foram apresentados
utilizando o projetor multimídia. O software Stellarium também foi analisado pelos
alunos com auxílio do projetor multimídia, cujo aplicabilidade permite a visualização
do céu, as estrelas, constelações, pontos geográficos e celestes, a hora e
localização de astros, nos moldes de um planetário, levando o aluno a refletir sobre
o que nossos olhos veem e o que há além do que podemos ver, de modo a analisar
as condições e informações que temos hoje sobre o Universo e as condições que os
povos de outros momentos históricos tiveram para chegar as conclusões que
chegaram.
constantemente presentes. Também ocorreram registros das opiniões por escrito,
construções de mapa conceitual, resolução de atividades, construção de paródias
abordando o histórico da busca pela Origem e evolução do Universo, elaboração de
cartazes ilustrando os mitos sobre a origem do Universo e apresentações orais de
alguns assuntos. De modo a valorizar a compreensão dos textos escolhidos, e como
estratégia de leitura, os textos foram lidos várias vezes, com tempo para pausas e
comentários. Em adição, no momento da leitura foram lançadas questões orais
sobre o que se acabou de ler, e a busca por lembranças e sequências de
acontecimentos relatados nos textos. Esse recurso foi aplicado várias vezes, pois na
execução da implementação didática, as atividades de leitura foram solicitadas
constantemente.
No início da maioria das aulas da implementação didática pedagógica, foi
lançada uma questão aberta sobre o tema abordado, para que se pudesse ter a
percepção do conhecimento prévio dos alunos sobre o assunto a ser estudado, com
a identificação do aluno. No final de cada uma dessas aulas, a mesma questão foi
reaplicada, para que os alunos pudessem expressar os conhecimentos obtidos na
aula que acabou de participar, totalizando 18 questões. As respostas foram
analisadas individualmente, transcritas e transformadas em porcentagens, tendo em
vista que o número de alunos presentes não foram constante em todas as aulas.
Os pais e responsáveis dos alunos da turma em questão, assinaram um
termo de consentimento, dando permissão à professora responsável pela
implementação didática a utilizar as respostas elaboradas pelos alunos para análise
dos resultados e construção do artigo em questão. A assinatura do termo de
consentimento se deu após uma reunião específica nas dependências do
estabelecimento de ensino onde foi aplicado a implementação, com a participação
da equipe diretiva, pais e a professora, onde foi prestado os devidos
esclarecimentos.
RESULTADOS E DISCUSSÃO
Conforme verificado na Tabela 1, mesmo antes da introdução do assunto
“Como surgiu o Universo”, 53% dos alunos já detinham algum conhecimento sobre a
teoria do Big Bang, embora 27% deles a atribuíssem ao ser supremo, Deus. Após a
intervenção didática, 72,5% dos alunos afirmaram que o Universo surgiu através do
Big Bang, mas 11% dos alunos ainda continuaram atribuindo a criação do Universo
a Deus, indicando a forte presença da religião também nessa área de conhecimento
(Tabela 1). Tal fato tem por base a predominância da religião Cristã na região de
Umuarama (PR). Na teologia católica, conforme descrito na Bíblia e contextualizado
por Madeira (2007, p. 56-57), Deus participa da criação como um agente integrador,
como por exemplo, ao tomar a decisão benevolente ao criar o Universo.
Inicialmente, 5% dos alunos citam a propagação de partículas, referindo-se as
partículas subatômicas formadoras dos primeiros tipos de átomos. Esse mesmo
percentual prevalece após a intervenção. Segundo a teoria, a partir do Big Bang
surgiram os primeiros tipos de átomos, mas até sua constituição propriamente dita,
surgiram as partículas subatômicas que, ao se organizar, deram origem aos
primeiros átomos.
O número de ilegíveis e respostas consideradas fora do contexto foram
reduzidas de 10% para 5,5%.
Tabela 1: Respostas obtidas para a pergunta “Como surgiu o Universo?” aplicada aos
alunos do 8 ano do Ensino Fundamental, antes e após a intervenção didática.
Pergunta/Respostas Antes da explanação do conteúdo
programático e respectivas porcentagens.
porcentagens.
Como surgiu o Universo?
- Por uma explosão, o Big Bang (53%) - Por Deus (27%) - Deus permitiu o Big Bang (5%) - Propagação de partículas (5%) - Respostas ilegíveis ou fora do contexto (10%)
- Através do Big Bang (72,5%) - Por Deus (11%) - Por Deus e pelo Big Bang (5,5%) - Por evolução das partículas (5,5%) - Respostas ilegíveis ou fora do contexto (5,5%)
Total de alunos 19 18 Fonte: Autora
Na próxima etapa da implementação foi trabalhada a questão de “Quando o
ser humano iniciou a busca pela Origem do Universo”. De acordo com a Tabela 2, o
entendimento errôneo de que tal busca teve início desde a origem da humanidade,
foi reduzido, passando de 37% para 15%, significando que ocorreu a compreensão
do conteúdo, oferecido em sala, por parte dos alunos. É notável o aumento da
compreensão de que essa busca pelo entendimento da origem do Universo teve
início antes de Cristo, passando de 5,25% para 25%, indicando que a caminhada
iniciou-se bem antes da era cristã, não sendo portanto, um fato recente.
Ainda de acordo com Tabela 2, observam-se respostas erradas em mais 10%
dos alunos, ao se referirem ao início da busca da origem do Universo à descoberta
que a Terra era redonda (5%) ou quando o homem descobriu a radiação cósmica
(5%), o que pode estar relacionado à importância dada, pelo professor, a tais
descobertas, conduzindo à fixação de algumas palavras-chave por alguns alunos.
Dez por cento dos alunos afirmam que foi quando surgiu a curiosidade, mas não
destacam o momento ou fatos que tenham sido determinantes para isso.
Nota-se que um grande número de alunos com respostas ilegíveis ou fora de
contexto (15%), mostrando total incompreensão do assunto abordado. Nota-se
também que 15% dos alunos não deram nenhuma opinião, pois deixaram suas
respostas em branco, mesmo após a intervenção. De modo geral, conforme se
observará nas Tabelas a seguir, há um número considerável de alunos que não
responderam às perguntas em sala da aula, ou as responderam fora do contexto. Na
maioria das vezes, estiveram relacionadas aos mesmos alunos, os quais, de modo
geral, apresentam dificuldades no comportamento, apresentam poucos rendimentos
na aprendizagem e atividades escolares em todas as disciplinas, conforme o relato
dos professores e análise dos conselhos de classes realizados no colégio em
questão. O tema insucesso escolar é recorrente nas políticas e discursos
educativos, assim como na análise dos investigadores das “ciências da educação”,
conforme pode concluir Almeida et al. (2007, p. 3629) em Portugal, fato que se
aplica igualmente ao nosso país.
Tabela 2: Respostas obtidas para a pergunta “Quando o ser humano iniciou a busca pela
Origem do Universo?” aos alunos do 8 ano do Ensino Fundamental, antes e após a
intervenção didática.
programático e respectivas porcentagens.
porcentagens.
busca pela Origem do Universo?
- Desde a origem da humanidade (37%) - Há milhões de anos (10,5%) - Quando ocorreu ou quando souberam do Big Bang (21%) - Antes de Cristo (5,25%) - Na Idade Média (5,25%) - Quando inventaram as máquinas (5,25%) - No século XX (10,5%) - Sem resposta (5,25%)
- Desde o início da humanidade (15%) - Há milhões de anos (10%) - Antes de Cristo (25%) - Quando descobriram que a Terra era redonda (5%) - Quando descobriram a radiação cósmica (5%) - Quando surgiu a curiosidade sobre o assunto (10%) - Sem resposta (15%) - Ilegível ou fora de contexto (15%)
Total de alunos 19 20
Fonte: Autora
Nas aulas seguintes ocorreu a contextualização entre mitologia, deuses e a
criação…