Vestibular 2010 Caderno A - Segundo dia - com Capax ?· também podiam sofrer fraquezas humanas, tais…

  • Published on
    03-Dec-2018

  • View
    212

  • Download
    0

Embed Size (px)

Transcript

  • CADERNO A 09/11/2009 VESTIBULAR 2010 - UFAC Pgina 1 de 10

    Histria 1) Considere as assertivas sobre a civilizao grega e escolha a alternativa correta: I No seu modelo de democracia os escravos e as mulheres tinham os mesmos direitos que os homens. II O pensamento grego tinha por base a razo e supervalorizava o homem (antropocentrismo). III A elite grega era muito despojada e trabalhava de forma equivalente aos escravos. IV Sua religio era de base politesta e vrios de seus deuses tinham caractersticas antropomrficas. a) O tpico I o correto, pois no Brasil todos so

    iguais perante a lei, e nossa democracia uma rplica perfeita da democracia grega.

    b) O tpico II est correto porque os grandes templos gregos, como o Parthenon e o Templo de Apolo, no poderiam ter sido construdos por escravos e era trabalhando pesado que a elite se preparava para os jogos olmpicos.

    c) Os tpicos II e IV esto corretos, pois tanto a filosofia (pensamento), quanto a religio, tinham como base a razo, inclusive seus deuses tambm podiam sofrer fraquezas humanas, tais como, paixes, dores e fracassos.

    d) Os tpicos I e III esto corretos, pois articulam as diversas camadas sociais, em benefcio da maioria.

    e) O tpico III est correto, pois s os filsofos no trabalhavam.

    2) Dentre as construes mais imponentes da Europa Medieval, destacam-se os castelos e as catedrais. O castelo representava, comumente, a solidez de um senhor feudal, enquanto as catedrais, igrejas, dioceses e parquias representavam no s o poder material da Igreja, como tambm seu maior enraizamento, pois ela se fazia presente em todos os nveis da sociedade. Nesse sentido, podemos afirmar que: I - O poder da Igreja s estava subordinado ao senhor feudal, pois alguns possuam muitos castelos em feudos descontnuos. II - O poder da igreja no estava restrito ao plano espiritual. III Afora os territrios controlados pelo papa, o denominado Patrimnio de So Pedro, havia, tambm, terras controladas por bispos, arcebispos e abades, alm das terras pertencentes s vrias ordens religiosas.

    IV A igreja era a mais importante instituio feudal. a) Os tpicos I e IV s valem para a Baixa Idade

    Mdia. b) O tpico III inclui as terras senhoriais. c) S o tpico I est certo. d) Os tpicos I, III e IV esto certos. e) O tpico III refere-se, apenas, corveia.

    3) A Proclamao da Repblica, no Brasil, em 1889, ou seja, um ano depois da abolio da escravatura, gerou expectativas em partes significativas da populao, de que a partir daquela data poderiam participar das decises governamentais. Contudo, a Constituio de 1891 frustrou essas expectativas. Entre as disposies que limitavam a participao popular, podemos identificar: a) O estabelecimento do voto universal masculino,

    no secreto, que exclua analfabetos, mendigos, mulheres, padres, soldados e menores de 21 anos.

    b) O sistema federativo, pois os estados saram fortalecidos, podendo cada um indicar seu prprio candidato Presidncia da Repblica.

    c) A adoo do sistema parlamentar de representao bicameral.

    d) As correntes jacobinistas, pois eram formadas por setores intelectualizados da jovem repblica.

    e) O prprio Marechal Deodoro da Fonseca, que por ser militar, queria estender o voto aos soldados.

    4) Entre o final do sculo XIX e incio do sculo XX, vrios movimentos contestatrios agitaram a jovem Repblica Brasileira, entre eles, podemos destacar: a Guerra de Canudos, a Revolta da Chibata e a Revolta do Contestado. Esses movimentos e a reao do governo ajudavam a consolidar a ideia do mito fundador republicano, por um lado, representado pelas foras da ordem (militares) e, por outro, pelo anti-heri, do lder popular. Nesse sentido, podemos classificar como anti-heris, respectivamente: a) Oswaldo Cruz, Benjamin Constant e Manoel

    Julio. b) Lampio, Deodoro da Fonseca e Jos Maria. c) Rui Barbosa, Oswaldo Cruz e Antnio

    Conselheiro.

  • CADERNO A 09/11/2009 VESTIBULAR 2010 - UFAC Pgina 2 de 10

    d) Joo Cndido, Duque de Caxias e Lampio. e) Antnio Conselheiro, Joo Cndido e Jos

    Maria.

    5) Foram muitas as anotaes feitas pelos conquistadores das Amricas, durante os sculos XVI e XVII, para provar que os ndios eram inferiores, entre outras, Galeano (1999, 63) destacou: Suicidam-se os ndios das ilhas do Mar do Caribe? Porque so vadios e no querem trabalhar. Andam desnudos, como se o corpo todo fosse a cara? Porque so selvagens e no tem pudor Ignoram o direito de propriedade, tudo compartilham e no tm ambio de riqueza? Porque so mais parentes do macaco do que do homem. Banham-se com suspeitosa frequncia? Porque se parecem com hereges da seita de Maom, que com justia ardem nas fogueiras da Inquisio. Acreditam nos sonhos e lhes obedecem as vozes? Por influncia de Sat ou por crassa ignorncia. livre o homossexualismo? A virgindade no tem importncia alguma? Porque so promscuos e vivem na ante- sala do inferno. Jamais batem nas crianas e as deixam viver livremente? Porque so incapazes de castigar e de ensinar. Comem quando tm fome e no quando hora de comer? Porque so incapazes de dominar seus instintos. Adoram a natureza, considerando-a me, e acreditam que ela sagrada? Porque so incapazes de ter religio e s podem professar a idolatria. Com base no texto podemos inferir que: a) As mais diversas etnias amerndias, contatadas

    pelos europeus, haviam desenvolvido princpios comportamentais de acordo com sua cosmogonia e com seus modos de vida.

    b) Os europeus compreenderam, desde o incio, que os amerndios no poderiam ser humanos como eles, pois eram selvagens e canibais.

    c) Os amerndios tomavam muito banho porque aqui era mais quente que na Europa e eles no

    haviam desenvolvido perfumes como os franceses.

    d) Os europeus tinham os melhores mtodos para educar seus filhos.

    e) Os europeus e os amerndios, mesmo com suas diferenas, uniram-se para construir o Novo Mundo.

    6) Embora o conceito de raa tenha sido desautorizado pela cincia atual, a prtica do racismo permanece ativa. Para Hernandez (2005. 131-2): Essa situao a partir da modernidade tem razes histrico-estruturais no trfico atlntico de escravos, elemento fundamental do sistema colonial do sculo XVI, e foi reforado pelo imperialismo colonial de fins do sculo XIX na frica. Mas, enquanto este tem sido por vezes qualificado como contingente, o racismo integra um corpo ideolgico que antecede e transcende o imperialismo colonial. O texto acima nos permite afirmar que: a) Como o Brasil no mais colnia, racismo

    coisa do passado. b) O racismo atualmente s identificado nas

    piadas de programas humorsticos. c) O racismo existe dos dois lados porque h

    negros que no gostam de brancos e vice-versa. d) O racismo saudvel, pois nos Estados Unidos

    essa prtica levou ao desenvolvimento e, atualmente, temos um negro na presidncia daquele pas.

    e) O eurocentrismo e a ideia de que uns so mais capazes, mais aptos do que os outros consideram, como natural, a submisso de povos dominados, notadamente na frica.

    7) A ascenso de Ronald Reagan presidncia dos Estados Unidos e de Margareth Thatcher ao cargo de Primeira Ministra da Gr-Bretanha, na virada da dcada de 70 para a de 80, desencadeou o processo de construo de uma nova ordem mundial que preconizava o Estado mnimo, no sentido dos investimentos sociais, alm de recomendar a privatizao das empresas estatais. Na Amrica Latina alguns pases, entre eles o Brasil, seguiram risca essas recomendaes, produzindo efeitos impactantes, marcadamente pela gerao de desnacionalizaes, desindustrializao, desconstitucionalizao, desregulamentao de leis que amparavam os trabalhadores e, por fim, desemprego.

  • CADERNO A 09/11/2009 VESTIBULAR 2010 - UFAC Pgina 3 de 10

    O texto acima se refere a alguns efeitos: a) Do desenvolvimento da indstria petrolfera,

    especialmente da prospeco em guas profundas, praticada pela Petrobrs.

    b) Da fase primitiva da globalizao, a partir do sculo XVI.

    c) Da expanso do neoliberalismo. d) Do esgotamento do capitalismo. e) Da crise econmica mundial contempornea.

    8) A dcada de 70 do sculo passado marca uma virada significativa na configurao scio-econmica e poltica da histria do Acre. A tentativa de transformar a economia extrativista, com base na produo de borracha e na coleta de castanha, em uma economia de base pecuria, colocou em conflito os antigos moradores dos seringais contra os novos donos das terras, em sua maioria fazendeiros e grileiros vindos de outros estados, que aqui eram denominados como paulistas. Nesse conflito, os seringueiros desenvolveram uma forma de resistncia denominada empate. Sobre os empates podemos afirmar: a) Eram movimentos que recebiam financiamentos

    estrangeiros, principalmente das Organizaes No Governamentais - ONGs, para criarem obstculos ao desenvolvimento do estado.

    b) Era um movimento dirigido, por subversivos e padres comunistas, que objetivava criar uma guerrilha na Floresta Acreana.

    c) Que recebiam apoio do estado, mesmo assim eram contra as derrubadas, porque elas agrediam o meio ambiente.

    d) Que tiveram o apoio de alguns setores da Igreja Catlica, (Comunidades Eclesiais de Base CEBs e Comisso Pastoral da Terra - CPT), da Confederao dos Trabalhadores na Agricultura - CONTAG e de alguns militantes de esquerda (clandestinos na sua maioria), para sua organizao.

    e) Que tinham na Ordem dos Advogados do Brasil - OAB Seccional Acre, sua principal aliada para mover processos contra os fazendeiros violentos.

    9) Recentemente o jornal Folha de So Paulo classificou a ditadura civil-militar brasileira (1964 1985), de ditabranda, alegando que em outros pases do cone sul os militares tinham sido mais severos. Essa verso tambm defendida por muitos

    oficiais da reserva que, inclusive, se opem s indenizaes pagas aos civis atingidos por suas aes, numa tentativa clara de esconder as 50.000 prises, os 10.000 exilados e as centenas de mortos e desaparecidos. certo que nem todos os brasileiros foram atingidos com a mesma intensidade pelos rgos da represso, mas algumas categorias sofreram, de forma avassaladora, seus efeitos, dentre os mais atingidos destacam-se:

    a) Empresrios e banqueiros que tiveram suas

    atividades cerceadas pelos militares. b) Deputados, senadores, governadores e prefeitos

    que tiveram seus projetos e recursos cortados pelas medidas de conteno adotadas, para equilibrar a balana de comrcio exterior.

    c) Estudantes, sindicalistas, artistas e militantes polticos de esquerda, vistos pelos militares como inimigos internos do Brasil.

    d) Integrantes do Movimento dos Trabalhadores sem Terras, porque com suas mobilizaes desestabilizavam o setor produtivo do pas.

    e) Os militantes das ONGs que, na poca, eram contra a construo da Hidreltrica de Itaipu e da Transamaznica.

    10) Aps a eleio de Jorge Viana (Frente Popular do Acre - FPA), para o Governo do Acre, em 1998, dois vocbulos passaram a fazer parte do dia-a-dia dos acreanos, so eles: florestania e sustentabilidade. Sobre o termo florestania podemos afirmar:

    a) um neologismo criado pelas ONGs, para

    captar recursos para seus projetos. b) Expressa a tentativa de estender as aes do

    estado s populaes, at ento no assistidas por este, fundada numa nova concepo da relao homem-natureza.

    c) um vocbulo que exprime oposio ao conceito de cidadania.

    d) um conceito que se ope ao de sustentabilidade, pois prev a presena do homem na floresta, causa principal de sua destruio.

    e) um vocbulo que no tem explicao prtica, porque o Acre um Estado com alto ndice de desmatamento.

  • CADERNO A 09/11/2009 VESTIBULAR 2010 - UFAC Pgina 4 de 10

    Fsica

    11) A figura abaixo mostra imagens de um teste de coliso. A foto A revela o momento exato da coliso do carro com o muro. Nesse instante, a velocidade do carro era 56 km/h. As fotos B, C e D so imagens sequenciais da coliso. O motorista, que usa cinto de segurana, fica espremido entre seu banco e o volante. A criana, que estava sentada no banco da frente, ao lado do motorista, bate no para-brisa e arremessada para fora do carro.

    CARRON, W., GUIMARES, O. As Faces da Fsica. So Paulo: Moderna, 2008, p. 115. (com adaptaes).

    Com relao ao que foi dito acima e, baseando-se nos conhecimentos de Fsica, pode-se afirmar que: a) No necessrio que os passageiros, sentados

    na parte traseira do carro, usem cinto de segurana.

    b) Em razo da inrcia, os passageiros so lanados para frente, conforme se observa nas fotos B, C e D.

    c) O cinto de segurana contribui para reduzir a acelerao do carro.

    d) O atrito entre o banco e os passageiros suficiente para impedir que esses sejam arremessados para frente.

    e) Os riscos, para os passageiros, seriam maiores se todos estivessem usando cinto de segurana.

    12) Maria precisando vacinar-se contra febre amarela, foi a um posto de sade. Aps 10 minutos de espera, foi atendida por uma enfermeira. Para aplicar a vacina, a enfermeira usou uma fora de 40 N no pisto da seringa. Considerando que essa seringa tenha o dimetro

    igual a 2,0 cm, o aumento da presso do fluido na seringa, em kPa, foi aproximadamente:

    a) 127 b) 130 c) 133 d) 136 e) 139

    13) Joo e Andr empurram caixas idnticas e de mesma massa, com velocidade constante, do cho at a carroceria de um caminho. As foras aplicadas pelos dois so paralelas s rampas. Desconsidere possveis atritos, analise as afirmaes abaixo e assinale a opo correta:

    MXIMO, A., ALVARENGA, B. Fsica. So Paulo: Scipione, 1999, p. 225. (com adaptaes).

    a) O trabalho realizado por Joo maior que o

    trabalho realizado por Andr. b) O trabalho realizado por Joo menor que o

    trabalho realizado por Andr. c) O trabalho realizado por Joo igual ao

    trabalho realizado por Andr. d) Joo faz uma fora de maior intensidade que a

    de Andr, para empurrar a caixa at o caminho.

    e) Joo faz a mesma fora que Andr, para empurrar a caixa at o caminho.

    14) Em geral, a temperatura do ser humano constante e igual a 37C. A hipotermia caracterizada pela reduo da temperatura padro de nosso corpo. A Medicina faz o uso controlado da hipotermia, em determinadas cirurgias cerebrais e cardacas. Esse procedimento diminui o consumo de oxignio do crebro e do corao, bem como reduz a chance de danos ocasionados pela falta de circulao do sangue. Suponha que um paciente, de massa 60 kg, seja submetido a uma cirurgia de corao. A temperatura inicial de

  • CADERNO A 09/11/2009 VESTIBULAR 2010 - UFAC Pgina 5 de 10

    A V

    P Q

    B

    seu corpo 37C e pretende-se diminu-la para 30C. Considere o calor especfico do corpo humano igual a 1,0 cal/g.C e o calor latente de fuso do gelo igual a 80 cal/g. A massa mnima de gelo necessria para diminuir a temperatura do paciente at 30C :

    a) 10 g b) 4,25 g c) 4,25 kg d) 5,25 g e) 5,25 kg 15) O grfico, a seguir, representa a elongao de um objeto, em movimento harmnico simples, em funo do tempo:

    O perodo, a amplitude e a frequncia angular valem, respectivamente:

    a) 2 s, 10 m e 2 rad/s. b) 1 s, 10 cm e rad/s. c) 4 s, 20 cm e /2 rad/s. d) 4 s, 10 cm e /4 rad/s. e) 2 s, 10 cm e 3/2 rad/s. 16) As clulas so as unidades bsicas da vida. O entendimento do funciona...

Recommended

View more >