of 480 /480
UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS E FILOSOFIA Programa de Pós-Graduação em História Decifrando a Revolução Bolivariana Estado e luta de classes na Venezuela contemporânea Danilo Spinola Caruso Tese apresentada ao Programa de Pós- Graduação em História da Universidade Federal Fluminense, como requisito para a obtenção do grau de doutor em História, sob a orientação da Professora Doutora Virgínia Fontes 2017

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE - historia.uff.br · Bracamonte, Gavazut, Stalin, Carlos, Gonzalo, Elvin Jones, Nicmer, Alexander, Lucero, Yukency y Yuneski. ¡Hasta la victoria,

Embed Size (px)

Text of UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE - historia.uff.br · Bracamonte, Gavazut, Stalin, Carlos, Gonzalo,...

  • UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

    INSTITUTO DE CINCIAS HUMANAS E FILOSOFIA

    Programa de Ps-Graduao em Histria

    Decifrando a Revoluo Bolivariana

    Estado e luta de classes na Venezuela contempornea

    Danilo Spinola Caruso

    Tese apresentada ao Programa de Ps-

    Graduao em Histria da Universidade

    Federal Fluminense, como requisito para a

    obteno do grau de doutor em Histria,

    sob a orientao da Professora Doutora

    Virgnia Fontes

    2017

  • 2

    Ficha Catalogrfica elaborada pela Biblioteca Central do Gragoat

    C328 Caruso, Danilo Spinola.

    Decifrando a Revoluo Bolivariana - Luta de classes na Venezuela

    contempornea / Danilo Spinola Caruso. 2017.

    500 f.

    Orientadora: Virginia Fontes.

    Tese (Doutorado em Histria) Universidade Federal Fluminense,

    Instituto de Cincias Humanas e Filosofia, Departamento de Histria, 2017.

    Bibliografia: f. 481-500.

    1. Venezuela. 2. Operrios. 3. Bolvar, Simn, 1783-1830. I.

    Fontes, Virginia. II. Universidade Federal Fluminense. Instituto de Cincias

    Humanas e Filosofia. III. Ttulo

  • 3

    BANCA EXAMINADORA

    __________________________________________________________

    Prof. Dr. Virgnia Fontes (Orientadora UFF)

    __________________________________________________________

    Prof. Dr. Carla Ceclia Campos Ferreira (UFRGS)

    __________________________________________________________

    Prof. Dr. Carlos Walter P. Gonalves (UFF)

    __________________________________________________________

    Prof. Dr. Raphael Lana Seabra (UnB)

    __________________________________________________________

    Prof. Dr. Tatiana Silva Poggi de Figueiredo (UFF)

  • 4

    Na poltica, o real o que no se v.

    (Jos Mart)

    Em vez de levar a juzo o marxismo por atraso ou indiferena em relao filosofia

    contempornea, seria o caso, antes, de levar a juzo esta ltima por deliberada e medrosa

    incompreenso da luta de classes e do socialismo.

    (Jos Carlos Maritegui)

    A estrutura do processo vital da sociedade, isto , do processo da produo material,

    s pode desprender-se do seu vu nebuloso e mstico no dia em que for obra de

    homens livremente associados, submetida a seu controle consciente e planejado. Para

    isso, precisa a sociedade de uma base material ou de uma srie de condies

    materiais de existncia, que, por sua vez, s podem ser o resultado de um longo e

    penoso processo de desenvolvimento.

    (Karl Marx)

    Oligarcas temblad, Viva la Libertad!

    (Ezequiel Zamora)

  • 5

    minha querida vov Maria,

    que tanta falta faz aos que ficaram.

  • 6

    AGRADECIMENTOS

    Sou profundamente agradecido:

    Coordenao de Aperfeioamento de Pessoal de Nvel Superior (Capes), por haver

    fornecido os subsdios necessrios para a concluso desta tese.

    minha querida amiga na academia e orientadora na vida, Virgnia Fontes, por tudo

    que me ensinou e pelo companheirismo comigo nas horas difceis desses quatro anos de

    trabalho. Um beijo no corao, Virgnia!

    Aos meus colegas da turma da ps-graduao (e agregados): Andrezinho, Thiago,

    Veridiana, Flvio, Rejane, Demian, Marlia, Pedro, Igor, Andr Guiot e Lineker. Valeu,

    gente, pelas aulas complementares (y otras cositas ms) nos bares da Praa So

    Domingos. Sobrevivemos, meus queridos!

    Aos professores Marcelo Badar e Raphael Seabra, pelas luzes que lanaram para essa

    pesquisa no momento do Exame de Qualificao. Muito obrigado!

    Ao meu amigo Joo Braga Aras, que esteve comigo em Caracas, quando toda essa

    aventura comeou. Um abrao forte, querido!

    Aos colegas pesquisadores bolivarianos, Mariana Bruce e Vicente Ribeiro, pelo apoio e

    pela amizade. Alerta, alerta, alerta que camina! La espada de Bolvar por la Amrica

    Latina!

    Aos amigos de militncia (e de farra tambm, n? Porque ningum de ferro...), que

    acompanharam de perto a maluquice que militar e fazer doutorado ao mesmo tempo,

    justo quando o Brasil ficou de pernas para o ar... Um abrao fraterno e revolucionrio

    para Dodora, Marina, Leonardo Peixe, Roberto Preu, Raul, Mineiro, Nair, Drica,

  • 7

    Paulinha Roots, Thas, rica, Thiago, Dayana, Sozinha, Jussara, Gglio, Lia e Leandro.

    E tambm para os companheiros Zezinho, Raquel Giffoni, Jernimo e Jlio Arajo. A

    luta continua!

    Aos colegas do IFRJ, que seguraram as pontas para que eu pudesse fazer meu

    doutorado! Valeu gente!

    Vanessa, que esteve ao meu lado na maior parte desse caminho.

    E um abrao muito especial para meus amigos venezuelanos, que no s me acolheram,

    como tambm me ensinaram muito e vivero para sempre em minha memria e meu

    corao. Mis queridos, un beso y un abrazo de este brasileo que ahora tambin es un

    poco venezolano (y de 23!)! Muchas gracias Zuleika, Juan, Gustavo, Daniel, Leonardo

    Bracamonte, Gavazut, Stalin, Carlos, Gonzalo, Elvin Jones, Nicmer, Alexander,

    Lucero, Yukency y Yuneski. Hasta la victoria, siempre! Venceremos!

    Finalmente, minha querida famlia, com quem sempre posso contar, e que me

    apoiaram nesse perodo em que tanto precisei. Em especial para minha me e meu pai,

    que me ajudaram tanto!

  • 8

    RESUMO

    Esta tese apresenta o processo histrico de formao das classes sociais e do Estado

    venezuelano, a partir das condies do capitalismo dependente e da estrutura

    socioeconmica petroleiro-rentista, para em seguida propor uma interpretao marxista

    da Revoluo Bolivariana, focalizada nas condies da luta de classes na Venezuela

    contempornea. So analisados os fatores pelos quais o chavismo passou a aglutinar as

    lutas fragmentadas das camadas subalternas, verificando-se as disputas ocorridas no

    interior do campo revolucinrio pela direo poltica do processo de transformaes da

    sociedade. As caracterticas do governo de Hugo Rafael Chvez Frias suas mudanas

    ao longo do tempo; os fatores que explicam suas vitrias / avanos e suas derrotas /

    recuos; etc so analisadas luz das reconfiguraes na estrutura de classes a partir do

    processo bolivariano, verificando como se criaram as condies para a ascenso poltica

    dos grupos que atualmente disputam o poder na Venezuela, j na gesto de Nicols

    Maduro Moros. Por fim, a tese apresenta tambm um estudo de caso, focalizado na

    regio industrial de Guayana, ao leste do pas, visando aprofundar a anlise e verificar a

    validade das hipteses centrais apresentadas para o conjunto do processo.

    Palavras-chave: Venezuela Revoluo Bolivariana movimento operrio

    bolivarianismo

  • 9

    RESUMEN

    Esta tesis presenta el proceso histrico de formacin de las clases sociales y el Estado

    venezolano, a partir de las condiciones del capitalismo dependiente y de la estructura

    socioeconmica petrolero-rentista; a continuacin, proponemos una interpretacin

    marxista de la Revolucin Bolivariana, centrada en las condiciones de la lucha de clases

    en la Venezuela contempornea. Son analisados los factores por los cuales el chavismo

    vino a unir las luchas fragmentadas de las clases subalternas, verificandose los

    conflictos que se producieron dentro del campo revolucinrio, acerca de la direccin

    poltica del proceso de transformacin de la sociedad. Las caracterticas de gobierno de

    Hugo Rafael Chvez Fras sus cambios en el tiempo; los factores que explican sus

    victorias / avances y sus derrotas / retrocesos; etc se analizan a la luz de las

    reconfiguraciones en la estructura de clases, producto del proceso bolivariano,

    comprobando cmo se crearon las condiciones para el ascenso poltico de los grupos

    que actualmente compiten por el poder en Venezuela, ya en la gestin de Nicols

    Maduro Moros. Por ltimo, la tesis tambin presenta un estudio de caso, centrado en la

    regin industrial de Guayana, al este del pas, con el objetivo de profundizar la anlisis

    y comprobar la validez de los supuestos bsicos para el conjunto del proceso.

  • 10

    LISTA DE GRFICOS

    Grfico 1 Porcentagem da populao urbana em relao populao geral .. p. 61

    Grfico 2 Percentual de votao nas eleies parlamentares venezuelanas

    (1958 1988) ......................................................................................................

    p. 93

    Grfico 3 Nmero de protestos populares na Venezuela ................................. p. 167

    Grfico 4 Volume de produo da indstria privada (ndice geral) ................ p. 263

    Grfico 5 Salrio mdio (1998-2013) .............................................................. p. 287

    Grfico 6 Volume de vendas do comrcio interior (1999-2012) ..................... p. 288

    Grfico 7 Importao de bens de consumo (milhes de dlares) .................... p. 290

    Grfico 8 Cotao do dlar paralelo em bolvares (cf.: Dolar Today) ............ p. 325

    Grfico 9 ndice de preos ao consumidor (1998-2015).................................. p. 326

    LISTA DE QUADROS

    Esquema geral das principais correntes sindicais venezuelanas ......................... p. 360

    LISTA DE TABELAS

    Tabela 1 Composio das exportaes da Venezuela (1920-1935) ................ p. 55

    Tabela 2 Investimentos da NED e da USAID na Venezuela ........................... p. 193

    Tabela 3 ndice da produo da indstria privada por setor ............................ p. 262

    Tabela 4 Junta Diretiva da SIDOR (2007) ...................................................... p. 397

    LISTA DE FIGURAS

    Figura 1 Plan Nacional Simn Bolvar Primer Plan Socialista ................... p. 234

    Figura 2 Estrutura gerencial das indstrias de Guayana (cf.: Primer Plan

    Socialista) ...........................................................................................................

    p. 408

  • 11

    LISTA DE SIGLAS

    AD Accin Democrtica

    ALCASA Alumnios del Coroni S.A.

    ANC Assembleia Nacional Constituinte

    BCV Banco Nacional da Venezuela

    CADAFE Compaa Annima de Administracin y Fomento Elctrico y sus

    Empresas Filiales

    CADIVI - Comisin de Administracin de Divisas

    CAP Carlos Andrs Prez

    CANVAS Center of Applied Non Violent Action & Strategies

    CC Consejos Comunales

    C-CURA Corriente Clasista, Unitaria, Revolucionaria Y Autnoma

    CNE Consejo Nacional Electoral

    CNV Constructora Nacional de Vlvulas

    COPEI Comit de Organizacin Poltica y Electoral Independiente

    CTR Colectivo de Trabajadores en Revolucin

    CTU Comits de Tierras Urbanas

    CTV Confederacin de Trabajadores de Venezuela

    CVG Corporacin Venezolana Guayana

    INVEVAL Indstria Nacional Venezolana Endgena de Valvulas.

    DISIP Direccin General Sectorial de los Servicios de Inteligencia y prevencin

    EPS Empresas de Produccin Social

    FBT / FSBT Fuerza Bolivariana de los Trabajadores / Fuerza Socialista Bolivariana

    de los Trabjadores

    FEDECMARAS Federacin de Cmaras de Comercio y Produccin

    IRI International Republican Institute

    LCR La Causa Radical

  • 12

    LOCC Ley Orgnica de los Consejos Comunales

    LOT Ley Orgnica del Trabajo

    MAS Movimiento al Socialismo

    MBR-200 Movimiento Bolivariano Revolucionrio 200

    MEP Movimiento Electoral del Pueblo

    MIR Movimiento de Izquierda Revolucionria

    MTA Mesa Tcnica de gua

    MUD Mesa de Unidad Democrtica

    MVR Movimiento Quinta Republica

    NDI National Democratic Institute for International Affairs

    NED National Endowment for Democracy

    PCV Partido Comunista de Venezuela

    PDVSA Petrleos de Venezuela S. A.

    PPS Primer Plan Socialista

    PPT Ptria para Todos

    PRV Partido de la Revolucin Venezolana

    PSUV Partido Socialista Unido de Venezuela

    RCTV Radio Caracas de Televisin

    SIDOR Siderrgica del Orinoco

    UBV Universidade Bolivariana de Venezuela

    UBE Unidades de Batalle Electoral

    UCAB Universidad Catlica Andrs Bello

    UCV Universidad Central de Venezuela

    UNE Unin Nacional Estudantil

    UNETE / UNT Unin Nacional de los Trabajadores

    UPM Unin Patritica Militar

    URD Unin Republicana Democrtica

  • 13

    SUMRIO

    Introduo ........................................................................................................... p. 15

    Captulo 1 - Luta de classes, Estado e formao da sociedade venezuelana ...... p. 24

    1.1 - Bolvar e a Revoluo de Independncia ................................................... p. 26

    1.2 - A longa luta pela centralizao poltica venezuelana ................................. p. 32

    1.3 - Fundamentos de uma economia poltica do petrleo e da dependncia ..... p. 39

    1.3.1 - O papel da renda da terra no capitalismo perifrico ...................... p. 44

    1.4 - A consolidao da Venezuela petroleiro-rentista ....................................... p. 53

    1.5 - As ditaduras petroleiras .............................................................................. p. 63

    1.6 - O Pacto de Punto Fijo ................................................................................. p. 79

    1.7 - Cultura popular e imaginrio nacional na Venezuela petroleira ................ p. 83

    1.8 - A Democracia Puntofijista ......................................................................... p. 92

    1.8.1 - O projeto da Gran Venezuela .................................................... p. 95

    1.8.2 - Crise e Abertura Petroleira ....................................................... p. 103

    1.9 - O Caracazo ................................................................................................. p. 110

    1.10 - O 4 de Febrero ......................................................................................... p. 118

    Captulo 2 - O MBR-200 e o nascimento do chavismo ...................................... p. 121

    2.1 - O MBR-200 e o pensamento bolivariano ................................................... p. 126

    2.1.1 - A influncia do marxismo .............................................................. p. 138

    2.2 - Limites e potencialidades da proposta bolivariana ..................................... p. 139

    2.3 - Rumo ao poder ........................................................................................... p. 145

    Captulo 3 Decifrando o governo Chvez (1999-2005) .................................. p. 163

    3.1 - A Constituio Bolivariana e o Perodo de Transio (1999-2001) ....... p. 168

    3.2 - A radicalizao do processo bolivariano (2001-2005) ............................... p. 191

    3.2.1 - Golpe e contra-golpe em abril de 2002 .......................................... p. 197

  • 14

    3.2.2 - O Paro Petrolero e as primeiras experincias de controle operrio p. 209

    3.2.3 - As Misses Sociais ........................................................................ p. 217

    3.2.4 - O Plan Guarimba e o Referendo Revogatrio .......................... p. 223

    3.2.5 - O Socialismo do Sculo XXI ......................................................... p. 228

    Captulo 4 Decifrando o Governo Chvez (2005-2012) .................................. p. 231

    4.1 - Os Conselhos Comunais ............................................................................. p. 235

    4.2 - O PSUV ...................................................................................................... p. 244

    4.3 - A Reforma Constitucional de 2007 ............................................................ p. 248

    4.4 - Em busca de um novo modelo econmico ................................................. p. 259

    4.4.1 - As ocupaes de fbricas e a poltica de nacionalizaes ............. p. 268

    4.5 - Cooperativismo, Economia Social e o surgimento das Comunas .......... p. 292

    4.5.1 - As Comunas ................................................................................... p. 301

    4.6 - O avano da oposio antichavista ............................................................. p. 311

    4.7 A crise ps-Chvez..................................................................................... p. 319

    Captulo 5 - O movimento operrio bolivariano e as experincias de controle

    operrio nas indstrias siderrgicas de Guayana.................................................

    p. 336

    5.1 - O movimento sindical durante o governo Chvez ..................................... p. 340

    5.2 - A cogestin revolucinria nas empresas estatais ........................................ p. 361

    5.2.1 - A cogestin na CADAFE ............................................................... p. 361

    5.2.2 - A cogestin na Alcasa .................................................................... p. 368

    5.3 - A nacionalizao da Sidor e o Plan Guayana Socialista ........................... p. 395

    Concluso ........................................................................................................... p. 431

    Bibliografia ......................................................................................................... p. 459

  • 15

    INTRODUO

    As foras que movem as revolues residem nas contradies que se manifestam

    no desenvolvimento da histria. Porquanto houver homens e mulheres que tomem

    conscincia dessas contradies seja pela razo, pela teoria ou mesmo pela paixo,

    como dizia Maritegui e estejam dispostos a lutar contra elas, persistir o impulso que

    leva novos e antigos revolucionrios de volta batalha, no importando quo difceis

    sejam as circunstncias. Persistir a fora que, tal brasa que recusa se converter em

    cinzas, atravessa geraes e faz os povos erguerem novamente suas bandeiras, em meio

    a quantos foram os mortos e os escombros. Essa tese trata de um novo captulo dessa

    mesma trama, que insiste em ser continuamente reencenada.

    Acreditamos que a histria apresenta, de alguma maneira, uma condensao que

    faz com que certos acontecimentos sejam inquestionveis. No dia 27 de fevereiro de

    1989, por exemplo, milhes de trabalhadores venezuelanos ganharam as ruas, numa

    insurreio que posteriormente seria considerada o incio da Revoluo Bolivariana.

    Podemos tecer todo tipo de consideraes quanto a esse episdio; mas, em relao ao

    fato em si, no h discusso: iniciou-se uma grande revolta popular naquele dia, e ponto

    final. As dificuldades aparecem quando se questiona os fatos a partir do processo

    histrico que os contextualiza (o que os motivou aqueles trabalhadores insurretos? Por

    que motivos e mtodos a rebelio foi debelada? Qual o significado histrico que ela

    teria nos anos subsequentes? Etc.). Sabemos que o fazer historiogrfico , sempre, um

    ato poltico, porque o historiador sempre olha o passado com base nas subjetividades

    em disputa no presente; mas, quando se busca uma interpretao historiogrfica sobre o

    prprio tempo presente, preciso um cuidado redobrado. A vivncia do calor dos

    acontecimentos pode tornar mais rica a anlise historiogrfica, mas no pode afast-la

    da busca pela mxima objetividade possvel.

    O objeto deste trabalho o processo da Revoluo Bolivariana. Ao longo do

    trabalho de pesquisa, tivemos que reestruturar nossa abordagem repetidas vezes, desde a

    elaborao do projeto inicial, em 2012, at a presente redao. No poderia ser

    diferente, dada a intensidade com que novas problemticas se impuseram, revelando

    questes que, mesmo quando j se manifestavam de forma embrionria, se tornaram

    mais claras com o passar do tempo. Confrontamos todas nossas hipteses iniciais com

    as evidncias colhidas no trabalho de campo e na discusso bibliogrfica, e no nos

    furtamos em abandona-las ou reformula-las sempre que necessrio. No partimos de

  • 16

    julgamentos pr-concebidos, nem nos orientamos no sentido de comprovar pontos de

    vista concebidos a priori, ignorando os fatores que apontassem em outra direo. Os

    alicerces conceituais que embasaram nosso olhar no nos impediram de considerar

    tambm outras vises e outros autores, cujas anlises so calcadas em pressupostos

    tericos distintos dos nossos. Dialogamos com diferentes formas de abordar os mesmos

    problemas, e nos transformamos ao longo do processo, tal qual o prprio objeto tambm

    se transformou. Desde o incio, porm, estava claro o caminho que pretendamos seguir:

    analisar a sociedade venezuelana em transformao a partir das determinaes impostas

    pelo seu movimento concreto, dado pela luta de classes essa objetividade no-sensvel

    do real, dada por relaes sociais concretas que os indivduos estabelecem entre si, e

    que tantas vezes convenientemente olvidada.

    Para orientar o leitor na leitura deste trabalho, importante deixar claro alguns

    elementos centrais de nossa anlise. Em primeiro lugar, preciso ter presente que a

    Revoluo Bolivariana, como todo processo revolucionrio, prisioneira de seu tempo.

    Ocorreu em um mundo praticamente unipolar, dominado por uma nica superpotncia

    irradiadora de uma viso-de-mundo que, podemos dizer, busca abertamente caracterizar

    a si mesma como um pensamento nico, que desautoriza cotidianamente a discusso de

    qualquer alternativa, qualquer projeo de futuro distinta ao capitalismo ou, melhor

    dizendo, sua forma atualmente dominante, isto , o capitalismo neoliberal. Um mundo

    em que todos os adversrios do capital teriam sido derrotados, e nada restaria

    humanidade seno adaptar-se, sem contestaes, a uma nova realidade na qual todos os

    aspectos da experincia social humana e da natureza podem (ou mesmo devem) ser

    mercantilizados e colocados a servio da acumulao. claro que aqui e ali se ergueram

    novos adversrios (como o Levante Zapatista, no Mxico), bem como se mantiveram de

    p outros velhos conhecidos (como a Revoluo Cubana); no entanto, seria na

    Venezuela que ocorreria a principal experincia revolucionria desse incio de milnio.

    Contra tudo e contra todos, de forma isolada e quase quixotesca, milhes de

    venezuelanos enfrentaram o fatalismo do pensamento nico, reafirmando que os

    homens e as mulheres, afinal, ainda preservam dentro de si um desejo de liberdade e a

    vontade de serem senhores e senhoras de seu prprio destino. Contra essa ousadia,

    mobilizaram-se todas as armas: assassinatos; prises; manipulaes miditicas;

    cooptaes governamentais; golpes militares; sabotagens econmicas; violncias de

    Estado. E, mesmo assim, o processo seguiu e segue adiante, em meio a muitas derrotas,

    mas tambm importantes vitrias.

  • 17

    Deve-se tambm atentar para o fato de que o processo bolivariano est

    intimamente ligado s contradies especficas da sociedade venezuelana, e s a partir

    delas pode ser compreendido. Como em qualquer pas da periferia do capitalismo, o

    desenvolvimento histrico da Venezuela apresenta caractersticas facilmente

    identificveis em muitos outros pases; mas tambm apresenta aspectos muito

    singulares. Os elementos culturais de seu povo; a maneira como as relaes capitalistas

    de produo se consolidaram no pas; suas formas de Estado e seus diferentes sistemas

    polticos; tudo, enfim, precisa ser considerado. Sem mergulhar na histria pregressa da

    Venezuela, impossvel realmente apreender as determinaes que deram movimento

    Revoluo Bolivariana. Por isso, recomendamos ao leitor o abandono de certos modelos

    apriorsticos de revoluo, supostamente aplicveis a qualquer realidade nacional.

    verdade que o sistema capitalista tem contradies fundamentais, contra as quais

    qualquer processo revolucionrio precisa se enfrentar; no entanto, a forma como se d

    esse enfrentamento s pode advir de condies histricas concretas. O acmulo dado

    pelas lutas do passado que iluminam (e muito) as lutas do presente no se traduz em

    dogmas irretocveis, capazes de conduzir triunfalmente os trabalhadores sua

    emancipao. Fosse assim, certamente o capitalismo j teria sido superado.

    Recomendamos tambm que o leitor procure identificar, nas prximas pginas,

    os sujeitos histricos fundamentais do processo. Desde j, achamos por bem limpar o

    terreno, deixando claro aqui do que tratamos: nossa abordagem no confunde o

    processo histrico da Revoluo Bolivariana com governos ou grandes lderes.

    evidente que o governo de Hugo Rafael Chvez Frias constitui elemento central de

    nosso tema, mas de forma alguma o define por si s. Como indivduo e como

    presidente, Chvez tomou decises tanto em favor como contra a transformao radical

    da sociedade venezuelana; trilhou caminhos que ora apontavam para o socialismo, ora

    desviaram-se dele. Foi, sem dvida, um ator importantssimo, sempre no centro do

    turbilho; mas, ao mesmo tempo, foi tambm produto do processo revolucionrio, com

    todas as suas contradies. O chavismo, portanto, apenas parte, no o todo. Alm

    disso, salientamos tambm que qualquer pr-julgamento das personalidades histricas

    fundamentais da Revoluo Bolivariana s levar o leitor a concluses apressadas e/ou

    simplistas (esperamos que, ao final da leitura deste trabalho, fique claro que este no foi

    o caminho que buscamos trilhar).

    A Revoluo Bolivariana no apresentou desde sempre um cariz socialista. Ao

    contrrio, se considerarmos aquele que quase unanimemente tido como seu marco

  • 18

    inicial a insurreio popular do Caracazo, em 1989 verificaremos que o processo

    nasceu de um enfrentamento difuso contra as polticas neoliberais, sem um carter

    abertamente anti-capitalista. O termo Revoluo Bolivariana, por sua vez, s emergiu

    posteriormente, quando o conjunto fragmentado das lutas sociais dos trabalhadores

    passou se unificar em torno da liderana de Chvez, quase dez anos depois do

    Caracazo. E, finalmente, foi s a partir de 2005, com a reivindicao da bandeira do

    Socialismo do Sculo XXI pelos atores fundamentais do processo, que se iniciaram

    questionamentos mais profundos e concretos em relao ordem do capital. Ao longo

    de todo este caminho, diferentes concepes tericas e referenciais de luta foram sendo

    agregadas, sem que jamais se estabelecesse uma ortodoxia que delimitasse claramente

    as fronteiras que separavam os revolucionrios dos no-revolucionrios. Tal

    caracterstica trouxe muito da riqueza do processo bolivariano; mas tambm implicou

    em importantes limitaes. Particularmente, preciso ter presente que a direo poltica

    das transformaes em curso nunca pde se estabelecer muito claramente (mesmo com

    as inflexes centralizadoras que, particularmente a partir de 2006, o governo Chvez

    passou a empreender). Aqui preciso, novamente, distinguir o governo Chvez do

    processo bolivariano como um todo; em relao a este ltimo, nunca se estabeleceu

    uma direo clara que apontasse para um modelo definido de socialismo que se

    desejava implantar.

    essencial ressaltar tambm a heterogeneidade que marcou as foras polticas

    em disputa. claro que a Revoluo Bolivariana foi marcada pela oposio

    fundamental entre chavistas e antichavistas; mas nenhum desses dois campos se

    constituiu como um todo monoltico. Particularmente, preciso atentar para as muitas

    diferenas existentes nas fileiras revolucionrias (dentro e fora do governo), e para o

    fato de que os atores fundamentais do processo modificaram ao longo do tempo suas

    concepes prvias e mesmo o horizonte de objetivos que pretendiam alcanar.

    Em parte, essa questo se relaciona incipincia da tradio socialista

    internacional no que diz respeito teoria da transio. O prprio Marx, a esse respeito,

    ofereceu apenas alguns apontamentos, geralmente relacionados anlise das

    experincias e das tarefas revolucionrias de seu tempo j que, pelos termos do

    prprio materialismo histrico, a teorizao das questes referentes construo do

    socialismo s pode ser feitas a partir da anlise das experincias concretas de tomada do

    poder pela classe trabalhadora, as quais continuam, at os dias de hoje, muito escassas

    (no esquecendo, a este respeito, que o chamado socialismo real, paradigmaticamente

  • 19

    representado pelos modelos implantados no Leste Europeu, redundou em formas

    burocrticas de capitalismo de Estado que no representaram, na prtica, o exerccio

    efetivo do poder pelos trabalhadores). De modo que, mesmo no mbito do marxismo, h

    ainda um longo caminho a percorrer no que tange discusso terica acerca da

    transio, isto , da construo do socialismo em si. De modo inverso, grandes avanos

    se realizaram no que diz respeito compreenso, por exemplo, do capital e de seu

    desenvolvimento ao longo do tempo; do carter ontolgico do ser social; dos problemas

    referentes ao Estado e tomada do poder; da compreenso da questo da ideologia; etc.

    Partiremos em nossa anlise desse acmulo j realizado; mas, a partir dele,

    penetraremos em um campo no qual h muitas perguntas ainda sem resposta.

    No caso venezuelano, concepes muito diferentes de socialismo digladiaram-se

    no interior do campo chavista, cada uma implicando em diferentes estratgias de

    transio. E essa disputa, como veremos no decorrer das prximas pginas, se

    materializou em diferentes grupos especficos que disputaram a direo do processo, ao

    mesmo tempo em que enfrentaram a oposio antichavista. Pretendemos demonstrar ao

    leitor que, nessa intensa disputa poltica, surgiram setores no campo bolivariano cujo

    projeto de poder, em muitos aspectos, no se diferencia em essncia daquele defendido

    pela oposio. Essa similitude no necessariamente estava dada desde o incio; mas,

    medida em que novas relaes de poder se estabeleceram no pas, derivadas dos

    confrontos que se sucederam, torna-se inescapvel concluir que no seio do prprio

    chavismo emergiram grupos que, desde suas posies no interior dos aparelhos de

    Estado, passaram a agir em funo de interesses contra-revolucionrios, a despeito de

    sua retrica supostamente socialista. Ao mesmo tempo, demonstraremos tambm que

    todo esse processo deixou como legado grandes massas organizados e dispostas a

    lutarem por uma real emancipao dos trabalhadores, as quais seguem incansveis em

    sua luta.

    Em resumo, a anlise que apresentamos nesse trabalho narra um entrechoque de

    foras que envolveu fundamentalmente trs elementos: i) as foras da oposio

    antichavista que, comprometidas com a agenda neoliberal, tentaram interromper o

    processo bolivariano pela fora ou, pelo menos, limitar o exerccio da democracia s

    formas tradicionais de representao poltica, consagradas pelo pensamento liberal e

    institucionalizadas na maior parte das repblicas ditas democrticas do sistema

    capitalista; ii) os setores esquerda que apoiaram o chavismo, e que se organizaram

    pela base tanto entre as fraes mais precarizadas da classe trabalhadora (no campo e

  • 20

    nas cidades) quanto no operariado industrial e nas baixas patentes militares; e iii) um

    setor tambm ligado ao chavismo, porm formado por militares de mais alta patente e

    grupos de origem sindical que se apoiaram no processo bolivariano para ascender a

    posies de poder no Estado, visando perpetuar a si mesmo como uma nova frao de

    classe dominante. Em comum, o primeiro e o ltimo desses elementos apresentam a

    disposio de perpetuar as formas dependentes e altamente exploratrias do capitalismo

    rentista venezuelano, baseadas na perpetuao das trocas desiguais com o mercado

    mundial, sustentadas economicamente pelo saqueio das riquezas naturais do pas, em

    benefcio de poucos.

    Para comprovar essa hiptese fundamental, dividimos nossa anlise em cinco

    captulos. O captulo 1 apresenta as caractersticas fundamentais da formao histrica

    da Venezuela. Obviamente, para que no fugssemos de nosso tema, nossas pretenses

    no poderiam deixar de ser modestas em relao a essa questo: focalizamos

    fundamentalmente os elementos essenciais que, ao nosso ver, so necessrios para a

    compreenso do atual processo bolivariano, e que do sustentao nossa

    argumentao subsequente. importante que o leitor no estranhe o recuo cronolgico

    aos primrdios da independncia do pas, posto que ele se justifica na medida em que o

    chavismo chegou ao poder atravs do recurso reinterpretao do legado das lutas

    sociais e revolucionrias do sculo XIX, adaptando-as s contradies da Venezuela

    contempornea. Em seguida, analisamos a conformao do moderno Estado-Nacional

    venezuelano, nos marcos do capitalismo perifrico dependente que, no caso da

    Venezuela, se traduziu em uma estrutura socioeconmica petroleiro-rentista.

    Finalmente, tratamos da ascenso e crise da chamada Democracia de Punto Fijo (1958-

    1998), cujo ocaso se anunciou com a insurreio popular conhecida como Caracazo

    (1989) e com as sublevaes militares de 1992 que trouxeram para o centro da arena

    poltica do pas o Movimiento Bolivariano Revolucionrio 200 (MBR-200), liderado

    pelo ento Tenente-Coronel Hugo Rafael Chvez Frias.

    No captulo 2, analisamos as origens do MBR-200 e sua ideologia bolivariana,

    procurando trazer tona os fatores, objetivos e subjetivos, que levaram o movimento a

    aglutinar as formas fragmentadas de luta dos trabalhadores em uma alternativa poltica

    unificada em torno da liderana de Hugo Chvez, at sua vitria eleitoral nas eleies

    presidenciais de 1998. Apontaremos tambm algumas das contradies existentes entre

    os objetivos proclamados pelo chavismo, poca, e os meios pelos quais esperava-se

    atingi-los. Para o leitor pouco familiarizado com os referenciais ideolgicos

  • 21

    bolivarianos, este captulo oferecer importantes subsdios para uma compreenso do

    fenmeno chavista que v alm das anlises simplistas, presentes tanto na mdia quanto

    em parte da bibliografia sobre o tema, que tentam caracterizar o governo Chvez a partir

    de chaves interpretativas pouco precisas tais como o populismo (em suas muito

    distintas concepes), caudilhismo, etc.

    Os captulos 3 e 4 dedicam-se anlise geral dos 14 anos de governo de Hugo

    Chvez (1999-2013), avanando ainda sobre os anos iniciais do atual governo de

    Nicols Maduro. Analisamos primeiramente o perodo 1999-2005, que marcado pelo

    conflito fundamental entre a oposio antichavista e o conjunto do campo bolivariano.

    o momento do auge das mobilizaes populares em sua luta contra o neoliberalismo e

    contra os modelos tradicionais de representao poltica, sustentados pelo pensamento

    liberal. Tambm nesse perodo que se iniciam as primeiras experincias de ocupao

    de fbricas e terras pelos trabalhadores organizados, as quais viriam a impor ao governo

    uma inflexo decisiva esquerda. O chavismo gradativamente evolui de uma posio

    crtica ao neoliberalismo, em favor de polticas econmicas neokeynesianas, para uma

    radicalizao crescente que primeiramente assumiu um carter nacionalista e/ou anti-

    imperialista, para ao final do perodo finalmente reivindicar a bandeira do Socialismo do

    Sculo XXI. Ao mesmo tempo, neste perodo o governo tambm iniciou amplos

    programas sociais, que resultaram numa efetiva redistribuio da renda petrolfera que

    elevou em geral as condies de vida e de acesso ao consumo dos trabalhadores. Do

    lado da oposio antichavista, verifica-se um conjunto de tentativas golpistas e/ou

    sabotadoras, sucessivamente derrotadas pelo movimento popular bolivariano. Ao final,

    a oposio recuou continuamente na guerra de posies que se verificava na sociedade

    civil,1 chegando ao ano de 2005 enfraquecida e fragmentada.

    Em seguida, nos debruamos sobre o perodo 2006-2015, que se inicia com a

    tentativa de supresso das diferenas do campo bolivariano, a partir de iniciativas de

    carter centralizador implementadas pela alta cpula do governo chavista. Essa inflexo

    centralizadora, no mbito do Estado e dos partidos que davam sustentabilidade poltica

    ao governo, se traduziu em um progressivo cerceamento do amplo debate que, no

    perodo anterior, encontrava relativo espao para se realizar. No mbito da sociedade

    poltica, ocorreram tentativas mais ou menos explcitas de tutelamento dos movimentos

    de base, de modo a suprimir parte de sua autonomia, cercear as vozes dissonantes e

    1 Aqui nos referimos ao conceito de Guerra de Posies tal como apresentado por Grasmci nos Cadernos

    do Crcere (particularmente os pargrafos 7 e 24 do caderno 13). Ver GRAMSCI (2000).

  • 22

    unificar o conjunto das foras bolivarianas em favor de uma linha poltica ditada

    diretamente pelo governo. Em parte, essa estratgia visava concentrar os esforos no

    sentido de promover transformaes sociais mais agudas na sociedade, visando superar

    as formas capitalistas de Estado e produo; mas tambm resultaram, ao mesmo tempo,

    na ascenso de setores do chavismo defensores de modelos de socialismo calcados na

    prevalncia do Estado sobre as formas organizativas prprias dos trabalhadores.

    Durante este perodo, Chvez iniciou um amplo processo de expropriaes, ampliando a

    interveno estatal na economia e abrindo espao para algumas experincias de controle

    operrio da produo as quais, contudo, no conseguiram suplantar as foras

    contrrias, manifestadas dentro e fora do governo. Seguiram ocorrendo progressos no

    mbito social; porm, no mbito econmico, o pas viu fortalecer a dependncia em

    relao indstria petroleira, medida que as intervenes do Estado no setor produtivo

    no apresentaram resultados satisfatrios. Do lado da oposio antichavista,

    continuaram ocorrendo toda sorte de sabotagens, especialmente no campo econmico;

    ao mesmo tempo, o perodo assistiu a uma reorganizao dos setores da direita poltica,

    que comeam a se recuperar do recuo ocorrido no perodo anterior. Ao final, a

    polarizao entre chavistas e antichavistas tendeu a dividir ao meio a sociedade

    venezuelana o que se traduziu eleitoralmente na difcil vitria de Nicols Maduro nas

    eleies presidenciais de 2013, ocorridas logo aps a morte de Chvez.

    Ao final do captulo 4, alguns dos elementos centrais que sustentam nossas

    concluses j esto delineados; mas ainda restava nos aprofundar nas contradies

    fundamentais do processo bolivariano, que afloraram justamente no momento em que se

    colocaram em xeque as relaes de produo capitalistas, particularmente no mbito da

    produo industrial. Para dar maior concretude a nossas hipsteses, no captulo 5 nos

    aprofundamos na anlise do movimento operrio venezuelano, apresentando tambm

    um estudo de caso centrado nas transformaes ocorridas na regio metalrgica de

    Guayana, no estado Bolvar (ao leste do pas). Foi em Guayana que ocorreram as mais

    avanadas experincias de controle operrio das indstrias venezuelanas e onde, por

    isso mesmo, foram mais significativos os conflitos envolvendo a oposio, os setores

    burocratizados do governo e as tendncias de esquerda do campo chavista, apoiadas na

    ascenso do movimento operrio. Analisamos com profundidade o modelo da cogestin

    revolucionria, que em tese deveria constituir-se na mais avanada experincia de

    transformao nas relaes produtivas, mas que tambm reafirmou antigas prticas,

    tpicas da Venezuela pr-Chvez. Ao focalizar essa experincia, nosso objetivo

  • 23

    fundamental traduzir, atravs de exemplos concretos, as dificuldades gerais do

    processo bolivariano, que apresentamos nos captulos anteriores. claro que, como

    qualquer estudo de caso, o que realizamos aqui tambm guarda especificidades que no

    podem ser automaticamente generalizadas para os demais setores da economia.

    Contudo, acreditamos que, em seus aspectos mais importantes, as lutas ocorridas em

    Guayana ajudam a clarificar de forma geral as foras polticas de classe que incidiram

    sobre o processo bolivariano como um todo, definindo seus rumos.

    Esperamos que, ao final da leitura, o leitor encontre subsdios que o auxiliem a

    compreender a atual crise social e econmica da Venezuela. A identificao dos erros

    cometidos, assim como dos acertos, servir para uma anlise mais objetiva e

    relativamente desapaixonada do processo, necessria para compreender a Revoluo

    Bolivariana para alm das muitas interpretaes simplistas que predominam no debate

    sobre o tema, tributrias da intensa polarizao poltica existente em relao ao

    chavismo (tanto dentro quanto fora do pas). Fundamentalmente, esperamos contribuir

    para que as transformaes ocorridas sejam avaliadas criticamente, visando reconstituir

    as bases sociais que, na Venezuela (como tambm em outros pases) seguem na luta

    pela democracia e pelo avano rumo construo de uma sociedade emancipada, que

    supere as contradies do capital. Se nosso trabalho puder contribuir para essa

    necessria reflexo, consideramos que atingimos os objetivos que nos propusemos.

  • 24

    CAPTULO 1

    Luta de classes, Estado e formao da sociedade venezuelana

    H um quadro de Klee que se chama Angelus Novus. Representa

    um anjo que parece querer afastar-se de algo que ele encara

    fixamente. Seus olhos esto escancarados, sua boca dilatada,

    suas asas abertas. O anjo da histria deve ter esse aspecto. Seu

    rosto est dirigido para o passado. Onde ns vemos uma cadeia

    de acontecimentos, ele v uma catstrofe nica, que acumula

    incansavelmente runa sobre runa e as dispersa a nossos ps. Ele

    gostaria de deter-se para acordar os mortos e juntar os

    fragmentos. Mas uma tempestade sopra do paraso e prende-se

    em suas asas com tanta fora que ele no pode mais fechlas.

    Essa tempestade o impele irresistivelmente para o futuro, ao qual

    ele vira as costas, enquanto o amontoado de runas cresce at o

    cu. Essa tempestade o que chamamos progresso.

    (Walter Benjamin, 1940)

    A catstrofe e o progresso como duas faces de uma mesma moeda. Poucas

    imagens poderiam ser mais adequadas para representar a formao das modernas naes

    latino-americanas. Aqui, povoamento significou tambm genocdio; progresso, a

    escravido; cidadania, a excluso. No processo de consolidao do sistema capitalista

    mundial, a Amrica Latina se conformou como parte da metade subdesenvolvida e

    dependente, em funo da herana colonial. Os sculos de subordinao s Metrpoles

    fizeram com que parte significativa do excedente gerado nas colnias fosse

    inevitavelmente apropriado pela burguesia mercantil atlntica (na forma de lucro) ou

    pelas Coroas Ibricas (na forma de impostos). A produo em geral sofreu restries, de

    modo a se adequar a interesses externos e tornar a economia colonial complementar a

    das monarquias europeias. Dessas circunstncias, originou-se uma elite econmica

    cujos interesses se articulavam de forma subordinada aos interesses de burguesias

    estrangeiras, reproduzindo a relao de dependncia ao longo da histria, sob

    modalidades sempre renovadas. Este fato, somado brutal concentrao de riqueza

    gerada pela escravido e pelo latifndio, constituiu a dupla-chave do

    subdesenvolvimento latino-americano: dependncia externa e enorme concentrao de

    renda.

    Neste contexto, talvez a principal especificidade da Capitania-Geral da

    Venezuela tenha sido o fato de ter-se constitudo como uma rea relativamente marginal

  • 25

    em relao empresa colonial espanhola. A regio no possua metais preciosos, e seus

    indgenas no apresentavam formas de explorao do trabalho semelhantes s

    encontradas pelos espanhis nos imprios Inca e Asteca (as quais puderam ser

    adaptadas empresa colonial, na forma da Encomienda). Durante algum tempo, na

    Venezuela, a nica atividade econmica relativamente lucrativa para os europeus era o

    apresamento de ndios para exportao s regies mineradoras do oeste. S

    posteriormente, medida que escasseavam os indgenas e crescia a populao mestia,

    iniciou-se uma economia agroexportadora mais significativa, baseada em produtos

    como o acar e o tabaco (posteriormente, tambm o cacau). Por volta do sculo XVII,

    a Capitania tornou-se prspera o suficiente para financiar a importao de africanos, que

    foram introduzidos no trabalho como escravos.

    Apesar desse desenvolvimento, os navios espanhis continuaram dando pouca

    ateno ao comrcio com a regio, de modo que os criollos venezuelanos negociavam

    seus produtos quase livremente com contrabandistas ingleses, franceses e holandeses.

    Foi somente em princpios do sculo XVIII, sob o risco de perder sua colnia para

    estrangeiros e em virtude do gradual esgotamento das regies mineradoras, que a Coroa

    Espanhola criou a Companhia Guipuzcoana, que deveria monopolizar o comrcio dos

    gneros agrcolas exportveis da Capitania-Geral da Venezuela. Contudo, a implantao

    tardia do exclusivo comercial no foi bem aceita pelos latifundirios locais,

    acostumados a comercializar livremente seus produtos; quanto mais estes se

    valorizavam no mercado internacional, maior se tornava o sentimento autonomista

    tambm fortalecido pelas restries impostas pela Coroa espanhola para a ascenso dos

    criollos enriquecidos aos cargos mais valorizados da administrao colonial.

    Em fins do sculo XVIII, a combinao da plantation para exportao com a

    produo interna de alimentos e a pecuria extensiva fez das colnias da Venezuela e da

    Nova Granada (atual Colmbia) as mais equilibradas e prsperas da Amrica Hispnica,

    ( frente das regies mineradoras, outrora mais ricas). No por acaso, quando sopraram

    os ventos do Iluminismo, foi nessas colnias que floresceram os primeiros e principais

    movimentos de conspirao anti-colonial, que confluiriam para a Revoluo liderada

    por Simn Bolvar, em princpios do sculo XIX.

    Simn Bolvar, o Libertador, o personagem central no somente da

    independncia da Venezuela, mas da prpria idiossincrasia nacional venezuelana. Seu

    nome e imagem fazem parte da paisagem de praticamente todas as cidades do pas,

    marcando inevitavelmente a memria de qualquer um que visite o visite. O exame da

  • 26

    herana histrica de Bolvar, no entanto, tarefa das mais desafiadoras, dado o

    monumental acervo de fontes referentes a ele e as mltiplas interpretaes acerca de seu

    legado. Obviamente, foge ao escopo deste trabalho o aprofundamento nesse debate; mas

    necessrio tratar de alguns traos essenciais de sua personalidade e suas ideias, assim

    como da Guerra de Independncia comandada por ele, posto que essa herana histrica

    foi resgatada como base ideolgica que consolidou a liderana do presidente Hugo

    Chvez (1998-2013) no atual processo da Revoluo Bolivariana. Tal necessidade

    ainda mais preemente porque, muitas vezes, toma-se o bolivarianismo como um

    discurso vazio de contedo, utilizado apenas como objeto de retrica poltica. Ainda

    hoje, o termo Revoluo Bolivariana no tem plena aceitao nem na mdia e nem em

    grande parte da literatura especializada, sendo usual a grafia entre aspas. A este respeito,

    Istvn Mszros afirmou

    The Economist, de Londres, recusa-se a procurar o sentido da expresso Revoluo

    Bolivariana, apesar do fato de que a liderana poltica da Venezuela, com suas

    consistentes referncias ao projeto inacabado da poca de Simn Bolvar, estar

    empenhada em pr em movimento uma transformao de longo alcance no pas. Na

    verdade, uma transformao que ainda repercute em todo o continente e gera reaes

    significativas tambm em outras partes da Amrica Latina. Com uma inteno

    insultuosa deliberada, The Economist coloca sempre entre sarcsticas aspas a palavra

    bolivariano como se tudo o que fosse bolivariano devesse ser considerado

    obrigatoriamente absurdo. (MSZROS, 2006)

    Ressaltamos, porm, que vamos nos ater apenas s questes essenciais para a

    anlise que desenvolveremos no decorrer deste trabalho. Fundamentalmente, tentaremos

    fornecer os subsdios bsicos necessrios para o o leitor no familiarizado com o tema.

    1.1 - Bolvar e a Revoluo de Independncia

    Numa sociedade marcada historicamente pelo processo de mestiagem, que

    tingiu a estrutura de classes de enormes diferenas culturais e tnicas, o Libertador

    passou a ser identificado com o prprio processo de formao da Nao, no sentido

    moderno do termo isto , uma comunidade de indivduos que veem a si mesmos como

    portadores de uma cultura nacional em comum, identificada com um determinado

    territrio e um determinado Estado. Segundo Carla Ferreira,

    Bolvar encarna um guerreiro que busca criar uma nacionalidade atravs do vnculo com

    o territrio e com um projeto prprio anticolonial. Anuncia o nascimento de uma ptria

    que se define fundamentalmente como comunidade daqueles que nasceram naquela

    terra (e no predominantemente definida pelo idioma, cultura ou etnia especfica),

    incluindo os ndios, os negros, os mestios. (FERREIRA, 2006: 31-32)

  • 27

    Mas, antes de se tornar heri e cone latino-americano, o Libertador foi um

    homem de seu tempo. rfo de pai e me aos nove anos, teve sua formao fortemente

    influenciada pelo grande educador e filsofo venezuelano Simn Rodrguez, que se

    tornou seu tutor na infncia.2 Anos depois, j adulto, Bolvar reencontraria seu tutor em

    Paris, em 1804, quando viveram juntos a conjuntura poltica do perodo, frequentando

    reunies secretas, lojas manicas e festas da alta corte parisiense. Por esta poca,

    Bolvar j era profundo conhecedor de Montesquieu, Voltaire e Rousseau, alm de

    tambm haver lido Locke, Condillac, Buffon, DAlembert, Helvetius, Hobbes e Spinoza

    (idem, ibidem, 2008: 58). Outra personalidade importante que se tornaria amigo de

    Bolvar e influenciaria suas ideias foi o cientista prussiano Alexander von Humboldt,

    que havia regressado de uma expedio cientfica Amrica Espanhola, e que

    compartilhava das mesmas ideias liberais e da crtica ao despotismo espanhol.

    Bolvar, Humboldt teria relatado as imensas potencialidades naturais das colnias

    espanholas, acrescentando que o pas estava maduro para a independncia, embora no

    houvesse quem pudesse lider-la.3

    2 Segundo Masur, (2008: 45), Simn Rodrguez era um homem que haba ledo todos los libros de

    filosofia cados em sus manos: Spinolza, Holbach y sobre todo Rousseau. Su gran ambicin era

    convertirse en el Jean-Jacques de Sudamrica. De fato, Rodrguez levava uma vida rstica ou natural,

    como convinha a um seguidor das ideias de Rousseau quando foi designado, pelo cabildo de Caracas,

    professor da Escuela de Lectura y Escritura para inos, em 1791. Logo se destacou como reformador do

    sistema educacional da colnia, escrevendo um importante estudo crtico sobre o tema, em 1794. Porm,

    num contexto poltico marcado pelas Revolues Francesa e Haitiana, foi acusado de participar de

    conspiraes contra a Coroa espanhola. Inocentado por falta de provas, preferiu assim mesmo se exilar

    em 1797, adotando o nome de Samuel Robinson. Desde ento, viveu em diferentes pases, fundando

    escolas, escrevendo e divulgando ideias revolucionrias. Segundo Mszros (2006), o tutor de Bolvar

    teria chegado a frequentar, em Paris, reunies das primeiras sociedades socialistas secretas, fundadas

    pelos herdeiros do jacobinismo radical no incio do sculo XIX. Parte dos biogrfos de Bolvar sustentam

    que Rodrguez, um convicto rousseauniano, teria feito mais do que simplesmente fornecer uma educao

    formal a Bolvar. Segundo Masur (2008: 45), No existe prueba definitiva de que este visionrio

    reformador y luchador haya aplicado a Bolvar las teorias de Emile, pero es indudable que puso a

    Rousseau em contacto com el joven. Ciertamente los puntos de coincidncia com Emile son notables;

    Bolvar era hurfano, condicin requerida por Rousseau; tambin era rico, sano y furte. Rodrguez, que

    en esse entonces vivi em San Mateo com Bolvar, pudo expornelo a la influencia de la naturaleza e

    inmunizarlo de la del mundo exterior. Em todas as cartas y escritos de Bolvar, ningn autor es

    mencionado tantas veces como Rousseau. Em su confessin a Simn Rodrguez, Bolvar afirma com toda

    claridad: He transitado el caminho que usted me h sealado. Para luego agregar: Usted h

    moldeado mi corazn para la libertad y la justicia, para lo grande y lo hermoso. 3 Outra personalidade que certamente influenciou Bolvar foi Napoleo Bonaparte, personagem central de

    seu tempo. Segundo seus prprios relatos posteriores, Bolvar nutria por Bonaparte um misto de

    admirao e repulsa: admirava sua glria e conquistas militares, e principalmente o apoio popular que

    detinha; no entanto, considerou sua coroao como Imperador uma traio aos ideais revolucionrios que

    legitimavam este mesmo apoio popular. Bolvar chegou a recusar um convite do embaixador espanhol,

    para assistir coroao de Bonaparte em Notre Dame embora, ao que parece, tenha assistindo a

    cerimnia anonimamente, sem se misturar aos cortesos (MASUR, 2008: 60-61)

  • 28

    Segundo Carla Ferreira, a melhor interpretao realizada sobre Bolvar a

    fornecida pelo historiador venezuelano J. L. Salcedo Bastardo, que procurou relacionar

    os elementos comuns existentes entre o homem, o pensamento e a ao. Segundo a

    definio de Bastardo, seriam traos genuinamente bolivarianos a repugnncia tirania

    e a defesa intransigente da independncia nacional e de um governo efetivamente

    democrtico (FERREIRA, 2006: 30). Nesta definio, o Libertador aparece como um

    republicano alinhado s tendncias revolucionrias mais radicais de sua poca,

    diferenciando-se, portanto, da maior parte dos ilustrados hispnicos de princpios do

    sculo XIX, para os quais a igualdade civil e, principalmente, a igualdade poltica

    era geralmente vista como uma excrescncia, que mal podia ser adotada entre os

    brancos, e muito menos entre estes e os pardos.

    Para Bolvar, no entanto, todas as classes sociais deveriam ser incorporadas

    Repblica, a ser formada pela totalidade da populao como cidados plenos, com os

    mesmos direitos posio que ele defendeu de forma contundente durante a Revoluo

    da Independncia, e que pode ser vista em seu famoso Discurso al Congreso

    Constituyente de Bolivia (1825)

    Se han establecido las garantas ms perfectas: la libertad civil es la verdadera libertad;

    las dems son nominales, o de poca influencia con respecto a los ciudadanos. Se ha

    garantizado la seguridad personal, que es el fin de la sociedad, y de la cual emanan las

    dems. En cuanto a la propiedad, ella depende del Cdigo Civil que vuestra sabidura

    debiera componer luego, para la dicha de vuestros ciudadanos. He conservado intacta la

    Ley de las leyes la igualdad , sin ella perecen todas las garantas, todos los derechos.

    A ella debemos hacer los sacrificios. A sus pies he puesto, cubierta de humillacin, a la

    infame esclavitud.4

    4 Percebe-se aqui a influncia de Rousseau no pensamento de Bolvar. Para o filsofo francs, era em

    funo da preservao da propriedade que se impunha aos homens o respeito s leis (portanto, o

    fundamento em si da propriedade no podia ser questionado); no entanto, Rousseau era radicalmente

    contrrio a concentrao da propriedade em poucas mos. Talvez como nenhum outro grande filsofo

    antes de Marx, Rousseau denunciou o fenmeno da alienao e da desumanizao do homem, causado

    pela grande transformao histrica de seu tempo isto , o advento do sistema capitalista, que dissolvia

    a condio mdia dos indivduos e gerava pobreza de um lado e concentrao de riqueza de outro. No

    entender de Rousseu, a desigualdade econmica decorria dos valores degenerados e artificiais de uma

    civilizao que afastava o homem de seu estado natural. Neste sentido, o enquadramento de Rousseau na

    tradio contratualista liberal constitui um equvoco, pois o Contrato Social que ele propunha tinha

    caractersticas bastante especficas: no se tratava de um acordo entre partes contratantes

    individualizadas, no qual o indivduo alienaria sua liberdade, em favor do Estado reificado, detentor do

    monoplio da fora; mas sim da alienao da liberdade natural entendida como a submisso ao puro

    impulso do apetite, sendo equivalente condio de escravido em favor de um corpo moral e coletivo.

    Em outras palavras, o Contrato Social rousseauniano s se legitimava porque cada um, dando-se a todos,

    no se d a ningum (ROUSSEAU, 1999: 21). O Soberano era, portanto, um ser coletivo, portador da

    Vontade Geral, e s a partir de sua constituio seria possvel alcanar a liberdade moral, na qual os

    indivduos se submetem s leis que eles mesmos prescrevem, tornando-se verdadeiramente senhores de si

    mesmos. Tais ideias transparecem no discurso de Bolvar, onde a propriedade aparece no como um

    direito natural, mas civil, posto que dependeria da aprovao de um Cdigo que ainda estava por ser

  • 29

    Istvn Mszros argumenta que Bolvar identificava a Repblica com um

    processo de transformaes sociais efetivas, que pode ser medido por suas propostas em

    favor da repartio de terras e da abolio da escravatura objetivos nunca cogitados,

    por exemplo, pelos pais fundadores dos EUA, exaltados pela historiografia liberal

    como os criadores das democracias modernas.

    Para provar com aes a validade de seus princpios e crenas profundos, [Bolvar] no

    hesitou nem por um instante em libertar todos os escravos de suas propriedades em sua

    determinao de dar uma base social to vasta quanto possvel luta por uma

    emancipao completa e irreversvel do domnio colonial profundamente institudo. Em

    seu magnfico discurso no Congresso de Angostura, em fevereiro de 1819, destacou a

    libertao dos escravos como a mais essencial de suas ordens e decretos, afirmando que:

    Deixo vossa soberana deciso a reforma ou a revogao de todos os meus estatutos e

    decretos, mas imploro a confirmao da liberdade absoluta dos escravos, como

    imploraria pela minha vida e pela vida da Repblica. (MSZROS, 2006)

    Obviamente, a demanda pela igualdade civil e poltica entre brancos, pardos,

    negros e indgenas constituiu tambm uma necessidade prtica da Guerra de

    Independncia. O Ejrcito Libertador de Bolvar, embora comandado pela elite criolla,

    consistiu na realidade em um corpo principal regular, auxiliado por um sistema de

    milcias formadas majoritariamente por elementos oriundos das camadas subalternas

    desde indgenas e negros em busca de liberdade, at os mestios em geral e as esposas e

    companheiras desses soldados. A Reforma Agrria proposta por Bolvar tambm se

    relacionava com essa questo, posto que o que se propunha era a distribuio de bens

    aos militares do Ejrcito Libertador, como compensao pelos infortnios da Guerra.

    No entanto, mesmo que justificada como uma reparao por servios prestados

    que beneficiava, sobretudo, os lderes militares locais, e no o conjunto do

    campesinato a Ley de Reparticin de Bienes de Bolvar teve um forte impacto social,

    dado o carter mestio do Ejrcito Libertador. Muitos dos chefes das milcias populares

    advinham de fato das camadas subalternas, constituindo-se como lideranas poltico-

    militares do campesinato. No por acaso, os generais da elite criolla procuraram toda

    sorte de subterfgios legais para impedir a aplicao da lei e manter o conjunto dos no-

    brancos alijados de qualquer possibilidade de acesso terra.

    Bolvar hablaba de los militares porque estos eran en su mayora integrantes de la clase

    mas desposeda, el campesinado nacional. Sin embargo, no faltaron las trampas

    elaborado. Era neste sentido que, falando s classes proprietrias, Bolvar propunha sacrifcios em favor

    da igualdade.

  • 30

    leguleyescas de algunos connotados generales, conocedores de las leyes, tales como el

    General Santander, para dar al traste con las splicas de Bolvar, se inventaron la

    entrega de unos bonos adquiridos a precio irrisorio por los generales y as los grandes

    fundos y bienes confiscados a los espaoles pasaron a manos de los grandes burcratas

    y caudillos de la emancipacin (PINTO, 2005).

    O fato que, para alm das influncias de pensadores radicais do pensamento

    iluminista, Bolvar era tambm possuidor de profundo senso prtico ou, como afirma

    Mszros, de um grande senso de proporo virtude absolutamente vital para

    qualquer um e, em especial, para todas as figuras polticas importantes, que tm o

    privilgio em nossas sociedades de tomar decises que afetam profundamente a vida de

    inmeras pessoas (MSZROS, 2006). Para o Libertador, os princpios ideolgicos

    no poderiam prevalecer se em contradio com as condies sociais concretas. Sua

    posio acerca do federalismo, por exemplo, indicativa dessa caracterstica: nas

    palavras de Ferreira, o Libertador considerava o federalismo uma teoria pouco prtica

    que certos bons visionrios tentaram impor a um pas despreparado para ela, levando-o

    beira da runa (FERREIRA, 2006: 32). Aps a derrota definitiva das foras

    espanholas, e frente s tendncias conflitivas que emergiam no interior das sociedades

    recm-libertadas e ameaavam a unio territorial dos novos Estados sul-americanos,

    Bolvar passou a defender formas centralizadas de governo, que primavam mais pela

    busca da estabilidade poltica do que pela participao democrtica. Assim, o texto

    constitucional proposto para a Bolvia, por exemplo, previa a figura de um Presidente

    vitalcio, com faculdade para eleger seu sucessor.

    Medidas como essa so objeto de controvrsia at os dias de hoje na

    historiografia acerca de Bolvar: tratavam-se de uma questo pragmtica, qual os

    ideais do Libertador precisaram se curvar, ou expressavam uma tendncia autoritria

    tipicamente criolla, j manifesta imediatamente aps a vitria contra as tropas realistas?

    No nosso propsito nos aprofundar neste debate, mas achamos correto identificar, em

    Bolvar, a percepo de que os princpios liberais podiam ser reivindicados unicamente

    para atender a interesses particularistas, e no aos ideais efetivamente republicanos que

    deveriam orientar o processo revolucionrio de libertao das colnias como ocorria,

    por exemplo, com a reivindicao dos proprietrios de escravos do direito propriedade

    como justificativa para a manuteno da escravido.

    Uma carta escrita ao general Santander, em 1820, bastante emblemtica da

    forma como, em Bolvar, os ideais revolucionrios se misturavam com questes de

    ordem prtica:

  • 31

    As razes militares e polticas para que eu ordenasse o aproveitamento de escravos so

    por demais bvias. Necessitamos de homens robustos e fortes, acostumados

    inclemncia e fadiga, de homens que abracem a causa e a carreira com entusiasmo, de

    homens que vejam sua causa identificada com a causa pblica e nos quais o valor da

    morte seja pouco menos que o de sua vida.

    As razes polticas so ainda mais poderosas. Declarou-se a liberdade dos escravos de

    direito e de fato. O Congresso teve presente o que disse Montesquieu: Nos governos

    moderados a liberdade poltica torna preciosa a liberdade civil; aquele que est

    privado desta ltima ainda est privado da outra; v uma sociedade feliz, da qual no

    mesmo parte; encontra a segurana estabelecida para os outros e no para ele. Nada

    aproxima tanto condio de animais como o ver-se sempre homens livres e no o ser.

    Tais pessoas so inimigas da sociedade e seu nmero seria perigoso. No se deve

    admirar que nos governos moderados o Estado tenha sido conturbado pela rebelio

    dos escravos e que isto tenha raras vezes sucedido nos Estados despticos. (Bolvar, cf.

    PINSKY, 2011: 66)

    Para alm da evidente preocupao em evitar grandes rebelies de escravos,

    vemos que Bolvar reivindicava as ideias de Montesquieu para afirmar que a liberdade

    poltica e o estabelecimento de um governo moderado s seriam possveis a partir do

    estabelecimento da liberdade civil. Quando, porm, os oligarcas pretenderam objetar a

    abolio por motivos mesquinhos e particularistas, Bolvar no hesitou em contrariar a

    crtica de Montesquieu aos governos despticos, legislando unilateralmente a partir de

    sua condio de chefe militar.

    Em 1820, frente ao Congresso de Angostura, Bolvar reclama mais de uma vez a

    libertao dos escravos e o cumprimento da lei de repartio da terra. Os proprietrios

    habilmente evadem a questo argumentando que preciso esperar at que los infelices

    esclavos adquieran luces morales y la instruccin necesaria. As gestes so inteis.

    Sob essas condies, Bolvar, na condio de Presidente da Repblica e Chefe Supremo

    do Exrcito, resolve continuar legislando de fato e promulga o Decreto de Confiscacin

    de la hacienda Ceiba Grande y la libertad de sus esclavos, em 23 de outubro de 1820

    (FERREIRA, 2006: 30)

    A nosso ver, em Bolvar a apropriao dos ideais iluministas se orientava por

    dois princpios fundamentais, aos quais tanto a teoria quanto a prtica deveriam se

    subordinar: em primeiro lugar, o precursor e intransigente anti-imperialismo, baseado

    no respeito soberania dos povos e na busca de uma convivncia harmoniosa entre eles;

    e em segundo lugar, ideia de que o universal deveria prevalecer sobre o particular. A

    maior parte da elite criolla, por outro lado, colocava em primeiro lugar seus interesses

    particularistas, de ordem principalmente econmica; para defende-los, estava disposta a

    se aliar a foras externas, representadas pelos grandes imprios em ascenso no perodo

    ps-colonial (especialmente a Inglaterra e, depois, os EUA). De sorte que a unio contra

    os exrcitos espanhis no eclipsou as posies antagnicas nas fileiras latino-

  • 32

    americanas: abolio versus escravatura; federalismo (particularista) versus centralismo

    (universalista); idealismo (mistificador) versus realismo (prtico). Por esta razo, Maza

    Zavala lembra que a Guerra de Independncia interpretada por alguns estudiosos

    venezuelanos como uma luta de castas e classes, mais propriamente como conflito

    interno que como guerra internacional (ZAVALA, 1988: 236).

    No surpreende, portanto, que Bolvar, to logo se consolidou a ruptura com a

    Metrpole e apesar de sua liderana inconteste na Guerra de Independncia, tenha

    sofrido um crescente isolamento poltico por parte das elites oligrquicas, at finalmente

    morrer solitrio no exlio. Para Istvn Mszros, o principal problema foi

    o profundo contraste entre a unidade poltica dos pases latino-americanos defendida por

    Bolvar e os componentes profundamente adversrios/conflituosos dos seus

    microcosmos sociais. Como os seus microcosmos sociais estavam despedaados por

    antagonismos internos, os mais nobres e eloquentes apelos unidade poltica s podiam

    ter xito quando se tornasse grave a ameaa feita pelo adversrio colonial espanhol.

    Mas, s por si, esta ameaa no podia remediar as contradies internas dos

    microcosmos sociais existentes. (MSZROS, 2006)

    No perodo imediatamente ps-independncia, as oligarquias criollas passaram a

    implementar toda sorte de subterfgios para diluir ao mximo as propostas igualitrias

    contidas no projeto independentista. Assim, em 1821 e 1830, por exemplo, foram

    aprovadas leis que negavam ou dificultavam ao mximo a abolio da escravatura

    (proclamada por Bolvar em decretos de 1816, 1818 e 1820). Da mesma forma,

    impediu-se a aplicao das leis referentes repartio das terras; finalmente, rejeitou-se

    a proposta de um governo centralizado em favor de um federalismo frouxo, controlado

    por caudillos locais o que, ao fim e ao cabo, resultou na fragmentao da nao latino-

    americana em diversos pases, e estes em agrupamentos regionais frouxamente

    associados. Na Venezuela, a propriedade da terra no foi tocada, e a escravido

    continuaria juridicamente vigente at 1854, sendo abolida somente mediante

    indenizao aos antigos proprietrios (ZAVALA, 1988: 235). Alm disso, o perodo

    ps-independncia acabou resultando num aumento geral dos impostos, justificados

    pelos governos com base na crise econmica que decorreu dos muitos anos de guerra

    (FERREIRA, 2006: 66-70).

    1.2 - A longa luta pela centralizao poltica venezuelana

    Uma importantssima herana das Guerras de Independncia, na Venezuela, foi

    a conformao de um enorme contingente popular armado. Com a consolidao da

  • 33

    independncia, o Ejrcito Libertador se fragmentou em inmeros destacamentos

    armados autnomos, formados por brancos, pardos, negros e indgenas, onde no era

    muito evidente a diferena entre civis e militares (caracterstica dos Estados Modernos).

    Por esta razo, o poder coercitivo dos governos centrais no se baseava na existncia de

    um Exrcito organizado sob seu estrito controle, mas sim em pactos circunstanciais

    estabelecidos entre o governo e os chefes militares locais (FERREIRA, 2012, p. 121,

    nota 105). Com o tempo, entre as camadas subalternas, foi se percebendo o engodo por

    trs das novas formas de trabalho estabelecidas como a peonaje5 que mantinham os

    trabalhadores sob controle das oligarquias, em condies anlogas escravido.

    medida que foram sendo negadas as expectativas de emancipao e melhoria de vida

    dos trabalhadores, inmeras revoltas populares comearam a eclodir.

    Em meados do sculo XIX, essas revoltas geraram um contexto de crise que

    acabou canalizado pelo Partido Liberal, onde despontava a liderana do ento

    comerciante Ezequiel Zamora. Membro de uma famlia de militares que havia

    participado da Guerra de Independncia, Zamora era um representante de uma frao da

    classe dominante ligada ao comrcio, que pouco tinha a perder com medidas radicais

    como a repartio das terras e a liberdade dos escravos. Em 1846, como reao s

    fraudes eleitorais que impediram a vitria do Partido Liberal, estoura a Revoluo

    Camponesa, liderada por Zamora com base nas palavras de ordem: eleio popular,

    princpio alternativo, ordem e horror oligarquia (ZAVALA, 1988: 237). O

    movimento pregava a reforma agrria, a democracia efetiva e a definitiva libertao de

    todos os escravos em outras palavras, reivindicava a efetivao dos decretos assinados

    por Bolvar, juntamente com o aprofundamento das formas de participao poltica.

    Embora tenha sido derrotada em pouco mais de um ano, a Revoluo

    Camponesa deu lugar Primeira Autocracia Liberal perodo em que Jos Tadeu

    Monagas, um caudilho com inclinaes progressistas, dominou a poltica venezuelana.

    Ezequiel Zamora, que havia sido preso aps a Revoluo Camponesa, foi incorporado

    ao Exrcito e atuou em inmeras aes militares contra as oligarquias locais. Quando

    um golpe oligrquico deps Monagas, iniciou-se a Guerra Federal (1859-1863), um

    conflito sanguinrio de tipo total, que, segundo alguns estudiosos, resultou na morte de

    mais de 200 mil pessoas (FERREIRA, 2006: 86). frente de um exrcito de

    5 Forma de trabalho na qual os camponeses so formalmente livres, mas mantidos ligados aos

    latifundirios por dvidas oriundas da cesso de lotes de terras para subsistncia individual ou pela

    remunerao do trabalho atravs de fichas para a compra de produtos nos armazns dos grandes

    proprietrios (onde os preos so sempre muito altos).

  • 34

    camponeses inflado em funo do fim da escravido Zamora foi proclamado

    General do Povo Soberano, se tornando rapidamente a principal liderana anti-

    oligrquica. Nas palavras de Maza Zavala (1988: 241), Zamora converteu-se no

    caudilho de camponeses e habitantes das plancies, na esperana dos despossudos e no

    terror dos oligarcas. Sob seu comando, a provncia de Coro foi tomada e constituda

    como um Estado autnomo, ao qual deveriam ser somadas, atravs de um pacto

    federativo, as demais vinte provncias que ento formavam a Repblica da Venezuela.

    A partir de Coro, foram declarados os objetivos da Federao:

    A abolio da pena de morte, liberdade absoluta de imprensa, de trnsito, de associao,

    de representao e indstria; proibio perptua da escravido, inviolabilidade do

    domiclio, da correspondncia e dos escritos privados; liberdade de cultos,

    inviolabilidade da propriedade, direito voluntrio de residncia, independncia absoluta

    do poder eleitoral, eleio universal, direta e secreta, administrao de justia gratuita,

    abolio da priso por dvida, igualdade de todos os cidados perante a lei, tratamento

    oficial nico de cidado e usted [pronome de tratamento que trazia uma igualdade

    maior que o tradicional seor]. (ZAVALA, 1988: 240-241)

    Para alm dos direitos polticos presentes neste programa, a causa da Federao

    significava, para as camadas subalternas que a apoiaram, a possibilidade de transformar

    a estrutura opressiva da sociedade venezuelana da poca, melhorando suas condies de

    vida. Nas provncias liberadas pelo exrcito de Zamora, foram editadas leis de grande

    impacto social, dentre as quais podemos destacar: a Reforma Agrria, estabelecendo

    uma propriedade comum da terra em um raio de cinco lguas ao redor de cada povoado;

    a eliminao do sistema de cobrana pelo arrendamento da terra para fins agrcolas ou

    pecurios; a fixao da jornada de trabalho para os peones; e a exigncia de que os

    donos de rebanhos reservassem 10 vacas para as terras comuns, visando o fornecimento

    de leite gratuito para os pobres.6 Vale lembrar que, entre os amigos prximos de

    Zamora, estava um grupo de socialistas utpicos franceses, exilados na Venezuela aps

    a Primavera dos Povos de 1848; ao participarem da Guerra Federal, este grupo de

    socialistas procurou formar um exrcito revolucionrio no interior das tropas

    federalistas (FERREIRA, 2006: 116, nota 96). Aos poucos, a liderana de Zamora

    passou a no interessar nem mesmo s fraes oligrquicas que apoiavam a causa da

    Federao, para as quais o federalismo consistia to somente

    6 Anos depois, Hugo Chvez reivindicaria essas medidas para afirmar de que as lutas lideradas pelos

    prceres da formao da Repblica da Venezuela (particularmente a trindade formada por Bolvar,

    Rodrguez e Zamora) no implicavam somente na independncia e na constituio de direitos civis

    formais, mas tambm na realizao de reformas sociais profundas no pas (CHVEZ FRIAS, 2013: 52-

    53).

  • 35

    no domnio regional e local de caudilhos, mulos dos senhores feudais da Idade Mdia,

    proprietrios de extensas terras nas quais exploravam a fora de trabalho de camponeses

    vinculados pela lealdade pessoal ou por condies similares s das servido e amos da

    poltica em sua provncia e canto, enquanto o poder central era exercido pelo caudilho

    principal diretamente, ou atravs de um testa-de-ferro investido da presidncia da

    Repblica (ZAVALA, 1988: 242).

    No surpreende, portanto, o fim trgico do General do Povo Soberano, trado e

    assassinado a mando de lideranas oligrquicas federalistas, em 1860. Trs anos depois,

    a Guerra Federal chegou ao fim, mas deixou como resultado a destruio das foras

    militares ligadas s oligarquias, substitudas por um contingente formado por setores

    camponeses, desvinculados delas (MARINGONI, 2004: 132). O programa radical da

    Federao, porm, sofreu um inevitvel revs com a morte de Zamora, no resultando

    em modificaes substanciais nas estruturas sociais e polticas da Repblica; tampouco

    se logrou a efetivao de instituies polticas estveis, de modo que os conflitos

    internos entre federalistas e conservadores cada vez mais indiferenciados uns dos

    outros continuaram ocorrendo at 1870, quando ascendeu ao poder o caudilho

    Antonio Guzmn Blanco.

    Segundo Emlio Tern Montovani, Gusmn Blanco fora

    uno de los lideres da revolucin federal, quien con sus ideales ilustrados planteaba una

    revolucin capitalista al estilo de los Estados Unidos, y llegara al poder raz de la

    Revolucin de Abril de 1870 que ste lideraria. Promoviendo su visin secular

    modernizadora, Guzmn Blanco representaria el inicio de una nueva dinmica en el

    pas, en la cual el progresso a la venezolana tendra nuevos rieles para circular, y los

    conservadores no lograran poner nuevamente a uno de los suyos em la Presidencia,

    evidenciando el inicio de uma transicin poltica nacional. (MONTOVANI, 2014: 92)

    Embora se declarasse federalista, Guzmn Blanco governou o pas de forma

    autocrtica at 18887. Durante este perodo, o Autocrata Civilizador como viria a

    ser conhecido ordenou reformas modernizantes e centralizadoras, legislando em

    matria civil, mercantil, penal e militar: criou um sistema monetrio; instituiu o ensino

    pblico obrigatrio e gratuito; organizou a fazenda; regularizou o crdito pblico;

    fomentou a construo de algumas linhas frreas; criou um servio oficial de estatstica

    e censos; promoveu mudanas urbansticas em Caracas; e, finalmente, promoveu

    avanos na agricultura (cujos principais produtos de exportao, a partir do sculo XIX,

    7 Na realidade, o governo de Guzmn foi relativamente intermitente. Ele governou o pas de 1870 a 1877;

    depois entre 1879 at 1884; e finalmente entre 1886 e 1888. Nos interstcios, outros caudilhos federalistas

    ocuparam temporariamente o poder, embora Guzmn Blanco permanecesse como a personalidade poltica

    central do pas.

  • 36

    eram o caf o cacau). Em suma, Guzmn Blanco buscou consolidar um Estado moderno

    na Venezuela, cuja economia deveria integrar-se ao mercado capitalista mundial.

    Segundo Carla Ferreira, foi durante o perodo do gumanzismo que se inaugurou

    a efetiva construo de uma ideologia bolivariana de Estado (FERREIRA, 2006:

    156), a qual seria utilizada para justificar a centralizao poltica que se tentava

    implantar. Alm de nomear a moeda nacional como Bolvar, Guzmn Blanco mandou

    erguer esttuas do Libertador, criou feriados nacionais referentes a ele e reformou uma

    igreja para que se transformasse no Panthen Nacional, para onde foram transladados

    os restos mortais de Bolvar, Zamora e outros prceres da Repblica. Tambm foi

    durante seu governo que se publicou, pela primeira vez, a monumental documentao

    referente vida pblica e privada do Libertador. Com base nela, historiadores

    dedicaram-se tarefa de deificar o personagem histrico, colocando-o acima de toda a

    sociedade, como um smbolo de conciliao nacional. Neste processo, ocultaram-se as

    contradies entre Bolvar e as elites oligrquicas, interessadas em manter inalteradas as

    estruturas poltico-sociais excludentes. Como relata Ferreira,

    Predomina, a partir de ento, a figura de Bolvar como "Pai da Ptria", como um

    referente bvio, sobre o qual no mais necessrio deter-se para reivindicar-lhe essa ou

    aquela qualidade. A figura de Bolvar converte-se em um eco presentemente repetido,

    porm cada vez mais despido de periculosidade para a ordem vigente. Emerge um

    Bolvar descarnado, uma efigie reverenciada como se, figurativamente, se tratasse de,

    pela repetio, arrancar-lhe todo o poder efetivo. o "Pai da Ptria", portador das

    qualidades unificadoras para harmonizar os conflitos entre seus "filhos" e para atender

    s exigncias de construo do Estado nacional como instituio inquestionvel da

    organizao social segundo os preceitos republicanos, liberais, do capital. (FERREIRA,

    2006: p. 172)

    A construo dessa ideologia bolivariana de Estado correspondeu ao processo

    mais geral ocorrido no pensamento liberal-burgus, que eclipsava certas ideias

    incmodas do Iluminismo, afim de consolidar a afirmao da moderna sociedade do

    capital. Da mesma forma como Bolvar fora esterilizado, ocultando-se seus ideais mais

    radicais, saa de cena tambm a herana do pensamento de Rousseau e Diderot, por

    exemplo, e com ela toda a crtica propriedade e alienao perante o Estado; tambm

    no mais se falaria da oposio entre o bem geral e o bem particular, e nem muito

    menos do carter limitado da democracia nos marcos dos sistemas representativos-

    parlamentares (tal como apontava Rousseau). Concomitantemente, fortalecia-se a crtica

    liberal ao Terror revolucionrio que, em Bolvar, se expressou na proclama Guerra a

  • 37

    Muerte, de 18138 e, principalmente, radicalidade do jacobinismo tardio (herdeiro

    da Conjurao dos Iguais, de Graco Babeuf) e dos primeiros movimentos socialistas.

    No lugar dessa tradio mais radical, imps-se um liberalismo que, de forma

    mistificadora, cindiu os terrenos da poltica e da economia, resguardando esta ltima

    as condies necessrias para a manuteno da propriedade e da auto-valorizao do

    capital.

    Num processo semelhante, o bolivarianismo de Estado no apresentava

    caractersticas romnticas opostas aos valores da modernidade (tal como se v no

    pensamento rousseauniano), nem tampouco o igualitarismo de Simn Bolvar e muito

    menos a radicalidade do socialismo utpico, perceptvel nos movimentos liderados por

    Zamora. Convertera-se o Libertador em um smbolo nacional que serviria apologia da

    ordem, da centralizao poltica e do necessrio apaziguamento dos conflitos sociais em

    prol da modernizao do pas (traduzida, na prtica, na integrao subordinada ao

    capitalismo, ento em plena expanso imperialista). Consequentemente, o processo de

    construo do moderno Estado venezuelano no tocou em condies fundamentais do

    subdesenvolvimento do pas, como a questo da terra e a dependncia externa. Como

    resultado, as condies de explorao do trabalho seguiram praticamente inalteradas,

    condenando os trabalhadores misria.9 A economia continuou atrelada agricultura de

    exportao de gneros agrcolas, que era financiada pela burguesia exportadora e atraa

    todos os excedentes de capital disponveis, ficando os ganhos divididos entre

    fazendeiros e exportadores.

    El ambivalente discurso latinoamericano sobre la modernidad, que rechaza la

    dominacin colonial pero internaliza su misin civilizadora, ha adoptado la forma de un

    proceso de autocolonizacin que asume formas diferentes en distintos contextos

    polticos y perodos histricos. (CORONIL, 2013: 120)

    Apesar dos esforos de Guzmn Blanco, a centralizao poltica no se

    consolidou. Os grandes proprietrios rurais continuavam expandindo suas propriedades

    de terra e se envolvendo em divises e disputas oligrquicas, enquanto as finanas

    8 A Guerra a Muerte (isto , guerra at a morte), foi uma proclamao onde Bolvar deixava claro

    que, no contexto da Guerra de Independncia, no haveria nenhuma tergiversao em relao aos que se

    colocassem contrrios ou mesmo omissos em relao a causa da Revoluo. O texto da proclama

    termina com as seguintes palavras: "Espaoles y Canarios, contad con la muerte, aun siendo indiferentes,

    si no obris activamente en obsequio de la libertad de la Amrica. Americanos, contad con la vida, aun

    cuando seis culpables (ver em FERREIRA, 2006: 31) 9 No final do sculo XIX, a populao total da Venezuela soma 2,4 milhes de pessoas, das quais 2

    milhes era formada por trabalhadores rurais no-proprietrios, submetidos a condies de trabalho

    semifeudais no campo. (ZAVALA, 1988: 251)

  • 38

    pblicas entravam em colapso, expondo o pas cobrana eventualmente armada

    por parte dos grandes imprios europeus.10

    Entre 1899 e 1900, o caudilho Cipriano

    Castro desafiou as oligarquias e tomou o poder, com base em um exrcito formado por

    pequenos proprietrios e trabalhadores rurais pobres da provncia de Tchira, nos Andes

    venezuelanos. Essa provncia era formada principalmente por camponeses e

    proprietrios mdios, criadores de caf e gado, que conformavam uma populao

    etnicamente diferenciada em relao maior parte do pas. A geografia de Tchira

    impunha limites naturais expanso das propriedades de terra; consequentemente, o

    incremento da produo agrcola tendia a ser mais intensivo, o que resultava em um

    crescimento econmico relativamente maior que o do resto do pas. Porm, em virtude

    do isolamento geogrfico, os proprietrios andinos tendiam a ficar excludos da

    participao no poder situao que, com Cipriano Castro, foi resolvida pelo recurso s

    armas (ZAVALA, 1988: 252).

    O processo, que ficou conhecido como a Revoluo Restauradora, levou os

    andinos aos principais postos da burocracia estatal e militar, e significou mais um passo

    no sentido da superao do caudilhismo regional e consolidao da centralizao do

    poder. Entretanto, mais uma vez, as estruturas sociais de explorao do trabalho no

    foram alteradas. Segundo Maza Zavala, Cipriano Castro

    No era um perigoso revolucionrio anticapitalista, anti-imperialista ou pr-socialista;

    sequer cometeu durante seu governo reformas progressistas em favor do povo. O regime

    agrrio injusto, semi-feudal (...) no sofreu modificaes durante o perodo 1899-1908.

    A burguesia comercial e usurria tambm gozou de privilgios (...). Embora o

    movimento andino de 1899 tenha correspondido, de certo modo, a interesses de classe

    mdia e de campesinato prspero, no se props nos fatos polticos e administrativos

    levar a cabo uma revoluo democrtico-burguesa. (ZAVALA, 1988: 255)

    quela altura, devido s jazidas de petrleo descobertas em fins do sculo XIX,

    a Venezuela entrava no raio de interesses e influncia dos Estados Unidos e das

    empresas petrolferas inte