Versos onze

Embed Size (px)

DESCRIPTION

edição 11ª da publicação alternativa Versos Livres, editada em Guarulhos, SP

Text of Versos onze

  • Pgina 8 V ERS OS LIVR ES

    AVATAR

    Voc no entende o que digo

    mas isso no importante

    Medo, fraqueza,

    Oh, tudo bem, estamos vivos !

    Ou virtuais.

    At que se aproxime o grande dia e arranquem de nossos peitos

    Pensamentos de

    psicopatas treinados

    Tom R. Antonio A Benjamin,124

    Frei Gaspar MG- 39840.000 TomZine poesia e afins

    Insonia Sua expresso nervosa Na boca entreaberta o gosto do beijo que nunca esqueceu Olhares intrigantes Lembranas de erros passados Vontade de sair sem rumo Talvez encontre o sono perdido Os amigos, quase todos,

    fizeram escolhas duvidosas Saudades da inocencia que ficou em algum ponto da estrada Saudade do ingnuo eu te amo sussurado ao p do ouvido Perfume de homem mais velho pode tornar-se at sufocante Aventuras de adolescente Quer ser a dona do mundo Esqueceu que ainda uma menina carente insone e ansiosa Fica a mente vagando pela madrugada

    Maria da Paz R. Jos Batoni, 83 - Jd So Jos Amparo- SP 13901.164

    Uma rvore no Limbo

    Que flores sero estas na rvore frente ? No sei nem a cor . Roxa ? Lils ? Magenta ? Sei que ela est bela Exuberante. Alheia ao limbo E humanidade. E nem todas as flores Desabrocharam ainda. Os guarulhenses no se interessam Por esta rvore desconhecida E solitria. Apenas eu, h tempos A contemplo e assimilo Como o rgo sexual desta rua

    Que ainda me d esperanas.

    Rynaldo Papoy R 15, n 333 Guarulhos SP 07084.220 br.geocities.com/rynaldop

    Romantismo Seremos ainda romnticos e entraremos na densa mata, em busca de flores de prata, de areos, invisveis cnticos... ...E to romnticos seremos, de to magoado romantismo, que as folhas dos galhos supremos que se desprenderem no abismo, pousaro na nossa memria - secas borboletas cadas - e choraremos sua histria, - resumo de todas as vidas.

    Ceclia Meireles

    PROFISSO PROFISSO PROFISSO DEDEDE F F F

    Imito o ourives

    quando escrevo imito o amor

    Com que ele,

    em ouro, o alto relevo

    Faz de uma flor

    Por isso, corre por servir-me

    Sobre o papel

    A pena, como em prata firme,

    Corre o cinzel :

    Torce, aprimora, alteia, lima

    a frase ; e enfim

    No verso de ouro engasta a rima

    como um rubim

    Quero que a estrofe cristalina

    dobrada ao jeito

    do ourives, saia da oficina

    SEM UM DEFEITO

    Porque o escrever tanta percia TANTO REQUER

    Que ofcio tal.. nem h notcia

    de outro qualquer

    Ano 1 N 11

    OLAVO BILAC

    INFORMATIVO DE POESIA

  • Pgina 2 V ERS OS LIVR ES

    Noite s vezes a noite me faz sentir uma criana desobediente que foge de seu lar algumas noites sinto o corpo suando colado numa cadeira de um boteco qualquer ou num txi apertado rodando por avenidas vazias algumas noites mais se parecem com um dia inacabado

    Renata Paccola Rua Cafelandia, 53 So Paulo 01255.030 SP

    INFORMATIVO PARA DIVULGAO DA POESIA ANO 1 - GUARULHOS - SP

    EDITOR - Antonio Luiz Lopes ( Touch )

    CORRESPONDNCIA - R. Francisco Antunes, 687 - Vila Augusta - Guarulhos - CEP 07040 010

    Aceitamos colaborao, independente de solici-tao . Acuse o recebimento para envio de novos exemplares .

    MANDE SELOS, D UMA FORA !

    DISTRIBUIO GRATUTA

    Editorial - Mais uns meses, mais um Versos. Me

    me. Quem disse me amorosa, cometeu

    um pleonasmo. Agradeo a correspon-

    dncia que tem segurado o meu equil-

    brio pessoal e incentivado minha auto-

    estima. Grato pela esperana e sensibili-

    dade. Acredito que os fanzines , as publi-

    caes alternativas de maneira geral

    esto criando um novo projeto de poesia

    para o Brasil, um movimento liter-

    rio ,nascendo do underground . Nesta

    edio, alm dos novos poetas - novas

    vozes - ainda ecoam palavras de autores

    consagrados. E ainda Pedro Kilkerry

    (1885-1917) redescoberto pela vanguar-

    da concretista, que nunca teve um livro

    publicado. Versos Livres : aves inquietas

    em cus cinzentos. E a beleza de Came-

    ron Diaz pairando sobre ns.

    Vias da Noite

    H um poema que vem pela noite (no breu da qual stou fera submersa) noite atravessa, resume, implora noctvaga flora . Reata minh`alma dispersa,

    antes do meu corpo a pele um raio tocar de Aurora... Esse grito, qual cuca que se fere ? a nossa Cyber Era que chora meu poeminha que cessa

    Sammis Reachers R. Joaquim Sales Lima, 60 So Gonalo RJ 24755.230

    Amante Da Solido

    Voc entrou no meu corao como um punhal que fatalmente corta as minhas veias envenenadas por seu amor Deixe-me chorar por voc no meu mundo de silncio Nada mais me importa chores tambm por mim se sentir a noite muito vazia Procurei em vo por um lugar aonde o seu amor no pudesse mais me tocar. Mas continuo te amando.... Oh, solido dos meus dias !

    Marcela Vieira R. Gotaru Suzuki, 131 Taboo da

    Serra- SP 06765.140 fanzine Lady

    Of The Flowers

    A NO 1 N 1 1 Pgina 7

    PerfeioPerfeioPerfeio

    O conhecimento a soluo e aquele que o alcanar desfrutar

    no devido curso do tempo o verdadeiro eu que est dentro dele mesmo. Devemos buscar

    o conhecimento e a perfeio por conseguinte. Isso tudo !

    compreensvel por compreender mesmo depois de

    muitos nascimentos No haver mais dificuldades

    e o mundo ser todo feito de arranjos Porque est iado sua bandeira ? quando no podemos criar nada,

    apenas transformar coisas Tudo suficiente !

    mas sofremos devido a ignorncia e o egosmo do nosso corao.

    Srgio Saggard ( em A Teia ) R.Porto do Moinho, 441 Centro

    Bayeux PB- 58307.000

    Aproxime-se :

    me vire daquele jeito,

    a pretexto de me amar

    Estimulado, leviano

    cheio de artimanhas

    Vem. Aproveita e explora !

    S de imaginar ,tenho mpetos

    de balbuciar seu nome

    Aproveita a vulnerabilidade

    s requer......ternura

    Prometo envolv lo delicadamen-te .

    Quero fixar meus olhos nos teus

    olhos

    e entregar-me para mais

    uma descoberta . Anda

    Tira logo a coberta. Ou

    entra em baixo do cobertor Ceclia Fidelli,

    MENSAGEIRO

    Que sentimento inverso e vivo !

    Mesmo depois de tantos desencantos logro encontrar mais encantos

    como se este viver no fosse efemero...

    Mais o crculo do infinito certo que no vivo sem palavras

    elas me so sagradas demais

    e como se tivessem vida prpria

    me espantam o ser embriagado de versos

    e de histrias que no acabam mas permanecem suspensas no ar

    e no esprito .

    Na calma destes dias to estranhos cheios e embelezados da emoo

    E aventura de ser poeta

    delineados de reflexes e ponderaes que nos fazem mais existentes

    Qual Deus este que nos desperta ? !

    que nos cria como criadores ?! Qual formoso e belo o seu trabalho ?!

    Depois de tantas batalhas da vida

    conforta-me o mundo dos livros nas tardes ensolaradas

    Resignado em mim

    EMERSON O. DA SILVA

    R. V. Francisco E. Pinheiro,14 - Jd 31 de Maro Cubato SP

    Minha rua tem drogados que batem minha porta

    So garotas com crianas

    e so garotos perdidos

    s vezes lhes dou uma grana

    com um mesmo conselho antigo

    Pedem socorro com o olhar so famintos de esperana

    isso o que mais importa !

    Isso eu no posso dar ...

    Touch

  • Felicidade

    Desde o nicio do nosso namoro no temos segredo , eu sei tudo que voc faz , voc sabe todos os meus passos. Por isso vivemos em paz .porque existe confian-a entre ns . Eu tenho muita sorte, pois voc essencial nas minhas fantasias e na minha vida sentimental. Com a sua maturidade e tambm muito carinho tornar ento real o meu sonho de amor... E nesta data especial da nossa privacidade me sentirei amada no aconchego dos seus braos meu querido anjo da guarda.. Ento, com tanta felicidade compartilharemos os melhores momentos da histria desse nosso primeiro e eterno sentimento

    Adriana Ribeiro Vieira R. Pedro Souza, 262 Partenon Po RS 91520.130

    Varanda com prgula

    depois da chuva pesada

    Prolas goteando

    Humberto Del Maestro CP 45006 Laranjeiras-

    Serra-ES 29165.250

    Coluna Literatura e Arte

    Abrindo a Janela

    do Corao

    Abro a janela e vejo o mundo

    Pessoas que passam l fora

    O homem carregando o seu

    fardo

    A mulher desolada e sem rumo

    O menino que chora sem po

    Vejo a ausncia de amor

    Vejo a solido. Vejo faltar o

    perdo

    Vejo as guerras, as lutas

    Desagregao .Fecho a janela

    Abro o meu corao ao Pai

    Eterno

    E a Ele peo por todos

    (meninos, homens, mulheres)

    eu peo Amor, eu peo Paz

    eu peo Luz. Abro novamente

    Pgina 6 V ERS OS LIVR ES

    AMANTE DAS LETRAS

    No te importas

    com os homens

    que dormem comigo;

    mas morres de cime

    dos versos

    que fao pra eles...

    Leila Miccols

    http://www.blocosonline.com.br