Lubrificantes pt1

  • View
    7.814

  • Download
    5

Embed Size (px)

Text of Lubrificantes pt1

  • 1. LubrificantesParte 1Componentes:Thiago PereiraVictor HiromatsuProfessor:Costa Filho

2. Tpicos descritos Lubrificantes - Conceito Lubrificantes - Funes e aplicaes Tipos de Lubrificantes - Classificao Caractersticas dos leos Lubrificantes 3. Recapitulando O movimento relativo entre corpos slidos, lquidos ougasosos, ocasiona atrito. O atrito excessivo e constante entre peas de um maquinrio,pode provocar o desgaste prematuro das mesmas, resultandoem paralisao da produo. O atrito produz calor que representa perda direta de energia. Para amenizar a ao do atrito podem ser utilizadoslubrificantes. 4. Lubrificantes Conceito Os lubrificantes criam uma pelcula fluida que impede ocontato direto entre as superfcies de componentesmecnicos, transformando o atrito slido em atritofluido. Elementos mecnicos que possuem superfcie ajustadasentre si ou em contato direto constante necessitam delubrificao. 5. Lubrificantes Outras funes Refrigerao rouba calor entre as superfcies. Vedao impede a entrada de contaminantes externos. Amortecimento ao choque ajuda a absorver uma parte doimpacto sofrido na juno. Isolante Eltrico devido a sua composio qumica Remoo de Contaminantes no motor a combusto olubrificantes retira as partculas resultante da combusto 6. Lubrificantes Algumas aplicaes Industria Automotiva: leos minerais, compostos e sintticos 7. Lubrificantes Algumas aplicaes Engrenagens: leos lubrificantes de alta ou baixa viscosidade. 8. Lubrificantes Algumas aplicaes Mancais: leos ou graxas 9. Classificao dos LubrificantesLubrificantes Gasosos So lubrificantes de uso especial e muito restrito, reservadopara aplicaes onde o uso dos lubrificantes convencionaisno possvel, difcil penetrao. Os mais comumente usados so o ar, o nitrognio e gaseshalogenados. 10. Classificao dos LubrificantesLubrificantes SlidosSo lubrificantes indicados para servios em que as partes sosubmetidas elevadas presso e temperatura, ou cargasintermitentes ou em meio de trabalho agressivo.Os lubrificantes slidos mais comuns so o grafite, talco e mica. 11. Classificao dos LubrificantesLubrificantes Semi-SlidosA graxa formada basicamente por:LEO MINERAL + ADITIVOS + AGLUTINADOR = GRAXALogo estes so produtos obtidos a partir da disperso de umagente aglutinante (sabo) no leo mineral garantindo aconsistncia. E aditivos que conferem propriedades graxa.As graxas so indicadas para pontos que no possuem vedaoprpria. 12. Lubrificantes - ClassificaoLubrificantes LquidosConsiderado um dos mais prticos, pode ser classificadoquanto a origem em:leos Minerais;leos Graxos (Animal ou Vegetal); leos Compostos;leos Sintticos. 13. Caractersticas dos LubrificantesOs lubrificantes possuem certas caractersticas que lhe soconferidas com relao sua composio qumica e aspectosfsicos:ViscosidadeDensidadePonto de Fulgor e InflamaoPonto de Fluidez 14. Viscosidade Propriedade inerente a todos os lquidos, podendo ser definidacomo a resistncia que um liquido oferece ao seu fluxo. A viscosidade de um fluido determina sua resistncia aocisalhamento. Propriedade principal de um fluido, pois est relacionada com: Capacidade de levar carga Perda de potncia Calor produzido 15. Classificao dos leosEntidades internacionais responsveis pela classificao doslubrificantes:SAE classificao mais antiga para lubrificantes automotivos,definida pela faixa de viscosidadeAPI classifica os leos lubrificantes de acordo com o seu nvelde desempenho.ACEA classificao europia, utiliza critrios semelhantes aosda API.JASO classificao japonesa para lubrificantes de motoresdois tempos.NMMA classifica lubrificantes navais utilizados em motoresnavais. 16. Classificao dos leos - SAESo classificados pela SAE que agrupa os leos devido as suasviscosidades em determinadas temperaturas. No levada emconsiderao desempenho nem qualidade do leo.Quanto maior a numerao mais viscoso o leo.Exemplo: SAE 40 mais viscoso do que o SAE 20leos em que a viscosidade medida baixas temperaturasso da srie W (leos de inverno). Ideais para lubrificao durante partida de mquinas.leos em que a viscosidade medida baixas temperaturasso os leos de vero. Evita o desgaste dos componentes a altas temperaturas. 17. Viscosidade x TemperaturaA viscosidade influenciada pela atividade molecular. Assim,quanto maior a temperatura, menor ser viscosidade. 18. Caractersticas dos Lubrificantesndice de Viscosidade 19. ndice de Viscosidade leos que possuem alto IV so poucos afetados pelastemperaturas, reunindo caractersticas de leos de veroe inverno simultaneamente. Estes so os chamados leos multiviscosos, possuindo aduas numeraes. Como exemplo temos o SAE 20W-50,que se comporta como SAE 20 em baixas temperaturas eSAE 50 a altas. 20. Classificao dos leos - APIA classificao por este mtodo, consiste em submeter o leo auma srie de testes especficos que levam em considerao: Tipo de trabalho Tipo de motor Prticas de manuteno Nvel de proteo Desgaste LimpezaSries:S: Agrupa os lubrificantes para motores ciclo OttoC: Rene os lubrificantes para motores ciclo diesel 21. Classificao dos leos - API Categoria AplicaoMotores de aspirao natural, operandoCAem condies suaves ou moderadas,utilizando combustvel de baixo teor deenxofre. de aspirao natural, operandoMotoresCBem condies suaves ou moderadas,utilizando combustvel de alto teor deenxofre (1%). tempos operando em servioMotores dois CD IIsevero.Motores quatro tempos de alta rotao.Supera a categoria CE quanto ao consumo CF.4 de lubrificante e formao de depsitos nospistes. 22. Caractersticas dos LubrificantesDensidade A densidade absoluta ou simplesmente densidade conceituada como sendo a relao massa por unidade de volume. A densidade relativa definida como sendo um nmero adimensional obtido atravs da relao entre a densidade absoluta de uma substncia e a densidade absoluta da gua. Como a densidade absoluta funo do volume e esse influenciado pela temperatura, s tem sentido falar-se em densidade (absoluta ou relativa), quando a ela se refere a uma dada temperatura. 23. Caractersticas dos LubrificantesDensidade No caso dos leos lubrificantes utiliza-se em geral as temperaturas de20C ou 60F como temperaturas de referncia para determinao dasua densidade absoluta. No caso da gua, so utilizadas as temperaturas de 4 ou 60F comoreferncia para determinao da densidade absoluta da gua. O calculo da densidade relativa se d da seguinte maneira: Densidade 20/4C = Densidade do leo a 20C / Densidade da gua a 4C Densidade 60/60F = Densidade do leo a 60F / Densidade da gua a 60F 24. Caractersticas dos LubrificantesPonto de Fulgor O Ponto de Fulgor ( Flash Point) a temperatura na qual o leodesprende os primeiros vapores que se inflamam quando emcontato com uma chama. So caractersticas importantes dos leos lubrificantes, poisindicam as faixas de temperatura em que um leo pode operarcom total segurana. Ter um ponto de fulgor alto, no significa que o leo possuapropriedades antioxidantes prprias para uma elevadatemperatura. 25. Caractersticas dos LubrificantesPonto de InflamaoProsseguindo o aquecimento do leo para temperaturassuperiores a do Ponto de Fulgor, haver um determinado valorda temperatura (Fire Point) a partir do qual a combusto dosvapores por ele desprendidos passar a ser continua, resultandona combusto completa da superfcie do leo. 26. Caractersticas dos LubrificantesPonto de Fulgor e Ponto de InflamaoA caracterstica que define a utilizao e o manuseio dos leoslubrificantes o seu Ponto de Fulgor. Se por qualquer razo, atemperatura do leo estiver prxima dele, sua utilizao oumanuseio no so recomendados. 27. Caractersticas dos LubrificantesPonto de Fluidez O Ponto de Fluidez a menor temperatura a que submetido umleo lubrificante, mantendo-se inalterada suas caractersticas defluidez. A perda da fluidez ocorre devido a formao de cristais no interiordo leo. Essa formao mais fcil nos leos que tm maioresteores de parafina. Assim, os leos de base parafnica tm Ponto de Fluidez maiorque os de base naftnica e, por isso, esses so especificados,preferencialmente para baixas temperaturas.