Click here to load reader

Vitrine Lageana

  • View
    217

  • Download
    3

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Edição 177

Text of Vitrine Lageana

  • VITRINE LAGEANA - LAGES, SEXTA-FEIRA, 24 DE ABRIL DE 2015OpinioSadeSegurana Destaque CidadeEducaoEsporte Poltica

    Lages, sexta-feira, 24 de abril de 2015R$ 2,00

    Ano 05 - Edio 177

    Terceirizao: os trabalhadores vo pagar o patoA Cmara dos Deputados, apesar da intensa campanha da CUT-Central nica dos Trabalhadores, aprovou e manteve o ponto de maior polmica a permisso para terceirizao de qualquer atividade. | Pg. (3)

    Polticos Ignoram Situao do Brasil:O Congresso Nacional (Senado e Cmara dos Deputados) aprovaram o Oramento da Unio, incluindo a fantstica soma de R$ 867,6 milhes para serem gastos com as campanhas eleitorais atravs dos partidos polticos. A presidncia da Repblica sancionou a aprovao o valor que ser destinado ao Fundo Partidrio. Mais uma vergonha!!!

    Xanxer: Levar seis anos para ser reconstruda

    Rally da Altitude: Neste sbado 25A Primeira Etapa do Campeonato Catarinense de Regularidade Para Veculos Antigos tem sua largada em Lages, no Tanque, sbado s 07:30hs. | Pg. (14)

    A princpio, em levantamento extra oficial, o prejuzo estimado pelas aes do Tornado que passou pelo oeste do Estado de Santa Catarina, causou um prejuzo de 45 milhes de reais cidade de Xanxer e Ponte Serrada. A populao est sendo atendida pelo Corpo de Bombeiros, Defesa Civil e por 200 homens do 14 Regimento de Cavalaria Mecanizada de So Miguel do Oeste, alm de outras instituies e de voluntrios. | Pg. (3)

  • VITRINE LAGEANA - LAGES, SEXTA-FEIRA, 24 DE ABRIL DE 2015OPINIO1202

    Senhor diretor:

    Nossa Opinio

    muito comum as pessoas, aproveitando a liberdade que o estado democrtico de direito proporciona, para tecerem crticas s autoridades, principalmente ao governo federal. As pessoas, no generalizando, claro; porm, a maioria nem sabem o que dizem, tamanha a ignorncia que o acompanha, criticam a seu bel prazer, geralmente instigadas por polticos irresponsveis, principalmente alguns que ainda guardam dores de cotovelo dos resultados negativos que obtiveram no pleito eleitoral passado. Essas cobranas do governo do Estado, o lageano Raimundo Colombo no tem muita a razo de ser. Em seu primeiro mandato, apesar das dificuldades em que recebeu a mquina administrativa, o chefe do Poder Executivo Estadual trabalho para realizar os anseios

    da comunidade. Em Lages, a situao da Polcia Militar e da Polcia Civil eram crticas. Havia necessidade de tudo. O governo estadual, formou novos soldados, comprou viaturas e armamentos. Deu um novo nimo nos comandos da corporao e em seus comandados. Na questo da Educao, o governo do Estado j inaugurou diversos ginsios de esportes. Construiu novas salas, reformou escolas, enfim, no ficou parado a espera do Deus dar. Na verdade, o povo no se contenta com nada. Quando mais se realiza, mais quer. So insaciveis. Alis, o povo aprende ser paternalista demais. Falam dos polticos que fazem dos cargos eletivos empregos vitalcios, porm, o povo tambm assim, espera receber tudo do Governo, de mos beijadas.

    O direito de criticar e reivindicar

    Grimpa!

    O Internacional de Lages, foi longe no Campeonato Catarinense. Por pouco no ficou com uma vaga na Copa Brasil. Entretanto, ir disputar o Campeonato Brasileiro da Srie D. Muito bom para um time que estava jogado s traas. Foi bem longe. claro que todos desejavam que conseguisse a classificao para a Copa Brasil. O que se indaga na cidade , porque, dispensaram os melhores jogadores antes de terminar o Hexagonal? Muitolonge ?

    Serviode qualidade

    E, quando acontece um atraso em alguma linha do transporte coletivo, logo surge o sabido que reclama e logo v na sua imaginao uma soluo para o problema do atraso, dizendo: Lages tem que ter outra empresa de transporte coletivo. Isso uma vergonha!, diz aos berros, tentando chamar a ateno. Mal sabe ele que, para que outra empresa possa operar o transporte coletivo, tem que enfrentar uma Licitao Pblica. E no fcil ter uma empresa que tenha a infraestrura da Transul. No por acaso que j est prestando servio por vrias dcadas em Lages. Est aqui porque competente, sua prestao de servio excelente....A melhor

    infraestrutura

    Nenhum usurio do transporte coletivo urbano de Lages pode reclamar do servio que presta a Transul Transportes Nossa Senhora dos Prazeres. Os motoristas e cobradores so pessoas experientes, que recebem treinamentos na empresa para poderem prestar seus servios com dedicao e profissionalismo. O que muitos usurios no entendem sobre alguns atrasos de algumas linhas, so os motivos que levam isso a acontecer. preciso saber o que est acontecendo, e no sair falando abobrinhas sem ter conhecimento da realidade. Se fosse por eles, os motoristas parariam os veculos foram dos locais pr determinados, ou seja, fora dos pontos, para que os belezas pudessem embarcar ou descer do nibus. Esquecem eles, que a empresa cumpre determinaes de uma secretaria competente da Prefeitura Municipal.

    Nulvany Lopes Pael (Chico Pael)

    Muitos so aqueles que, principalmente alguns lageanos, tentam denegrir a imagem do governo do Estado, Raimundo Colombo, tambm natural de Lages. Alis, essa naturalidade, talvez at permite, entre aspas, como dizem por a, que seus conterrneos tomem a liberdade de cobrarem por realizaes. Entretanto, o que no se permite, e no deve, confundir liberdade com falta de educao, ou at mesmo, libertinagem. No se est criticando o direito de reivindicar, solicitar e cobrar do chefe do Poder Executivo Estadual, mais agilidade em seus investimentos na serra catarinense, principalmente em Lages, j que ele, o governador Raimundo Colombo lageano e, portanto, serrano. O crtico, deve saber que, algumas obras que esto a paradas, ou em ritmo lento, j vem de longa data, como o caso do Aeroporto Regional do Planalto Serrano que est sendo construdo em Correia Pinto, na localidade de guas Sulfurosas, distante h 22 quilmetros de Lages. Essa obra j passa longe de uma dcada que est sendo construda.Um outro fator que deve ser levado em considerao, a difcil situao financeira que todos os estados da Federao atravessam. Santa Catarina, no diferente. Raimundo Colombo recebeu um estado praticamente falido, quebrado. Sim ele, teve quatro anos, em seu primeiro mandato para tentar colocar a casa em ordem. No teve muita sorte, pois teve que concorrer a uma reeleio para, no segundo mandato, tentar realizar o que todos os catarinenses almejam, principalmente os

    serranos e lageanos. Na verdade, as pessoas tm pressa, quer a qualquer custo ver obras do governo do Estado. E esto vendo. Em Lages por exemplo, vrias esto acontecendo. A ampliao do Hospital Tereza Ramos, por exemplo, est em dia com o cronograma, e no h atraso de pagamento. Vrias escolas j receberam suas praas esportivas, outras logo sero entregues. As obras nas rodovias estaduais prosseguem. Enfim, certas pessoas devem abrir as janelas dos cubculos em que esto clausurados e colocarem a carinha de fora, e ver que o governo do Estado est trabalhando sim por melhorias de Lages e dos municpios serranos.

  • VITRINE LAGEANA - LAGES, SEXTA-FEIRA, 24 DE ABRIL DE 201503

    Terceirizao passa na Cmara dos Deputados e agora o trabalhador vai pagar o pato!

    Em grande reviravolta, a Cmara dos Deputados aprovou na quarta-feira, 22/04, a ter-ceirizao de mo de obra em todas as atividades de empresas privadas e das administraes pblicas direta e indireta, inclu-sive atividades-fim. Por 230 votos a 203, passou a emenda aglutinativa do relator do PL 4.330/04, deputado Arthur Oliveira Maia (SD-BA), e do PMDB, que alterou pontos do texto e man-teve o principal tema que a pos-

    sibilidade de precarizar a relao de trabalho. Por 257 votos a 38, 33 abstenes e com 115 depu-tados optando pela obstruo, foi aprovada emenda do deputado Carlos Sampaio (PSDB-SP) que tambm permite terceiriza-o nas administra-es direta e indireta. A emenda ameaa convocao de concur-sos para o Banco do Brasil, Caixa

    e Correios, entre outras empre-sas do governo. A retomada do assunto, que agora segue para o Senado, provocou discursos acalora-dos. As alteraes foram aprovadas aps acordo entre a maioria dos par-tidos. Os lderes concordaram em juntar vrias sugestes em uma proposta que acabou votada de uma nica vez. Alm do PT, a

    emenda foi criticada por parla-mentares do PCdoB, do PV, do PSB, do Pros, do Psol e do PDT. Vrios deputados criticaram a conduo dos trabalhos do presidente da Cmara, Eduardo Cunha, durante a votao de emendas. No entanto, partidos como o PSDB, que d vez ante-rior votou contra a possibilidade de se adotar a terceirizao para atividades-fim, foram favorveis nova emenda que retomou o teor do texto original do PL 4.330.

    Depois do tornado, Xanxer pode levar seis ano para se recuperar

    DESTAQUE 1203

    A passagem do tornado a 250 km/h, na tarde de segunda-feira, destruiu metade da cidade. Resta a reconstruo, que no ser fcil. A Defesa Civil do Estado, estima que leve cerca de seis anos para reerguer novamente a cidade, de 48.000 habitantes. Entre os 120 feridos, outras trs vti-mas tm quadros srios de sade. Uma menina de cinco

    anos est na UTI do Hospital Regional de Chapec com trau-matismo craniano, um jovem de 18 anos est internado na neurologia e uma senhora de 63 anos est em coma indu-zido e respira por aparelhos. Os dois mortos durante o tor-nado, Alcemar e Deonir Comin, 48 anos, foram sepultados na tera-feira. A procura por vti-mas ainda no cessou. Para os

    Foram favorveis emenda parlamentares

    do PMDB, PTB, PP, DEM, PPS, PSDB e PPS.

    PSD e PR liberaram as suas bancadas.

    Pres. da Cmara dos Deputados, Eduardo Cunha Mello

    Div

    ulga

    o

    trabalhos de resgate,Xanxer foi dividida em oito setores. Em cada um deles h uma equipe de bombeiros, outra de policiais ambientais e assis-tentes sociais. As tarefas so mltiplas: procurar corpos entre os escombros, auxiliar os desabrigados e garantir que diante