Contamina§£o Biol³gica

  • View
    31

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of Contamina§£o Biol³gica

Apresentao do PowerPoint

Contaminao BiolgicaMdulo 17

Formandos:Maria Dias n20Prof. Ana Carla Oliveira

IntroduoEste trabalho realizado no mbito da disciplina de Segurana Higiene no Trabalho (SHT) e tem como principal objetivo abordar os contaminantes biolgicos.

Os agentes biolgicos esto presentes em todo o meio que nos rodeia e convivem com todos os seres vivos. O local de trabalho no exceo, os microrganismos patognicos conseguem infetar os tecidos de uma pessoa saudvel provocando infees, alergias ou intoxicaes.

Conceitos Agentes biolgicos; Microrganismos; Bactrias; Microfungos; Protozorios; Clula; Vrus.

Tipos de contaminantes biolgicosExistem vrias formas de estes agentes se apresentar, existindo diferentes tipos de agentes biolgicos com caractersticas bem definidas. Assim podemos considerar os seguintes grupos: Microorganismos;Bactrias;Microfungos;Protozorios.

MicrorganismosOs microorganismos so definidos como as entidades microbiolgicas celulares ou no celulares, dotadas de capacidade de se reproduzir ou de transferir o seu material gentico. Caracterizam-se por serem constitudos por uma s clula ou por um conjunto de clulas similares.

VrusOs vrus so seres muito simples e pequenos (medem menos de 0,2 m), formados basicamente por uma cpsula proteica envolvendo o material gentico, que, dependendo do tipo de vrus, pode ser o DNA, RNA ou os dois juntos (citomegalovrus).

BactriasAs bactrias so organismos de uma s clula rodeada por uma parede externa semirrgida que lhe vai permitir conservar a forma. Esta parede envolve uma membrana citoplasmtica muito fina, que por sua vez conte todo o citoplasma bacteriano contedo.

Morfologicamente as bactrias podem apresentar-se como esferas (cocos cocci), como bastonetes (bacilos), em espiral, tipo saca-rolhas ou vrgula (espiroletas e vibrio) e com filamentos (actinomicetes).Os cocos;Os bacilos;As espiroletas;As actionomicetes;

MicrofungosA designao de microfungos destina-se a distinguir estes microorganismos dos fungos de maior dimenso, como os cogumelos. Entre os microfungos distinguem-se dois grupos: os bolores (mofos) e as leveduras.

Organismos geneticamente modificados (OGM)Designam-se por OGM, as bactrias cujos genes foram alterados por adio de genes de outros organismos. Estes organismos, embora colocando problemas de sade pblica, no so relevantes na tica da exposio profissional.

Material biolgicoO material constitudo por minsculos resduos de insetos e outros artrpodos, de restos de outros animais, de protenas animais e de plens pode dispersar-se no ar ambiente, agregar-se entre si ou a outras partculas e por inalao causar reaes alrgicas. Este conjunto de material biolgico muitas vezes designado na exposio profissional por poeiras orgnicas.

Vias de entrada e ao no organismoConsiderando as caractersticas dos agentes biolgicos, so determinantes as seguintes vias de entrada no organismo humano: Via inalatria (aparelho respiratrio); Via digestiva (aparelho digestivo: alimentos e hbito de fumar); Via cutnea (pele); Via percutnea (penetrao no revestimento cutneo, atingindo ou- Trs tecidos); Contacto com as mucosas, nomeadamente oculares.

No sentido de reagir aos agentes biolgicos, o corpo humano tem um conjunto de mecanismos de defesa contra os efeitos da exposio aos agentes biolgicos, que inclui: Pele intacta; Epitlio ciliar das vias areas respiratrias;Acidez antibacteriana da atividade do estmago; Enzimas da saliva e das lgrimas.

Ao no organismoOs agentes biolgicos so capazes de causar alteraes na sade (doena) designam-se por patognicos, distinguindo-se dois subgrupo: Parasitas e patognicos oportunistas;Patognicos oportunistas.

Parasitas e patognicos oportunistas caracterizam-se por agentes biolgicos que no tendo capacidade para se originar;Patognicos oportunistas so agentes biolgicos que vivem e reproduzem-se no ambiente exterior.

Nocividade dos agentes biolgicosAlguns microrganismos, tm a capacidade de produzir toxinas, que podem ser designadas por exotoxinas (no caso de serem libertadas durante o perodo de vida do microrganismo) ou por endotoxinas (no caso de a sua libertao se efetuar apenas aps a morte e desintegrao do microrganismo).No caso dos microfungos aquelas toxinas tambm se podem designar por microtoxinas.

Exposio profissional aos agentes biolgicosNa exposio profissional aos agentes biolgicos resultam de processos de infeo, de alergia, e com menor frequncia de infestao, dos quais decorre uma situao de alterao da sade.

InfeoA infeo um processo em que se verifica a invaso das clulas do corpo e a produo de toxinas. Os requisitos para a ocorrncia da doena so: O microrganismo ser patognico; Uma quantidade de microrganismos que penetra no organismo ser superior capacidade de resistncia desse mesmo organismo; Existir uma via de entrada especfica do agente no organismo.

Infees microbianas com relevo na sade ocupacionalDoenaAgente biolgicoHepatiteVirus da bepatite CTuberculoseMycobacterium tuberculosis, M. bovisDoena do LegionrioLegionella pneumophilaBruceloseBrucella abortusTtanoClostridium tetaniAnthraxBacillus anthracis

AlergiasA alergia um estado agravado e prejudicial da sensibilidade, em que as defesas do corpo reagem com protenas no-humanas causando mau estar, desconforto e mesmo doena. Estas protenas no humanas podem ter origem em: Esporos de bactrias e/ou fungos; Toxinas produzidas por bactrias e fungos, particularmente endotoxinas, Material biolgico (caros, polns, penas, poeiras de origem vegetal -algodo, cereais, madeira, cortia)

Local de desenvolvimento da alergia em relao com a dimenso do agenteDimensoLocalSintomas>10NarizRinite4-10BrnquiosAsma2-4AlvolosAlveolite

InfestaoO termo infestao utilizado quando se pretende descrever uma situao causada por certos endoparasitas, para a qual no aplicvel termo infeo, devido a diferenas no processo de evoluo do quadro clnico.

Infestao endoparasitrias com algum relevo na sade ocupacionalDoenaAgente biolgicoHidatidoiseEchinococcus granulosusTenase/cistercoseTaenia saginata(vaca)Taenia solium (poroo)

Fatores de risco biolgico no meio laboralAs fontes e reservatrios de agentes biolgicos so muito diversificados. De seguida, enunciam-se os principais quadros de risco biolgico no meio laboral:Meios biolgicos e o prprio ser humano;Animais;Produtos vegetais;Ar condicionado (ar interior) e condies dos edifcios;Processos industriais que utilizam microorganismos;leos de corte;Esgotos e resduos urbanos e hospitalares.

Atividades profissionaisA exposio a agentes biolgicos nos locais de trabalho, com consequentes riscos para a sade, est, assim, presente em vrias atividades produtivas, com destaque para as seguintes: Servios hospitalares; Laboratrios de investigao e desenvolvimento, de clnica e diagnstico e de controlo da produo;

Atividades profissionaisMatadouros;Criao e tratamento de animais;Recolha e tratamento de resduos slidos e efluentes lquidos;Trabalhos do sector primrio agricultura e pecuria; Determinadas actividades da indstria transformadora (metalomecnica).

Doenas infeciosas e parasitriasA tuberculose usualmente uma infeo assintomtica, por vezes uma doena crnica com aumentos e remisses, depende da localizao, sendo esta geralmente pulmonar podendo ser cutnea, subcutnea, pleural, renal ou ganglionar.

Doenas infeciosas e parasitriasA febre Paratifide similar febre tifoide, geralmente com poucas alteraes do trnsito intestinal, seguido de exantema no tronco, hepatoesplenomegilia moderada, bradicardia e leucopenia relativa (no concordante com a altura da febre), embora de incio mais repentino e de menor gravidade. Por vezes semelhante a gastroenterite.

Medidas de preveno e proteoCaso o empregador no consiga evitar o uso de agentes biolgicos perigosos, deve reduzir os riscos ao mnimo, podendo tomar as seguintes medidas: Limitar o nmero de trabalhadores expostos; Modificar os processos de trabalho e as medidas tcnicas de controlo para evitar a disseminao dos agentes biolgicos no local de trabalho;

Aplicar medidas de proteo coletiva e individual; Aplicar medidas de higiene compatveis com os objetivos da preveno e reduo da transferncia ou disseminao acidental de um agente biolgico para fora do local de trabalho; Utilizar o sinal indicativo de perigo biolgico, e de outra sinalizao apropriada, de acordo com a sinalizao de segurana em vigor;

Elaborar planos de ao em casos de acidentes que envolvam agentes biolgicos; Verificar a presena de agentes biolgicos utilizados no trabalho fora do confinamento fsico primrio; Utilizar meios de recolha, armazenagem e evacuao dos resduos, aps tratamento adequado, incluindo o uso de recipientes seguros e identificveis sempre que necessrio; Utilizar processos de trabalho que permitam manipular e transportar, sem riscos, os agentes biolgicos.

Ao sobre os focos de contaminaoTem por objetivo evitar a presena de microrganismos ou evitar que passem para o meio ambiente: Seleo de equipas de trabalho adequadas;Substituio de microrganismos, sempre que possvel;Modificao dos processos produtivos;Encerramento dos processos.

Ao sobre o meio ambientePretende evitar a difuso e o aumento dos organismos no ambiente:Limpeza e desinfeo.Ventilao;Controlo de ratos, insetos.

Ao sobre o trabalhadorAs aes sobre as pessoas expostas complementam as outras medidas preventivas e, em alguns casos, so imprescindveis: Informao sobre os riscos - atravs de informaes escritas/cartazes. Quer o empregador, quer o trabalhador devem informar se houver algum acidente com um agente biolgico. Formao- deve ser adaptada evoluo dos riscos existentes e ao aparecimento de novos riscos, periodicamente atualizada e incluir todos os dados disponveis ;

Ao sobre o trabalhador Diminuio das pessoas expostas; Vesturio de trabal