Vitrine Lageana Edi§£o 133

  • View
    216

  • Download
    0

Embed Size (px)

DESCRIPTION

 

Text of Vitrine Lageana Edi§£o 133

  • VITRINE LAGEANA - LAGEs, SEXTA-FEIRA, 6 dE JUNHO de 2014Opinio SadeSegurana Turismo CidadeEducaoEntrevista Cultura

    Lages, sexta-feira, 6 de junho de 2014R$ 2,00

    Ano 04 - Edio 133

    Comea o esquenta da FestaO Recanto do Pinho, que parte do comeo da Festa, abre neste sbado (7). A estrutura est praticamente pronta para uma semana de programao. | Pg. 3

    Paulo C

    hagas

    Festa do Pinho

    Secretrios anunciam que os

    trabalhos vo seguir

    Cidade 6

    Obras no param durante

    a FestaEsto expostas as novidades para o setor em SC

    Geral 8

    Comea a Feira da

    construo civil Ser a terceira

    chamada do Concurso para professores

    Educao 10

    Governo faz nova chamada para o MagistrioCopa do

    MundoShow de sbado transferido para o Parque Conta Dinheiro

    Pinho Blues Festival

  • VITRINE LAGEANA - LAGEs, SEXTA-FEIRA, 6 dE JUNHO de 2014AutoestimaQuando se fala em autoestima, pensa-se logo em um bem estar consigo mesmo, algo positivo, diferente da baixa autoestima que caracterizada como algo negativo. No decorrer de nossa vida, vamos construindo crenas mediante nossa cul-tura e o ambiente em que estamos inseri-dos. Nessas perspectivas que formamos

    a autoestima. Mas, o que significa autoes-tima? Autoestima a percepo que temos de ns mesmos, a maneira com que nos sentimos a nosso respeito, se pensamos e sentimos positivamente, teremos autoes-

    tima, do contrrio, com emoes e pensa-mentos negativos, torna-se o oposto que seria a baixa autoestima. Todos os nossos sentimentos, nosso estado de humor, nossas emoes, partem do princpio dos nossos pensa-mentos, a viso do mundo e das coisas e a autoestima provm do conceito que temos de ns mesmos, do que projeta-mos em nossos pensamentos consciente ou inconscientemente, uma avaliao do que somos e de quem somos caracter-izadas de autoconceito. Se essas cren-as nucleares forem positivas a nosso respeito, teremos o autoconceito posi-tivo resultando na autoestima. Se forem negativas, como sentimentos de inap-tido, fracasso, inadequao, rejeio, por exemplo, o autoconceito ser nega-tivo resultando na baixa autoestima. Para melhorar a autoestima do indivduo, faz-se necessrio aumentar o contedo posi-tivo da percepo de si mesmo, modifi-cando os pensamentos automticos, o que pensamos repetidamente, as distor-es cognitivas que refletem no prprio

    comportamento desse sujeito. Por fim, para ter uma boa, excelente autoestima, sem dvida, necessria uma reestruturao cognitiva, uma mudana significativa nas suas crenas centrais negativas para que se eleve a autoestima e tenha uma melhor e mais satisfatria qualidade de vida.

    (Gilmara CascaesPsicloga

    CRP 12/12774)

    Nossa Opinio

    Quantos lageanos sabem sobre a histria do municpio. Especificamente, suas ori-gens. Caso pesquise, muito fcil descobrir. A regio era habitada at o sculo 18 por ndios caingangues e xoclen-gues. A partir desse sculo, com a construo da estrada ligando as provncias do Rio Grande do Sul e de So Paulo, foram implantadas, na regio, fazendas de gado e de explo-rao de erva-mate e madeira por colonos no ndios. Fundada em 1766, pelo bandeirante paulista Antonio Correia Pinto de Macedo, Lages servia inicial-mente como estalagem para a rota comercial entre o Rio Grande do Sul e So Paulo, principalmente na passagem do gado dos campos gachos para abastecer os trabalha-dores da extrao de ouro em Minas Gerais. Correia

    Pinto batizou-a assim devido abundncia da pedra laje na regio. O nome original era Nossa Senhora dos Prazeres dos Campos das Lajens.Prestes a comemorar 248 anos, Lages, o maior municpio de Santa Catarina em extenso territo-rial. No entanto, at hoje, ainda no sabe como deve melhor aproveitar tanta terra. A mais nova informao de que se trata da ltima fronteira agr-cola do Estado, mas que ainda pouco produz, exceto gado e madeira plantada. Para as demais culturas, as de gros, os campos se oferecem, mas, para aonde se planeja plantar, a Coxilha Rica, os impedimentos surgem a partir da histria, e pelas causas ambientais. Talvez os que realmente decidem, pos-sam abastecer suas despensas apenas com carne e palitos de dentes, feitos de pinnus.

    Sobre as origens

    Grimpa

    As campanhas do agasalho, independente de quem as realiza, so extremamente teis para amenizar a dor do frio de muitas famlias carentes em Lages. No entanto, ainda falta ser feito algo. A referncia dirigida a alguns casos de moradores de ruas que tm dormido ao relento, sob marquises e paredes de prdios. A quem se pode recorrer para que seja dada alguma assistncia a essas pessoas? Todos ns pecamos, por no tomar nenhuma atitude, ao menos de informar alguma autoridade competente. No d mais para ficarmos alheios a isso...

    A dordo frio

    O que se quer, e o que se est tra-balhando na forma da lei, so instrumentos para conter abusos por parte de alguns que no tem controle da altura de seus sons, em plena via pblica, independente da hora. Outros tipos de rudos tambm entram no Projeto de Lei 009/2014. Por outro lado, nunca ningum questionou a soltura de bombas em dias de festa de igrejas, por exemplo. simplesmente uma tortura, voc ter que ficar ouvindo os estouros repetidos s 6 horas da manh, em pleno domingo. Algo pode ser feito tambm nesse caso?

    !

    ...

    PasseiosPblicos ?O volumedo SomSeguidamente a imprensa bate no assunto dos passeios pblicos em Lages, mostrando as deformi-dades existentes, e a falta de padro. H muita verdade sobre esses dois pontos. Basta percorrer ruas tanto no Centro como nos bairros para con-statar as aberraes. Logicamente, o Poder Pblico no passado, nunca se importou com as construes dos passeios. A populao construiu sem-pre como achou que devia. Assim, para corrigir a questo se torna muito complexa. O importante tentar fazer com que tudo o que seja feito a par-tir de agora, siga um novo padro!

    Opinio1202

  • VITRINE LAGEANA - LAGEs, SEXTA-FEIRA, 6 dE JUNHO de 201403DESTAQUE

    Primeiros eventos da Festa neste sbadoO esquenta passa pelo Recanto

    Uma semana antes da aber-tura da Festa do Pinho, o Recanto, como chamado, comea a partir de uma vari-ada programao, a contagiar a cidade com o clima do maior evento gastronmico de Santa Catarina. Montado no Calado da Praa Joo Costa, no Centro, o pblico, a partir deste sbado (7), de manh, quando abre ofi-cialmente, vai poder contem-plar at o sbado seguinte (14), 62 atraes, sendo 55 de msi-cas e 6 de danas, com a partici-pao e apresentao dos CTGs Anita Garibaldi, Barbicacho Colorado e Planalto Lageano.A estrutura tem basicamente o mesmo formato usado em 2013. Sero seis estandes para entidades filantrpicas, todos cobertos por tendas, num tamanho considerado ideal, de 5 X 3 m. J o palco, com tamanho ampliado, ocupa o canto tradicional do Calado, tem uma composio mais tcnica, de alumnio, seguindo todas as normas de segurana. inclusive, at mais em conta do que o de madeira.Conforme explicou o diretor de polticas culturais, da Funda-o Cultural, Gilson Mximo de Oliveira, de madeira mesmo, somente a Casa do Turista, com amplo espao para a recepo dos visitantes. Em anexo, haver um ponto para a venda do arte-sanato lageano. Alm disso,

    Noite do Blues em Lages

    Recanto do Pinho considerado o esquenta da Festa maior

    O chileno Gonzalo Araya ser umta das grandes atraes do Festival

    O lageano Marzio Lenzi j participou do Festival em 2013

    Fotos: Divulgao / P

    aulo Chagas

    Fotos: Paulo C

    hagas

    Con ra outros produtos e formas de acumular nmeros em sorteemcamposicredi.com.br

    = nmerosda sorte2ouem depsitos a prazoR$ 200 R$ 300em poupana*Ttulo da

    mod

    alid

    ade

    ince

    ntiv

    o em

    itid

    o pe

    la Ic

    atu

    Capi

    taliz

    ao

    S/A

    , CN

    PJ/M

    F n

    74.

    267.

    170/

    0001

    -73,

    Pro

    cess

    o SU

    SEP

    n 1

    5414

    .900

    130/

    2013

    -82.

    A a

    prov

    ao

    de

    ste

    ttu

    lo p

    ela

    SUSE

    P n

    o im

    plic

    a, p

    or p

    arte

    da

    Aut

    arqu

    ia,

    ince

    ntiv

    o ou

    re

    com

    enda

    o

    su

    a aq

    uisi

    o,

    repr

    esen

    tand

    o, e

    xclu

    siva

    men

    te, s

    ua a

    dequ

    ao

    s

    nor

    mas

    em

    vig

    or.

    Serv

    io

    de I

    nfor

    ma

    o a

    o Ci

    dad

    o SU

    SEP:

    080

    0 02

    1 84

    84

    (dia

    s t

    eis,

    das

    9h3

    0 s

    17h

    ) ou

    ww

    w.s

    usep

    .gov

    .br.

    Ouv

    idor

    ia I

    catu

    Se

    guro

    s: 0

    800

    286

    0047

    . Fun

    dos

    de in

    vest

    imen

    to n

    o c

    onta

    m c

    om a

    gar

    anti

    a do

    adm

    inis

    trad

    or d

    o fu

    ndo,

    do

    gest

    or d

    a ca

    rtei

    ra,

    de q

    ualq

    uer

    mec

    anis

    mo

    de s

    egur

    o ou

    , ain

    da, d

    o Fu

    ndo

    Gar

    anti

    dor

    de C

    rdi

    to -

    FG

    C. A

    ren

    tabi

    lidad

    e ob

    tida

    no

    pa

    ssad

    o n

    o re

    pres

    enta

    ga

    rant

    ia

    de

    rent

    abili

    dade

    fu

    tura

    .

    reco

    men

    dada

    a l

    eitu

    ra c

    uida

    dosa

    do

    pros

    pect

    o e

    do r

    egul

    amen

    to d

    o fu

    ndo

    de i

    nves

    tim

    ento

    pel