Click here to load reader

Versão dos jornalistas 140

  • View
    217

  • Download
    0

Embed Size (px)

DESCRIPTION

 

Text of Versão dos jornalistas 140

  • Verso dos Jornalistas - Rio Grande do Sul - Setembro de 2014 1

    Verso Publicao do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do RSRua dos Andradas, 1270/133 - CEP 90.020-008Ano 22 - N 140 - Setembro de 2014 - Porto Alegredos Jornalistaswww.jornalistas-rs.org.br

    Jornalismo sem patro e sem empregadoH 40 anos, um grupo de jovens jornalistas gachos promoveu uma revoluo em plena ditadura militar, criando uma indita cooperativa que deu origem a um jornal que no tinha dono. O Coojornal passou a publicar verses diferentes de notcias editadas pela grande mdia da poca. Em dois artigos publicados nesta edio, mostramos vises contraditrias em torno da ascenso e do declnio do peridico que mexeu com o mundo jornalstico a partir de 1974 Pginas 5 a 7

    Jornalistas recebem aumento real no piso e reposio da inflao Pgina 3

    Sindicato

    Baile do Sindicato reuniu colegas e homenageou funcionrio Pgina 8

    comemorao

    Seminrio rene diferentes classes para discutir condies de trabalho

    Sade

    Pgina 4

    cooJORNAL

    Fotos: Libretos

    Foto: robinson estrsuLas

  • Verso dos Jornalistas - Rio Grande do Sul - Setembro de 20142

    Verso dos Jornalistas uma publicao do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Rio Grande do Sul (SINDJORS). Rua dos Andradas, 1270/133 Centro Histrico Porto Alegre, RS CEP 90020-008Fones: (51) 3226-0664 - www.jornalistas-rs.org - [email protected]

    Edio: Jorge CorreaEdio executiva e reportagem: Bruna Fernanda SuptitzEdio de Fotografia: Robinson EstrsulasDiagramao: Lus Gustavo Schuwartsman Van OndheusdenImpresso: Grfica PioneiroTiragem: 5 mil exemplaresFotos Coojornal: Coojornal - Um jornal de jornalistas sobre o regime militar - Reportagens Selecionadas/ Libretos

    Diretoria ExecutivaPresidente - Milton Simas1 Vice Presidente - Luiz Armando Vaz2 Vice Presidenta - Vera Daisy Barcellos Costa1 Secretrio - Ludwig Larr2 Secretria - Mrcia de Lima Carvalho1 Tesoureiro - Robinson Luiz Estrsulas2 Tesoureiro - Renato BohuschSuplente - Jos Maria Rodrigues NunesSuplente - Luiz Salvador Machado Tadeo

    Diretoria GeralCelso Antonio Sgorla, Fernando Marinho Tolio, Carlos Alberto Machado Goulart, Cludio Fachel Dias, Elson Semp Pedroso, Mauro Roberto Lopes Saraiva Junior, Lo Flores Vieira Nuez, Alan da Silva Bastos, Jeanice Dias Ramos, Jorge Luiz Correa da Silva, Mrcia Fernanda Peanha Martins, Ana Rita Marini, Clarissa Leite Colares, Neusa Teresinha Nunes, Pedro Luiz da Silveira Osrio

    Conselho FiscalCelso Augusto Schrder, Jos Carlos de Oliveira Torves, Antonio Eurico Ziglioli Barcellos, Adroaldo Bauer Spindola Correa, Cludio Garcia Machado

    Comisso de ticaAntnio Silveira Goulart, Antnio Carlos Hohlfeldt, Carlos Henrique Esquivei Bastos, Cristiane Finger Costa, Flvio Antnio Camargo Porcello, Jos Antnio Dios Vieira da Cunha, Celestino Meneghini, Edelberto Behs, Sandra de Ftima Batista de Deus, Marcos Emilio Santurio, Moiss dos Santos Mendes

    Versodos Jornalistas

    Filiado:

    categoria humor de Santiago

    editorial

    Coragem e exemplo. Assim que podemos buscar uma definio para a representatividade da Coope-rativa dos Jornalistas de Porto Alegre, a primeira do gnero no pas, e o seu ousado peridico Coojornal no momento em que movimentos sociais, grupos e partidos polticos de oposio entravam na luta pela reabertura poltica que marcou o perodo entre 1974 e 1985 no Brasil. Nesta edio do Verso dos Jorna-listas, decidimos homenagear o grupo de 66 colegas - e outros agregados depois - que decidiram criar no mbito da comunicao uma cooperativa, que mais rimava com trigo e soja do que com Jornalismo. A cooperativa foi criada em agosto de 1974 e, a des-peito do seu curto tempo de durao, fez histria e transformou-se em parmetro para geraes futuras. Foi um peridico predominantemente poltico, assu-midamente de oposio, mas que procurava tratar tambm de temas vinculados cultura, economia e sociedade.

    No foi em vo que a primeira edio j tratava de um dilema permanente da profisso: demisso. A ma-

    tria principal do jornal que circulou nas redaes de Porto Alegre no final de 1975 falava da crise no dirio Folha da Manh, editado pela Companhia Jornals-tica Caldas Jnior. Um grupo de 21 jornalistas pediu demisso em solidariedade ao afastamento do repr-ter Caco Barcellos - hoje reconhecido nacionalmente - em razo de uma matria sobre violncia policial.

    A manchete da primeira edio do veculo produzi-do em mquina de escrever eltrica era: O jornalista entre a sua tica e os interesses da empresa. Quarenta anos depois do surgimento do Coojornal podemos afir-mar, com certeza, que pouca coisa mudou. Estamos s voltas com demisses em todos os veculos de comuni-cao do Estado e o tema sobre tica rotineiro.

    desnecessrio nos alongarmos sobre as histrias da e do Coojornal pois a matria produzida nos faz voltar no tempo em que um grupo corajoso caracteri-zou-se por denunciar a represso ditatorial, sofrendo por isso srias intimidaes do governo e de grupos de extrema-direita. necessrio, no entanto, tirar-mos lies deste perodo recente em que a unio e

    a solidariedade fizeram muito bem ao Jornalismo. Hoje, vivemos um momento em que as empresas es-timulam a competio e a disputa acirrada entre os profissionais.

    As mesmas universidades, que ficaram olhando o avano da ao do STF que derrubou a obrigatorieda-de do nosso diploma, esto mais uma vez andando na contramo dos fatos e se distanciando da realidade.

    Espaos que poderiam ser ocupados para discus-so e melhoria do ensino do jornalismo que se faz, esto servindo para poucas reflexes e contam, cada vez mais, com a presena das grandes empresas. So as mesmas que demitem depois de utilizar todo o contedo e descartar o trabalhador como se fosse uma laranja estragada. A unio e envolvimento dos jornalistas em torno de sua cooperativa, ainda ser-vem de exemplo de boas iniciativas a serem admira-das e seguidas.

    Coojornal 40 anos: ousadia em perodo conturbado

    Milton SimasPresidente do SINDJORS

    Sindicato se rene com empresas

    Atendendo pedidos da categoria, o Sindica-to dos Jornalistas Profissionais do Rio Grande do Sul (SINDJORS) tem realizado visitas s empresas de comunicao no Estado. O obje-tivo das agendas levar aos gestores pedidos, sugestes e reivindicaes da categoria quan-to s condies de trabalho. Em setembro, a direo do jornal O Sul recebeu o presidente da entidade, Milton Simas, acompanhado da delegada sindical na empresa, Laura Santos Rocha. A pauta da reunio foi definida a partir de um questionrio aplicado junto aos funcio-nrios para elencar prioridades dentre as de-mandas que necessitam de soluo. Tambm neste ms, a gerncia de jornalismo do Gru-po Record recebeu a visita do presidente do SINDJORS, acompanhado do diretor da enti-dade e funcionrio do grupo Renato Bohusch, para apresentar aos novos dirigentes da em-presa assuntos de interesse da categoria.

  • Verso dos Jornalistas - Rio Grande do Sul - Setembro de 2014 3

    Sindicato

    Proposta aprovada prev aumento real para pisos na capital e interior

    O acordo coletivo de 2014 foi aprovado pela ca-tegoria em assembleia geral realizada em 11 de se-tembro. A proposta, apresentada pela entidade pa-tronal, prev aumento real de 1% para os pisos da capital e interior, alm da reposio do INPC no pe-rodo (6,08%) para todos os salrios.

    Com a aprovao da proposta, o piso passa dos atuais R$ 1.825,50 na capital para R$ 1.955,90 e de R$ 1.554,52 no interior para R$ 1.665,50. Tambm esto contemplados com o percentual do INPC o adicional salarial por viagem e o auxlio creche.

    A campanha deste ano iniciou no ms de abril, mais cedo em relao aos anos anteriores, com o objetivo de se antecipar aos eventos que poderiam atrapalhar o andamento da pauta (Copa do Mundo e eleies). Contudo, as tratativas entre os sindica-tos dos jornalistas e patronais se estenderam alm da data-base, que 1 de junho.

    As empresas devero pagar o retroativo referente a junho de 2014 aos jornalistas que no receberam

    nenhum adiantamento. Os profissionais que foram demitidos no perodo que corresponde ao reajuste salarial (entre junho e setembro) tm direito resci-so complementar. As pessoas que se incluem neste quesito devem procurar o setor de Recursos Huma-nos da empresa e, se no obtiverem retorno, podem buscar auxlio junto ao Sindicato.

    Na avaliao do presidente do Sindicato dos Jor-nalistas Profissionais do Rio Grande do Sul, Milton Simas, a anlise do atual cenrio da comunicao no Estado e no pas fator relevante para a apreciao desta pauta. Precisamos compreender a conjuntura em que estamos envolvidos e buscarmos fora para a prxima campanha, que teremos mais tempo para desenvolver, avalia. Essa proposta corresponde

    informao do DIEESE de que, no primeiro semes-tre deste ano, todas as negociaes tiveram ganho acima da inflao, complementa Simas.

    Eleies para delegados sindicaisCom a aprovao da pauta e confirmao de

    homologao do acordo coletivo, ser aberto o processo de escolha dos novos delegados sindicais nos veculos de comunicao, assessorias de im-prensa e rgos pblicos. Para concorrer, o can-didato deve ser sindicalizado e estar em dia com suas mensalidades.

    O delegado o representante do sindicato dentro de cada redao, assessoria e espao pblico. Atra-vs deste profissional as denncias de abuso e as propostas de melhoria chegaro at a entidade com maior agilidade. Mobilize seus colegas e participe. A fora do sindicato construda com a participao ativa da categoria. Acompanhe em nosso site a data das eleies.

    Jornalistas do Vale do Gravata criam delegaciaDentro das aes da campanha de sindicalizao, o Sindicato dos Jornalistas

    Profissionais do Rio Grande do Sul est expandindo seu contato com os profissio-nais que atuam no interior do Estado. No incio do ms, a cidade de Bag recebeu a visita de dirigentes da entidade, que apresentaram a propost