Visão Hiperbórea da História

  • View
    105

  • Download
    1

Embed Size (px)

Text of Visão Hiperbórea da História

OCTIRODAE BRASIL

Stio: http://www.octirodaebrasil.com.br

1

Viso Hiperbrea da Histria

Honor et Mortis!

Vontade, Valor, Vitria!

OCTIRODAE BRASIL

Viso Hiperbrea da Histria2

Estudo realizado por um guerreiro iniciado na Gnose Hiperbrea

Gustavo BondinoTraduzido por: Fenrir

Honor et Mortis!

Vontade, Valor, Vitria!

OCTIRODAE BRASIL

Brondino, GustavoViso Hiperbrea da Histria 1. Edio Crdoba: o autor, 2008

120 pgs., 24x16cm3

ISBN 978-987-05-4177-6 1. Ensaio Argentino. I. Ttulo CDD A 864

Todos os direitos reservados. Fica rigorosamente proibida, sem autorizao

escrita do titular do Copyright, sob as sanes estabelecidas nas leis, a reproduo parcial ou total desta obra, incluso o desenho da capa, por qualquer meio ou procedimento, inclusos o reprografia e o tratamento inform-

tico.

Copyright2008 by Gustavo Brondino I.S.B.N.: 978-987-05-4177-6 Impresso na ArgentinaEst feito o depsito que previne a Lei11.723

Honor et Mortis!

Vontade, Valor, Vitria!

OCTIRODAE BRASIL

NDICE 1- Introduo. 2- A mitologia grega: fonte histrica dosmitos hiperbreos. 3- Sntese da armadilha racional do homem adormecido e da lgica gnstica do homem desperto. 4- Anlise histrica das origens e diferenciais das culturas orientais e ocidentais. 5- Estudos das tcnicas gnoseolgicas para abrir os4

registros culturais histricos. 6- Os povos sinrquicos da Idade Antiga que forampartcipes do pacto cultural. 7- A Grcia ateniense e espartana como vnculo Sabedoria Hiperbrea.

8- Augusto, Pontfice Mximo, Prncipe Divino, Imperador Universal. A marcha triunfal da Roma Imperial contra as culturas do Kali Yuga e a Sinarquia Mundial. Os druidas,os judeus e os egpcios, herdeiros e eleitos pelos deuses

da ordem universal. 9- A Ordem Pretoriana. Iniciados nos Mistrios de Marte eApolo. Guerreiros absolutos. Custdios e guardas de honra do Imperador. 10- O cristianismo lunar semtico na histria e a oposio Hiperbrea. O Imprio Romano e as estratgias dos prncipes e imperadores dos Sacro Imprio Romano-

Germnico.11- O imprio carolngio. A mxima estratgia da sinarquia Religiosa e do papado. As segunda invases brbaras. Os vikings e sua marcha feroz contra a sinarquia. Chave Da herana hiperbrea nos prncipes do Sacro Imprio

Romano-Germnico.12- Os vikings. Sua atuao na histria europia. A afirmaoHonor et Mortis! Vontade, Valor, Vitria!

OCTIRODAE BRASIL

dos Smbolos Eternos Hiperbreos. 13- O Sacro Imprio Romano-Germnico e seus Imperadores.

A luta entre os papas e os imperadores. Os movimentosHerticos. Os ctaros e as Ordens de Cavalaria. 14- A idade moderna. O poder da sinarquia mundial nos centros Financeiros. As ordens beneditinas e dominicanas. A resistncia nas monarquias de sangue hiperbreo. 15- A idade contempornea. O novo poder da sinarquia internacional. As ideologias polticas. O surgimento dos

5

Nacionalismos.16- Anlise dos smbolos eternos na arte.

Honor et Mortis!

Vontade, Valor, Vitria!

OCTIRODAE BRASIL

1. INTRODUO.AS BRISAS DO SUL CHEGARO DESDE O POLO, ABRAANDO CALIDAMENTE O GUERREIRO HIPERBREO, SUSSURRANDO EM SEU ESPRITO OS MISTRIOS DAS VERDADES E-

TERNAS.Todo iniciado na gnose hiperbrea deve compreender profundamente a histria, porque jamais, porque jamais existir conscincia absoluta se no despertamos o sujeito histrico que a ontognese do EU e a filognese do si mesmo racial e espiritual. O homem possui uma razo (sujeito racional) que desenvolve um intelecto o qual opera baseado sobre uma estrutura cul6

tura (sujeito cultural), e com ele podemos estudar o esquema de si mesmo(sujeito histrico), verificando assim que participamos de uma histria pes-

soal, familiar, racial e social ou coletiva. dessa maneira que se pretendemos conhecer a ns mesmos devemos imperiosamente conhecer nosso sujei-

to histrico, pessoal e coletivo, por dizer, temos que ESTUDAR E REVISAR NOSSA HISTRIA E A HISTRIA UNIVERSAL. Para isso fundamental abrir os registros histricos, tanto particulares quanto coletivos;por dizer na realidade da histria esto contidas as VERDADES e as

MENTIRAS, sendo necessrio e imprescindvel para o guerreiro conheclas em sua totalidade, porque disto depende fundamentalmente poder conhecer a VERDADE ABSOLUTA DE SI MESMO, A ONTOGNESE

DO EU, DA ORIGEM E DA PTRIA DO ESPRITO. A GNOSE HIPERBREA estuda as estratgias do despertar, e agora neste tratado desenvolveremos as estratgias dos DEUSES e as dosHOMENS DESPERTOS, nas histrias das CULTURAS, QUE FORAM PARTCIPES DE ESTRATGIAS HIPERBREAS E DOS GRANDES

GUERREIROS QUE DELAS PARTICIPARAM. Iniciaremos, pois, um estudo da histria que devemos entender, nocorresponde aos estudos realizados pelas cincias acadmicas histricas.

No consiste em um desenvolvimento exaustivo e sistemtico dos feitoscronolgicos da histria, como os tratados da histria europia ou universal

que gravitaram e descreveram a mesma desde sua realidade histrica, j sejam meramente descritivos no transcorer histrico ou os tratados que emHonor et Mortis! Vontade, Valor, Vitria!

OCTIRODAE BRASIL

seu historicismo contm giros, cursos e desvios que so as perspectivas dosautores. Indubitavelmente que se pretende-se conhecer o passado desde uma

tica simplesmente cronolgica e fenomenolgica, sucessos polticos, milita-

res, diplomticos, etc., existem mltiplos volumes que tem uma OBJETIVAATENO HORIZONTAL E LINEAR DA MESMA, seja atravs da economia, sociedade, cultura, etc., e se o fim conhecer a histria desde es-

ses parmetros recomendamos ao leitor que renuncie a este compndio da VERDADE DA HISTRIA, porque o tratado da HISTRIA HIPERBREA que aqui apresentamos uma obra que trata a mesma desde uma

7

perspectiva claramente NOOLGICA, por dizer, de um ngulo onde o passado est contido em uma estratgia histrica de liberao espiritual.Assim como todos os movimentos intelectuais contemporneos a partir do romancismo contriburam a exaltar sua importncia, a exager-la se cabe,

as tendncias mais antagnicas convergiram por diversas vias. Por exemplo, para a viso TEOCNTRICA ou TELEOLGICA, a histria uma

manifestao externa, visvel, dos DESGNIOS DIVINOS. Para os estudiosos ANTROPOCENTRISTAS o transcorrer histrico a realidade ltima

e essncia, causa e fim da mesma. sua vez, as CINCIAS NATURAIS OU SOCIAIS a reclamam como prpria, tomando a EVOLUO de acordo a suas causas, como ponto de partida de toda fundamentao histrica.

De igual maneira nestes ltimos tempos onde a politizao da cultura manifesta, a histria se revestiu de tendncias muito especficas como oMARXISMO (materialismo histrico) ou o LIBERALISMO (capitalismo) que, de acordo a suas doutrinas polticas, ideolgicas e filosficas a classifi-

caram.Afirmamos com isso que a histria sempre foi analisada e considerada

sob a lupa de um subjetivismo ideolgico que revestiu a mesma de certastendncias, giros, cursos, etc., que a adaptaram a seus critrios e doutrinas.

POR ISSO QUE DE ACORDO COM O PRISMA QUE SE VEJA TEM-SE SUA ANLISE E CONCLUSO. Entendendo e compreendendo estes conceitos nosso estudo histrico est contido desde a viso do guerreiro gnstico hiperbrea. Nossa anlise consiste nas preeminncias histricas,

filosficas e polticas que descreveram e desenvolveram feitos, sucessos, fenmenos sociais que estiveram marcados em determinadas Estratgias Hiperbreas de libertao nacional e espiritual. Esta reviso da histria considera que todos os feitos histricos que se analisaram so portadores em seuHonor et Mortis! Vontade, Valor, Vitria!

OCTIRODAE BRASIL

contedo contextual de MITOS HIPERBREOS, que representam o sentido tico HERICO, PICO E TRANSCENDENTE da vida e da existncia. Neste estudo da Histria todos os fenmenos, acontecimentos e sucessos esto considerados e revisados desde a tica do guerreiro sbio, que

foi iniciado e tem vivenciado a INDIVIDUALIZAO ABSOLUTA HIPERBREA, descrita no Tratado da GNOSE HIPERBREA.8

Honor et Mortis!

Vontade, Valor, Vitria!

OCTIRODAE BRASIL

9

Honor et Mortis!

Vontade, Valor, Vitria!

OCTIRODAE BRASIL

2. A MITOLOGIA GREGA. FONTE HISTRICA DOS MITOS HIPERBREOS.A mitologia o estudo e a interpretao do mito e corpos dos mitos de uma cultura particular, sendo o mito um fenmeno cultural complexo quepode ser encarado desde vrios pontos de vista. Em geral uma narrao de

s a b e r

f o i

descreve e retrata numa linguagem simblica, a origem dos elementos bsicos da cultura. A narrao mtica conta, por exemplo, como se iniciou o

mundo, como foram criados os seres humanos e as espcies, e de que forma se geraram determinados costumes, ritos ou formas das atividades humanas, possuindo quase todas as culturas alguma vez mitos, vivendo em relao com eles.A seqncia do mito extraordinria, desenvolvida em um tempo que

s e

anterior ao nascimento da histria convencional; os mitos se referem a um tempo e lugar extraordinrios, sendo considerados muitas vezes como as-

pectos da religio. Sem embargo, como sua natureza totalizadora, o mito ilumina muitos aspectos da vida individual e cultural da humanidade, ainda que os mesmos tenham plantado um problema de interpretao, gerando muitas controvrsias sobre o valor e a importncia da mitologia.

Nosso estudo se baseia especificamente nos MITOS HIPERBREOS, e podemos encontrar estes mitos em todas as culturas dos povos

RIOS, que em seu paganismo politesta encontram-se estruturados, seja

d e s e n v o l v e n d o :

nas culturas HIND, GREGA, ETRUSCA, ROMANA, ESCANDINAVA, GERMANA. interessante notar que a mitologia grega, RIA, NRDICA e

o

SOLAR desenvolve-se perto de