ARES DA MINHA SERRA

  • View
    226

  • Download
    1

Embed Size (px)

Transcript

  • Um aviso do Cu

    Ao Sr. Prof. Dr. lvaro de Matos

    Tinha eu oito anos apenas quando abandonei pela primeira vez o meu pacato burgo de Moncorvo, demandando as veigas do Minho.O barco de carreira entre a foz do Sabor e a do Tua - ponto terminal, nesse tempo, da linha frrea do Douro - partia do Rego da Barca, pelas duas horas da madrugada, s teras e sextas-feiras. E foi precisamente numa sexta-feira de Setembro que eu, cavalgando ao lado de meu pai, desci pela estrada da Vilaria, em direitura ao cais de embarque. Mer-gulhava o sol atrs da serra da Lousa quando me apeei no pequeno largo da povoao, onde os meus olhos infantis puderam contemplar, curiosamente, os viajantes que iam chegando: uns a p, - os de mais cerca; outros, os que provinham l de cima, do norte do concelho, das terras de Mogadouro e de Miranda, bifurcados em machos ou jericos, a mala de viagem garupa e os alforjes repletos de sacas de chita, uma das quais, a mais obesa e melhor acautelada, era o farnel.Pouco a pouco, foi-se enchendo a nica hospedaria do lugarejo, instalada numa casa de andar, para cuja grande sala, simultneamente de reunio e de comer, dava ingresso grosseira escada exterior desembocando num balco alpendrado. Vinha a

    noite, fomos todos para a mesa, onde fumegava a sopa. Vazios os pratos, entraram em aco as saco-las da merenda. A casa era mais albergue que restaurante, cozinhando apenas duas bebidas: a sopa e o ch. De resto, quem viesse comeria do que trouxesse. O certo que ningum ficou com fome, e a refeio resultou variadssima porque, alm de serem os farnis abundantemente providos, logo se estabeleceu entre os comensais to sem-cerimoniosa familiaridade, que no houve resistir-se insistncia obsequiosa de aquela boa gente transmontana, para que nos servssemos das suas iguarias.A hora em que, no silncio da noite, ecoou a buzina do arrais anunciando a partida, j todos ramos como amigos velhos. Ps-se ponto pequena festa que sucedera ceia, - um bailarico improvisado em que, ao compasso de duas guitarras e outros tantos violes, os rapazes se haviam deliciado polcando com ardor, enquanto os velhos jogavam a manilha e as matronas e as crianas dormitavam. Largou carreiro abaixo o grupo dos forasteiros, de essa vez bastante numeroso, em linha como as formigas, malas na mo, sacas ao ombro, atrs do moo da estalagem que marchava na testa erguendo um lampio. Ao fundo do areal, a sombra do comprido rabelo dava a impresso de um animal antedilu-viano encalhado ali. Saltmos para dentro. Cada qual procurou lugar, ao sabor das suas predileces, na grande bancada que circundava a metade poste-rior do barco.. A meio, de frente para a proa, ficaram os melma-

    nos que haviam tido a feliz ideia de trazer os seus instrumentos musicais, para aligeirarem a viagem. Apagaram-se as duas luzes de bordo, que cega-vam os olhos - explicou o arrais - a quem precisava de ver no escuro. Os marinheiros tomaram os seus postos. - Largai bradou uma voz. Cravando a ponta do croque na areia, um rapazote da tripula-o fez finca-p, afastando da margem a pesada barcaa. - Rema p'ra o pego! mandou o patro. Ouviram-se os remos a cair na gua. E nada mais se escutou, depois, seno aquele chape-chape compas-sado e o murmrio sinistro da corrente.Quem apurasse o ouvido, mais alguma coisa escu-taria: o sussurro das rezas. Ao aventurar-se no dorso da torrente bravia e lodosa, onde os pontosabundavam e as arestas dos rochedos afloravam com frequncia, os passageiros, aterrorizados, entregavam-se nas mos de Deus. E era bem uma sensao de terror a que todos ns sentamos, dentro de frgil e j carcomida construo de madeira, tona de aquele rio de mau navegar, imersos em profunda escurido, que uma neblina tnue tornava mais densa.A princpio, durante poucos minutos, avistaram-se ainda algumas luzes, no Rego da Barca, na Foz do Sabor. Mas logo, dada a volta do Monte Meo, se entrou na treva absoluta. As margens, at ento espraiadas, erguiam-se quase a pique, negras, macias, ameaadoras, altas de centenas de metros: duas muralhas de crepe forrando um poo. E era no fundo de esse poo que seguamos navegando, vendo apenas, no cairei altaneiro do abismo, l

    muito em cima, um retalho de cu cor de tinta, picado pelo lucilar de algumas estrelas.Ningum falava. Todos nos conservvamos mudos, dominados por intransitivo sentimento de angstia. Felizmente, ao cabo de uma hora, as montanhas abriram, o rio dilatou-se, e surgiram aqui e ali as manchas alvacentas de alguns areais. Como o hori-zonte era mais largo, e os olhos se iam acos-tumando ao negrume, percebiam-se as silhuetas das casas de quinta alcandoradas pelas encostas, os socalcos do vinhedo, os esquadres das oliveiras descendo, em carga cerrada, os pendores da mon-tanha. Gritos de aves de rapina, acordadas pelo bater dos remos, estridulavam nos recncavos. E uma que outra vez, chegavam at ns latidos de ces e brados alegres dos guardadores das vinhas, saudando os passageiros e desejando-lhes boa viagem.Pouco a pouco, a serenidade ia voltando aos nossos espritos. J cortava o silncio um cicio de conver-sas a meia voz. Algumas risadas soaram. E em breve a palestra se generalizou, at que uma voz pediu: - o senhores das guitarras! Quer-se um bocado de msica'Elevou-se o rudo plangente das cordas de arame, logo secundado pelo dlon-dlon dos bordes. Algum denunciou que uma senhora ali presente era exmia cantadeira de fados. Choveram as spli-cas. E uma voz de contralto, trmula ainda da emoo sofrida, subiu para as estrelas, dizendo a sorte triste de quem sofre penas de amor.Foi nesta ocasio que reparei em certo rapazito,

    pouco mais velho do que eu, sentado no lastro do barco, quase sobre os meus ps. Perto dele, um vulto de mulher, acocorado nas tbuas hmidas, gemia. Meu pai, compadecido, interrogou:- Est incomodada, tiazinha?- No, meu, senhor - respondeu ela, soerguendo-se, - Vou a chorar, tambm, a minha triste sorte.E com aquela comunicabilidade to vulgar na gente da provncia, desenrolou toda a sua vida. Viva, com quatro filhos, um deles ainda de peito. Aquele que ia ali era o mais velho. Viviam miservelmente. Tudo quanto ganhavam, trabalhando de sol a sol, - nas ceifas, nas mondas, na apanha da azeitona ou nas vindimas - mal chegava para a cdea do centeio. Aparecera l na terra, uma aldeola do termo da Alfndega da F, certo brasileiro rico que se apiedara da sua pobreza e se tinha prontificado a empregar-lhe o rapaz na Baa. Esse senhor - um santo homem, no desfazendo - tornara para o Brasil havia dois meses, E o cachopo ia ter com ele, por esses mares de Cristo. Mas como a viagem era cara, e o dinheiro. pouco, ele arranjara-lhe passa-gem num veleiro a barca Santa Quitria, que partia do Porto de ali a dois dias.- E por isso que chora?- Pois no hei-de chorar, meu senhor?Ganhasse eu po bastante p'ra os sustentar a todos, que no havia foras humanas que me arrancassem o rapaz dos braos!Nesta altura notmos que o barco atracava a um areal. As guitarras calaram-se. -Que temos ? - perguntou-se. E o arrais explicou: estvamos a

    cem braas do Cacho da Valeira. Seria imprudn-cia tentar de noite esse arriscado passo. Ficaramos ali, portanto, at que o dia rompesse.-Contanto que no percamos o comboio! - disse uma senhora idosa, de mantilha preta.- Antes isso do que irmos todos ao charco!- contraps outro passageiro.E foi fatal vir a lume a histria do clebre sinistro sucedido naquele stio, havia j bastantes anos, mas ainda bem presente na memria de todos, em que perderam a vida seis pessoas, entre as quais um ingls tido e havido por habilssimo nadador. Salvara-se apenas uma senhora, que a saia-balo fizera flutuar.As raparigas, que conheciam a saia-balo apenas dos figurinos antigos, riram-se, achando graa quela bia improvisada. Depois, a animao caiu. Faltava ainda uma boa hora para o nascer do sol. E os passageiros, aconchegados nos seus agasalhos, aproveitaram a trgua passando pelo sono.Fui eu um dos poucos que permaneceram desper-tos. Impressionara-me muito aquela me chorando o filho que partia para a Amrica. E lembrava-me, com saudade intensa, da minha, que, igualmente lavada em lgrimas, se despedira de mim horas antes.- O menino vai tambm p'ra o Brasil? - perguntou o rapazito acocorado a meus ps.- Felizmente no! -, respondi, sem pesar o egosmo cruel da resposta.- Por que que diz: felizmente? - volveu ele, numa inflexo muito meiga.

    - Porque no tenho de passar o mar.O mar! Nunca eu o tinha visto. Mas imaginava-o, como toda a gente das serras, cheio de ondas altero-sas topetando o firmamento.Houve uma pausa. Depois, a voz infantil, mais doce ainda, tornou:- Ento o mar assim bravo?- Muito bravo. E tu no tens medo de tearriscares em cima de ele?- No, senhor. As ondas no me ho-de fazer mal. Minha me apegou-se com o Salvador do Mundo, p'ra que me defenda de elas.- Quem o Salvador do Mundo?- Olhe, meu menino - explicou a me. o santo que est no altar de uma capelinha, alm, no cimo da serra. Se fosse dia, via-se de aqui.Enfim, o firmamento tornou-se menos escuro.Uma ligeira tonalidade plida o vinha tomando, desde as arribas de leste, espraiando-se lentamente, como tecido compacto cuja extremidade se embebesse num lquido e a aco da capilaridade fosse pouco a pouco humedecendo por igual. Nas cristas das serranias a montante entraram de recortar-se, ntidos como repregos de teatro, as rvores e os penhascos. Para o poente, doiravam-se os visos escalvados, enquanto as vertentes se tingiam de violeta. De instante para instante, a luz intensificava-se, fazendo avultar os relevos da paisagem. J l no alto, a cavaleiro da montanha em frente, se distinguia a cascata da Ola, saltando de rocha em rocha, num filete de espuma. Os azinhei-ros das encostas tomavam atitudes hirtas, de galhos

    abertos como braos de ermites rezando. Dos casais dependurados pelas escarpas, ou coroando moutas de verdura, subiam colunas de fumo. Um ou outro rebanho de cabras saa dos currais e descia os atalhos, chocalhando. Vinha de qualquer quebrada distante um toq