UNIVERSIDADE DE £â€°VORA ... Emotional Intelligence, Workplace autonomy and Workplace Well-being: A study

  • View
    0

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of UNIVERSIDADE DE £â€°VORA ... Emotional Intelligence, Workplace autonomy and...

  • UNIVERSIDADE DE ÉVORA

    ESCOLA DE CIÊNCIAS SOCIAIS

    DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA

    Inteligência Emocional, Autonomia e Bem-estar no Trabalho: Um estudo no negócio segurador

    Mário João Guerra Mateus

    Orientação: Prof. Doutor João José da Silva Pissarra

    Mestrado em Psicologia

    Área de especialização: Psicologia do Trabalho e das Organizações

    Dissertação

    Évora, 2017

  • ESCOLA DE CIÊNCIAS SOCIAIS

    DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA

    Inteligência Emocional, Autonomia e Bem-estar no Trabalho: Um estudo no negócio segurador

    Mário João Guerra Mateus

    Orientação: Prof. Doutor João José da Silva Pissarra

    Mestrado em Psicologia

    Área de especialização: Psicologia do Trabalho e das Organizações

    Dissertação

    Évora, 2017

  • I

    Agradecimentos

    Por mais que quisesse caminhar sozinho, continuaria a ter a força dos que me fazem

    crescer e a motivação dos que me impulsionam para chegar mais longe. O meu destino seria

    completamente diferente sem aqueles com quem caminhei e que, assim, merecem um

    especial agradecimento:

    Ao orientador deste trabalho, Professor João Pissarra, que apesar das adversidades

    e constrangimentos manteve o seu apoio e dedicação até ao final da jornada.

    Aos amigos que caminharam comigo desde o início, Rita, Bruno e Joana, a vossa

    conduta foi exemplar e a vossa amizade um privilégio.

    Ao conjunto de amigos que compõem a equipa Fidelidade, que me prestaram apoio

    integral e me deram a oportunidade de crescer enquanto profissional – foi uma honra

    trabalhar convosco.

    À Professora Fátima Bernardo que sempre foi além da sua obrigação, dando-me apoio

    e inspiração nas diversas fases do meu percurso académico.

    Aos heróis desconhecidos que lutam para eliminar as barreiras que constrangem o

    progresso da ciência.

    À Marion, pela compreensão e apoio incondicional. Foste um exemplo de força, e, a

    cada dia, uma crescente motivação para dar o melhor de mim.

    E um especial agradecimento à família, Diogo e Nuno, com relevo para ti, pai, que

    sempre foste o meu timoneiro incondicional nesta viagem, e para ti mãe, pela confiança e

    orgulho que sempre tiveste em mim. Sem vocês, talvez fosse possível, mas não faria sentido.

  • II

    Inteligência Emocional, Autonomia e Bem-estar no Trabalho: Um estudo no negócio segurador.

    Resumo

    Investigou-se a relação entre a inteligência emocional de traços e o bem-estar no trabalho,

    controlando o efeito da autonomia no trabalho. A amostra foi constituída por 171

    trabalhadores de uma empresa de seguros e recolhida através de um processo de

    amostragem não-probabilístico por via de questionários de autorrelato.

    Os resultados atestam a existência de uma correlação positiva fraca entre a inteligência

    emocional de traços e o bem-estar no trabalho. Verificou-se também uma correlação positiva

    moderada entre a autonomia no trabalho e o bem-estar no trabalho. Cumpridos três dos

    quatro pressupostos do teste de mediação entre variáveis de Baron e Kenny, corroborou-se

    a existência de mediação parcial por parte da autonomia no trabalho sobre a relação entre a

    inteligência emocional de traços e o bem-estar no trabalho.

    Discutiu-se as implicações práticas e teóricas dos resultados observados, bem como as suas

    limitações, apresentando-se sugestões para investigação futura.

    Palavras-chave: Inteligência emocional de traços; bem-estar no trabalho; autonomia no

    trabalho; efeito de mediação; seguros.

  • III

    Emotional Intelligence, Workplace autonomy and Workplace Well-being: A study in the insurance business.

    Abstract

    The relationship between trait emotional intelligence and workplace well-being was

    investigated, controlling the effects of workplace autonomy. The sample consisted of 171

    employees of an insurance company and was collected using a non-probabilistic sampling

    process with self-report questionnaires.

    The results indicate the existence of a positive and weak correlation between trait emotional

    intelligence and workplace well-being. A positive and moderate correlation between workplace

    autonomy and workplace well-being was also found. Three of the four assumptions of the

    mediation test between variables, from Baron and Kenny, suggested the existence of a partial

    mediation of the variable workplace autonomy over the correlation between trait emotional

    intelligence and workplace well-being.

    The practical and theoretical implications of these results were discussed, as well as the

    limitations of the study. Suggestions for future research were outlined.

    Keywords: Trait emotional intelligence; workplace well-being; workplace autonomy;

    mediation effect; insurance.

  • IV

    Lista de abreviaturas

    ANT: Autonomia no trabalho

    BET: Bem-estar no trabalho

    EBET: Escala de Bem-Estar no Trabalho

    IE: Inteligência emocional

    IET: Inteligência emocional de traços

    TEIQue-SF: Trait Emotional Intelligence Questionnaire – Short Form

    WAS: Work Autonomy Scale

  • V

    Índice

    Introdução ......................................................................................................................... 1

    I. Capítulo – Enquadramento teórico ..................................................................................... 4

    1. Inteligência emocional ................................................................................................ 4

    1.1. História e desenvolvimento do conceito inteligência emocional. .......................... 4

    1.2. Métodos e instrumentos de medida do constructo. ............................................ 10

    2. Bem-estar no trabalho .............................................................................................. 15

    2.1. História e desenvolvimento do conceito bem-estar no trabalho. ........................ 15

    2.2. Métodos e instrumentos de medida do constructo. ............................................ 20

    3. Autonomia no trabalho ............................................................................................. 23

    3.1. História e desenvolvimento do conceito autonomia no trabalho. ....................... 23

    3.2. Métodos e instrumentos de medida do constructo. ............................................ 25

    4. Debate sobre as relações entre os constructos em análise ...................................... 27

    5. Modelo de hipóteses ................................................................................................ 35

    II. Capítulo – Estudo empírico ............................................................................................. 36

    6. Método ..................................................................................................................... 36

    6.1. Natureza do estudo ........................................................................................... 36

    6.2. Participantes ..................................................................................................... 36

    6.3. Procedimento .................................................................................................... 37

    6.4. Resultados ........................................................................................................ 42

    7. Discussão ................................................................................................................. 47

    7.1. Limitações ......................................................................................................... 52

    7.2. Implicações e investigação futura ...................................................................... 53

    8. Conclusão ................................................................................................................ 57

    9. Referências bibliográficas ........................................................................................ 59

  • VI

    Índice de Tabelas

    Tabela 1. Análise de instrumentos de mensuração do constructo inteligência

    emocional……………………………………………………………………………... 14

    Tabela 2. Análise de instrumentos de mensuração do constructo bem-estar no

    trabalho.………………………………………………………………………...…...... 22

    Tabela 3. Análise de instrumentos de mensuração do constructo autonomia no

    trabalho. …………………………………………………………………………........ 26

    Tabela 4. Caracterização da amostra quanto às habilitações literárias e à

    função exercida na empresa.…………………………………………………..…… 37

    Tabela 5. Modificações ao instrumento TEIQue-SF e resultados da análise de

    consistência interna. ……………………………………………………………….