of 16 /16
Opinião Saúde Segurança Destaque Cidade Educação Esporte Política Lages, sexta-feira, 24 de abril de 2015 R$ 2,00 Ano 05 - Edição 177 Terceirização: os trabalhadores vão pagar o pato A Câmara dos Deputados, apesar da intensa campanha da CUT-Central Única dos Trabalhadores, aprovou e manteve o ponto de maior polêmica – a permissão para terceirização de qualquer atividade. | Pág. (3) Políticos Ignoram Situação do Brasil: O Congresso Nacional (Senado e Câmara dos Deputados) aprovaram o Orçamento da União, incluindo a fantástica soma de R$ 867,6 milhões para serem gastos com as campanhas eleitorais através dos partidos políticos. A presidência da República sancionou a aprovação o valor que será destinado ao Fundo Partidário. Mais uma vergonha!!! Xanxerê: Levará seis anos para ser reconstruída Rally da Altitude: Neste sábado 25 A Primeira Etapa do Campeonato Catarinense de Regularidade Para Veículos Antigos tem sua largada em Lages, no Tanque, sábado às 07:30hs. | Pág. (14) A princípio, em levantamento extra oficial, o prejuízo estimado pelas ações do Tornado que passou pelo oeste do Estado de Santa Catarina, causou um prejuízo de 45 milhões de reais à cidade de Xanxerê e Ponte Serrada. A população está sendo atendida pelo Corpo de Bombeiros, Defesa Civil e por 200 homens do 14º Regimento de Cavalaria Mecanizada de São Miguel do Oeste, além de outras instituições e de voluntários. | Pág. (3)

Vitrine Lageana

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Edição 177

Text of Vitrine Lageana

  • VITRINE LAGEANA - LAGES, SEXTA-FEIRA, 24 DE ABRIL DE 2015OpinioSadeSegurana Destaque CidadeEducaoEsporte Poltica

    Lages, sexta-feira, 24 de abril de 2015R$ 2,00

    Ano 05 - Edio 177

    Terceirizao: os trabalhadores vo pagar o patoA Cmara dos Deputados, apesar da intensa campanha da CUT-Central nica dos Trabalhadores, aprovou e manteve o ponto de maior polmica a permisso para terceirizao de qualquer atividade. | Pg. (3)

    Polticos Ignoram Situao do Brasil:O Congresso Nacional (Senado e Cmara dos Deputados) aprovaram o Oramento da Unio, incluindo a fantstica soma de R$ 867,6 milhes para serem gastos com as campanhas eleitorais atravs dos partidos polticos. A presidncia da Repblica sancionou a aprovao o valor que ser destinado ao Fundo Partidrio. Mais uma vergonha!!!

    Xanxer: Levar seis anos para ser reconstruda

    Rally da Altitude: Neste sbado 25A Primeira Etapa do Campeonato Catarinense de Regularidade Para Veculos Antigos tem sua largada em Lages, no Tanque, sbado s 07:30hs. | Pg. (14)

    A princpio, em levantamento extra oficial, o prejuzo estimado pelas aes do Tornado que passou pelo oeste do Estado de Santa Catarina, causou um prejuzo de 45 milhes de reais cidade de Xanxer e Ponte Serrada. A populao est sendo atendida pelo Corpo de Bombeiros, Defesa Civil e por 200 homens do 14 Regimento de Cavalaria Mecanizada de So Miguel do Oeste, alm de outras instituies e de voluntrios. | Pg. (3)

  • VITRINE LAGEANA - LAGES, SEXTA-FEIRA, 24 DE ABRIL DE 2015OPINIO1202

    Senhor diretor:

    Nossa Opinio

    muito comum as pessoas, aproveitando a liberdade que o estado democrtico de direito proporciona, para tecerem crticas s autoridades, principalmente ao governo federal. As pessoas, no generalizando, claro; porm, a maioria nem sabem o que dizem, tamanha a ignorncia que o acompanha, criticam a seu bel prazer, geralmente instigadas por polticos irresponsveis, principalmente alguns que ainda guardam dores de cotovelo dos resultados negativos que obtiveram no pleito eleitoral passado. Essas cobranas do governo do Estado, o lageano Raimundo Colombo no tem muita a razo de ser. Em seu primeiro mandato, apesar das dificuldades em que recebeu a mquina administrativa, o chefe do Poder Executivo Estadual trabalho para realizar os anseios

    da comunidade. Em Lages, a situao da Polcia Militar e da Polcia Civil eram crticas. Havia necessidade de tudo. O governo estadual, formou novos soldados, comprou viaturas e armamentos. Deu um novo nimo nos comandos da corporao e em seus comandados. Na questo da Educao, o governo do Estado j inaugurou diversos ginsios de esportes. Construiu novas salas, reformou escolas, enfim, no ficou parado a espera do Deus dar. Na verdade, o povo no se contenta com nada. Quando mais se realiza, mais quer. So insaciveis. Alis, o povo aprende ser paternalista demais. Falam dos polticos que fazem dos cargos eletivos empregos vitalcios, porm, o povo tambm assim, espera receber tudo do Governo, de mos beijadas.

    O direito de criticar e reivindicar

    Grimpa!

    O Internacional de Lages, foi longe no Campeonato Catarinense. Por pouco no ficou com uma vaga na Copa Brasil. Entretanto, ir disputar o Campeonato Brasileiro da Srie D. Muito bom para um time que estava jogado s traas. Foi bem longe. claro que todos desejavam que conseguisse a classificao para a Copa Brasil. O que se indaga na cidade , porque, dispensaram os melhores jogadores antes de terminar o Hexagonal? Muitolonge ?

    Serviode qualidade

    E, quando acontece um atraso em alguma linha do transporte coletivo, logo surge o sabido que reclama e logo v na sua imaginao uma soluo para o problema do atraso, dizendo: Lages tem que ter outra empresa de transporte coletivo. Isso uma vergonha!, diz aos berros, tentando chamar a ateno. Mal sabe ele que, para que outra empresa possa operar o transporte coletivo, tem que enfrentar uma Licitao Pblica. E no fcil ter uma empresa que tenha a infraestrura da Transul. No por acaso que j est prestando servio por vrias dcadas em Lages. Est aqui porque competente, sua prestao de servio excelente....A melhor

    infraestrutura

    Nenhum usurio do transporte coletivo urbano de Lages pode reclamar do servio que presta a Transul Transportes Nossa Senhora dos Prazeres. Os motoristas e cobradores so pessoas experientes, que recebem treinamentos na empresa para poderem prestar seus servios com dedicao e profissionalismo. O que muitos usurios no entendem sobre alguns atrasos de algumas linhas, so os motivos que levam isso a acontecer. preciso saber o que est acontecendo, e no sair falando abobrinhas sem ter conhecimento da realidade. Se fosse por eles, os motoristas parariam os veculos foram dos locais pr determinados, ou seja, fora dos pontos, para que os belezas pudessem embarcar ou descer do nibus. Esquecem eles, que a empresa cumpre determinaes de uma secretaria competente da Prefeitura Municipal.

    Nulvany Lopes Pael (Chico Pael)

    Muitos so aqueles que, principalmente alguns lageanos, tentam denegrir a imagem do governo do Estado, Raimundo Colombo, tambm natural de Lages. Alis, essa naturalidade, talvez at permite, entre aspas, como dizem por a, que seus conterrneos tomem a liberdade de cobrarem por realizaes. Entretanto, o que no se permite, e no deve, confundir liberdade com falta de educao, ou at mesmo, libertinagem. No se est criticando o direito de reivindicar, solicitar e cobrar do chefe do Poder Executivo Estadual, mais agilidade em seus investimentos na serra catarinense, principalmente em Lages, j que ele, o governador Raimundo Colombo lageano e, portanto, serrano. O crtico, deve saber que, algumas obras que esto a paradas, ou em ritmo lento, j vem de longa data, como o caso do Aeroporto Regional do Planalto Serrano que est sendo construdo em Correia Pinto, na localidade de guas Sulfurosas, distante h 22 quilmetros de Lages. Essa obra j passa longe de uma dcada que est sendo construda.Um outro fator que deve ser levado em considerao, a difcil situao financeira que todos os estados da Federao atravessam. Santa Catarina, no diferente. Raimundo Colombo recebeu um estado praticamente falido, quebrado. Sim ele, teve quatro anos, em seu primeiro mandato para tentar colocar a casa em ordem. No teve muita sorte, pois teve que concorrer a uma reeleio para, no segundo mandato, tentar realizar o que todos os catarinenses almejam, principalmente os

    serranos e lageanos. Na verdade, as pessoas tm pressa, quer a qualquer custo ver obras do governo do Estado. E esto vendo. Em Lages por exemplo, vrias esto acontecendo. A ampliao do Hospital Tereza Ramos, por exemplo, est em dia com o cronograma, e no h atraso de pagamento. Vrias escolas j receberam suas praas esportivas, outras logo sero entregues. As obras nas rodovias estaduais prosseguem. Enfim, certas pessoas devem abrir as janelas dos cubculos em que esto clausurados e colocarem a carinha de fora, e ver que o governo do Estado est trabalhando sim por melhorias de Lages e dos municpios serranos.

  • VITRINE LAGEANA - LAGES, SEXTA-FEIRA, 24 DE ABRIL DE 201503

    Terceirizao passa na Cmara dos Deputados e agora o trabalhador vai pagar o pato!

    Em grande reviravolta, a Cmara dos Deputados aprovou na quarta-feira, 22/04, a ter-ceirizao de mo de obra em todas as atividades de empresas privadas e das administraes pblicas direta e indireta, inclu-sive atividades-fim. Por 230 votos a 203, passou a emenda aglutinativa do relator do PL 4.330/04, deputado Arthur Oliveira Maia (SD-BA), e do PMDB, que alterou pontos do texto e man-teve o principal tema que a pos-

    sibilidade de precarizar a relao de trabalho. Por 257 votos a 38, 33 abstenes e com 115 depu-tados optando pela obstruo, foi aprovada emenda do deputado Carlos Sampaio (PSDB-SP) que tambm permite terceiriza-o nas administra-es direta e indireta. A emenda ameaa convocao de concur-sos para o Banco do Brasil, Caixa

    e Correios, entre outras empre-sas do governo. A retomada do assunto, que agora segue para o Senado, provocou discursos acalora-dos. As alteraes foram aprovadas aps acordo entre a maioria dos par-tidos. Os lderes concordaram em juntar vrias sugestes em uma proposta que acabou votada de uma nica vez. Alm do PT, a

    emenda foi criticada por parla-mentares do PCdoB, do PV, do PSB, do Pros, do Psol e do PDT. Vrios deputados criticaram a conduo dos trabalhos do presidente da Cmara, Eduardo Cunha, durante a votao de emendas. No entanto, partidos como o PSDB, que d vez ante-rior votou contra a possibilidade de se adotar a terceirizao para atividades-fim, foram favorveis nova emenda que retomou o teor do texto original do PL 4.330.

    Depois do tornado, Xanxer pode levar seis ano para se recuperar

    DESTAQUE 1203

    A passagem do tornado a 250 km/h, na tarde de segunda-feira, destruiu metade da cidade. Resta a reconstruo, que no ser fcil. A Defesa Civil do Estado, estima que leve cerca de seis anos para reerguer novamente a cidade, de 48.000 habitantes. Entre os 120 feridos, outras trs vti-mas tm quadros srios de sade. Uma menina de cinco

    anos est na UTI do Hospital Regional de Chapec com trau-matismo craniano, um jovem de 18 anos est internado na neurologia e uma senhora de 63 anos est em coma indu-zido e respira por aparelhos. Os dois mortos durante o tor-nado, Alcemar e Deonir Comin, 48 anos, foram sepultados na tera-feira. A procura por vti-mas ainda no cessou. Para os

    Foram favorveis emenda parlamentares

    do PMDB, PTB, PP, DEM, PPS, PSDB e PPS.

    PSD e PR liberaram as suas bancadas.

    Pres. da Cmara dos Deputados, Eduardo Cunha Mello

    Div

    ulga

    o

    trabalhos de resgate,Xanxer foi dividida em oito setores. Em cada um deles h uma equipe de bombeiros, outra de policiais ambientais e assis-tentes sociais. As tarefas so mltiplas: procurar corpos entre os escombros, auxiliar os desabrigados e garantir que diante do caos a situa-o no piore com saques s casas.J o Ministrio da Integ-

    rao Nacional convocou 200 soldados para ajudar nos trabalhos. A populao no assiste parada. H mutires de reconstruo e at os pro-fessores auxiliam. As aulas no municpio esto suspensas.Doaes tm chegado das cidades vizinhas mais de 700 colches, cobertores, gua, agasalhos, alimentos e o pro-grama Mesa Brasil Sesc anun-

    H 6.000 desabrigados e outras 4.000

    pessoas que sofreram algum dano material.

    Em cinco minutos a destruio foi quase total

    Div

    ulga

    o ciou a oferta de seis toneladas de roupas, alimentos e produ-tos de higiene. O ministro da Integrao Nacional, Gilberto Occhi, j visitou Xanxer, foi a Ponte Serrada, que tam-bm foi atingida com menos impacto, e decretou situa-o de calamidade pblica e emergncia nas duas cidades.Ao instituir calamidade p-

    blica, um dos benefcios da populao retirar o Fundo de Garantia do Tempo de Servio. O ministro do Trabalho, Manoel Dias, anunciou que uma equipe

    ministerial ir a Xanxer nos prximos dias emitir carteiras de trabalho aos atingidos, para que possam retirar o dinheiro. A Caixa tambm deve deslo-car uma unidade mvel rea para avaliar se existe possibili-dade de enquadrar as famlias desabrigadas em programas de construo privada ou no Minha Casa Minha Vida. Uma equipe do Procon Estadual tambm foi enviada cidade para evitar reajustes abusivos no comrcio, principalmente de materiais de construo.

  • VITRINE LAGEANA - LAGES, SEXTA-FEIRA, 24 DE ABRIL DE 2015POLTICA04

    Div

    ulga

    o

    Partidos tm at 30 de abril para prestao de contas

    Trabalhador no pode ser prejudicado, diz Carmen Zanotto

    Em audincia pblica con-junta das comisses de Fis-calizao Financeira e Con-trole e de Desenvolvimento Econmico, Indstria e Comr-cio, na ltima quarta-feira, a vice-lder do PPS na Cmara, deputada Carmen Zanotto (SC), manifestou preocupao com o desemprego em cadeia provo-cado pelo escndalo de desvio de recursos da Petrobras. A parlamentar disse que os trabalhadores brasileiros no podem ser prejudicados. Vivemos uma crise sem prec-edentes. O desemprego pro-vocado pela paralisao dos

    No prximo dia 30, termina o prazo para os partidos polticos apresentarem suas prestaes de contas partidrias refer-entes ao exerccio de 2014. Aqueles que no apresentarem os documentos de acordo com a legislao eleitoral podem ter o repasse de cotas do Fundo Par-tidrio suspenso at que a inad-implncia seja cessada, con-forme o artigo 32 da Resoluo TSE 23.432/2014. A apresentao da prestao de contas pelos diretrios estad-uais, municipais e comisses provisrias dos partidos deve seguir as Orientao Tcnica n 2 de 2015, da Assessoria de Exame de Contas Eleitorais e Partidrias (Asepa) do TSE, nos termos da Portaria TSE n 107 de 4 de maro deste ano. Os

    procedimentos estabelecidos nas Orientaes Tcnicas n. 2 devem tambm ser observados para as prestaes de contas de exerccios anteriores a 2014, eventualmente no entregues Justia Eleitoral. Os diretrios nacionais das legendas devem entregar no TSE as respectivas prestaes de contas. J os diretrios estaduais devem apresent-las aos Tri-

    bunais Regionais Eleitorais (TREs), e os diretrios munic-ipais, nas zonas eleitorais. A entrega da prestao de contas anual pelos partidos polticos determinada pela Constituio Federal (artigo 17, inciso III) e pela Lei dos Partidos Polticos (Lei n 9.096/1995 artigo 32).

    Dos registros contbeis e da aplicao dos recursos rece-bidos, prprios ou do Fundo Partidrio.

    De acordo com a legis-lao, compete Justia Eleitoral fiscalizar as contas dos partidos e a escritura-o contbil e patrimonial, para verificar a correta re-gularidade das contas.

    contratos poder aumentar se no forem retomados os investimentos na Petrobras. bom deixar claro que os trabal-hadores no podem pagar por esta lambana que se instalou no pas, afirmou Carmen.Carmen Zanotto citou ainda pesquisa do Ministrio do Tra-balho e Emprego mostrando que, de outubro de 2014 a fevereiro deste ano, houve 250 mil demisses no Brasil. Conforme o prprio minist-rio, 70 % dessas demisses tm a ver com a paralisao dos contratos da Petrobras com as empreiteiras investi-gadas pela Lava Jato.Segundo a vice-lder do PPS, falta a Casa trabalhar pela mel-horia de mecanismos que pos-sam reduzir as brechas na Lei das Licitaes (8.666) e para que o Regime Diferenciado de Contratao, o RDC, no seja to aberto assim como est hoje, a ponto de permitir esses absurdos que estamos vendo a, destacou a deputada.

  • VITRINE LAGEANA - LAGES, SEXTA-FEIRA, 24 DE ABRIL DE 2015

    VITRINE LAGEANA - LAGES, SEXTA-FEIRA, 24 DE ABRIL DE 2015POLTICA 05

    URNAS SOB SUSPEITANo de hoje que existe a sus- peita de que as urnas eletr-nicas podem ser fraudadas. Afinal, trata-se de um equipamento eletrni-co, apenas, e por consequncia, pode ser programado. Alis, . Exatamente para serem usados durante o pleito. A questo se acentua no campo das dis-cusses, principalmente na Comisso que discute a PEC da Reforma Poltica, na Cmara dos Deputados. Na ocasio, o deputado federal Marco Tebaldi falou sobre as urnas eletrnicas e as incon-tveis suspeitas de fraude nas ltimas eleies. Segundo ele, as urnas devem emitir um comprovante de votao, que

    dever ser depositado em uma urna para a apurao, garantindo segurana contabilizao dos votos. Por fim, talvez por isso que nenhum pas do mundo adotou o modelo de computao de votos usado no Brasil.

    H suspeita de que as urnas eleitorais esto sendo fraudadas

    Div

    ulga

    o

    No poderia eu imaginar que dentro das esferas do Governo do Estado ainda no existe um plane-jamento que destine o lixo reciclvel originrio de suas reparties. Pois, o jovem deputado estadual Gabriel Ribeiro, PSD, mal comeou seu trabalho e j diagnosticou a necessidade. Tanto que deve propor a normatizao e criar regras quanto questo, com aprovao dos demais deputados. Uma forma de fortalecer os segmentos que trabalham com o lixo reciclvel, e, de quebra, gerar mais renda aos envolvidos.LIXO

    Por Paulo ChagasVITRINE POLTICA

    Colatto tenta evitar o emplacamento de mquinas agrcolas

    Pau

    lo C

    haga

    s

    Os bons observadores j devem ter notado que o processo elei-toral visando a sucesso de Raimundo Colombo, em 2018 j est deflagrado, justamente, pelas maiores foras que hoje compem o prprio Governo, ou seja, o PSD e o PMDB. Em ambos os lados o assunto tornou-se voz

    corrente. De um lado, o PMDB, o primeiro a dizer que no abre mo da candidatura prpria e lanou, inclusi-ve, o nome de senador Luiz Henrique da Silveira. No caso do PSD, dois nomes tm despontado: os dos deputados Gelson Mersio e Joo Rodrigues, ambos do Oeste do Estado.

    DEFLAGRADO

    A impresso que se tem que o deputado federal Valdir Colatto

    EMPLACAMENTO

    Observo que:Mesmo que o radar instalado em Lontras esti-vesse funcionando, no seria possvel prever o tornado que atingiu a cidade de Xanxer, no Oeste do Estado. Alis, est estragado desde janeiro deste ano, segundo informaes;Impressionante mais ainda tem gente em Lages re-clamando que no recebeu telhas, desde outubro do ano passado. E mais, questionam a ajuda dada Xanxer sem completar o apoio aos necessitados do prprio Municpio;Uma coisa no tem nada a ver com outra. Aten-der aos necessitados de Xanxer passa a ser uma questo humanitria. Assim como foram feitas campanhas em todos os municpios de SC, no atendimento Lages, no ano passado.

    Mesmo diante de uma das maiores crises econmicas e politicas do Pas, a presidente Dilma Rousseff consegue criar outras situaes, sem o mnimo constrangimento. Refiro-me aprovao do novo valor do Fundo Partidrio. Ela simplesmente triplicou, chegando a quase R$ 900 milhes. Tudo para

    agradar os polticos e seus partidos. Faz benevolncia com moeda de troca, sabendo que a nica sustentao de seu governo vem das bases partidrias. Brinca com a inteligncia das pessoas. E mais, mostra que o recado das ruas no foi assimilado. O pior, que tambm acho que de nada serviram. Nenhuma atitude nas entranhas governamentais foi adotada para por em prtica as exigncias originadas dos manifestos. Literalmente, mandam e desmandam, sem pensar na populao. A aprovao do Fundo Partidrio denota o descaso com o povo. A nica preocupao estar de bem e ter o respaldo dos partidos.

    DIFCIL ACEITAR

    (PMDB-SC) est sozinho na luta contra o emplacamento de tratores e mquinas agrcolas. Esta semana ele apresentou trs emendas Medida Provisria 673/2015, que altera o Cdigo de Trnsito Brasileiro para colocar fim ao emplacamento de tratores e mquinas agrcolas. As propostas do parlamentar catarinense modificam o texto para trazer mais clareza e segurana aos agricultores, alm de adicionar artigo que beneficia as cooperativas de transporte de cargas. Municpios e classes do setor produtivo poderiam ser mais enfticos na luta contra a proposta que vai prejudicar ainda mais o setor produtivo.

  • VITRINE LAGEANA - LAGES, SEXTA-FEIRA, 24 DE ABRIL DE 201506 SADE

    Os estgios da ingesto de lcool no seu corpo e proteja sua sade

    Um, dois ou trs copos? Quanto tempo demora para voc sentir os efeitos da bebedeira no corpo? Mesmo que a quantidade de bebida necessria para a embriaguez varie de pessoa para pessoa, os perigos do consumo de lcool so iguais para todos. O psiquiatra Arthur Guerra, professor da Faculdade de Medicina do ABC, explica que os danos fisiolgicos causados por uma intoxicao aguda pelo lcool so reversveis, mas a len-tido e a perda de conscincia podem causar graves acidentes, esses sim com complicaes permanentes. Existem trs principais riscos decorrentes do consumo excessivo de lcool: a perda dos reflexos, favorecendo acidentes; a aspirao do vmito, que acontece durante o perodo de inconscincia; e o quadro de depresso respiratria, ou seja, a diminuio ou cessao da respirao. Segundo dados da Organizao Mundial de Sade

    Exame de PCR detecta dengue em estgios precoces

    O exame de PCR ou teste molecular para dengue usado para determinar se uma pes-soa est infectada com o vrus. Como os sintomas de dengue so muito parecidos com os de outras doenas, por exemplo gripe e virose, o teste auxilia no diagnstico mais preciso. O teste molecular para dengue pode detectar o vrus nos primeiros 5 dias aps o incio dos sintomas. Mtodo capaz de identificar o material gentico do vrus no sangue enquanto ele ainda est se multiplicando.O diferencial do exame de PCR que ele pode identificar qual o sorotipo que est infectando o paciente. Existem quatro tipos de vrus da dengue (DEN-1, DEN-2, DEN-3 e DEN-4) e eles tem materiais genticos dife-

    Laboratrio realiza teste de PCR

    Div

    ulga

    o

    Febre alta Forte dor de cabea Dor atrs dos olhos, que piora com o movimento Perda do paladar e apetite Manchas e erupes na pele semelhantes ao sarampo, principalmente no trax e membros superiores Nuseas e vmitos Tontura Extremo cansao Moleza e dor no corpo Muitas dores nos ossos e articulaes Dor abdominal (principalmente em crianas)

    rentes. Como o teste identifica o DNA do vrus, possvel fazer essa diferenciao. No muito comum fazer o exame molecular para diagnstico de dengue. Ger-almente feito o exame de soro-logia, que detecta a presena de anticorpos responsveis por

    combater o vrus da dengue no sangue do paciente.A principal indicao do exame de PCR para dengue so pessoas que apresentam sintomas da doena. Os prin-cipais sinais so:

    (OMS), 58% da populao adulta abstiveram-se do con-sumo de bebidas alcolicas nos ltimos 12 meses. Que tal aumentar ainda mais esses nmeros? O pri-meiro passo entender que at mesmo um dia de porre afeta o funcionamento do seu organismo. Os especialistas nos contaram como isso acon-tece. Confira a seguir.

    Enquanto voc ainda est sbrioA psicobiloga Maria Lcia Formigoni, chefe do departamento de Psicobio-logia da Unifesp, explica que as molculas de lcool so pequenas e solveis. Isso sig-

    nifica que elas chegam muito rapidamente a todos os nos-sos tecidos, principalmente ao fgado, rgo responsvel por 90% da metabolizao do lcool, que ento transfor-mado em acetaldedo. Essa substncia a respon-svel pelos efeitos danosos associados ao consumo de lcool. E, mesmo enquanto voc est sbrio, ela j est se acumulando no seu organismo e deteriorando sua sade. Os sintomas da ressaca, como as dores de cabea, a presso arterial elevada e a taquicar-dia, so causados pelo excesso dessa substncia no organis-mo, explica a especialista.

    O danoso vcio de consumo de bebida alcolica

    Div

    ulga

    o

    Cncer de prstata: exame de toque e PSA

    Diagnosticar precocemente um cncer potencialmente letal ou ainda suas leses precursoras so os principais objetivos de um exame de ras-treamento. No caso do cncer de prstata (CaP), os dois exames que se demonstraram eficazes e custo-efetivos foram a dosagem do PSA (do ingls, prostatic specific antigen) e o toque retal. No entanto, devido a resultados conflitantes em estudos publicados nos lti-mos anos, o rastreamento do cncer de prstata no con-senso na comunidade mdica. Existe uma srie de prs e con-tras que devem ser discutidos com o paciente:

    Prs: Diagnstico precoce Doena mais fcil de tratar e com uma maior chance de cura se diagnosticada pre-cocemente PSA amplamente dis-ponvel e de fcil realizao Alguns homens se tran-quilizam aps um resultado negativo O n de mortes por cncer de prstata vem em queda desde o advento do teste de PSA.

    Contras: Alguns casos de CaP so de crescimento lento e restrito a glndula, com uma chance pequena de se tornar clinica-mente relevante O tratamento da doena localizada pode causar efeitos colaterais permanentes como disfuno ertil, incontinncia urinria e retite actnica O teste de PSA no per-feito. Existem falsos positivos e falsos negativos Um teste falso positivo pode gerar uma ansiedade desnecessria.Uma vez discutidos os prs e contras dos exames de rastrea-mento, alguns aspectos devem ser discutidos:A idade na qual os exames de rastreamento devem ser indicados variam conforme o risco da doena. Para a popu-lao geral, sem fatores de alto risco, a idade indicada a partir dos 50 anos. Naqueles com critrios de alto risco (afrodescendentes, familiares de primeiro grau de um caso de CaP com < 65 anos) est recomendado o rastreamento aos 45 anos.

  • VITRINE LAGEANA - LAGES, SEXTA-FEIRA, 24 DE ABRIL DE 201507EDUCAO

    82% dos municpios no prestaram contas de investimento em educao

    Apenas 17,61% dos mu-nicpios brasileiros j presta-ram contas dos investimentos feitos em educao em 2014Mais de 80% dos municpios brasileiros no prestaram con-tas ao governo federal dos investimentos feitos em edu-cao em 2014, segundo o Ministrio da Educao (MEC). O prazo para encaminhar as informaes ao Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educa-o foi at esta quarta-feira, foram recebidas informaes

    de apenas 1.003 municpios, 18% de um total de 5.568 cidades. Os municpios que

    no cumprirem o prazo ou no comprovarem o investimento de, no mnimo, 25% do ora-mento em educao recebero

    indicao de inadimplncia no Servio Auxiliar de Infor-maes para Transferncias Voluntrias e podero ficar sem recursos financeiros do governo federal neste ano.Se o Estado ou municpio no investir o mnimo de 25% de seu oramento total em manuteno e desenvolvim-ento do ensino, o FNDE tambm envia um comunicado aos tri-bunais de contas estaduais e ao Ministrio Pblico informando o no cumprimento da meta.

    A prestao de contas feita atravs do Sistema de Informaes sobre Oramentos Pblicos em Educao, sistema infor-matizado do MEC.

    Por que investir nas crianas faz toda a diferena

    Cada prefeito tem um hori-zonte de tempo, tendo em vista sua motivao pessoal, sua carreira poltica e experincia anterior. Vamos sugerir quatro medidas que podem se trans-formar em magnficas florestas. Elas so complexas e seus efei-tos levam algum tempo para aparecer. um trabalho para polticos com viso de longo prazo, polticos que tambm so homens pblicos e estadistas.Aviso aos governantes: na sociedade do conhecimento, o investimento de maior retorno o que se faz nas pessoas, no chamado capital humano; den-tre os investimentos no capital humano, o que d maior rendi-mento o que se faz na primeira infncia, nos anos iniciais de vida. A razo simples. Quanto mais tempo nosso dinheiro fica investido, mais rende, so juros sobre juros. Assim tambm se

    d com o capital investido nos anos iniciais de vida. Sabemos mais: conhecemos quais inves-timentos produzem melhores resultados. Em ordem: investir na preveno da gravidez juve-

    Crianas usam culos para acompanhar o eclipse solar no Observatrio Real de greenwich, em Londres

    Div

    ulga

    o nil, investir na orientao e cuidados durante a gravidez, investir nas famlias para que elas aprendam e possam

    cuidar de seus filhos, investir em programas como creches - mas s investir em creches que sejam de excelente qual-idade. Creches medocres ou ruins so piores do que a falta de creches. Ou seja: poltica de primeira infncia no poltica de criar creches.O Brasil possui vrios modelos diferentes de aten-dimento s famlias, e que cabem no bolso das pre-feituras. Incluem programas de visitao familiar, trein-amento dos pais em habili-dades parentais, programas de leitura para crianas, brinquedotecas, mes cre-cheiras, convnios com insti-tuies no governamentais e muitos outros.

    Os cinco maiores erros dos currculosA apresentao visual um dos escorreges a ser evitados. Visual limpo e organizado, sem o uso de abreviaes, a melhor maneira de formatao, diz Lar-issa Meiglin, consultora de car-reiras da Catho, site de empregos. Evite tambm o uso de cores e

    diferentes tipos e tamanhos de fonte, completa. preciso redo-brar a ateno tambm com o texto de introduo, inevitvel quando o documento enviado por e-mail. Este o momento em que o candidato deve ser sucinto ao explicar seu interesse na vaga.

    Jamais envie um currculo sem um texto de apresentao no corpo do e-mail, diz Larissa. Procure no exagerar nem esconder suas qualidades ou omitir suas habilidades. diz rica Isomura, especialista em recur-sos humanos na VAGAS.com.

  • VITRINE LAGEANA - LAGES, SEXTA-FEIRA, 24 DE ABRIL DE 2015CIDADE08

    San

    dro

    Sch

    euer

    man

    n

    Lages j tem cerca de 500 kg de alimentos para doar a Xanxer

    Situao problemtica dos condomnios populares

    No programa Minha Casa, Minha Vida, h um contrato de financiamento entre a Caixa Econmica Federal e o mora-dor onde este se compromete em no alugar, emprestar ou vender os apartamentos at um perodo de dez anos, perodo previsto para a quitao das prestaes subsidiadas pelo Governo Federal. Atualmente, a prestao varia de R$ 25 a R$ 80. No entanto, segundo o que revelou o gerente da Caixa em Lages, Lus Pacheco de Andrade, em chamado feito pela vereadora Aida Hoffer (PSD) na Cmara de Vereadores, j foi registrado mais de 80 denn-cias de aluguel ou venda dos imveis pelos moradores dos condomnios, em situaes que podem ser encaixadas como crime de estelionato, falsidade ideolgica, entre outros.

    A Defesa Civil de Lages est recebendo donativos que sero encaminhados ao municpio de Xanxer, no Oeste do Estado, onde, na segunda-feira (20), um tornado atingiu o permetro urbano. Com 47 mil habitantes, Xanxer est em situao de calamidade pblica desde a tarde de segunda. Com pelo menos 2,6 mil pessoas atingidas, 120 feri-dos e duas mortes, a cidade ficou

    inicialmente sem energia el-trica e comunicao. Em alguns bairros faltou gua. At o meio da tarde da quarta-feira (22), aproximadamente 500 quilos de alimentos no perecveis e cinco mil litros de gua potvel foram doados em Lages para as vtimas do desastre natural.O caminho F4000 da Defesa Civil e mais um caminho de grande porte, cedido pela Sec-

    Esta a primeira remessa de donativos que sairo de Lages oficialmente por intermdio do poder pblico municipal

    retaria de Meio Ambiente e Servios Pblicos, ambos com capacidade para cinco toneladas, receber os fardos e pacotes de alimentos para transporte at Xanxer, a 287 quilmetros de Lages. Estamos alcanando estes resultados graas solidar-iedade do povo lageano que atendeu ao chamado da pre-feitura, em nome do prefeito interino Toni Duarte, Defesa Civil e Secretaria de Meio Ambiente, pontua o secre-trio-executivo da Defesa Civil, Adilson Panek.O secretrio de Meio Ambi-ente e vice-secretrio da Defesa Civil, Mushue Hampel, esteve em Xanxer na tera-feira (21). Com as informaes coletadas in loco, a adminis-trao municipal montou o plano de ajuda.

    Existe um comrcio clandestino ilegal

    em Lages e em todo o pas sobre isso. So

    aproximadamente R$ 1.600,00 que a Prefeitura perde de arrecadar no ITBI por imvel,aponta o secretrio munici-pal de Habitao, Ivan Magaldi Junior. Ele acredita que as

    pessoas beneficiadas pelo programa precisam ser mais conscientes. Alguns esto vendendo seus apartamentos por R$ 30 mil, para gastar em carros, em churrascos. uma incompetncia do Governo Federal no ter no bojo deste grande projeto uma soluo para um prob-lema que era evidente que ia acontecer.

  • VITRINE LAGEANA - LAGES, SEXTA-FEIRA, 24 DE ABRIL DE 2015ECONOMIA 09

    Dvida externa do Brasil

    A dvida externa do Bra-sil corresponde soma dos dbitos externos do Brasil. A posio estimada da dvida externa total em outubro de 2014 registrou US$338,6 bil-hes. Em 21 de fevereiro de 2008 o Banco Central do Bra-sil informou que o Brasil pos-sui recursos suficientes para quitar a sua dvida externa. Pois o pas registrou reservas superiores sua dvida externa do setor pblico e do setor privado. Foi a primeira vez na histria do Pas que o Brasil deixou de ser devedor lquido. A dvida de longo prazo alcanou US$ 258,3 bilhes, aumento de US$ 6 bilhes, enquanto a de curto prazo atingiu US$ 39 bilhes, ret-rao de US$ 6,9 bilhes no perodo comparativo. Os prin-cipais fatores de variao da dvida externa de longo prazo

    foram as captaes lquidas de emprstimos tomados pelo setor no financeiro, US$ 2,7 bilhes; emprstimos tomados por bancos, US$ 2,2 bilhes; ttulos emitidos por bancos, US$1,3 bilho; ttulos emiti-dos pelo setor no financeiro, US$ 1 bilho; e ttulos emitidos governo (reabertura do Global 41), US$ 1 bilho. A retrao da dvida externa de curto prazo decorreu princi-palmente de amortizaes lqui-das de emprstimos e de ttulos por bancos, US$ 3,8 bilhes e US$ 2,6 bilhes, na ordem.

    A crise econmica de 2015 inevitvel

    No precisa nem ler revis-tas e relatrios de consultorias especializadas, basta fazer suas compras mensais em qualquer supermercado, concorda? Um dos principais impactos da crise econmica de 2015 sobre a vida das pessoas e negcios das empresas ser a retomada da inflao em um ritmo acelerado, principalmente no primeiro semestre. o tarifao que vem sendo comentado por can-didatos e dado como certo por analista econmicos. O resultado

    disso ser um gigantesco salto na inflao com todas as conse-quncias nefastas que isso pode trazer, como perda real do poder aquisitivo dos salrios e srios problemas para a cadeia produ-tiva nacional. A atual situao econmica do Brasil d ntidos sinais de que este o cenrio mais provvel para 2015.A poltica cambial praticada pelo governo nos ltimos tem-pos tem mantido o dlar em um nvel artificial atravs da injeo diria de volumes gigantescos

    Div

    ulga

    o

    o tarifao que vem sendo comentado por candidatos e dado como certo por analista econmicos.

    de recursos que compem nossas reservas internacio-nais e manobras contbeis nas contas pblicas, cinica-mente chamadas de cont-abilidade criativa.O resultado um dlar barato que incentiva a impor-tao, destruindo a indstria nacional, e prejudica as expor-taes contribuindo ainda mais para a estagnao da nossa economia. O resultado dessa combinao nefasta um gigantesco rombo na bal-ana comercial que precisar ser corrigido rapidamente.A crise econmica de 2015 provocar inevitavelmente um forte ajuste na cotao do Dlar e outras moedas fortes como o Euro, queira o futuro governo ou no. A continuar a poltica de se tapar o sol com a peneira, que temos visto nos ltimos anos, o reajuste se dar atravs do cmbio negro.

    As amortizaes lquidas de

    emprstimos pelo governo somaram US$ 1,8 bilho. A

    variao por paridades reduziu o estoque em

    US$746 milhes.

  • VITRINE LAGEANA - LAGES, SEXTA-FEIRA, 24 DE ABRIL DE 201510 PUBLICIDADEVITRINE LAGEANA - LAGES, SEXTA-FEIRA, 24 DE ABRIL DE 2015

    Prefeitura de Lages, compromisso com o cidado.

    depende de cada um de ns.Uma Lages melhor

    IPTU 2015

    6X Pague seu IPTU com benefcio

    do parcelamento em 6 vezessem juros.

    1 parcela 27 de Abril

    mais

    Sade Educao Obras

  • VITRINE LAGEANA - LAGES, SEXTA-FEIRA, 24 DE ABRIL DE 201511GERAL

    Div

    ulga

    o

    Defesa Civil quer retorno das atividades do radar meteorolgico

    Abril verde: conscientizao sobre acidentes e doenas do trabalho

    O movimento Abril Verde, tem o intuito de comear ideali-zar campanhas em parceria com instituies pblicas e privadas, promovendo em favor da sade e segurana do trabalhador ser-rano. O ms foi escolhido por conter duas datas importantes para o tema: o dia 07 de abril, Dia Mundial da Sade, e o dia 28 de abril, Dia Internacional em Memria s Vtimas de Aciden-tes do Trabalho, No queremos mais trabalhadores morrendo ou parados por causa de aci-dente, orgulho do homem seu trabalho que produz ou presta sociedade, no deve ser pago com sangue ou doena. O maior exemplos so os aci-dentes que esto acontecendo, temos que conversar com a procuradoria Regional do Tra-balho da nossa Regio produzir um Termo de Ajuste de Conduta

    - para exigir a ao rigorosa e a desobedincia tem custar alto preo aos infratores, trabalhar em conjunto com Procurador do Trabalho, e ter uma audin-cia pblica com lideranas sin-dicais, empresas, ACIL e CDL, engenheiros e tcnicos do tra-balho, instituies vinculadas

    preveno da sade e segurana do trabalhador, para levantar a discusso de adequar os ambi-entes de trabalho aos preceitos legais como as Normas Regula-mentadoras - NRs. Para manter-se a sade preservada e a vida dos trabalhadores protegida.

    Em reunio com a empresa Simtech, que representa no Bra-sil a fabricante do radar meteo-rolgico de Lontras, Enterprise Eletronic Corporation, foi trat-ado de assuntos referentes aos danos ocasionados no equipa-mento. O secretrio de Estado da Defesa Civil, Milton Hobus, solic-itou um posicionamento sobre a chegada das peas fabricadas nos Estados Unidos que vo

    substituir as que apresentaram defeito. Precisamos desse equi-pamento funcionando. uma ferramenta importante para o trabalho no Estado, enfatizou.Uma bateria de testes ser feita l para evitar danos semelhantes e para checar se esto dentro das conformidades para o envio. Conforme o gerente de Monitora-mento e Alerta, Frederico Rudo-rff, em at quatro dias os materi-

    Radar metereolgico: bom funcionando

    ais devem estar em territrio nacional. No entanto, a preo-cupao com o desembarao aduaneiro, que leva um pouco mais tempo, destacou.Por causa do tornado e dos vendavais que atingiram o Oeste, surgiram question-amentos sobre a eficcia do radar meteorolgico. O ger-ente de monitoramento e alerta destacou que h uma distncia superior rea de cobertura, entre o ponto afe-tado e local do radar meteo-rolgico de Lontras.

    Frederico ainda confirmou que o radar e a estrutura que o Estado possui hoje possibilita a deteco de grandes tempest-ades. Reforou que mesmo que o radar de Lontras registrasse um fenmeno como esse, seria em curtssimo prazo, cerca de 10 ou 15 minutos.

    O que se quer efetivar segurana

    para reduzir o volume de vtimas

    das doenas ocupacionais e dos

    acidentes de trabalho.

  • VITRINE LAGEANA - LAGES, SEXTA-FEIRA, 24 DE ABRIL DE 2015REGIONAL12

    homem do Campopor Cesar Missioneiro

    [email protected]

    Gacho - O Primitivo I

    A expresso gacho foi documentada no Rio Grande do Sul pela primeira vez pelo Dr. Jose Saldanha, um dos integrantes da Comisso Demarcadora do tratado de 1777, que definiu em seu dirio; Gauches palavra espanhola usada neste pas para designar vagabundos do campo, gaudrios, ndios-vagos, que matam gado chimarres e vendem ocultamente nas povoaes. Emlio Coni afirma que a designao gacho substitui a palavra gaudrio nos dois lados da fronteira.

    O pesquisador uruguaio Fernando Assuno fala de uma correspondncia endereada ao governador Vertiz, de Buenos Aires, pedindo providencias contra algunos gahuchos que andavam assaltando e roubando estncias na regio.

    Auguste de Saint-Hilaire, em 1820 chegando as lonjuras da guarda de Santana, prximo a atual Uruguaiana foi recebido pelo alferes comandante da guarnio de fronteira, mas seu registro no foi nada lisonjeiro: Eis um homem que se nutre apenas de carne, mora em um msero rancho, no tem outro prazer alem do fumo e do mate, e oficial de milcia. Mesmo numa existncia que se limita a comer carne e as habilidades de montar a cavalo mostra-se muito satisfeito. Apesar de serem brancos, os habitantes desta regio por estarem to distantes dos costumes civilizados so semelhantes aos garuchos.

    O viajante Nicolau Dreys descreveu: cavaleiros errantes, esto por toda a parte, parecem pertencer a uma sociedade agine, como dos antigos trtaros ou seja aparecem quase sempre sem mulheres. Homens sem religio, sem chefe, sem leis, sem moral social, apenas idias vulgares. Apreciam dinheiro, o necessrio para satisfazer suas poucas paixes a principal o jogo e tocar ou escutar guitarra nalguma pulperia.

    Segundo o renomado historiador Augusto Meyer, outras divergncias da origem da palavra gacho. O termo provem da lngua guarani que significa homem que canta triste. No entanto outra explicao que seria uma corruptela da palavra Huagchu de origem quchua que significa guacho para animais. Na definio para humanos seria rfo, para designar filho de ndia com branco. Nos registros dos livros de batismo dos curas missioneiros era simplesmente filho de fulano com uma china das misses.

    Joaquinenses se destacam no programa SuperStar da Rede Globo

    Com o hit Vem Quente que Eu Estou Fervendo, sucesso imortalizado nas vozes de Erasmo Carlos e da banda Baro Vermelho, alcanou 87% dos votos, incluindo os trs jurados, a banda fez o telo subir com uma apresentao empolgante: Eles sabem se apresentar, a voz dele incrvel, parabns, elogia Paulo Ricardo. Eu dou muito valor quando algum pega uma msica e d a sua interpreta-o, resume Thiaguinho.Na hora de escolher o pa-drinho, o vocalista Franco

    resume: Pelo texto rock and roll e pelo drive da voz, eu escolho Paulo Ricardo, deter-mina. Pouco antes de subir ao palco, a Big Time Orchestra queria mostrar para o grande pblico o estilo nico que, segundo o baixista Fabiano, no muito conhecido no Brasil. A gente quis pegar uma msica nacional conhecida e colocar dentro desse estilo para as pes-soas conhecerem o tipo de som que a gente faz, explicou.O trombonista joaquinense Raule Alves contou que a expec-

    Com influncias que vo do rock ao jazz, passando ainda por blues e soul, a curitibana Big Time Orchestra chega aos 10 anos de estrada em dezembro

    Div

    ulga

    o

    Villa Francioni participa da maior feira de vinhos da Amrica Latina

    So Joaquim - A 19 Expovi-nis que aconteceu de 22 24 de abril na Expo Center Norte em SP. A vincola catarinense Villa Fran-cioni, esteve presente novamente em mais uma edio, num ano emblemtico, em que a empresa comemora 10 anos do incio da comercializao dos primeiros rtulos. Durante o evento foram oferecidos vinhos para degusta-o das trs linhas de produtos: VF, Joaquim e Aparados.

    Hoje a produo anual da Villa Francioni fica

    em torno de 160 mil garrafas.

    A empresa, com sede em So Joaquim, na serra catari-nense, lanou durante o evento o VF Chardonnay, Lote III, safras 2013/2014. O rtulo VF Char-donnay, Lote I, foi escolhido como o melhor da categoria em 2006, no Prmio TOP TEN da Exponivis. Ainda durante o evento, a vincola esteve participando do Prmio Melhores do Vinho, promovido pela revista Prazeres da Mesa. Durante o coquetel acontece a entrega de prmios, o vinho Joa-quim Tinto safra 2011, foi um dos rtulos degustados.Para a presidente do Con-selho da Villa Francioni, Dan-iela Borges de Freitas, que esteve presente no evento, o momento foi oportuno para apresentarmos a evoluo

    de nossos vinhos aps uma dcada de avanos no exi-gente mercado nacional. A conquista de vrios prmios comprova o reconhecimento do setor empresa, que tem foco na excelncia

    Neste momento, acontece a colheita nos vinhedos prprios da empresa, numa rea de 25 hectares, que deve se estender at o final do ms. Os vinhedos esto localizados numa alti-tude de 1.260 metros acima do nvel do mar.

    tativa dos nove integrantes do grupo estava muito grande para a apresentao. Artista isso mesmo. A gente tem que passar alguma emoo para o pblico, mas a gente tem certeza de que as pessoas vo gostar justamente pela msica e de que tem tudo a ver com a nossa histria, contou. Sobre a banda

    Com influncias que vo do rock ao jazz, passando ainda por blues e soul, a curitibana Big Time Orchestra chega aos 10 anos de estrada em dezembro. O currculo extenso: so cinco CDs, sendo dois deles EPs, dois DVDs, dois clipes, turns inter-nacionais pelos Estados Unidos e Japo, alm de participaes em festivais conceituados de jazz e blues, e a abertura para o show do BB King em 2012. Fundada pelo baixista Fabi-ano e o saxofonista Marcio, a Big Time Orchestra compe msicas de prpria autoria e ainda cria verses de clssicos da msica mundial.

    Div

    ulga

    o

  • VITRINE LAGEANA - LAGES, SEXTA-FEIRA, 24 DE ABRIL DE 2015SEGURANA 13

    Segurana nas rodovias: Dicas para motoristas e passageiros

    Pistas esburacadas, excesso de veculos, m sinalizao, desrespeito s leis de trnsito, esses e outros motivos so os fatores que causam muitos aci-dentes, ferimentos e mortes nas rodovias brasileiras. Anti-gamente as cidades surgiam em

    torno de estaes de trem ou s margens de rios e mares. Este conceito facilmente perce-bido e explicado, pois os meios de transportes sempre foram os norteadores das popula-es, logo, seria muito difcil construir uma cidade e locais

    ermos e sem acesso de um meio de transporte. Hoje, as rodovias assumiram este papel, isto , as cidades desenvolvem-se muito mais quando h boas estradas rodovirias.O Brasil hoje muito depen-dente das rodovias, seja para transporte de cargas ou pas-sageiros. Com isso o nmero de veculos nas estradas cresce e com ela cresce tambm a preo-cupao das autoridades e dos motoristas com a segurana de quem usa as rodovias.Pistas esburacadas, excesso de veculos, m sinalizao, desrespeito s leis de trnsito, esses e outros motivos so os fatores que causam muitos aci-dentes, ferimentos e mortes nas rodovias brasileiras. A melhoria das estradas um esforo constante dos gover-nos que usa recursos prprios ou atravs das concesses rodovirias, mas a quantidade

    de caminhes pesados, chuva e outros fatores contribuem para a deteriorao das pistas.Segurana nas estradasPara garantir uma maior segu-rana nas rodovias brasileiras vale seguir algumas dicas, sendo: Abastecer garantindo a quantidade necessria para o percurso a ser seguido. Calibrar e checar pneus e estepes, para o caso de necessi-tar usar o estepe e ele estiver em perfeitas condies. Verificarem gua e nvel de leo, partes fundamentais para o bom funcionamento do motor do veculo. Verificar freio. Para os motociclistas sem-pre utilizar os equipamentos impostos pela legislao de trn-sito, principalmente ao percor-rer por rodovias. Utilizar o triangulo de segu-

    rana e o pisca alerta em caso de parada em acostamento. Em caso de sono, seja cansao fsico ou mental, pare para descansar.A grande parte da populao gosta de viajar pelas rodovias conhecendo e visitando as mara-vilhas brasileiras, porm, a via-gem deve ser segura e tranqila para isso tenha sempre respon-sabilidade e conscincia, afinal cuidado e precauo mxima e o mnimo que podemos fazer para que tenhamos mais segurana nas rodovias.

    Div

    ulga

    o

    Pistas esburacadas, excesso de veculos, m sinalizao, desrespeito s leis de trnsito, esses e outros motivos so os fatores que causam muitos acidentes

    Segurana Pblica improdutiva, violenta e reproduz desigualdades

    A Polcia Militar tem uma orga-nizao e formao preparada para a guerra contra um inimigo interno e no para a proteo. Desse modo, no reconhece na populao pobre uma cidadania titular de direitos fundamen-tais, apenas suspeitos que, no mnimo, devem ser vigiados e disciplinados, porque assim que-rem os sucessivos governantes, ontem e hoje. Essa a concluso do captulo sobre a militarizao da polcia brasileira, presente no relatrio final da Comisso da Verdade Rubens Paiva, divul-gado na quinta-feira 12.Atravs de um estudo his-trico, que recupera a formao das polcias brasileiras desde

    o perodo colonial, o relatrio sistematiza o modelo escolhido pelo Brasil para formar seus policias e sugere uma profunda reforma da Segurana Pblica a fim de acabar com o crescimento recorde de mortes de civis e poli-ciais e com a improdutividade das corporaes, que hoje esto divididas em duas polcias, cada uma com duas carreiras.Hoje, o Brasil responsvel por um em cada dez assas-sinatos cometidos no mundo. Diariamente, 154 pessoas so mortas no Pas. Por outro lado, fontes extraoficiais estimam que o nmero de pessoas presas no Brasil j beira 600 mil pes-soas, o que faz do Pas o terceiro

    maior em populao carcerria do mundo, apenas atrs de Esta-dos Unidos e China. Em doze anos, o crescimento carcerrio brasileiro foi de mais de 620%,

    enquanto o populacional foi em torno de 30%.Uma das causas deste cenrio de caos reside, segundo o relatrio, na incapacidade da

    Polcia Militar se adaptar ao regime democrtico. A Polcia Militar foi e continua sendo um aparelho blico do Estado, empregada pelos sucessivos governantes no controle de seu inimigo interno, ou seja, seu prprio povo, ora conduzindo-o a prises medievais, ora pro-duzindo uma matana trgica entre os residentes nas perife-rias das cidades ou nas favelas, afirma o texto. Em depoimento prestado Comisso, o ex-funcionrio da Secretaria Nacional de Segu-rana Pblica Luiz Eduardo Soares revelou que, at meados dos anos 2000, policiais milita-res ainda recebiam aulas de tor-

    tura nas corporaes. At 1996, na formao da Polcia Civil do Rio de Janeiro havia aulas sobre como bater. No defesa pes-soal, porque indispensvel, como bater. O Bope oferecia, at 2006, aulas de tortura., comple-tou Soares, que tambm ex-secretrio de Segurana Pblica do Rio de Janeiro.A dependncia da polcia por parte de rgos investigativos e de percia, como o Instituto Mdico Legal (IML), uma das razes para a impunidade em casos de violncia policial. como se um colega produzisse provas contra outro, o que implica em conflitos de interesse, afirma Vivian Calde-roni, advogada da Conectas.

    So aproximadamente

    um milho e seiscentos mil km

    de rodovias no pas, sendo consideradas fundamentais para o deslocamento da

    populao por todo o territrio brasileiro.

    Ao todo, estima-se que os custos ligados violn-cia, em 2013, giraram em torno de 258 bilhes de reais, sendo que a maior decorreu da perda do cap-ital humano, com mortes e invalidez, representando 114 bilhes de reais.

  • VITRINE LAGEANA - LAGES, SEXTA-FEIRA, 24 DE ABRIL DE 2015ESPORTE14

    CA Esportes

    Hora da reviso

    Estadual

    O Internacional ter uma pausa de 30 dias no seu time de futebol para projetar o brasileiro da srie D. Este perodo hora de fazer uma reviso no trabalho realizado at aqui, ver o que foi positivo e o que foi negativo e reestruturar para a nova empreitada. Acreditamos que o trabalho positivo do Estadual dever ter seqncia ao longo do ano e com isso o Colorado serrano continua a surpreender de maneira positiva cada vez mais.

    Pensemos nisso enquanto tempo.

    Figueirense e Joinville iniciam neste domingo a deciso do Campeonato Estadual de 2015. A princpio, no tem favoritismo para a deciso, pois ambas as equipes fizeram campanhas distintas ao longo da competio. O Figueirense, foi mais regular ao longo da competio e o Joinville reagiu no Hexagonal final.

    por Celso Aurlio [email protected]

    Valeu galera, at a prxima edio!

    Div

    ulga

    o

    Comea neste sbado o Campeonato Catarinense de Veculos Antigos

    Em foco

    Esta a equipe do Guaruj Futsal que vem fazendo boa campanha no campeonato de futsal do bairro Guaruj.

    A atleta Victor esteve em Curi-tiba-PR participando do Campe-onato Brasileiro de Powerlifting, que a soma dos trs movimen-tos, agachamento, supino e terra. O evento aconteceu no perodo dia 18 a 21 de abril. Um mal entendido na inscrio

    Agora ele passa a focar para o segundo semestre

    Div

    ulga

    o

    Victor competiu no Brasileiro de Powerlifting em Curitiba

    e um erro grave de arbitra-gem, invalidou um movimento perfeito de Vitor, o qual fez a inscrio para competir na sua categoria jnior at 93 kg, no meio da competio ficou sabendo que ele estava com-petindo na categoria Open, que livre de idade j com atletas experientes e consagrados, mesmo assim ele brigou at a ltima rodada pelo Pdium. Se no fosse o erro de arbi-tragem ficaria com o terceiro, acabou a competio na quarta posio, mas satisfeito com o resultado, pois mesmo em in-cio de temporada, fez as marcas que tinha planejado. Agora ele passa a focar para o segundo semestre, onde ter as com-peties mais importantes.

    neste final de semana, sbado, 25 de abril, a real-izao do Rally da Altitude, etapa que faz parte do Campeonato Catarinense de Regularidade Para Vecu-los Antigos. A largada est prevista para as 07:00 da manh no Tanque, centro de Lages. O percurso total ser de 260 quilmetros, pas-sando pelos municpios de Painel, Urupema, Rio Rufino So Joaquim e Lages , onde acontecer a chegada. Vale lembrar que os pilo-tos, navegadores, imprensa e organizadores almoaro em So Joaquim. As demais etapas acontecero em datas subsequentes nos municpios de Concrdia e SDo Bento do Sul, onde ocorrer a etapa final do campeonato. Vale lembrar que o certame tem apoio da Federao Brasileira de Veculos Antigos , promoo do Veteran Car Club de Lages, comorganizao e adminis- trao de Troian Criaes.

  • VITRINE LAGEANA - LAGES, SEXTA-FEIRA, 24 DE ABRIL DE 201515VITRINE LAGEANA - LAGES, SEXTA-FEIRA, 24 DE ABRIL DE 2015

    Vitrine do Pakinhapor Marcelo Vieira Muniz

    3225-1648 | 3223-6610

    1 - A linda advogada e empresria Tatiane Zechini. 2 - Grande amigo Claudio, agora a safra. 3 - Nosso deputado Gabriel acompanhado dos meu grandes amigos Cel e Paulo Marques. 4 - Amanda Moraes, foto Sandra Rosa. 5 - Assoprou velinhas tambm esta semana, Tio

    Maikon. 6 - Raquel Godoy, foto Sandra Rosa. 7 - Nini Candido, foto Sandra Rosa. 8 - Parabns, tio Marcio, aniversariante da semana. 9 - Leticia Fuschima, foto Sandra Rosa.

    10 - Victoria bBertolozzo, foto Sandra Rosa. 11 - Renata Oliveira, foto Sandra Rosa.

    7

    1 3

    4

    8

    5 6

    ACEITAMOS GREENCARD E REDE MASTERFARMA E CONVNET

    2

    9

    10

    11

  • VITRINE LAGEANA - LAGES, SEXTA-FEIRA, 24 DE ABRIL DE 201516 CONTRACAPAVITRINE LAGEANA - LAGES, SEXTA-FEIRA, 24 DE ABRIL DE 2015