of 58/58
VERSÃO PARA DOWNLOAD CURSO COMPETÊNCIAS TRANSVERSAIS EMPREENDEDORISMO

Apostilha Empreendedorismo senai

  • View
    212

  • Download
    2

Embed Size (px)

Text of Apostilha Empreendedorismo senai

  • VERSO PARA DOWNLOAD

    CURSO COMPETNCIAS TRANSVERSAIS EMPREENDEDORISMO

  • OL! SEJA BEM-VINDO AO CURSO DE

    EMPREENDEDORISMO

    Objetivo do curso: Oferecer conhecimentos sobre o ato de criao de novos empreendimentos nos mais diversos setores, propiciando-lhes, em especial: O conhecimento sobre a importncia do empreendedorismo para a economia, sua

    importncia na gerao de emprego e renda; O universo das aes empreendedoras que vo desde abertura de empresas com propsito

    econmico e financeiro, bem como com objetivos puramente sociais; A promoo da cultura empreendedora dentro das empresas por meio de aes de

    empreendedorismo corporativo; A compreenso da importncia da inovao e sustentabilidade e que se almejamos nos

    tornarmos uma das maiores economias do mundo somente podemos alcanar por meio de uma nao empreendedora.

    2

  • SUMRIO

    Introduo................................................................................................................................4 Mdulo 1 Intraempreendedor...........................................................................................................6 Empreendedor..................................................................................................................8 Mdulo 2 Micro e Pequenas empresas..........................................................................................19 Tipos de empreendimentos...........................................................................................24 Mdulo 3 Plano de negcio...........................................................................................................29 Identificando oportunidades..........................................................................................48 Reviso...................................................................................................................................51 Contedo extra Planejamento e Empreendedorismo.............................................................................53

  • INTRODUO

    4

    4

    Bem-vindo As sociedades at o sculo XIX eram predominantemente agrcolas. Somente aps a Revoluo Industrial, que teve incio com a inveno da mquina a vapor, que ocorreram mudanas significativas, no s nos processos de produo, mas na sociedade como um todo.

    As sociedades dos sculos XIX e XX so marcadas pela agricultura e pela industrializao, mas o sculo XXI se caracteriza pelo avano da tecnologia, acesso informao, mudanas nas relaes de trabalho e crescimento da economia informal provocando o surgimento da necessidade de empreender e definindo rumos para o empreendedorismo. Ao final deste curso, esperamos que voc tenha subsdios para identificar oportunidades para empreender, vislumbre vantagens associadas ao empreendedorismo e identifique as caractersticas necessrias para alcanar o perfil que incorpore os valores e a sua importncia para a realizao pessoal e profissional, seja como empreendedor e suas diversas reas de atuao ou mesmo como colaborador por meio de intraempreendedorismo.

  • 5

    Quantas vezes voc ouviu a palavra empreendedorismo, mas no sabia muito bem o que significava? s vezes pensou at em encontrar uma oportunidade para us-la em uma conversa com algum amigo ou colega de trabalho, mas ficou em dvida se seria correto ou no. Veremos o significado no s para empreendedorismo, mas tambm de palavras que possuem alguma relao com o assunto.

    Empreender est intimamente ligado ao processo de inovao, e para melhor compreender os diversos significados para o termo inovao, apresentaremos sua etimologia ou a origem do termo, que vem do latim innovatio, que significa renovao. O prefixo in tem o sentido de ingresso, movimento de introduzir algo, introduzir novidade, fazer algo novo, fazer algo como no era feito antes.

    Segundo o Sebrae, "a palavra empreendedor (entrepreneur) tem origem francesa e quer dizer aquele que assume riscos e comea algo novo".

    E essa associao do risco atividade empreendedora vem do sculo XVII, quando apareceram os primeiros indcios dessa relao. Naquela poca, surgiram alguns negcios em que o governo fazia um acordo contratual com algum para realizar um servio ou fornecer produtos, prefixando os preos e deixando, com isso, o lucro ou prejuzo nas mos do empreendedor.

    Portanto empreendedorismo uma forma de ser que busca desenvolver o potencial das pessoas para serem empreendedoras em qualquer rea em que estejam atuando, seja como criadores de empresa, autnomos, profissionais liberais, artistas, executivos, funcionrios pblicos ou trabalhadores das grandes, mdias e pequenas empresas.

    Para os economistas o empreendedorismo uma revoluo silenciosa, que ser, para o sculo XXI, mais que a Revoluo Industrial foi para o sculo XX, pois processo de empreender no inclui somente a criao de novas empresas, tratando com capitais e empregos, mas consiste, tambm, em desenvolver o esprito engenhoso do ser humano e o seu empenho em melhorar a humanidade.

  • 6

    Intraempreendedor

    As empresas hoje enfrentam uma realidade de mercado extremamente concorrido, com margens de lucro apertadas em todas as suas linhas de produtos e servios. Essa realidade exige a necessidade constante de inovao e criao de diferenciais competitivos. Isso somente ser desenvolvido por meio de um ambiente corporativo que proporcione condies para estimular um ambiente empreendedor, ou seja, a cultura do intraempreendedorismo ou empreendedorismo corporativo.

    O termo intraempreendedor (traduo do ingls intrapreneur) foi cunhado por Gifford Pinchot em Os 10 mandamentos do intraempreendedor (PINCHOT III, 1989).

  • 7

    Os 10 mandamentos do intraempreendedor 1. mais fcil pedir desculpas que pedir permisso.

    2. Execute qualquer tarefa para desenrolar o projeto.

    3. Chegue ao trabalho cada dia sem medo de ser demitido.

    4. Recrute uma boa equipe.

    5. Pea conselhos antes de pedir recursos.

    6. D crditos e celebre vitrias.

    7. Mantenha em mente os interesses da empresa e dos

    clientes quando quebrar regras.

    8. Reconhea e honre seus patrocinadores.

    9. Prometa menos e entregue mais.

    10. Seja fiel a suas metas, mas realista com relao maneira de atingi-las.

    Os intraempreendedores so semelhantes aos empreendedores sob o seguinte aspecto: podem definir, estruturar e explorar com sucesso uma rea de atividade desestruturada em uma organizao, enquanto os empreendedores fazem o mesmo com seus negcios no ambiente externo. (FILLION, 2004).

  • 8

    Empreendedor

    O empreendedor Existe um perfil ideal? Quais seriam as principais caractersticas do empreendedor? De fato no existe uma unanimidade em relao a isso. No h um consenso entre os autores do assunto, sobre tais caractersticas, mas apontaremos aquelas caractersticas que melhor definem o empreendedor.

    Principais caractersticas

  • 9

  • 10

  • 11

  • 12

  • 13

    Tipos de empreendedores Empreendedor nato ou mitolgico

    Geralmente so conhecidos, pois suas histrias so brilhantes e, muitas vezes, comearam do nada criando grandes imprios. Comeam a trabalhar muito cedo e adquirem habilidade de negociao e de vendas.

    So tidos como visionrios e otimistas, muitas vezes considerados frente de seu tempo e se comprometem integralmente para realizar seus sonhos.

    Se voc perguntar a um empreendedor nato quem ele admira, ser comum lembrar de figura paterna/materna ou algum familiar mais prximo.

  • O empreendedor que aprende Inesperado

    Pessoa que, inesperadamente, deparou-se com uma oportunidade de negcio e tomou a deciso de mudar o que fazia na vida para se dedicar ao negcio prprio. Nunca pensaram em ser empreendedores, consideravam apenas a possibilidade de trabalhar em grandes corporaes. A deciso de troca de carreira lenta, a no ser que esteja em condio de perder o emprego ou j tenha sido demitido. Tero que aprender a lidar com as novas situaes e se envolver em todas as atividades do negcio prprio. uma alternativa aposentadoria.

    14

  • 15

    O empreendedor serial Apaixonado no apenas pelas empresas que cria, mas principalmente pelo ato de empreender. Dinmico, prefere os desafios e a adrenalina envolvidos na criao de algo novo a assumir a postura de executivo que lidera grandes equipes. Possui habilidade de montar e motivar equipes, captar recursos para o incio do negcio e colocar a empresa em funcionamento. Envolve-se em vrios negcios ao mesmo tempo e no incomum possuir muitas histrias de fracasso. Mas estas servem de estmulo para a superao do prximo desafio.

  • 16

    O empreendedor social A misso deste tipo de empreendedor tornar o mundo um lugar melhor para as pessoas. Com comprometimento singular, envolve-se em causas humanitrias e no busca ganhar ou aumentar seu patrimnio financeiro, ou seja, no tem como um de seus objetivos ganhar dinheiro. Prefere compartilhar seus recursos e contribuir para o desenvolvimento das pessoas. J so considerados um fenmeno mundial em pases em desenvolvimento como o Brasil.

  • 17

    O empreendedor por necessidade Inicia o prprio negcio devido ao desemprego ou por no ter acesso ao mercado de trabalho. Geralmente est no mercado informal, desenvolvendo atividades mais simples e conseguindo pouco retorno financeiro. So considerados como "vtimas do sistema capitalista", pois no possuem acesso educao e recursos para empreenderem de maneira estruturada. Envolvem-se em atividades empreendedoras simples, pouco inovadoras na economia informal. Geralmente no contribuem com impostos e outras taxas.

  • 18

    O empreendedor herdeiro Recebe das geraes anteriores a responsabilidade de levar frente a empresa que herdou de sua famlia. Empresas familiares fazem parte da estrutura empresarial de todos os pases, e muitos imprios empresariais foram construdos por famlias empreendedoras, que mostraram capacidade de passar o basto a cada nova gerao. O desafio do empreendedor herdeiro multiplicar o patrimnio recebido. Hoje os herdeiros buscam mais apoio externo, por meio de cursos e consultorias especializados.

  • 19

    Micro e Pequenas empresas Cenrio nacional

    Nos ltimos doze anos, as micros e pequenas empresas (MPE), ao lado dos microempreendedores individuais (MEI), representaram importante e indispensvel elemento para movimentao da economia brasileira, que deve ao segmento 52% dos empregos formais e 40% da massa salarial. Com crescimento significativo na ltima dcada, o setor influencia de forma direta na gerao de recursos e j representa 25% do PIB nacional. S em 2012, foram 891,7 mil empregos criados.

    Acrscimo de 7 milhes de novos empregos formais na rea ao longo de 11 anos, que de 8,6 milhes em 2000, atingiu 15,6 milhes de empregados com carteira assinada em 2011. Isso representa 52% da massa salarial de todo o pas. Esse cenrio resultado de polticas sociais de redistribuio de renda e de valorizao do salrio mnimo, expanso do crdito e incorporao de um grande contingente de populao ao mercado de trabalho e de consumo, o que aumenta a taxa de sobrevivncia das empresas no mercado.

  • 20

    Segundo o Censo do Sebrae, com base em dados da Receita Federal, aps dois anos de funcionamento, 76% dos micros e pequenos empreendimentos mantm suas atividades. Isso significa mais garantias quanto durabilidade e ao retorno do investimento. Em 2006, 48% do setor existiam por necessidade do proprietrio, por falta de outras oportunidades financeiras.

    Hoje, esse caso conta com uma parcela de apenas 31% das empresas, os 69% restantes optaram livremente pelo pequeno negcio. Hoje, a cada trs pessoas que iniciam um empreendimento, duas o fazem por uma oportunidade de negcios. Isso muda completamente a qualidade do empreendedorismo no pas.

  • 21

  • 22

  • 23

    Representando 99% do total de empresas brasileiras e com participao de 25% do PIB, o segmento garantiu o dobro de variao salarial em relao s grandes e mdias empresas. De 2000 at 2011, o aumento real de salrio nas grandes e mdias empresas variou 9%, enquanto nas micros e pequenas empresas o aumento foi de 18%. Isso significa que os salrios crescem mais no segmento dos micros e pequenos investimentos, tornando o setor ainda mais atrativo, no s para quem deseja abrir um negcio, mas tambm para aqueles que buscam uma ocupao dentro dessas empresas.

  • 24

    Unindo pessoas e processos Como visto anteriormente, o empreendedor aquele que percebe uma oportunidade e cria meios para persegui-la. Exemplos: uma nova empresa, rea de negcio etc.

    Tipos de empreendimentos

    Identificar e avaliar a oportunidade Criao e abrangncia da oportunidade; valores percebidos e reais da oportunidade; riscos e retornos da oportunidade; oportunidade versus habilidades e metas pessoais; situao dos competidores.

    Portanto o processo empreendedor envolve todas as funes, aes, e atividades associadas com a percepo de oportunidades e a criao de meios para persegui-las.

    Desenvolver o Plano de Negcio 1. Sumrio Executivo. 2. O Conceito do Negcio. 3. Equipe de Gesto. 4. Mercado e Competidores. 5. Marketing e Vendas. 6. Estrutura e Operao. 7. Anlise Estratgica. 8. Plano Financeiro Anexos

  • 25

    Determinar e Captar os recursos necessrios Recursos pessoais; recursos de amigos e parentes; angels; capitalistas de risco; bancos; governo; incubadoras.

    Gerenciar o negcio Estilo de gesto; fatores crticos de sucesso; identificar problemas atuais e potenciais; implementar um sistema de controle; profissionalizar a gesto; entrar em novos mercados.

    Microempreendedor individual (MEI) Microempreendedor Individual (MEI) a pessoa que trabalha por conta prpria e que se legaliza como pequeno empresrio. Para ser um microempreendedor individual, necessrio faturar no mximo at R$ 60.000,00 por ano e no ter participao em outra empresa como scio ou titular. O MEI tambm pode ter um empregado contratado que receba o salrio mnimo ou o piso da categoria. A Lei Complementar n. 128, de 19/12/2008, criou condies especiais para que o trabalhador conhecido como informal possa se tornar um MEI legalizado.

  • 26

    Vantagens oferecidas: Registro no Cadastro Nacional de Pessoas Jurdicas (CNPJ), facilitando a abertura de conta bancria, o pedido de emprstimos e a emisso de notas fiscais. Enquadrado no Simples Nacional e iseno dos tributos federais (Imposto de Renda, PIS, Cofins, IPI e CSLL). Pagamento de fixo mensal de R$ 37,20 (comrcio ou indstria), R$ 41,20 (prestao de servios) ou R$ 42,20 (comrcio e servios), destinado Previdncia Social e ao ICMS ou ao ISS. Essas quantias sero atualizadas anualmente, de acordo com o salrio mnimo. Acesso a benefcios como auxlio maternidade, auxlio doena, aposentadoria, entre outros.

  • 27

    Empresrio individual O empresrio individual (anteriormente chamado de firma individual) aquele que exerce em nome prprio uma atividade empresarial. a pessoa fsica (natural) titular da empresa. O patrimnio da pessoa natural e o do empresrio individual so os mesmos, logo o titular responder de forma ilimitada pelas dvidas. EIRELI (Empresa Individual de Responsabilidade Limitada) A EIRELI a empresa constituda por uma nica pessoa titular da totalidade do capital social, devidamente integralizado, que no poder ser inferior a 100 (cem) vezes o maior salrio-mnimo vigente no Pas. O titular no responder com seus bens pessoais pelas dvidas da empresa.

    A pessoa natural que constituir empresa individual de responsabilidade limitada somente poder figurar em uma nica empresa dessa modalidade. Ao nome empresarial dever ser includa a expresso "EIRELI" aps a firma ou a denominao social da empresa individual de responsabilidade limitada. Sociedade limitada aquela que realiza atividade empresarial, formada por dois ou mais scios que contribuem com moeda ou bens avaliveis em dinheiro para formao do capital social. A responsabilidade dos scios restrita ao valor do capital social, porm tais scios respondem solidariamente pela integralizao da totalidade do capital, ou seja, cada scio tem obrigao com a sua parte no capital social, no entanto poder ser chamado a integralizar as quotas dos scios que deixaram de integraliz-las.

  • 28

    Sociedade Limitada:

    Sociedade annima.

    Cooperativa.

    Consrcio.

    Nacionalizao ou abertura de Filial de Sociedade Estrangeira.

    Grupo de sociedades.

    Sociedade em nome coletivo.

    Sociedade em comandita simples.

    Sociedade em comanditas por aes.

  • 29

    Escolha o negcio apropriado ao seu perfil A seleo de uma oportunidade de negcio uma etapa muito importante que merece bastante ateno, anlise, reflexo e at discusso. A seleo de uma oportunidade de negcio uma etapa muito importante que merece bastante ateno, anlise, reflexo e at discusso. 1. A seleo de uma oportunidade de negcio uma

    etapa muito importante que merece bastante ateno, anlise, reflexo e at discusso.

    2. Afinidade, motivao.

    3. Conhecimento, habilidades.

    4. Necessidades de mercado.

    5. Disponibilidade de recursos.

    Plano de Negcio Afinidade e motivao Voc j deve ter escutado algum dizer que as pessoas que trabalham em atividades da qual gostam e sentem prazer naquilo que fazem, tm muito mais chances de ter sucesso que outras que apenas "suportam" seu dia a dia profissional. Pesquisas garantem que para tais pessoas quase no h separao entre o trabalho e o lazer, elas "nem percebem que esto trabalhando"! Se voc est pensando em escolher uma nova atividade, por que no levar esse princpio a srio tentando de fato identificar algo que voc verdadeiramente goste muito de fazer?

  • 30

    Conhecimento e habilidades Se voc fosse iniciar uma atividade, qual escolheria? Aquela para a qual voc tem uma habilidade acima da mdia ou outra em que voc apenas regular? Essa questo diz respeito aos "pontos fortes" de cada um, ou seja, s coisas que voc sabe fazer com um desempenho, e ou de que tem conhecimento, acima da mdia. Esse aspecto deve ser a base da escolha, pois pressupe que voc j possui "diferencial competitivo" que o destaca dos eventuais "concorrentes" que possam existir. Necessidades de mercado Alm de afinidade e de habilidades, fundamental descobrir uma atividade ou uma ideia de negcio que seja reconhecida pelo mercado como algo de valor, algo que as pessoas estariam dispostas a pagar para t-lo.

    Em geral, as necessidades de mercado surgem pela insatisfao dos clientes, os servios ou os produtos deficientes, as mudanas de comportamento ou as mudanas tecnolgicas. Esses aspectos so a "fonte de inspirao" para o empreendedor. Disponibilidade de recursos A disponibilidade de recursos tambm "seleciona" alternativa de negcios. Voc pode ter afinidade para lidar com pessoas, ter conhecimento de hotelaria e detectar a necessidade de um hotel na cidade em que voc mora. Porm, talvez um hotel seja um passo um pouco grande.

    Que tal comear com uma pousada?

  • 31

    O plano de negcio O que e para que serve Um plano de negcio um documento que descreve por escrito os objetivos de um negcio e quais passos devem ser dados para que esses objetivos sejam alcanados, diminuindo os riscos e as incertezas. Um plano de negcio permite identificar e restringir seus erros no papel, ao invs de comet-los no mercado. Hoje comum encontrarmos softwares ou aplicativos que so utilizados para a elaborao e execuo do plano de negcios. O Sebrae apresenta, em seu guia para elaborao de um plano de negcios, sugestes para a Elaborao e a Construo de um plano de negcios. O que diferencia um do outro? mesmo necessrio fazer os dois?

    A etapa de elaborao ir auxili-lo a construir passo a passo o plano de negcio do seu empreendimento. Ao terminar sua elaborao, analise e reflita sobre as estratgias que est adotando e, se necessrio, defina quais correes devero ser feitas. A construo do plano nada mais do que um formulrio modelo a ser preenchido com as informaes pesquisadas.

  • 32

    Elaborao do plano de negcio 1 - Sumrio Executivo

  • 33

  • 34

  • 35

  • 36

  • 37

  • 38

  • 39

  • 40

  • 41

  • 42

  • 43

    Exemplo: Isso quer dizer que, a cada ms, a mquina de costura vale R$83,33 menos, ou seja, possivelmente, ao final de cinco anos, ser preciso adquirir um nova mquina de costura, mais moderna e eficiente.

  • 44

  • 45

  • 46

  • 47

    Construo de cenrios - A matriz F.O.F.A Ao finalizar o seu plano de negcio, simule valores e situaes diversas para a empresa. Prepare cenrios em que o negcio obtenha resultados pessimistas (queda nas vendas e/ou aumento dos custos) ou otimistas (crescimento do faturamento e diminuio de despesas). A partir da, pense em aes para evitar e prevenir-se frente s adversidades ou ento para potencializar situaes favorveis. Faa quantas simulaes julgar necessrio e tenha sempre alternativas de aes (plano B). A Matriz F.O.F.A. um instrumento de anlise simples e valioso. Seu objetivo detectar pontos fortes e fracos, com a finalidade de tornar a empresa mais eficiente e competitiva, corrigindo assim suas deficincias. F.O.F.A. um acrstico para:

    A anlise F.O.F.A. levar voc a pensar nos aspectos favorveis e desfavorveis do negcio, dos seus proprietrios e do mercado. Avaliao do plano de negcios Empreender sempre um risco, mas um risco que pode ser evitado, com o planejamento proposto no Plano de Negcios e apesar de no ser a garantia de sucesso, ir auxili-lo a tomar decises mais acertadas, assim como a no se desviar de seus objetivos. O mundo dos negcios est sujeito a mudanas, a cada dia surgem novas oportunidades e ameaas. Assim sendo, procure adaptar seu planejamento s novas realidades.

  • 48

    O empreendedor deve ficar atento s oportunidades de negcios, para isso ele pode seguir algumas dicas. a) Observao da realidade: um conjunto de aes que

    tem como objetivo a identificao de oportunidades. Essas aes podem se dividir em procurar e identificar insatisfaes - Quais os fatores que levariam as pessoas a terem insatisfaes com um determinado negcio? Por exemplo, problemas de funcionamento, complexidade de operao, dificuldade de manuteno, tempo de resposta maior que o aceitvel, velocidade baixa, custo elevado.

    b) Identificar as inadequaes: elas so causadas pela desconformidade de uma parte em relao ao todo, como:

    operao: maior complexidade que as outras partes. Custo: proporcionalmente maior que as outras partes. prazo de execuo: desproporcional aos demais.

    Identificando oportunidades Entendendo ambientes e captando oportunidades Compreender um ambiente , antes de tudo, transformar a atitude distrada em curiosa e atenta, que se ocupa em ver e compreender como funciona cada sistema que est no ambiente, quais os seus pontos essenciais, quais os elementos que compem o ambiente e como funcionam. Captar oportunidades no levar vantagem, mas entender melhor os desafios e ter mais informaes para decidir. compreender o que pode ser melhorado e o que pode ser substitudo, caminhando para a inovao. Viabilizando um empreendimento Primeiramente importante transformar uma ideia em plano que viabilize o empreendimento.

  • 49

    Lembre-se ento de construir o Plano de Negcios, contemplando todas as etapas estabelecidas no documento de referncia. Estabelea os recursos disponveis, mesmo que se refiram a bens familiares que foram colocados disposio do novo negcio. Busque recursos em fontes de financiamentos como: Finep, Financiadora de Estudos e Projetos, do governo

    federal; FAPS, fundaes de Amparo Pesquisa; bancos de investimentos governamentais, e outros.

    Empreendimentos segundo idade e estgio de desenvolvimento Empreendimento nascente (Start Up) o perodo em que considerada uma empresa nascente que vai da data de sua fundao at quando consegue ter produtos e servios, clientes, equipe de empregados, e um

    faturamento anual que pode chegar a 1 milho, no caso de empresas de alta tecnologia. Em outros segmentos, o faturamento anual pode cair a menos da metade desse valor. Exige pouco capital para iniciar sua operao, mas muito trabalho dos empreendedores. Empreendimento emergente ou empreendimento novo (seed) a situao de uma empresa que j fatura mais de R$ 1 milho (se for da rea tecnolgica) por ano e tem produtos e servios com aceitao de um grupo ainda pequeno de clientes. chamada de seed, pois precisa de capital como uma semente para o seu desenvolvimento.

  • 50

    Empreendimento consolidado ou estabelecido aquele que j possui um histrico de vrios anos, produzindo e prestando seus servios para um portflio de clientes bem variado, tendo um faturamento expressivo, preferencialmente uma sociedade annima, eventualmente com aes negociadas em bolsa de valores, o que significa que o pblico em geral pode ter acesso a elas.

    Tambm so denominadas assim empresas que j atingiram o ponto de perpetuidade, quando sua receita previsvel, assim como seus clientes, produtos e servios.

  • 51

    Introduo A importncia do significado para conceitos de empreendedorismo, e outros que possuem alguma relao com o assunto , como por exemplo Inovao. Empreender no inclui somente a criao de novas empresas, mas tambm, em desenvolver o esprito engenhoso do ser humano. O intraempreendedor A realidade que as empresas enfrentam hoje um cenrio em que o mercado extremamente concorrido, e as margens de lucro apertadas tanto para e execuo de produtos quanto de servios. A necessidade de promover inovao e diferenciais competitivos somente ser possvel a partir da cultura do intraempreendedorismo ou empreendedorismo corporativo.

    REVISO O empreendedor A definio das principais caractersticas do empreendedor, exemplos prticos e os tipos mais comuns como o empreendedor nato, o inesperado e o serial. Como os pases em desenvolvimento apresentam muitas iniciativas de empreendimentos sociais. A necessidade pode motivar um empreendedor tanto quando se tratar de desemprego, ou de dar continuidade aos negcios da famlia.

  • 52

    Cenrio nacional Com crescimento significativo na ltima dcada, o setor de Micros e pequenas empresas influencia de forma direta na gerao de recursos e j representa 25% do PIB nacional. Em 2012, foram responsveis pela gerao de 891,7 mil empregos. Uma em cada duas empresas do segmento comercial e j participam intensamente como fornecedoras de bens e servios para setores governamentais. De 2000 at 2011, o aumento real de salrio nas grandes e mdias empresas variou 9%, nas micros e pequenas empresas o aumento foi de 18%. O plano de negcio Um plano de negcio um documento que descreve por escrito os objetivos de um negcio e quais passos devem ser dados para que esses objetivos sejam alcanados, diminuindo os riscos e as incertezas. Um plano de negcio permite identificar e restringir seus erros no papel, ao invs de comet-los no mercado.

    O plano de negcios est dividido em duas etapas , a primeira denominada elaborao contendo todas as informaes do que fazer e como fazer. J a segunda etapa se refere construo do seu plano de negcios que ser um mapa do percurso a ser trilhado pelo empreendedor. Construo de cenrios A importncia de simular cenrios diversos para a empresa, obtendo resultados pessimistas (queda nas vendas e/ou aumento dos custos) ou otimistas (crescimento do faturamento e diminuio despesas). Estes cenrios sinalizar a necessidade de novos rumos, investimentos ou mudanas de segmento. A matriz FOFA pode ser uma ferramenta apropriada para a realizao dessa anlise

  • 53

    Objetivo O contedo extra abordado nesta fase do curso tem por objetivo a instrumentalizao do empreendedor. Isso significa definir e explicar quais so os conhecimentos e as habilidades de que o empreendedor mais necessita para desempenhar bem a atividade. A palavra que melhor engloba esses instrumentos bsicos para empreender o planejamento, pois deste ponto que se parte quando se consegue perceber a oportunidade e dela surge uma ideia para ser criado um empreendimento. A importncia de instrumentalizar o empreendedor Uma pergunta que deve estar ocorrendo: mas quais so, afinal, os instrumentos e mtodos do empreendedor? De modo bem simples, podemos responder:

    Planejamento e Empreendedorismo

    Observao da realidade: um conjunto de aes que tem como objetivo a identificao de oportunidades. Construo da ideia de um empreendimento: consiste em um conjunto de aes para ajudar a conceber como funcionar o empreendimento que ter a finalidade de aproveitar uma oportunidade identificada. Transformao da ideia de um plano capaz de viabilizar um empreendimento, com objetivo de implement-lo.

    Observao da realidade O empreendedor precisa adquirir o hbito de

    observar a realidade e identificar oportunidades, lendo e acompanhando notcias de diversos meios de

    comunicao, juntando informaes e preferncias detectadas em seu ambiente.

  • 54

    Percepo de uma oportunidade Observao da realidade: um conjunto de aes que tem como objetivo a identificao de oportunidades Mas como podemos perceber uma oportunidade diante de observaes que fazemos a respeito da realidade? Podemos dividir em duas grandes vertentes de anlise da realidade, que podem ser divididas, a seguir, em:

    2. Identificar as inadequaes - Elas so causadas pela desconformidade de uma parte em relao ao todo, como: - operao: maior complexidade que as outras partes; - custo: proporcionalmente maior que as outras partes; - prazo de execuo: desproporcional aos demais.

    1. Procurar identificar insatisfaes - Quais os fatores que levariam as pessoas a terem insatisfaes com aquele ambiente?

    Problemas de funcionamento Complexidade de operao Dificuldade de manuteno

    Tempo de resposta maior que o aceitvel

    Velocidade baixa

    Custo elevado

  • 55

    Entendendo ambientes e capturando oportunidades Compreender um ambiente , antes de tudo, transformar a atitude distrada em curiosa e atenta, que se ocupa em ver e compreender como funciona cada sistema que est no ambiente, quais os seus pontos essenciais, quais os elementos que compem o ambiente e como funcionam. Capturar oportunidades no levar vantagem, mas entender melhor os desafios e ter mais informaes para decidir; compreender o que pode ser melhorado e o que pode ser substitudo, caminhando para a inovao. Transformao de uma ideia em um plano para viabilizar o empreendimento. Construa o modelo de empreendimento - Consiste em descrever o que e como funciona o empreendimento, o que vai produzir e quais os benefcios. Tambm deve ser dito o que vai ser vendido e como vai se sustentar. Estabelea com clareza e detalhes o que o empreendimento vai oferecer e que tem interesse naquele fornecimento (produto, servio, benefcio etc.).

    Defina seu pblico-alvo ou mercado provvel do empreendimento. Pesquise o mercado ou o pblico-alvo - preciso descobrir quem so os concorrentes, o que fornecem e o grau de satisfao dos clientes deles. Por do mercado para saber e quais as condies que o empreendimento deve apresentar como diferencial competitivo.

    Os recursos financeiros no planejamento Neste item, vamos levantar uma questo crucial sobre a qual voc j deve ter pensado. Onde se consegue o dinheiro para viabilizar a implementao do plano do empreendimento? So trs as principais possibilidades: - recursos da famlia; - recursos de origem governamental; - recursos de investidores.

  • 56

    A importncia de instrumentalizar o empreendedor Utilizar os recursos da famlia, dos amigos e do empreendedor, muitas vezes, a soluo encontrada para resolver o caso de empreendimentos pequenos ou para viabilizar a etapa inicial de um empreendimento de mdio ou grande porte. Segundo pesquisas, o valor desses recursos provenientes do empreendedor e de crculo familiar tem aumentado muito. Outra fonte de financiamento pode ser com recursos de investidores anjos (business angels), fundo de capital semente e fundos de venture capital. Utilizar recursos de origem governamental - Existem algumas agncias apropriadas para gerir estes recursos, estabelecendo os critrios para sua distribuio e fiscalizao.

    Lembre-se, as principais agncias so: Finep, Financiadora de Estudos e Projetos, do governo federal; as FAPS, fundaes de Amparo Pesquisa, que no estado do Rio de Janeiro se denomina Faperrj e, em So Paulo, Fapesp; demais agncias de desenvolvimento regional, como bancos de investimentos governamentais.

    Os empreendimentos so divididos em: Empreendimentos nascentes. Empreendimento emergente ou empreendimento novo. Empreendimento consolidado ou estabelecido.

  • 57

    Empreendimentos segundo idade e estgio de progresso Empreendimento nascente(start up) O perodo em que considerada uma empresa nascente vai da data de sua fundao at quando consegue ter produtos e servios, clientes , equipe de empregados, e um faturamento anual de 1 milho, no caso de empresas de alta tecnologia. Nas outras, o faturamento anual pode cair a menos da metade desse valor. Precisa de pouco capital para iniciar sua operao, mas muito trabalho dos empreendedores. Empreendimento emergente ou empreendimento

    novo (seed) quando temos uma empresa que j fatura mais de R$ 1 milho (se for da rea tecnolgica) por ano e tem produtos e servios com aceitao de um grupo ainda pequeno de clientes. chamada de seed, pois precisa de capital como uma semente para o seu desenvolvimento.

    Empreendimento consolidado ou estabelecido

    aquele que j possui um histrico de vrios anos, produzindo e prestando seus servios para um portflio de clientes bem variado, tendo um faturamento expressivo, preferencialmente uma sociedade annima, eventualmente com aes negociadas em bolsa de valores, o que significa que o pblico em geral pode ter acesso a elas. Tambm so denominadas assim empresas que j atingiram o ponto de perpetuidade, quando sua receita previsvel, assim como seus clientes, produtos e servios.