ZM S. a. - Laudo 2010 - Parte 5 - Pag 199 a 348

  • View
    10

  • Download
    7

Embed Size (px)

DESCRIPTION

laudo

Transcript

  • LTCAT - Laudo Tcnico de Condies Ambientais do Trabalho

    ZM S/A

    EPIPOAD / EPCAgente / Tipo Perigo / Fator de Risco Dano

    PadresLegais / Limitede Exposio

    Fonte(s)Geradora(s)

    Controle(s) Existente(s) e sua Eficcia

    NomeEficaz

    S/NNome CA

    Atenuao/ fator deproteo

    EficazS/N

    Perfil de exposioexistente

    Intens./conc.

    TcnicaUtilizada

    Avaliaodo Risco

    P G Risco IN

    Definio deaes

    necessrias eprioridades

    Critrio paraMonitorao da

    exposio

    Cremeprotetor desegurana

    S8265I Ileos minerais,conformePortaria 3.214de 08.06.78,maisespecificamentea NR-15 anexo13.

    Concluses para fins de Insalubridade, Periculosidade, condio especial para fins de aposentadoria especial:

    O contato com leos minerais no caracteriza insalubridade pois realizado em carter eventual, mesmo assim neutralizado com o uso do creme protetor para as mos.De acordo com a Legislao em vigor, Portaria n 3.214 de 08.06.78, mais especificamente a NR 15 e seus anexos, as atividades exercidas so consideradas Salubres.De acordo com o Decreto 3.048 de 06.05.1999, Artigo 68, Anexo IV, as atividades no se enquadram, a critrio do INSS.

    Parecer Tcnico:

    - do salrio mnimo

    40% ( )20% ( )10% ( )

    Insalubridade: sim ( ) no (X)

    - do salrio do trabalhador30% ( )

    Periculosidade: sim ( ) no (X)

    sim ( ) no (X)

    Condio especial:

    POAD = Procedimentos Administrativos, EPC = Equipamentos de Proteo Coletiva, EPI = Equipamentos de Proteo Individual. S = Sim, N = No, N AV = No AvaliadoNA = No Se Aplica, I = Inexistente CA = Certificado de Aprovao P =Probabilidade G = Gravidade IN = Grau de Incerteza

    Rua Cermica Reis 800 - Cermica Reis - CEP 88359-321 - Brusque - Santa Catarina - Brasil

    ZM S/A 199

  • LTCAT - Laudo Tcnico de Condies Ambientais do Trabalho

    ZM S/A

    Setor:COORDENAO COMPRAS

    GAS 19 (Coordenador de Compras)

    Total de Trabalhadores expostos: 1 Fase: ( ) Antecipao ( x ) Reconhecimento

    Etapa do Processo Descrio das Atividades

    Coordenador de Compras Planejar e negociar as compras de matria-prima, insumos, produtos qumicos, materiais gerais e outros, sempre consultando a diretoria, quando valores foremelevados. Manter organizado e atualizado o rol de fornecedores que preenchem as necessidades, qualidade, prazos e preos da organizao. Criar mecanismos deacompanhamento de fornecedores e novos produtos similares no mercado, procurando sugerir alternativas viveis e compensativas organizao. Montar e criarprogramas de treinamento e desenvolvimento motivacionais, e de produtividades, de coeso e resultados de acordo com as atribuies de cada colaborador. Efetuarnegociaes conforme necessidades nos preos, prazos de entregas e compatveis com a realidade de mercado. Dar suporte tcnico equipe sob suaresponsabilidade, quanto as decises e negociaes mais complexas. Efetuar anlise e acompanhamento da documentao e trmite legal, no que se relaciona com aimportao de materiais, equipamentos, mquinas, peas e outros.Acompanhar e repassar a quem de direito toda a documentao e registros envolvidos com o Compras.Analisar as solicitaes interna de compras, ordem de compras e outros documentos, para certificar-se da necessidade e em cumprimento da legislao. Buscar novastcnicas e mtodos capazes de otimizar a produtividade e reduzir o custo de produo. Negociar e acompanhar a movimentao de materiais entre as unidades fabris,verificando a documentao pertinente.Participar nas negociaes de matria-prima (ao, produtos qumicos e outros), quando necessrio.Observar e cumprir as normas tcnicas, administrativas e de segurana. Administrar junto os sistemas de pessoal: alocao, admisso e demisso, qualificao eeducao, participao, avaliao e promoo, clima, segurana e movimentao de pessoal. Supervisionar as atividades referente a limpeza, higiene e segurana nospostos de trabalho.

    EPIPOAD / EPCAgente / Tipo Perigo / Fator de Risco Dano

    PadresLegais / Limitede Exposio

    Fonte(s)Geradora(s)

    Controle(s) Existente(s) e sua Eficcia

    NomeEficaz

    S/NNome CA

    Atenuao/ fator deproteo

    EficazS/N

    Perfil de exposioexistente

    Intens./conc.

    TcnicaUtilizada

    Avaliaodo Risco

    P G Risco IN

    Definio deaes

    necessrias eprioridades

    Critrio paraMonitorao da

    exposio

    Fsico

    NA NANA NANA NARudo inferior ao nvel deao

    NA De acordo coma Legislao emvigor o limite detolerncia de85 dB(A) para 8horas diriasde trabalho,conformePortaria3214/78, NR 15anexo 01.

    NA 60 dB(A) Decibelimetro: Mediopontualrealizada naaltura doaparelhoauditivo.

    MonitoramentoPeridico nonecessrio

    Nenhuma ao necessria.

    1 1 Irrelevante

    0

    Concluses para fins de Insalubridade, Periculosidade, condio especial para fins de aposentadoria especial:

    De acordo com a Legislao em vigor, Portaria n 3.214 de 08.06.78, mais especificamente a NR 15 e seus anexos, as atividades exercidas so consideradas Salubres.De acordo com o Decreto 3.048 de 06.05.1999, Artigo 68, Anexo IV, as atividades no se enquadram, a critrio do INSS.

    Parecer Tcnico:

    - do salrio mnimo

    40% ( )20% ( )10% ( )

    Insalubridade: sim ( ) no (X)

    - do salrio do trabalhador30% ( )

    Periculosidade: sim ( ) no (X)

    sim ( ) no (X)

    Condio especial:

    POAD = Procedimentos Administrativos, EPC = Equipamentos de Proteo Coletiva, EPI = Equipamentos de Proteo Individual. S = Sim, N = No, N AV = No AvaliadoNA = No Se Aplica, I = Inexistente CA = Certificado de Aprovao P =Probabilidade G = Gravidade IN = Grau de Incerteza

    Rua Cermica Reis 800 - Cermica Reis - CEP 88359-321 - Brusque - Santa Catarina - Brasil

    ZM S/A 200

  • LTCAT - Laudo Tcnico de Condies Ambientais do Trabalho

    ZM S/A

    Setor:COORDENAO ESTAMPARIA

    GAS 20 (Coordenador de Estamparia)

    Total de Trabalhadores expostos: 1 Fase: ( ) Antecipao ( x ) Reconhecimento

    Etapa do Processo Descrio das Atividades

    Coordenador Planejar, orientar, acompanhar e controlar a aplicao dos mtodos e procedimentos de trabalho, visando a eplicao das polticas, diretrizes, planos e programas dequalidade, produtividade, rendimento e desempenho da empresa. Organizar e distribuir as atividades setoriais de acordo com o plano de produo. Controlar eprovidenciar os suprimentos de insumos, materiais e movimentao de estoques dos itens necessrios execuo dos trabalhos. Acompanhar as atividades referente limpeza, higiene e segurana nos postos de trabalhos. Registrar as ocorrncias operacionais e administrativas havidas nos respectivos turnos de servio. Manterdiariamente contatos operacionais e administrativos com as diversas reas e nveis funcionais integrados nos planos, tarefas, metas, ocorrncias do setor. Promover, deacordo com calendrio pr-definido, reunies e/ou encontros com os preparadores e/ou grupos de funcionrios para transmitir: avisos, informaes, deliberaes, metase planos; afim de se procurar integrar e esclarecer aos colaboradores o andamento e desempenho dos objetivos definidos, como tambm a evoluo peridica dosresultados da empresa. Monitorar, acompanhar, analisar e relatar o desempenho operacional dos preparadores e funcionrios do setor. Administrar os sistemas depessoal: alocao, avaliao, segurana e movimentao de pessoal. Observar e cumprir as normas tcnicas, administrativas e de segurana. Participar ativamente deprogramas de melhoria da qualidade e difundir a ideia de melhoramento contnuo. Revisar e manter atualizado o sistema de informao e documentao interno eexterno do setor. Executar outras atribuies semelhantes conforme necessidades.

    EPIPOAD / EPCAgente / Tipo Perigo / Fator de Risco Dano

    PadresLegais / Limitede Exposio

    Fonte(s)Geradora(s)

    Controle(s) Existente(s) e sua Eficcia

    NomeEficaz

    S/NNome CA

    Atenuao/ fator deproteo

    EficazS/N

    Perfil de exposioexistente

    Intens./conc.

    TcnicaUtilizada

    Avaliaodo Risco

    P G Risco IN

    Definio deaes

    necessrias eprioridades

    Critrio paraMonitorao da

    exposio

    Fsico

    Protetorauditivo

    S5674 15I IRudo inferior ao limite detolerncia e acima do nvelde ao

    Perda Auditiva De acordo coma Legislao emvigor o limite detolerncia de85 dB(A) para 8horas diriasde trabalho,conformePortaria3214/78, NR 15anexo 01.

    Mquinas eequipamentos dosetor e rudo defundo de outrossetores.

    84,4 dB(A) Dosimetria -Fundacentro- NHO 01

    Anual (P1)Manter oControleexistente (P1).Controleadicional se forpossvel e vivel(P2).

    2 3 Mdio 0

    Qumico

    Cremeprotetor desegurana

    S8265I Ileo mineral Dermatites Anlisequalitativareferente amanipulao deleos minerais,conformePortaria 3.214de 08.06.78,maisespecificamentea NR-15 anexo13.

    Eventualmanipulao depeas lubrificadascom leo mineral.

    Eventual Inspeorealizada nolocal detrabalho

    MonitoramentoPeridico nonecessrio

    Nenhuma ao necessria.

    1 1 Irrelevante

    0

    POAD = Procedimentos Administrativos, EPC = Equipamentos de Proteo Coletiva, EPI = Equipamentos de Proteo Individual. S = Sim, N = No, N AV = No AvaliadoNA = No Se Aplica, I = Inexistente CA = Certificado de Aprovao P =Probabilidade G = Gravidade IN = Grau de Incerteza

    Rua Cermica Reis 800 - Cermica Reis - CEP 88359-321 - Brusque - Santa Catarina - Brasil

    ZM S/A 201

  • LTCAT - Laudo Tcnico de Condies Ambientais do Trabalho

    ZM S/A

    Concluses para fins de Insalubridade, Periculosidade, condio especial para fins de aposentadoria especial:

    O nvel de rudo medido est abaixo do limite de tolerncia.O contato com leos minerais no caracteriza insalubridade pois realizado em carter eventual, mesmo assim neutralizado com o uso do creme protetor para as mos.De acordo com a Legislao em vigor, Port