Uso da Avalia§£o de Ciclo de Vida (ACV)

  • View
    225

  • Download
    9

Embed Size (px)

Text of Uso da Avalia§£o de Ciclo de Vida (ACV)

  • agosto 2005 47

    USO DA AVALIAO DECICLO DE VIDA (ACV)EM EMBALAGENS DEPLSTICO E DE VIDRONA INDSTRIA DEBEBIDAS NO BRASIL

    Andra Rodrigues FabiFaculdade de Engenharia MecnicaUniversidade Estadual de Campinas.

    Adriano Viana EnsinasFaculdade de Engenharia MecnicaUniversidade Estadual de Campinas.

    Iraci Pereira MachadoFaculdade de Engenharia MecnicaUniversidade Estadual de Campinas.

    Waldir Antonio BizzoFaculdade de Engenharia MecnicaUniversidade Estadual de Campinas.bizzo@fem.unicamp.br

    RESUMOAs discusses sobre a utilizao de tecnologias mais limpas em todos os segmentos de mercadovm ganhando fora no mundo atual. A indstria de embalagens, por estar relacionada ao aumentocrescente na gerao de resduos slidos, torna-se um foco importante na busca pelo desenvolvi-mento sustentvel. A indstria de bebidas vem sofrendo profundas transformaes quanto esco-lha da matria-prima utilizada nas embalagens, em que vasilhames retornveis vm sendo substitudospor descartveis. Da a necessidade de estudos de Avaliao de Ciclo de Vida, a fim de orientar aprpria indstria, consumidores e polticas governamentais na busca de embalagens ambientalmentemais adequadas. Neste trabalho se buscou a comparao entre as garrafas de vidro e de PET, comvolume de 600 ml, quanto ao gasto energtico relativo ao transporte no estado de So Paulo,incluindo-se a distribuio do produto e a destinao final. Concluiu-se que as garrafas plsticas,apesar de seu baixo peso, tm um gasto energtico no transporte maior que as de vidro, quandoadicionados os gastos com a destinao final da embalagem, para uma distncia de distribuio doproduto de at 175 km.

    ABSTRACTIssues about the use of cleaner technologies in all the market segments are winning force in thecurrent world. The packing industry, which is related to the increase of the solid waste generation,becomes an important focus in the search for the sustainable development. The beverage industryis suffering deep transformations in relation to the choice of the raw material used in the packing,where returnable bottles have been substituted for disposable bottles. Environmental Life CycleAssessment is needed to guiding the industry, consumers and government politics in the search ofacceptable environmentally packing. In this work, the comparison between the 600 ml bottles ofglass and PET was done for energy consumption for the transport in the state of So Paulo, includingthe distribution of the product and the final destination. It was concluded that the plastic bottles, inspite of the low weight, have more energy consumption in the transport than those of glass, whenadded the packing final destination, for a product distribution distance up to 175 km.

    Reciclagem

  • Revista Brasileira de Cincias Ambientais nmero 148

    INTRODUODesde os primrdios do comrcio, a

    embalagem tem sido indispensvel notransporte de muitos tipos de produtos,exercendo um papel cada vez maisimportante para as empresas fabricantes,que buscam, alm de diminuir as perdasdo produto durante o transporte earmazenamento, aumentar acomunicao, convenincia e praticidadede seu produto.

    Apesar de todas as vantagens que asembalagens ofereciam, no fim do ltimosculo comeou-se a questionar oaumento crescente da gerao eemisso de resduos, decorrente deseu uso.

    A indstria de bebidas foi sedesenvolvendo com o aumento domercado, buscando embalagens asquais acondicionassem volumes cadavez maiores e oferecendo praticidadeaos consumidores, sem considerar que,a longo prazo, as mesmas pudessemcausar uma srie de prejuzosambientais.

    Em muitos pases os vasilhames devidro retornveis no so mais utilizados,tendo sido substitudos por vasilhamesdescartveis. No Brasil, quarto maiorprodutor mundial de cerveja, as garrafasde vidro retornveis ainda so utilizadaspara o envase de 85 a 90% daproduo do produto. O mesmo noacontece com os refrigerantes nos quaisvasilhames no-retornveis so amaioria. Como o pas ainda conta com ociclo do produto voltado ao uso deretornveis, torna-se imprescindvel umaavaliao detalhada, dos diversos tiposde envase.

    Neste trabalho essa avaliao foilimitada ao consumo energtico e

    emisses de CO2 no transporte devasilhames de PET (Politereftalato deetileno) descartveis e de vidro retornvel.

    PRODUO E UTILIZAO DOPET (POLITEREFTALATO DEETILENO)A escolha do PET para uso em

    bebidas carbonatadas resultou emparcerias entre as indstrias de bebidase as de plsticos para o desenvolvimentodas embalagens. A indstria de bebidaqueria se beneficiar do crescimento dasvendas gerado com o aumento dotamanho das garrafas, principalmente asde dois litros, fazendo com que aindstria plstica buscasse a melhoralternativa entre os polmeros, chegando-se ao PET (MATHIAS,1997).

    O PET tem como caracterstica abaixa permeabilidade ao oxignio e aodixido de carbono, sendo por isso onico plstico adequado pararefrigerantes. Alm da leveza etransparncia, inerte ao lquido,substituindo o vidro, quase 20 vezesmais pesado.

    O polietileno tereftalato o maisimportante membro da famlia dospolisteres, grupo de polmerosdescoberto na dcada de 30 por W. C.Carothers, da Dupont, sendo, em 1941,patenteado como fibra txtil pelosingleses Whinfield e Dickson(CETEA,1999). Em 1973, o processo deinjeo com biorientao, desenvolvidopela prpria Dupont, introduziu o PETna aplicao como garrafas, as quaiscomearam a ser produzidas em 1977nos Estados Unidos, revolucionando o

    mercado de bebidas e impulsionando ogrande crescimento na utilizao dessepolmero (HARTWIG, 1998).

    O PET um polmero formado tantopela reao do cido tereftlico (TPA)como do dimetiltereftalato (DMT) com oetilenoglicol, produtos da indstriapetroqumica, mais precisamente danafta, obtida pelo craqueamento dopetrleo, ou do gs natural.

    PRODUO E UTILIZAO DOVIDRORecipientes de vidro so, provavelmente,

    a mais antiga embalagem manufaturada.Estima-se que o vidro tenha sidoinventado na sia h 6.000 anos.

    Nas ltimas dcadas o vidro passou acompetir com o metal, sobretudo com oplstico, principalmente no envase delquidos.

    O vidro um material obtido pelafuso de compostos inorgnicos (verTabela 1), a altas temperaturas, eresfriamento da massa resultante at umestado rgido, no-cristalino.

    Uma caracterstica especial dasembalagens de vidro a possibilidade deserem reutilizadas aps o consumo doproduto, sem perdas em suaspropriedades, o que, para os dias dehoje, uma grande vantagem. Assim, ovidro uma excelente alternativa para ummundo realmente preocupado comproblemas ambientais (ABIVIDRO, 2000).

    As embalagens de vidro sofreramestagnao do consumo na primeirametade dos anos 90, quandocomearam a sentir a concorrncia deoutros tipos de embalagens, sobretudoas plsticas.

  • agosto 2005 49

    Segundo a cervejaria Kaiser, nos EUA,por exemplo, 75% das embalagens decerveja so descartveis, devido aoconsumo nas residncias ser muitoelevado, o que no ocorre no Brasil,onde as pessoas preferem consumir oproduto, principalmente, em bares erestaurantes. J na Europa a embalagemretornvel smbolo de economiafinanceira e respeito ao meio ambiente,principalmente na Dinamarca, na qual100% do mercado de retornveis(SANTOS,1996).

    GERAO DE RESDUOS ERECICLAGEMEstamos vivenciando um momento

    de transformao na sociedade atualque, cada vez mais, preocupa-se com aqualidade de vida e os problemasambientais. Apesar de o consumo deembalagens descartveis ter alcanado apreferncia do consumidor, existe apreocupao com a destinao finaldessas embalagens, visto o aumento deseu volume no lixo urbano.

    O Brasil produz cerca de 242.000toneladas de lixo diariamente, destes,cerca de 76% ficam a cu aberto e

    suas necessidades e desejos, o que levaa radicais mudanas no estilo de vida.

    Um setor importante na indstria deembalagem o design de novosprodutos baseados nos possveisimpactos causados. Um estudo realizadona Noruega, no setor de embalagens,demonstrou que dentre 275 tipos deembalagens estudadas no perodo de1992 a 1996, 215 embalagens sofrerammudanas que envolveram pequenasmodificaes como o uso de materiaismais leves, remoo de materialsuprfluo e aumento do volume; em 40casos as mudanas foram maissignificativas, envolvendo o uso dematerial reciclado e substituio damatria-prima utilizada, e, em 20 casos,as mudanas foram grandes, com aintroduo de materiais reutilizveis, oque determinou novas estruturas naindstria e novas atividades para alimpeza e coleta (HEKKERT et al, 2000).

    Opes e polticas voltadas reduode resduos incluem o uso deregulamentaes, incentivos fiscais eesforos voluntrios. As maioresmudanas favorveis produzidas nosetor de embalagens para reduo deresduos atenderam reduo decustos, ao invs de focalizar a reduode resduos (SELKE, 1994).

    Uma das prticas adotadas paradestinao ideal das embalagens areciclagem, em que elas podem serdesviadas dos aterros para a manufaturade bens. A reciclagem traz benefcios,como:

    Diminuir a quantidade de lixo,aumentando a vida til dos aterros.

    Preservar recursos naturais. Economizar energia. Diminuir a poluio do ar e gua. Gerar empregos por meio das

    recicladoras.Existem duas formas distintas de

    realizao da reciclagem: closed-loopingrecycling, quando o reuso ou a

    apenas 24% recebem tratamento maisadequado (VILHENA, 2000). A PesquisaNacional de Saneamento Bsico PNSB,1989, realizada pelo IBGE, editada em1991, mostrou que o aumentopopulacional, bem como o crescimentoda urbanizao, no foi acompanhadode medidas necessrias para dar ao lixogerado um destino adequado.

    Um estudo realizado pelaEnvironmental Protection Agency (EPA),na preveno de gerao de resduos nosetor de embalagens, prope asseguintes prticas (JENKINS,1991):

    1 Reduo na quantidade dematria-prima utilizada por unidade deproduto. Um exemplo disso so astecnologias usadas na indstria degarrafas, que vm conseguindo baixar opeso das mesmas. Segundo Franklin eAssociates, de 1