Deriva continental teorias

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Teorias

Text of Deriva continental teorias

  • 1. 1GE 801 - S. Figueira, H. Assis Jr.& J. de F. OliveiraA idia de continentes que se separaram apsestarem unidos antiga e surgiu algum tempodepois que os cartgrafos europeus comearam amostrar o contorno das costas do novo mundo.Em 1596, o cartgrafoalemo Abraham Ortelius,de tanto fazer mapas, notoua similaridade no contornodas Amricas, Europa efrica e concluiu, no seutrabalho ThesaurusGeographicus, que estescontinentes estavam juntose depois se desmembraramdevido a presses causadaspor terremotos einundaes.1 GE 801 - S. Figueira, H. Assis Jr.& J. de F. Oliveira2GE 801 - S. Figueira, H. Assis Jr.& J. de F. Oliveira Em 1658, Franois Placet escreveu o artigoLa corruption du grand ete petit monde, ou ileste montr que devant le dluge, l'Ameriquen'tait point separe des autre parties dumonde. Nele, sugere que o Novo Mundo seseparou do Velho Mundo ocasionando ainundao do Oceano Atlntico. Alexander von Humboldt, em 1800, retorna idia e afirma que o Atlntico ,essencialmente, um imenso vale de rio quefoi se separando aos poucos por um grandevolume de gua.3 GE 801 - S. Figueira, H. Assis Jr.& J. de F. Oliveira4

2. 2 Snider-Pelligrini, em 1858, editou olivro "La cration et ses mystresdvoils, no qual deu sua verso dosfatos: os continentes teriam surgido num sGE 801 - S. Figueira, H. Assis Jr.& J. de F. Oliveira5bloco a partir de rochas em fuso; um dilvio teria resfriado o bloco ecausado uma gigantesca fissura eseparado em dois continentes.1858 Snider-PelligriniGE 801 - S. Figueira, H. Assis Jr.& J. de F. Oliveira6Antes e depois do DilvioGE 801 - S. Figueira, H. Assis Jr.& J. de F. Oliveira71879 - George Darwin Em 1879, o astrnomo George Darwin,segundo filho de Ch. Darwin, descreveuuma Terra antiga cuja formao havia serenovado: Uma grande poro da Terra ter-se-ia sedestacado para formar a Lua, originando oOceano Pacfico; Este fato tambm teria causado uma ciso nobloco continental original, resultando nosdiversos continentes.GE 801 - S. Figueira, H. Assis Jr.& J. de F. Oliveira8 Em 1908, Frank B. Taylor explicou asemelhana entre os contornos da Amricado Sul e da frica pelo movimento doscontinentes no passado, que teria originadoo oceano Atlntico. Entre 1908 e 1922, Frank B. Taylor e outronorte-americano, Howard B. Baker,independente e quase simultaneamente,publicaram diversos artigos sobre a derivados continentes tendo como base acontinuidade das cadeias de montanhasmodernas nos diversos continentes. 3. 3 Baker, em 1908, acreditava que h200 milhes de anos havia uma smassa de terra situada na regio daAntrtica. Em 1910, Taylor defendeu que, apso rompimento deste supercontinente,os fragmentos continentaisresultantes se movimentaram emdireo regio do Equador.GE 801 - S. Figueira, H. Assis Jr.& J. de F. Oliveira9Alfred Lothar Wegener (1880-1930) Em 1912 fez a previso de que a crostaterrestre era formada por balsas errantesde rochas flutuando sobre o oceano demagma, o manto do planeta. Inicialmente,Pangea (nico bloco). Em 1911, Wegener tomou conhecimentode concluses paleontolgicas importantespara o estabelecimento de sua teoria:GE 801 - S. Figueira, H. Assis Jr.& J. de F. Oliveira10GE 801 - S. Figueira, H. Assis Jr.& J. de F. Oliveira11 GE 801 - S. Figueira, H. Assis Jr.& J. de F. Oliveira12 No Carbonfero um tipo de vegetaodenominado Glossopteris cobrira todo oGondwana (termo cunhado por EdwardSuess para um bloco continental que seriaformado por frica, Madagascar e ndia). No Permiano, o rptil Mesossaurus vivia nafrica e na Amrica do Sul e no na Eursiae na Amrica do Norte. Na ltima edio de sua obra, Wegener citacaramujos encontrados na Europa Ocidentale parte Oriental da Amrica do Norte,passando pela Islndia e Groenlndia. 4. 4 Wegener tambm tratou dascontinuidades entre cadeiasmontanhosas sul-africanas do Cabo esua continuidade pela regio deBuenos Aires. E do planalto gnissico da frica queest de frente para o Brasil.GE 801 - S. Figueira, H. Assis Jr.& J. de F. Oliveira13 Wegener tinha 32 anos e era prof. deMeteorologia na Universidade deMarburgo quando apresentou suacomunicao, que seria publicadasomente em 1915 com o ttulo Agnese dos continentes e dosoceanos.GE 801 - S. Figueira, H. Assis Jr.& J. de F. Oliveira14 Vale lembrar que no incio do sculoXX, outros autores defendiam a idiadas Pontes Continentais para explicaras continuidades existentes entre aflora e fauna dos diferentescontinentes.GE 801 - S. Figueira, H. Assis Jr.& J. de F. Oliveira15GE 801 - S. Figueira, H. Assis Jr.& J. de F. Oliveira16 A Teoria de Wegener (1880-1930) foimuito criticada, mais nos EUA que naprpria Europa. Foi classificada como antiquada, srioerro, irresponsvel e perigosa. Wegener era Astrnomo que atuoucomo meteorologista durante a I Guerraenquanto se restabelecia de ferimentossofridos por duas vezes. 5. 5 Como coletou dados em diferentes reas, nasquais no era considerado habilitado, foiconsiderado, por muitos, um impostor.GE 801 - S. Figueira, H. Assis Jr.& J. de F. Oliveira17 Nessa poca, prevalecia a idia de que osrelevos da Terra teriam surgido durante seuesfriamento, como aqueles da superfcie deum ma que estivesse murchando. Faltava comprovar na sua teoria o mecanismopropulsor das enormes massas continentais.GE 801 - S. Figueira, H. Assis Jr.& J. de F. Oliveira18Opositores Harold Jeffreys, por volta de 1924, elaborouuma complexa teoria quantitativa doresfriamento e contrao lateral que, segundoalegou, geraria fora suficiente para deslocarcontinentes e produzir montanhas. Richard T. Chamberlin, outro gelogo norte-americano,em 1928, escreveu: se formosacreditar na hiptese de Wegener, teremos deesquecer tudo o que se aprendeu nos ltimos70 anos e comear de novo a partir do zero.GE 801 - S. Figueira, H. Assis Jr.& J. de F. Oliveira19 Em 1928, um professor daUniversidade de Edimburgo, ArthurHolmes, autor de trabalhos sobredatao geolgica, postulou aexistncia de correntes de convecotermicamente impulsionadas nointerior da Terra.GE 801 - S. Figueira, H. Assis Jr.& J. de F. Oliveira20Recepo da Teoria de WegenerA recepo da teoria da deriva foi diferenciada conformeos diversos pases:Alemanha: favorvel e desfavorvelFrana: desfavorvel;Suia: favorvel;Blgica: desfavorvel;Itlia: desfavorvel;Espanha: favorvel;Holanda: favorvel;Escandinvia: receptivos;Estados Unidos: desfavorvel.E no Brasil? 6. 6GE 801 - S. Figueira, H. Assis Jr.& J. de F. Oliveira21Alberto Betim Paes LemeRio de Janeiro (1883 1938)Fez curso secundrio em Paris e ingressou,em 1903, na cole des Mines, instituioem que se diplomou em 1906.Trabalhou no Servio Geolgico eMineralgico do Brasil (SGMB) e ocupou acadeira de Mineralogia do Museu Nacional,em 1911.Em 1926, foi nomeado catedrtico deBotnica e Zoologia Industriais eEstudos das Matrias Primas na EscolaPolitcnica-RJ.Foi membro da Socit Gologique de France,da Academia Brasileira de CinciasCavaleiro da Lgion d Honneur eprofessor honorrio da Universidade deParis (Sorbonne).Argumentos Os dois perfisGE 801 - S. Figueira, H. Assis Jr.& J. de F. Oliveira22Betim adotou processo gnomnico deprojeo, onde focou pontos na Amricado Sul e na frica (Cabo Frio-RJ eKimbamba Angola espectivamente).Com este modo obteve concordnciaperfeita entre os continentes.Experimentos da movimentao doscontinentes em parafina.Em seu experimento com parafina simulouo movimento dos continentes e concluiuque a deformao poderia ter gerado asdobras localizadas na regio de montanhasrejuvenescidas da Serra do Mar.Experimentos de fotografia em globo terrestre -metodologia gnomnica de projeo.Argumentos Correspondncia entre asAps um estudo detalhado da geologiados dois continentes, Betim realiza umaespcie de passo-a-passo, de modo afazer comparaes do litoral brasileiro edo africano tentando estabelecercorrelaes estratigrficas e litolgicas,especialmente das dobras huronianas.Estas apresentam resultados bastantecontrrios a teoria. As formaesgeolgicas s se correspondem de modoimperfeito. Em seu esquema afirma terhavido relaes, porm no contato diretodos dois continentes (...) a comparaohonesta feita trao por trao no me ddecididamente a f que transporta23continentes. (p.48)formaesAo examinar este tema ele discorre sobrea existncia de rochas eruptivas esparsaspor quase toda a parte tanto no Brasilquanto na frica que poderiam seridentificadas por consanginidade. Noentanto, sem possuir um estudodetalhado destes dados, no foi possvelestabelecer um estudo comparativo maisconclusivo. Naquele momento a teoriados geossinclneos (Dana, 1873) era amais aceita pela comunidade cientfica, e com base nela que ele argumenta oaparecimento dessa litologia em ambosos continentes.GE 801 - S. Figueira, H. Assis Jr.& J. de F. Oliveira24Argumentos Magmas Eruptivos 7. 7Argumentos Biologia & ClimaGE 801 - S. Figueira, H. Assis Jr.& J. de F. Oliveira25Para explicar a correlao de fauna e flora com as atuais, Amrica do Sul, frica,ndia e Austrlia, aceita a existncia de um antigo continente o Gondwana oqual, para ele, teria parcialmente afundado no Sima em funo do desequilbrioisosttico causado pelas formidveis impregnaes de basalto. Atravs decomparaes entre espcies de rpteis, anfbios e animais nadadores de idadesgeolgicas diferentes, Betim conclui que no h parentesco entres essas faunas noscontinentes africanos e americano, esses animais poderiam ter atravessado ooceano a nado.Por meio de levantamentos dofundo do Atlntico (sondagensfeitas por expedies alemsda corveta Meteor entre 1925e 1927- Fig.5), Betim pensa nahiptese das pontescontinentais, pois lhe pareciammais evidentes, (...) j que nosachamos em presena de umverdadeiro continentemontuoso que teriamergulhado aps um grandederrame basltico provindosde Sima interno. (p.55)GE 801 - S. Figueira, H. Assis Jr.& J. de F. Oliveira26Argumentos Oceano AtlnticoGE 801 - S. Figueira, H. Assis Jr.& J. de F. Oliveira27Vrias dcadas depois ....