Virtudes: conceito e classificação - .Virtudes: conceito e classificação FEDERAÇÃO ESPÍRITA

  • View
    212

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of Virtudes: conceito e classificação - .Virtudes: conceito e classificação FEDERAÇÃO ESPÍRITA

  • Virtudes: conceito e classificao

    FEDERAO ESPRITA BRASILEIRA Estudo Aprofundado da Doutrina Esprita

    Livro IV Espiritismo, o Consolador Prometido por Jesus Mdulo III Os vcios e as virtudes

    Roteiro 6

  • Citar o conceito esprita e no esprita de virtude.

    Analisar a classificao das

    virtudes.

    FEB

    EA

    DE

    Li

    vro

    IV

    Md

    ulo

    III

    Rot

    eiro

    6

    Vir

    tude

    s: co

    ncei

    to e

    cla

    ssifi

    ca

    o

    Objetivos

  • Virtude qualidade do que se conforma com o considerado correto e desejvel do ponto de vista da

    moral, da religio, do comportamento social.

    Dicionrio Huaiss da Lngua Portuguesa.

    Para o Cristianismo, assim como para a Filosofia, as virtudes so qualidades efetivadas pelo hbito, tendo como base a atuao simultnea da inteligncia e da vontade. So as virtudes que regulam os atos humanos, ordenam suas

    paixes e guiam sua conduta, segundo a razo e a f. Entretanto, os telogos cristos consideravam as virtudes como uma concesso divina, jamais uma conquista evolutiva

    do Esprito.

    Virtude FE

    B

    EAD

    E

    Livr

    o IV

    M

    dul

    o III

    R

    otei

    ro 6

    V

    irtu

    des:

    conc

    eito

    e c

    lass

    ifica

    o

  • Na viso Esprita, a virtude, no mais alto grau, o conjunto de todas as qualidades essenciais que

    constituem o homem de bem.

    KARDEC, Allan. O evangelho segundo o espiritismo. Cap. 17, item 8.

    Todas as virtudes tm seu mrito, porque todas so sinais de progresso no caminho do bem. [...] A mais meritria a que se baseia na mais desinteressada

    caridade.

    KARDEC, Allan. O livro dos espritos. Questo 893.

    Virtude FE

    B

    EAD

    E

    Livr

    o IV

    M

    dul

    o III

    R

    otei

    ro 6

    V

    irtu

    des:

    conc

    eito

    e c

    lass

    ifica

    o

  • Conceitos filosficos de virtudes

    possvel que a sistematizao dos estudos sobre a virtude comece, efetivamente, com Scrates (470-399 a.C.), filsofo grego da Antiguidade, para o qual a virtude se identificava com o bem (aspecto moral) e representava o fim da atividade humana (aspecto funcional ou operacional).

    Pelo aspecto moral, o homem virtuoso sabe

    discernir o bem e o mal. Pelo sentido funcional, ou fim da atividade

    humana, a virtude a capacidade de bem realizar uma tarefa.

    FEB

    EA

    DE

    Li

    vro

    IV

    Md

    ulo

    III

    Rot

    eiro

    6

    Vir

    tude

    s: co

    ncei

    to e

    cla

    ssifi

    ca

    o

  • Conceitos filosficos de virtudes FE

    B

    EAD

    E

    Livr

    o IV

    M

    dul

    o III

    R

    otei

    ro 6

    V

    irtu

    des:

    conc

    eito

    e c

    lass

    ifica

    o

    Scrates Para Scrates (470-399 a.C.) [...] o homem

    uma alma encarnada. Antes da sua encarnao, existia unida aos tipos primordiais, s ideias do verdadeiro, do bem e do belo; [...].

    KARDEC, Allan. O evangelho segundo o espiritismo. Introduo IV.

    Alm disso, segundo a doutrina Socrtica [...] a virtude no pode ser ensinada; vem por dom de Deus aos que a possuem. [...].

    KARDEC, Allan. O evangelho segundo o espiritismo. Introduo XVII.

  • Conceitos filosficos de virtudes FE

    B

    EAD

    E

    Livr

    o IV

    M

    dul

    o III

    R

    otei

    ro 6

    V

    irtu

    des:

    conc

    eito

    e c

    lass

    ifica

    o

    Aristteles Segundo o filsofo grego Aristteles (384-322

    a.C.), discpulo de Plato, a virtude seria entendida como uma pr disposio ou qualidade inata para o bem, que pode ser adquirida e aperfeioada pelo hbito, atravs da fora da vontade.

    Ensinava tambm que a repetio dos bons hbitos gerava os bons costumes, da serem as virtudes to socialmente valorizadas.

  • Conceitos filosficos de virtudes FE

    B

    EAD

    E

    Livr

    o IV

    M

    dul

    o III

    R

    otei

    ro 6

    V

    irtu

    des:

    conc

    eito

    e c

    lass

    ifica

    o

    Outros filsofos Outros filsofos, surgidos ao longo da histria humana,

    aceitaram parcialmente as ideias de Scrates, Plato e, em especial, as de Aristteles.

    Porm, acrescentaram que a virtude poderia representar tambm qualquer tipo de habilidade humana e no apenas as relacionadas moralidade que se destaca independentemente dos resultados que produz.

    Immanuel Kant (1724-1804), por exemplo, a despeito de ser considerado um dos mais notveis filsofos da Idade Moderna, no utilizava, em seus ensinos, a palavra virtude como uma qualidade moral, substituindo-a por moralidade.

    A palavra virtude era empregada apenas no sentido de cumprimento do dever porque este poderia ser definido e controlado pela razo.

    ABBAGNANO, Nicola. Dicionrio de filosofia. Item: Moralidade.

  • Conceitos cristos de virtudes FE

    B

    EAD

    E

    Livr

    o IV

    M

    dul

    o III

    R

    otei

    ro 6

    V

    irtu

    des:

    conc

    eito

    e c

    lass

    ifica

    o

    A maioria dos telogos cristos considerava as virtudes como uma concesso, ou graa, divina.

    Para o pensamento de muitos, a concesso

    divina estaria apenas em estado embrionria em alguns indivduos, ou plenamente desenvolvida, em outros.

    A concesso de virtudes era critrio

    determinado por Deus. Jamais cogitaram, contudo, que a aquisio de

    virtudes poderia ser conquista evolutiva do Esprito.

  • Conceitos cristos de virtudes FE

    B

    EAD

    E

    Livr

    o IV

    M

    dul

    o III

    R

    otei

    ro 6

    V

    irtu

    des:

    conc

    eito

    e c

    lass

    ifica

    o

    A virtude concesso de Deus, ou aquisio da criatura?

    A dor, a luta e a experincia constituem uma

    oportunidade sagrada concedida por Deus s suas criaturas, em todos os

    tempos; todavia, a virtude sempre sublime e imorredoura aquisio do esprito

    nas estradas da vida, incorporada eternamente aos seus valores, conquistados

    pelo trabalho no esforo prprio.

    XAVIER, F.C. O consolador. Pelo Esprito Emmanuel. Questo 253.

  • Virtudes cardeais Scrates/Plato FE

    B

    EAD

    E

    Livr

    o IV

    M

    dul

    o III

    R

    otei

    ro 6

    V

    irtu

    des:

    conc

    eito

    e c

    lass

    ifica

    o

  • Virtudes ticas Aristteles FE

    B

    EAD

    E

    Livr

    o IV

    M

    dul

    o III

    R

    otei

    ro 6

    V

    irtu

    des:

    conc

    eito

    e c

    lass

    ifica

    o

  • Virtudes dianoticas Aristteles FE

    B

    EAD

    E

    Livr

    o IV

    M

    dul

    o III

    R

    otei

    ro 6

    V

    irtu

    des:

    conc

    eito

    e c

    lass

    ifica

    o Arte

    Cincia Sapincia

    Intelecto Sabedoria

  • Virtudes teologais FE

    B

    EAD

    E

    Livr

    o IV

    M

    dul

    o III

    R

    otei

    ro 6

    V

    irtu

    des:

    conc

    eito

    e c

    lass

    ifica

    o

    F

    Esperana

    Caridade

  • Dividir a turma em quatro grupos para discutir e apresentar uma anlise sobre os seguintes temas:

    a) Conceitos de virtude: esprita e no esprita. b) Virtudes cardeais. c) Virtudes ticas e dianoticas. d) Virtudes teologais.

    Ao final dos debates, o monitor deve fazer uma

    sntese do estudo, procurando esclarecer possveis dvidas, fortalecendo o entendimento do assunto.

    FEB

    EA

    DE

    Li

    vro

    IV

    Md

    ulo

    III

    Rot

    eiro

    6

    Vir

    tude

    s: co

    ncei

    to e

    cla

    ssifi

    ca

    o

    Atividade