Vírgula Nº2

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Segunda Edição da Revista Vírgula

Text of Vírgula Nº2

  • Martim Avillez

    Se Portugal nofosse membro da UE

    a recesso teria sido mais funda.

    A dvida europeia

    Interveno do FMI

    nos diferentes pases da UE

    Olhar para o Futuro

    Edio n 2

    Mai.2011

    Ach Brito

    Revitalizar as indstrias

    tradicionais

    Vrgulaportugalmundoeuropaeconomiapolticacultura

  • 34

    6

    7

    11

    12

    16

    21

    22

    Crnica: Cerveja e Tremoo

    Cronologia

    Artigo da Edio - Portugal em

    Contagem Decrescente

    Crdito Universitrio

    Dez Dicas Autonomia

    Financeira

    Figura da Edio

    Martim Avillez Figueiredo

    Product of Portugal

    MOB Carsharing

    Empreendedorismo

    Ach Brito/ Claus Porto

    Como anda o AR?

    ndiceEditorial

    Na segunda

    edio da Vrgula,

    abordamos as

    notcias de uma

    perspectiva mais

    optimista.

    Diariamente

    enunciam-se

    dificuldades que

    se vo

    acumulando ao

    nosso dia-a-dia.

    No entanto,

    importante nunca

    esquecer de

    olhar para o

    futuro, procurar

    evoluir e superar

    as adversidades.

    Esperemos que

    gostem,

    Francisco

    Ins

    Mariana

    Rui

    Vrgula - Porque h sempre algo mais

    DIRECO E REALIZAO

    Francisco Silva, Ins Raposo, Mariana Mendes, Rui Gueifo

    REVISO

    Mariana Mendes

    DESIGN&FOTOGRAFIA

    Todas as imagens e fotografias da revista por Ins Raposo, excepto:

    - Imagem da Capa e das pp. 6,11,14,15,21

    - Fotografias do segmento Turista Almadense, por Mariana Mendes

    AGRADECIMENTOS

    Graa Vilhena

    Lus Martins

    Martim Avillez Figueiredo

    Mnica Vieito / Ach Brito / Claus Porto

    28

    40

    Cultura: Turista Almadense

    em Bruxelas

    A Hipocrisia da Piscina

    3

  • 34

    6

    7

    11

    12

    16

    21

    22

    Crnica: Cerveja e Tremoo

    Cronologia

    Artigo da Edio - Portugal em

    Contagem Decrescente

    Crdito Universitrio

    Dez Dicas Autonomia

    Financeira

    Figura da Edio

    Martim Avillez Figueiredo

    Product of Portugal

    MOB Carsharing

    Empreendedorismo

    Ach Brito/ Claus Porto

    Como anda o AR?

    ndiceEditorial

    Na segunda

    edio da Vrgula,

    abordamos as

    notcias de uma

    perspectiva mais

    optimista.

    Diariamente

    enunciam-se

    dificuldades que

    se vo

    acumulando ao

    nosso dia-a-dia.

    No entanto,

    importante nunca

    esquecer de

    olhar para o

    futuro, procurar

    evoluir e superar

    as adversidades.

    Esperemos que

    gostem,

    Francisco

    Ins

    Mariana

    Rui

    Vrgula - Porque h sempre algo mais

    DIRECO E REALIZAO

    Francisco Silva, Ins Raposo, Mariana Mendes, Rui Gueifo

    REVISO

    Mariana Mendes

    DESIGN&FOTOGRAFIA

    Todas as imagens e fotografias da revista por Ins Raposo, excepto:

    - Imagem da Capa e das pp. 6,11,14,15,21

    - Fotografias do segmento Turista Almadense, por Mariana Mendes

    AGRADECIMENTOS

    Graa Vilhena

    Lus Martins

    Martim Avillez Figueiredo

    Mnica Vieito / Ach Brito / Claus Porto

    28

    40

    Cultura: Turista Almadense

    em Bruxelas

    A Hipocrisia da Piscina

    3

  • Cerveja

    e Tremoo

    Deparamo-nos com um problema em Portugal mais grave do

    que aquele em que pensamos viver. Para alm da

    reestruturao do sistema Econmico-Financeiro urge uma

    reestruturao dos valores individuais e colectivos de um

    povo, da cultura de uma nao. Portugal precisa de

    reencontrar a sua perdida identidade para poder crescer e de

    novo se erguer perante o Mundo.

    Diariamente confrontamo-nos com a decadncia de valores e

    auto-represso da identidade. Reprimimos a cultura que

    nossa em detrimento de outras que no conhecemos sequer,

    mas que globalizaram o nosso pensamento. Vivemos sem

    orgulho e sem auto-estima, com a sndrome do povo

    Portugus.

    Temos medo de trabalhar porque podemos ser a qualquer

    momento despedidos deste trabalho precrio que o

    Portugus (apesar de ser o pas na Europa onde mais difcil

    despedir), temos medo de investir porque podemos perder o

    dinheiro, temos medo. O povo que circundou a Terra pelo mar

    tem agora medo de se orgulhar da sua coragem e

    determinao, da sua histria.

    Quanto aos jovens, a gerao que pode salvar o pas, essa

    vai bem, segundo nos dizem. Perdeu-se, apesar disso, o

    respeito. Nas escolas reina a violncia e os mais jovens

    comeam j a constituir gangs que muitas vezes

    transportam consigo armas. Algumas zonas na grande Lisboa

    parecem ter algumas semelhanas selva, onde reina o mais

    forte. Com os pais a trabalharem mais e mais horas e a

    receberem menos dinheiro, com as famlias a perderem-se

    entre divrcios e mais divrcios, os filhos vagueiam

    abandonados e sem dinheiro nem educao, perdidos num

    Portugal perdido.

    Os casos recentemente transmitidos na comunicao social

    constituem um claro exemplo. Infelizmente, no so novos.

    A reestruturao passa pela resoluo da crise de identidade.

    A par das reformas financeiras e econmicas h que

    responder s questes sociais e identitrias do povo

    Portugus. preciso, em simultneo, reconstruir a economia

    e refundar os valores e a cultura de uma sociedade cada vez

    menos orgulhosa.

    Identidade procura-se

    Cr

    on

    olo

    gia

    o q

    ue

    se

    pa

    ss

    ou

    no

    Mu

    nd

    o

    4

    4Mai11 Troika empresta 78mil milhes a Portugal.

    15% para apoiar a banca

    7Mai11 Cavaco Silva quebra silncio: Se no mudarmos,

    daqui a trs anos estaremos pior

    8Mai11 Passos Coelho insiste na privatizao da CGD.

    17Mai11 FMI e Bruxelas transferem para Portugal a menor quantia

    possvel antes da eleies.

    18Mai11 Pas vai pagar em juros o triplo do que gasta

    num ano em funo pblica.

    2Jun11 PSD mais prximo da vitria nas eleies.

    3Jun11 O Bloco de Esquerda depara-se com conflitos internos

    6Jun11 Vitria clara do PSD, sem maioria absoluta.

    Antev-se coligao PSD-CDS.

    17Jun11 - Governo comea a ser desenhado e os primeiros

    nomes de Ministros so divulgados.

    21 Jun 11 - O novo governo, liderado por Pedro Passos

    Coelho, toma posse no Palcio da Ajuda

    23 Jun 11 - Fisco investiga irregularidades no fundo

    de artes de Joe Berardo.

    Crono

    logia

    5

  • Cerveja

    e Tremoo

    Deparamo-nos com um problema em Portugal mais grave do

    que aquele em que pensamos viver. Para alm da

    reestruturao do sistema Econmico-Financeiro urge uma

    reestruturao dos valores individuais e colectivos de um

    povo, da cultura de uma nao. Portugal precisa de

    reencontrar a sua perdida identidade para poder crescer e de

    novo se erguer perante o Mundo.

    Diariamente confrontamo-nos com a decadncia de valores e

    auto-represso da identidade. Reprimimos a cultura que

    nossa em detrimento de outras que no conhecemos sequer,

    mas que globalizaram o nosso pensamento. Vivemos sem

    orgulho e sem auto-estima, com a sndrome do povo

    Portugus.

    Temos medo de trabalhar porque podemos ser a qualquer

    momento despedidos deste trabalho precrio que o

    Portugus (apesar de ser o pas na Europa onde mais difcil

    despedir), temos medo de investir porque podemos perder o

    dinheiro, temos medo. O povo que circundou a Terra pelo mar

    tem agora medo de se orgulhar da sua coragem e

    determinao, da sua histria.

    Quanto aos jovens, a gerao que pode salvar o pas, essa

    vai bem, segundo nos dizem. Perdeu-se, apesar disso, o

    respeito. Nas escolas reina a violncia e os mais jovens

    comeam j a constituir gangs que muitas vezes

    transportam consigo armas. Algumas zonas na grande Lisboa

    parecem ter algumas semelhanas selva, onde reina o mais

    forte. Com os pais a trabalharem mais e mais horas e a

    receberem menos dinheiro, com as famlias a perderem-se

    entre divrcios e mais divrcios, os filhos vagueiam

    abandonados e sem dinheiro nem educao, perdidos num

    Portugal perdido.

    Os casos recentemente transmitidos na comunicao social

    constituem um claro exemplo. Infelizmente, no so novos.

    A reestruturao passa pela resoluo da crise de identidade.

    A par das reformas financeiras e econmicas h que

    responder s questes sociais e identitrias do povo

    Portugus. preciso, em simultneo, reconstruir a economia

    e refundar os valores e a cultura de uma sociedade cada vez

    menos orgulhosa.

    Identidade procura-se

    Cr

    on

    olo

    gia

    o q

    ue

    se

    pa

    ss

    ou

    no

    Mu

    nd

    o

    4

    4Mai11 Troika empresta 78mil milhes a Portugal.

    15% para apoiar a banca

    7Mai11 Cavaco Silva quebra silncio: Se no mudarmos,

    daqui a trs anos estaremos pi