Os Clássicos da Sociologia (Émile Durkheim)

  • View
    4.745

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of Os Clássicos da Sociologia (Émile Durkheim)

  • 1. OS CLSSICOS DA SOCIOLOGIA : MARX, DURKHEIM E WEBEROS CLSSICOS DA SOCIOLOGIA : MARX, DURKHEIM E WEBER

2. O estudo da realidade brasileira no contexto docapitalismo global no dispensa o estudo dateoria social clssica seno corre-se o risco deprecisarmos reinventar continuamente a roda.Mas, por outro lado, no devemos transformar ostextos clssicos numa espcie de bblia sagradapretendendo aplicar as anlises da realidadesocial europia do sculo XIX para compreender arealidade social brasileira e mundial do sculoXXI. 3. Caractersticas de um clssicoSeja considerado interprete autntico e nico de seu tempo, cujaobra seja utilizada como instrumento indispensvel paracompreend-lo.Seja sempre atual, de modo que cada poca, ou mesmo cadagerao, sinta a necessidade de rel-lo e, relendo-o, dereinterpret-lo.Tenha construdo teorias-modelo das quais nos servimoscontinuamente para compreender a realidade, at mesmo umarealidade diferente daquela a partir da qual as tenha derivado e qual as tenha aplicado, e que se tornaram, ao longo dos anos,verdadeira e proprias categorias mentais.Norberto Bobbio, Teoria Geralde Poltica 4. No sculo XIX, trs pensadores desenvolveram teorias buscandoexplicar a sociedade capitalista: Karl Marx , Emile Durkheim quecontinuou o positivismo de Augusto Comte e Max Weber . Estes trspensadores so denominados os clssicos da Sociologia.Os Clssicos da Sociologia1818-1883 1858-1917 1864-1920 5. Auguste Comte OFundador da SociologiaISIDORE- AUGUSTE MARIE-FRANOISXAVIER COMTEFilsofo e Socilogo, natural de MontpellierFrana.Nasceu em 1798 e faleceu em Paris em1857. 6. Emprego dos TermosCriador da SOCIOLOGIA e doPOSITIVISMO aps exaustivosestudos da esttica e dinmica sociais,idealizou uma sociedade modelo, tendoo amor como princpio, a ordem comobase e o progresso como fim. 7. PositivismoDefinioO positivismo uma corrente filosfica que surgiu na Frana no comeo do sculoXIX. Os principais idealizadores do positivismo foram os pensadores AugustoComte e John Stuart Mill. Esta escola filosfica ganhou fora na Europa nasegunda metade do sculo XIX e comeo do XX, perodo em que chegou aoBrasil.PrincpiosO positivismo defende a ideia de que o conhecimento cientfico a nica forma deconhecimento verdadeiro. De acordo com os positivistas somente pode-seafirmar que uma teoria correta se ela foi comprovada atravs de mtodoscientficos vlidos.Os positivistas no consideram os conhecimentos ligados as crenas, superstioou qualquer outro que no possa ser comprovado cientificamente. Para eles, oprogresso da humanidade depende exclusivamente dos avanos cientficos. 8. Campo de PesquisaA herana francesa do iluminismo e asondas de choque da RevoluoFrancesa levaram Comte a examinar asociedade a partir de um estudocientfico.(Curso de Filosofia Social(1830-1842).Filosofia Social no princpio, depois otermo hbrido grego-latino Sociologia. 9. Etapas do PensamentoLei dos trs Estados, no qual oconhecimento est sujeito, em suaevoluo passar por trs estadosdiferentes.Segundo essa Lei, o esprito humanoteria passado por trs fasessucessivas. 10. 1 Estado - TeolgicoPensamento mstico, em que o mundo dominado pelas consideraes dosobrenatural, religio e Deus.Fetichismo (culto de objetos materiais -magias)Politesmo (presena de vrios deuses)Monotesmo (presena de um nicoDeus) 11. 2 Estado - MetafsicoAs atraes do sobrenatural so substitudas pelopensamento filosfico sobre a essncia dos fenmenos. um ramo da filosofia que estuda a essncia do mundo. Seocupa em procurar responder perguntas tais como: O que real? O que natural? O que sobrenatural?Estudos que vo alm da natureza, alm do fsico, almdaquilo que se possa ver ou tocar.Reunio de todas as foras numa s chamada natureza.(pantesmo) 12. 3 Estado: PositivoA cincia, ou a observao cuidadosa dosfatos empricos, o teste sistemtico de teoriastornam-se modos dominantes para seacumular conhecimentos.Uso das leis cientficas da Matemtica,Astronomia, Fsica, Qumica, Biologia eLgica) 13. Os Clssicos da SociologiaEmile Durkheim(1857 1917)Max Weber(1864 1920)Karl Marx (1818 1883)Objeto daSociologia MtodoClasses SociaisFato SocialAo SocialDialticaExplicaoCompreensoSocial 14. OS CLSSICOS DASOCIOLOGIAEMILE DURKHEIM1857-1917 15. BIBLIOGRAFIABASICAGARCIA, Dirce Maria Falconi. O pensamento sociolgico deEmile Durkheim. In Lemos Filho, Arnaldo. Sociologia Geral edo Direito. 2edio, Campinas:Ed.Alinea, 2005SELL, CarlosEduardo. Sociologia Classica: Marx, Durkheim eWeber. Petropolis, Ed.Vozes,2009LEMOS FILHO, Arnaldo. Slides 16. BIBLIOGRAFIACOMPLEMENTAR1.COSTA, Cristina. Sociologia,uma introduo Sociedade.3edio.So Paulo: Editora Moderna,20052. ARON, Raymond. As etapas do PensamentoSociolgico. Brasilia, UNB,19803. QUINTANERO, Tania. Um toque de classicos. 2edio. Belo-Horizonte: Ed. UFMG, 20044. CASTRO, Ana Maria-DIAS, Edmundo.Introduo aopensamento sociolgico. Rio de Janeiro, Ed.Eldorado,1987, 9edio. 17. CONCEITOS BSICOSFATO SOCIALCOERAO SOCIALCONSCINCIA COLETIVADIVISO SOCIAL DO TRABALHOSOLIDARIEDADE MECNICASOLIDARIEDADE ORGNICADIREITO REPRESSIVONORMAL E PATOLGICO DIREITO RESTITUTIVOSUICDIOANOMIA 18. 1. Contexto Histrico - Obras2. Contribuies para a Sociologia2.1. A preocupao em estabelecer um objeto eum mtodo para a Sociologia2.2. A preocupao em estabelecer normas quejustifiquem a manuteno da sociedade capitalista3. ConclusoROTEIRO 19. CONTEXTO HISTRICOVivendo no perodo que vai da segunda metade do sculo XIXat o final da Primeira Guerra Mundial foi contemporneo dosacontecimentos significativos do perodoInicio da III Republica na FranaO capitalismoconsolidado e suascontradiesProgresso tecnolgicoProdutividade nas fbricasComuna deParis(1871)Sindicatos - Greves 20. Preocupa-se com oestabelecimento deuma nova ordem socialToda reforma social deveestar baseada noconhecimento prvio ecientfico da sociedade eno numa ao polticaCom amplo conhecimentodas Cincias Naturais,passa a ver a sociedadecomo um imenso corpobiolgico.CONTEXTO HISTRICOProcurou conhecer asociedadecientificamente comracionalidade, para quea cincia pudesseresolver as questessociais 21. Luta para provar que a Sociologia uma cincia e que, porisso, deve ser neutra.Faz uma leitura conservadora da crise social do seu tempo,acreditando ser provocada pelo desregramento, que seriaresolvida com a formao de instituies publicas capazesde se impor aos membros da sociedade e eliminar osconflitosCONTEXTO HISTRICONunca se utiliza da teorias das classes sociais, demonstrandouma tendencia a subestimar a importncia dos fatoreseconmicos na compreenso da sociedade 22. OBRAS PRINCIPAIS1893- DA DIVISO DO TRABALHO SOCIAL1895 AS REGRAS DO MTODO SOCIOLGICO1897 o SUICDIO1912- AS FORMAS ELEMENTARES DA VIDARELIGIOSA 23. 1contribuioAs Regras do Mtodo SociolgicoApreocupaoemestabelecerpara aSociologiaObjetoMetodoFatoSocialExplicao 24. FatoSocial Fato social toda maneira de fazer, fixa ouno,suscetvel de exercer sobre o indivduo umacoao exterior;ou ainda, que geral no conjunto decada sociedade tendo ao mesmo tempo existnciaprpria, independente de suas manifestaesindividuais.Fato social consiste em maneiras coletivas depensar, sentir e agir, exteriores ao indivduo edotadas de um poder de coero em virtude do qualse lhe impem 25. CARACTERSTICASDO FATO SOCIALGENERALIDADEEXTERIORIDADECOERCITIVIDADEpor ser coletivo e estarpresente em toda asociedadepor se apresentar forado individuopor exercer umafora sobre oindividuo,obrigando-o a seconformar com asmaneiras de pensar,sentir e agir, 26. Independente de qualquerfilosofia, visando apenas oprincipio da causalidadeGarantia da objetividadeUm fato social s pode serexplicado por outro fato socialCaractersticasdo mtodoMTODO 27. MTODOOs fatos sociais devem sertratados como coisasRegrafundamental 28. A explicao cientfica exige que o pesquisador mantenhacerta distncia e neutralidade em relao ao fato a serestudado.O socilogo deve deixar de lado suas pr-noes, isto ,seus valores e sentimento pessoais. No pode haverenvolvimento afetivo ou interferncia do sujeito emrelao ao objeto.Enfatiza a posio de neutralidade e objetividade que opesquisador deve ter em relao sociedade: devedescrever a realidade social sem deixar que suas idias eopinies interfiram na observao dos fatos sociaisMTODO 29. O conjunto das crenas e dos sentimentoscomuns mdia dos membros de uma mesmasociedade forma um sistema que tem sua vidaprpria; podemos cham-lo conscinciacoletiva ou comum. Sem dvida, ela no tempor substrato um rgo nico; , por definio,difusa em toda extenso da sociedade( A Diviso do Trabalho Social)CONSCINCIA COLETIVA 30. CONSCINCIA COLETIVATrata-se da idia do que seja o psquico social.A conscincia coletiva objetiva (no vem de uma s pessoa), exterior ( o que a sociedade pensa), age de uma formacoercitiva.A conscincia coletiva manifesta-se nos sistemas jurdicos, noscdigos legais, na arte, na religio, nas crenas, nos modos desentir, nas aes humanas. Existe difundida na sociedade e interiorizada pelos indivduos., de certo modo a moral vigente da sociedade.Para Durkheim, a sociedade mais do que a soma dosindivduos e o todo (a sociedade) prevalece sobre as partes(osindivduos). 31. Sendo um conceito muito abrangente, a partir de 1897, Durkheim passa autilizar o conceito de representaes sociaisA vida social feita essencialmente de representaes que so osestados de consciencia coletiva, diferentes me natureza dos estadosde conscincia individual.Elas exprimem o modo pelo qual o grupo seconcebe a si mesmo em suas relaes com os objetos que os afetam.Ora o grupo est constitudo de maneira diferente do indivduo, e ascoisas que o afetam so de outra natureza. Para compreender amaneira como a sociedade se v a si mesma e ao mundo que a rodeia, preciso considerar a natureza da sociedade e no a dos indivduos( As Regras do Mtodo Sociolgico)Representaes Sociais 32. 2contribuioA preocupao emestabelecer normas quejustifiquem a manuteno dasociedade capitalistaA Diviso do Trabalho Social 33. Em sua obra A Diviso