01 Contrato Social - Rousseau

  • View
    281

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of 01 Contrato Social - Rousseau

Apresentao do PowerPoint

Contrato Social ROUSSEAU- Iluminista Sueco 1712-1778Das Primeiras SociedadesRousseau questiona porque o homem vive em sociedade e porque se priva de sua liberdade. www.hernandoadvogado.blogspot.com1

Contrato Social ROUSSEAU- Iluminista Sueco 1712-1778Das primeiras sociedades / escravidoO homem nasceu livre, e em toda parte se encontra sob ferros. De tal modo acredita-se o senhor dos outros, que no deixa de ser mais escravo que eles. Como feita essa mudana? Ignoro-o.

www.hernandoadvogado.blogspot.com2

Contrato Social ROUSSEAU- Iluminista Sueco 1712-1778Do direito do mais forteSe eu considerasse to-somente a fora e o efeito que dela deriva, diria: Enquanto um povo constrangido a obedecer e obedece, faz bem; www.hernandoadvogado.blogspot.com3

Contrato Social ROUSSEAU- Iluminista Sueco 1712-1778Do direito do mais forteTo logo ele possa sacudir o jugo e o sacode, faz ainda melhor; porque, recobrando a liberdade graas ao mesmo direito com o qual lha arrebataram, ou este lhe serve de base para retom-la ou no se prestava em absoluto para subtra-la

www.hernandoadvogado.blogspot.com4

Contrato Social ROUSSEAU- Iluminista Sueco 1712-1778ConvenesMas a ordem social um direito sagrado que serve de alicerce a todos os outros. Esse direito, todavia, no vem da Natureza; est, pois, fundamentado sobre convenes

www.hernandoadvogado.blogspot.com5

Contrato Social ROUSSEAU- Iluminista Sueco 1712-1778Do soberanoOs homens para se conservarem, se agregam e formam um conjunto de foras com nico objetivo.www.hernandoadvogado.blogspot.com6

1712-1778Contrato Social ROUSSEAUFAMLIA X ESTADO a famlia o primeiro modelo das sociedades polticas; o chefe a imagem do pai, o povo a imagem dos filhos, e havendo nascido todos livres e iguais, no alienam a liberdade a no ser em troca da sua utilidade. www.hernandoadvogado.blogspot.com7

Contrato Social ROUSSEAU- Iluminista Sueco 1712-1778FAMLIA X ESTADOToda a diferena consiste em que, na famlia, o amor do pai pelos filhos o compensa dos cuidados que estes lhe do, ao passo que, no Estado, o prazer de comandar substitui o amor que o chefe no sente por seus povos.

www.hernandoadvogado.blogspot.com8

1712-1778Contrato Social ROUSSEAUO HOMEM E A ENTREGA GRATUITADizer que um homem se d gratuitamente dizer coisa absurda e inconcebvel; um tal ato ilegtimo e nulo, pelo simples fato de no se achar de posse de seu juzo quem isto comete. Dizer a mesma coisa de todo um povo supor um povo de loucos: a loucura no faz direito.www.hernandoadvogado.blogspot.com9

Contrato Social ROUSSEAU- Iluminista Sueco 1712-1778O HOMEM E A ENTREGA GRATUITADizer que um homem se d gratuitamente dizer coisa absurda e inconcebvel; www.hernandoadvogado.blogspot.com10

Contrato Social ROUSSEAU- Iluminista Sueco 1712-1778O HOMEM E A ENTREGA GRATUITAO ato da entrega ilegtimo e nulo, pelo simples fato de no se achar de posse de seu juzo quem isto comete. www.hernandoadvogado.blogspot.com11

1712-1778Contrato Social ROUSSEAUO HOMEM E A ENTREGA GRATUITAUm povo pode se dar gratuitamente?Dizer a mesma coisa de todo um povo supor um povo de loucos: a loucura no faz direito.www.hernandoadvogado.blogspot.com12

1712-1778Contrato Social ROUSSEAUO GOVERNO ARBITRRIO LEGTIMO? Para que um governo arbitrrio fosse legtimo, seria preciso que o povo, fosse senhor de o admitir ou rejeitar; mas ento tal governo j no seria arbitrrio. www.hernandoadvogado.blogspot.com13

Contrato Social ROUSSEAU- Iluminista Sueco 1712-1778Pode o homem renunciar a prpria liberdade? Renunciar prpria liberdade o mesmo que renunciar qualidade de homem, aos direitos da Humanidade, inclusive aos seus deveres. www.hernandoadvogado.blogspot.com14

1712-1778Contrato Social ROUSSEAUPode o homem renunciar a prpria liberdade? No h nenhuma compensao possvel para quem quer que renuncie a tudo. www.hernandoadvogado.blogspot.com15

1712-1778Contrato Social ROUSSEAUPode o homem renunciar a prpria liberdade? Tal renncia incompatvel com a natureza humana, e arrebatar toda moralidade a suas aes, bem como subtrair toda liberdade sua vontade. www.hernandoadvogado.blogspot.com16

1712-1778Contrato Social ROUSSEAUGuerra x homemNo , pois, a guerra uma relao de homem para homem, mas uma relao de Estado para Estado.www.hernandoadvogado.blogspot.com17

1712-1778Contrato Social ROUSSEAUGuerra x homemOs particulares apenas acidentalmente so inimigos, no na qualidade de homenswww.hernandoadvogado.blogspot.com18

1712-1778Contrato Social ROUSSEAUGuerra x homemNo so cidados, mas soldados. No h que imagin-los como membros da ptria, mas como seus defensores. www.hernandoadvogado.blogspot.com19

1712-1778Contrato Social ROUSSEAUGuerra x homemCada Estado no pode ter como inimigo seno outro Estado, nunca homens. www.hernandoadvogado.blogspot.com20

1712-1778Contrato Social ROUSSEAUGuerra x homemComo o objetivo da guerra consiste em destruir o Estado inimigo, tem-se o direito de matar os defensores enquanto estiverem com as armas na mo.www.hernandoadvogado.blogspot.com21

1712-1778Contrato Social ROUSSEAUGuerra x homemMas to logo as deponham e se rendam, cessam de ser inimigos ou instrumentos do inimigo, voltam a ser simplesmente homens, e no mais se dispe de direito sobre suas vidas.www.hernandoadvogado.blogspot.com22

1712-1778Contrato Social ROUSSEAUESCRAVIDO nulo o direito de escravizar, no s pelo fato de ser ilegtimo, como porque absurdo e nada significa. www.hernandoadvogado.blogspot.com23

1712-1778Contrato Social ROUSSEAUESCRAVIDOAs palavras escravatura e direito so contraditrias, excluem-se mutuamente. www.hernandoadvogado.blogspot.com24

1712-1778Contrato Social ROUSSEAUESCRAVIDOSeja de homem para homem, seja de um homem para um povo, este discurso ser igualmente insensato.www.hernandoadvogado.blogspot.com25

1712-1778Contrato Social ROUSSEAUESCRAVIDOFao contigo um contrato, todo em teu prejuzo e todo em meu proveito, que eu observarei enquanto me aprouver, e que tu observars enquanto me aprouver.www.hernandoadvogado.blogspot.com26

1712-1778Contrato Social ROUSSEAUPacto socialO estado primitivo no mais tem condies de subsistir, e o gnero humano pereceria se no mudasse sua maneira de ser. www.hernandoadvogado.blogspot.com27

1712-1778Contrato Social ROUSSEAUSOLUO: CONTRATO preciso encontrar uma forma de associao que defenda e proteja de toda a fora comum a pessoa e os bens de cada associado.www.hernandoadvogado.blogspot.com28

1712-1778Contrato Social ROUSSEAUSOLUO: CONTRATO Atravs da associao, cada um, unindo-se a todos, no obedea portanto seno a si mesmo, e permanea to livre como anteriormente.www.hernandoadvogado.blogspot.com29

1712-1778Contrato Social ROUSSEAUESTADO + POVOTo logo se encontre a multido reunida num corpo, no se pode ofender um dos membros sem atacar o corpo, menos ainda ofender o corpo sem que os membros disso se ressintam. www.hernandoadvogado.blogspot.com30

1712-1778Contrato Social ROUSSEAUESTADO + POVOO dever e o interesse obrigam igualmente as duas partes contratantes a se auxiliarem de forma recproca.www.hernandoadvogado.blogspot.com31

1712-1778Contrato Social ROUSSEAUESTADO + POVOOs prprios homens devem procurar reunir sob essa dupla relao todas as vantagens que disso dependem. www.hernandoadvogado.blogspot.com32

1712-1778Contrato Social ROUSSEAUEstado Natural P/ Estado CivilA passagem do estado natural ao estado civil produziu no homem uma mudana considervelwww.hernandoadvogado.blogspot.com33

1712-1778Contrato Social ROUSSEAUEstado Natural P/ Estado CivilO que o homem perde pelo contrato social a liberdade natural e um direito ilimitado a tudo que o tenta e pode alcanar.www.hernandoadvogado.blogspot.com34

1712-1778Contrato Social ROUSSEAUEstado Natural P/ Estado CivilO que o homem ganha a liberdade civil e a propriedade de tudo o que possui.www.hernandoadvogado.blogspot.com35

1712-1778Contrato Social ROUSSEAUSoberania inalienvelSe o povo promete simplesmente obedecer, perde sua qualidade de povo.www.hernandoadvogado.blogspot.com36

1712-1778Contrato Social ROUSSEAUSoberania inalienvelSe houver um senhor, no mais haver soberano, e a partir de ento o corpo poltico estar destrudo. www.hernandoadvogado.blogspot.com37

1712-1778Contrato Social ROUSSEAUSoberania indivisvelA soberania indivisvel, porque a vontade geral, ou no o .www.hernandoadvogado.blogspot.com38

1712-1778Contrato Social ROUSSEAUSoberania indivisvel a vontade do corpo do povo, ou apenas de uma de suas partes?www.hernandoadvogado.blogspot.com39

1712-1778Contrato Social ROUSSEAUVontade Geral x Vontade de todosGeral = interesse comumwww.hernandoadvogado.blogspot.com40

1712-1778Contrato Social ROUSSEAUVontade Geral x Vontade de todosTodos= interesse privadowww.hernandoadvogado.blogspot.com41

1712-1778Contrato Social ROUSSEAUVontade Geral x Vontade de todosGeral: pouca comunicaowww.hernandoadvogado.blogspot.com42

1712-1778Contrato Social ROUSSEAUVontade Geral x Vontade de todosTodos: intriga, conflitos, parcialidadewww.hernandoadvogado.blogspot.com43

1712-1778Contrato Social ROUSSEAUVontade Geral x Vontade de todosUm classe venceNo h mais vontade geralH interesse de um grupo que sobrepe o outrowww.hernandoadvogado.blogspot.com44

1712-1778Contrato Social ROUSSEAUSoberania= poder absolutoO Estado constitui-se de uma pessoa moral.Dever: conservaoNecessidade: fora universal e compulsriawww.hernandoadvogado.blogspot.com45

1712-1778Contrato Social ROUSSEAUDIREITO A VIDA E MORTEO tratado social tem por objetivo a conservao dos contratantes. www.hernandoadvogado.blogspot.com46

1712-1778Contrato Social ROUSSEAUDIREITO A VIDA E MORTEQuem