of 14 /14
EDUCAÇÃO E RESPONSABILIDADE SOCIAL MAESTRO: Oswaldo Oliveira GRUPO: Nívea Faria Stfefânia Pires Nilmara Regina Fraçon Tânia Regina Acácio de Almeida Souza Capacitação de vendedores ambulantes : rompendo com o analfabetismo funcional. Assunção/Py Janeiro/16

Final trabalho final oswaldo (5)

Embed Size (px)

Text of Final trabalho final oswaldo (5)

EDUCAO E RESPONSABILIDADE SOCIAL

MAESTRO: Oswaldo Oliveira

GRUPO: Nvea Faria Stfefnia Pires Nilmara Regina Fraon Tnia Regina Accio de Almeida Souza

Capacitao de vendedores ambulantes : rompendo com o analfabetismo funcional.

Assuno/PyJaneiro/16

Razo do porqu.

O ato de alfabetizar e letrar, no so fceis seja de crianas ou adultos, pois exige pacincia pelo fato de ser demorado. um processo lento que envolve professor e aluno. A razo do nosso projeto falar sobre o analfabetismo funcional em vendedores ambulantes matriculados na EJA na cidade de Cabo Frio / RJ, se divide em duas vertentes: o analfabetismo absoluto e o analfabetismo funcional. No primeiro caso, a pessoa no teve nenhum ou pouco acesso educao. No segundo caso, a pessoa capaz de identificar letras e nmeros, mas no consegue interpretar textos e realizar operaes matemticas mais complexas. As duas formas de analfabetismo comprometem o desenvolvimento pessoal e social do indivduo. Segundo o Parecer n 11/00 do CNE diz: A Educao de Jovens e Adultos (EJA) representa uma dvida social no reparada para com os que no tiveram acesso ao domnio da escrita e leitura como bens sociais, na escola ou fora dela, e tenham sido a fora de trabalho empregada na constituio de riquezas e na elevao de obras pblicas.Essa funo reparadora da EJA proporciona ao adulto analfabeto a possibilidade de estar em p de igualdade numa sociedade que, muitas vezes, marginaliza e exclui esses indivduos.Deve-se levar em considerao tambm o perfil desses estudantes, distinto daqueles que tm oportunidade de estudar na idade convencional no que diz respeito seleo de contedos, materiais didticos e metodologias de ensino e de avaliao, uma vez que esses alunos, em sua maioria, trabalham durante o dia em perodo integral.A ausncia do domnio da leitura e da escrita, no entanto, no representa ausncia de cultura e outros saberes no acadmicos. Nesse contexto, os projetos pedaggicos para turmas da EJA devem ser pensados de maneira que possam contemplar o multiculturalismo e que sejam capazes de valorizar e reconhecer a complementaridade entre os saberes acadmicos e os informais (ligados ao contexto sociocultural do educando), a experincia de vida j adquirida pelos discentes e as diferenas entre as formas de conhecimento (SANTOS, 2005). O currculo deve abranger temas que possibilitem compreender o contexto em que os alunos vivem, ou seja, que apresentem significado. Essa concepo est de acordo com o documento base do Proeja (BRASIL, 2007), que estabelece o objetivo da educao para adultos integrada formao profissional:O que realmente se pretende a formao humana, no seu sentido lato, com acesso ao universo de saberes e conhecimentos cientficos e tecnolgicos produzidos historicamente pela humanidade, integrada a uma formao profissional que permita compreender o mundo e compreender-se no mundo.Nesse processo, o professor tem papel fundamental; ele deve atuar como mediador do processo de construo do conhecimento, utilizando um mtodo que seja ativo, dialgico, crtico e criticista (FREIRE, 1979, p. 39), possibilitando uma interao maior entre docente e discente e favorecendo o processo de ensino-aprendizagem.Diante do quadro descrito acima, a inteno desse projeto capacitar os vendedores ambulantes da cidade do Cabo Frio/ RJ- Brasil para que tenham um melhor atendimento ao cliente; que consigam entender em ingls e espanhol as palavras bsicas para cumprimentar e o produto que est vendendo; saber dar troco e cuidados com a pele.

Metodologia

Diante da complexidade do problema iremos buscar estratgia capaz de assegurar um entendimento mais aprofundado do fenmeno em questo. Para isso, sero utilizadas vrias tcnicas de investigao: entrevistas, observao-participante, acompanhamento no seu cotidiano de trabalho por uma semana e registro das observaes em dirio de campo a fim de servir de material de apoio para posterior anlise dos dados.

Lngua: sero ministradas aulas de conversao com professores de Espanhol e Ingls duas vezes por semana, utilizando as palavras bsicas para cumprimentar o cliente nas duas lnguas e explicar sobre o produto que est sendo vendido. Matemtica (diferena): sero ministradas aulas de matemtica para ensinar aos vendedores a dar troco.

Atendimento ao pblico: palestra mensal do SEBRAE para orientaes do atendimento, conservao dos alimentos, manejo e higiene dos produtos desde sua compra at o produto final. Cuidados da pele: palestra mensal com uma mdica dermatologista sobre os cuidados que se deve ter quando expostos ao sol.

Resultados esperados

Espera-se qualificar os vendedores ambulantes para melhorar o atendimento aos moradores e aos turistas nas praias Cabo Frio/ RJ Brasil, que realizam trabalho informal nas praias da cidade. O objetivo melhorar a qualidade do servio oferecido nas diversas praias da cidade, proporcionando um melhor atendimento aos clientes; alm disso, a melhora da condio de trabalho do vendedor ambulante proporcionar uma autoestima maior. O nosso empenho em realizar o projeto, de ajudar os vendedores a perceber mais sensivelmente o mundo que o cerca e ampliar seu repertrio para que consigam solucionar questes do cotidiano com mais propriedade.

Calendrio de desenvolvimento

Aula de Espanhol: Teras e quintas, com 1h e 30 min de durao. Aula de Ingls: Segunda e quarta, com 1h e 30 min de durao. Aula de matemtica: Tera feira, com 1 h de durao. Palestras mensais do SEBRAE e Mdico dermatologista.

O projeto ter incio dia 01 de fevereiro de 2016 at 01 de novembro de 2016. Treinamento do SEBRAE

Benefcios adicionais

Alm da capacitao, os ambulantes vo receber cartilhas impressas com dicas sobre higiene, manipulao de alimentos, atendimento ao cliente. Esse aprendizado que acontecer com as palestras e orientaes trar um grande diferencial para a qualidade do trabalho desses profissionais. A ideia fazer com que o ambulante tenha uma atitude mais profissional, a meta principal de esclarecer sobre os benefcios que sero ofertados para a populao, aumentando sua renda.

Logstica

As aulas acontecero em uma Escola do Municpio de Cabo Frio, a partir das 19 h de acordo com as aulas ministradas no dia. Os professores sero cedidos da Rede Municipal e Estadual. Recursos tecnolgicos Aparelho de som Material dourado Dinheiro em espcie de diferentes pases. Caneta,lpis, borracha, papel, lpis de cor e caderno.

Informao adicional

Face necessidade do indivduo desempregado de encontrar um mecanismo de sobrevivncia, muitas vezes, levado a se satisfazer com alternativas ocupacionais mais precrias, sem contrato formal de trabalho, aumentando, por conseguinte, o grau de informalidade econmica e os riscos para a sade (MENEZES, 2003). Na maioria das vezes, as condies de trabalho so totalmente insalubres e inseguras e os servios executados so mais arriscados e perigosos. No trabalho informal, os trabalhadores no se encontram cobertos por medidas de proteo sade, no havendo garantia da compensao financeira em casos de doenas e acidentes. Os vendedores ambulantes apresentam como caracterstica de insero no mercado de trabalho o setor informal da economia (S e IBANHES, 2000). Exercem sua atividade num ambiente caracterizado por ausncia de limites fsicos ou territoriais, grande amplitude e desorganizao - a rua (DIAS, 2002). Por realizarem suas atividades ao ar livre, esses trabalhadores, entre outros aspectos, ficam expostos ao calor, chuva e s variaes de temperatura (VELLOSO et al, 1997).O desenvolvimento de estudos que privilegiem o ponto de vistas dos trabalhadores, resgatando as experincias vivenciadas, bem como as suas prticas e os significados dessas aes, possibilita a compreenso de aspectos importantes a respeito do trabalho e dos riscos sade, pois a partir da fala dos atores sociais envolvidos neste contexto que se torna possvel apreender a subjetividade da relao do trabalhador com o seu trabalho, que age sobre ele instituindo formas de pensar, de sentir, de ser e delimita prticas sociais nele referenciadas (TITTONI, 1994). Isto porque se entende que os trabalhadores so atores sociais que sofrem as determinaes de suas condies objetivas de existncia, mas que tambm interpretam, explicam e agem sobre a realidade construindo uma viso de mundo que reflete as contradies e conflitos presentes nas condies sociais em que esto inseridos (MINAYO, 1992).De acordo com a Classificao Brasileira de Ocupaes (CBO, 2002), vendedor ambulante definido como trabalhadores que vendem mercadorias em vias e logradouros pblicos, planejam atividades de vendas e definem itinerrios. Esses trabalhadores compram, preparam e transportam mercadorias para a venda. Trabalham sem vnculo empregatcio, em horrio diurno ou noturno, em p, por longos perodos, sujeitos exposio de rudos,

condies adversas de temperatura e material txico, que pode resultar em efeitos sobre a sade.

Bibliografia

http://g1.globo.com/rj/regiao-dos-lagos/noticia/2014/10/vendedores ambulantes-recebem-capacitacao-em-cabo-frio-no-rj.htmlhttp://pesquisasepedagogias.weebly.com/projeto-analfabetismo-funcional.htmlww.sodiprom.com.br/uma-lenta-caminhada-para-vencer-o-analfabetismfuncional/http://www.jurisway.org.br/v2/dhall.asp?id_dh=1451repositorio.ufba.br/ri/bitstream/ri/16323/1/DISSERTAO%20ALANE%20COSTA.%202007.pdf://repositorio.ufba.br/ri/bitstream/ri/16323/1/DISSERTAO%20ALANE%20COSTA.%202007.pdf