Ergonomia Doenças acidente de trabalho ler-dort

  • View
    1.118

  • Download
    3

Embed Size (px)

Text of Ergonomia Doenças acidente de trabalho ler-dort

  • 2008

    UNIFICADOS

    C o le

    o Doenas e

    Acidentes de Trabalho

    Sindicato Qumicos UnificadosCampinas - Osasco - Vinhedo

    TEMA 1

  • LER/DORT

    COLEOCOLEO

    LER/DORT

    ndice

    Introduo..................................... 05 Como adoecem os trabalhadores.......... 06 O que so doenas do trabalho............. 06 O que acidente do trabalho................ 06

    O que L.E.R. ou D.O.R.T. ............ 07 Estgios da LER .............................. 08 Diagnstico.......................................... 09 Tratamento.......................................... 09 Quais os fatores de risco?..................... 10

    Como podemos previnir as doenas do trabalho................. 12

    Direito dos trabalhadores.............. 14 CAT- Comunicao de Acidente de Trabalho.......................... 14 Auxlio-doena (seguro)......................... 16 Reabilitao.......................................... 16 Auxlio-acidente.................................... 16 Aposentadoria por invalidez acidentria.. 16 Estabilidade no emprego........................16

    LER/DORT e direitos humanos...... 17 Concluso: o que fazer?.................... 19

    2

  • 2008

    UNIFICADOS

    Apresentao

    O Sindicato dos Qumicos Uni-ficados de Campinas, Osasco e Vinhedo apresenta sua Coleo sobre Doenas e Acidentes de Trabalho. Este material tem o ob-jetivo de ser um instrumento de informao para trabalhadores e trabalhadoras sobre o adoeci-mento no e pelo trabalho.

    Este primeiro tema trata de questes relativas LER/DORT, hoje verdadeira epidemia em nossa categoria.

    Os demais nmeros aborda-ro.............., .................., .........

    Voc vende sua fora de traba-lho e no sua sade ou sua vida para a empresa. Defenda-se. Procure o sindicato e denuncie situaes irregulares ou de risco para a sade em seu local de trabalho.

    A diretoria

    UNIFICADOS 3

    2008

  • LER/DORT

    COLEO4

    AS LESES POR ESFOROS REPETITIVOS/ DISTRBIOS OSTEO-ARTICULARES RELACIONADOS AO TRABALHO

  • 2008

    UNIFICADOS

    INTRODUOAs Leses por Esforo Repetitivo

    (LER) ou Distrbios Osteomus-culares Relacionados ao Trabalho (DORT), como so denominados pelo Ministrio da Previdncia e Assistn-cia Social (MPAS) e pelo Ministrio da Sade (MS), constituem-se num dos mais srios problemas de sade enfrentados pelos trabalhadores e sindicatos nos ltimos anos no Brasil e no mundo.

    Cerca de 80% a 90% dos casos de doenas relacionadas ao trabalho conhecidos nos 10 ltimos anos no pas so representados pela LER/DORT, o que evidencia a gravidade e abrangncia do problema. Esse sem dvida um dos reflexos mais diretos das mudanas ocorridas nas condies e ambientes de trabalho, com a introduo de processos au-tomatizados, aumento do ritmo de trabalho, novas formas de gesto com nfase na produtividade e lucro, desencadeando maior presso para a execuo das tarefas. Isso sem mencionar a reduo dos postos de trabalho, o que vem provocando cada vez mais competio entre os prprios trabalhadores.

    5

    No dia a dia do sindicato, temos ouvido que as empresas enxergam estes trabalhadores adoecidos como perigosos disseminadores de insatisfaes, queixas, dores e incapacidades.

    Os adoecidos geralmente tentam se esconder achando que os sinto-mas passaro. Adiam ao mximo a procura por auxlio e quando chegam concluso de que no conseguem continuar trabalhando, procuram assistncia mdica e suas vidas se tornam uma eterna busca de provas de seu adoecimento.

    Muitos pesquisadores demonstram que os dados oficiais s declaram um nmero muito menor do que o real.

    O Estado tem negligenciado ao no fiscalizar os ambientes de trabalho adequadamente no que toca ao gran-de nmero de riscos nos ambientes de trabalho de forma geral. Ele no exige o cumprimento da legislao, descumprindo ento o seu papel social de protetor da sade e de um meio ambiente saudvel.

    Por este motivo, necessitamos de solues reais que resgatem a dignidade e a sade do ser humano, visto atualmente somente no aspec-to produtivo.

  • LER/DORT

    COLEO

    Esta publicao visa orientar os trabalhadores a identificar os pri-meiros sinais e sintomas da doena, a reivindicar seus direitos e garantir que eles sejam respeitados.

    Cabe aos trabalhadores organizar-se e lutar para mudar este quadro, pois somente dessa forma ser pos-svel mudar as situaes de trabalho causadoras das LER/DORT.

    Como adoecem os trabalhadores?

    O processo de adoecimento dos trabalhadores tem relao com o modo de trabalhar, principalmente em funo das exigncias do mer-cado. De olho nos lucros, o capital prioriza a diminuio dos custos de produo, reduo do emprego e o aumento da produtividade, aumen-tando muito a presso por produo sobre os trabalhadores. Para isso, introduz novas formas de gesto, de organizao do trabalho, tecnologia e equipamentos, desprezando as consequncias da sade de quem trabalha. Na prtica, isso tem signi-ficado a limitao da autonomia dos trabalhadores sobre os movimentos

    6

    do prprio corpo, reduo de sua criatividade e liberdade de expresso com a execuo de atividades repe-titivas por tempo prolongado.

    As LER/DORT e as doenas mentais, entre outras, so a conse-quncia mais evidente de todo esse processo nos dias atuais.

    O que so doenas do trabalho?

    So doenas geradas pelo exer-ccio de algumas atividades ou pro-fisso e tem relao direta com as condies de trabalho.

    O que acidente de trabalho?

    o infortnio relacionado a sade

    e a vida que ocorre pela realizao do trabalho, podendo provocar leso corporal ou distrbio psicolgico, morte, perda, reduo temporria ou permanente da capacidade para o trabalho.

  • 2008

    UNIFICADOS

    LER- Leses por Esforo Repetitivo/DORT Distrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho

    7

    O qUE LER OU DORT?

    A sigla LER foi criada para identificar um conjunto de doenas que atingem

    msculos, tendes e nervos, geralmen-te em membros superiores (dedos,

  • LER/DORT

    COLEO

    mos, punhos, antebraos, braos e pescoo) e tem relao direta com as condies de trabalho. Pode ocorrer tambm em membros inferiores (per-nas) e coluna vertebral.

    So inflamaes e leses provoca-das por atividades do trabalho, que exigem do trabalhador realizar suas tarefas em condies que no so ergonmicas (por exemplo, trabalhar fazendo fora fsica, posies inc-modas e inadequadas, repetitividade entre outros fatores). A partir da Instruo Normativa 98 do INSS (IN 98), este fenmeno chamado de LER/DORT.

    Assim, as LER/DORT abrangem doenas relacionadas a estrutura msculo esqueltico cuja ocorrn-cia decorrente de sobrecarga no trabalho.

    Abaixo relacionamos algumas do-enas que podem ter relao com o trabalho e podem ser consideradas LER/DORT, conforme avaliao mdica:

    l Tenossinovite : inflamao de tecido que reveste os tendes.

    l Tendinite : inflamao dos ten-des.

    l Epicondilite: inflamao de tendes do cotovelo.

    8

    l Bursite: inflamao das bursas (pequenas bolsas que se situam entre os ossos e tendes das ar-ticulaes do ombro).

    l Miosites: inflamao de grupos musculares em vrias regies do corpo.

    lSndromedoTneldoCar-po:compresso do nervo mediano ao nvel do punho.

    l SndromeCervicobraquial: dor difusa em membros superiores e regio da coluna cervical.

    l SndromedoOmbroDolo-roso: compresso de nervos e vasos na regio do ombro

    l Cisto Sinovial: tumorao esfrica no tecido perto da articu-lao ou tendo.

    l Doena deQuervain: Infla-mao da bainha de tendes do polegar.

    Estgios da LER:

    As LER podem ser controladas se forem diagnosticadas no seu incio e tiverem o tratamento adequado. bom ressaltar que temos casos

  • 2008

    UNIFICADOS

    inclusive de cura se o caso for diag-nosticado e tratado corretamente logo no comeo, alm, claro, de ser afastado das condies de risco que ocasionaram o caso. Entretanto, a grande maioria dos casos que conhecemos j so cr-nicos, sem possibilidade de cura, uma vez que foram diagnosticados tardiamente.

    Diagnstico:

    O diagnstico desta doena, se-gundo as normativas da Previdn-

    9

    cia Social e do Ministrio de Sade clnico. Isto significa dizer que basta um mdico especializado, que conhea sobre a doena, exa-minar as pessoas corretamente, para que se tenha um diagnstico. Os exames subsidirios, como por exemplo, ultra-som, radiografia, eletroneuromiografia ou ressonn-cia magntica podem auxiliar neste processo de diagnstico. Atual-mente, um novo exame conhecido como termografia cutnea tem apresentado grandes perspectivas de tornar o diagnstico mais preci-so, melhorando com isto as possi-bilidades de dar um tratamento de sade mais adequado.

    Tratamento:

    O afastamento do trabalho muitas ve-zes obrigatrio pois significa poupar o trabalhador da expo-sio aos fatores de risco (esforos re-petitivos, presses,

  • LER/DORT

    COLEO

    excessos no ritmo e na jornada de trabalho) e propiciar-lhe maior dispo-nibilidade de tempo para realizao do tratamento .

    Os casos que forem diagnostica-dos e tratados precocemente podem at curar. Mas, infelizmente, a maior parte dos casos s diagnosticado em fases mais avanadas, e na sua imensa maioria j so crnicos e incurveis.

    O tratamento dos pacientes com LER deve ter como objetivo melho-rar sua qualidade de vida, propiciar alvio dos sintomas (sobretudo da dor) e recuperar a capacidade do trabalho .

    Vrios recursos teraputicos po-dem ser utilizados, entre eles medi-camentos, homeopatia, acupuntura, fisioterapia, eletrotermoterapia, massoterapia, tcnicas de terapias corporais, psicoterapia individual e em grupo, biodana, yoga, tcnicas de respirao adequada, etc.

    Os grupos de qualidade de vida tm se mostrado um recurso eficien-te para minorar o quadro dol