Brasil colnia 2

  • View
    110

  • Download
    2

Embed Size (px)

Text of Brasil colnia 2

BRASIL COLNIA 1500 - 1822

BRASIL COLNIA1500 - 1822Professor Marcelo BoiaA Conquista do Brasil - 22 de abril 1500: frota portuguesa de Cabral chega a Porto Seguro na Bahia- 1 contato com os ndios : troca de sorrisos e presentes- A 1 Missa no Brasil rezada no Brasil

A CHEGADA DOS PORTUGUESESAs naes indgenas em 1500 - tupi-guarani, J, aruaque, carba, charrua, pano, tucano e outros- tupinambas: eram canibais- Explorao, violncia, escravido (contra o ndio)

A Explorao do pau-brasil- a mo-de-obra indgena- trabalho por quinquilharias = escambo- venda da tinta na Europa = lucros para Portugal OS PRIMEIROS ANOSA colonizao necessria - ameaa de invases estrangeiras (piratas holandeses, ingleses e franceses ameaavam o litoral)

No ano de 1530, o rei de Portugal organizou a primeira expedio com objetivos de colonizao. Esta foi comandada por Martin Afonso de Souza e tinha como objetivos: povoar o territrio brasileiro, expulsar os invasores e iniciar o cultivo de cana-de-acar no Brasil.

PERODO COLONIAL

Para melhor organizar a colnia, o rei resolveu dividir o Brasil em Capitanias Hereditrias. O territrio foi dividido em faixas de terras que foram doadas aos donatrios. Estes podiam explorar os recursos da terra, porm ficavam encarregados de povoar, proteger e estabelecer o cultivo da cana-de-acar. No geral, o sistema de Capitanias Hereditrias fracassou, em funo da grande distncia da Metrpole, da falta de recursos e dos ataques de indgenas e piratas. As capitanias de So Vicente e Pernambuco foram as nicas que apresentaram resultados satisfatrios.CAPITANIAS HEREDITRIAS

Tambm existiam as Cmaras Municipais que eram rgos polticos compostos pelos "homens-bons". Estes eram os ricos proprietrios que definiam os rumos polticos das vilas e cidades.OS GOVERNOS GERAISAps a tentativa fracassada de estabelecer as Capitanias Hereditrias, a coroa portuguesa estabeleceu no Brasil o Governo-Geral. Era uma forma de centralizar e ter mais controle da colnia. A capital do Brasil neste perodo foi Salvador.

A base da economia colonial era o engenho de acar. O senhor de engenho era um fazendeiro proprietrio da unidade de produo de acar. Alm do acar destacou-se tambm a produo de tabaco e algodo.

O ACAR E OS ENGENHOSO Pacto Colonial imposto por Portugal estabelecia que o Brasil s podia fazer comrcio com a metrpole.As plantaes ocorriam no sistema de plantation, ou seja, eram grandes fazendas produtoras de um nico produto, utilizando mo-de-obra escrava e visando o comrcio exterior.

A sociedade aucareira era patriarcal, pois o senhor de engenho exercia um grande poder familiar, social e poltico. As mulheres tinham poucos poderes e nenhuma participao poltica, deviam apenas cuidar do lar e dos filhos. Era tambm imobilista e estratificada.

A SOCIEDADE AUCAREIRA

A Vida do escravo - Muito trabalho sem remunerao (coisificao)- Castigos fsicos e tratamento desumano - Preconceito - Fugas, revoltas e formao dos quilombos- Quilombo dos Palmares lder Zumbi

ESCRAVIDO

Aps domnio da Espanha em Portugal (Unio Ibrica) a Holanda, em busca de acar, resolveu enviar suas expedies para invadirem o Nordeste do Brasil. Sua primeira expedio ocorreu em 1621, na Bahia, contudo, esta no foi bem sucedida. Em 1630 os holandeses invadiram Pernambuco e ali impuseram seu domnio.A Holanda enviou seu prncipe (Maurcio de Nassau) para governar a colnia holandesa no Brasil. Nassau dominou enorme parte do territrio nordestino e os portos que forneciam escravos, na frica.

OS HOLANDESES NO BRASIL

A Insurreio Pernambucana durou de 1645 a 1654 quando os colonos conseguiram expulsar definitivamente os holandeses do Brasil. Com o tempo, os colonos demonstram descontentamento com a poltica holandesa e estoura um movimento de contestao.As misses jesuticas na Amrica, tambm chamadas de redues, foram os aldeamentos indgenas organizados e administrados pelos padres jesutas. O objetivo principal das misses jesuticas foi o de evangelizar e catequizar os nativos.AS MISSES

BANDEIRISMODe apresamento: captura de ndios De prospeco: busca de metais preciososSertanismo de contrato: captura de escravos fugitivosEx: Borba Gato, Raposo Tavares, Ferno Dias, Domingos Jorge Velho. Mones: bandeirismo de comrcio por vias fluviaisAs bandeiras eram expedies particulares que partiam de So Paulo durante os sculos XVI, XVII e XVIII. Geralmente ultrapassavam a linha do Meridiano de Tordesilhas o que contribuiu para aumentar consideravelmente o territrio brasileiro. Utilizavam os rios Tiet, Paran, So Francisco e os afluentes meridionais do Amazonas.

O Tratado de Tordesilhas, na realidade, nunca foi respeitado. A situao se agravou com a Unio Ibrica.

A cobia dos portugueses pela rea do Prata comprovada pela fundao da Colnia do Sacramento em 1680, defronte a Buenos Aires, centro da disputa entre espanhis e portugueses.

O contrabando, facilitado pela presena da Colnia do Sacramento provocou intensos choques entre portugueses e espanhis, levando-os a assinarem diversos tratados a respeito da regio.EXPANSO E FRONTEIRAS

TRATADOS E FRONTEIRASPrimeiro Tratado de Utrecht (1713) Firmado entre Portugal e a Frana para estabelecer os limites entre os dois paises na costa norte do Brasil. Defendia a posio brasileira na questo do Amap.

Segundo Tratado de Utrecht (1715) Firmado entre Portugal e a Espanha, garantindo a posse da Colnia de Sacramento para Portugal.

TRATADOS E FRONTEIRAS

Tratado de Madri (1750) Estabeleceu os limites respeitando o princpio do uti posseditis e abandonando inteiramente a "linha de Tordesilhas". A Colnia de Sacramento passaria para o domnio da Espanha e o Brasil teria a posse da regio de Sete Povos das Misses.Os padres jesutas espanhis, juntamente com os comerciantes da regio no se conformaram com as decises do Tratado de passar a regio dos Sete Povos das Misses para o domnio portugus: instigaram os ndios a uma luta, ocasionando a "Guerra Guarantica.TRATADOS E FRONTEIRAS

Tratado de Santo Ildefonso (1777) Seguiu em linhas gerais os limites estabelecidos pelo Tratado de Madri, embora com prejuizo para Portugal no extremo sul do Brasil.

A descoberta de ouro nos sculos XVII e XVIII vai provocar uma profunda mudana na estrutura do Brasil colonial.MINERAO

Para administrar a regio mineradora foi criada, em 1702, a Intendncia das Minas, rgo responsvel pela fiscalizao e explorao das minas. Realizava a distribuio de datas-lotes a serem explorados, e pela cobrana do quinto ( 20% do ouro encontrado).

Em1720, foram criadas as Casas de Fundio- transformavam o ouro bruto ( p ou pepita ) em barras j quintadas.

Quando ocorre o esgtamento da explorao aurfera, o governo portugus fixa uma nova forma de arrecadar o quinto: 100 arrobas anuais de ouro por municpio.CONSEQUNCIAS DA MINERAOA minerao mudou o eixo econmico da vida colonial -do litoral nordestino para a regio Centro-Sul; incentivou o comrcio interno, garantindo a interligao da regio das minas com outras regies do Brasil.

Houve tambm um grande aumento populacional na regio das minas. A sociedade passa a ter um carter urbano e multiplica-se o nmero de comerciantes, intelectuais, pequenos proprietrios, funcionrios pblicos, artesos. A sociedade mineradora passa a apresentar uma certa flexibilidade e mobilidade.

Barroco Na arte barroca predominam as emoes e no o racionalismo da arte renascentista.

uma poca de conflitos espirituais e religiosos. O estilo barroco traduz a tentativa angustiante de conciliar foras antagnicas: bem e mal; Deus e Diabo; cu e terra; pureza e pecado; alegria e tristeza; paganismo e cristianismo; esprito e matria.

Caractersticas so:* emocional sobre o racional; * efeitos decorativos e visuais* entrelaamento entre a arquitetura e escultura;* violentos contrastes de luz e sombra;* pintura com efeitos ilusionistasO GADO E O TROPEIRISMO

Nos sculos XVII e XVIII, os tropeiros eram partes da vida da zona rural e cidades pequenas dentro do sul do Brasil.Os tropeiros conduziam o gado e levaram mercadorias para serem comercializadas na feira de Sorocaba. De So Paulo seguiam para os estados de Minas Gerais, Gois e Mato Grosso.

Em direo s minas, o transporte feito no lombo de animais foi fundamental devido aos acidentes geogrficos da regio, que dificultavam o transporte. O tropeiro passou a ser o principal abastecedor do mercado das Minas Gerais.

Contestavam aspectos especficos do Pacto Colonial, no propriamente falando em independncia, possuindo carter regionalista. Rebelies Nativistas

Aclamao de Amador Bueno (1641)

Com o fim da Unio Ibrica, o governo portugus proibiu a escravizao indgena. Inconformados com essa exigncia da metrpole, um grupo de bandeirantes paulistas resolveu armar um levante. Buscando a vitria, os bandeirantes se dirigiram ao rico fazendeiro Amador Bueno, que tambm era a favor da escravizao indgena. Os bandeirantes paulistas convocaram Amador Bueno para que liderasse a revolta, aceitando o cargo de governador da provncia de So Paulo.

Amador Bueno no aceitou a proposta e jurou fidelidade ao governo portugus, temendo represlias. Assim, a revolta bandeirante perdeu sua sustentaoLatifundirios do Maranho revoltaram-se porque faltavam escravos e os jesutas condenavam a escravido indgena.O governo portugus criou a Companhia de Comrcio do Maranho para controlar o comrcio na regio.Com a interveno da Coroa Portuguesa, foi nomeado um novo governador para a regio que puniu os revoltosos com a condenao priso ou ao exlio. Manuel Beckman e Jorge Sampaio foram condenados morte. Revolta de Beckman (Maranho - 1648)

Chefiados por Manuel e Tomas Beckman, os colonos se rebelaram, expulsando os jesutas do Maranho, abolindo o monoplio da Companhia e constituindo um novo governo, que durou quase um ano

Guerra dos Emboabas